Salmo 33

1 Cantai ao SENHOR, vós que sois justos; aos corretos convém louvar.

Comentário Barnes

Cantai ao SENHOR, vós que sois justos – Este é o sentimento com o qual o salmo anterior termina. Veja as notas no Salmo 32:11 .

aos corretos convém louvar – É digno, adequado, apropriado. Isto é, os retos – os justos – têm abundantes motivos para louvor, e é para eles um emprego adequado, ou aquele que lhes convém. Um homem que é reto, ou que é um homem justo, tem exatamente neste fato muito que estabelece um fundamento para o louvor, pois o fato de ele ter tal caráter deve ser atribuído à graça de Deus, e isso em si mesmo é uma posse mais valiosa do que ouro ou coroas reais ele seria. Que ele não é um violador declarado da lei de Deus; que ele não é intemperante; que ele não é vítima de luxúrias e paixões violentas; que ele não é um homem desonesto; que ele não é profano; que ele não é um infiel ou escarnecedor; que ele é um homem piedoso – um homem redimido – um homem de bom caráter – um herdeiro do céu – é a maior bênção que poderia ser conferida a ele; e aquele que foi salvo da transgressão e do crime em um mundo como este, e foi habilitado a viver uma vida reta, tem eminentemente ocasião para louvar e abençoar a Deus. Certamente, para tal homem, o elogio é um emprego apropriado, para tal homem é “atraente”. [Barnes, aguardando revisão]

2 Louvai ao SENHOR com harpa; cantai a ele com alaúde e instrumento de dez cordas.

Comentário de A. R. Fausset

Louvaiharpa. A voz é sentida inadequada para fazer justiça à glória de Deus:a ajuda dos instrumentos é convocada.

alaúde e instrumento (lira, ou saltério em algumas traduções) de dez cordas. Josefo diz que as cordas eram doze. Mas algumas liras podem ter apenas dez. O hebraico para lira originalmente significava uma garrafa de couro. Era tocada com os dedos (compare com Sl 92:3; 144:9). [JFU]

3 Cantai-lhe uma canção nova; tocai instrumento bem com alegria.

Comentário Barnes

Cantai-lhe uma canção nova – Uma canção composta especialmente para esta ocasião; expressivo dos sentimentos especiais sugeridos por esta ocasião, ou apropriados a esta nova manifestação da bondade e misericórdia divinas. Tais ocasiões, exibindo alguma nova fase da bondade divina, exigiam uma nova linguagem apropriada a eles. Portanto, agora, novos hinos de louvor e novas melodias musicais são exigidos para atender às sempre variáveis ​​manifestações da misericórdia de Deus; e à medida que a igreja se estende no mundo, seus modos de louvor devem ser adaptados ao novo estado de coisas que surgirá. Nada poderia ser mais absurdo do que tentar restringir a igreja em seus louvores às palavras exatas que foram usadas na época de Davi, ou à música que era empregada então. Compare as notas em Apocalipse 5:9. A expressão “novo cântico” ocorre várias vezes nos Salmos, mostrando que novos hinos de louvor foram compostos adaptados a alguma nova manifestação da bondade de Deus:Salmo 40:3 ; Salmo 96:1 ; Salmo 98:1 ; Salmo 144:9 ; Salmo 149:1 . Compare também Isaías 42:10 .

tocai instrumento bem com alegria – literalmente, “Faça bem em jogar;” ou “jogar bem”. Ou seja, faça bem o trabalho, ou com todo o talento musical. A palavra traduzida como “barulho alto” significa propriamente “um grito de alegria” ou “regozijo”:Jó 8:21 ; 1 Samuel 4:5 . É especialmente aplicado ao som ou clangor de trombetas:Levítico 25:9 ; Levítico 23:24 ; Números 29:1 . Há antes a idéia de “alegria” do que de “barulho” na palavra. O significado é que a música deve ser tal que expresse a maior alegria. [Barnes, aguardando revisão]

