Deuteronômio 24

Acerca do divórcio, dos penhores, dos roubadores e da lepra

1 Quando algum tomar mulher e se casar com ela, se não lhe agradar por haver achado nela alguma coisa ofensiva, lhe escreverá carta de divórcio, e a entregará em sua mão, e a despedirá de sua casa.

Comentário de Robert Jamieson

(1-5) Quando um homem se casou com uma esposa, e ela não encontrou nenhum favor em seus olhos, parece que a prática dos divórcios era muito prevalecente neste período inicial entre os israelitas, que com toda probabilidade tinham se familiarizado com ela no Egito [Lane]. O uso, sendo muito enraizado para ser logo ou facilmente abolido, foi tolerado por Moisés (Mt 19,8). Mas foi acompanhado sob a lei com duas condições, que foram muito calculadas para evitar os males incidentes ao sistema permitido; a saber (1) O ato do divórcio deveria ser certificado em um documento escrito, cuja preparação, com formalidade legal, daria tempo para reflexão e arrependimento; e (2) No caso da esposa divorciada ser casada com outro marido, ela não poderia, ao término desse segundo casamento, ser restituída ao primeiro marido, por mais desejoso que ele estivesse de recebê-la. [JFB, aguardando revisão]

2 E saída de sua casa, poderá ir e casar-se com outro homem.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-5) Deuteronômio 24:1-5 contém duas leis relativas à relação de um homem com sua esposa. A primeira (Deuteronômio 24:1-4) tem referência ao divórcio. Nestes versículos, entretanto, o divórcio não é estabelecido como um direito; tudo o que se faz é que, em caso de divórcio, é proibido o reencontro com a esposa divorciada, se entretanto ela tivesse casado com outro homem, mesmo que o segundo marido também a tivesse internado, ou tivesse morrido. Os quatro versículos formam um período, no qual Deuteronômio 24:1-3 são as cláusulas da protasis, que descrevem o assunto tratado; e Deuteronômio 24:4 contém a apodose, com a lei relativa ao ponto em questão. Se um homem se casasse com uma esposa, e ele a mandasse embora com uma carta de divórcio, porque ela não lhe agradava mais, e a mulher divorciada se casasse com outro homem, e ele a prendesse da mesma maneira ou morresse, o primeiro marido não poderia levá-la novamente como esposa. O repúdio (divórcio) de uma esposa com uma carta de divórcio, que o marido deu à esposa que ele repatriou, é assumido como um costume baseado na tradição. Esta tradição deixou a questão do divórcio inteiramente à vontade do marido: “se a esposa não encontra favor em seus olhos (ou seja, não lhe agrada), porque encontrou nela algo vergonhoso” (Deuteronômio 23:15). ערוה, nudez, vergonha, vergonha (Isaías 20:4; 1Samuel 20:30); em conexão com דּבר, a vergonha de uma coisa, ou seja, uma coisa vergonhosa (lxx ἄσχημον πρᾶγμα; Vulgata aliquam faetiditatem). O significado desta expressão como motivo de divórcio foi disputado até mesmo entre os Rabinos. A escola de Hillel interpretou-a da maneira mais ampla possível, de acordo com a explicação dos fariseus em Mateus 19:3, “por toda causa”. Eles sem dúvida seguiram a interpretação de Onkelos, פתגם עבירת, a transgressão de uma coisa; mas isto é contrário ao uso da palavra ערוה, à qual a interpretação dada por Shammai aderiu mais estritamente. Sua explicação de דּבר ערות é “rem impudicam, libidinem, lasciviam, impudicitiam”. O adultério, ao qual alguns dos Rabinos restringiriam a expressão, certamente não deve ser pensado, pois isto seria punido com a morte.

(Nota: Para as diferentes visões dos Rabinos sobre este assunto, ver Mishnah tract. Gittin ix. 10; Buxtorf, de sponsal. et divort. pp. 88ff.; Selden, uxor ebr. l. iii. c. 18 e 20; e Lightfoot, horae ebr. et talm. ad Matth. v. 31f.)

כּריתת ספר, βιβλίον ἀποστασίου, uma carta de divórcio; כּריתת, hewing off, cutting off, isto é, do homem, com quem a esposa deveria ser uma só carne (Gênesis 2:24). O costume de dar cartas de divórcio foi provavelmente adotado pelos israelitas no Egito, onde a prática de escrever já havia encontrado seu caminho em todas as relações da vida.

