Isaías 64

1 Ah, se tu rompesses os céus, e descesses, os montes se tremeriam de diante de tua presença,

Comentário de A. R. Fausset

rompesses os céus – rebentando para executar vingança, de repente, descendo sobre o inimigo de Tuas pessoas (Salmo 18:9; 144:5; Hebreus 3:5-6).

fluir para baixo – (Juízes 5:5; Miqueias 1:4). [Fausset, aguardando revisão]

2 Tal como o fogo acende a madeira, e o fogo faz ferver as águas; para assim fazeres notório o teu nome a teus adversários, de modo que as nações tremessem de tua presença!

Comentário de A. R. Fausset

Oh, que a tua ira consumiria teus inimigos como o fogo. Em vez disso, “como o fogo queima o mato seco” (Gesenius). [Fausset, aguardando revisão]

3 Como quando fazias coisas temíveis, as quais nunca esperávamos; quando tu descias, e os montes se tremiam diante de tua presença.

Comentário de A. R. Fausset

Quando – Abastecimento de Isaías 64:2, “Como quando”.

coisas terríveis – (Salmo 65:5).

nós não procuramos – exceder em muito a expectativa de qualquer nação nossa; inigualável antes (Êxodo 34:10; Salmo 68:8).

desceu – no Monte Sinai.

os montes se tremiam – Repetidas de Isaías 64:1; eles oram a Deus para fazer as mesmas coisas para Israel agora como nas eras anteriores. Gesenius, em vez de “fluir” aqui, e “fluir” em Isaías 64:1, traduz de uma raiz hebraica diferente, “tremor… tremeu”; mas o “fogo” derrete e faz com que as coisas fluam, ao invés de tremer (Isaías 64:2). [Fausset, aguardando revisão]

4 Nem desde os tempos antigos se ouviu, nem com os ouvidos se percebeu, nem olho viu outro Deus além de ti, que age em favor daquele que nele espera.

Comentário Ellicott

O sentido não é que só Deus sabe o que Ele preparou, mas que nenhum homem conhece (a visão e a audição sendo usadas como incluindo todas as formas de apreensão espiritual) qualquer deus que faça coisas tão grandes como Ele faz. Paulo, em 1Co. 2:9, aplica as palavras livremente, à sua maneira, às bênçãos eternas que Deus prepara para Seu povo. Clemente de Roma (cap. 34), pode-se notar, faz uma aplicação semelhante das palavras, dando “aqueles que O esperam” (como em Isaías), ao invés de “aqueles que O amam”. [Ellicott]

5 Tu foste ao encontro do alegre, e do que pratica justiça, e aos que se lembram de ti em teus caminhos. Eis que te enfureceste porque pecamos por muito tempo. Seremos salvos?

Comentário de A. R. Fausset

encontro – isto é, Tu fazes paz, ou entrais em aliança com ele (ver em Isaías 47:3).

regozija-se e trabalha – isto é, que com vontade jubilosa opera (Gesenius) (Atos 10:35; Jo 7:17).

aqueles – Tu encontras “aqueles”, em aposição a “ele”, que representa uma classe cujas características “aquelas que”, etc., descrevem mais completamente.

lembra-te de ti nos teus caminhos – (Isaías 26:8).

pecou – literalmente, “tropeçou”, carregando a figura de “maneiras”.

naqueles é continuação – um apelo para depreciar a continuação da ira de Deus; não é na tua ira que há continuação (Isaías 54:7-8; Salmo 30:5; 103:9), mas em Teus caminhos (“aqueles”), a saber, de pacto de misericórdia com o teu povo. (Miqueias 7:18-20; Malaquias 3:6); com a força da eterna continuação de Seu pacto, eles inferem pela fé: “seremos salvos”. Deus “lembrou” para eles Seu pacto (Salmo 106:45), embora eles frequentemente “não se lembrassem” Dele (Salmo 78:42). Castellio traduz: “nós pecamos por muito tempo neles (‘teus caminhos’), e poderíamos então ser salvos?” Mas eles dificilmente usariam tal pedido quando seu próprio objetivo fosse ser salvo. [Fausset, aguardando revisão]

6 Porém todos nós somos como um imundo, e todas as nossas justiças são como roupas contaminadas; e todos nós caímos como uma folha, e nossas culpas nos levam como o vento.

