Números 14

Os israelitas querem voltar para o Egito

1 Então toda a congregação levantaram grito, e deram vozes: e o povo chorou aquela noite.

Comentário de George Bush

Então toda a congregação levantaram grito. Não há nada no original para responder à “voz”, embora seja sem dúvida entendida. O verbo é usado em outros casos de maneira semelhante. Assim, Isaías 42:2: “Ele não chorará, nem se levantará (yissâ), nem fará ouvir a sua voz”, etc. Assim, Isaías 42:11, “Que o deserto e as suas cidades se levantem (suas vozes), onde nossos tradutores inseriram “suas vozes” em itálico, como poderia ter sido feito corretamente na presente passagem. Encontramos a frase completa, porém, em outras conexões, como Gênesis 21:10, “Ela levantou sua voz, e chorou”. É digno de nota, que como o povo nesta ocasião levantou sua voz em queixa rebelde contra o Senhor, assim ele, Salmo 106:26, levantou sua mão em sinal de sua exclusão por um decreto justo da terra prometida a eles nas pessoas de seus pais. Os termos no original são os mesmos.

e deram vozes. Esta forma de expressão ocorre em referência a qualquer voz alta, barulho ou grito, quer seja como sendo proveniente de qualquer criatura, quer seja representada como procedente do próprio Senhor. Assim, Sl 18,14: “O Altíssimo deu sua voz”. Jeremias 2:15, “Os jovens leões rugiram sobre ele, (e) gritaram”. hebraico: “deram a sua voz”. Salmo 104:12, “O canto dos pássaros (Heb. ‘dá a sua voz’) entre os ramos”. Salmo 77:17, “As nuvens derramavam água; os céus emitiam um som (Heb. “dava a sua voz”)”. Habacuque 3:10, “O transbordamento da água passou; o profundo proferiu sua voz” (Heb. “deu a sua voz)”. Assim, da mesma forma, diz-se que os homens “deram uma voz”, ao fazerem uma proclamação, 2Crônicas 24:9. Pela força da expressão, portanto, é evidente que o povo, nesta ocasião, irrompeu em aberturas de uma natureza rebelde, proclamando assim sua própria inconstância, covardia, imbecilidade e vergonha. Em vez de erguerem seus estandartes com uma determinação heróica de marchar para a terra da promessa, desafiando todos os inimigos em nome do Senhor, sentaram-se em impotente desespero e, como tantas crianças amedrontadas e aflitas, deram lugar a soluços e lágrimas! “As varas de seus mestres-tarefas egípcios nunca haviam sido tão adequadas para eles como agora para chorar”. Eles tinham motivos, de fato, para chorar por sua infidelidade; mas agora choram por medo dos inimigos que não viam. Temo que, se houvesse dez Calebes para persuadir, e apenas dois espiões fracos para desencorajá-los, aqueles dois covardes teriam prevalecido contra aqueles dois solicitadores: quanto mais, agora dez se opõem e apenas dois encorajam”! (Hall).

e o povo chorou aquela noite. hebrew: “Dentro ou através daquela noite”. Grego: “Aquela noite inteira”. [Bush, aguardando revisão]

2 E queixaram-se contra Moisés e contra Arão todos os filhos de Israel; e disse-lhes toda a multidão: Melhor seria se tivéssemos morrido na terra do Egito; ou melhor seria se tivéssemos morrido neste deserto!

Comentário de George Bush

E queixaram-se contra Moisés e contra Arão todos os filhos de Israel. Ao murmurar contra seus líderes, eles murmuraram contra Deus por quem esses líderes foram nomeados. Isto está claro a partir da linguagem de Moisés, Êxodo 16:8: “Porque o Senhor ouve vossas murmurações, que vós murmurais contra ele; e o que somos nós? vossas murmurações não são contra nós, mas contra o Senhor”. As falsas e covardes representações dos espiões operaram para infectar toda a massa da congregação, de modo que nada foi ouvido a não ser luto e lamentação sobre a triste sorte a que estavam condenados a ser assim levados a perecer, homens, mulheres e crianças, às mãos de um inimigo cruel.

Melhor seria se tivéssemos morrido na terra do Egito. Quanto mais cuidadosamente a linguagem destes descontentes é pesada, mais agravada ela parece. Eles foram criados por seu desafeto até um ponto de absoluta loucura. Eles falam como se tivesse sido realmente melhor terem sido mortos com os primogênitos no Egito, ou no deserto com aqueles que morreram recentemente da peste por cobiça, do que correrem o risco de se segurar no caminho para Canaã. Eles esqueceram que a onipotência poderia trazê-los para lá tão triunfantemente quanto os havia trazido para fora do Egito. O passado, com todos os seus milagres de misericórdia, está escondido de seus olhos, e o futuro terrível, pintado pela incredulidade, é tudo o que está diante deles. Nunca o povo havia sido tão honrado, favorecido e abençoado, como a nação de Israel desde sua saída do Egito, e ainda assim, tudo isso é tão leve aos olhos deles, que agora lamentam que não tenham morrido antes de terem experimentado isso! “Eles desejam mais morrer criminosos sob a justiça de Deus do que viver conquistadores em seu favor. Que base estavam os espíritos daqueles miseráveis israelitas, que, em vez de morrer (se chegar ao pior) como soldados no campo de honra, com suas espadas nas mãos, desejam morrer como ovelhas podres no deserto” (Henry). Quem pode se perguntar que, como aparece na sequência, versículos 28, 29, eles logo tiveram seu desejo? [Bush, aguardando revisão]

3 E por que nos traze o SENHOR a esta terra para cair à espada e que nossas mulheres e nossos meninos sejam por presa? não nos seria melhor voltarmos ao Egito?

Comentário de George Bush

E por que nos traze o SENHOR a esta terra. “A loucura do homem perverte o seu caminho; e seu coração se agita contra o Senhor”. Quão impressionante é isso ilustrado na narrativa diante de nós! Eles refletem blasfemamente sobre seu Divino Benfeitor, como se ele os tivesse trazido aqui de propósito para que caíssem à espada, e que suas esposas e as crianças deveriam ser presas dos ferozes adversários que foram chamadas a enfrentar.” “Assim, eles efetivamente acusam aquele Deus que é o próprio Amor, com a pior das malícias, e a Verdade Eterna com a mais baixa hipocrisia; sugerindo que todas as coisas boas ele havia dito a eles e feito por eles, até então, tinham a intenção apenas de enganá-los e encobrir um projeto secreto realizado o tempo todo para arruiná-los.” ​​— Henry. A história paralela, Deuteronômio 1:27, ainda nos dá mais distintamente a linguagem que eles proferiram nesta ocasião: “E murmurais em vossas tendas, e dissestes: Porquanto o Senhor nos odiava, nos tirou da terra do Egito, para nos entregar nas mãos dos amorreus, para nos destruir.”

para cair à espada. Isto é, que deveríamos cair, ou, em outras palavras, morrer, pela espada. A forma mais comum de expressão seria nos fazer cair, mas essas formas são ocasionalmente trocadas umas com as outras.

não nos seria melhor voltarmos ao Egito? É observável quantas considerações óbvias eles perdem de vista nesta proposição. Como, por exemplo, eles poderiam esperar que a presença da coluna de nuvem os conduzisse em seu caminho? Eles poderiam procurar ser supridos com maná do céu? O Senhor dividiria novamente as águas do Mar Vermelho para eles? Eles poderiam prever uma passagem pacífica pelos territórios das nações guerreiras que faziam fronteira com seu caminho? E se eles conseguissem colocar seus pés novamente em solo egípcio, eles encontrariam seus antigos opressores mais favoráveis ​​a eles? Teriam esquecido a morte de seu primogênito? Eles teriam enterrado a lembrança dos pais, filhos, irmãos, maridos, que pereceram ao persegui-los? Mas assim apaixonados são os homens quando seus corações estão dispostos a fazer o mal […] Eles se importam apenas com o que está presente, e o ofício da memória e da razão parece estar suspenso. [Bush, aguardando revisão]