(Nota: As regras rabínicas sobre os fundamentos do divórcio e a carta de divórcio, segundo Maimonides, foram coletadas por Surenhusius, ad Mishn. tr. Gittin, c. 1((T. iii. pp. 322f. do Mishnah de Sur.), onde são dados diferentes exemplares de cartas de divórcio; este último também em Lightfoot, l.c.)

A lei de que o primeiro marido não poderia levar sua esposa divorciada de volta, se ela tivesse se casado com outro marido enquanto isso, mesmo supondo que o segundo marido estivesse morto, colocaria necessariamente um freio em divórcios frívolos. Moisés não poderia abolir completamente o costume tradicional, quanto mais não fosse “por causa da dureza do coração do povo” (Mateus 19:8). O pensamento, portanto, da impossibilidade do reencontro com o primeiro marido, depois que a esposa tivesse contraído um segundo casamento, colocaria alguma restrição sobre uma ruptura frívola do vínculo matrimonial: teria este efeito, que enquanto, por um lado, o homem refletiria quando os incentivos ao divórcio se apresentassem, e se lembraria de um ato imprudente se este tivesse sido realizado, antes que a esposa que ele havia colocado fora tivesse se casado com outro marido; por outro lado, a esposa cederia mais prontamente à vontade de seu marido, e procuraria evitar fornecer-lhe um incentivo para o divórcio. Mas este efeito seria ainda mais facilmente produzido pelo motivo designado por Moisés, a saber, que a mulher divorciada foi contaminada (הטּמּאה, Hothpael, como nos números 1:47) por seu casamento com um segundo marido. O segundo casamento de uma mulher que havia sido divorciada é designado por Moisés como uma impureza da mulher, principalmente sem dúvida com referência ao fato de que a emissio seminis nas relações sexuais se tornou impura, embora não meramente no sentido de uma impureza tal que foi removida à noite por simples lavagem, mas como uma impureza moral, ou seja mancha, profanação da comunhão sexual com foi santificada pelo casamento, no mesmo sentido em que o adultério é chamado de impureza em Levítico 18:20 e Números 5:13-14. Assim, o segundo casamento de uma mulher divorciada foi colocado em pé de igualdade com o adultério, e alguma abordagem foi feita em relação ao ensinamento de Cristo a respeito do casamento: “Todo aquele que se casar com ela divorciado, comete adultério” (Mateus 5:32). – Mas se o segundo casamento de uma mulher divorciada fosse uma profanação moral, é claro que a esposa não poderia se casar com o primeiro novamente mesmo após a morte de seu segundo marido, não apenas porque tal reencontro diminuiria a dignidade da mulher, e a mulher pareceria muito com a propriedade, que poderia ser disposta de uma vez e recuperada de outra (Schultz), mas porque a impureza da esposa seria assim repetida, e até aumentada, pois a impureza moral que a esposa divorciada adquiriu através do segundo casamento não foi removida por um divórcio do segundo marido, nem ainda por sua morte. Tal profanação era uma abominação perante Jeová, pela qual eles causariam o pecado na terra, ou seja, manchá-la de pecado, tanto quanto pelos pecados de incesto e de licitude antinatural (Levítico 18:25).

Em anexo a esta lei, que visa evitar uma frívola separação do vínculo matrimonial, há outra em Deuteronômio 24:5, que era de caráter mais positivo, e adaptada para fortalecer o vínculo matrimonial. O homem recém casado não era obrigado a cumprir o serviço militar por um ano inteiro; “e não virá (nada) sobre ele em relação a qualquer assunto”. O significado desta última cláusula pode ser encontrado no que se segue: “Será livre para sua casa por um ano”, ou seja, não lhe imporão encargos públicos, para que se dedique inteiramente a suas relações domésticas recém-estabelecidas, e possa alegrar sua esposa (compare Deuteronômio 20:7). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 E se a aborrecer este último, e lhe escrever carta de divórcio, e a entregar em sua mão, e a despedir de sua casa; ou se morrer o posterior homem que a tomou para si por mulher,

