Salmo 97

1 O SENHOR reina; que a terra se encha de alegria; alegrem-se as muitas ilhas.

Comentário de A. R. Fausset

Esse domínio é uma causa de alegria, porque, embora nossas mentes sejam oprimidas com terror diante do trono do Rei dos reis (Êx 19:16; Dt 5:22), sabemos que é baseado em princípios e juízos justos que são de acordo com a verdade. [JFB]

2 Nuvens e escuridão há ao redor dele; justiça e juízo são a base de seu trono.

Comentário de A. R. Fausset

Nuvens e escuridão há ao redor dele. Imagens tiradas do Salmo 18:9 de Davi; Salmo 18:11 que por sua vez repousam sobre Êx 19:16,18; Dt 5:22. As nuvens, trevas e relâmpagos, os terríveis acompanhamentos da manifestação de Jeová na entrega da Lei no Sinai, são o tipo e presságio dos mesmos acompanhamentos numa escala maior e mais terrível na consumação final da Lei e do Evangelho na segunda vinda do Senhor (Sl 50:3; 2Ts 1:7-9). As nuvens escuras escondem ameaçadoramente os relâmpagos da ira que irrompem contra os idólatras (Sl 97:3,7). [JFU]

Leia também um estudo sobre a justiça de Deus.

3 Fogo vai adiante dele, que inflama seus adversários ao redor.

Comentário de A. R. Fausset

As ilustrações presentes da terrível justiça de Deus sobre os inimigos (Sl 83:14) são vistas nas revelações de Seu poder todo-poderoso sobre os elementos da natureza (compare Sl 46:2; 77:17; Hb 3:6,…). [JFB]

4 Seus relâmpagos iluminam o mundo; a terra os vê, e treme.

Imagem tirada de Sl 77:18. A contemplação desnuda de ti a terra tremer (Sl 77:16).

5 Os montes se derretem como cera na presença do SENHOR, na presença do Senhor de toda a terra.

Comentário Cambridge

De Mq 1:4; 4:13; compare com Zc 4:14; 6:5. A desintegração das partes mais sólidas e antigas da terra é a expressão de seu terror e a medida de Seu poder. Compare com Hq 3:6. [Cambridge]

6 Os céus anunciam sua justiça, e todos os povos veem sua glória.

Comentário de A. R. Fausset

céus – ou, seus habitantes (Sl 50:6), em oposição a “nações” na última sentença (compare Is 40:5; 66:18). [JFB]

7 Sejam envergonhados todos os que servem a imagens, e os que se orgulham de ídolos; prostrai-vos diante dele todos os deuses.

Comentário de A. R. Fausset

Os idólatras são totalmente envergonhados, porque se os anjos devem adorá-Lo, quanto mais aqueles que os adoraram.

todos os deuses – literalmente, “todos os anjos” (Sl 8:5138:1; Hb 1:62:7). Paulo cita, não como uma profecia, mas como linguagem usada em relação ao Senhor Jeová, que no Antigo Testamento a teofania é a segunda pessoa da Divindade. [JFB]

8 Sião ouviu, e se alegrou; e as filhas de Judá tiveram muita alegria, por causa de teus juízos, SENHOR;

Comentário de A. R. Fausset

A exaltação do rei de Sião é alegria para os justos e tristeza para os ímpios.

filhas de Judá – (compare com o Sl 48:11). [JFB]

9 Pois tu, SENHOR, és o Altíssimo sobre toda a terra; tu és muito mais elevado que todos os deuses.

mais elevado que todos os deuses – (Sl 95:3).

10 Vós que amais ao SENHOR: odiai o mal; ele guarda a alma de seus santos, e os resgata da mão dos perversos.

Comentário de A. R. Fausset

Que a gratidão pelas bênçãos da providência e da graça encoraje os santos (Sl 4:3) a viverem santamente. Bênçãos espirituais estão reservadas, representadas pela luz (Sl 27:1) e alegria. [JFB]

11 A luz é semeada para o justo, e a alegria para os corretos de coração.

Comentário de A. R. Fausset

semeada – para brotar abundantemente para tal, que só eles podem e bem podem se regozijar no governo santo do seu Senhor soberano (compare Salmo 30:432:11). [JFB]

12 Vós justos, alegrai-vos no SENHOR; e agradecei em memória de sua santidade.

Comentário Cambridge

Seu santo nome, literalmente o memorial de sua santidade. Seu nome é o que traz à memória tudo o que Ele é e faz. Ver Êxodo 3:15; Salmos 135:13. [Cambridge]