4 E diziam um ao outro: Façamos um capitão, e voltemos ao Egito.

Comentário de George Bush

Façamos um capitão. hebr. “Vamos dar uma cabeça”. Chald. “Vamos nomear ou constituir uma cabeça (principem)”. Grego “Vamos dar (ou nomear) um líder”. Targ. Jon. “Vamos nomear um rei sobre nós para a cabeça”. Sobre os incidentes aqui relatados, o escritor sagrado, em uma época subsequente, comenta, Neemias 9:16, 17: “Mas eles e nossos pais agiram soberbamente, endureceram a cerviz, e não deram ouvidos aos teus mandamentos, e recusaram-se a obedecer, nem te lembraste das tuas maravilhas que fizeste entre eles; mas endureceram a cerviz e, em sua rebelião, nomearam um capitão para retornar à escravidão.” Não parece que, de fato, sua rebelião tenha ido mais longe, a esse respeito, do que aconselhar sobre a escolha de um líder e chefe, mas na estimativa divina, é considerado um ato realmente realizado. Sua conduta não era menos do que uma renúncia formal à autoridade divina e, assim, “desprezaram a terra agradável e não creram na sua palavra; mas murmuraram em suas tendas, e não deu ouvidos à voz do Senhor, por isso levantou a mão contra eles, para derrubá-los no deserto”, e não podemos deixar de nos curvar em humilde consentimento com o decreto que excluiu aquela geração da entrada na herança prometida. [Bush, aguardando revisão]

5 Então Moisés e Arão caíram sobre seus rostos diante de toda a multidão da congregação dos filhos de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

Moisés e Arão caíram sobre seus rostos – como suplicantes humildes e sérios – para o povo, suplicando que desistissem de um plano tão perverso; ou melhor, para Deus, como o habitual e único refúgio da violência daquela turbulento povo – um meio esperançoso de abrandar e impressionar seus corações. [JFB, aguardando revisão]

6 E Josué filho de Num, e Calebe filho de Jefoné, que eram dos que haviam reconhecido a terra, rasgaram suas roupas;

Comentário de Robert Jamieson

Josué … e Calebe, eram dos que haviam reconhecido a terra, rasgaram suas roupas; – Os dois espiões honestos testificaram sua dor e horror, da maneira mais forte, no motim contra Moisés e na blasfêmia contra Deus; enquanto, ao mesmo tempo, tentavam, por uma afirmação verdadeira, persuadir o povo da facilidade com que poderiam obter posse de um país tão desejável, contanto que, por sua rebeldia e ingratidão, não provocassem a Deus abandoná-lo. [JFB, aguardando revisão]

7 E falaram a toda a congregação dos filhos de Israel, dizendo: A terra por de onde passamos para reconhecê-la, é terra em grande maneira boa.

Comentário de Daniel Steele

E falaram a toda a congregação dos filhos de Israel. Literalistas como Colenso encontram aqui uma dificuldade insuperável. “Nenhuma voz humana, a não ser fortalecida por milagre, do qual as Escrituras nada nos dizem, poderia ter chegado aos ouvidos de uma massa aglomerada de pessoas tão grande quanto toda a população de Londres”. […] O rei Salomão na dedicação “abençoou toda a congregação de Israel” (1Reis 8:14). Mesmo as crianças na escola dominical logo aprendem a entender que “todos” tem suas limitações razoáveis ​​quando lêem que “Jerusalém, e toda a Judéia, e toda a região ao redor do Jordão, foram batizados por João”; como eles fazem quando leia que toda Nova York está sendo exibida no Central Park.

é terra em grande maneira boa. O relatório da minoria é mais enfático em seu elogio do que o relatório da maioria em sua crítica a Canaã. O olho da incredulidade tinha visto a nuvem escura, o olho da fé tinha visto tanto ela quanto seu forro prateado. Um medo covarde havia tingido todas as observações de um com um tom sombrio, enquanto uma fé inabalável tinha, aos olhos do outro, iluminado cada cume de colina e preenchido cada vale com esplendor. Esses relatos opostos de uma observação dos mesmos fatos resultaram da diferença de espírito e confiança dos homens que relataram. [Steele, aguardando revisão]

8 Se o SENHOR se agradar de nós, ele nos porá nesta terra, e a entregará a nós; terra que flui leite e mel.

Comentário de Robert Jamieson

terra que flui leite e mel– uma expressão geral, descritiva de um país rico e fértil. Os dois artigos especificados estavam entre os principais produtos da Terra Santa. [JFB, aguardando revisão]

9 Portanto, não sejais rebeldes contra o SENHOR, nem temais ao povo desta terra, porque nosso pão são: seu amparo se afastou deles, e conosco está o SENHOR: não os temais.

Comentário de George Bush

não sejais rebeldes. Chald. “Mas não vos rebeleis contra a Palavra do Senhor”. Grego “Não sejais rebeldes, ou apóstatas, do Senhor”. Não dê lugar a pensamentos de murmuração ou descontentamento; nem pense ou fale em retornar ao Egito.

porque nosso pão são. Isto é, nós os devoraremos e os consumiremos como um faminto come o pão. Como se eles dissessem: Nós parecíamos, de fato, como gafanhotos, mas nós vos dizemos que eles serão pão. por nós, nós os destruiremos completamente. A expressão é sem dúvida projetada para ficar em oposição direta ao que foi dito pelos espiões infiéis, 13:32: “A terra pela qual passamos para procurá-la é uma terra que devora os seus habitantes”. Grego “Eles nos servirão de comida”. Vulgata “Pois podemos comê-los como pão”. Chald. “Eles são entregues em nossas mãos”. Uma fraseologia semelhante não é incomum. Num. 24:8, “Ele (Israel) devorará as nações seus inimigos”. Salmo 79:7, “Pois eles devoraram Jacó, e assolaram a sua habitação.” Salmo 14:4, “Que comem o meu povo como se come pão”. Deuteronômio 7:16, “E consumirás todo o povo que o Senhor teu Deus te livrar.”

seu amparo se afastou deles. O hebraico original (צלם tzillâm) é muito mais expressivo:- “Sua sombra, ou sombra, se afastou deles”. Ou seja, sua defesa, encoberta, proteção, feita pelos Chald. “A força deles se afastou deles”. Vulgata “Toda ajuda ou proteção se afastou deles”. O Grego tem uma característica peculiar: “Pois seu tempo (ou seja, época de prosperidade) se retirou deles”; implicando que suas iniqüidades tinham chegado ao máximo, e eles não tinham mais nada a esperar do favor divino. Entre as antigas versões em inglês, a de Matthews, Bishop e Geneva, “o escudo deles se afastou deles”. Comp. Salmo 91:1, “Aquele que habita no lugar secreto do Altíssimo permanecerá sob a sombra do Todo-Poderoso”. Salmo 121:5, 6, “O Senhor é teu guardião; o Senhor é tua sombra sobre tua mão direita”. O sol não te ferirá de dia, nem a lua de noite”. A metáfora parece ter sido derivada originalmente dos efeitos da coluna nublado ao proporcionar uma sombra fresca e refrescante dos ardores do sol enquanto eles viajavam pelo deserto. Mas a idéia de proteção foi igualmente associada a esta nuvem maravilhosa, na qual a presença divina deveria ser especialmente residente. “A margem diz ‘sombra’; mas como esta palavra tem uma aplicação comum, que o original não tem em vista, talvez ‘sombra’ fosse melhor; mas como mesmo isto não é inequívoco, talvez a paráfrase ‘proteger sombra’ fosse a melhor de todas. A força desta e de outras alusões semelhantes na Bíblia está em grande medida perdida para aqueles que, sob o sol escaldante do leste, não tiveram ocasião de experimentar que o abrigo de algum lugar sombrio é um gozo de tal importância essencial, que só é inferior em valor e gratificação ao da bebida para aquele que está seco de sede sob as mesmas circunstâncias. Assim, na linguagem da Ásia, geralmente descobrimos que a palavra “sombra”, ou “sombra”, é usada como metáfora para expressar defesa e abrigo; mas é preciso admitir que nem sempre é fácil entender onde a própria sombra de uma pessoa, ou uma sombra protetora para ela, é expressa. Ambos os sentidos parecem estar em uso, o primeiro implicando a proteção e o favor que ele tem o poder de conceder, e o segundo a proteção e o favor que ele desfruta. Assim, particularmente na Arábia e na Pérsia, expressões complementares referem-se continuamente à sombra, em tais frases: “Que sua sombra seja continuamente estendida”; “Que sua sombra nunca seja diminuída”; “Que sua sombra seja estendida sobre a cabeça de seus bem-intencionados”; “Que sua sombra seja um abrigo contínuo para mim”, etc. Às vezes a frase corre: ‘Que a sombra de sua prosperidade’, ‘de sua proteção’, etc. O Sr. Roberts nota um uso semelhante da palavra na Índia, onde um homem pobre, falando de um amigo rico, diz: ‘Ele é minha sombra’, ou seja, ele é minha defesa; ‘Minha sombra desapareceu’, ou seja, ele perdeu sua defesa; ‘Ai de mim! essas pessoas pobres perderam sua sombra’, etc.” -Pict. Bíblia. [Bush, aguardando revisão]

