Salmo 77

1 (Salmo de Asafe, para o regente, conforme “Jedutum”:) Clamo a Deus com minha voz, minha voz a Deus; e ele inclinará seus ouvidos a mim.

Comentário Barnes

Clamo a Deus com minha voz – isto é, ele chorou ou orou audivelmente. Não foi mera oração mental. Veja as notas no Salmo 3:4 .

minha voz a Deus – A repetição aqui é enfática. A ideia é que foi um grito sincero ou fervoroso. Compare as notas em 2 Coríntios 12:8 .

e ele inclinará seus ouvidos a mim – Veja Salmos 5:1 , observe; Salmo 17:6 , nota. [Barnes, aguardando revisão]

2 No dia da minha angústia busquei ao Senhor; minha mão estava continuamente estendida; minha alma não se deixava consolar.

Comentário Whedon

No dia da minha angústia busquei ao Senhor – não apenas a profundidade dos sofrimentos do salmista é indicada aqui, como Deus só poderia aliviar, mas sua verdadeira piedade. Seus problemas o aproximaram de Deus. Salmos 50:15.

minha mão estava continuamente estendida – hebraico, Minha mão ficou estendida a noite toda; isto é, na postura de súplica sincera. Salmos 44:20; Salmo 88:9.

minha alma não se deixava consolar – não descansou. Compare a dor da atitude com Êxodo 17:11-12. [Whedon, aguardando revisão]

3 Eu ficava me lembrando de Deus, e gemendo; ficava pensativo, e meu espírito desfalecia. (Selá)

Comentário Barnes

Eu ficava me lembrando de Deus – isto é, pensei em Deus; Pensei em seu caráter, seu governo e seus procedimentos; Pensei nos mistérios – nas coisas incompreensíveis – nas ações aparentemente desiguais, injustas e parciais – de sua administração. É evidente por todo o teor do salmo que essas eram as coisas que ocupavam sua atenção. Ele demorou-se neles até que toda a sua alma ficou triste; até que seu espírito ficou tão oprimido que ele não conseguiu encontrar palavras para expressar seus pensamentos.

e gemendo – a Septuaginta traduz isso, εὐφράνθην euphranthēn – fiquei alegre ou encantado. Portanto, a Vulgata. Lutero traduz:”Quando estou preocupado, penso em Deus”. Nossa tradução, entretanto, provavelmente deu a idéia verdadeira; e nisso expressou (a) o que freqüentemente ocorre até mesmo no caso de um homem bom – que, ao se deter nas coisas obscuras e incompreensíveis da administração divina, a alma se torna triste e perturbada a um ponto que beira a murmuração, reclamação e rebelião; e também pode servir para ilustrar (b) o que muitas vezes acontece na mente de um pecador – que ele tem prazer em insistir nessas coisas na administração divina:

(1) mais de acordo com o que ele deseja pensar sobre Deus, ou com os pontos de vista que deseja nutrir dele; e

(2) como se justificando em sua rebelião contra Deus, e sua recusa em se submeter a ele – pois se Deus é injusto, parcial e severo, o pecador está certo; tal Ser seria indigno de confiança e segurança; ele deve sofrer oposição, e suas reivindicações devem ser resistidas.

ficava pensativo – ou melhor, “meditei” ou “meditei”. A palavra usada aqui não significa necessariamente reclamar. Às vezes é usado nesse sentido, mas seu significado adequado e comum é meditar. Veja Salmos 119:15 , Salmos 119:23 , Salmos 119:27 , Salmos 119:48 , Salmos 119:78 , Salmos 119:148 .

e meu espírito desfalecia – Com o resultado de minhas próprias reflexões. Ou seja, fiquei surpreso ou confuso com os pensamentos que me ocorreram. [Barnes, aguardando revisão]