Comentário de Robert Jamieson

(1-5) Quando um homem se casou com uma esposa, e ela não encontrou nenhum favor em seus olhos, parece que a prática dos divórcios era muito prevalecente neste período inicial entre os israelitas, que com toda probabilidade tinham se familiarizado com ela no Egito [Lane]. O uso, sendo muito enraizado para ser logo ou facilmente abolido, foi tolerado por Moisés (Mt 19,8). Mas foi acompanhado sob a lei com duas condições, que foram muito calculadas para evitar os males incidentes ao sistema permitido; a saber (1) O ato do divórcio deveria ser certificado em um documento escrito, cuja preparação, com formalidade legal, daria tempo para reflexão e arrependimento; e (2) No caso da esposa divorciada ser casada com outro marido, ela não poderia, ao término desse segundo casamento, ser restituída ao primeiro marido, por mais desejoso que ele estivesse de recebê-la. [JFB, aguardando revisão]

4 Não poderá seu primeiro marido, que a despediu, trazê-la de volta a tomar para que seja sua mulher, depois que foi contaminada; porque é abominação diante do SENHOR, e não hás de perverter a terra que o SENHOR teu Deus te dá por herança.

Comentário de Robert Jamieson

(1-5) Quando um homem se casou com uma esposa, e ela não encontrou nenhum favor em seus olhos, parece que a prática dos divórcios era muito prevalecente neste período inicial entre os israelitas, que com toda probabilidade tinham se familiarizado com ela no Egito [Lane]. O uso, sendo muito enraizado para ser logo ou facilmente abolido, foi tolerado por Moisés (Mt 19,8). Mas foi acompanhado sob a lei com duas condições, que foram muito calculadas para evitar os males incidentes ao sistema permitido; a saber (1) O ato do divórcio deveria ser certificado em um documento escrito, cuja preparação, com formalidade legal, daria tempo para reflexão e arrependimento; e (2) No caso da esposa divorciada ser casada com outro marido, ela não poderia, ao término desse segundo casamento, ser restituída ao primeiro marido, por mais desejoso que ele estivesse de recebê-la. [JFB, aguardando revisão]

5 Quando tomar alguém mulher nova, não sairá à guerra, nem em nenhuma coisa se lhe ocupará; livre estará em sua casa por ano, para alegrar à sua mulher que tomou.

Comentário de Robert Jamieson

Quando tomar alguém mulher nova, não sairá à guerra – Esta lei de isenção foi fundada em boa política e foi favorável ao matrimônio, pois proporcionou uma oportunidade completa para as afeições do casal recém-casado estar mais firmemente enraizado e diminuiu ou removeu as ocasiões para os divórcios que acabamos de mencionar. [JFB, aguardando revisão]

6 Não tomarás em penhor a pedra de moinho, nem a de baixo nem a de cima: porque seria penhorar a vida.

Comentário de Keil e Delitzsch

(6-9) Várias Proibições. – Deuteronômio 24:6. “Nenhum homem tomará em penhor o moinho e a pedra de moinho, pois ele (que faz isto) está penhorando a vida”. רחים, o moinho; רכב, literalmente, o corredor, ou seja, a pedra de moinho superior. Nem o moinho inteiro nem a pedra de moinho superior deveriam ser solicitados como penhor, pelo qual o moinho se tornaria inútil, já que o moinho era indispensável para preparar a comida diária para a casa; de modo que quem quer que os tirasse a própria vida ferida, retirando o que era indispensável para a preservação da vida. O moinho é mencionado como um exemplar de artigos deste tipo, como a roupa do Exodo 22:25-26, que servia ao pobre homem como roupa de cama também. As violações deste mandamento são reprovadas em Amós 2:8; Jó 22:6; Provérbios 20:16; Provérbios 22:27; Provérbios 27:13. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 Quando for achado alguém que tenha furtado pessoa de seus irmãos os filhos de Israel, e houver comercializado com ela, ou a houver vendido, o tal ladrão morrerá, e tirarás o mal do meio de ti.

