Salmo 68

1 (Salmo e canção de Davi, para o regente:) Deus se levantará, e seus inimigos serão dispersos, e os que o odeiam fugirão de sua presença.

Comentário Barnes

Deus se levantará – Veja as notas em Salmos 3:7 . Há uma diferença óbvia aqui para as palavras usadas por Moisés sobre a remoção da arca em Números 10:35 . A mesma linguagem também foi empregada por Salomão quando a arca foi removida para o templo, e depositada no lugar santíssimo 2 Crônicas 6:41 :“Levanta-te, pois, Senhor Deus, ao teu lugar de descanso, tu e a arca de tua força. ” Parece provável, portanto, que este salmo foi composto em alguma dessas ocasiões.

e seus inimigos serão dispersos – Assim em Números 10:35 :”Levanta-te, Senhor, e que os teus inimigos se dispersem; e os que te odeiam fujam de ti.” A arca era o símbolo da presença divina, e a ideia é que, onde quer que ela estivesse, os inimigos de Deus seriam subjugados, ou que apenas pelo poder dAquele que deveria residir lá que seus inimigos poderiam ser vencidos .

e os que o odeiam fugirão de sua presença – quase a linguagem exata usada por Moisés em Números 10:35 . É possível que isso tenha sido usado em alguma ocasião quando os hebreus estavam saindo para a guerra; mas a suposição mais provável é que se trate de uma linguagem geral destinada a ilustrar o poder de Deus ou a afirmar que sua ascensão, a qualquer momento, seria seguida pela derrota de seus inimigos. A colocação da arca onde deveria permanecer permanentemente seria uma ocasião apropriada para sugerir esta verdade geral, que todos os inimigos de Deus deveriam ser dispersos quando ele se levantasse em sua majestade e poder. [Barnes, aguardando revisão]

2 Assim como a fumaça se espalha, tu os espalharás; assim como a cera que se derrete diante do fogo, assim também os perversos perecerão diante de Deus.

Comentário Barnes

Assim como a fumaça se espalha – a saber, pelo vento. A fumaça – vapor – facilmente perturbada e movida pelo menor sopro de ar – representa um objeto sem estabilidade, ou sem poder de resistência, e assim representaria a verdadeira fraqueza dos mais poderosos exércitos de homens em oposição a Deus.

tu os espalharás – Com a mesma facilidade com que a fumaça é expelida pela mais leve brisa, assim os inimigos de Deus desaparecem diante de seu poder. Compare as notas do Salmo 1:4 .

assim como a cera que se derrete diante do fogo – Compare Salmos 22:14 . O significado aqui é claro. Assim como a cera é derretida pelo fogo – perdendo toda sua dureza, sua firmeza, seu poder de resistência, os mais poderosos exércitos devem derreter diante de Deus.

assim também os perversos perecerão diante de Deus – isto é, aqueles que se levantam contra ele; seus inimigos. Será tão fácil para Deus destruir os homens ímpios quanto o fogo derreter cera. [Barnes, aguardando revisão]

3 Mas os justos se alegrarão, e saltarão de prazer perante Deus, e se encherão de alegria.

Comentário Barnes

Mas os justos se alegrarão – isto é, que eles sejam prósperos e felizes; que eles estejam sob o teu cuidado protetor e participe do teu favor. Enquanto os ímpios são expelidos como fumaça, deixe os justos viver, florescer e estar a salvo. Compare o Salmo 32:11 .

e saltarão de prazer perante Deus – Na presença de Deus; ou como admitido em sua presença. Os ímpios serão expulsos para longe; os justos serão admitidos à sua presença e se alegrarão diante dele.

e se encherão de alegria – Margem, como em hebraico, regozije-se com alegria. A expressão é projetada para expressar grande alegria; alegria que se multiplica e se prolonga. É alegria de coração acompanhada por todas as expressões externas de alegria. [Barnes, aguardando revisão]

4 Cantai a Deus, cantai louvores ao seu nome; exaltai aquele que anda montado sobre as nuvens, pois EU-SOU é o seu nome; e alegrai-vos diante dele.

Comentário Barnes

Cantai a Deus, cantai louvores ao seu nome – isto é, a ele; o nome é freqüentemente colocado para a própria pessoa. A repetição denota intensidade de desejo; um desejo de que Deus seja louvado com os maiores louvores.

exaltai – A palavra aqui traduzida por “exaltar” – סלל sâlal – significa erguer, erguer, erguer, como uma pilha ou monte; e especialmente para lançar e preparar um caminho, ou fazer um caminho nivelado diante de um exército lançando terra; isto é, preparar um caminho para um exército. Veja as notas em Isaías 40:3 . Compare também Isaías 57:14 ; Isaías 62:10 ; Jó 19:12 ; Jó 30:12 , Provérbios 15:19 (margem); Jeremias 18:15. Esta é evidentemente a ideia aqui. Não é “exaltar” Deus no sentido de louvá-lo; é preparar o caminho à sua frente, como alguém que marcha à frente de seus exércitos ou como um líder de suas hostes. A alusão é a Deus passando diante de seu povo na marcha para a terra prometida; e a chamada é para preparar o caminho à sua frente – isto é, remover todas as obstruções de seu caminho e tornar a estrada lisa e nivelada.

aquele que anda montado – Em vez disso, “aquele marcha.” Existe, de fato, a idéia de cavalgar, mas não é o de “cavalgar sobre os céus”, que é o significado, mas de cavalgar à frente de seus anfitriões em sua marcha.

sobre as nuvens – A palavra usada aqui – ערבה ‛ărābâh – nunca significa céu ou nuvens. Denota propriamente um trato árido, uma região estéril, um deserto; e então, uma planície. É transformado em deserto em Isaías 35:1 , Isaías 35:6 ; Isaías 40:3 ; Isaías 41:19 ; Isaías 51:3 ; Jeremias 2:6 ; Jeremias 17:6 ; Jeremias 50:12 ; Ezequiel 47:8; e deveria ter sido renderizado aqui. Portanto, é traduzido por DeWette, Prof. Alexander e outros. A Septuaginta traduz, “Abram caminho para aquele que está cavalgando para o oeste”. Portanto, a Vulgata Latina. O caldeu traduz isso, “Exalte aquele que está sentado no trono de sua glória no céu do norte.” A referência, sem dúvida, é à passagem pelo deserto pelo qual os hebreus vagaram por quarenta anos. A palavra hebraica empregada aqui ainda é aplicada pelos árabes àquela região. A ideia é a de Yahweh marchando sobre aqueles desertos à frente de seus exércitos, e a chamada é para preparar um caminho para ele em sua marcha, compare com Salmo 68:7-8 .

pois EU-SOU é o seu nome – Refere-se a sua cavalgada ou marcha à frente de suas forças através do deserto, no personagem descrito por aquele nome – ou, como יה Yâhh; isto é, יהוה Yahweh. Yah (Jah) é uma abreviatura da palavra Yahweh (Jeová), que foi assumida por Deus como Seu nome especial, Êxodo 6:3 . A palavra Yahweh é geralmente traduzida, em nossa versão, Senhor, impressa em letras pequenas para denotar que o original é יהוה Yahweh; a própria palavra é mantida, entretanto, em Êxodo 6:3 ; Salmo 83:18 ; Isaías 12:2 (veja as notas); e Isaías 26:4 . A palavra “Jah” ocorre apenas neste lugar, em nossa tradução para o inglês. É encontrado em combinação, ou em certas fórmulas – como na frase Aleluia,Salmo 104:35 ; Salmo 105:45 ; Salmo 106:1 . O significado aqui é que Deus foi assim diante de Seu povo no caráter do Deus verdadeiro, ou como Yahweh.

e alegrai-vos diante dele – Ou, na Sua presença. Que haja alegria quando Ele assim se manifestar como o verdadeiro Deus. A presença de Deus é adequada para dar alegria a todos os mundos que Ele fez, ou onde quer que Ele se manifeste às Suas criaturas. [Barnes, aguardando revisão]

