Tiago 5

Advertência aos ricos

1 Cuidado, ricos! Chorai e gemei pelas vossas misérias que virão sobre vós.

ricos – que negligenciaram o verdadeiro prazer das riquezas, que consiste em fazer o bem. Tiago pretende este discurso para os ricos incrédulos judeus, não tanto para si mesmos, como para os santos, para que eles possam suportar com paciência a violência dos ricos (Tg 5:7), sabendo que Deus os vingará rapidamente (Bengel).

misérias que virão, inesperadamente e rapidamente (Tg 5:7); primeiramente, na destruição de Jerusalém; finalmente, na vinda visível do Senhor para julgar o mundo. [JFU]

2 As suas riquezas estão podres, e as suas roupas estão comidas pela traça.

estão podres, prestes a ser destruídas pela maldição de Deus sobre sua opressão, pela qual suas riquezas são acumuladas (Tg 5:4). Calvino acha que o sentido é que suas riquezas perecem sem qualquer utilidade para os outros ou mesmo para si mesmos, por exemplo, suas roupas estão comidas pela traça. Referindo-se a Mt 6:19-20. [JFU]

3 O seu ouro e a vossa prata estão enferrujados, e a ferrugem deles será testemunho contra vocês, e comerá a sua carne como fogo. Vocês acumularam tesouro para os dias finais.

O seu ouro e a vossa prata estão enferrujados – o “ouro” e a “prata” que você injustamente ajuntou em grande quantidade, e manteve longe daqueles a quem pertenciam (Tg 5:4), até que fossem corroídos. A palavra traduzida como “enferrujados” (κατίωται) não ocorre em nenhum outro lugar do Novo Testamento. Significa propriamente “corroído pela ferrugem” (Robinson); manchado de ferrugem. É verdade que o ouro e a prata não enferrujam ou oxidam, e não são corroídos como o ferro e o aço; mas ao serem mantidos por muito tempo em um lugar úmido, eles contraem uma cor escura, parecendo-se com ferrugem. Esta parece ser a ideia na mente do apóstolo. Ele fala do ouro e da prata tal como se apresentam depois de terem sido guardados durante muito tempo sem uso; e, sem dúvida, a palavra que ele usa aqui é aquela que, para um antigo, expressaria essa ideia, bem como a mera ideia literal de enferrujamento ou oxidação de metais. Não há razão para supor que a palavra foi então usada no sentido químico estrito de ferrugem, pois não há razão para supor que a natureza da oxidação fosse então totalmente compreendida. [Barnes, 1870]

comerá a vossa carne. A ferrugem que uma vez comeu as vossas riquezas, então corroerá a vossa consciência, acompanhada de punição que irá atacar os vossos corpos para sempre.

como fogo. Não com o lento processo de ferrugem, mas com a rapidez do fogo consumidor.

dias finais. Vocês acumularam juntos, não tesouros como suponham (compare Lc 12:19), mas ira contra os últimos dias, a saber, o julgamento vindouro do Senhor. Em vez disso, ‘Nos últimos dias (antes do juízo vindouro) vós armazenastes tesouros’ sem proveito algum, ao invés de buscar a salvação (ver Tg 5:5). [JFU]

4 Eis que o salário dos trabalhadores que colheram nos seus campos, e que foi retido fraudulentamente por vocês, está clamando; e os clamores dos que fizeram a colheita chegaram os ouvidos do Senhor dos exércitos.

o salário dos trabalhadores que colheram nos seus campos, e que foi retido fraudulentamente por vocês, está clamando. A lei havia condenado aqueles que retinham o salário do trabalhador contratado mesmo por uma única noite (Lv 19:13). Jeremias havia profetizado aflição contra aquele “que faz o seu próximo trabalhar de graça, sem lhe pagar salário” (Jr 22:13, NAA). Malaquias havia falado do eminente julgamento que viria sobre aqueles que “oprimem os trabalhadores” (Ml 3:5). [Plumptre, 1890]

5 Vocês vivem luxuosamente sobre a terra, desfrutando de prazeres; têm engordado seus corações em dia de matança.

têm engordado seus corações em dia de matança. Esses ricos injustos “estavam engordando a si mesmos para o dia da destruição; isto é, como os animais são engordados para o abate. Eles viviam apenas para comer e beber, e para aproveitar a vida. Mas, seguindo tal direção, estavam certamente se preparando para a perdição, como o gado era preparado para ser morto sendo alimentado”. [Barnes, 1870]

