Salmo 96

1 Cantai ao SENHOR uma nova canção; cantai ao SENHOR toda a terra.

Comentário Barnes

Cantai ao SENHOR uma nova canção – Veja as notas no Salmo 33:3 . Esta é a única adição feita à forma original do salmo. A palavra novo aqui implica que houve uma nova ocasião para celebrar os louvores a Deus; que algum evento havia ocorrido, ou que alguma verdade relacionada ao caráter divino havia agora sido revelada, o que não poderia ser bem expresso em nenhum salmo ou hino então em uso. É um apelo a todos para celebrar os louvores do Senhor com um “novo” cântico – novo, em particular, porque convida “toda a terra” a se juntar a ele; e possivelmente isso foi projetado para sugerir a idéia de que enquanto aquele templo permanecesse, uma dispensação começaria, sob a qual a distinção entre os judeus e os gentios seria quebrada, e toda a humanidade se uniria no louvor a Deus.

cantai ao SENHOR toda a terra – Todas as nações. Todas as pessoas tiveram a oportunidade de abençoar seu nome; para elogiá-lo. O que ele havia feito, o que ainda estava fazendo, interessava a todas as terras e apelava a todas as pessoas para que o elogiassem. O salmo é construído nesta suposição, que a ocasião para o louvor mencionada era aquela em que todas as pessoas estavam interessadas; ou, em outras palavras, que Yahweh era o verdadeiro Deus sobre todas as nações e que todas as pessoas deveriam reconhecê-lo. [Barnes, aguardando revisão]

2 Cantai ao SENHOR, bendizei ao seu nome; anunciai todos os dias sua salvação.

Comentário Barnes

Cantai ao SENHOR, bendizei ao seu nome – Este versículo é substancialmente o mesmo que 1 Crônicas 16:23 ; “Cantai ao Senhor, toda a terra; anunciai dia a dia a Sua salvação”.

anunciai todos os dias sua salvação – Sua interposição; o fato de que ele nos salvou ou nos libertou. Isso pode ter se referido originalmente em particular ao que ele fez para salvar o povo em tempo de perigo, mas a linguagem também expressa a salvação em um sentido mais elevado – a salvação do pecado e da morte. Como tal, pode ser empregado para expressar o que Deus fez pela humanidade – por todas as pessoas, judeus e gentios – ao providenciar um meio de salvação e tornar possível que eles alcançassem o céu. Por isso, todas as pessoas têm motivo para elogios.

todos os dias – continuamente; sempre. É um assunto adequado para elogios incessantes. Todo homem deve louvar a Deus todos os dias – a cada manhã de retorno e a cada noite – pela certeza de que há um caminho de salvação providenciado para ele, e “para que seja feliz para sempre”. Se tivéssemos os sentimentos corretos, esse seria o primeiro pensamento que surgiria na mente a cada manhã, irradiando, como os raios de sol, ao nosso redor; e seria o último pensamento que permaneceria na alma enquanto nos deitamos à noite, e fechamos nossos olhos no sono – tornando-nos gratos, calmos, felizes, enquanto afundamos para descansar, por acordarmos ou não neste mundo podemos ser felizes para sempre. [Barnes, aguardando revisão]

3 Contai sua glória por entre as nações, e suas maravilhas por entre todos os povos.

Comentário de A. R. Fausset

Os judeus e pagãos convertidos devem declarar a Sua gloriosa e maravilhosa salvação entre os que não se converteram (Is 60:6; 66:18-19; compare com Is 40:5). [JFU]

4 Porque o SENHOR é grande e muito digno de louvor; ele é mais temível que todos os deuses.

Comentário Barnes

Porque o SENHOR é grande – Yahweh é grande. Veja as notas no Salmo 77:13 . Este versículo é tirado literalmente de 1 Crônicas 16:25 .

e muito digno de louvor – Digno de exaltado louvor e adoração.

ele é mais temível que todos os deuses – Ele deve ser reverenciado e adorado acima de todos os que são chamados de deuses. Maior honra deve ser dada a ele; elogios mais elevados devem ser atribuídos a ele. Ele é o governante de toda a terra e tem direito ao louvor universal. Mesmo se fosse admitido que eles eram deuses reais, ainda seria verdade que eles eram divindades locais e inferiores; que governavam apenas os países específicos onde eram adorados e reconhecidos como deuses, e que não tinham direito à adoração “universal” como Javé. [Barnes, aguardando revisão]