10 Então toda a multidão falou de apedrejá-los com pedras. Mas a glória do SENHOR se mostrou no tabernáculo do testemunho a todos os filhos de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

Mas a glória do SENHOR se mostrou – Foi manifestado nesta grande emergência para resgatar Seus embaixadores de sua perigosa situação. [JFB, aguardando revisão]

11 E o SENHOR disse a Moisés: Até quando me há de irritar este povo? até quando não me há de crer com todos os sinais que fiz em meio deles?.

Comentário de Daniel Steele

me há de irritar. O mesmo verbo hebraico está em 2Samuel 12:14 e Salmo 74:10, traduzido como blasfemar, mas a tradução mais comum é desprezar. Jeová tem ciúmes de seu bom nome entre os homens. A covardia, desconfiança e desobediência de Israel eram reflexo de sua glória aos olhos dos gentios. Ele havia colocado seu nome em Israel, e o chamou de seu “filho primogênito” (Êxodo 4:22), e assim identificou sua própria reputação com a deste nação favorecida.

me há de crer. A incredulidade é o germe de todos os outros pecados. Daí a sua culpabilidade. Marcos 16:16; João 3:18; João 16:9, notas. Desacreditar a palavra de Deus é diminuir sua reputação.

com todos os sinais. Deus nunca requer fé sem fundamentos suficientes. Estas foram as pragas sobrenaturais enviadas aos egípcios, a libertação milagrosa de Israel através do Mar Vermelho, as manifestações do poder e bondade divinos no maná, a rocha ferida, a coluna de fogo e o agrupamento de todas as sublimidades do corpo físico. mundo sobre o cume do Sinai na entrega da lei. Quanto mais firme a base para a fé, mais culpável é a incredulidade. [Steele, aguardando revisão]

12 Eu lhe ferirei de mortandade, e o destruirei, e a ti te porei sobre gente grande e mais forte que eles.

Comentário de Robert Jamieson

Eu lhe ferirei de mortandade – não um decreto final, mas uma ameaça, suspensa, como surgira da questão, sobre a intercessão de Moisés e o arrependimento de Israel. [JFB, aguardando revisão]

13 E Moisés respondeu ao SENHOR: Logo os egípcios o ouvirão, porque do meio deles tiraste a este povo com tua força:

Comentário de Rayner Winterbotham

E Moisés respondeu ao SENHOR. As palavras que se seguem são tão confusas, e a construção tão deslocada, que fornecem a evidência mais forte de que temos aqui a ipsissima verba do mediador, desordenada como estava no momento da pronunciação pela seriedade apaixonada e um medo agonizante. Se Moisés tivesse sido tão eloquente, uma facilidade de falar em tal momento teria sido antinatural e desagradável. O que podemos ver nas palavras é o seguinte: que Moisés não pensava em si mesmo e que nunca lhe ocorreu aceitar a oferta tentadora que Deus lhe fez; que ele conhecia Deus muito bem e (se podemos dizer assim) se importava muito com Deus, para deixá-lo comprometer sua honra entre as nações e frustrar seus próprios propósitos, sem fazer um esforço (por mais audacioso) para transformar sua ira de lado. Podemos ver que é (como em Exodo 32:11-12, apenas muito mais ousada e abruptamente) o pensamento do que os pagãos diriam que ele deseja lançar sobre o Todo-Poderoso; mas não podemos ter certeza da tradução correta das palavras. A tradução mais literal parece ser: “Ambos os egípcios ouviram (וְשָׁמְעוּ) que tiraste este povo do meio deles com a tua força, e eles o contaram (וְאָמְרוּ) aos habitantes desta terra; eles ouviram ( שָׁמְעוּ, repetido) que tu, Senhor, estás entre este povo”, etc. A Septuaginta, no entanto, traduz o primeiro verbo por um futuro (καὶ ἀκούσεται Αἴγυπτος), e, como isso dá um sentido muito mais claro, é seguido pelo Targum Palestina e a maioria das versões. [Winterbotham, aguardando revisão]

14 E o dirão aos habitantes desta terra; os quais ouviram que tu, ó SENHOR, estavas em meio deste povo, que olho a olho aparecias tu, ó SENHOR, e que tua nuvem estava sobre eles, e que de dia ias diante deles em coluna de nuvem, e de noite em coluna de fogo.

Comentário de George Bush

E o dirão. Ou, Heb. “Dirão”; ou seja, dirão o que segue no v. 16, pois os versículos 14, 15 estão devidamente entre parênteses.

aos habitantes desta terra. Isto é, provavelmente, da terra da Arábia, nos limites extremos dos quais eles estavam agora. Outros, no entanto, supõem que a terra de Canaã seja destinada, com a qual os egípcios tiveram mais ou menos ligações. O ponto permanecerá duvidoso depois de todos os nossos esforços para resolvê-lo claramente

que tu, ó SENHOR, estavas em meio deste povo. Chald. “Que tu, Senhor, permaneças com a tua majestade no meio deste povo.”

que olho a olho aparecias tu. Ou seja, da maneira mais aberta, clara e visível, sem qualquer meio de interposição. Chald. “Que com seus olhos viram a majestade da tua glória”. Pelo Targum Jonatã isso se refere à entrega da Lei no Sinai. Foi então especialmente que essa manifestação foi feita.

que tua nuvem estava sobre eles. Proporcionando-lhes abrigo e proteção; traduzido pelo Targum Jonatã, “para que não se machuquem nem pelo calor nem pela chuva”. Comp. Êxodo 13:21, 22, Números 9:17, etc. [Bush, aguardando revisão]

15 E que fizeste morrer a este povo como a um homem: e as nações que houverem ouvido tua fama falarão, dizendo:

Comentário de George Bush

E que fizeste morrer a este povo como a um homem. O condicional “se” não ocorre no original, o que requer a tradução literal “você matou este povo como um homem”, isto é, pelo terror da ameaça que acabou de ser proferida. Se você aderir ao seu propósito, tal será o efeito destrutivo. Ele então declara quais serão as consequências no que diz respeito às nações que o ouvirem. A partir disso, parece que a presente tradução está substancialmente correta, e não seria melhorada pela omissão do “se”.

que houverem ouvido tua fama. hebr. “O boato ou relato de ti”. Chald. “Que ouviram a fama do teu poder” Grego “Que ouviram o teu nome.” [Bush, aguardando revisão]

16 Porque não pôde o SENHOR meter este povo na terra da qual lhes havia jurado, os matou no deserto.

Comentário de George Bush

Porque não pôde o SENHOR, etc. Heb. “Por não poder o Senhor trazer este povo”, etc. Por uma inspeção atenta do contexto, v. 13-19, parecerá que Moisés funda seu apelo com base em três considerações especiais: 1. O menosprezo ao qual o nome divino e a glória seriam submetidos na estimativa tanto dos egípcios quanto dos cananeus, como se ele não pudesse cumprir suas promessas. Isto lhes daria a oportunidade de blasfemar. 2. Os ditames da graciosa longanimidade e do perdão da natureza de Deus. 3. O precedente (vs. 17, 18) do ensinamento passado das providências divinas, onde o perdão lhes foi concedido repetidamente desde o dia em que deixaram o Egito até o presente. Sobre este tríplice terreno ele constrói seu pedido de misericórdia para ser mostrado ao povo pecador. [Bush, aguardando revisão]