6 Vocês tem condenado e matado o justo, sem que ele ofereça resistência.

Vocês tem condenado e matado o justo“o justo”, a palavra usada está no singular. Isso pode se referir à condenação e crucificação de Cristo – significando que a conduta deles para com seu povo foi semelhante ao trato dado ao Salvador, e foi de fato uma condenação e crucificação dele novamente; ou, que por sua rejeição a ele a fim de viver em pecado, eles de fato condenaram e a sua religião; ou que eles condenaram e mataram o indivíduo justo – significando que eles perseguiram aqueles que eram cristãos; ou, que por seu tratamento severo para com os outros em reter o que era devido a eles, eles os privaram dos meios de sobrevivência, e mataram, por assim dizer, os justos. Provavelmente, o verdadeiro significado é que uma de suas características era que eles eram culpados de erros para com as pessoas boas. Se isso se refere, entretanto, a algum ato particular de violência, ou a um determinado tido de comportamento que, por um sistema de opressão, injustiça e fraude, desgastaria suas vidas, não é possível afirmar com certeza.

sem que ele ofereça resistência. Alguns supõem que “ele” se refere a Deus, o que significa que Ele não se opôs a eles; isto é, que Ele os suportou pacientemente enquanto o faziam. Outros supõem que deve ser entendido como uma pergunta – “e Ele não resistev vocês?” significando que Deus se oporia a eles e os punia por seus atos de opressão e injustiça. Mas provavelmente a verdadeira referência é ao indivíduo justo que eles condenaram e mataram; o que significa que eles eram tão poderosos que todas as tentativas de resistir a eles seriam vãs, e que os feridos e oprimidos nada poderiam fazer a não ser se submeter pacientemente aos seus atos de injustiça e violência. A sensação pode ser a de que eles não podiam se opor a eles – os ricos sendo tão poderosos e os oprimidos tão fracos; ou que suportaram seus erros com mansidão, e não reagiram. Os pecados, portanto, condenados nestes versículos (Tg 5:1-6), e pelos quais é dito que a vingança divina viria sobre aqueles mencionados, são estes quatro:

(1) acumular dinheiro quando era desnecessário para seu verdadeiro sustento e conforto, e quando poderiam fazer tanto bem com ele (compare com Mt 6:19);

(2) o de reter os salários que eram devidos àqueles que cultivavam seus campos; isto é, retendo o que seria uma compensação justa por seu trabalho;

(3) entregar-se a uma vida de prazer, luxo e indulgência; e

(4) o de prejudicar e oprimir pessoas bons e justas – indivíduos, talvez com uma vida humilde, que foram incapazes de reivindicar seus direitos, e que não tinham ninguém para assumir sua causa; pessoas fracas demais para resistirem com sucesso ou impedidas por seus princípios de tentarem isso.

É desnecessário dizer que há muitas dessas pessoas agora na terra, e que elas têm a mesma razão para temer a vingança divina que a mesma classe teve na época do apóstolo Tiago. [Barnes, 1870]

Exortação à paciência

7 Portanto, irmãos, sejam pacientes até a vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba as primeiras e as últimas chuvas.

sejam pacientes até a vinda do Senhor. A vinda do Senhor Jesus – ou ao destruir a cidade de Jerusalém e acabar com as instituições judaicas, ou ao julgar o mundo e receber seu povo para si. A “vinda do Senhor”, de qualquer forma, é um evento que os cristãos foram ensinados a esperar, e que estaria conectado com a sua libertação dos problemas. Como o momento em que aconteceria não foi revelado, não era impróprio se referir a ela como um acontecimento que estaria próximo. [Barnes, 1870]

as primeiras e as últimas chuvas – no original grego, “chuva temporã e serôdia” (ACF).

8 Sejam também vocês pacientes. Fortaleçam os seus corações, porque a vinda do Senhor está próxima.

Fortaleçam os seus corações. Que os propósitos e a fé de vocês sejam firmes e inabaláveis. Não fiquem cansados e inquietos; mas suportem tudo com constância, até que chegue o tempo de sua libertação.

a vinda do Senhor está próxima. A vinda do Senhor Jesus – ou ao destruir a cidade de Jerusalém e acabar com as instituições judaicas, ou ao julgar o mundo e receber seu povo para si. A “vinda do Senhor”, de qualquer forma, é um evento que os cristãos foram ensinados a esperar, e que estaria conectado com a sua libertação dos problemas. Como o momento em que aconteceria não foi revelado, não era impróprio se referir a ela como um acontecimento que estaria próximo. [Barnes, 1870]

9 Irmãos, não se queixem uns dos outros, para que vocês não sejam julgados. Eis que o Juiz está à porta.

não se queixem uns dos outros (compare com Tg 4:11; Gl 5:14,261Pe 4:9).

para que vocês não sejam julgados (compare com Mt 6:14,15Mt 7:1,2).

o Juiz está à porta (compare com Mt 24:331Co 4:51Co 10:11Ap 3:20).

