Apocalipse 20

1 E eu vi um anjo descendo do céu, tendo a chave do abismo; e uma grande corrente em sua mão;

Comentário A. R. Fausset

eu vi um anjo descendo do céu. Alguns comentaristas sugeriram que esse anjo fosse o Senhor Jesus, mas não é possível ter certeza. [Fausset, aguardando revisão]

2 E ele deteve ao dragão, e à antiga serpente, que é o diabo e Satanás, e o amarrou por mil anos.

Comentário A. R. Fausset

à antiga serpente (Apocalipse 12:9).

mil anos. Como sete misticamente implica universalidade, assim mil implica perfeição, seja no bem ou no mal (Aquino). Milhares simbolizam que o mundo está perfeitamente impregnado pelo divino: desde mil é dez, o número do mundo, elevado a terceira potência, o número de Deus (Auberlen). Pode denotar literalmente mil anos. [JFU]

3 E o lançou no abismo, e ali o prendeu, e o selou sobre ele; para que não mais enganasse às nações, até que se completem os mil anos; e depois disto é necessário que ele seja solto por um pouco de tempo.

Comentário A. R. Fausset

cale-o – A, B, Vulgate, Syriac e Andreas omitem “ele”.

o selou sobre ele grego “, sobre ele”, isto é, selado a porta do abismo sobre sua cabeça. Um selo mais seguro para impedi-lo de sair do que seu selo sobre Jesus no túmulo de José, que foi estourado na manhã da ressurreição. A ligação de Satanás a essa conjuntura não é arbitrária, mas é a consequência necessária dos eventos (Apocalipse 19:20); assim como Satanás foi expulso do céu, onde ele havia sido anteriormente o acusador dos irmãos, foi o julgamento legítimo que passou sobre ele através da morte, ressurreição e ascensão de Cristo (Apocalipse 12:7-10). Satanás imaginou que ele havia vencido a Cristo no Gólgota, e que seu poder estava seguro para sempre, mas o Senhor na morte o venceu, e por Sua ascensão como nosso advogado justo expulsou Satanás, o acusador do céu. O tempo foi dado na terra para tornar a besta e a prostituta poderosas e depois concentrar todo o seu poder no Anticristo. O reino anticristão, seu último esforço, sendo totalmente destruído pela simples aparição de Cristo, seu poder sobre a terra está chegando ao fim. Ele havia pensado em destruir o povo de Deus na Terra por perseguições anticristãs (exatamente como ele havia pensado anteriormente em destruir Cristo); mas a Igreja não é destruída da terra, mas é levantada para reinar sobre ela, e o próprio Satanás é calado por mil anos no “abismo” (grego para “poço sem fundo”), a prisão preparatória para o “lago de fogo” ”, Seu destino final. Como antes, ele cessou pela ascensão de Cristo de ser um acusador no céu, assim, durante o milênio, ele deixou de ser o sedutor e o perseguidor na terra. Enquanto o diabo domina na escuridão do mundo, vivemos em uma atmosfera impregnada de elementos mortais. Uma poderosa purificação do ar será efetuada pela vinda de Cristo. Embora o pecado não seja absolutamente abolido – pois os homens ainda estarão na carne (Isaías 65:20) – o pecado não será mais um poder universal, pois a carne não é mais seduzida por Satanás. Ele não será, como agora, “o deus e príncipe do mundo” – nem o mundo “jaz no iníquo” – a carne se tornará cada vez mais isolada e superada. Cristo reinará com Seus santos transfigurados sobre os homens na carne (Auberlen). Esta será a manifestação do “mundo vindouro”, que já foi estabelecido invisivelmente nos santos, em meio a “este mundo” (2Coríntios 4:4; Hebreus 2:55:5). Os Rabinos Judeus pensavam que, como o mundo foi criado em seis dias e no sétimo Deus descansou, haveria seis períodos milenares, seguidos por um milênio sabático. Dos sete anos, cada sétimo é o ano da remissão; assim, dos sete mil anos do mundo, o sétimo milênio será o milênio da remissão. Uma tradição na casa de Elias, a.d. 200, afirma que o mundo deve durar seis mil anos; dois mil diante da lei, dois mil sob a lei e dois mil sob o Messias. Compare Note, veja em Hebreus 4:9 e Margem; veja em Apocalipse 14:13. Papias, Justino Mártir, Irineu e Cipriano, entre os primeiros Padres, todos possuíam a doutrina de um reino milenar na terra; até que as visões do milênio se degeneraram em carnalismo grosseiro, essa doutrina foi abandonada.