5 Ele é o pai dos órfãos, e juiz que defende as viúvas; Deus na habitação de sua santidade.

Comentário Barnes

Ele é o pai dos órfãos. Compare Salmos 10:14, Salmos 10:18. Ou seja, Deus toma o lugar dos pais. Veja Jr 49:11:“Deixa teus filhos órfãos, eu os preservarei vivos; e que tuas viúvas confiem em mim. ” Esta é uma das denominações mais ternas que poderia ser dada a Deus, e transmite uma das descrições mais marcantes que podem ser dadas de seu caráter. Vemos sua grandeza, sua majestade, seu poder, nos mundos que ele criou – na tempestade, na tempestade, no oceano ondulante; mas é em expressões como esta que aprendemos, o que mais desejamos saber e o que não podemos aprender em outro lugar, que ele é um Pai; que ele deve ser amado tanto quanto temido. Nada sugere mais notavelmente um estado de desamparo e dependência do que a condição de crianças órfãs e viúvas; nada, portanto, transmite uma descrição mais comovente do caráter de Deus – de sua condescendência e bondade – do que dizer que ele tomará o lugar do pai em um caso e será um protetor no outro.

e juiz que defende as viúvas – Isto é, Ele verá a justiça ser feita a elas; ele os salvará da opressão e do erro. Nenhuma pessoa é mais sujeita a ser oprimida e injustiçada do que as viúvas. Eles são considerados incapazes de defender ou reivindicar seus próprios direitos e provavelmente serão enganados e traídos por aqueles a quem suas propriedades e direitos foram confiados. Daí o cuidado que Deus manifesta por eles; daí suas solenes acusações, tantas vezes feitas àqueles que estão em posição de autoridade, e a quem foi confiado o poder, de respeitar seus direitos; daí suas freqüentes e solenes repreensões àqueles que violam seus direitos. Veja as notas em Is 1:17. Compare Deu 10:18; Deu 14:29; Deu 24:17; Êxodo 22:22; Jó 24:3, Jó 24:21; Jr 7:6; Mal 3:5; Jam 1:27.

Deus na habitação de sua santidade – Onde ele mora; a saber, no céu. O desígnio do salmista parece ser levar-nos imediatamente a Deus; para nos deixar ver o que ele é em sua casa sagrada; para nos conduzir à sua presença, para que possamos vê-lo como ele é. Que homem é, vemos em sua própria casa – quando nos aproximamos dele; quando olhamos para ele, não em grandes ocasiões ou ocasiões oficiais, quando ele está no exterior, e assume as aparências condizentes com sua posição e cargo, mas em sua própria casa; como ele está constantemente. Esta é a ideia aqui, que se nos aproximarmos mais de Deus, se olharmos para ele, não apenas no esplendor e magnificência em que ele aparece ao governar os mundos, em seus julgamentos, em tempestade e tempestade, cavalgando nas nuvens e controlando o oceano, mas, por assim dizer, em sua própria morada, seus céus tranquilos – se olharmos mais de perto seu caráter, veremos que o caráter mais bem representado pelos traços bondosos e benignos de um pai – em seus cuidados com as viúvas e órfãos. Em outras palavras, quanto mais vemos Deus – quanto mais nos familiarizamos intimamente com sua real natureza – mais evidências encontraremos de que ele é benevolente e gentil. [Barnes, aguardando revisão]

6 Deus que faz os solitários viverem em uma família, e liberta os prisioneiros; mas os rebeldes habitam em terra seca.

Comentário de A. R. Fausset

faz os solitários viverem em uma família – literalmente, “povoam os solitários” (como errantes) “em casa”. Embora seja uma verdade geral, talvez haja alusão à errância e assentamento dos israelitas.

rebeldes habitam em terra seca – removidos de todos os confortos de casa. [JFB, aguardando revisão]

7 Deus, quando tu saías perante teu povo, enquanto caminhavas pelo deserto (Selá),

Comentário Barnes

Isto é, conduzindo-os pelo deserto até a terra prometida. A afirmação a respeito do caráter paternal de Deus nos versos anteriores é aqui ilustrada por ele guiar seu próprio povo, ao fugir de uma terra de opressão, através do deserto estéril – e suas intervenções ali em seu favor. Tudo o que foi dito sobre ele nos versículos anteriores é aqui confirmado pela provisão que ele fez para as necessidades deles em sua perigosa jornada pelo deserto. [Barnes, aguardando revisão]

8 A terra se abalava, e os céus se derramavam perante a presença de Deus; neste Sinai, diante da presença de Deus, o Deus de Israel.

Comentário Barnes

A terra se abalava – Veja Êxodo 19:16-18 .

e os céus se derramavam perante a presença de Deus – Ou seja, caíram chuva e comida. A ideia é que os próprios céus pareciam abalados ou convulsionados, de modo que a chuva e a comida foram sacudidas – como uma fruta madura cai de uma árvore que é sacudida. Compare as notas em Isaías 34:4 . O mesmo ocorre com Isaías 64:1-3 . O significado não é que os próprios céus caíram, mas que caíram ou destilaram chuva e comida.

neste Sinai – Isso era verdade; mas essa não parece ser a ideia pretendida aqui, pois as palavras “mesmo” e “foi movido” não estão no original. O hebraico é, literalmente, “Este Sinai;” significando provavelmente “isto foi no Sinai” ou “isto aconteceu no Sinai”. A tradução correta talvez seria:”Os céus destilaram a chuva na presença de Deus, esta no Sinai, na presença de Deus.”

diante da presença de Deus, o Deus de Israel – Toda a região parecia comovida e maravilhada com a presença de Deus, ou quando ele descia para visitar seu povo. A terra e os céus, todos pareciam estar em comoção. [Barnes, aguardando revisão]

9 Tu fizeste a chuva cair abundantemente, e firmaste tu herança, que estava cansada.

Comentário Barnes

Tu fizeste a chuva cair abundantemente – Margem, sacuda. Prof. Alexander, “uma chuva de presentes grátis.” A Septuaginta e a Vulgata a traduzem como “uma chuva voluntária ou voluntária”. O siríaco, “a chuva de um voto”. A palavra hebraica traduzida como “abundante” significa livre, voluntário, por si mesmo – נדבה nedâbâh – (veja as notas no Salmo 51:12, onde é traduzido como livre); então significa aquilo que é dado gratuitamente; e, portanto, abundantemente. Significa, portanto, neste lugar, farto, farto. A referência, entretanto, é ao maná, com o qual as pessoas eram supridas dia a dia e que parecia ser derramado sobre elas em abundância. A palavra traduzida por “enviaram” significa propriamente sacudir, como se Deus sacudisse as nuvens ou os céus, e os suprimentos abundantes para suas necessidades fossem sacudidos.

e firmaste tu herança, que estava cansada – Tu fortaleceste teu povo quando eles estavam exaustos, ou estavam em perigo de desmaiar. Em outras palavras, Deus enviou um suprimento de comida – maná, codornizes, etc. – quando eles estavam no deserto sem caminhos e quando estavam prestes a perecer. [Barnes, aguardando revisão]

10 Nela o teu rebanho habitou; por tua bondade, Deus, sustentaste ao miserável.

Comentário Barnes

Nela o teu rebanho habitou – Na terra da promessa; pois a conexão exige que a entendamos dessa maneira. A idéia do escritor o tempo todo pertence àquela terra, e à misericórdia que Deus tinha mostrado a ela. Depois de mostrar por referência histórica o que Deus fez pelo povo no deserto, ele retorna aqui, embora sem mencioná-lo expressamente, à terra da promessa e ao que Deus fez ali por seu povo. A palavra “congregação” oferecida – חיה châyâh – significa propriamente uma besta, um animal, Gênesis 1:30 ; Gênesis 2:19 ; Gênesis 8:19 ; Gênesis 37:20 . Em seguida, ele passa a ser usado como um substantivo coletivo, significando um rebanho ou rebanho; assim, uma tropa de pessoas, uma ordem de batalha ou host, 2 Samuel 23:11, 2 Samuel 23:13 ; e é aplicado aqui ao povo, sob a ideia tão comum nas Escrituras de que Deus é um Pastor.