4 Tu mantiveste abertas as pálpebras dos meus olhos; eu estava perturbado, e não conseguia falar.

Comentário Barnes

Tu mantiveste abertas as pálpebras dos meus olhos – literalmente, “tu tens a vigília dos meus olhos”. Gesenius (Lexicon) traduz a palavra hebraica traduzida como “vigília”, “pálpebras”. Provavelmente essa é a ideia verdadeira. As pálpebras são as vigilantes ou guardiãs dos olhos. Em perigo e no sono, eles se fecham. Aqui a ideia é que Deus os segurou para que não fechassem. Ele superou a tendência natural do olho de fechar. Em outras palavras, o salmista foi mantido acordado; ele não conseguia dormir. Isso ele atribui a Deus. A ideia é que Deus se manteve assim diante de sua mente – que tais ideias lhe ocorreram a respeito de Deus – que ele não conseguia dormir.

eu estava perturbado – Com visões tristes e sombrias de Deus; tão preocupado em se esforçar para compreender seu caráter e ações; em explicar seus atos; em idéias dolorosas que se sugerem a respeito de sua justiça, sua bondade, sua misericórdia.

e não conseguia falar – estou mudo. Não sei o que dizer. Não consigo encontrar “nada” para dizer. Ele deve ter um coração singular e feliz por natureza livre de ceticismo, ou deve ter refletido pouco sobre a administração divina, que não teve pensamentos como estes passando por sua mente. Como o salmista era um homem bom, um homem piedoso, é importante observar, em vista de sua experiência, que tais reflexões ocorrem não apenas nas mentes de pessoas más – dos profanos – dos céticos – dos filósofos infiéis, mas eles vêm espontaneamente às mentes de pessoas boas, e freqüentemente de uma forma que eles não conseguem acalmar. Aquele que nunca teve tais pensamentos, por mais feliz que possa e deva considerar que não os teve, nunca conheceu algumas das mais profundas agitações e trabalhos da alma humana sobre o assunto da religião, e é pouco qualificado para simpatizar com um espírito dilacerado, esmagado, agitado, como foi o do salmista nessas questões, ou como Agostinho e milhares de outros têm estado em tempos posteriores. Mas não deixe um homem concluir, porque ele tem esses pensamentos, que, portanto, ele não pode ser um amigo de Deus – um homem convertido. O homem mau os convida, os valoriza e se alegra de poder encontrar o que lhe parece ser razões para se entregar a tais pensamentos contra Deus; o homem bom é dolorido; luta contra eles:se esforça para bani-los de sua alma. [Barnes, aguardando revisão]

5 Eu ficava imaginando os dias antigos, e os anos passados.

Comentário Barnes

Eu ficava imaginando os dias antigos – Em vez disso, “Eu considero;” isto é, “eu penso”. Isso se refere a sua resolução em sua perplexidade e problema; o método ao qual ele recorreu para examinar o assunto, e se esforçando para acalmar seus problemas. Ele resolveu olhar para o passado. Ele perguntou qual era a evidência fornecida sobre o assunto pelos procedimentos anteriores de Deus consigo mesmo e com a humanidade; o que poderia ser aprendido com essas negociações com respeito às grandes e difíceis questões que agora tanto deixavam sua mente perplexa.

e os anos passados – Os registros e lembranças de épocas passadas. Qual é o testemunho que a história do mundo dá sobre este assunto? Isso prova que Deus é digno de confiança ou não? Autoriza ou não autoriza e justifica esses pensamentos dolorosos que passam pela mente? [Barnes, aguardando revisão]

6 De noite eu me lembrava de minha canção; meditava em meu coração; e meu espírito ficava procurando entender.

Comentário Barnes

De noite eu me lembrava de minha canção – Compare Jó 35:10 , nota; Salmo 42:8 , nota. A palavra aqui traduzida como “canção” – נגינה negı̂ynâh – significa propriamente a música de instrumentos de cordas, Lamentações 5:14 ; Isaías 38:20 ; então, um instrumento de cordas. É a palavra que tantas vezes temos nos títulos dos salmos ( Salmo 4:1-8 ; Salmo 6:1-10 ; Salmo 54:1-7 ; Salmo 55 ; Salmo 67:1-7 ; Salmo 76:1-12); e é usado aqui no sentido de canção ou salmo. A ideia é que houve momentos em sua vida em que, mesmo na escuridão e na tristeza, ele conseguia cantar; quando ele pudesse encontrar coisas para louvar a Deus; quando ele pudesse encontrar algo que o alegraria; quando ele poderia ter algumas visões brilhantes de Deus adaptadas para acalmar seus sentimentos e dar paz à sua alma. Ele relembra esses tempos e cenas em sua lembrança, com o desejo de que essas impressões alegres sejam renovadas; e ele se pergunta o que então o confortou e sustentou. Ele se esforça para trazer essas coisas de volta, pois se ele encontrou conforto então, ele pensa que poderia encontrar conforto nas mesmas considerações agora.