4 Porque a palavra do SENHOR é correta; e todas suas obras são fiéis.

Comentário Barnes

Porque a palavra do SENHOR é correta – A ordem; a lei; a promessa de Deus. Tudo o que ele “diz” está certo; ou, é verdade. É digno de crença universal; e deve, portanto, ser um motivo de elogio. O fato de Deus dizer uma coisa é a maior prova de que é verdade.

e todas suas obras são fiéis – ou melhor, “na fidelidade”. Ou seja, tudo o que ele faz é executado com fidelidade. Ele faz tudo o que promete e tudo o que faz é de molde a reivindicar a confiança universal. O que quer que ele faça é, pelo simples fato de o fazer, digno da confiança de todas as suas criaturas. Ninguém, por mais que possa ser afetado pelo que ele faz, tem qualquer razão para duvidar de que seja perfeitamente correto. Deus é o único Ser de quem temos algum conhecimento, de quem podemos ter esta certeza. [Barnes, aguardando revisão]

5 Ele ama a justiça e o juízo; a terra está cheia da bondade do SENHOR.

Comentário de A. R. Fausset

Ele ama a justiça. O fundamento da Igreja de certeza de que o Senhor não permitirá que a injustiça de seus inimigos prevaleça (Hc 1:13).

a terra está cheia…Se a bondade de Deus se manifesta tão ricamente no mundo da natureza, quanto mais ela será exibida para Seu povo, os objetos especiais de Sua escolha. [JFU]

6 Pala palavra do SENHOR foram feitos os céus; e todo o seu exército foi feito pelo sopro de sua boca.

Comentário Barnes

Pala palavra do SENHOR – pelo comando de Deus:Gênesis 1:3 , Gênesis 1:6 etc. Veja as notas no Salmo 33:9 .

foram feitos os céus – Ou seja, os céus estrelados; os mundos acima de nós:Gênesis 1:1 .

e todo o seu exército – Todos os seus “exércitos”. As estrelas são representadas como exércitos ou hostes comandadas, conduzidas sob seu comando e sob sua direção – como os exércitos são conduzidos na guerra. Veja Gênesis 2:1 ; compare as notas em Isaías 1:9 .

foi feito pelo sopro de sua boca – por sua palavra ou comando – enquanto nossas palavras saem de nossas bocas com nossa respiração. A ideia aqui é que Deus é o Criador de todas as coisas; e, como tal, tem direito a elogios; ou que, como Criador, ele tem direito à adoração. Ele tem direito a isso pelo fato de ter feito todas as coisas e pela “maneira” como foi feito – a sabedoria, o poder, a bondade, a habilidade com que foi realizado. [Barnes, aguardando revisão]

7 Ele junta as águas do mar como se estivessem empilhadas; aos abismos ele põe como depósitos de tesouros.

Comentário Barnes

Ele junta as águas do mar como se estivessem empilhadas – A palavra hebraica aqui traduzida “reúne” é um particípio; “reunião.” O objetivo é representar isso como um ato contínuo; um ato não meramente da criação original, mas ocorrendo constantemente. A referência é ao poder pelo qual as águas são recolhidas e mantidas juntas; o poder contínuo que os impede de se espalharem pela terra. A palavra traduzida por “monte” – נד nêd – significa propriamente um monte ou “monte”, e é aplicada às ondas do mar amontoadas como montes. Compare Josué 3:13 , Josué 3:16 ; Êxodo 15:8 :Salmo 78:13. Ele coletou essas águas e as manteve em seus lugares, como se fossem matéria sólida. Isso denota o controle absoluto que Deus tem sobre as águas e, portanto, é uma ilustração notável de seu poder.