que ele deveria enganar – assim A. Mas B lê, “que ele engana” (grego, “{plana}”, para “{planeeeee}”).

e – assim copta e Andreas. Mas A, B e Vulgate omitem “e”. [Fausset, aguardando revisão]

4 E eu vi tronos, e se assentaram sobre eles, e foi concedido a eles o julgamento; e eu vi as almas daqueles que tinham sido degolados por causa do testemunho de Jesus, e por causa da palavra de Deus; e que não tinham adorado à besta, nem à imagem dela; e que não receberam a marca dela sobre suas testas, e sobre suas mãos; e eles viveram e reinaram com Cristo por mil anos.

Comentário A. R. Fausset

eles se sentaram – os doze apóstolos e os santos em geral.

e foi concedido a eles o julgamento – (Veja Daniel 7:22). O ofício de julgamento foi dado a eles. Embora, em certo sentido, tenham que estar diante do tribunal de Cristo, ainda assim, em outro sentido, “não entram em juízo (grego), mas já passaram da morte para a vida”.

almas – Este termo é feito para negar a literalidade da primeira ressurreição, como se a ressurreição fosse a espiritual das almas dos crentes nesta vida; a vida e o reinado são os da alma ressuscitada nesta vida da morte do pecado pela fé vivificante. Mas as “almas” expressam seu estado desencarnado (compare Apocalipse 6:9) como João as viu a princípio; “E eles viveram” implica a sua vinda à vida no corpo novamente, de modo a ser visível, como a frase, Apocalipse 20:5, “esta é a primeira ressurreição”, prova; pois tão certo como “o resto dos mortos não viveu (novamente) até”, etc., refere-se à ressurreição geral do corpo, assim deve a primeira ressurreição se referir ao corpo. Isso também está de acordo com 1Coríntios 15:23: “Aqueles que são de Cristo em sua vinda.” Compare Salmo 49:11-15. Deuteronômio Apocalipse 6:9, deduzo que “almas” é aqui usado no sentido estrito de espíritos desencarnados quando vistos pela primeira vez por João; embora, sem dúvida, as “almas” sejam geralmente usadas em geral para pessoas e até mesmo para corpos mortos.

degolados – literalmente, “ferido com um machado”; uma punição romana, embora a crucificação, a expulsão de animais e a queima, fossem os modos mais comuns de execução. A guilhotina na França revolucionária foi um renascimento do modo de punição capital da Roma imperial pagã. Paulo foi decapitado e, sem dúvida, deve compartilhar a primeira ressurreição, de acordo com a sua oração para que ele “possa alcançar a ressurreição do restante dos mortos” (em grego, “{exanastasis}”). Os fatos acima podem explicar a especificação desse tipo específico de punição.

para… para – grego, “por causa de”; na conta de”; “por causa de.”