meditava em meu coração – penso sobre o assunto. Veja as notas no Salmo 4:4 .

e meu espírito ficava procurando entender – Em referência (a) ao terreno do meu antigo apoio e conforto; e (b) em referência a todo o assunto que está diante de mim agora. [Barnes, aguardando revisão]

7 Será que o Senhor rejeitará para sempre? E nunca mais mostrará seu favor?

Comentário Barnes

Será que o Senhor rejeitará para sempre? Este foi o assunto e a substância de sua investigação:se era uma conclusão justa e justa de que Deus não mostraria misericórdia; nunca seria gracioso novamente. Evidentemente, passou por sua mente o pensamento de que esse parecia ser o caráter de Deus; que as coisas pareciam ser assim; que era difícil, senão impossível, entender as relações divinas de outra forma; e ele pergunta se esta foi uma conclusão justa; se ele deve ser forçado a acreditar que assim seja.

E nunca mais mostrará seu favor? Ele não vai mais mostrar favor às pessoas? Ele perdoará e não salvará mais a raça da humanidade? [Barnes, aguardando revisão]

8 A sua bondade se acabou para sempre? Ele deu fim à sua promessa de geração em geração?

Comentário Barnes

A sua bondade se acabou para sempre? A palavra traduzida como “limpo desaparecido” significa falhar; falhar totalmente. A idéia é:será que a compaixão de Deus se esgotou – que não há mais misericórdia para ser mostrada à humanidade – que doravante tudo deve ser deixado para uma justiça severa e severa? O que seria o mundo se assim fosse! Qual deveria ser a condição da humanidade se a misericórdia não fosse mais mostrada à raça humana!

Ele deu fim à sua promessa de geração em geração? Margem, como em hebraico, “para geração e geração”. O hebraico original traduzido como “promessa” significa “palavra”; e a questão é se pode ser que o que Deus falou seja considerado falso. Não podemos mais confiar no que ele disse? Todas as esperanças da humanidade dependem disso e, se isso falhar, todas as perspectivas de salvação em relação à nossa raça devem chegar ao fim. [Barnes, aguardando revisão]

9 Deus se esqueceu de ter misericórdia? Ele encerrou suas compaixões por causa de sua ira? (Selá)

Comentário Barnes

Deus se esqueceu de ter misericórdia? Ele ignorou a misericórdia na administração de seu governo? Ele deixou de se lembrar que o homem precisa de misericórdia? Ele se esqueceu de que este é um atributo de sua própria natureza?

Ele encerrou suas compaixões por causa de sua ira? A palavra original aqui traduzida como “ternas misericórdias” refere-se às “entranhas”, como a sede da compaixão ou misericórdia, de acordo com um uso comum em hebraico. Veja Salmo 25:6 , nota; Isaías 16:11 , nota; Isaías 63:15 , nota. Compare Lucas 1:78 (em grego); Filipenses 1:8 ; Filipenses 2:1 ; 1 João 3:17. Falamos do “coração” como a sede do afeto e da bondade. Os hebreus incluíam o coração, mas usavam uma palavra mais geral. A palavra traduzida como “calar” significa “fechado”; e a questão é se sua misericórdia foi encerrada ou cessou para sempre. O salmista conclui que se isso foi feito, deve ser o resultado de raiva – raiva em vista dos pecados das pessoas. [Barnes, aguardando revisão]