Comentário de Keil e Delitzsch

(7-9) Repetição da lei contra o roubo de homens (Exodus 21:16). – Deuteronômio 24:8, Deuteronômio 24:9. A ordem: “Presta atenção à praga da lepra para observar diligentemente e fazer de acordo com tudo o que os sacerdotes te ensinam”, etc., não significa que, quando vissem sinais de lepra, deveriam estar atentos, observar tudo o que os sacerdotes lhes dirigiam, como Knobel e muitos outros supõem. Pois, em primeiro lugar, a referência ao castigo de Miriam com hanseníase não é de forma alguma apropriada a um pensamento como este, pois Miriam não agiu em oposição aos sacerdotes depois de ter sido golpeada pela hanseníase, mas trouxe a hanseníase como castigo, por sua rebelião contra Moisés (Números 12:10.). E, em segundo lugar, esta visão não pode ser conciliada com בּנגע השּׁמר, uma vez que השּׁמר com בּ, seja para estar em guarda contra (antes) de qualquer coisa (2Samuel 20: 10), ou, quando tomado em conexão com בּנפשׁ, para ter cuidado com a alma, i. e., pelo valor da alma (Jeremias 17:21). O pensamento aqui, portanto, é: “Fica atento por causa da praga da lepra”, ou seja, que não a obtenhas, tens que suportá-la, como recompensa por tua rebelião contra o que os sacerdotes ensinam de acordo com o mandamento do Senhor. “Vigiai diligentemente, que não incorrais na praga da lepra” (Vulgata); ou, “que não pequeis, de modo a serdes punidos com a lepra” (J. H. Michaelis). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 Guarda-te de chaga de lepra, observando com empenho, e fazendo segundo tudo o que vos ensinarem os sacerdotes levitas: cuidareis de fazer como lhes mandei.

Comentário de Keil e Delitzsch

(7-9) Repetição da lei contra o roubo de homens (Exodus 21:16). – Deuteronômio 24:8, Deuteronômio 24:9. A ordem: “Presta atenção à praga da lepra para observar diligentemente e fazer de acordo com tudo o que os sacerdotes te ensinam”, etc., não significa que, quando vissem sinais de lepra, deveriam estar atentos, observar tudo o que os sacerdotes lhes dirigiam, como Knobel e muitos outros supõem. Pois, em primeiro lugar, a referência ao castigo de Miriam com hanseníase não é de forma alguma apropriada a um pensamento como este, pois Miriam não agiu em oposição aos sacerdotes depois de ter sido golpeada pela hanseníase, mas trouxe a hanseníase como castigo, por sua rebelião contra Moisés (Números 12:10.). E, em segundo lugar, esta visão não pode ser conciliada com בּנגע השּׁמר, uma vez que השּׁמר com בּ, seja para estar em guarda contra (antes) de qualquer coisa (2Samuel 20: 10), ou, quando tomado em conexão com בּנפשׁ, para ter cuidado com a alma, i. e., pelo valor da alma (Jeremias 17:21). O pensamento aqui, portanto, é: “Fica atento por causa da praga da lepra”, ou seja, que não a obtenhas, tens que suportá-la, como recompensa por tua rebelião contra o que os sacerdotes ensinam de acordo com o mandamento do Senhor. “Vigiai diligentemente, que não incorrais na praga da lepra” (Vulgata); ou, “que não pequeis, de modo a serdes punidos com a lepra” (J. H. Michaelis). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 Lembra-te do que fez o SENHOR teu Deus a Miriã no caminho, depois que saístes do Egito.

Comentário de Keil e Delitzsch

(7-9) Repetição da lei contra o roubo de homens (Exodus 21:16). – Deuteronômio 24:8, Deuteronômio 24:9. A ordem: “Presta atenção à praga da lepra para observar diligentemente e fazer de acordo com tudo o que os sacerdotes te ensinam”, etc., não significa que, quando vissem sinais de lepra, deveriam estar atentos, observar tudo o que os sacerdotes lhes dirigiam, como Knobel e muitos outros supõem. Pois, em primeiro lugar, a referência ao castigo de Miriam com hanseníase não é de forma alguma apropriada a um pensamento como este, pois Miriam não agiu em oposição aos sacerdotes depois de ter sido golpeada pela hanseníase, mas trouxe a hanseníase como castigo, por sua rebelião contra Moisés (Números 12:10.). E, em segundo lugar, esta visão não pode ser conciliada com בּנגע השּׁמר, uma vez que השּׁמר com בּ, seja para estar em guarda contra (antes) de qualquer coisa (2Samuel 20: 10), ou, quando tomado em conexão com בּנפשׁ, para ter cuidado com a alma, i. e., pelo valor da alma (Jeremias 17:21). O pensamento aqui, portanto, é: “Fica atento por causa da praga da lepra”, ou seja, que não a obtenhas, tens que suportá-la, como recompensa por tua rebelião contra o que os sacerdotes ensinam de acordo com o mandamento do Senhor. “Vigiai diligentemente, que não incorrais na praga da lepra” (Vulgata); ou, “que não pequeis, de modo a serdes punidos com a lepra” (J. H. Michaelis). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Acerca de empréstimo