aos abismos ele põe como depósitos de tesouros – Os abismos; as águas profundas; as massas de água. Ele os coloca onde lhe agrada; ele os dispõe como o fazendeiro seus grãos, ou como o homem rico seus tesouros. As cavernas do oceano – os leitos dos oceanos – são, portanto, vastos reservatórios ou tesouros para a recepção das águas que Deus escolheu depositar ali. Tudo isso é prova de seu incrível poder, e tudo isso estabelece uma base adequada para o louvor. Ocasiões de gratidão a ele podem ser encontradas em todos os mundos que ele criou; em cada objeto que saiu de suas mãos; e nada sugere isso de maneira mais “óbvia” do que seu maravilhoso poder sobre as águas do oceano – coletando-as, restringindo-as, controlando-as, como lhe aprouver. [Barnes, aguardando revisão]

8 Toda a terra, tenha temor ao SENHOR; todos os moradores do mundo prestem reverência a ele.

Comentário de A. R. Fausset

tenha temor ao SENHOR. Uma vez que Deus é o Criador onipotente, (Salmo 33:6,8), quão loucamente auto-destrutivos são aqueles que se opõem ao Seu povo e, virtualmente, ao próprio Deus! [JFU]

9 Porque ele falou, e logo se fez; ele mandou, e logo apareceu.

Comentário Barnes

Porque ele falou, e logo se fez – A palavra “feito”, introduzida aqui por nossos tradutores, enfraquece a frase. Seria tornado mais expressivo e sublime como no original:”Ele falou, e era”. Ou seja, sua existência dependia de sua palavra; o universo surgiu sob seu comando; ele só tinha que falar, e ela surgiu em toda a sua grandeza onde antes não havia nada. Há aqui uma alusão indubitável ao relato em Gênesis da obra da criação – onde a declaração é que tudo dependia do comando ou da palavra de Deus:Gênesis 1:3 , Gênesis 1:6 , Gênesis 1:9 , Gênesis 1 :11 , Gênesis 1:14 , Gênesis 1:20 , Gênesis 1:24 ,Gênesis 1:26 . Nada mais sublime pode ser concebido do que a linguagem assim empregada nas Escrituras ao descrever essa obra. Nenhuma concepção mais elevada pode entrar na mente humana do que aquela que está implícita quando é dito, Deus “falou” e todo este vasto e maravilhoso universo surgiu.

ele mandou – Ele deu ordem; ele exigiu que o universo aparecesse.

e logo apareceu – Ou melhor, “ficou”. Ou seja, se manifestou; Apareceu; ele surgiu. A idéia de seu “permanecer firme” não está no original e enfraquece muito a expressão. [Barnes, aguardando revisão]

10 O SENHOR desfez a intenção das nações; ele destruiu os planos dos povos.

Comentário Barnes

O SENHOR desfez a intenção das nações – Margem:”torna frustrante.” A palavra hebraica significa “quebrar” ou “anular”. A palavra aqui traduzida como “pagão” significa “nações”; e a ideia é que Deus, por seu próprio propósito e providência dominantes, frustra os desígnios das nações da terra; que ele leva avante seus próprios desígnios e propósitos, apesar dos deles; que seus planos de nada valem quando entram em competição com os dele. seus propósitos devem ceder ao propósito Dele. Compare Isaías 8:9-10 , nota; Isaías 19:3 , nota. Todos os planos e propósitos das nações da Terra que entram em conflito com os propósitos de Deus serão em vão; todos esses planos, quaisquer que sejam, tornar-se-ão subservientes, sob Sua providência, à promoção de Seus grandes desígnios.

ele destruiu os planos dos povos – Isto é, Ele os torna vãos, malsucedidos, ineficazes. A palavra “povo” aqui é sinônimo de “nações”, e a ideia é que quaisquer que sejam os pensamentos e propósitos dos seres humanos, se eles se opõem aos planos de Deus, ou se não tendem a promover a Sua glória , eles se tornarão fúteis ou vãos. Deus é um grande e glorioso Soberano sobre tudo, e Ele tornará tudo subordinado à promoção de Seus próprios grandes desígnios. [Barnes, aguardando revisão]