10 Então eu disse:Esta é a minha dor:os anos em que a mão do Altíssimo agia.

Comentário Barnes

Então eu disse:Esta é a minha dor – O significado desta frase não é, como parece de nossa tradução, que suas reflexões sobre o assunto deviam ser atribuídas à sua fraqueza, ou eram uma prova de fraqueza de espírito, mas que o o assunto o dominou. Este versículo foi traduzido de várias maneiras. A Septuaginta e a Vulgata traduzem:”E eu disse, agora começo; esta é uma mudança da mão direita do Altíssimo”, com que significado é difícil de ver. Lutero traduz:”Mas eu disse, devo sofrer isso; a mão direita do Altíssimo pode mudar tudo;” um belo sentimento, mas provavelmente não a ideia do original. O hebraico significa:”Isso me deixa doente”; isto é, “Isso me aflige; me aflige; me oprime. Essas reflexões me prostram e não posso suportar isso. Eu” devo ” procure alívio. Eu “devo” encontrá-lo em algum lugar. Eu “devo” ter uma visão deste assunto que me salvará desses pensamentos terríveis que dominam e esmagam a alma. “Qualquer emoção mental profunda pode ter esse efeito, e não é estranho que tal resultado seja produzido por momentos importantes pensamentos sugeridos pela religião, pois às vezes acompanha até mesmo a manifestação da misericórdia divina para a alma. Compare as notas em já que às vezes atende até mesmo a manifestação da misericórdia divina para a alma. Compare as notas em já que às vezes atende até mesmo a manifestação da misericórdia divina para a alma. Compare as notas emDaniel 10:8-9 . O curso de pensamento que o salmista seguiu, e no qual ele encontrou alívio, é declarado nos versos seguintes. Consistia na tentativa de obter, a partir da lembrança da administração divina em tempos passados, pontos de vista de Deus que levassem à confiança nele. As opiniões assim obtidas, como se verá, foram duplas:(a) Que, pelo que suas ações podiam ser compreendidas, Deus era digno de confiança; e (b) Que nos caminhos de Deus existem, e devem existir, muitas coisas que o homem não pode compreender.

os anos em que a mão do Altíssimo agia – Ou seja, os anos em que Deus mostrou seu poder; quando ele estendeu a mão direita; quando ele manifestou seu verdadeiro caráter; quando houve uma exibição adequada ao mundo do que ele é, e dos verdadeiros princípios de sua administração. As palavras “Mas eu me lembrarei” não estão no original, embora, como ocorrem no versículo seguinte, não foram fornecidas indevidamente pelos tradutores. O original, porém, é mais contundente e enfático:”Isso me deixa doente! Os anos da destra do Altíssimo!” A história daqueles anos lhe ocorreu. Eles subiram à sua vista de repente em sua tristeza. Eles vieram diante dele de tal forma e maneira que ele sentiu que deveriam ser questionados. Sua história deve ser examinada. Nessa história – naqueles anos lembrados – o “alívio” pode ser encontrado. Era natural procurar alívio. Ele instintivamente voltou-se, portanto, para examinar os registros daqueles anos e para indagar que testemunho eles prestavam a respeito de Deus; o que poderia haver neles que daria alívio a um coração atribulado. [Barnes, aguardando revisão]

11 Eu me lembrarei das obras do SENHOR; porque me lembrarei de tuas antigas maravilhas.

Comentário Barnes

Eu me lembrarei das obras do SENHOR – ou seja, vou chamá-los à lembrança, ou vou refletir sobre eles. Olharei para o que Deus “fez”, para que eu possa aprender seu verdadeiro caráter, ou para que eu possa ver qual é a interpretação apropriada a ser dada a seus atos com respeito à questão de se ele é justo ou não; se é apropriado confiar nele ou não. Ou, em outras palavras, examinarei esses atos para ver se não consigo encontrar neles algo que acalme meus sentimentos; para remover meu desânimo; e para me dar visões alegres de Deus.

porque me lembrarei de tuas antigas maravilhas – Tuas maravilhosas relações com a humanidade; aqueles atos que tu realizaste que são adequados para excitar espanto e admiração. [Barnes, aguardando revisão]