10 Irmãos, tomem como exemplo de aflições e de paciência os profetas que falaram no nome do Senhor.

tomem como exemplo de aflições e de paciência os profetas (compare com 2Cr 36:16Jr 2:30Mt 5:11,12Mt 21:34-39Mt 23:34-37Lc 6:23Lc 13:34Atos 7:521Ts 2:14,15Hb 11:32-38).

que falaram no nome do Senhor (compare com Is 39:8, Isaías; Jr 26:16, Jeremias; Atos 3:21Hb 13:7).

11 Eis que consideramos felizes os que perseveraram. Vocês ouviram da paciência de Jó, e viram o resultado da parte do Senhor; porque o Senhor é muito misericordioso, e cheio de compaixão.

Eis que consideramos felizes os que perseveraram (NAA, NVI, NVT) – ou então, Eis que consideramos felizes os que sofreram (ACF, BKJ). Compare com Tg 1:12Sl 94:12Mt 5:10,11Mt 10:22Hb 3:6,14Hb 10:39.

Vocês ouviram da paciência de Jó (compare com Jó 1:2122Jó 2:10Jó 13:1516Jó 23:10).

e viram o resultado da parte do Senhor (compare com Jó 42:10-17Salmo 37:37Ec 7:81Pe 1:6,7,132Pe 2:9).

o Senhor é muito misericordioso, e cheio de compaixão (compare com Ex 34:6Nm 14:181Cr 21:132Cr 30:9Ne 9:17,31Sl 25:6,7Sl 51:1Sl 78:38Sl 86:5,15Sl 103:8,13Sl 116:5Sl 119:132Sl 136:1Sl 145:8Is 55:6,7Is 63:7,9Lm 3:22Dn 9:9,18,19Jl 2:13Jn 4:2Mq 7:18Lc 1:50Lc 6:36Rm 2:4; Ef 2:4).

12 Mas, acima de tudo, meus irmãos, não jurem, nem pelo céu nem pela terra, nem façam qualquer outro juramento. Mas que o 'sim' de vocês seja 'sim', e o 'não', 'não'; para que não caiam em condenação.

Esta passagem tem um paralelo tão próximo com Mateus 5:33-37 que é quase impossível não concluir que Tiago estava familiarizado com estas palavras, talvez por as ter ouvido diretamente de Jesus no Sermão do Monte, ou então, através do relato de outras pessoas a ele. As palavras condenam igualmente o uso precipitado de juramentos, e as distinções sutis feitas pelos escribas quanto à força obrigatória desta ou daquela maneira de jurar (Mt 23:16-22). Que a condenação não se estende ao uso judicial solene de juramentos, vemos nos fatos (1) que nosso Senhor respondeu quando questionado sob juramento por Caifás (Mt 26:63-64), e (2) que o apóstolo Paulo às vezes usou modos de expressão que são essencialmente da natureza de um juramento (2Co 1:23; Rm 1:9; Gl 1:20; Fp 1:8). [Plumptre, 1890]

13 Alguém entre vocês está aflito? Ore. Alguém está contente? Cante louvores.

Alguém entre vocês está aflito? (compare com 2Cr 33:12,13Jó 33:26Sl 18:6Sl 50:15Sl 91:15Sl 116:3-5Sl 118:5Sl 142:1-3Lm 3:55,56Os 6:1Jn 2:2,7Lc 22:44Lc 23:42At 16:24,252Co 12:7-10Hb 5:7).

Cante louvores (compare com 1Cr 16:9Sl 95:2Sl 105:2Mq 4:5Mt 26:301Co 14:26Ef 5:19Cl 3:16,17Ap 5:9-14Ap 14:3Ap 19:1-6).