17 Agora, pois, eu te rogo que seja engrandecida a força do Senhor, como o falaste, dizendo:

Comentário de George Bush

seja engrandecida a força do Senhor. “Seja grande o teu poder” é equivalente a, que o teu poder se manifeste para ser grande. Grego “Exalta-se a tua força”. Torna-se, no entanto, uma questão o que a grandeza do poder divino tem a ver com o perdão do pecado do povo. É sem dúvida um grande erro referir tal ato à onipotência, como atributos morais  estão principalmente envolvidos nela. A verdadeira solução, estamos satisfeitos, é entender a habilidade e o poder mencionados neste contexto como virtualmente sinônimos de boa vontade. Quando Moisés diz, versículo 16, “porque o Senhor não foi capaz de traga este povo para a terra que ele conhece para eles”, não devemos, pensamos, entendê-lo do que pode ser chamado de natural do Senhor, mas de sua capacidade moral; não, por assim dizer, de uma incapacidade física, mas de uma relutância mental interior em conceder-lhes um favor do qual eles se mostraram tão claramente indignos. No que diz respeito à mera onipotência, não exigia maior exercício para conduzi-los a Canaã do que matá-los por julgamentos desoladores no deserto. Não é então esse tipo de incapacidade que os pagãos imputariam ao Senhor, mas simplesmente a incapacidade de uma vontade repugnante. E provavelmente será descoberto que em quase, se não exatamente, todos os casos em que a palavra original é aplicada ao Altíssimo, denota a capacidade ou incapacidade que está envolvida na disposição como favorável ou adversa. Então, quando ele ora para que o Senhor “magnifique seu poder” no perdão da transgressão presente, ele não quer dizer nada mais do que expor sua propensão moral que o impele ao perdão. [Bush, aguardando revisão]

18 O SENHOR, tardio de ira e grande em misericórdia, que perdoa a iniquidade e a rebelião, e deixa impune o culpado; que visita a maldade dos pais sobre os filhos até a terceira geração e até a quarta.

Comentário de C. J. Ellicott

(17-18) Moisés aqui emprega um segundo argumento, fundado na revelação do nome de Deus (ou seja, Sua natureza), como feito a ele no Monte Sinai (Êxodo 34:6-7), cuja substância ele aqui recita nos mesmos termos. [Ellicott, aguardando revisão]

19 Perdoa agora a iniquidade deste povo segundo a grandeza de tua misericórdia, e como perdoaste a este povo desde Egito até aqui.

Comentário de Rayner Winterbotham

desde Egito até aqui. Desde o primeiro desespero no próprio Egito (Êxodo 14:11-12), passando pelas murmurações no deserto de Sin e a apostasia do Monte Sinai, até a última rebelião em Kibroth-Hattaavah. [Winterbotham, aguardando revisão]

20 Então o SENHOR disse: Eu o perdoei conforme tu dito:

Comentário de Daniel Steele

Eu o perdoei. A língua hebraica tem apenas dois tempos, o passado e o futuro. O presente talvez seja expresso por qualquer um deles, “a escolha em cada instância, dependendo se a atenção do escritor é mais particularmente direcionada ao início da ação no passado ou à sua continuidade no futuro” (Nordheimer).

conforme tu dito. Uma maravilha de maravilhas! o propósito divino é alterado por causa de uma palavra humana, quando essa palavra é pronunciada na fé! Assim tudo é possível para duas pessoas – para Deus e “para aquele que crê”. A nação foi preservada, mas a punição temporal merecida de seus descrentes individuais não foi remetida. Um apelo como o de Moisés não podia permanecer desatendido; era típico do grande apelo para a humanidade, e do grande Advogado. Mas, como quando, muito tempo depois, Israel chamou a si mesmo e a seus filhos o castigo por derramarem o sangue de Jesus, longos e dolorosos julgamentos deveriam recair sobre os obstinados e rebeldes, mesmo que no final todo Israel devesse ser salvo (Romanos 11:26), assim foi em Cades. Esta resposta à oração é uma resposta suficiente à suposta pergunta do cético em Jó 21:15. [Steele, aguardando revisão]

21 Mas, certamente vivo eu e minha glória inche toda a terra,

Comentário de George Bush

certamente vivo eu, etc. Heb. “E certamente eu vivo, e toda a terra será preenchida”, etc. Uma forma de juramento frequentemente apropriada ao Altíssimo, como Ezequiel 13:3, 20:33, 5:11. Assim se diz, Jeremias 4:2: “E jurarás: O Senhor vive”, etc. Assim, quando se diz, Isaías 45,23, “Jurei por mim mesmo”, o apóstolo, citando as palavras, Rm 14,11, diz: “Porque está escrito: Como eu vivo, diz o Senhor”. A versão do árabe é peculiar: “No entanto, pela minha eterna duração (ou existência) e pelo meu esplendor que enche toda a terra eu jurei”. Como o levantar da mão era um acompanhamento habitual de um juramento, assim encontramos ambos reunidos em Deuteronômio 32:40: “Pois levanto minha mão para o céu, e digo, vivo para sempre”. Daí o juramento que o Senhor fez, Salmo 106:26: “Por isso levantou a mão contra eles, para os derrubar no deserto”. Ezequiel 20:15: “Mas também eu levantei minha mão contra eles no deserto, para não os trazer para a terra que lhes havia dado”.

minha glória inche toda a terra. A importância desta declaração a este respeito não é de imediato perfeitamente óbvia. Da interpretação do verso subseqüente, que ostensivamente dá uma razão para a presente declaração, parece que a terra deveria ser preenchida com a glória divina como conseqüência do castigo condigno dos homens que não tinham ouvido a sua voz. Por outros se entende a glória que ele obteria para si mesmo por meio das coisas milagrosas e ilustres que faria para seu povo ao conduzi-lo para a terra da promessa. (Veja Nota no Ex. 16:7.) Talvez possamos considerar ambas as idéias como incluídas. A terra deve ser preenchida com o relato dos atos gloriosos e justos do Senhor ao punir os infratores e coroar os resíduos de seu povo com o maior sinal de misericórdia. O Senhor recebe a glória apenas na proporção em que a majestade e a justiça de sua administração são reconhecidas entre os homens. [Bush, aguardando revisão]

22 Que todos os que viram minha glória e meus sinais que fiz no Egito e no deserto, e me tentaram já dez vezes, e não ouviram minha voz,

Comentário de Daniel Steele

me tentaram. Ao duvidar de sua ajuda e clamar por provas adicionais de que sua palavra é verdadeira, diz-se que os homens tentam ou provam a Deus. Novamente, é evidente que a incredulidade é o pecado condenável.

dez vezes. Dez simboliza completude e medida completa. Os rabinos calculam assim os dez reais: (1.) A murmuração no Mar Vermelho, Êxodo 14:11-12. (2.) Em Mara, Êxodo 15:24. (3.) No deserto de Sin, Êxodo 16:2. (4.) Em Refidim, Êxodo 17:2. (5.) A idolatria em Horebe, Êxodo 32. (6.) Queixando-se em Taberá, Números 11:1. (7.) Nos túmulos da luxúria, Números 11:4. (8.) Aqui em Cades. (9 e 10.) A desobediência de certos indivíduos em relação ao maná, Êxodo 16:20; Êxodo 16:27. [Steele, aguardando revisão]

23 Não verão a terra da qual jurei a seus pais: não, nenhum dos que me irritaram a verá.

Comentário de George Bush

Não verão. Uma fórmula de juramento equivalente a um juramento divino de que não verão, ou seja, não desfrutarão, da terra, conforme explica Davi, Salmo 95:11, “A quem jurei na minha ira, se entrarem no meu descanso”, que o apóstolo cita, Hebreus 3:18: “A quem jurou que não entrariam no seu descanso?” “Se” em tais conexões tem a força de um negativo. Como a terra de Canaã era um representante do céu, a exclusão dos israelitas rebeldes daquela terra era uma sombra da exclusão de todos os incrédulos e desobedientes do reino dos céus. [Bush, aguardando revisão]

24 Porém meu servo Calebe, porquanto houve nele outro espírito, e cumpriu de ir após mim, eu o porei na terra onde entrou e sua descendência a receberá em herança.