e que – grego, “e o que”. E proeminente entre esta classe (a decapitada), tal como não adorava a besta. Assim, Apocalipse 1:7, o grego “e o que” ou “e o que”, destaca particularmente entre a classe geral aqueles que se seguem na descrição (Tregelles). A extensão da primeira ressurreição não é falada aqui. Em 1Coríntios 15:23,51; 1Tessalonicenses 4:14 nós achamos que todo “em Cristo” deve compartilhar nele. O próprio João não foi “decapitado”, mas quem duvida que ele participará da primeira ressurreição? Os mártires são colocados em primeiro lugar, porque a maioria gosta de Jesus em seus sofrimentos e morte, portanto, mais próximos a Ele em sua vida e reinado; porque Cristo indiretamente afirma que há graus relativos e lugares de honra em Seu reino, sendo o mais alto para aqueles que bebem sua taça de sofrimento. Em seguida serão aqueles que não se curvaram ao poder do mundo, mas olharam para as coisas invisíveis e eternas.

nem – “ainda não”.

testas … mãos – grego, “testa … mão”.

reinou com Cristo – sobre a terra. [Fausset, aguardando revisão]

5 Mas os outros mortos não reviveram, enquanto não se completassem os mil anos. Esta é a primeira ressurreição.

Comentário A. R. Fausset

Mas – B, copta e Andreas leram: “e”. A e Vulgata omitem isso.

reviveram – A, B, Vulgate, Coptic e Andreas omitem isso. “Viveu” é usado para viver novamente, como em Apocalipse 2:8. João os viu não apenas quando restaurados à vida, mas quando no ato de reviver (Bengel).

primeira ressurreição – “a ressurreição dos justos”. A Terra ainda não está transfigurada e, portanto, não pode ser a localidade de encontro da Igreja transfigurada; mas do céu os santos transfigurados com Cristo governam a terra, havendo uma comunhão muito mais livre das igrejas celestes e terrenas (um tipo de estado que pode ser visto nos quarenta dias do Salvador ressurgido durante o qual Ele apareceu aos Seus discípulos), e eles não conhecem maior alegria do que levar seus irmãos na terra à mesma salvação e glória que eles compartilham. O reinado milenar na terra não repousa sobre uma passagem isolada do Apocalipse, mas toda a profecia do Antigo Testamento segue o mesmo ponto de vista (compare Isaías 4:311:9; 35:8). Jesus, enquanto se opunha às visões carnais do reino de Deus prevalente entre os judeus em Seus dias, não contradiz, mas confirma, a visão do Velho Testamento de um reino de glória judaico, terrestre e vindouro: começando de dentro e se espalhando agora espiritualmente, o reino de Deus se manifestará exteriormente à vinda de Cristo novamente. O papado é uma falsa antecipação do reino durante o período histórico da Igreja. “Quando o cristianismo se tornou um poder mundano sob Constantino, a esperança do futuro foi enfraquecida pela alegria do sucesso atual” (Bengel). Tornando-se uma prostituta, a Igreja deixou de ser uma noiva para encontrar seu Noivo; assim, as esperanças milenárias desapareceram. Os direitos que Roma como prostituta usurpada serão exercidos em santidade pela Noiva. Eles são “reis” porque são “sacerdotes” (Apocalipse 20:61:65:10); Seu sacerdócio para Deus e para Cristo (Apocalipse 7:15) é a base de seu reinado em relação ao homem. Os homens serão sujeitos dispostos dos reis-sacerdotes transfigurados, no dia do poder do Senhor. Seu poder é o da atração, conquistando o coração e não neutralizado pelo diabo ou pelo animal. Igreja e Estado serão então coextensivos. O homem criado para “ter domínio sobre a terra” é regozijar-se com seu mundo com alegria santo e puro. João nos diz que, em vez do diabo, a Igreja transfigurada de Cristo; Daniel, que em vez da besta pagã, o santo Israel, governará o mundo (Auberlen). [Fausset, aguardando revisão]

6 Bendito e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes a segunda morte não tem poder; mas sim, eles serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e com ele reinarão por mil anos.