5 Porque todos os deuses dos povos são ídolos, porém o SENHOR fez os céus;

Comentário Cambridge

porém o SENHOR fez os céus. O apelo às obras da criação como prova do poder de Jeová ocorre freqüentemente em Isaías 40-66. Ver Is 40:22; 42:5; 44:24. [Cambridge]

6 Majestade e glória há diante dele; força e beleza há em seu santuário.

Comentário Barnes

Majestade e glória há diante dele – Esta parte do versículo é tirada literalmente de 1Cr 16:27. O significado é que aquilo que constitui honra, glória, majestade, está em sua presença, ou onde quer que ele esteja. Onde quer que ele se manifeste, há exibições de honra e majestade. Eles são sempre os acompanhamentos de sua presença.

força e beleza há em seu santuário – Isso é ligeiramente diferente da passagem paralela em 1Cr 16:27. A palavra traduzida como “força” é a mesma em ambos os lugares. A palavra traduzida “beleza” aqui – תפארת tiph’ereth – está em 1Cr 16:27 חדוה chedvâh – “alegria ou alegria”. A palavra aqui traduzida por “santuário” – מקדשׁ miqdâsh – está em 1Cr 16:27 – מקום mâqôm – “lugar”. Essas variações são tais que mostram que o salmo não é um mero extrato, mas que foi alterado de design e adaptado à ocasião em que deveria ser empregado – confirmando a suposição de que pode ter sido usado na substituição dedicação do templo após o retorno do cativeiro. A palavra “santuário” refere-se ao lugar santo onde Deus habita; sua morada sagrada, seja sua residência no céu, ou o templo na terra como o lugar de sua habitação terrena. Quando se diz que a “força” está ali, significa que a morada de Deus é a fonte do “poder”, ou que o poder emana de lá; isto é, do próprio Deus. Quando se diz que a “beleza” está ali, o significado é que tudo o que é adequado para encantar pela beleza; tudo o que é um ornamento real; tudo o que torna o mundo atraente; tudo o que embeleza e adorna a criação tem sua morada em Deus; procede dele. Pode-se acrescentar que tudo o que existe de “poder” para reformar o mundo e converter pecadores; tudo o que existe para desviar as pessoas de seu curso de vida vicioso e abandonado; tudo o que existe para tornar o mundo melhor e mais feliz procede do “santuário” – a igreja de Deus. Tudo o que realmente adorna a sociedade e a torna mais adorável e atraente; o que quer que seja que difunda um encanto na vida doméstica e social; tudo o que torna o mundo mais adorável ou mais desejável de se viver – mais cortês, mais gentil, mais humano, mais gentil, mais perdoador – tem sua casa no “santuário”, ou emana da igreja de Deus. [Barnes, aguardando revisão]

7 Reconhecei ao SENHOR, ó famílias dos povos; reconhecei que ao SENHOR pertence a glória e a força.

Comentário de A. R. Fausset

Reconhecei ao SENHOR, ó famílias dos povos. Em Salmos 29:1-11 está: “Ó filhos dos poderosos” – isto é, anjos. Aquele a quem todos os anjos louvam como seu Senhor, na plenitude do tempo, será louvado por todos os habitantes da terra:então se cumprirá  a oração:“Seja feita a tua vontade (por todos os homens) na terra como é (por todos os anjos) no céu”. “A diferença entre o céu e a terra é apenas temporária. A manifestação do braço santo do Senhor deve remover essa diferença em Seu próprio tempo” (Hengstenberg). [JFU]

8 Reconhecei ao SENHOR a glória de seu nome; trazei ofertas, e entrai nos pátios dele.

Comentário Barnes

Reconhecei ao SENHOR a glória de seu nome – Isso também é literalmente tirado de 1 Crônicas 16 :Salmo 96:1-13 :28. A margem aqui é, como em hebraico, de “seu nome”:a honra de seu nome. A ideia é aquela que está expressa em nossa tradução. Traga a Deus o que é devido a ele; ou, faça tal reconhecimento como ele merece e reivindica. Reconheça-o como Deus e reconheça-o como um Deus como ele é. Que a honra devida a Deus como tal seja dada a ele; e que a honra que lhe é devida, pelo caráter que realmente possui, seja atribuída a ele.