12 Meditarei em todos as tuas obras, e falarei de teus feitos.

Comentário Barnes

Meditarei em todos as tuas obras – isto é, com o objetivo de aprender o teu verdadeiro caráter; para ver se devo ser constrangido por fatos dolorosos a acalentar os pensamentos que me causaram tantos problemas, ou se não posso encontrar razões para acalentar visões mais animadoras de Deus.

e falarei de teus feitos – ou melhor, “Vou meditar sobre as tuas obras” – pois assim significa a palavra hebraica. Não é conversa com outras pessoas a que se refere; é meditação – meditação – contemplação calma – meditação pensativa. Ele pretendia refletir sobre as ações de Deus e perguntar qual era a interpretação apropriada a ser dada a respeito de seu caráter. Portanto, devemos e podemos julgar de Deus, como julgamos nossos semelhantes. Podemos, devemos, indagar qual é a interpretação apropriada a ser dada aos eventos que ocorrem sob sua administração, e formar nossas opiniões de acordo com isso. O resultado das reflexões do salmista é declarado nos versos seguintes. [Barnes, aguardando revisão]

13 Deus, santo é o teu caminho; quem é deus tão grande como nosso Deus?

Comentário Barnes

TDeus, santo é o teu caminho – Lutero traduz isso, “Ó Deus, o teu caminho é santo.” Prof. Alexander, “Ó Deus, na santidade está o teu caminho.” DeWette, “Ó Deus, santo é o teu caminho.” A palavra traduzida como “santuário” – קדשׁ qôdesh – significa propriamente “santidade”. Não é a mesma palavra que no Salmo 73:17 é traduzida como “santuário” – מקדשׁ miqdâsh. A palavra aqui empregada, entretanto, pode significar um lugar santo, um santuário, como o tabernáculo Êxodo 28:43 ; Êxodo 29:30 , ou o templo 1 Reis 8:8 ; 2 Crônicas 29:7. Nesta passagem, a palavra é ambígua. Isso significa que o caminho de Deus é santo ou em santidade; ou, que está no santuário, ou lugar santo. Se for o primeiro, é uma declaração do resultado ao qual o salmista veio com respeito ao caráter divino, a partir da contemplação de seus feitos. Se for o último, significa que o caminho de Deus – os verdadeiros princípios da administração divina – devem ser aprendidos no lugar onde ele é adorado, e pelos princípios ali apresentados. Compare as notas do Salmo 73:17 . Parece-me que a primeira é a interpretação correta, pois está mais de acordo com o escopo da passagem.

quem é deus tão grande como nosso Deus? – Em grandeza ninguém pode ser comparado a ele. Ele é supremo sobre tudo. Esta é a primeira reflexão do salmista a respeito de Deus – que ele é grande; que ele é superior a todos os outros seres; que ninguém pode ser comparado a ele. A inferência evidente disso na mente do salmista, quanto ao assunto de sua investigação, é que é de se esperar que haverá coisas em sua administração que o homem não pode esperar entender; que um julgamento precipitado e repentino não deve ser formado em relação a ele de suas ações; que as pessoas deveriam esperar pelo desenvolvimento de seus planos; que ele não deve ser condenado porque há coisas que não podemos compreender, ou que parecem ser inconsistentes com a bondade. [Barnes, aguardando revisão]

14 Tu és o Deus que faz maravilhas; tu fizeste os povos conhecerem teu poder.

Comentário Barnes

Tu és o Deus que faz maravilhas – É, deve ser, a característica de Deus, o Deus verdadeiro, fazer coisas maravilhosas; coisas que são adequadas para produzir espanto, e que pouco podemos esperar ser capazes de compreender. Nosso julgamento de Deus, portanto, não deve ser precipitado e precipitado, mas calmo e deliberado.

tu fizeste os povos conhecerem teu poder – Tu tens manifestado tua grandeza em teus tratos com o povo. A palavra “povo” aqui se refere não especialmente ao povo hebreu, mas às nações – as pessoas do mundo em geral. Em larga escala, e entre todas as nações, Deus havia feito o que era adequado para causar admiração, e que as pessoas ainda eram pouco qualificadas para compreender. Ninguém pode julgar corretamente o que outro fez a menos que ele possa tomar em todo o assunto, e vê-lo como aquele que realiza o ato – a menos que ele entenda todas as causas, os motivos, os resultados próximos e remotos – a menos que ele veja o necessidade do ato – a menos que ele veja quais teriam sido as consequências se não tivesse sido feito, pois naquilo que é desconhecido para nós, e que está além do alcance de nossa visão, pode haver razões completas e suficientes para o que foi feito, e uma explicação pode ser encontrada lá que removeria toda a dificuldade. [Barnes, aguardando revisão]