Comentário A. R. Fausset

Bendito – (compare Apocalipse 14:1319:9).

em tal a segunda morte não tem poder – assim como não tem nenhum em Cristo agora que Ele ressuscitou.

sacerdotes de Deus – A cristandade apóstata sendo destruída, e a Igreja crente traduzida na vinda de Cristo, permanecerá Israel e o mundo pagão, constituindo a maioria dos homens então vivos, os quais, por não terem entrado em contato íntimo com o Evangelho, não incorreu na culpa de rejeitá-lo. Estes serão os temas de uma conversão geral (Apocalipse 11:15). “O véu” será tirado de Israel primeiro, depois de “todo o povo”. Os eventos gloriosos que atendem à aparição de Cristo, a destruição do Anticristo, a transfiguração da Igreja e a ligação de Satanás, prepararão as nações para abraçando o Evangelho. Como a regeneração individual continua agora, então haverá uma “regeneração” das nações então. Israel, como nação, será “nascido de uma só vez – em um dia”. Assim como a Igreja começou na ascensão de Cristo, o reino começará em Seu segundo advento. Esta é a humilhação das nações civilizadas modernas, das nações que mais desprezam, dos judeus e dos bárbaros não civilizados, dos descendentes negros de Ham que, por causa da maldição de Noé, foram tão atrasados, Cush e Sheba, suplantá-los e superá-los como centros de a história do mundo (compare Deuteronômio 32:21; Romanos 10:1911:20, etc.). Os judeus são nossos professores até nos tempos do Novo Testamento. Desde a sua rejeição, a revelação tem sido silenciosa. Toda a Bíblia, mesmo o Novo Testamento, é escrita por judeus. Se a revelação é para recomeçar no reino milenar, o Israel convertido deve estar à frente da humanidade. De um ponto de vista religioso, os judeus e os gentios estão em pé de igualdade tanto quanto os que necessitam de misericórdia; mas no que diz respeito aos instrumentos de Deus para trazer Seu reino à terra, Israel é Seu povo escolhido para executar Seus planos. Os reis-sacerdotes israelitas na terra são o que os reis-sacerdotes transfigurados estão no céu. Haverá uma cadeia abençoada de dar e receber – Deus, Cristo, a Noiva transfigurada, a Igreja, Israel, o mundo das nações. Um novo tempo de revelação começará pelo derramamento da plenitude do Espírito. Ezequiel (do quadragésimo ao quadragésimo oitavo), filho de um sacerdote, expõe o caráter sacerdotal de Israel; Daniel o estadista, seu caráter real; Jeremias (Jeremias 33:17-21), tanto seu caráter sacerdotal como real. No Antigo Testamento, toda a vida nacional judaica era religiosa apenas de maneira legal externa. A Igreja do Novo Testamento insiste na renovação interior, mas deixa suas manifestações externas livres. Mas no reino milenar, todas as esferas da vida serão verdadeiramente cristianizadas de dentro para fora. A lei cerimonial mosaica corresponde ao ofício sacerdotal de Israel; o direito civil ao seu cargo real: a Igreja gentia adota a lei moral e exerce o ofício profético pela palavra que trabalha internamente. Mas quando o ofício real e sacerdotal for revivido, então – os princípios da Epístola aos Hebreus permanecerão os mesmos – também a lei cerimonial e civil de Moisés desenvolverá suas profundezas espirituais no culto divino (compare com Mateus 5:17-19). Atualmente é o tempo da pregação; mas então o tempo da liturgia das almas convertidas formando “a grande congregação” virá. Então nossos atuais governos defeituosos darão lugar a governos perfeitos tanto na Igreja quanto no Estado. Enquanto no Antigo Testamento os judeus exclusivamente, e no Novo Testamento os gentios exclusivamente, desfrutam da revelação da salvação (em ambos os casos a humanidade está dividida e separada), no milênio tanto judeus como gentios estão unidos, e todo o organismo da humanidade sob o irmão primogênito, Israel, anda na luz de Deus, e a plena vida da humanidade é finalmente realizada. As Escrituras não vêem a raça humana como um agregado de indivíduos e nacionalidades, mas como um todo orgânico, estabelecido de uma vez por todas nas primeiras páginas da revelação. (Gênesis 9:25-2710:1,5,18,25,32; Deuteronômio 32:8 reconhece o fato de que desde o princípio a divisão das nações era feito com uma relação a Israel). Daí surge a importância do Antigo Testamento para a Igreja agora como sempre. Três grandes grupos de nações, os Hamites, os Japhetites e os Shemites, correspondem respectivamente aos três elementos fundamentais do homem – corpo, alma e espírito. A flor de Shem, o representante da vida espiritual, é Israel, assim como a flor de Israel é Aquele em quem toda a humanidade é resumida, o segundo Adão (Gênesis 12:1-3). Assim, Israel é o mediador das revelações divinas para todos os tempos. Até mesmo a natureza e o mundo animal compartilharão a bem-aventurança milenar. Quando o pecado perde seu poder, a decadência e a morte diminuirão (Auberlen). Glórias terrenas e celestes estarão unidas na dupla eleição. Eleger Israel em carne permanecerá na cabeça do terreno, a Igreja espiritual eleita, a Noiva, no celestial. Essas duas eleições não são apenas para o bem dos eleitos, mas para o bem daqueles a quem eles ministram. A Igreja celestial é eleita não meramente para salvação, mas para governar em amor e ministrar bênçãos sobre toda a terra, como sacerdotes-rei. A glória dos santos transfigurados será sentida pelos homens na carne com a mesma consciência de bênção que no Monte da Transfiguração os três discípulos experimentaram em testemunhar a glória de Jesus, e de Moisés e Elias, quando Pedro exclamou: “É bom para nós estarmos aqui ”; em 2Pedro 1:16-18, a Transfiguração é considerada como a sincera vinda de Cristo em glória. O privilégio de “nosso alto chamado em Cristo” é limitado ao tempo presente do reinado de Satanás; quando ele estiver preso, não haverá espaço para sofrimento, e então, depois, reinando com Ele (Apocalipse 3:21; compare Nota, ver em 1Coríntios 6:2). Além disso, ninguém pode ser salvo na época presente e na pálida da Igreja Cristã que também não reina com Cristo a partir de agora, a preliminar necessária para a qual está sofrendo agora com Cristo. Se não conseguirmos apoderar-se da coroa, perderemos tudo, “o dom da graça, bem como a recompensa do serviço” (De Burgh). [Fausset, aguardando revisão]