14 Alguém entre vocês está doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com óleo no nome do Senhor.

os presbíteros – ou “anciãos” (ACF); os líderes na igreja local.

ungindo-o com azeite. A extrema-unção romana é aplicada àqueles cuja vida está por um fio, para curar a alma, enquanto que a unção de Tiago era para curar o corpo. O Cardeal Caetano (1469-1534) admite que Tiago não pode se referir à extrema-unção. O óleo no Oriente, e especialmente entre os judeus, foi muito usado como agente curativo. Era também um sinal da graça divina. Por isso, foi um sinal apropriado na realização de curas milagrosas. [JFU, 1871]

15 E a oração feita com fé sarará o doente, e o Senhor o levantará; e se houver cometido pecados, lhe serão perdoados.

a oração feita com fé sarará o doente – no original grego, a oração da fé salvará o doente. Eles serão restaurados à saúde se for a vontade de Deus; se Ele achar que é o melhor. Esta promessa não pode ser tomada no sentido absoluto e incondicional, pois então, se esses meios fossem usados, o doente sempre se recuperaria, não importa quantas vezes ele estivesse doente, e ele nunca precisaria morrer. O objetivo de Tiago é encorajar os crentes a usarem estes meios com a forte esperança de que sejam eficazes. [Barnes, 1870]

16 Confessem as suas faltas uns aos outros, e orem uns pelos outros, para que vocês sejam curados. A oração de um justo muito pode efetuar.

Confessem as suas faltas (paraptomata) uns aos outros – em alguns manuscritos, Confessem seus pecados (hamartias) uns aos outros.

17 Elias era tão humano quanto nós, e orou fervorosamente para não chover; e não choveu sobre a terra por três anos e seis meses.

Elias era tão humano quanto nós – em algumas versões, “Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós” (ACF, BKJ).

[Elias] orou fervorosamente para não chover. Este versículo faz referência 1Reis 17:1 e 1Reis 18:1; mas note que na narrativa de 1 Reis (1) nunca somos informados de que a fome foi consequência da oração de Elias; e (2) nada é dito sobre a duração do tempo (três anos e meio) durante o qual não choveu sobre a terra. Tudo o que lemos é que “muito tempo depois, no terceiro ano da seca, a palavra do SENHOR veio a Elias”; mas não há nenhuma indicação clara de qual período esse “terceiro ano” é datado. No que diz respeito ao (1), essa pode ter sido a conclusão que Tiago tira da narrativa, ou pode ter sido oriunda da tradição. Em relação ao (2), o mesmo período de tempo é mencionado por nosso Senhor em sua alusão ao mesmo incidente (Lc 4:25), “o céu ficou fechado três anos e seis meses”. E como o mesmo período é mencionado no Yalkut Shimeoni — um  comentário judaico antigo — de 1 Reis 16, foi provavelmente o período transmitido pela tradição, considerado pelos judeus como um símbolo de tempos de tribulação (compare com Dn 7:25; 12:7; Ap 11:2). [Pulpit, 1895]
18 E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto.

Conforme relatado em 1Rs 18:18,42-45.

seu fruto – seu fruto habitual e devido, até então retido por causa do pecado. Três anos e meio é o tempo também em que as duas testemunhas profetizam quem “tem poder para fechar e abrir o céu para que não chova”.

19 Meus irmãos, se algum entre vocês se desviar da verdade, e alguém o converter,

A “verdade” aqui obviamente não é a fé que era comum a judeus e cristãos, mas especificamente “a verdade como é em Jesus”, a verdade que os “irmãos”, que tinham a fé no Senhor Jesus Cristo (Tg 2:1), receberam como herança. Converter alguém que havia se desviado, em pensamento ou vontade, crença ou ação, era trazê-lo de volta à verdade. [Plumptre, 1890]

20 saibam que aquele que converter um pecador do erro de seu caminho, salvará a alma dele da morte, e cobrirá uma multidão de pecados.

salvará a alma dele da morte. O propósito do apóstolo é apresentar um motivo para se esforçar para converter alguém que se afastou; e certamente um motivo suficiente para isso é fornecido pelo fato de que por esse meio uma alma imortal seria salva da ruína eterna. A palavra morte aqui deve se referir à morte eterna ou à punição futura. Não há outra morte que a alma esteja em perigo de morrer. O corpo morre e se desfaz, mas a alma é imortal. O apóstolo não pode querer dizer que salvaria a alma da aniquilação, pois não há perigo disso. Esta passagem prova, então, que há uma morte pela qual a alma pode morrer; que existe uma condição que pode ser apropriadamente chamada de morte como consequência do pecado; e que a alma sofrerá isso a menos que seja convertida. [Barnes, 1870]

cobrirá uma multidão de pecados – ou seja, “trará perdão para muitos pecados” (NVT).

<Tiago 4 1 Pedro 1>

Visão geral de Tiago

Em seu livro, Tiago “combina a sabedoria de seu irmão Jesus com o livro de Provérbios em seu próprio chamado desafiador para viver uma vida totalmente devotada a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Epístola de Tiago.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles, com adaptação de Luan Lessa – maio de 2021.