15 Com teu braço livraste teu povo, os filhos de Jacó e de José. (Selá)

Comentário Barnes

Com teu braço – Ou seja, com força ou poder, o braço sendo um símbolo de força. Êxodo 6:6 ; Êxodo 15:16 ; Salmo 10:15 .

livraste teu povo – Tu os resgataste ou libertaste da escravidão egípcia. Veja as notas em Isaías 43:3 .

os filhos de Jacó e de José – os descendentes de Jacó e José. Jacó é mencionado porque ele foi o ancestral das doze tribos; José, porque ele era conspícuo ou eminente entre os filhos de Jacó, e particularmente porque ele desempenhou uma parte tão importante nos negócios do Egito, de cujo domínio eles foram redimidos. [Barnes, aguardando revisão]

16 As águas te viram, ó Deus; as águas te viram, e tremeram; também os abismos foram abalados.

Comentário Barnes

As águas te viram, ó Deus; as águas te viram – As águas do Mar Vermelho e do Jordão. Há grande sublimidade nesta expressão; em representar as águas como cônscios da presença de Deus e como fugindo consternados de sua presença. Compare com Apocalipse 20:11 ; Habacuque 3:10-11 .

e tremeram – Sobre a palavra usada aqui – חול chûl – veja Salmos 10:5 , nota; Salmo 55:4 , nota. Pode significar aqui tremer ou tremer, como na dor Deuteronômio 2:25 ; Joel 2:6 . – Alarme, angústia, angústia, veio sobre as águas na presença de Deus; e eles tremeram e fugiram.

também os abismos foram abalados – As águas profundas, ou as águas “nas” profundezas. Não foi uma ondulação na superfície; mas as próprias profundezas – as águas geralmente calmas e imperturbadas que ficam abaixo da superfície – ficaram agitadas com a presença divina. [Barnes, aguardando revisão]

17 Grandes nuvens derramaram muitas águas; os céus fizeram barulho; e também tuas flechas correram de um lado ao outro.

Comentário Barnes

Grandes nuvens derramaram muitas águas – Margem, “As nuvens foram derramadas com água.” A tradução no texto é a mais correta. Esta é a descrição de uma tempestade; mas para que tempestade particular na história não aparece. Evidentemente, foi alguma demonstração da grandeza e poder divinos ao libertar os filhos de Israel, e pode ter se referido à extraordinária manifestação de Deus no Monte Sinai, em meio a relâmpagos, trovões e tempestades. Êxodo 19:16 . Para uma descrição geral de uma tempestade, ilustrando esta passagem, veja Jó 36:26-33 , notas; Jó 37:1-5 , notas; e Salmo 29:1-11 .

os céus fizeram barulho – A voz do trovão, que parece vir do céu.

e também tuas flechas – Os relâmpagos – comparadas com flechas em chamas ou inflamadas. Essas flechas eram usadas antigamente na guerra. Eles eram amarrados com trapos e mergulhados em alguma substância combustível – como terebintina – e atirados contra casas, campos de grãos, montes de feno ou cidades, com o propósito de incendiá-los. Não era incomum comparar os relâmpagos rápidos com tais flechas brilhantes.

correram de um lado ao outro – Eles se moveram rapidamente em todas as direções. [Barnes, aguardando revisão]