11 O conselho do SENHOR permanece para sempre; as intenções de seu coração continuam de geração após geração.

Comentário Barnes

O conselho do SENHOR – O propósito do Senhor.

permanece para sempre – Será realizado. Isso nunca será alterado. Não pode haver conselho ou vontade “superior” para mudá-lo, como é o caso dos planos dos homens; e nenhum propósito de qualquer ser “inferior” a ele mesmo – anjos, homens ou demônios – pode afetar, derrotar ou modificar seus planos eternos. Nenhuma mudança nos assuntos humanos pode impedir seus planos; nenhuma oposição pode derrotá-los; nenhum progresso pode substituí-los.

as intenções de seu coração – As coisas que ele “planejou” ou que pretende serão realizadas.

continuam de geração após geração – Margem, como em hebraico, “para geração e geração.” Ou seja, de uma geração de homens para outra; ou, para todos os tempos. Os planos de Deus não são mudados com a passagem de uma geração e o advento de outra; por novas dinastias de reis, ou pelas revoluções que podem ocorrer em estados e impérios. Os homens raramente podem fazer com que seus planos sejam levados avante além da geração em que vivem; e eles não podem ter segurança de que as gerações vindouras, com seus próprios planos, não irão abolir ou mudar tudo o que foi planejado ou proposto anteriormente. Nenhum homem pode ter certeza de que sua própria vontade, mesmo em relação à “propriedade”, será realizada na geração que o suceder. Nenhum monarca pode ter certeza de que seus planos serão aperfeiçoados por seus sucessores. Esquemas concebidos com o mais profundo cuidado e a mais alta sabedoria podem ser deixados de lado por aqueles que estão próximos no poder; e nenhum indivíduo pode esperar que as idades vindouras sintam interesse suficiente por ele ou por sua memória para levar avante seus planos. Quem agora se sente obrigado a realizar os projetos de César ou Alexandre? Há quanto tempo todos os seus planos terminaram! Assim será com todos os que agora estão desempenhando seus papéis na terra! Mas nenhuma dessas coisas afeta os propósitos dAquele que continuará a viver e a realizar Seus próprios desígnios quando todas as gerações de seres humanos tiverem morrido. Quem agora se sente obrigado a realizar os projetos de César ou Alexandre? Há quanto tempo todos os seus planos terminaram! Assim será com todos os que agora estão desempenhando seus papéis na terra! Mas nenhuma dessas coisas afeta os propósitos dAquele que continuará a viver e a realizar Seus próprios desígnios quando todas as gerações de seres humanos tiverem morrido. Quem agora se sente obrigado a realizar os projetos de César ou Alexandre? Há quanto tempo todos os seus planos terminaram! Assim será com todos os que agora estão desempenhando seus papéis na terra! Mas nenhuma dessas coisas afeta os propósitos dAquele que continuará a viver e a realizar Seus próprios desígnios quando todas as gerações de seres humanos tiverem morrido. [Barnes, aguardando revisão]

12 Bem-aventurada é a nação em que seu Deus é o SENHOR; o povo que ele escolheu para si por herança.

Comentário Barnes

Bem-aventurada é a nação – Para o significado da palavra “bem-aventurada”, veja as notas no Salmo 1:1 . A ideia aqui é que a nação referida é feliz, ou que sua condição é desejável. O que é verdade para uma nação também é verdade para um indivíduo.

em que seu Deus é o SENHOR – Cujo Deus é Yahweh – pois assim está no hebraico original. Ou seja, a nação que adora Yahweh e está sob sua proteção. Isso é evidentemente dito para distinguir tal nação daqueles que adoravam falsos deuses ou ídolos. Essa nação é abençoada ou feliz porque:

(a) Ele é um Deus real, o Deus verdadeiro, e não uma imaginação ou ficção;

(b) porque Suas leis são justas e boas, e sua observância sempre tenderá a promover o bem-estar público e a prosperidade;