por tua bondade, Deus, sustentaste ao miserável – Para o teu rebanho considerado pobre ou miserável. Isto é, Tu tens providenciado para eles quando eles não tinham recursos próprios – quando eram um povo pobre, oprimido e aflito – andarilhos totalmente dependentes de ti. [Barnes, aguardando revisão]

11 O Senhor falou; grande é o exército das que anunciam as boas novas.

Comentário Barnes

O Senhor falou – O comando, ou a ordem. Não é certo ao que o salmista se refere aqui; se para alguma ocasião particular então fresca na lembrança do povo, quando uma grande vitória havia sido obtida, a qual era o desígnio do salmo celebrar; ou se é uma declaração geral em relação aos atos de Deus, tendo como referência todas as suas vitórias e triunfos, e significando que em todos os casos a ordem veio dele. Os versos subsequentes tornam evidente que há uma alusão aqui à arca da aliança e às vitórias que foram alcançadas sob ela como guia ou protetor. Todo o salmo se refere à arca e seus triunfos; e a ideia aqui parece ser, que em todas as vitórias que foram alcançadas a “palavra” ou comando veio de Deus, e que sua promulgação foi feita imediatamente por um “grande grupo” que estava pronto para comunicá-lo ou “ publicar ”.

grande é o exército das que anunciam as boas novas. Mais literalmente, “As mulheres que publicaram foram ótimas anfitriãs”. A palavra usada pertence ao gênero feminino e se refere ao costume oriental pelo qual as mulheres comemoravam vitórias em canções e danças. Veja Êxodo 15:20-21; Jdg 11:34; Jdg 21:21; 1Sa 18:6-7. A ideia aqui é que quando houve uma proclamação da guerra – quando Deus ordenou a seu povo que saísse para a batalha e levasse consigo a arca, as mulheres da terra – os cantores – estavam prontas para tornar conhecida a proclamação; celebrar a vontade do Senhor com canções e danças; para animar e encorajar seus maridos, irmãos e pais, enquanto eles partiam para o conflito. O resultado é declarado no versículo seguinte. [Barnes, aguardando revisão]

12 Reis de exércitos fugiam apressadamente; e aquela que ficava em casa repartia os despojos.

Comentário de A. R. Fausset

Reis dos exércitos – isto é, com seus exércitos.

aquela que ficava em casa – Principalmente as mulheres assim permaneceram, e a facilidade da vitória aparece em tal tal, sem perigo, quietamente desfrutou os despojos. [JFB, aguardando revisão]

13 Ainda que estivésseis cercados por ambos os lados, estais protegidos como que por asas de pomba, cobertas de prata, e suas penas revestidas de ouro.

Comentário Whedon

cercados por ambos os lados – literalmente, e mais propriamente, entre os currais das ovelhas ou currais. A palavra está no dual e se refere ao recinto duplo ou dividido em que o gado ou as ovelhas eram colocados à noite por segurança. Entre os aposentos havia cochos e alguns rebentos, embora vocês tenham se deitado entre os cochos. A alusão é à tranquilidade fácil do pastor, com suas roupas sujas e negligenciadas, dormindo com seus rebanhos e manadas à noite – exatamente a ideia de Juízes 5:16 e Gênesis 49:14, onde “debruçar-se entre dois fardos” deveria ser processado, deitado entre os obstáculos, ou currais, o que está de acordo com o Salmo 68:15.

asas de pomba – Delitzsch acerta:“As novas circunstâncias de facilidade e conforto [e honra] são comparadas aos vários tons de uma pomba se divertindo ao sol.” A classe da pomba oriental conhecida como pombo, diz Van Lennep, “é sempre azul, com toques de branco ou preto, e tons prateados ou mesmo dourados, conforme a espécie”. A vida indolente e reprimida do pastor é contrastada com a liberdade e a beleza da pomba quando ela olha para a asa. [Whedon, aguardando revisão]

14 Quando o Todo-Poderoso espalhou os reis, houve neve em Salmom.

Comentário Barnes

Quando o Todo-Poderoso espalhou os reis – O hebraico aqui é, “Na dispersão de (isto é, por) o Todo-Poderoso dos reis.” A referência é ao ato de Deus em fazer com que os reis abandonassem seus propósitos de invasão ou fugissem quando seus próprios países fossem invadidos. Compare o Salmo 48:5-6 . A linguagem aqui é tão geral que pode ser aplicada a qualquer um desses atos na história do povo hebreu; a quaisquer guerras de defesa ou ofensa que travaram. Pode ter referência à dispersão de reis e pessoas quando Josué invadiu a terra de Canaã, e quando ele desconcertou as numerosas forças, lideradas por diferentes reis, quando os israelitas tomaram posse do país. A conexão estreita da passagem com a referência à jornada pelo deserto Salmos 68:7-9tornaria provável que esta seja a alusão. A frase “nela” (margem, para ela), refere-se, sem dúvida, à terra de Canaã e às vitórias lá alcançadas.

houve neve em Salmom. A alusão é à terra de Canaã. Mas sobre o significado da frase “branco como a neve em Salmon”, tem havido uma grande diversidade de opiniões. A palavra traduzida “era branca como a neve” é traduzida corretamente. Significa estar nevado; então, ser branco como a neve. O verbo não ocorre em nenhum outro lugar. O substantivo é de ocorrência frequente e sempre é representado como neve. Êxodo 4:6 ; Números 12:10 ; 2 Samuel 23:20 ; 2 Reis 5:27 ; et al. A palavra Salmon significa propriamente sombreada e foi aplicada à montanha aqui mencionada, provavelmente por causa das florestas escuras que a cobriam. Essa montanha ficava em Samaria, perto de Siquém. Juízes 9:48. Não se sabe por que a neve daquela montanha é particularmente mencionada aqui, como se houvesse nela qualquer alvura ou pureza especial. Provavelmente é especificado pelo nome apenas para dar mais vivacidade à descrição. Há muita diferença de opinião sobre qual é o significado da expressão, ou em que aspectos a terra era assim branca.

A opinião mais comum é que era a partir dos ossos dos mortos, que foram deixados para branquear insepultos e que cobriram a terra de forma que parecia estar branca. Compare Virg. AEn. v. 865; xii. 36. Ovídio usa uma linguagem semelhante, Rápido. i:“Humanis ossibus albet humus.” Assim também Horácio, Serra. 1, 8:”Albis informem spectabant ossibus agrum.” Esta interpretação da passagem é adotada por Rosenmuller, Gesenius e DeWette. Outros supõem que significa que a terra era como a brancura deslumbrante da neve em meio à escuridão ou escuridão. Essa era a opinião de Kimchi, e essa interpretação é adotada pelo Prof. Alexander. Tholuck supõe que isso significa que, quando a guerra foi travada contra os reis e o povo, eles caíram tão rápido quanto flocos de neve no Monte Salmon; e que a ideia não é tanto a brancura da terra, como o fato de que caíram em grande número, cobrindo a terra como os flocos de neve o fazem. Talvez não seja possível determinar qual dessas explicações é a correta. Qualquer um deles estaria de acordo com o significado das palavras e o sentido geral do salmo. A de Tholuck é a mais poética, mas é menos óbvia pelas palavras hebraicas usadas. [Barnes, aguardando revisão]

15 O monte de Deus é como o monte de Basã; é um monte bem alto, como o monte de Basã.

Comentário Barnes

O monte de Deus – A frase “a colina de Deus”, ou a montanha de Deus, é aplicada em outras partes das Escrituras apenas ao Monte Horebe ou Sinai Êxodo 3:1 ; Êxodo 18:5 ; Êxodo 24:13 ; 1 Reis 19:8 e para o Monte Sião, Salmos 24:3 ; Isaías 30:29. Não há razão para supor que haja uma referência aqui ao Monte Horebe ou Sinai, visto que o salmo não se relaciona particularmente a essa montanha, e como não há nada no salmo que compare aquela montanha com outras montanhas. A alusão é, penso eu, claramente ao Monte Sião; e a ideia é que aquela montanha, embora não fosse distinguida por sua elevação ou grandeza – embora não tivesse nada em si para chamar atenção, ou para despertar admiração – ainda, do fato de ter sido selecionada como o lugar onde Deus devia ser adorado, tinha uma honra não menor do que a da montanha mais elevada, ou do que aqueles que exibiam as perfeições divinas por sua elevação e sublimidade. Está relacionado com isso, também, a ideia de que, embora possa ser menos defensável por sua posição natural, ainda, porque Deus residiu lá, era defendida por sua presença com mais certeza do que montanhas mais elevadas por sua força natural. Deve-se observar, entretanto, que muitas outras interpretações foram dadas da passagem, mas este me parece ser seu significado natural.

