Bíblia

Gênesis 9

A aliança de Deus com Noé

1 E Deus abençoou Noé e seus filhos, e disse-lhes: Frutificai, e multiplicai, e enchei a terra:

E Deus abençoou Noé. Mesmo o crescimento das famílias, que parece depender de meios meramente naturais, e algumas vezes de circunstâncias acidentais, é tudo de Deus. É pelo seu poder e sabedoria que o ser humano é formado, e é apenas pela sua providência que o homem é sustentado e preservado. [Clarke]

Leia também um estudo sobre a providência de Deus.

2 E vosso temor e vosso pavor será sobre todo animal da terra, e sobre toda ave dos céus, em tudo o que se mover na terra, e em todos os peixes do mar: em vossa mão são entregues.

E vosso temor e vosso pavor. A segunda parte da bênção restabelece o domínio do homem sobre os animais; este agora é estabelecido não como no princípio em amor e bondade, mas em terror; esse pavor do homem prevalece entre todos os seres, fracos e fortes, com exceção daqueles empregados em seu serviço. [JFB]

3 Tudo o que se move e vive vos será para mantimento: assim como os legumes e ervas, vos dei disso tudo.

Tudo o que se move e vive vos será para mantimento. A terceira parte da benção refere-se aos meios de sustento; parece que pela primeira vez o homem é autorizado a comer animais, mas a concessão era acompanhada de uma restrição. [JFU]

4 Porém a carne com sua vida, que é seu sangue, não comereis.

A única intenção dessa proibição era evitar os excessos de crueldade canibal ao comer da carne de animais vivos, aos quais os homens nas primeiras eras do mundo eram responsáveis. [JFB]

5 Porque certamente exigirei o sangue de vossas vidas; da mão de todo animal o exigirei, e da mão do ser humano; da mão do homem seu irmão exigirei a vida do ser humano.

Porque certamente exigirei o sangue de vossas vidas. A quarta parte estabelece um novo poder para proteger a vida – a instituição do magistrado civil (Rm 13:4), munido de autoridade pública e oficial para coibir a prática da violência e do crime. Tal poder não existia anteriormente na sociedade patriarcal. [JFB]

6 O que derramar sangue humano, pelo ser humano seu sangue será derramado; porque à imagem de Deus o ser humano foi feito.

É verdade que a imagem foi danificada pela queda, mas não está perdida. Nessa visão, um valor alto está ligado à vida de todo homem, mesmo aos mais pobres e humildes, e uma terrível criminalidade está envolvida na destruição do mesmo. [JFB]

7 Mas vós frutificai, e multiplicai-vos; procriai abundantemente na terra, e multiplicai-vos nela.

Essencialmente a mesma ordem dada a Adão (Gn 1:28).

O arco-íris

8 E falou Deus a Noé e a seus filhos com ele, dizendo:

Não somente o que está contido nos versículos anteriores, mas também nos seguintes.

9 Eis que eu mesmo estabeleço meu pacto convosco, e com vossa descendência depois de vós;

eu mesmo estabeleço meu pacto (ou “uma aliança”). Para garantir que o mundo nunca mais será destruído por uma inundação.

e com vossa descendência. Os filhos que ainda não nasceram são incluídos na aliança de Deus com seus pais. [Genebra]

10 E com toda alma vivente que está convosco, de aves, de animais, e de toda fera da terra que está convosco; desde todos os que saíram da arca até todo animal da terra.

E com toda alma vivente que está convosco. O original hebraico para “alma vivente” é nefhesh, compare com Gn 1:20. A aliança de Deus com as criaturas, assim como com a humanidade, sugere o pensamento da interdependência entre o mundo animal e a raça humana. A bondade e a benevolência para com o homem implica uma bênção correspondente sobre o mundo animal. O amor é onipresente. [Cambridge]

11 Estabelecerei meu pacto convosco, e não será mais exterminada toda carne com águas de dilúvio; nem haverá mais dilúvio para destruir a terra.

nem haverá mais dilúvio para destruir a terra. A promessa aqui feita, de que nunca mais haveria dilúvio, é apelada pelo profeta em Is 54:9-10: “Para mim isso é como os dias de Noé, quando jurei que as águas de Noé nunca mais tornariam a cobrir a terra. De modo que agora jurei não ficar irado contra você, nem tornar a repreendê-la. Embora os montes sejam sacudidos e as colinas sejam removidas, ainda assim a minha fidelidade para com você não será abalada, nem a minha aliança de paz será removida”, diz o Senhor, que tem compaixão de você.” (NVI). [Cambridge]