10 Quando deres a teu próximo alguma coisa emprestada, não entrarás em sua casa para tomar-lhe penhor:

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-11) Advertência contra a opressão dos pobres. – Deuteronômio 24:10, Deuteronômio 24:11. Se um empréstimo de qualquer tipo fosse emprestado a um vizinho, o emprestador não deveria entrar em sua casa para fazer um penhor (tomar) um penhor, mas deveria deixar o tomador levar o penhor. O significado é que eles deveriam deixar que o tomador do empréstimo desse um penhor, e não forçá-lo a desistir de algo como um penhor que poderia ser indispensável para ele. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Fora estarás, e o homem a quem emprestaste, te tirará fora o penhor.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-11) Advertência contra a opressão dos pobres. – Deuteronômio 24:10, Deuteronômio 24:11. Se um empréstimo de qualquer tipo fosse emprestado a um vizinho, o emprestador não deveria entrar em sua casa para fazer um penhor (tomar) um penhor, mas deveria deixar o tomador levar o penhor. O significado é que eles deveriam deixar que o tomador do empréstimo desse um penhor, e não forçá-lo a desistir de algo como um penhor que poderia ser indispensável para ele. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E se for homem pobre, não durmas com seu penhor:

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-13) E se o homem estivesse em perigo (עני), o credor não deveria mentir (dormir) sobre seu juramento, já que o pobre homem não tinha muitas vezes nada além de sua roupa superior, na qual dormia, para dar como juramento. Isto deveria ser devolvido a ele à noite. (Uma repetição de Êxodo 22:25-26.) Sobre a expressão: “Para ti será justiça”, ver Deuteronômio 6:25. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Precisamente lhe devolverás o penhor quando o sol se ponha, para que durma em sua roupa, e te bendiga: e te será justiça diante do SENHOR teu Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-13) E se o homem estivesse em perigo (עני), o credor não deveria mentir (dormir) sobre seu juramento, já que o pobre homem não tinha muitas vezes nada além de sua roupa superior, na qual dormia, para dar como juramento. Isto deveria ser devolvido a ele à noite. (Uma repetição de Êxodo 22:25-26.) Sobre a expressão: “Para ti será justiça”, ver Deuteronômio 6:25. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Caridade para com os pobres, os estrangeiros e os órfãos

14 Não faças injustiça ao empregado pobre e necessitado, tanto de teus irmãos como de teus estrangeiros que estão em tua terra em tuas cidades:

Comentário de Robert Jamieson

Não faças injustiça ao empregado pobre e necessitado – Os empregados contratados no Oriente são pagos no final do dia; e para um mestre defraudar o trabalhador de seu salário, ou retê-lo injustamente por uma noite, poderia ter submetido um homem pobre com sua família ao sofrimento e, portanto, era uma injustiça a ser evitada (Levítico 19:13). [JFB, aguardando revisão]

15 Em seu dia lhe darás seu salário, e não se porá o sol sem o dar a ele: pois é pobre, e com ele sustenta sua vida: para que não clame contra ti ao SENHOR, e seja em ti pecado.

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-15) Eles não deveriam oprimir um trabalhador pobre e angustiado, retendo seu salário. Esta ordem é repetida aqui do Levítico 19:13, com especial referência à angústia do pobre homem. “E a ela (seu salário) ele levanta sua alma:” ou seja, ele sente um desejo por ela. “Levanta sua alma:” como no Salmo 24,4; Oséias 4,8; Jeremias 22,27. Em Deuteronômio 24:15, ver Deuteronômio 15:9 e Tiago 5:4. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 Os pais não morrerão pelos filhos, nem os filhos pelos pais; cada um morrerá por seu pecado.

Comentário de Robert Jamieson

Os pais não morrerão pelos filhos – A regra foi dirigida para a orientação dos magistrados, e estabeleceu o princípio equitativo de que ninguém deve ser responsável pelos crimes de outros. [JFB, aguardando revisão]