Comentário de George Bush

Porém meu servo Calebe, porquanto houve nele outro espíritoe. hebr. “Porque havia outro espírito com ele.” Ou seja, ele era movido por um espírito muito diferente do resto dos espiões. O seu era um espírito ousado, resoluto, corajoso, enquanto o deles era um espírito vil, covarde e pusilânime. O árabe apresenta a cláusula: “Mas meu servo Caleb, na medida em que ele tinha outro sentimento (ou opinião), pelo qual ele seguiu minha obediência”, etc. O mesmo testemunho deve ser entendido como aplicável a Josué, embora não aqui nomeado, provavelmente pela razão de que ele não foi classificado com a massa do povo, mas era um atendente constante de Moisés. Ele está expressamente incluído na promessa, 32:12.

e cumpriu de ir após mim. Ou seja, exibiu uma obediência plena, constante e completa neste assunto; não se desviou, parou ou falhou em seguir ou cumprir meus comandos. A mesma frase original ocorre em Deuteronômio 1: 3, Josué 14:8, 9,14, sobre esta última passagem veja Nota. O contrário é afirmado de Salomão, 1 Reis 11:6, “E Salomão fez o que era mau aos olhos do Senhor, e não foi completamente após o Senhor. , assim como Davi, seu pai”. hebr. “Não se cumpriu segundo o Senhor”. O testemunho desfavorável semelhante é dado pelo povo em geral, 32:11: “Certamente nenhum dos homens que subiram do Egito, de vinte anos para cima, verá a terra que eu juraram a Abraão, a Isaque e a Jacó, porque não me seguiram inteiramente”. hebr. “Eles não cumpriram depois de mim”. Podemos aqui observar que o Grego exibe “Ele me seguiu obsequiosamente”. Chald. “Ele cumpriu perfeitamente, ou cumpriu, segundo o meu medo”. Chazkuni, um escritor judeu, traduz: “Ele cumpriu a palavra depois de mim” e a compara com 1 Reis 1:14: “Eis que enquanto ainda falas lá com o rei, também eu entrarei depois de ti e confirmarei as tuas palavras”. Heb. “Complete as tuas palavras.”

sua descendência a receberá em herança. O uso desta palavra é peculiar, pois por uma figura chamada antiphrasis ela denota, de acordo com suas relações, o ato de herdar ou de deserdar. Neste último sentido, a palavra ocorre acima, v. 12, e na presente passagem ela suportaria o sentido de deserdar e expulsar os habitantes, e se apoderar dela, como em Josué 8:7: “Então vos levantareis da emboscada e vos apoderareis da cidade”. Heb. horashtem, incluindo a dupla idéia de expulsar os habitantes e tomar posse para si, com a qual coincide a linguagem de Calebe, Josué 14:12, “Se assim for o Senhor estará comigo, então poderei expulsá-los, como disse o Senhor”. Heb. horashtim, os deserdará. Para maiores ilustrações do uso em questão comp. Gênesis 15:3, Deuteronômio 2:24, 31, 1 Reis 21:15, Isaías 14:21, Deuteronômio 2:21, 22, Juízes 14:15. Sol. Jarchi, na presente passagem, interpreta a palavra no sentido de deserdar ou expulsar: “Eles expulsarão os Anakims e as pessoas que neles se encontram”. A promessa que o Senhor agora confirmou com um juramento a Calebe foi-lhe transmitida em nome do Senhor por Moisés e, portanto, em Josué 14:9, o próprio juramento é atribuído a Moisés: “E Moisés jurou naquele dia, dizendo: Certamente a terra em que teus pés pisaram será tua herança, e de teus filhos para sempre, porque seguiste inteiramente o Senhor meu Deus”. [Bush, aguardando revisão]

25 Agora bem, os amalequitas e os cananeus habitam no vale; voltai-vos amanhã, e parti-vos ao deserto, caminho do mar Vermelho.

Comentário de George Bush

Agora bem, os amalequitas e os cananeus habitam no vale. Heb. yoshïb (estavam ou estão) assentados. A construção é algo duvidosa, pois não está claro quem é o orador. Se a cláusula é apenas uma continuação das palavras do Senhor, como muitos comentaristas supõem, ela deve ser lida sem parênteses, e no tempo presente, – “habitar no vale”. Se, por outro lado, for interjeitada por Moisés, a interpretação atual é a mais correta. Para nós mesmos damos preferência ao primeiro, considerando-o como equivalente a dizer: “Na medida em que os amalequitas e cananeus estão atualmente ocupando uma posição no vale do lado oposto da montanha, e estarão aptos a cair sobre vocês com uma força avassaladora se tentarem subir e atravessar a montanha, portanto, para sua própria segurança, virem-se amanhã e avancem para o deserto pelo caminho do Mar Vermelho”. É verdade que se diz, v. 45, que os cananeus habitam a montanha, mas em ambos os casos consideramos o termo “habitar” como equivalente a “sentar” no sentido de ocupar temporariamente uma posição, como aqueles que estão à espera. Assim Josué 8:9, “E foram deitar-se numa emboscada, e morar (yëshebu) entre Betel e Ai”. Sobre a aparente discrepância entre o vs. 25 e 45 Chazkuni observa-se o seguinte: “A maioria deles morou (assentou-se) no vale, e alguns deles na montanha, e aqueles poucos guerrearam contra eles (os israelitas); e por isso está escrito, ‘que se sentaram naquela montanha’, para implicar que havia alguns deles que se sentaram em outro lugar; ou, pode ser, eles moraram no vale, e quando ouviram que os filhos de Israel vieram contra eles, subiram à montanha, e os esperaram lá; e descobrimos que ‘sentados’ às vezes significa ‘deitados à espera’, como está escrito Salmo 10: 8, “Ele se senta nos lugares de espreita das aldeias”. “Os dois povos aqui mencionados, ao se aproximarem dos israelitas, tinham se reunido e se colocado no vale do outro lado da cordilheira, ao pé da qual as tribos estavam agora acampadas, e estavam decididos a cair sobre eles em seu primeiro avanço, para o que uma parte deles, sem dúvida, se posicionou na montanha para observar os movimentos do anfitrião.

voltai-vos amanhã, etc. Vemos nisto um sinal memorável da bondade do Senhor, na medida em que ao mesmo tempo em que estava tão descontente com eles, ele ainda estava muito pouco disposto a que eles caíssem nas mãos de seus inimigos. Eles estavam agora acampados em Cades, de onde haviam enviado os espiões, e embora se diga que eles deveriam começar uma marcha retrógrada “para amanhã”, ainda assim é provável que o termo deva ser entendido em um sentido um tanto indefinido como equivalente ao futuro, daqui em diante, ou em um dia adiantado, como em Êxodo 13:14: “E será quando teu filho te pedir a tempo (mâhor, amanhã), dizendo, etc.”. De qualquer forma, é claro que eles não se moveram imediatamente de acordo com a carta de comando, mas que permaneceram muitos dias em Kadesh após sua derrota, e antes de começarem a rodear o Monte Seir.