18 O ruído de teus trovões estava nos ventos; relâmpagos iluminaram ao mundo; a terra se abalou e tremou.

Comentário Barnes

O ruído de teus trovões estava nos ventos – Compare as notas do Salmo 29:1-11 . A palavra traduzida como “céu” aqui – גלגל galgal – significa propriamente “uma roda”, como de uma carruagem, Isaías 5:28 ; Ezequiel 10:2 , Ezequiel 10:6 ; Ezequiel 23:24 ; Ezequiel 26:10 . Então, significa um “redemoinho”, como aquilo que rola ao longo, Ezequiel 10:13 . Em seguida, é usado para denotar palha ou restolho, como conduzido por um redemoinho, Salmo 83:13 ; Isaías 17:13. Nunca é usado para denotar o céu. Significa aqui, sem dúvida, o redemoinho; e a ideia é que no meio da tempestade ou do redemoinho, a voz de Deus foi ouvida – o trovão estridente – como se Deus falasse às pessoas.

relâmpagos iluminaram ao mundo – A terra inteira parecia estar em chamas.

a terra se abalou e tremou – Veja as notas em Salmos 29:1-11. [Barnes, aguardando revisão]

19 Pelo mar foi teu caminho; e tuas veredas por muitas águas; e tuas pegadas não foram conhecidas.

Comentário Barnes

Pelo mar foi teu caminho – Provavelmente o significado literal aqui é que Deus mostrou seu poder e fidelidade no mar (isto é, o Mar Vermelho), ao libertar seu povo; foi lá que seu verdadeiro caráter foi visto, como possuidor de todo-poderoso poder, e como sendo capaz de libertar seu povo. Mas isso parece ter sugerido, também, outra ideia – que os caminhos de Deus, em seus procedimentos providenciais, eram como caminhar no mar, onde nenhuma trilha permanente seria feita, onde as ondas se fechariam no caminho e onde seria impossível, por quaisquer pegadas, determinar o caminho que ele havia seguido. Portanto, com relação a seus atos e planos. Não há nada que o homem possa determinar em relação a eles. Não há rastros pelos quais ele possa seguir os desígnios divinos – como ninguém pode seguir aquele cujo caminho é através das águas sem rastros.

e tuas veredas por muitas águas – A ideia adicional aqui pode ser, que os caminhos ou planos de Deus são vastos – como o oceano. Mesmo em águas rasas, quando alguém passa por elas, o caminho se fecha imediatamente, e o caminho não pode ser traçado; mas as idas de Deus são como as de quem deve se mover através do grande oceano – sobre um mar sem limites – onde ninguém poderia esperar segui-lo.

e tuas pegadas não foram conhecidas – A palavra traduzida como “pegadas” significa propriamente a impressão feita pelo “calcanhar” e a impressão feita pelo pé. A ideia aqui é que não há vestígios em relação a muitos dos procedimentos de Deus, que parecem mais incompreensíveis para nós, e que mais nos preocupam, visto que não podem haver pegadas deixadas nas águas. Não devemos nos aventurar, portanto, a julgar as ações de Deus, ou presumir que podemos entendê-las. [Barnes, aguardando revisão]

20 Guiaste a teu povo como a um rebanho, pela mão de Moisés e de Arão.

Comentário Barnes

Isso satisfez e confortou a mente do salmista. Deus nunca abandonou seu povo. Ele se mostrou fiel ao lidar com eles. Ele agiu como um bom pastor. Em todos os perigos de seu caminho; em sua jornada perigosa pelo deserto; em meio a inimigos, privações e problemas – rochas, areias, tempestades, tempestades – quando cercado por inimigos, e quando seu acampamento estava infestado de serpentes venenosas – Deus se mostrou capaz de proteger seu povo e foi fiel a todas as suas promessas e compromissos de aliança. Olhando para trás, para esse período de sua história, o salmista viu que havia muitos motivos para confiar em Deus e que a mente deveria repousar sobre ele calmamente em meio a tudo o que era escuro e misterioso em seus procedimentos. Em vista do passado, a mente deve estar calma; encorajados pelo passado, por mais incompreensíveis que sejam os feitos de Deus, as pessoas podem vir a ele e confiar todos os seus interesses a ele com a certeza de que sua salvação estará garantida, e que tudo o que parece escuro e misterioso nos tratos de Deus o fará ainda ser esclarecido. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 76 Salmo 78>

Introdução ao Salmo 77

Autoria. Para saber o significado do título deste salmo, consulte as notas no título do Salmo 39. Ele pretende, como os anteriores, ser um salmo de Asafe. Veja as notas no título do Salmo 73.