17 Não distorcerás o direito do peregrino e do órfão; nem tomarás por penhor a roupa da viúva:

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-18) Alerta contra Injustiça. – Deuteronômio 24:16. Os pais não deveriam ser condenados à morte (junto com) seus filhos, nem os filhos (junto com) seus pais, ou seja, não deveriam sofrer a punição da morte com eles por crimes nos quais não tinham participação; mas cada um deveria ser punido simplesmente por seu próprio pecado. Esta ordem era importante, para evitar uma aplicação injustificada e abusiva da lei que se manifesta nos movimentos da justiça divina à jurisprudência penal da via (Êxodo 20:5), já que era uma coisa comum entre as nações pagãs – por exemplo, os persas, macedônios e outros – que os filhos e famílias de criminosos também fossem mortos (compare com Ester 9:13-14; Herodes. iii. 19; Amian Marcell. xxiii. 6; Curtius, vi. 11, 20, etc.). Um exemplo da execução desta lei pode ser encontrado em 2 Reis 14:6; 2 Crônicas 25:4. Em Deuteronômio 24,17, Deuteronômio 24,18, a lei contra a perversão do direito de estranhos, órfãos e viúvas é repetida de Êxodo 22,20-21, e Êxodo 23,9; e é feito um aditamento, a saber, que eles não deveriam tomar em penhor as vestes de uma viúva (compare com Levítico 19,33-34). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Mas lembra-te que foste servo no Egito, e dali te resgatou o SENHOR teu Deus: portanto, eu te mando que faças isto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-18) Alerta contra Injustiça. – Deuteronômio 24:16. Os pais não deveriam ser condenados à morte (junto com) seus filhos, nem os filhos (junto com) seus pais, ou seja, não deveriam sofrer a punição da morte com eles por crimes nos quais não tinham participação; mas cada um deveria ser punido simplesmente por seu próprio pecado. Esta ordem era importante, para evitar uma aplicação injustificada e abusiva da lei que se manifesta nos movimentos da justiça divina à jurisprudência penal da via (Êxodo 20:5), já que era uma coisa comum entre as nações pagãs – por exemplo, os persas, macedônios e outros – que os filhos e famílias de criminosos também fossem mortos (compare com Ester 9:13-14; Herodes. iii. 19; Amian Marcell. xxiii. 6; Curtius, vi. 11, 20, etc.). Um exemplo da execução desta lei pode ser encontrado em 2 Reis 14:6; 2 Crônicas 25:4. Em Deuteronômio 24,17, Deuteronômio 24,18, a lei contra a perversão do direito de estranhos, órfãos e viúvas é repetida de Êxodo 22,20-21, e Êxodo 23,9; e é feito um aditamento, a saber, que eles não deveriam tomar em penhor as vestes de uma viúva (compare com Levítico 19,33-34). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Quando colheres tua plantação em teu campo, e esqueceres algum feixe no campo, não voltarás a tomá-lo: para o estrangeiro, para o órfão, e para a viúva será; para que te abençoe o SENHOR teu Deus em toda obra de tuas mãos.

Comentário de Robert Jamieson

Quando colheres tua plantação em teu campo – O grão, puxado pelas raízes ou cortado com uma foice, foi colocado em feixes soltos; o fruto da azeitona era obtido batendo nos galhos com longas varas; e os cachos de uva, cortados por um anzol, estavam reunidos nas mãos do vintagista. Aqui está uma provisão beneficente para os pobres. Todos os feixes esquecidos no campo de colheita deviam mentir; a oliveira não deveria ser espancada uma segunda vez; nem se colheram uvas para que, recolhendo o que restava, o coração do estrangeiro, do órfão e da viúva se alegrasse da generosidade da Providência. [JFB, aguardando revisão]

20 Quando sacudires tuas olivas, não recorrerás os ramos atrás de ti: para o estrangeiro, para o órfão, e para a viúva será.

Comentário de Keil e Delitzsch

(19-22) Instruções para permitir que estranhos, viúvas e órfãos possam colher em tempo de colheita (como em Levitico 19:9-10, e Levítico 23:22). A razão é dada em Deuteronômio 24:22, em outras palavras, o mesmo que em Deuteronômio 24:18 e Deuteronômio 15:15. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 Quando vindimares tua vinha, não coletarás os restos de atrás de ti: para o estrangeiro, para o órfão, e para a viúva será.

Comentário de Keil e Delitzsch

(19-22) Instruções para permitir que estranhos, viúvas e órfãos possam colher em tempo de colheita (como em Levitico 19:9-10, e Levítico 23:22). A razão é dada em Deuteronômio 24:22, em outras palavras, o mesmo que em Deuteronômio 24:18 e Deuteronômio 15:15. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 E lembra-te que foste servo na terra do Egito: portanto, eu te mando que faças isto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(19-22) Instruções para permitir que estranhos, viúvas e órfãos possam colher em tempo de colheita (como em Levitico 19:9-10, e Levítico 23:22). A razão é dada em Deuteronômio 24:22, em outras palavras, o mesmo que em Deuteronômio 24:18 e Deuteronômio 15:15. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 23 Deuteronômio 25>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.