12 E disse Deus: Este será o sinal do pacto que estabeleço entre mim e vós e toda alma vivente que está convosco, por tempos perpétuos:

A palavra sinal, no original hebraico ‘ôth é a mesma que em Gn 4:15, onde “o Senhor designou um sinal para Caim”. O “sinal” é um símbolo exterior e visível da relação de aliança. A sua exterioridade serve para lembrar o homem, cuja adesão espiritual se tornará fraca sem algo visível como penhor do vínculo interior e espiritual. [Cambridge]

13 Meu arco porei nas nuvens, o qual será por sinal de aliança entre mim e a terra.

Meu arco porei nas nuvens. A linguagem permite duas interpretações:

(1) “Pela primeira vez, eu estabeleço o arco-íris no céu, para que a humanidade possa ter um sinal da aliança entre nós”.

(2) “Eu nomeei meu arco, o qual tu e a humanidade muitas vezes viram nos céus, para que daqui em diante seja um sinal da aliança entre nós.”

A primeira opção parece preferível. A lenda hebraica explica assim a origem do arco-íris. É claro que deve ter sido visível a partir do primeiro, dependendo da refração da luz das partículas de água. As palavras meu arco significam que o arco era um objeto familiar ou que era um presente de Deus. A entrega de um “sinal” não é necessariamente equivalente à criação de uma característica na natureza (compare com Gn 4:15). No entanto, a simplicidade da linguagem favorece a interpretação mais literal; e a promessa em Gênesis 9:14-15 sugere que o arco-íris era um fenômeno novo. [Cambridge]

14 E será que quando fizer vir nuvens sobre a terra, se deixará ver então meu arco nas nuvens.

A promessa não é que o arco será visto sempre que Deus envia nuvens sobre a terra, mas que, sempre que Ele enviar nuvens e Seu arco for visível, então Ele se lembrará da aliança. [Cambridge]

15 E me lembrarei do meu pacto, que há entre mim e vós e toda alma vivente de toda carne; e não serão mais as águas por dilúvio para destruir toda carne.

E me lembrarei do meu pacto. Compare com Gn 8:1. Um antropomorfismo introduzido para lembrar ao homem que Deus é sempre fiel aos seus compromissos de aliança (Calvino). “É dito que Deus se lembra, porque Ele nos faz conhecer e lembrar” (Crisóstomo). [Pulpit]

16 E estará o arco nas nuvens, e o verei para me lembrar do pacto perpétuo entre Deus e toda alma vivente, com toda carne que há sobre a terra.

pacto perpétuo. Essa expressão ocorre treze vezes no Antigo Testamento e uma vez no Novo, totalizando catorze (Gn 17:13,19; Lv 24:8; 2Sm 23:5; 1Cr 16:17; Sl 105:10; Is 24:5; 55:3; 61:8; Jr 32:40; Ez 37:26; Hb 13:20).

17 Disse, pois, Deus a Noé: Este será o sinal do pacto que estabeleci entre mim e toda carne que está sobre a terra.

Deus parece aqui dirigir a atenção de Noé para um arco-íris realmente existente no céu, e apresentar ao patriarca a certeza da promessa, com toda a impressividade da realidade. [Barnes]

Os filhos de Noé

18 E os filhos de Noé que saíram da arca foram Sem, Cam e Jafé: e Cam é o pai de Canaã.

e Cam é o pai de Canaã. A única razão concebível pela qual o quarto filho de Cam é mencionado aqui de maneira tão particular era mostrar aos hebreus, para cuja instrução, em primeira instância, esta história foi escrita, que a raça que estava de posse da terra em que eles estavam prestes a entrar como sua herança prometida, haviam sido amaldiçoados desde os dias de seu pai. [JFU]

19 Estes três são os filhos de Noé; e deles foi cheia toda a terra.

Estes três são os filhos de Noé. É aqui expressamente afirmado que toda a população do mundo, em todas as épocas posteriores, irradiava de um centro, oriunda de uma família, cujos membros eram os únicos sobreviventes do Dilúvio. [JFU]

20 E começou Noé a lavrar a terra, e plantou uma vinha;

Não está implícito nesta fraseologia que ele foi o primeiro cultivador do solo; porque Caim tinha se envolvido em atividades agrícolas muito antes dele (Gn 4:2). Além disso, o fato dele ser um lavrador do solo não é declarado na forma de uma proposição distinta e independente, mas é mencionado meramente como introdutório ao que se segue, que ele plantou uma vinha. [JFU]