é como o monte de Basã – Lutero traduz assim:”O monte de Deus é uma colina frutífera; uma grande e frutífera montanha.” Sobre a palavra Basã, veja as notas em Isaías 2:13 ; notas em Isaías 33:9 ; notas no Salmo 22:12. Basã era propriamente a região além do Jordão, limitada ao norte pelo Monte Hermon ou o Anti-Líbano, e estendendo-se ao sul até o riacho Jaboque e as montanhas de Gileade. A “colina” de Basã, ou a “montanha de Basã”, era propriamente o Monte Hermon – a principal montanha pertencente a Basã. O nome Bashan foi devidamente dado ao país, e não à montanha. A montanha referida – Hermon – é aquela cordilheira elevada que fica a leste do Jordão e na parte norte do país – uma cordilheira de cerca de doze mil pés de altura. Veja as notas no Salmo 42:6. É a montanha mais elevada e distinta da Palestina, e a idéia aqui, conforme expresso acima, é que o Monte Sião, embora não tão elevado, ou não tendo tanto em si para atrair a atenção, não foi menos honrado, e não menos seguro, como sendo a morada especial de Deus.

é um monte bem alto, como o monte de Basã – Ou melhor; um monte de picos ou cristas como Bashan. O Monte Hermon não era uma única colina, ou uma montanha isolada, mas uma cadeia de montanhas – uma cadeia de picos elevados ou cumes. Então, de Sião. Foi pela presença e proteção de Deus o que Basã foi por sua força e grandeza naturais. Comparativamente baixo e sem importância como Sião era, tinha de fato mais para mostrar o que Deus é, e para constituir segurança, do que havia na elevação e grandeza de Basã. Esta última, embora tão elevada e grandiosa, não tinha nenhuma “vantagem” sobre Sião, mas Sião poderia ser comparada em todos os sentidos com aquela elevada cadeia de colinas que, por sua posição natural, sua força e sua grandeza, mostrava tanto o grandeza e glória de Deus. O ensino seria, conforme aplicado a Sião, ou a Igreja, que há “tanto” ali para mostrar as perfeições divinas, para ilustrar a grandeza e o poder de Deus, como há nas mais sublimes obras da natureza; ou que aqueles que olham para as obras de Deus na natureza para aprender suas perfeições, não têm vantagem sobre aqueles que procuram aprender o que ele é em sua igreja. [Barnes, aguardando revisão]

16 Por que olhais com inveja, ó montes altos? A este monte Deus desejou para ser sua habitação; e o SENHOR habitará nele para sempre.

Comentário Barnes

Por que olhais com inveja, ó montes altos? Quer dizer, com exultação; com orgulho; com superioridade consciente. Por que vocês parecem se considerar tão superiores ao Monte Sião, em força, beleza e grandeza? O hebraico, entretanto – רצד râtsad – significa antes:“Por que vigias insidiosamente? por que você olha de soslaio? ” A palavra ocorre apenas neste lugar. Em árabe significa observar de perto; para ficar à espera. Essa é a ideia aqui. As montanhas ao redor da Palestina – as montanhas do mundo pagão – as colinas elevadas – como se conscientes de sua grandeza, são representadas como “de esguelha”, em seu orgulho, para o Monte Sião; como olhando com desprezo silencioso, como se não fosse digno de nota; como se fosse tão insignificante que não merecesse atenção. A ideia não é “pular”, como em nossa Bíblia inglesa, ou “pular”, como na versão do Livro de Oração Episcopal, mas sim de um olhar de desprezo silencioso, como se, ao lado deles, Sião, tão insignificante, não era digno de consideração. “Talvez”, pelas altas colinas aqui, no entanto, também são representados disfarçadamente os poderosos poderes do mundo pagão, como se olhassem com desprezo para o povo da terra onde Sião era o lugar de adoração.

A este monte Deus desejou para ser sua habitação – A colina que “ele” escolheu como sua morada, e que “ele” honrou acima de todas as montanhas da terra, por sua residência permanente lá. Como tal, Sião tem uma honra acima das colinas e cadeias de montanhas mais elevadas da Terra.

e o SENHOR habitará nele para sempre – Permanentemente; ele fará dela sua habitação fixa na terra. Não obstante a inveja ou o desprezo das colinas circundantes, ele fará desta sua residência permanente. Ele o escolheu; ele se delicia com isso; ele não o abandonará pelas montanhas e colinas que são em si mais grandiosas e elevadas. [Barnes, aguardando revisão]

17 As carruagens de Deus são várias dezenas de milhares; o Senhor está entre elas, como em Sinai, em seu santuário.

Comentário Barnes

As carruagens de Deus – O significado deste versículo é que Deus é abundantemente capaz de manter sua posição no Monte Sião; para defender o lugar que ele havia escolhido como sua morada. Embora tenha menos força natural do que muitos outros lugares – embora outras colinas e montanhas, por conta de sua grandeza natural, possam ser representadas olhando para isso com desprezo, como incapaz de defesa, ainda assim aquele que o escolheu é totalmente capaz de defenda-o. Ele próprio está rodeado de exércitos e carros de guerra; milhares de anjos guardam o lugar que ele escolheu como lugar de sua morada. “Carruagens”, geralmente veículos de duas rodas, muitas vezes armados com foices presas a seus eixos, estavam entre os meios de ataque ou defesa mais poderosos na guerra antiga. Veja Salmo 20:7 , nota; Salmo 46:9, Nota; Isaías 31:1 , nota; Isaías 37:24 , nota; Compare Êxodo 14:7 ; Josué 17:16 ; Juízes 4:15 .

são várias dezenas de milhares – uma versão mais próxima é “duas miríades”, ou duas vezes dez mil. A palavra original está na forma dual. A linguagem é projetada para denotar um número muito grande. Uma miríade era um grande número; a ideia aqui é que mesmo “aquele” grande número dobrou.

o Senhor está entre elas – A verdadeira força, afinal, não está em Sião em si, ou nas carruagens do Senhor ao seu redor, mas no próprio Senhor. “Ele” está lá como o chefe do anfitrião; Ele, como o Protetor de sua morada escolhida.

como em Sinai, em seu santuário – literalmente, “O Senhor está entre eles; Sinai, no santuário.” A ideia parece ser que mesmo o Sinai com todo o seu esplendor e glória – o próprio Senhor com todas as hostes presentes que desceram no Sinai – parecia estar no santuário, o lugar sagrado no Monte Sião. Tudo o que havia de pompa e grandeza no Monte Sinai quando Deus desceu com os milhares de anjos presentes, estava realmente ao redor do Monte Sião para sua proteção e defesa. [Barnes, aguardando revisão]

18 Tu subiste ao alto, levaste cativos, recebeste bens dos homens, até dos rebeldes, para que ali o SENHOR Deus habitasse.