Ocasião. Nada se sabe, ou pode agora ser determinado, da ocasião em que o salmo foi composto. Não é absolutamente certo se se refere a alguma calamidade pública, e se destina a expressar os sentimentos de um hebreu devoto, como do próprio salmista (Rosenmuller), ou de algum outro judeu (DeWette), em vista de tal calamidade pública; ou se é projetado para representar a “queixa da igreja em vista de sua calamidade e deserção” (Alexander); ou se é a declaração da experiência privada e pessoal do autor do salmo. Para mim, parece que a última é a suposição mais provável, e que, a este respeito, está de acordo com o propósito e propósito do Salmo 73, que é do mesmo autor. É uma declaração interessante do que passou pela mente do autor, e do que pode, portanto, passar pela mente de qualquer pessoa piedosa, no que diz respeito aos procedimentos divinos. O salmo foi evidentemente composto em um tempo de aflição, e os pensamentos que tanto incomodaram o autor, e que ele se esforçou por acalmar, foram os sugeridos pela aflição; pelo fato de que Deus parecia tê-lo abandonado e ele havia se esquecido de ser gracioso.

Conteúdo. O conteúdo do salmo é o seguinte:

I. Uma declaração geral do autor de que ele clamou a Deus e foi ouvido (Salmo 77:1). Isso, embora esteja no início do salmo, é claramente designado para ser uma expressão geral de sua experiência no caso “conforme registrado no salmo”, ou como resultado do conflito pelo qual ele havia passado.

II. Uma declaração de sua aflição e dos exercícios de sua mente em sua aflição (Salmo 77:2-9).

(1) a declaração da aflição (Salmo 77:2).

(2) nessa aflição ele estava com a mente perturbada ou tinha ideias dolorosas a respeito de Deus. Ele não conseguia conciliar seus sofrimentos com os pontos de vista que desejava valorizar a Deus (Salmo 77:3).

(3) suas meditações, e talvez a dor da doença, o mantiveram acordado e ele foi incapaz de descansar. O tempo normal de repouso não forneceu alívio (Salmo 77:4).

(4) ele se lembrou do passado; ele examinou os tratos de Deus com as pessoas em tempos anteriores; ele convocou suas próprias reflexões em tempos passados, e especialmente o tempo em que ele podia louvar a Deus na angústia, relembrando seu “cântico à noite” – mas em vão (Salmo 77:5-6).

(5) o resultado foi que ele teve pensamentos mais dolorosos em relação a Deus, como se ele tivesse esquecido de ser misericordioso, e o tivesse rejeitado para sempre, e não seria mais favorável (Salmo 77:7-9).

III. Sua autocensura; seu retorno a um estado de sentimento adequado; seu propósito de pensar nos tratos de Deus com seu povo, e examiná-los mais de perto (Salmo 77:10-12). Ele viu que o curso de pensamento ao qual se entregou estava errado, e ficou satisfeito que era uma “enfermidade”, que devia ser atribuída a sua própria fraqueza – e que ele deveria ter pontos de vista diferentes de Deus.

IV. O resultado de tudo; as coisas que o confortaram em seus problemas, e que o capacitaram finalmente a colocar sua confiança tranquila em Deus (Salmo 77:13-20).

Ele se refere

(1) ao fato de que Deus é grande, e que ele não poderia esperar ser capaz de compreendê-lo (Salmo 77:13-14).

(2) ao fato de que Deus redimiu seu povo com surpreendentes manifestações de poder, mostrando que ele era fiel e que era capaz de livrar-se das angústias mais profundas (Salmo 77:15-18).

(3) ao fato de que o caminho de Deus era no mar, ou em grandes águas, e que não podemos esperar ser capazes de compreendê-lo (Salmo 77:19).

(4) ao fato de que Deus conduziu seu rebanho nos tempos antigos em meio a situações de perigo e de provação (Salmo 77:20).

Com tudo isso, sua mente foi confortada e sua alma acalmada. Deus ouviu sua oração e deu-lhe paz. [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.