caminho do mar Vermelho. Ou seja, no caminho para o Mar Vermelho. E assim em geral, ao longo das Escrituras, “o caminho de” é equivalente a “o caminho para” O original para “pegar você” é “viagem para você”. Quanto à direção exata em que agora foram ordenados a viajar, e às várias rotas subseqüentes tomadas no deserto durante o lapso dos trinta e oito anos seguintes, devemos nos contentar em nos referir às investigações geográficas de Wells, Robinson, Kitto, Stanley e outros, que dedicaram sua atenção especial a este departamento de investigação bíblica. Não se apoiou com o escopo geral de nossos estudos para tentar desvendar as complexidades das andanças de Israel sobre a península árabe durante quarenta anos, até que eles entraram nos recintos de Canaã. Não é improvável que o caráter labiríntico dos labirintos e meandros pelos quais eles foram conduzidos tenha participado do caráter típico de sua residência no Egito e de sua libertação, e tenha tido a intenção de representar o curso confuso e irregular, agora para frente e agora para trás, da alma nos estágios iniciais da vida regenerativa. O êxodo da nação do Egito, a passagem pelo Mar Vermelho, a destruição do Faraó e de seu anfitrião, e os eventos imediatamente posteriores são quase universalmente reconhecidos para sombrear fases análogas na experiência do cristão, e não vemos por que o princípio representativo não deve se manter em relação a toda a sua história do deserto, bem como em relação aos seus preliminares e início. Por conseguinte, nos inclinamos a considerar muito favoravelmente as seguintes observações de Ainsworth (in loc.) sobre a atual crise peculiar em suas estadas: “Neste Mar Vermelho o povo havia sido batizado, 1Coríntios 10:1, 2, Êxodo 14. O batismo foi “para arrependimento”, e com confissão de pecados, e para a morte de Cristo, Mateus 3:6, 11, Romanos 6:3. Assim, enviá-los de volta ao deserto em direção ao Mar Vermelho, era humilhá-los pelo arrependimento, para que pela fé em Cristo pudessem ter entrada no reino dos céus; caso contrário, pereceriam para sempre, pois seus cadáveres pereceriam no deserto”. [Bush, aguardando revisão]

O castigo do povo

26 E o SENHOR falou a Moisés e a Arão, dizendo:

Comentário de Rayner Winterbotham

Esta comunicação é claramente uma continuação e ampliação da frase pronunciada brevemente acima. É marcadamente distinta da última, como sendo (1) falada a Arão, bem como a Moisés; (2) endereçada através deles ao povo em geral. A primeira foi a resposta divina à súplica eficaz do mediador; a outra, a resposta divina aos gritos rebeldes do povo. Os dois são misturados na narrativa de Deuteronômio 1. [Winterbotham, aguardando revisão]

27 Até quando ouvirei esta depravada multidão que murmura contra mim, as queixas dos filhos de Israel, que de mim se queixam?

Comentário de Daniel Steele

Os murmúrios são especialmente ofensivos a Deus, porque contestam a sua sabedoria e bondade. A confiança em Cristo é a cura para todos os problemas do coração, permitindo ao pecador alegrar-se com o perdão dos males morais de sua vida, e ao santo aceitar alegremente em todas as provas providenciais como parte dessa disciplina sabiamente escolhida para o desenvolvimento das graças cristãs. As murmurações de Israel são fruto de sua incredulidade. [Steele, aguardando revisão]

28 Dize-lhes: Vivo eu, diz o SENHOR, que segundo falastes a meus ouvidos, assim farei eu convosco:

Comentário de George Bush

(Tão verdadeiramente quanto) Vivo eu, diz o SENHOR. A fórmula usual de um juramento divino, como no v. 21. É aqui que o Senhor jura em sua ira que eles não entrarão em seu descanso. Comp. Salmo 95:11, Hebreus 3:18, Números 32:10-11. [Bush, aguardando revisão]

29 Neste deserto cairão vossos corpos; todos vossos contados segundo toda vossa contagem, de vinte anos acima, os quais murmurastes contra mim;

Comentário de George Bush

Neste deserto cairão vossos corpos. Isso é traduzido na versão Grego por κωλα, kola, que significa propriamente membros, como do corpo humano, mas em vários casos é usado sinédoquicamente para carcaça, cadáver, como Levítico 26:30, 1Samuel 17: 46, Isaías 66:24, Hebreus 3:17. A linguagem deles era, v. 3, “Quem dera tivéssemos morrido neste deserto”, e agora seu desejo expresso deve ser concedido a eles.

todos vossos contados segundo toda vossa contagem, etc. Heb. vekol pekudekem lekol misparkem, e (ou mesmo) todos os seus reunidos de acordo com todo o seu número. A distinção entre “agrupamento” e “numeração” é aqui perdida de vista em nossa versão comum, embora intrinsecamente marcada e importante. Ao reunir, organizar ou organizar um anfitrião, seria muito natural fazer um censo também, mas as duas coisas são essencialmente distintas, embora ambas estejam envolvidas na presente cláusula.

de vinte anos acima. Totalizando, como aprendemos 1:46, a 603.550, excluindo os levitas que não foram contados neste momento, e quando foram contados, não foram contados de vinte anos, mas de um mês para cima. Conseqüentemente, nem os levitas nem as crianças com menos de vinte anos, nem as esposas dos ofensores foram incluídas na severa sentença aqui denunciada, mas apenas os homens adultos acima de vinte. Isso explica o fato de que encontramos Eleazar, que é mencionado na numeração dos levitas, 3:32, vivo na divisão da terra de Canaã. É evidente, portanto, que a linguagem da seguinte passagem, 26:63-65, deve ser limitada pela explicação agora dada: “Estes são os que foram contados por Moisés e Eleazar, o sacerdote, que contaram os filhos de Israel. nas planícies de Moabe, junto ao Jordão, perto de Jericó. Mas entre estes não havia nenhum homem daqueles que Moisés e Arão, o sacerdote, contaram, quando contaram os filhos de Israel no deserto de Sinai. Pois o Senhor havia dito deles: Certamente morrerão no deserto. E não sobrou nenhum deles, a não ser Calebe, filho de Jefoné, e Josué, filho de Num”. [Bush, aguardando revisão]

30 Vós à verdade não entrareis na terra, pela qual levantei minha mão de fazer-vos habitar nela; exceto a Calebe filho de Jefoné, e a Josué filho de Num.

Comentário de Robert Jamieson

e Josué – Estes são especialmente mencionados, como honrosas exceções para o resto dos batedores, e também como os futuros líderes do povo. Mas parece que alguns da velha geração não se juntaram ao murmúrio rebelde, incluindo naquele número toda a ordem dos sacerdotes (Josué 14:1). [JFB, aguardando revisão]

31 Mas vossos meninos, dos quais dissestes que seriam por presa, eu os introduzirei, e eles conhecerão a terra que vós desprezastes.

Comentário de George Bush

Mas vossos meninos. Seus filhos com menos de vinte anos de idade, v. 3. As próprias crianças sobre cuja segurança eles demonstraram tanta desconfiança e manifestaram tal solicitude irreligiosa, deveriam ser as pessoas que certamente herdariam a terra prometida, embora um longo e difícil período devesse primeiro intervir.

conhecerão a terra que vós desprezastes. Ou seja, conhecerá e desfrutará do bem da terra. Grego “herdará”. Compare com isso a declaração de Moisés, Deuteronômio 1:39: “Além disso, os vossos pequeninos, que dissestes que seriam por presa, e os vossos filhos, que naquele dia não tinham conhecimento entre o bem e o mal, eles entrarão ali, e a eles darei, e eles a possuirão”. [Bush, aguardando revisão]

32 E quanto a vós, vossos corpos cairão neste deserto.

Comentário de Daniel Steele

neste deserto. As mesmas palavras que os próprios israelitas usaram. (Veja Números 14:2.) [Steele, aguardando revisão]

33 E vossos filhos andarão pastoreando no deserto quarenta anos, e eles levarão vossas prostituições, até que vossos corpos sejam consumidos no deserto.