Comentário de A. R. Fausset

Da cena da conquista, Ele ascende ao seu trono, conduzindo –

levaste cativos – ou “muitos prisioneiros cativos” (Jz 5:12).

recebeste bens dos homens – aceitando sua homenagem, mesmo quando forçada, como a dos rebeldes.

para que ali o SENHOR Deus habitasse – ou literalmente, “habitar, ó Senhor Deus” (compare Salmo 68:16) – isto é, fazer desta colina, Seu povo ou Igreja, Sua morada. Este Salmo tipifica as conquistas da Igreja sob o seu divino líder, Cristo. Ele, de fato, “que estava com a Igreja no deserto” (Atos 7:38) é o Senhor, descrito nesta ascensão ideal. Por isso, Paulo (Efésios 4:8) aplica essa linguagem para descrever Sua verdadeira ascensão, quando, vencendo o pecado, a morte e o inferno, o Senhor da glória entrou triunfalmente no céu, assistido por multidões de anjos adoradores, para se sentar no trono e exercer o cetro de um domínio eterno. A frase “recebeu presentes para (ou literalmente entre) homens” é de Paulo, “deu presentes aos homens”. Ambos descrevem os atos de um conquistador, que recebe e distribui despojos. O salmista usa “receber” como evidenciando o sucesso, Paulo “deu” como ato, do conquistador, que, tendo subjugado seus inimigos, passa a recompensar seus amigos. A aplicação especial da passagem de Paulo foi uma prova da exaltação de Cristo. O que o Antigo Testamento representa de Sua descida e ascensão corresponde à Sua história. Aquele que desceu é o mesmo que subiu. Como então a ascensão era um elemento de Seu triunfo, assim é agora; e Aquele que, em Sua humilhação, deve ser reconhecido como nosso sacrifício vicário e o Sumo Sacerdote de nossa profissão, deve também ser adorado como Chefe de Sua Igreja e autor de todos os seus benefícios espirituais. [JFB, aguardando revisão]

19 Bendito seja o Senhor; dia após dia ele nos carrega; Deus é nossa salvação. (Selá)

Comentário Barnes

Literalmente, “dia, dia”; isto é, dia a dia; ou, constantemente. As palavras “com benefícios” não estão no original e não transmitem a verdadeira ideia da passagem. A palavra traduzida por “carrega” significa assumir; para erguer, como uma pedra, Zacarias 12:3 ; carregar, carregar, Isaías 46:3 . Então significa “levantar e colocar sobre um animal de carga”; para carregar, Isaías 46:1 ; Gênesis 44:13. Conseqüentemente, significa impor ou colocar um fardo ou uma carga sobre alguém; e a ideia aqui é:”Bendito seja o Senhor Deus, mesmo que coloque um fardo sobre nós, e se o fizer diariamente, pois ele é o Deus da nossa salvação.” Ele nos capacita a suportá-lo; ele nos dá força; e finalmente ele nos livra disso. “Embora”, portanto, ele constantemente coloque sobre nós um fardo, ele constantemente nos ajuda a carregá-lo. Ele não nos deixa. Ele nos permite triunfar nele e por meio dele; e temos constantemente ocasião de honrar e louvar o seu nome. Isso está de acordo com a experiência de todo o seu povo, que por mais pesada que seja a carga colocada sobre eles, e por mais constantes que sejam suas provações, eles o consideram um ajudador constante, e diariamente têm ocasião de louvá-lo e abençoá-lo. [Barnes, aguardando revisão]

20 Nosso Deus é um Deus de salvação; e com o Senhor DEUS há livramento para a morte;

Comentário Barnes

Nosso Deus é um Deus de salvação – literalmente, “Deus é para nós um Deus da salvação”. Ou seja, o Deus a quem adoramos é o Deus de quem vem a salvação e que traz a salvação para nós. Não é vão servirmos a ele, pois ele é o único ser que pode nos salvar e ele nos salvará.

e com o Senhor DEUS há livramento para a morte – As “saídas” ou “fugas” da morte. Ou seja, Ele só pode salvar da morte. A palavra hebraica significa, propriamente, uma saída, uma libertação; então, um lugar de saída como um portão, Ezequiel 48:30 ; uma fonte, Provérbios 4:23. Provavelmente, a única ideia pretendida aqui pelo salmista era que a segurança ou libertação da morte procede exclusivamente de Deus. O sentimento, entretanto, é verdadeiro em um sentido mais amplo. Tudo o que diz respeito à libertação da morte, tudo o que se prepara para isso, tudo o que torna fácil ser suportado, tudo o que constitui um resgate de suas dores e horrores, tudo o que segue a morte em um mundo mais elevado e mais abençoado, tudo o que torna a morte “final” e nos coloca em uma condição em que a morte não deve mais ser temida – tudo isso pertence a Deus. Tudo isso está sob seu controle. Ele só pode nos capacitar a suportar a morte; ele só pode nos conduzir de um leito de morte para um mundo onde nunca morreremos. [Barnes, aguardando revisão]

21 Pois Deus ferirá a cabeça de seus inimigos, o topo da cabeça, onde ficam os cabelos, daquele que anda na prática de suas transgressões.

Comentário Barnes

Pois Deus ferirá a cabeça de seus inimigos, o topo da cabeça – mais propriamente, “Deus esmagará a cabeça”, etc. A idéia é de destruição completa, – como, se a cabeça for esmagada, a vida se extinguirá. Veja Gênesis 3:15 ; compare isso com Salmo 110:6 .

onde ficam os cabelos – mais literalmente, “a parte superior do cabelo”. A palavra hebraica usada aqui para “couro cabeludo” significa o vértice, o topo, a coroa, como da cabeça, onde o cabelo “se divide”; e a ideia é propriamente, “a divisão do cabelo”. Gesenius, Lexicon. A alusão é ao topo da cabeça; ou seja, o golpe desceria no topo da cabeça, produzindo a morte.

daquele que anda na prática de suas transgressões – Do homem que persevera em uma conduta de maldade. Se ele se arrepender, Deus será misericordioso com ele; se ele persistir no pecado, será punido. A tradução literal seria, “o couro cabeludo continuando, ou indo, isto é,” cerca de “, em suas transgressões”. A referência é a um homem ímpio “continuando” em suas transgressões. [Barnes, aguardando revisão]

22 O Senhor disse:Eu os farei voltar de Basã; eu os farei voltar das profundezas do mar.

Comentário Barnes

O Senhor disse:Eu os farei voltar de Basã – Sobre a situação de Basã, veja as notas em Salmos 68:15. Pode haver uma alusão aqui à vitória alcançada sobre Og, rei de Basã, na época de Moisés, Nm 21:33-35. A ideia pode ser que, como, naquela época, uma vitória foi alcançada sobre um inimigo formidável, então em tempos de perigo semelhante, Deus libertaria seu povo e os salvaria do perigo. Ou, como Basã era a fronteira remota da terra santa, o significado pode ser que Deus traria seu povo das fronteiras mais remotas onde deveriam ser espalhados. Outro significado é sugerido pelo Professor Alexander, a saber, que como o assunto referido nos versos subsequentes é o “inimigo” de Deus, o significado pode ser que Deus traria de volta seus inimigos para punição, mesmo das fronteiras mais remotas, quando eles estavam se esforçando para escapar, e mesmo quando achavam que estavam seguros. A primeira dessas opiniões é provavelmente a verdadeira. Deus resgataria seu povo, como fizera dos ataques do poderoso rei de Basã; ele os libertaria, como trouxera seus pais das profundezas do mar.

eu os farei voltar das profundezas do mar – As palavras “meu povo” não estão em hebraico, mas parecem não ter sido indevidamente fornecidas pelos tradutores. Nesse caso, a alusão é à interposição de Deus em conduzir seu povo através do Mar Vermelho Êxodo 14:22; e a ideia é que Deus sempre se interporia em seu favor e os livraria de perigos semelhantes. [Barnes, aguardando revisão]