(c) porque Sua proteção será concedida a tal nação; e

(d) porque Sua adoração e a influência de Sua religião tenderão a difundir virtude, inteligência, pureza e verdade sobre uma terra e, assim, promover seu bem-estar.

o povo que ele escolheu para si por herança – Escolhido para ser “Seu”; ou, Sua porção. A referência primária aqui é, sem dúvida, ao povo hebreu, chamado de sua “herança”:Deuteronômio 4:20 ; Deuteronômio 9:26 ; Deuteronômio 32:9 ; Salmo 74:2 ; Salmo 78:62 , Salmo 78:71 ; ou “herança”, Salmo 94:5 ; Jeremias 12:7 , Jeremias 12:9 ; mas o que é afirmado aqui sobre esse povo é verdadeiro também para todas as outras pessoas que adoram o Deus verdadeiro. [Barnes, aguardando revisão]

13 O SENHOR olha desde os céus; ele vê a todos os filhos dos homens.

Comentário de A. R. Fausset

O SENHOR olha desde os céus, atentamente (Is 14:16), não como um espectador ocioso, mas como um juiz soberano, tendo conhecimento de tudo. [JFU]

Leia também um estudo sobre a onisciência de Deus.

14 Desde sua firme morada ele observa a todos os moradores da terra.

Comentário de A. R. Fausset

Desde sua firme morada (o céu) ele observa a todos os moradores da terra. Ele continuamente vê. O sentimento é repetido aqui para mostrar que ninguém pode escapar de seu olhar; que a condição, os personagens, as necessidades de todos são intimamente conhecidos por ele, e que assim ele pode cuidar de seu povo – todo que o ama e o serve – e pode protegê-los do perigo. Veja Salmos 33:18-19. [JFU]

Leia também um estudo sobre a onisciência de Deus.

15 Ele forma o coração de todos eles; ele avalia todas as obras deles.

Comentário de A. R. Fausset

Ele forma o coração de todos eles… O coração é “a oficina do pensamento” (Hengstenberg). Como Deus é o Formador dos corações de todos, Ele vê com precisão e tem sob Seu controle as “intenções” do povo (Sl 94:9; 5:10). Suas “obras”, que resultam de seus pensamentos, não serão permitidas até o ponto de realmente ferir o Seu povo. Portanto, não temos nada a temer se tivermos Deus por nosso amigo. Ele é “o Deus dos espíritos de toda a carne” (Nm 16:22; 27:16; Pv 21:1). [JFU]

16 O rei não se salva pela grandeza de seu exército, nem o valente escapa do perigo pela sua muita força.

Comentário Barnes

O rei não se salva pela grandeza de seu exército – Pelo número de seus exércitos. Sua segurança, por mais numerosas e poderosas que sejam suas forças, está somente em Deus. Ele é o grande Protetor, quaisquer que sejam os meios que os homens possam usar para se defender. Os exércitos mais numerosos e mais bem organizados não podem garantir uma vitória. Afinal, está totalmente nas mãos de Deus. Uma doença devastadora em um acampamento pode anular todos os planos de guerra; ou o sucesso na batalha pode depender de contingências que nenhum comandante poderia prever ou prevenir. Um motim em um acampamento ou um pânico no campo de batalha podem desconcertar os melhores esquemas; ou as forças podem vir contra um exército inesperado; ou a tempestade e a tempestade podem desorganizar e frustrar todo o plano da campanha. Veja Eclesiastes 9:11 .

nem o valente – um homem forte; um gigante – como Golias de Gate. “Força” não é a única coisa necessária para garantir uma vitória.

escapa do perigo pela sua muita força – Pelo simples fato de ser forte. Outras coisas são necessárias para garantir o sucesso; e Deus tem poder para organizar eventos que a mera força não terá valor. [Barnes, aguardando revisão]

17 O cavalo é falho como segurança, com sua grande força não livra do perigo.

Comentário Barnes

O cavalo – A referência aqui é, sem dúvida, ao cavalo de guerra. Veja as notas no Salmo 20:7 .