7 E quando se completarem os mil anos, Satanás será solto de sua prisão.

E quando se completarem os mil anos. Veja Apocalipse 20:2.

Satanás será solto de sua prisão. Veja Apocalipse 20:3.

Ou seja, um estado de coisas ocorrerá então como se Satanás devesse ser solto por um tempo novamente, e devesse ter permissão para transitar como antes sobre o mundo. Nenhuma insinuação é dada “por que ou como” ele seria assim libertado de sua prisão. Não devemos, contudo, inferir que seria um mero ato arbitrário por parte de Deus. Tudo o que é necessário supor é que haveria, em certas partes do mundo, um surto temporário de maldade, como se Satanás fosse por um tempo libertado de suas cadeias. [Barnes]

8 E ele sairá para enganar às nações, que estão nos quatro cantos da terra; a Gogue, e a Magogue, para os ajuntar em batalha; dos quais o numero é como a areia do mar.

Comentário A. R. Fausset

Gogue e a Magogue – (Ezequiel 38:1 à 39:29; veja Ezequiel 38:2). Magogue é um nome geral para as nações do norte da posteridade de Japheth, cuja cabeça ideal é Gogue (Gênesis 10:2). A tem apenas um artigo grego para “Gog e Magog”, segundo o qual os dois, ou seja, o príncipe e as pessoas, são marcados como tendo a conexão mais próxima. B lê o segundo artigo antes de Magog erroneamente. Hiller (Onomasticon) explica ambas as palavras como significando “elevado”, “elevado”. Para “quartos”, o grego é “cantos”.

para lutar – grego, “para a guerra”, em A e B. Mas Andreas omite “o”. [Fausset, aguardando revisão]

9 E eles subiram sobre a largura da terra, e cercaram o acampamento dos santos, e a cidade amada; e desceu fogo do céu vindo de Deus; e os consumiu.