23 Para que metas teu pé no sangue dos teus inimigos; e nele também terá uma parte a língua de cada um de teus cães.

Comentário Barnes

Uma tradução mais literal seria:”Para que possas esmagar – o teu pé com sangue – a língua dos teus cães dos inimigos, dele.” A ideia de “mergulhar” o pé no sangue não está diretamente na passagem; mas o pensamento principal é “esmagar” o inimigo. É então “adicionado” que o pé estaria com sangue. Então, da língua dos cachorros. O “significado” é que as línguas dos cães seriam empregadas em lamber o sangue dos inimigos, embora isso não seja “expresso” em tantas palavras. O sentido geral é que os inimigos do povo seriam mortos. [Barnes, aguardando revisão]

24 Viram teus caminhos, ó Deus; os caminhos de meu Deus, meu Rei, no santuário.

Comentário Whedon

Viram – isto é, as pessoas em geral, as nações. As vitórias de Moisés e Josué, e as interferências milagrosas em favor de Israel nos tempos dos juízes, foram publicamente conhecidas por todas as nações vizinhas.

no santuário – No lugar santo; assim traduzido no Salmo 68:17. Mas aqui a conexão requer a “arca”, ou o “santo dos santos”, onde a arca repousava, para ser especialmente entendida, como em Êxodo 28:43; Exo 29:30. Com a arca, as “idas” ou marchas de Deus no deserto foram regulamentadas. Veja Nm 10:35-36 e observe o Salmo 61:4. Mais tarde, os filisteus viram as “entradas” de Deus em sua arca ou com ela. Veja 2 Samuel 5, 6. Assim, as nações, assim como Israel, viram o zeloso cuidado e a proteção amorosa que Deus tinha de sua própria morada e adoração, e ficaram impressionados com sua suprema majestade e santidade. [Whedon, aguardando revisão]

25 Os cantores vieram adiante, depois os instrumentistas; entre eles as virgens tocadoras de tamborins.

Comentário Barnes

Os cantores vieram adiante – Ou seja, na remoção da arca; na procissão solene referida no versículo anterior. “Nessa” procissão, aqueles que cantavam precederam aqueles que tocavam instrumentos musicais. Compare 1 Crônicas 13:8 ; 1 Crônicas 15:16 . “Os instrumentistas seguiram depois.” As diferentes classes de artistas seriam naturalmente agrupadas. Em 1 Crônicas 13:8 , os seguintes instrumentos musicais são mencionados como tendo sido empregados em uma ocasião semelhante, se não nesta mesma ocasião – harpas, saltérios, tamborins, címbalos e trombetas.

depois os instrumentistas; entre eles as virgens tocadoras de tamborins – A verdadeira construção da passagem é, “Atrás estavam os jogadores no meio das donzelas brincando.” Os cantores e músicos foram cercados por essas mulheres brincando em barris. A palavra traduzida por “brincar com tamborins” – תפף tâphaph – significa bater, bater; e, portanto, golpear ou bater em um tamboril. Um timbrel é uma espécie de tambor, tabret ou pandeiro, geralmente batido com os dedos. Veja uma descrição disso nas notas em Isaías 5:12 , sob a palavra “tabret”. É um instrumento usado desde a mais remota antiguidade. [Barnes, aguardando revisão]

26 Bendizei a Deus nas congregações; bendizei ao SENHOR, desde a fonte de Israel.

Comentário de A. R. Fausset

a fonte de Israel – isto é, descendentes lineares de Jacó, são convidados a se unirem na doxologia. Então, por uma das tribos mais próximas, uma das mais eminentes e duas das mais remotas, está representada em toda a nação de Israel, passando adiante (Números 7:1-89). [JFB, aguardando revisão]

27 Ali está o pequeno Benjamim, que domina sobre eles; os chefes de Judá e a congregação deles; os chefes de Zebulom, e os chefes de Naftali.

Comentário Barnes

Ali está o pequeno Benjamim – Naquela procissão solene. Ou seja, a tribo de Benjamin é “representada” lá; ou, há na procissão aqueles que estão ligados a essa tribo. O nome “pequeno” é dado à tribo porque Benjamin era o mais jovem dos filhos de Jacó ou, mais provavelmente, porque aquela tribo estava entre as menores tribos de Israel. Na verdade, a tribo era tão pequena, em comparação com a de Judá, por exemplo, que, após a revolta das dez tribos, o nome de Benjamim foi perdido, e toda a nação foi chamada, em homenagem à tribo de Judá, ” Judeus.”

que domina sobre eles – A palavra “com” não está no original. O hebraico está literalmente “governando-os”. Isso parece significar que, na ocasião mencionada, Benjamin, ou aqueles que estavam ligados a essa tribo, tinham a supervisão ou a direção daqueles que estavam envolvidos nesta procissão solene. Embora pequeno, teve a preeminência nesta ocasião. A ela foi confiado o importante dever de presidir essas solenidades; isto é, aqueles que foram proeminentes nos arranjos para a ocasião eram da tribo de Benjamin. Esta me parece uma explicação melhor do que supor, como faz o professor Alexander, que se refere aos inimigos do povo de Deus, e que Benjamin os “conquistou” ou “subjugou”.

os chefes de Judá – Os principais homens da tribo de Judá.

e a congregação deles. A palavra hebraica aqui, – רגמה rigmâh – significa multidão, multidão, bando. Nunca significa” conselho “. A ideia é, evidentemente, que um grande número da tribo de Judá compareceu – que os “príncipes” ou líderes estavam acompanhados por multidões de seu próprio povo; em alusão ao fato de que Judá era uma das maiores tribos de Israel – e em contraste com Benjamin, que era poucos em número, mas ainda assim assim, ocupou o lugar mais honroso como “encarregado” dos arranjos.

os chefes de Zebulom, e os chefes de Naftali – Estas eram tribos remotas ou fronteiriças, e parecem ser mencionados aqui para mostrar que todas as tribos estavam representadas; isto é, que esta era uma celebração nacional. O fato de essas tribos serem mencionadas como representadas na ocasião prova que este salmo foi composto antes da revolta das dez tribos e da formação do reino de Israel; isto é, tão “antigo” quanto a época de Salomão. Isso aumenta a probabilidade de o salmo ter sido escrito por Davi. [Barnes, aguardando revisão]

28 Teu Deus ordenou tua força; fortalece, ó Deus, o que já operaste por nós.

Comentário Barnes

Teu Deus ordenou tua força – ordenou que tua força aparecesse ou se manifestasse. Isso é dirigido, evidentemente, ao povo da terra; e a ideia é que, nesta ocasião, Deus convocou uma representação completa da força da nação; ou, como deveríamos dizer, houve uma “reviravolta” total. Foi uma visão impressionante, mostrando a verdadeira força do povo.

ó Deus, o que já operaste por nós – Aumenta a força assim manifestada. Que seja ainda maior. A cena agora é impressionante e grandiosa; torne ainda mais, aumentando o número e a prosperidade de teu povo. Esta é uma ilustração do desejo no coração de todo homem piedoso de que, qualquer que seja a prosperidade que Deus possa ter dado ao seu povo, ele dê uma medida ainda maior – que por mais que ele possa ter aumentado seu número, ele irá adicionar a eles muitos mais. [Barnes, aguardando revisão]

29 Ao teu templo, em Jerusalém, os Reis te trarão presentes.

Comentário Barnes

Ao teu templo, em Jerusalém – A palavra traduzida como “templo” aqui significa propriamente um palácio; então, a morada de Deus considerada como um rei, ou sua residência como um rei. Pode, portanto, ser aplicado ao tabernáculo ou ao templo, erguido como a morada especial de Deus. Como a palavra tem um significado tão geral, a passagem aqui não prova que o salmo foi composto depois que o templo de Salomão foi erguido, pois pode se referir ao tabernáculo que Davi ergueu para a arca no monte Sião. Veja Salmo 5:7 , nota; Salmo 65:4 , nota.

em Jerusalém – literalmente, “sobre” ou “acima” de Jerusalém. Talvez a ideia seja que, como o local de adoração foi construído no Monte Sião, estava “acima” ou parecia “pairar” sobre a cidade. A cidade foi construída principalmente nos vales que ficam entre as diferentes colinas ou eminências – Monte Sião, Monte Moriá, Monte Ofel.

os Reis te trarão presentes – Em honra a Deus e sua religião. Compare o Salmo 72:10 . Veja também as notas em Isaías 49:7 , notas em Isaías 49:23 ; notas em Isaías 60:5 , notas em Isaías 60:16. [Barnes, aguardando revisão]

30 Repreende a fera das canas, a multidão de touros, juntamente com as bezerras dos povos; aos que humilham a si mesmos em troca de peças e prata; dissipa aos povos que gostam da guerra.