é falho – literalmente, é uma “mentira”. Ou seja, ele não pode ser confiado.

como segurança – Para garantir a segurança na batalha. Ele está sujeito a ser abatido ou a se tornar selvagem e furioso a ponto de ficar fora do controle de seu cavaleiro; e por mais forte ou veloz que ele possa ser, ou por mais bem que esteja “quebrado”, nenhuma dessas coisas garante que o cavaleiro estará seguro. Deus é o único ser em quem uma confiança perfeita pode ser depositada.

com sua grande força não livra do perigo – a segurança não pode ser encontrada em sua mera “força”, por maior que seja. Todas essas ilustrações têm o objetivo de levar a mente à grande idéia de que a segurança só pode ser encontrada em Deus, Salmo 33:18-19 . [Barnes, aguardando revisão]

18 Eis que os olhos do SENHOR estão sobre aqueles que o temem, sobre os que esperam pela sua bondade.

Comentário Barnes

Eis que os olhos do SENHOR estão sobre aqueles que o temem – Ele zela por eles e “ele” os protege do perigo. Seus olhos estão, de fato, sobre todos os homens; mas é dirigido com atenção especial àqueles que o temem e confiam nele. Sua segurança está no fato de que os olhos de Deus estão sobre eles; que ele conhece seus desejos; que ele vê seus perigos; que ele tem ampla capacidade para entregá-los e salvá-los.

sobre os que esperam pela sua bondade – Sobre os piedosos; sobre seus amigos. A expressão é muito bonita. Descreve o verdadeiro estado de um coração piedoso; na verdade, caracteriza toda a religião, pois sugerimos tudo o que há na religião na terra quando dizemos de um homem que – consciente de sua fraqueza e pecaminosidade – “ele espera na misericórdia de Deus”. [Barnes, aguardando revisão]

19 Para livrar a alma deles da morte, e para os manter vivos durante a fome.

Comentário de A. R. Fausset

Para livrarda morte. O que “força” mundana não pode fazer – a saber, “litrar” seu possuidor (Salmo 33:16-17) “da morte”, é feito por Israel, que é destituído de força mundana, pelo amor e onipotência do SENHOR. [JFU]

20 Nossa alma espera no SENHOR; ele é nossa socorro e nosso escudo.

Comentário de A. R. Fausset

Conclusão. Os crentes testificam sua alegria e confiança no Senhor como seu ‘socorro e escudo’, e oram para que a ‘misericórdia’ de Jeová possa estar sobre eles, de acordo com a sua ‘esperança’ n’Ele.

Nossa alma espera, com grande expectativa, conforme o original hebraico. Assim, o antepassado de Israel, Jacó, em seu leito de morte (Gênesis 49:18). [JFU]

21 Porque nele nosso coração se alegra, porque confiamos no nome de sua santidade.

Comentário Barnes

Porque nele nosso coração se alegra – Veja as notas em Salmos 13:5 .

porque confiamos no nome de sua santidade – em “ele”, o “nome” muitas vezes sendo colocado para a própria pessoa. Veja as notas no Salmo 20:1 . A ideia é:

(a) que o fato de termos colocado nossa confiança em Deus é em si uma ocasião de alegria ou regozijo;

(b) que o resultado será alegria, pois nunca seremos desapontados.

Será sempre, e em todas as circunstâncias, uma fonte de alegria para qualquer pessoa que ele tenha colocado sua confiança no nome de Deus. [Barnes, aguardando revisão]

22 Que tua bondade, SENHOR, esteja sobre nós, assim como nós esperamos em ti.

Comentário Barnes

Que tua bondade, SENHOR, esteja sobre nós – vamos encontrar ou obter tua misericórdia ou teu favor.

assim como nós esperamos em ti – Pode-se observar a respeito disso:

(a) é apenas “razoável” que devemos buscar o favor de Deus somente quando confiamos nele, pois não poderíamos com propriedade esperar seu favor além da medida de nossa confiança nele.