<Salmo 96 Salmo 98>

Introdução ao Salmo 97

O autor deste salmo é desconhecido e a ocasião em que foi composto não pode ser determinada. Sua estrutura é semelhante à dos dois salmos anteriores, e pode ter sido escrito pelo mesmo autor, e ao mesmo tempo; mas é de natureza tão geral que pode ser empregado em todos os momentos e em todos os lugares. Pelo conteúdo, não parece improvável que possa ter sido composto em vista de alguma vitória sobre os inimigos do povo hebreu, e especialmente sobre os idólatras; mas quando isso ocorreu, se o salmo teve tal origem, é impossível estabelecer agora. Venema supõe que se tratasse da época dos macabeus, mas disso não há prova. Muitas das expressões do salmo foram tiradas das porções mais antigas das Escrituras; e foi observado (Hengstenberg) que nenhuma foi retirada dos escritos após o retorno do cativeiro babilônico. Disto se infere que deve ter sido composto antes do exílio. Ainda assim, essa inferência não é certa, pois um escritor após o retorno da Babilônia pode ter feito suas referências apenas aos escritos mais antigos de seu país.

O autor da versão da Septuaginta considerou isso um salmo de Davi, quando a terra foi restaurada à paz. O título dessa versão é, Τῷ Δαυὶδ, ὅτ ̓ ἡ γῆ αὐτοῦ καθίσταται Tō Dauid, hot’ hē gē autou kathistatai; “por Davi, quando sua terra foi restaurada” (ou, estava em paz). O mesmo título ocorre na Vulgata Latina. Lutero o define, “De Cristo e seu reino.” O assunto geral do salmo é a soberania ou supremacia de Deus, e a manifestação dessa soberania ou supremacia em vindicar seu povo e em levar a efeito eventos que lhes deram base de confiança e alegria nele.

Talvez o máximo que se possa dizer agora sobre a origem e o design do salmo é que esses “seis” salmos (95-100) parecem ter sido compostos com referência à mesma ocasião, e podem ser projetados para serem usados ​​juntos. Eles são semelhantes em seu conteúdo e estrutura; e eles se referem à mesma coisa – a soberania ou a supremacia de Deus. Horsley considera esses salmos como “um completo poema profético”. “Cada salmo”, diz ele, “tem seu próprio assunto, que é algum ramo particular do argumento geral, o estabelecimento do reino do Messias. Salmo 95 afirma o poder da Divindade de Javé sobre toda a natureza e exorta as pessoas a servir. No Salmo 96, todas as nações são exortadas a se unirem ao seu serviço, porque ele vem para julgar toda a humanidade, Judeu e gentio. No Salmo 97, Javé reina sobre todo o mundo, os ídolos estão abandonados e o Justo é glorificado. No Salmo 98, Javé fez maravilhas, e realizou a libertação para si mesmo; ele se lembrou de sua misericórdia para com a casa de Israel; ele vem para julgar o mundo inteiro. No Salmo 99, Javé, sentado entre os querubins em Sião (a igreja visível), reina sobre todo o mundo, para ser louvado pela justiça de seu governo. No Salmo 100, todo o mundo é chamado a louvar a Javé o Criador, cuja misericórdia e verdade são eternas”. Pode haver algo exagerado nesta posição, mas os pontos de vista assim expressam o curso geral do pensamento neste grupo de salmos.

No Salmo 97, o ponto particular, então, é que Javé é supremo sobre todo o mundo; que os ídolos se provaram nada; e que os justos são justificados.

O salmo abrange os seguintes pontos:

I. Uma descrição da majestade e glória de Deus como um soberano (Salmo 97:1-6). Nuvens e escuridão estão ao seu redor; o fogo vai adiante dele; os relâmpagos caem e a terra estremece; as colinas derretem e se dissolvem; os céus em seu esplendor declaram sua justiça.

II. Em vista disso, todas as imagens de ídolos e deuses são confundidos e se mostram ser nada; e os amigos do Deus verdadeiro têm ocasião de alegria (Salmo 97:7-9).

III. A prosperidade e felicidade dos justos sob o reinado de Deus (Salmo 97:10-12). Deus os libertará; a luz é semeada para eles na escuridão; alegria é a sua porção, e eles são chamados a regozijar-se e dar graças na lembrança de sua santidade. [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.