Comentário A. R. Fausset

o acampamento dos santos, e a cidade amada – o acampamento dos santos que cercam a cidade amada, Jerusalém (Ecclesiasticus 24:11). Contraste “odioso” na Babilônia (Apocalipse 18:2; Deuteronômio 32:15, Septuaginta). As profecias de Ezequiel a respeito de Gogue e Magogue (Ezequiel 38:1 à 39:29) referem-se ao ataque feito pelo Anticristo a Israel antes do milênio: mas esse ataque é feito depois do milênio, de modo que “Gogue e Magogue” são nomes místicos representando os adversários finais liderados por Satanás em pessoa. O Gog e o Magog de Ezequiel vêm do norte, mas aqueles aqui vêm “dos quatro cantos da terra”. Gogue é por alguns ligado a uma raiz hebraica, “coberto”.

de Deus – assim B, Vulgata, siríaco, copta e Andreas. Mas A omite as palavras. Mesmo durante o milênio há uma separação entre o céu e a terra, a humanidade transfigurada e a humanidade na carne. Por isso, é possível que uma apostasia ocorra no final. No julgamento dessa apostasia, o mundo da natureza é destruído e renovado, assim como o mundo da história estava diante do reino milenar; é só então que o novo céu e a nova terra são realizados na perfeição final. O novo céu e a terra do milênio são apenas um antegosto desse estado perpétuo quando as congregações superiores e inferiores não estarão mais separadas, embora conectadas como no milênio, e quando a nova Jerusalém descerá de Deus do céu. A pecaminosidade herdada de nossa natureza será a única influência durante o milênio para impedir o poder da Igreja transfigurada de salvar todas as almas. Quando este tempo de graça terminar, nenhum outro terá sucesso. Pois o que pode movê-lo em quem a glória visível da Igreja, enquanto a influência do mal é contida, não evoca anseio pela comunhão com o Rei da Igreja? Como a história do mundo das nações termina com a manifestação da Igreja em glória visível, de modo que a humanidade em geral terminará com a grande separação dos justos e dos ímpios (Apocalipse 20:12) (Auberlen). [Fausset, aguardando revisão]

10 E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde estão a besta e o falso profeta; e serão atormentados dia e noite para todo o sempre.

Comentário A. R. Fausset

que enganou grego “, que engana”.

lago de fogo – seu destino final: como “o poço do abismo” (Apocalipse 20:1) era sua prisão temporária.

onde – então copta. Mas A, B, Vulgata e siríaco leem: “onde também”.

a besta e o falso profeta são – (Apocalipse 19:20).

dia e noite – figurativo para sem intervalo (Apocalipse 22:5), interpondo-se entre dia e dia. A mesma frase é usada no estado externo dos abençoados (Apocalipse 4:8). Como uma bem aventurança de ethos, assim deve ser uma aflição de satanás e dos perdidos. Como a besta e o falso profeta lideraram a antiga conspiração contra Cristo e Seu povo, Satanás também encabeçou a última conspiração. Não será permitido a Satanás entrar neste Paraíso recuperado, para mostrar a perfeita segurança dos crentes, ao contrário do primeiro Adão que Satanás conseguiu roubar do Paraíso; e, como Faraó no Mar da Haste, receberá nesta última tentativa sua derrota final.

para sempre e sempre grego “, para as eras dos séculos.” [Fausset, aguardando revisão]

11 E eu vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele; do rosto dele a terra e o céu fugiram, e não foi achado lugar para eles.