(b) Isso pode ser considerado o máximo que temos o direito de esperar de Deus. Não temos razão para supor que ele vá além de nossos desejos e orações, ou que nos conceda favores que não esperamos nem desejamos.

(c) Uma das razões pelas quais o povo de Deus não é mais abençoado, ou porque não recebe mais favores dele, pode ser encontrada no que é sugerido aqui. Como esperam pouco, obtêm pouco; como eles não têm desejo intenso, ardente e sublime pelo favor de Deus, seja para si mesmos, ou para suas famílias, ou para o mundo, então eles obtêm apenas pequenos sinais desse favor.

(d) O verdadeiro princípio, portanto, sobre o qual Deus está disposto a conceder Seus favores, e que será a regra que Ele observará, é que se as pessoas desejam muito, muito obterão; que se eles têm grandes expectativas, eles não ficarão desapontados; e que Deus está disposto a conceder Sua misericórdia a Seu povo e ao mundo de acordo com seus desejos e esperanças. Compare o Salmo 81:10 :”Abra bem a boca e eu a encherei.” Salmo 37:4 , “deleita-te no Senhor, e ele te concederá os desejos do teu coração”. Quão intensas e fervorosas, então, devem ser as orações e as petições do povo de Deus! Quão fervorosas são as súplicas dos pecadores para que Deus tenha misericórdia deles! [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 32 Salmo 34>

Introdução ao Salmo 33

O Salmo 33 não tem título prefixado e não é possível determinar com certeza quem foi o autor, ou em que ocasião foi escrito. Não há nada no salmo que tenha qualquer alusão especial a Davi, nem há referência a quaisquer circunstâncias que nos permitiriam determinar quando foi composto. Na verdade, não tem nenhuma alusão particular à religião judaica, ou ao modo de culto prevalecente naquela terra, e é, de fato, tão “geral” em seus sentimentos e em suas descrições, que poderia ter sido escrito em qualquer período da história judaica, ou mesmo em qualquer nação. Como se encontra “entre” os Salmos de Davi, e está entre os salmos que são atribuídos a Davi, podemos presumir que se acreditava ter sido composto por ele; e não há nada nele que esteja em desacordo com essa crença. Na verdade, é apenas uma execução do sentimento com o qual o salmo anterior se encerra; e foi conjecturado que a relação íntima dos dois salmos pode ter sido a razão pela qual o título para o último deles foi omitido.

O salmo consiste em três partes:

(1) Uma exortação para louvar a Deus (Salmo 33:1-3). Nisto há um apelo aos justos para louvá-Lo com canções e instrumentos musicais – a harpa, o saltério, o instrumento de dez cordas; um chamado para fazer uso dos melhores da música em todas as suas formas variadas em Seu serviço.

(2) Razões para louvá-lo assim (Salmo 33:4-19).

(a) Seu caráter geral para a bondade e verdade (Salmo 33:4-5).

(b) O fato de que Ele fez o universo; ou, a sabedoria e o poder demonstrado por Ele na criação (Salmo 33:6-9).

(c) A estabilidade de Seu conselho ou propósitos (Salmo 33:10-11).

(d) As bênçãos que Ele concede àqueles que O reconhecem como seu Deus – bênçãos de cuidado, proteção e libertação em perigo (Salmo 33:12-19).

(3) O propósito do escritor, e daqueles que estavam associados a ele, portanto, para louvar a Deus (Salmo 33:20-22).

O salmo é, portanto, apropriado para o povo de todas as terras e épocas, e será mais bem apreciado na medida em que as pessoas se tornarem mais e mais familiarizadas com Deus na sabedoria, poder e habilidade que Ele mostrou nas obras da criação, e em Seu governo providencial do mundo. [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.