Comentário Barnes

Repreende a fera das canas – Margem, “as feras dos juncos”. Isso está na forma de uma oração – “Repreensão”; mas a ideia é que isso “ocorreria”; e o significado de todo o versículo, embora haja muita dificuldade em interpretar as expressões particulares, é que os mais formidáveis ​​inimigos do povo de Deus, representados aqui por bestas selvagens, seriam subjugados e seriam obrigados a mostrar sua submissão trazendo presentes – por “moedas de prata”, ou, com tributo. Assim, a ideia corresponde à do versículo anterior, que “reis trariam presentes.” A tradução na margem aqui expressa o significado do hebraico. “Pode” talvez ser possível extrair do hebraico o sentido em nossa tradução comum, mas não é o significado “óbvio” e não estaria de acordo com o escopo da passagem. Sobre a palavra traduzida por “companhia”, que significa basicamente um animal, veja as notas em Salmos 68:10.

É aplicado a um exército como sendo formidável, ou terrível, “como” uma fera. A palavra traduzida como “lanceiros” – קנה qâneh – significa “uma cana” ou “bengala”; “Cálamo.” Compare as notas em Is 42:3; notas em Is 36:6. Esta frase, “a besta dos juncos”, denotaria apropriadamente uma besta selvagem, como vivendo entre os juncos ou caules que brotavam nas margens de um rio, e tendo sua casa ali. Assim, talvez sugerisse com mais naturalidade o crocodilo, mas também poderia ser aplicável a um leão ou outro animal selvagem que morava nas selvas ou arbustos às margens de um rio. Compare Jer 49:19; Jer 50:44. A comparação aqui denotaria, portanto, qualquer monarca ou povo poderoso e feroz que pudesse ser comparado a uma besta tão feroz. Não há nenhuma alusão particular ao Egito, como sendo a morada do crocodilo, mas a referência é mais geral, e a linguagem implicaria que pessoas ferozes e selvagens – reis que podem ser comparados com feras que tinham suas casas nas profundezas e matagais inacessíveis – viriam dobrados com o dinheiro do tributo, com moedas de prata, em sinal de sua sujeição a Deus.

a multidão de touros – reis ferozes e guerreiros, que podem ser comparados aos touros. Veja as notas no Salmo 22:12.

juntamente com as bezerras dos povos – isto é, as nações que podem ser comparadas aos bezerros de tais rebanhos selvagens – ferozes, selvagens, poderosos. Seus líderes podem ser comparados aos touros; as pessoas – as multidões – eram como o rebanho selvagem e sem lei de jovens que os acompanhava. A ideia geral é que as nações mais selvagens e selvagens viriam e reconheceriam sua sujeição a Deus e expressariam essa sujeição por meio de uma oferta apropriada.

aos que humilham a si mesmos em troca de peças e prata – A palavra aqui traduzida por “submeter-se” significa corretamente pisar com os pés, pisar; e então, na forma usada aqui, deixar-se ser pisoteado, prostrar-se; para se humilhar. Aqui, significa que eles viriam e ofereceriam prata submissamente como um tributo. Ou seja, eles reconheceriam a autoridade de Deus e se tornariam sujeitos a ele.

dissipa aos povos que gostam da guerra – Margem, “Ele espalha.” A margem expressa o sentido com mais precisão. A referência é a Deus. O salmista vê a obra já realizada. Antecipando a vitória de Deus sobre seus inimigos, ele os vê já confusos e postos em fuga. As poderosas hostes que se arregimentaram contra o povo de Deus são dissipadas e separadas; ou, em outras palavras, uma vitória completa é obtida. As pessoas que “se deleitavam na guerra” eram aquelas que tinham prazer em se colocar contra o povo de Deus – os inimigos que buscavam sua derrota. [Barnes, aguardando revisão]

31 Embaixadores virão do Egito; Cuxe correrá para estender suas mãos a Deus.

Comentário Barnes

Embaixadores virão do Egito – isto é, virão e reconhecerão o verdadeiro Deus. O Egito é referido aqui como uma das nações estrangeiras mais proeminentes então conhecidas; e a ideia é que os homens ilustres de nações estrangeiras – os governantes e príncipes do mundo – viriam e se submeteriam a Deus e seriam unidos ao seu povo. A palavra traduzida por “príncipes” aqui – חשׁמנים chashmaniym – não ocorre em nenhum outro lugar das Escrituras. Significa, segundo Gesenius (Lexicon), a gordura; então, os ricos; o opulento; nobres. É a palavra da qual o nome “Hasmoneu” (ou Asmoneano), que foi dado pelos judeus aos macabeus, ou príncipes judeus na época da história judaica entre o Antigo e o Novo Testamento, supostamente foi derivado. A Septuaginta, a Vulgata e a Siríaca traduzem-no como “legados” ou “embaixadores”. Lutero o torna “príncipes”. A referência é, sem dúvida, a homens de posição ou posição.

Cuxe – hebraico, “Cush”. Sobre o significado desta palavra nas Escrituras, veja as notas em Is 11:11.

correrá para estender suas mãos – literalmente, “Deve fazer suas mãos correrem.” A expressão denota a ansiedade ou pressa com que isso seria feito. O ato é um ato de súplica e a referência é a oração.

a Deus – Para o Deus verdadeiro. A nação suplicará a misericórdia de Deus ou o adorará. A ideia, de acordo com o que nos versos anteriores, é que o país aqui referido ficaria sujeito ao Deus verdadeiro. É uma visão do futuro; da época em que as nações seriam convertidas à verdadeira fé, ou reconheceriam o verdadeiro Deus. Quer isto se refira ao Cush na Arábia, ou ao Cush na África (Etiópia como comumente entendida), é uma descrição do que ainda ocorrerá, pois todas essas terras, e todas as outras terras, serão convertidas à verdadeira religião, e estenderão as mãos em súplica e oração, e serão aceitos por Deus. Até a África – a África injustiçada, degradada, oprimida e ferida – o fará; e a adoração de seus filhos será tão aceitável ao Pai Universal quanto a de qualquer outra raça da humanidade que habita a terra. [Barnes, aguardando revisão]

32 Reinos da terra, cantai a Deus; cantai louvores ao Senhor. (Selá)

Comentário Barnes

Reinos da terra, cantai a Deus – isto é – que reconhecem o Deus verdadeiro – celebrem seu louvor. O salmista vê a conversão do mundo a Deus como um evento tão certo que ele convida todas as nações a se juntarem ao cântico. [Barnes, aguardando revisão]

33 Ele anda montado por entre os céus desde os tempos antigos; eis que sua voz fala poderosamente.

Comentário Barnes

Ele anda montado por entre os céus – Os mais altos céus. O céu do céu significaria propriamente o céu acima do que é o céu para nós; ou seja, o céu acima do céu. Isso é representado como a morada especial de Deus. Os judeus estavam acostumados a falar de três céus:(a) O céu aéreo, ou a região acima de nós, onde os pássaros voam e os ventos sopram; (b) os céus estrelados, ou o firmamento no qual as estrelas estão fixadas; e (c) o céu acima de tudo, a morada de Deus e dos anjos.