trazei ofertas – Esta é a linguagem tirada da adoração no templo, e significa que Deus deve ser adorado, da maneira que ele prescreveu, como uma expressão adequada de sua majestade. A palavra aqui traduzida como “oferta” – מנחה minchāh – é comumente usada para denotar uma oferta “sem sangue” – uma oferta de gratidão. Veja as notas em Isaías 1:13 .

e entrai nos pátios dele – Os pátios ou áreas ao redor do tabernáculo e do templo, onde os sacrifícios eram feitos e onde o povo adorava. Veja as notas em Mateus 21:12. [Barnes, aguardando revisão]

9 Adorai ao SENHOR na glória da santidade; temei perante sua presença toda a terra.

Comentário Barnes

Adorai ao SENHOR na glória da santidade – Este versículo foi literalmente tirado de 1 Crônicas 16:29-30 . A margem aqui é “no santuário glorioso”. A Septuaginta, ἐν αὐλῇ ἁγίᾳ en aulē hagia – “em sua corte sagrada”. Portanto, a Vulgata Latina. Sobre os significados da expressão, veja as notas no Salmo 29:2.

temei perante sua presença toda a terra – Todas as terras; todas as pessoas. A palavra traduzida como “medo” significa propriamente contorcer-se, torcer-se, sentir dor; e então, tremer, tremer, ter medo. A palavra “tremer” talvez expresse melhor a ideia aqui. É aquele temor solene produzido pela sensação da presença divina e majestade que causa tremor. Isso denota profunda reverência por Deus. [Barnes, aguardando revisão]

10 Dizei entre as nações:O SENHOR reina; o mundo está firme, e não se abalará; ele julgará aos povos de forma correta.

Comentário Barnes

Dizei entre as nações – Entre as nações; todas as nações. Faça esta proclamação em todos os lugares. Isso é alterado da passagem paralela em 1 Crônicas 16 . A linguagem ali é:”Teme diante dele, toda a terra; o mundo também será estável, para que não seja movido:alegrem-se os céus, e regozije-se a terra; e diga-se entre as nações:O Senhor reina . ” O sentido é, no entanto, essencialmente o mesmo. A ideia aqui é:”Faça a proclamação universal de que Yahweh é Rei.”

O SENHOR reina – Veja as notas no Salmo 93:1 .

o mundo está firme, e não se abalará – Sob o reino de Deus. O significado é que o mundo é fixo ou imóvel. Ele tem o seu lugar e não pode ser removido dele. O governo de Deus é fixo e estável. Não é temporário, mutável, vacilante, como as dinastias da terra, mas é firme e duradouro, e é bem representado pela terra – tão fixo e firme que nada pode movê-lo de seu lugar.

ele julgará aos povos de forma correta – o povo de todas as terras; as nações da terra. Veja as notas no Salmo 67:4. [Barnes, aguardando revisão]

11 Alegrem-se os céus, e enchei de alegria a terra; faça barulho o mar e sua plenitude.

Comentário Barnes

Alegrem-se os céus, e enchei de alegria a terra – Que todos os mundos sejam cheios de alegria, pois todos estão interessados ​​no fato aqui declarado. O universo é um. Foi feito pela mesma mão; está sob o controle da mesma mente; é regido pelas mesmas leis. O Deus que reina na terra reina no céu; e o que afeta uma parte do universo afeta a todos. Conseqüentemente, em todas as manifestações do caráter de Deus, sejam feitas no céu ou na terra, é apropriado chamar todo o universo para participar da alegria geral.

faça barulho o mar – Em louvor a Deus. Não é incomum nas Escrituras invocar coisas inanimadas para louvar a Deus. Compare o Salmo 148:7-9. A mesma coisa é comum em toda poesia.

e sua plenitude – Sua abundância. Aquilo que o preenche. Tudo o que ele contém. Isto é, que todos os que habitam nos mares louvem a Deus. Seu reinado é uma ocasião de alegria universal. Tudo no mundo inanimado; tudo entre as tribos irracionais do ser; todos no ar, nas águas ou na terra, têm motivo para louvar e renderiam louvor se pudessem apreciar a sabedoria e a bondade evidenciadas em sua criação. Embora inconscientes, as criaturas inferiores parecem celebrar seu louvor; mas o homem só pode dar uma expressão inteligente para agradecimento. [Barnes, aguardando revisão]