Comentário A. R. Fausset

grande – em contraste com os “tronos”, Apocalipse 20:4.

branco – o emblema da pureza e da justiça.

o que estava assentado sobre ele – o Pai (Alford). Pelo contrário, o Filho, a quem “o Pai cometeu todo o julgamento”. Deus em Cristo, isto é, o Pai representado pelo Filho, é Aquele diante do qual todos devemos nos posicionar. O reinado mediador do Filho visa preparar o reino para a aceitação do Pai. Quando Ele fizer isso, Ele entregará ao Pai, “que Deus seja tudo em todos”, entrando em comunhão direta com Suas criaturas, sem intervenção de um Mediador, pela primeira vez desde a queda. Até então, a mediação profética de Cristo havia sido proeminente em Seu ministério terreno, Sua mediação sacerdotal é proeminente agora no céu entre Seu primeiro e segundo advento, e Seu Rei será assim durante o milênio e no julgamento geral.

terra e o céu fugiram – A conflagração final, portanto, precede o julgamento geral. Isto é seguido pelo novo céu e nova terra (Apocalipse 21:1-27). [Fausset, aguardando revisão]

12 E eu vi os mortos, grandes e pequenos, estarem de pé diante de Deus; e os livros foram abertos; e outro livro foi aberto (que é o livro da vida); e os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as obras deles.

Comentário A. R. Fausset

os mortos – “o resto dos mortos” que não compartilharam a primeira ressurreição, e aqueles que morreram durante o milênio.

grandes e pequenos – B tem “o pequeno e o grande”. A, Vulgata, Siríaco e Andreas têm “o grande e o pequeno”. Os ímpios que morreram desde o tempo de Adão até o segundo advento de Cristo, e todos os justos e iníquos que morreram durante e depois do milênio, terão então sua porção eterna designada a eles. Os piedosos que foram transfigurados e reinaram com Cristo durante o mesmo, também estarão presentes, não para ter sua porção designada como se fosse pela primeira vez (pois isso deve ter sido estabelecido muito antes, Jo 5:24), mas para tê-lo confirmada para sempre, e que a justiça de Deus pode ser justificada no caso dos salvos e dos perdidos, na presença de um universo reunido. Compare “Todos nós devemos aparecer”, etc. Romanos 14:10; 2Coríntios 5:10. Os santos, tendo sido primeiramente pronunciados apenas por Cristo, a partir do “livro da vida”, devem sentar-se como assessores do Juiz. Compare Mateus 25:31-32,40, “estes Meus irmãos”. A onisciência de Deus não permitirá que os mais insignificantes escapem despercebidos, e Sua onipotência fará com que os mais poderosos obedeçam às convocações. Os vivos não são especialmente mencionados: como estes todos provavelmente primeiro (antes da destruição do ímpio, Apocalipse 20:9) serão transfigurados e apanhados com os santos há muito transfigurados; e, embora presentes para a confirmação de sua justificativa pelo Juiz, não terão, em primeiro lugar, seu estado eterno designado a eles, mas se sentarão como assessores junto ao Juiz.

os livros foram abertos – (Daniel 7:10). Os livros da lembrança de Deus, tanto dos maus como dos bons (Salmo 56:8; 139:4; Malaquias 3:16): consciência (Romanos 2:15-16), a palavra de Cristo (Jo 12:48), a lei (Gálatas 3:10), o eterno conselho de Deus (Salmo 139:16).

livro da vida – (Apocalipse 3:513:821:2732:32-33; Salmo 69:28; Daniel 12:1; Filipenses 4:3). Além do livro geral registrando as obras de todos, há um livro especial para crentes em que seus nomes são escritos, não para suas obras, mas para a obra de Cristo para, e em, eles. Por isso, é chamado de “o livro da vida do Cordeiro”. A graça eleitoral separou-os da massa geral.

segundo as obras deles – Somos justificados pela fé, mas julgados de acordo com (não por) nossas obras. Pois o juízo geral é primariamente planejado para a vindicação final da justiça de Deus perante o mundo inteiro, que nesta dispensação quadriculada do bem e do mal, embora realmente governe o mundo, tem sido, por enquanto, menos manifesto. A fé é apreciada por Deus e pelo crente somente (Apocalipse 2:17). Mas as obras são apreciadas por todos. Estes, então, são feitos o teste evidencial para decidir o estado eterno dos homens, mostrando assim que a administração de julgamento de Deus é totalmente justa. [Fausset, aguardando revisão]

13 E o mar entregou os mortos que nele havia; e a morte e o Xeol entregaram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as obras deles.