Comentário de George Bush

vossos filhos andarão pastoreando no deserto quarenta ano. Heb. “Deverão alimentar-se”. Grego “Serão alimentados”. Chald. “Permanecerão ou habitarão”. O termo original não é o termo apropriado para vaguear, mas ainda está relacionado com ele, uma vez que as ovelhas obtêm a sua alimentação vagueando de lugar em lugar sobre os seus terrenos de pastagem. Este era especialmente o caso dos rebanhos dos pastores árabes, que habitavam uma região tão selvagem, rochosa e estéril, que não podiam permanecer por muito tempo num lugar, mas eram obrigados a atacar as suas tendas e procurar novos locais de pastagem, pois um após outro ficariam rapidamente esgotados. Chazkuni explica isto:- “Como as ovelhas se alimentam às vezes aqui e às vezes ali, assim os vossos filhos devem retirar aqui e acolá, até que as suas carcaças sejam consumidas”. Uma alusão algo análoga é talvez ser reconhecida Oséias 4:16, “O Senhor irá alimentá-los como um cordeiro num lugar grande”. Ou seja, dispersos, no seu cativeiro, entre os países conquistadores, entre os Assírios e os Medos, que ocupavam um país muito grande. Eles não ficariam satisfeitos com o redil de Canaã, e, portanto, diz o Senhor, terão mais espaço; irão para um lugar grande, mas será um lugar de cativeiro. Serão como um cordeiro sozinho no deserto, sem sucção, desamparados, rodeados de perigos, e sem um olho perto da piedade, sem mão para o ajudar. Serão levados para o cativeiro, e haverá lamentos e lamentos, e em perigo de lobos que rondam, mas não haverá ninguém a quem se atentar, ninguém a quem entregar.

quarenta anos. Ou seja, contando desde a sua saída do Egito; do qual já tinha decorrido um ano e meio. Deuteronómio 2:14, “E o espaço em que viemos de Cades-Barnéia, até termos passado o riacho Zerede, foi de trinta e oito anos”. Comp. Números 10:11.

levarão vossas prostituições. Isto é, o castigo de suas prostituições. Chald. “Tomai sobre eles as vossas iniqüidades”. Uma expressão figurativa bem conhecida para idolatria e outras formas grosseiras de transgressão e apostasia. Comp. Jeremias 3:9, Ezequiel 16:15–17, Ex. 34:15, 16, Levítico 17: 7.

até que vossos corpos sejam consumidos. hebr. ad tom. A raiz deste verbo é a palavra que geralmente denota o que é perfeito, completo, acabado, consumado. Fica bem traduzido por desperdiçado, ou seja, consumido, na presente passagem.  [Bush, aguardando revisão]

34 Conforme o número dos dias, dos quarenta dias em que reconhecestes a terra, levareis vossas iniquidades quarenta anos, ano por cada dia; e conhecereis meu castigo.

Comentário de Robert Jamieson

e conhecereis meu castigo – isto é, em consequência de sua violação da aliança entre você e Eu, quebrando os termos dela, será nula e sem efeito em Minha parte, pois reterei as bênçãos que prometi em esse convênio de conferir a você sob a condição de sua obediência. [JFB, aguardando revisão]

35 Eu sou o SENHOR falei; assim farei a toda esta multidão perversa que se juntou contra mim; neste deserto serão consumidos, e ali morrerão.

Comentário de George Bush

Eu sou o SENHOR falei. Chald. “Eu, o Senhor, decretei pela minha Palavra.”

que se juntou contra mim. Ou seja, reunidos de maneira amotinada e sediciosa. A reunião foi ostensivamente contra Moisés e Arão, mas na realidade contra o próprio Jeová, que havia comissionado seus servos para liderar e governar o povo em seu nome.

neste deserto serão consumidos. Essa sentença ou decreto é repetido com tanta frequência que eles podem saber que era peremptório e irreversível. “Assim, vemos que eles não puderam entrar por causa da incredulidade”. “Trabalhemos, portanto, para entrar nesse descanso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de incredulidade” (Hebreus 3:19, 4:11). [Bush, aguardando revisão]

36 E os homens que Moisés enviou para reconhecer a terra, e depois de voltarem, fizeram toda a congregação murmurar contra ele, trazendo um mau relato daquela terra,

Comentário de Robert Jamieson

(36-38) Dez dos espias foram mortos no local, seja pela peste ou algum outro julgamento – a grande e terrível mortalidade ocasionada pela qual claramente indicava a mão do Senhor (compare com Salmo 90:1-17, que foi composto no ocorrência desses tristes eventos.) O decreto fatal que condenou toda a geração existente de israelitas que saíram do Egito para perecer foi uma medida severa, mas necessária; e embora tenha sido, em primeira instância, um castigo por sua incredulidade e rebelião, acabou se revelando uma grande bênção nacional. Eles haviam exibido provas freqüentes e inconfundíveis de que não possuíam espírito para ocupar a terra prometida como servos do verdadeiro Deus, confiando em Sua providência vigilante e devotados ao Seu serviço. Era necessário que uma outra geração surgisse, curada à tormenta, incorrupta pela influência das maneiras e da religião egípcias, e impressionada pelas maravilhosas demonstrações da presença e do poder divinos, com um senso realizador do Ser de Deus, e de Suas reivindicações exclusivas para sua homenagem. Todos estes fins foram alcançados pelo povo que foi criado sob a disciplina formativa do deserto. [Jamieson, aguardando revisão]

37 aqueles homens que haviam falado mal da terra, morreram de praga diante do SENHOR.

Comentário de George Bush

morreram de praga diante do SENHOR. hebr. bammaggëphâh, pelo golpe; isto é, por algum sinal e temeroso golpe do julgamento divino, mas provavelmente não por qualquer doença tecnicamente denominada “a praga”. Isso é mais particularmente pretendido pela palavra devar, pestilência, que ocorre, v. 12, acima. O presente termo não é aquela que denota uma doença de qualquer tipo, mas um julgamento extraordinário. A palavra original é traduzida abate 1Samuel 4:17, e golpe Ezequiel 24:16. Seu uso 2Crônicas 21:14, mostra que a idéia expressa por ela é geral e não específico: “Eis que com grande praga o Senhor ferirá o teu povo”; isto é, com algum julgamento temeroso. Assim, no presente caso, afirma-se que os dez emissários infiéis pereceram por alguma visita especial ou golpe do desagrado divino. Tendo fomentado e amadurecido o motim, eles se tornaram o primeiro sacrifício à justiça vingadora do céu.

diante do Senhor. Isto é, diante do Tabernáculo, onde a glória do Senhor apareceu. Assim é dito de Uzá, 1Crônicas 13:14, que “ele morreu ali diante do Senhor”, enquanto na narrativa paralela 2Samuel 6:7, é dito que “ele morreu ali diante da arca de Deus”. [Bush, aguardando revisão]

38 Mas Josué filho de Num, e Calebe filho de Jefoné, restaram com vida dentre aqueles homens que haviam ido a reconhecer a terra.

Comentário de Robert Jamieson

(36-38) Dez dos espias foram mortos no local, seja pela peste ou algum outro julgamento – a grande e terrível mortalidade ocasionada pela qual claramente indicava a mão do Senhor (compare com Salmo 90:1-17, que foi composto no ocorrência desses tristes eventos.) O decreto fatal que condenou toda a geração existente de israelitas que saíram do Egito para perecer foi uma medida severa, mas necessária; e embora tenha sido, em primeira instância, um castigo por sua incredulidade e rebelião, acabou se revelando uma grande bênção nacional. Eles haviam exibido provas freqüentes e inconfundíveis de que não possuíam espírito para ocupar a terra prometida como servos do verdadeiro Deus, confiando em Sua providência vigilante e devotados ao Seu serviço. Era necessário que uma outra geração surgisse, curada à tormenta, incorrupta pela influência das maneiras e da religião egípcias, e impressionada pelas maravilhosas demonstrações da presença e do poder divinos, com um senso realizador do Ser de Deus, e de Suas reivindicações exclusivas para sua homenagem. Todos estes fins foram alcançados pelo povo que foi criado sob a disciplina formativa do deserto. [Jamieson, aguardando revisão]

39 E Moisés disse estas coisas a todos os filhos de Israel, e o povo ficou em muito luto.

Comentário de George Bush

E Moisés disse estas coisas a todos os filhos de Israel. Ou seja, deu a conhecer à multidão a calamidade que havia acontecido e as razões dela; comunicando a todos os quadrantes do acampamento a sentença que agora havia saído dos lábios do Senhor, e que provavelmente ainda havia circulado apenas parcialmente entre a imensa hoste composta de dois ou três milhões de pessoas.

e o povo ficou em muito luto. Sir. “E o povo sentou-se em grande tristeza”. Sendo oprimidos pela angústia em vista da condenação que eles tão tolamente haviam trazido sobre si mesmos, e que eles tinham certeza de que era irreversível. Sabendo que isso era fato, eles não processaram a Moisés orar por eles, como haviam feito em outras ocasiões, 11: 2. Eles agora tinham motivos abundantes e justos para chorar, enquanto antes, v. 1, seu choro era sem causa. [Bush, aguardando revisão]

40 E levantaram-se pela manhã, e subiram ao cume do monte, dizendo: Eis-nos aqui para subir ao lugar do qual falou o SENHOR; porque pecamos.