12 Saltem contentes o campo e tudo que nele há, e que todas as árvores dos bosque cantem de alegria,

Comentário Barnes

Saltem contentes o campo e tudo que nele há – Isto é tirado – com a mudança de uma única letra, não afetando o sentido – de 1 Crônicas 16:32-33 . É uma chamada aos campos – as porções cultivadas da terra – para se regozijar no reino de Deus. Como conscientes da beleza com que os reveste e da felicidade que conferem ao homem na sua beleza e na abundância das suas produções, são chamados a louvar a Deus.

e que todas as árvores dos bosque cantem de alegria – As florestas – os carvalhos, os cedros, os pinheiros, aquela onda com tanta majestade. Se eles estivessem conscientes de sua própria magnificência e beleza – se eles pudessem ver quanta sabedoria e bondade Deus tem derramado sobre eles, em suas formas, seus ramos, suas folhas, suas flores, seus frutos – se eles pudessem saber o quanto eles são feitos para realizar em tornar o mundo bonito, e em contribuir para a felicidade do homem – se eles entendessem que mundo nu, desolado, frio e deserto este seria, mas para eles, eles, também, teriam abundantes ocasiões para louvor e alegria. [Barnes, aguardando revisão]

13 Diante do SENHOR; porque ele vem; porque ele vem para julgar a terra. Ele julgará ao mundo com justiça, e aos povos com sua verdade.

Comentário Whedon

Ele julgará ao mundo com justiça. Esta descrição da situação feliz da terra está de acordo com a de João, Ap 20:4:“Vi tronos, e eles se assentaram sobre eles, e foi-lhes dado julgamento”. Compare com Dn 7:22,27. [Whedon]

Leia também um estudo sobre a justiça de Deus.

<Salmo 95 Salmo 97>

Introdução ao Salmo 96

Este salmo é inteiramente registrado em 1Cronicas 16:23-33, com alguma variação de sua forma no Saltério, como tendo sido usado na ocasião da segunda remoção da arca (1Crônicas 16:7). Aparentemente contrário a isso, a Septuaginta dá o título:“Quando a casa foi construída depois do cativeiro, uma canção de Davi”. Mas esses dois relatos podem concordar se tomarmos a data real como dada em Crônicas, e supor que, após o exílio, ela foi usado na dedicação do segundo templo. O último fato seria naturalmente preservado nos arquivos sagrados, e os autores da versão grega, mais de duzentos anos depois, poderiam ter inserido seu título simplesmente para mostrar que o salmo foi assim usado. Nessa hipótese, e em nenhuma outra, eles poderiam tê-la chamado de ωδη τω Δαυιδ, (uma canção de Davi) e, ao mesmo tempo, datado de οτε οικος ωκοδομηται την αιματωσιαν, (quando a casa foi construída, após o cativeiro). Não podemos pegar a última parte do título grego e rejeitar a primeira, como fazem alguns críticos. Esse procedimento é totalmente arbitrário. Devemos aceitar o todo como genuíno ou rejeitá-lo devido aos conflitos com Crônicas. A explicação que demos atende a todas as demandas de uma crítica justa.

Conteúdo. O salmo é a mais alegre celebração da soberania universal de Deus, como Rei e Salvador, escrito na linha do Salmo 95:1-7, e em marcante simpatia com as profecias posteriores de Isaías, capítulos 40 a 63. Na introdução, toda a terra é chamada a louvar a Deus (Salmo 96:1-6) por causa de sua grandeza e glória, e da beleza, pureza e adequação de sua adoração; os pagãos, também, são convidados a vir com ofertas (Salmo 96:7-9), pois seu reino será estabelecido também sobre eles (Salmos 96:10), ocasião em que o céu, a terra e o mar, o homem e a natureza são chamados a exultar (Salmo 96:11-13). Todo o salmo é uma profecia da submissão das nações gentílicas a Javé, que é o meio comum através do qual os profetas hebreus contemplavam o reinado do Messias. [Whedon]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.