A palavra “cavalga” aqui significa que ele aparece lá como um conquistador, ou que ele se move em majestade e glória. Veja as notas no Salmo 18:10 .

desde os tempos antigos – As palavras “da antiguidade” referem-se aqui aos céus e denotam sua antiguidade. Ele cavalga sobre aqueles céus antigos. Ele ocupa uma posição acima das antigas obras de seu poder.

eis que sua voz – Margem, como em hebraico, “dá”. A referência é ao trovão. O objetivo disso é aumentar a impressão de sua majestade e poder.

fala poderosamente – Veja as notas no Salmo 29:3. [Barnes, aguardando revisão]

34 Reconhecei o poder de Deus; sobre Israel está sua exaltação, e sua força está nas altas nuvens.

Comentário Barnes

Reconhecei o poder de Deus – literalmente, “dê”. Ou seja, reconheça-o como um Deus de poder. Reconheça sua onipotência em sua adoração. Veja as notas no Salmo 29:1 .

sobre Israel está sua exaltação – Sua majestade; sua glória; seu cuidado protetor. A ideia é que seu glorioso caráter – sua majestade – se manifestou particularmente na proteção de seu povo.

e sua força está nas altas nuvens – Margem, “céus”. A palavra hebraica significa “nuvens”. A ideia é que, embora seu personagem como Protetor fosse evidenciado particularmente em seu cuidado com seu povo, seu “poder” era particularmente visto nas nuvens – a tempestade – o trovão – o relâmpago. Assim, todas as manifestações de seu caráter, igualmente em natureza e para com seu povo, são adaptadas para produzir uma impressão profunda e solene em relação à sua majestade e glória, ou para estabelecer o fundamento justo de louvor. [Barnes, aguardando revisão]

35 Deus, tu és temível desde teus santuários; o Deus de Israel é o que dá força e poder ao povo. Bendito seja Deus!

Comentário Barnes

Deus, tu és temível desde teus santuários – Os lugares onde tu habitas e de onde te manifestas. Isto é, as manifestações que fazes de ti mesmo quando pareces sair de tua morada são “terríveis” ou são adequadas para encher a mente de temor. Compare Salmos 45:4, nota; Salmos 65:5, nota; Salmo 66:5, nota.

o Deus de Israel – o Deus que é adorado por Israel, ou por seu verdadeiro povo; o nosso Deus.

é o que dá força e poder ao povo. Ele é capaz de protegê-los. Ele mostra que pode cingi-los com força; que ele pode defendê-los; que ele pode sustentá-los nas provações da vida. O Deus que eles reconhecem como seu Deus não é aquele cujas forças falham, ou que é visto como fraco e impotente quando seu auxílio é necessário. Ele é totalmente igual a todas as suas necessidades, e eles nunca confiam nele em vão. “Bendito seja Deus.” Por tudo o que ele é, por tudo o que ele fez. Esta é a linguagem de alegria e louvor em vista da contemplação de seu caráter conforme descrito no salmo. No final de cada contemplação correta de seu caráter, seu governo, seus planos, suas reivindicações, sua lei, seu evangelho, o coração que está certo dirá:”Bendito seja esse Deus.” Para alguém dotado de “tais” atributos, louvor – louvor eterno – é devido. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 67 Salmo 69>

Introdução ao Salmo 68

Autoria. O Salmo 68 é identificado como um salmo de Davi. Ele é dedicado ao “chefe dos músicos”. Veja as notas na Introdução ao Salmo 4. Não há razão para duvidar da exatidão do título, pois não há nada no salmo que entre em conflito com a suposição de que Davi foi o autor, e como concorda tanto, em seu escopo e linguagem, com suas indiscutíveis composições.

Ocasião. Não se sabe com certeza em que ocasião o cântico foi composto. É evidentemente, como o salmo dezoito, um cântico triunfal para celebrar as vitórias alcançadas; mas se composto para celebrar alguma vitória particular, ou em vista de tudo o que foi feito para subjugar os inimigos do povo de Deus, é impossível agora determinar. Alexandre supõe que foi em referência à vitória registrada em 2Samuel 12:26-31, a última vitória importante do reinado de Davi. Venema supõe que foi composto por ocasião da remoção da arca para o Monte Sião, para o lugar que Davi havia preparado para ela. Esta também é a opinião de Rosenmuller. DeWette se inclina para a opinião de que foi escrito em vista da vitória sobre os amonitas e outros, conforme registrado em 2 Samuel 8-12. Existem algumas coisas, no entanto, com relação ao tempo e ocasião em que o salmo foi composto, que podem ser determinadas a partir do próprio salmo.

(1) é claro que não foi composto antes da época de Davi, porque antes de sua época Jerusalém ou Sião não era a residência da autoridade real, nem o local de adoração divina, o que o salmo evidentemente supõe ser (Salmo 68:29).

(2) foi composto quando a nação hebraica era uma, ou antes da separação das dez tribos e da formação do reino de Israel sob Jeroboão, pois Benjamim, Judá, Zebulom e Naftali são especialmente mencionados como participantes nas solenidades mencionadas no salmo (Salmo 68:27).

(3) foi consequentemente antes do cativeiro babilônico.

(4) foi composto em alguma ocasião em que se levou a arca para colocá-la no lugar que havia sido preparado para ela (Salmo 68:16,24-25). Esses versículos podem ser melhor explicados na suposição de que o salmo foi escrito naquela ocasião. Na verdade, eles não podem ser bem explicados em qualquer outra suposição.

(5) foi em vista de triunfos passados; de vitórias conquistadas em tempos passados; do que Deus tinha feito por seu povo, e especialmente do que Ele tinha feito quando a arca da aliança tinha sido colocada à frente dos exércitos de Israel (Salmo 68:14). Compare com Salmo 68:7-8,12,17-18.

(6) foi em expectativa de triunfos futuros – os triunfos da verdadeira religião; sob o sentimento e a crença de que Jerusalém seria o centro de onde as influências benéficas sairiam sobre mundo; e que através das influências oriundas de Jerusalém o mundo seria submetido a Deus (Salmo 68:20-23,29-31). Compare com Isaías 2:3.

O salmo foi composto, portanto, creio eu, quando a arca foi trazida da casa de Obede-Edom e colocada na cidade de Davi, na tenda ou tabernáculo que ele havia erguido para ela ali:2Samuel 6:12; 1 Crônicas 15. Não é improvável que outros salmos, também, tenham sido compostos para esta ocasião, visto que foi de grande solenidade.

Conteúdo. O conteúdo do salmo está inteiramente de acordo com esta suposição. Eles são os seguintes:

I. Uma oração para que Deus se levantasse e dispersasse todos os seus inimigos (Salmo 68:1-2).

II. Um apelo ao povo para louvar a Deus, com referência à sua grandeza e ao seu caráter paternal (Salmo 68:3-6).

III. Uma referência ao que ele havia feito em tempos anteriores por seu povo ao conduzi-los da escravidão para a terra prometida (Salmo 68:7-14).

4. Uma referência particular à arca (Salmo 68:15-18). Depois de ter ficado abandonada, Deus saiu com ela e Sião tornou-se notável acima das colinas; jorraram carruagens de Deus; a vitória acompanhava seus movimentos; e Deus subiu levando o cativeiro ao cativeiro.

V. A antecipação de triunfos futuros – a expectativa confiante de intervenção futura – como derivada da história do passado (Salmo 68:19-23).

VI. Uma descrição da procissão na retirada da arca (Salmo 68:24-27).

VII. A antecipação de triunfos futuros expressa em outra forma, não a de subjugação pelo mero poder, mas de uma submissão voluntária de reis e nações a Deus (Salmo 68:28-31). Reis viriam com presentes (Salmo 68:29); nações – Egito e Etiópia – estenderiam suas mãos a Deus (Salmo 68:31).

VIII. Um chamado a todas as nações, em vista dessas coisas, a atribuir louvor a Deus (Salmo 68:32-35). [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.