Comentário A. R. Fausset

morte e o Xeol – grego, “Hades”. A identidade essencial do corpo moribundo e ressuscitado é mostrada; porque o mar e a sepultura entregam os seus mortos. O corpo que pecou ou serviu a Deus, em justa retribuição, será também o corpo que sofrerá ou será recompensado. O “mar” pode ter um simbólico [Cluver de Agostinho], além do significado literal, como em Apocalipse 8:812:1213:118:17,19; assim, “morte” e “inferno” são personificações (compare Apocalipse 21:1). Mas o sentido literal dificilmente se afastaria: todas as diferentes regiões em que os corpos e almas dos homens haviam sido, os abandonaram. [Fausset, aguardando revisão]

14 E a morte e o Xeol foram lançados no lago de fogo; esta é a segunda morte: o lago de fogo.

Comentário A. R. Fausset

Dizem que a morte e o inferno, como representantes personificados dos inimigos de Cristo e de Sua Igreja, são lançados no lago de fogo para expressar a verdade de que Cristo e Seu povo nunca mais morrerão, ou estarão no estado de espíritos desencarnados.

esta é a segunda morte – o lago de fogo é adicionado em A, B e Andreas. A versão em inglês, que omite a cláusula, se baseia em manuscritos inferiores. No inferno, a antiga forma de morte, que foi um dos inimigos destruídos por Cristo, não deve continuar, mas uma morte de um tipo muito diferente reina lá, “a destruição eterna da presença do Senhor”: um testemunho permanente da vitória de Cristo. [Fausset, aguardando revisão]

15 E todo aquele que não fosse achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.

Comentário de Albert Barnes

E todo aquele. Todas as pessoas, de todas as classes, idades e condições. Nenhuma palavra poderia ser mais abrangente do que esta. A única condição aqui declarada, como sendo o que salvaria qualquer um de ser lançado no lago de fogo, é que eles sejam “encontrados escritos no livro da vida”. Todos além destes, príncipes, reis, nobres, filósofos, estadistas, conquistadores; homens ricos e homens pobres; o vínculo e o livre; os jovens e os idosos; o frívolo, o vaidoso, o orgulhoso e o sóbrio; os modestos e os humildes serão condenados ao lago de fogo. Ao contrário de todas as outras coisas, eles serão semelhantes na única coisa da qual seu destino eterno dependerá – que eles não viveram de tal maneira que seus nomes tenham sido registrados no livro da vida. Como eles também serão destituídos da verdadeira religião, haverá uma propriedade de que eles compartilharão a mesma condenação no mundo futuro.

foi lançado no lago de fogo. Ou seja, eles estarão condenados a uma punição que será bem representada por permanecerem em um mar de fogo para sempre. Este é o término do julgamento – o encerramento dos assuntos dos homens. A visão de João aqui repousa por um momento na condenação dos ímpios, e então se volta para uma contemplação mais completa da sorte dos justos, conforme detalhado nos dois capítulos finais do livro. [Barnes, aguardando revisão]

<Apocalipse 19 Apocalipse 21>

Visão geral de Apocalipse

Em Apocalipse, “as visões de João revelam que Jesus venceu o mal através da sua morte e ressurreição, e um dia irá regressar como o verdadeiro rei do mundo”. Tenha uma visão geral deste livro através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (12 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (12 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro do Apocalipse.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.