Comentário de A. R. Fausset

Porém todos nós somos como um imundo – legalmente impuros, como um leproso. Verdade de Israel, em todos os lugares agora cortado pela incredulidade e pelos juízos de Deus da congregação dos santos.

e todas as nossas justiças – plural, ‘impureza’ estendida a todo ato particular deles, até mesmo às orações e louvores deles. Verdade dos melhores feitos do não regenerado (Filipenses 3:6-8; Tito 1:15; Hebreus 11:6).

roupas contaminadas – (ou trapo de imundícia) literalmente, um “pano menstruado” (Levítico 15:3320:18; Lm 1:17).

caímos como uma folha – (Salmo 90:5-6). [JFB]

7 E ninguém há que invoque a teu nome, que se desperte para se apegar a ti; pois tu escondeste teu rosto de nós, e nos consumiste por nossas perversidades.

Comentário de John Skinner

se desperte – “desperta a si mesmo”, o mesmo verbo que em Isaías 51:17.

nos consumiste por nossas perversidades – literalmente, “nos derreteu pela mão de nossas iniqüidades”. Compare com Ezequiel 33:10, “Nossas transgressões e nossos pecados estão sobre nós, e nós nos desperdiçamos neles, como devemos então viver”? Uma leitura melhor, apoiada pela Septuaginta, Pesh e Targ, nos é entregue na mão (ou seja, o poder) de nossas iniqüidades. Compare com Jó 8:4. [Skinner, aguardando revisão]

8 Porém agora, SENHOR, tu és nosso Pai; nós somos barro, e tu és nosso oleiro; e todos nós somos obra de tuas mãos.

Comentário Ellicott

Comumente, em parte, talvez, pela aplicação da imagem de São Paulo em Rom. 9:20-21, e pelo uso que Isaías fez dela em Isa. 29:16, associamos a ideia do oleiro com a de simples soberania arbitrária. Aqui, porém (como em Jer. 18:6), outro aspecto nos é apresentado, e o poder do Grande Oleiro é feito o terreno da oração. O “barro” lhe pede que o modele de acordo com Sua vontade, e tem fé em Sua prontidão, bem como em Seu poder, para cumprir com essa oração. O pensamento do “oleiro” se torna, neste aspecto, um com o da Paternidade de Deus. [Ellicott]

9 Não te enfureças tanto, SENHOR, nem te lembres da nossa perversidade para sempre; vê, olha agora, que todos nós somos teu povo.

Comentário de John Skinner

nem te lembres da nossa perversidade para sempre. Salmo 79:8. A nação sente que está suportando a pena inesgotável dos pecados passados. Tal pensamento foi especialmente natural após a Restauração, quando parecia que mesmo a imensurável calamidade do Exílio não tinha eliminado os atrasos da culpa hereditária (compare com Zacarias 1:12). [Skinner, aguardando revisão]

10 Tuas santas cidades se tornaram um deserto; Sião se tornou um deserto; Jerusalém está assolada.

Comentário de A. R. Fausset

santas cidades – Nenhuma cidade, a não ser Jerusalém, é chamada “a cidade santa” (Isaías 48:2; 52:1); o plural, portanto, refere-se às partes superior e inferior da mesma cidade Jerusalém (Vitringa); ou toda a Judéia era santa para Deus, então suas cidades eram consideradas “sagradas” (Maurer) Mas o paralelismo favorece Vitringa. Sião e Jerusalém (a única cidade) respondendo às “cidades santas”. [Fausset, aguardando revisão]

11 Nossa santa e nossa gloriosa casa, em que nossos pais te louvavam, foi queimada a fogo; e todas as coisas com que nos agradávamos se tornaram ruínas.

Comentário de A. R. Fausset

casa – o templo.

belo – inclui a ideia de glorioso (Marcos 13:1; Atos 3:2).

queimada – (Salmo 74:7; Lm 2:7; 2Crônicas 36:19). Sua destruição sob Nabucodonosor prefigurou aquilo sob Tito.

coisas com que nos agradávamos ​​- hebraico, “objetos de desejo”; nossas casas, nossa cidade e todas as suas queridas associações. [Fausset, aguardando revisão]

12 Será que continuarás a te conter sobre estas coisas, SENHOR? Continuarás quieto, e nos oprimindo tanto?

Comentário de A. R. Fausset

sobre estas coisas – Tu, não obstante estas calamidades de Teu povo, ainda recusas Teu auxílio (Isaías 42:14)? [Fausset, aguardando revisão]

<Isaías 63 Isaías 65>

Visão geral de Isaías

Em Isaías, o profeta “anuncia que o julgamento de Deus irá purificar Israel e preparar o seu povo para a chegada do rei messiânico e de uma nova Jerusalém”. Para uma visão geral deste livro, assista ao breve vídeo abaixo produzido (em duas partes) pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro de Isaías.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.