21 E bebeu do vinho, e se embriagou, e estava descoberto dentro de sua tenda.

e se embriagou. Aqui está o primeiro registro de embriaguez, e suas terríveis consequências. É provável que neste caso tenha sido um pecado na ignorância, pois o caráter de Noé como um homem “justo”, que “andou com Deus”, parece justificar esta suposição. [Whedon]

22 E Cam, pai de Canaã, viu a nudez de seu pai, e disse-o aos seus dois irmãos do lado de fora.

pai de Canaã. De quem vieram os cananeus, aquela povo mau, que também foi amaldiçoado por Deus.

disse-o aos seus dois irmãos. Em escárnio e desprezo pelo seu pai. [Genebra]

23 Então Sem e Jafé tomaram uma capa, e a puseram sobre seus próprios ombros, e andando para trás, cobriram a nudez de seu pai tendo seus rostos virados, e assim não viram a nudez de seu pai.

uma capa. Uma grande vestimenta externa que também era usada como uma proteção à noite, como se vê em Ex 22:26; Dt 24:13. A conduta de Sem e Jafé, em sua consideração pela honra do pai, é contrastada com a leviandade e falta de delicadeza demonstrada pelo irmão. [Cambridge]

24 E despertou Noé de seu vinho, e soube o que havia feito com ele seu filho o mais jovem;

e soube o que havia feito com ele seu filho o mais jovem. Escritores judeus tomam essa expressão como neto; o Dr. Patrick tende a esse ponto de vista, com base no fato de que não parece pertinente ao desenvolvimento da narrativa mencionar a ordem de nascimento, mas é muito apropriado se Canaã for apontada para distingui-lo do resto. Estudiosos modernos, em sua maior parte, consideram o termo aplicado a Cam, cuja posição na família de seu pai, no entanto, não é facilmente definida. [JFU]

25 E disse: Maldito seja Canaã; Servo de servos será a seus irmãos.

Maldito seja Canaã. Esta desgraça se cumpriu na destruição dos cananeus e na humilhação do Egito, descendentes de Cam.

26 Disse mais: Bendito o SENHOR o Deus de Sem, E seja-lhe Canaã servo.

Bendito o SENHOR o Deus de Sem. Uma insinuação de que os descendentes de Sem deveriam ser particularmente honrados no serviço do verdadeiro Deus, Sua Igreja sendo por séculos estabelecida entre eles (os judeus), e deles com respeito à carne que Cristo veio. Eles se apossaram de Canaã, o povo daquela terra sendo feito seus “servos” por conquista, ou, como os gibeonitas, por submissão (Js 9:25). [JFB]

27 Engrandeça Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem, e seja-lhe Canaã servo.

habite nas tendas de Sem. Estas palavras podem significar que Deus ou Jafé habitariam nas tendas de Sem. Em ambos os sentidos a profecia foi literalmente cumprida. [Torrey]

28 E viveu Noé depois do dilúvio trezentos e cinquenta anos.

E viveu Noé depois do dilúvio. A narrativa até este versículo pode ter sido composta durante a vida de Noé, e com toda a probabilidade os detalhes do dilúvio, a aliança, e essas predições maravilhosas, detalhadas como são, foram escritas por Noé ou por Sem, não na forma conhecida, pois o hebraico ainda não existia, mas em uma língua mais primitiva, da qual foram depois traduzidas por algum dos seus descendentes, provavelmente antes da época de Moisés. [Whedon]

29 E foram todos os dias de Noé novecentos e cinquenta anos; e morreu.

Aqui há uma omissão daquela sentença utilizada em todas as gerações precedentes, e ele gerou filhos e filhas; o que implica que Noé não teve mais do que estes três filhos (Gn 9:19). [Poole]

<Gênesis 8 Gênesis 10>

Introdução à Gênesis 9

Gênesis 9 contém relato do início do novo mundo, depois da destruição do velho pelo Dilúvio; de modo que aqui recomeça, por assim dizer, a história da humanidade, em geral, e da Igreja de Deus, em particular. O conteúdo deste capítulo nos interessa muito, não só porque nos diz respeito a bondade de Deus, em forma de providência para com o mundo em geral, mas também porque nele temos os contornos da misericórdia divina, no caminho da graça, confirmada de novo pelos compromissos de aliança, com Noé e seus descendentes, até as últimas gerações.

Leia também uma introdução ao livro do Gênesis.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible e Poor Man’s Commentary. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.