Comentário de Robert Jamieson

levantaram-se pela manhã, e subiram ao cume do monte – Apesar das notícias que Moisés comunicou e que difundiram um sentimento geral de melancolia e pesar por todo o acampamento, a impressão foi de uma breve continuação. Eles correram de um extremo de temeridade e perversidade para outro, e a obstinação de seu espírito rebelde foi evidenciada por seus preparativos ativos para subir a colina, apesar da advertência divina que receberam.

porque pecamos – isto é, percebendo nosso pecado, agora nos arrependemos dele, e estamos ansiosos para fazer como Calebe e Josué nos exortou – ou, como alguns explicam, embora tenhamos pecado, confiamos que Deus ainda nos dará a terra da promessa. As súplicas de seu prudente e piedoso líder, que lhes representava que seus inimigos, escalando o outro lado do vale, se postavam no topo do morro diante deles, foram desconsiderados. Quão estranhamente perversa era a conduta dos israelitas, os quais, pouco antes, temiam que, embora o seu Rei Todo-Poderoso estivesse com eles, não poderiam obter a posse da terra; e, no entanto, agora eles agem ainda mais tolamente ao supor que, embora Deus não estivesse com eles, poderiam expulsar os habitantes por seus esforços desassistidos. As consequências foram as que poderiam ter sido antecipadas. Os amalequitas e os cananeus, que estavam deitados em emboscada esperando seu movimento, precipitaram-se sobre eles das alturas e tornaram-se os instrumentos de punir sua rebelião culpada. [JFB, aguardando revisão]

41 E disse Moisés: Por que quebrantais o dito do SENHOR? Isto tampouco vos sucederá bem.

Comentário de George Bush

E disse Moisés. Comparando isto com a narrativa paralela, Deuteronomio 1:41-43, veremos que Moisés agiu sob instruções especiais ao salvar o que ele fez nesta ocasião: “Mas quanto a você, transforme-se, e faça sua viagem pelo deserto, pelo caminho do Mar Vermelho”. Então me respondestes e dissestes: Pecamos contra o Senhor, vamos subir e pelejar, conforme tudo o que o Senhor nosso Deus nos ordenou. E quando cingistes cada homem com as suas armas de guerra, estais prontos para subir ao monte. E o Senhor me disse: Dize-lhes: Não subais, nem luteis; porque não estou entre vós; para que não sejais feridos diante de vossos inimigos. Assim vos falei; e vocês não quiseram ouvir, mas se rebelaram contra o mandamento do Senhor, e subiram presunçosamente ao monte”.

Por que quebrantais o dito do SENHOR? hebr. “Por que (é) isto (que) vocês estão agora transgredindo a boca do Senhor?” Grego “Por que transgrides a palavra do Senhor?” Chald. “Por que transgrides o decreto da palavra do Senhor?” O mandamento que eles estavam transgredindo aqui era esse, v. 25, exigindo que eles voltassem para o Mar Vermelho e não pensassem em entrar em Canaã no momento. O uso de “boca” para “mandamento” é muito frequente.

Isto tampouco vos sucederá bem. Isto é, o passo no qual você está agora atento; o projeto de subir a montanha e atacar seus inimigos. Grego “Não deve ser auspicioso para você”. Syr. “Você não deve realizar a coisa proposta para o seu término”. Jamais podemos presumir a bênção do Senhor para realizar aquilo que está engajado em contrário à sua vontade. [Bush, aguardando revisão]

42 Não subais, porque o SENHOR não está em meio de vós, não sejais feridos diante de vossos inimigos.

Comentário de George Bush

porque o SENHOR não está em meio de vós. Chald. “A Shekinah do Senhor não está entre vocês”. A coluna de nuvem não foi removida, mas permaneceu estacionária, o que deveria ter servido para eles como uma indicação de que a presença divina não estava com eles e que a tentativa era presunçosa.

não sejais feridos diante de vossos inimigos. Chald. “Para que não sejas quebrado diante de seus inimigos”. Grego “E você cairá diante da face de seus inimigos”. Como se ele dissesse: “Os cananeus estão diante de você para atacá-lo, e o Senhor não está entre vocês para protegê-lo e lutar por você, e, portanto, olhe para si mesmo para que ‘não seja derrotado diante de seus inimigos’. Aqueles que estão fora do caminho de seu dever estão sob a proteção de Deus e correm perigo. É perigoso ir onde não podemos esperar que Deus nos acompanhe.” (Henry). [Bush, aguardando revisão]

43 Porque os amalequitas e os cananeus estão ali diante de vós, e caireis à espada: pois porquanto vos desviastes de seguir ao SENHOR, por isso não será o SENHOR convosco.

Comentário de Daniel Steele

estão ali diante de vós. Ou eles se retiraram do vale (Números 14:25) para uma posição mais defensável nas montanhas, ou enviaram uma força forte para tomar as passagens e contestar com sucesso a passagem de Israel. Este fato foi comunicado a Moisés por seus homens ou por revelação direta de Jeová.

caireis à espada. Esta predição divinamente inspirada baseia-se no fato de que Israel se afastou do Senhor. Aquele que está mais consciente da presença e do apoio divinos, como Moisés, mais sente sua dependência de Seu favor, e mais prediz o desastre quando esse favor é retirado. Mas o mundano não reconhece a presença nem perde a ausência de Deus. Tal foi o Israel incrédulo em Cades. [Steele, aguardando revisão]

44 Todavia, se insistiram em subir por cima do monte: mas a arca da aliança do SENHOR, e Moisés, não se apartaram do meio do acampamento.

Comentário de George Bush

Todavia, se insistiram em subir. Heb. va-yaphilu, da raiz âphal, que ocorre apenas aqui e Habacuque 2:4, onde é “levantado” – “Eis que sua alma que é levantada não é reta nele”. A derivada “Ophel” como nome próprio (2Crônicas 33:14) denota um monte, eminência ou terreno ascendente, aplicado a uma localidade próxima a Jerusalém, e como substantivo comum usado para significar o tipo de inchaço denominado hemorróida. Portanto, como verbo, implica ser elevado ou eufórico mentalmente; ser orgulhoso, arrogante, presunçoso, etc. […]. Chald. “Eles trataram mal ou de forma turbulenta”. A idéia principal é a de uma aventureira audaciosa sobre o que é proibido. Os escritores judeus, entretanto, representam o verbo como envolvendo a idéia de escuridão ou obscuridade, um deles tornando-a: “Eles ficaram escuros, ou obscuros, na medida em que foram sem licença de Deus”, e outro: “Eles partiram para a escuridão antes do alvorecer do dia”. Daí, provavelmente, a origem da tradução da Vulgata, “Illi contenebrati ascenderunt”, eles foram cegados. A primeira é sem dúvida a interpretação correta, pois a outra parece ter surgido da confusão da raiz atual עפל âphal, com אפל âphal, para ser escuro ou obscuro.

mas a arca da aliança do SENHOR, e Moisés, não se apartaram do meio do acampamento. A arca movia-se apenas com a remoção da nuvem, e Moisés movia-se apenas com a arca; de modo que aqueles que avançavam o faziam por sua própria responsabilidade, e em oposição direta aos sinais da vontade divina. [Bush, aguardando revisão]

45 E desceram os amalequitas e os cananeus, que habitavam naquele monte, e os feriram e os derrotaram, perseguindo-os até Hormá.

Comentário de Robert Jamieson

até mesmo a Hormá – O nome foi posteriormente dado àquele lugar em memória do imenso massacre dos israelitas nesta ocasião. [JFB, aguardando revisão]

<Números 13 Números 15>

Visão geral de Números

Em Números, “Israel viaja no deserto a caminho da terra prometida a Abraão. A sua repetida rebelião é retribuída pela justiça e misericórdia de Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Números.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.