Salmo 105

1 Agradecei ao SENHOR, chamai o seu nome; anunciai suas obras entre os povos.

Comentário Barnes

Agradecei ao SENHOR – O objetivo aqui é mostrar que agradecimento deve ser dado ao Senhor em vista de seu trato com seu povo, conforme declarado nas partes subsequentes do salmo.

chamai o seu nome – Mais literalmente, “Chame-o pelo nome;” isto é, dirija-se a ele por seu título apropriado; atribua a ele os atributos que pertencem a ele propriamente; ou, dirija-se a ele de maneira adequada.

anunciai suas obras entre os povos – O que ele fez em tempos anteriores. A alusão é aos atos dele em favor de seu povo ao libertá-los da escravidão egípcia e trazê-los para a terra prometida. A palavra “povo” aqui se refere ao povo hebreu; e a exortação é que o conhecimento dessas ações seja difundido e mantido entre eles. Uma das maneiras de fazer isso foi a proposta pelo salmista, a saber, por um salmo de louvor – registrando e celebrando esses atos em suas devoções. Uma das maneiras mais eficazes de manter o conhecimento do que Deus fez em nosso mundo é por meio de cânticos de louvor nas assembléias de adoração. [Barnes, aguardando revisão]

2 Cantai a ele, tocai músicas para ele; falai de todas as suas maravilhas.

Comentário Barnes

Cantai a ele – Cante antes dele; elogie-o.

tocai músicas para ele – A palavra aqui traduzida “cantar salmos” significa propriamente “podar” e, em seguida, “cortar”, como um discurso em períodos regulares; ou, para proferir em números rítmicos; e então significa acompanhar tais palavras com um instrumento musical. A ideia aqui é que ele deve ser abordado, não apenas com um “canto”, mas com sentimentos expressos na forma de composição regular – em números musicais.

falai – a palavra usada aqui muito comumente significa meditar, meditar (compare as notas do Salmo 1:2 ), mas aqui parece ser empregada no sentido de “falar”, a saber, cantar. Ou seja, nos salmos usados ​​deixe haver uma “narrativa” do que Deus fez. Que suas obras sejam o assunto das palavras usadas no salmo.

de todas as suas maravilhas – Do que ele fez que é adequado para despertar admiração e admiração. Compare o Salmo 77:12. [Barnes, aguardando revisão]

3 Tende orgulho de seu santo nome; alegre-se o coração dos que buscam ao SENHOR.

Comentário Barnes

Tende orgulho de seu santo nome – A palavra original traduzida como “glória” é a mesma palavra comumente usada para denotar “louvor”, e tem esse significado aqui. A ideia é:em seus louvores, deixe o assunto principal ser o nome de Deus – aquele santo nome pelo qual ele escolhe ser conhecido. O hebraico é “o nome de sua santidade”. Isso implica (a) que devemos nos alegrar em Deus – em seu próprio nome – naquilo pelo qual ele escolhe se dar a conhecer; (b) que é um assunto especial de louvor e alegria que seu nome seja “santo”; isto é, que ele é um Ser santo.

Isso pode ser motivo de verdadeiro regozijo apenas para aqueles que são santos; mas considerado apropriadamente, uma das razões mais importantes para se regozijar em Deus é o fato de que ele é santo; que ele não pode olhar para o pecado, mas com aversão. Não haveria base para confiança em Deus se não fosse assim.

alegre-se o coração dos que buscam ao SENHOR – Que desejam conhecê-lo; que vêm para elogiá-lo. Que seus corações se alegrem – ou que sejam felizes: (a) porque eles têm “permissão” para procurá-lo; (b) porque estão inclinados a procurá-lo; (c) porque eles têm um Deus para vir – Um tão poderoso, tão santo, tão bom, tão gracioso. [Barnes, aguardando revisão]

4 Buscai ao SENHOR e à sua força; buscai a presença dele continuamente.

Comentário Barnes

Buscai ao SENHOR e à sua força – busque a força dele; procure que a força dele possa ser comunicada a você; busque-o como um Ser de poder onipotente; como Aquele por quem você pode ser fortalecido. A Septuaginta e a Vulgata traduzem assim:”Busque ao Senhor e ‘seja fortalecido’.” A força vem de Deus, e é somente por sua força que podemos ser fortes; somente fazendo uso de sua onipotência em nosso próprio comportamento é que podemos cumprir os deveres e suportar as provações desta vida. Compare as notas em Isaías 40:29-31 .

buscai a presença dele continuamente – Seu favor. Seu sorriso para nós, seu levantamento da luz de seu semblante, é sinônimo de seu favor. Veja Salmo 24:6 ; Salmo 27:8 . Compare as notas do Salmo 4:6. [Barnes, aguardando revisão]

5 Lembrai-vos de suas maravilhas, que ele fez; de seus milagres, e dos juízos de sua boca.

Comentário Barnes

Lembrai-vos de suas maravilhas, que ele fez – As obras adequadas para suscitar admiração. Chame-os à lembrança em seu salmo; busquem a ajuda da música e do canto para gravar a memória deles profundamente em seus corações.

de seus milagres. Veja Salmo 78:43 , nota; Isaías 8:18 , nota.

e dos juízos de sua boca – Isto é, propriamente, os julgamentos que ele pronunciou sobre seus inimigos, e que foram seguidos por sua derrubada. A palavra não se refere aqui, como costuma acontecer, aos seus estatutos ou comandos. [Barnes, aguardando revisão]

6 Vós, que sois da semente de seu servo Abraão; vós, filhos de Jacó, seus escolhidos.

Comentário Barnes

Todos vós que sois descendentes de Abraão e Jacó; o primeiro sendo particularmente mencionado aqui porque ele foi o grande ancestral do povo hebreu; o último, porque os eventos mencionados estavam intimamente relacionados com a história de Jacó – com sua descida ao Egito e com a divisão das tribos com os nomes de seus filhos. A palavra traduzida como “seus escolhidos” parece, em nossa versão, referir-se a Jacó. No original, entretanto, está no número plural e deve concordar com a palavra traduzida por “filhos”, “Vós escolhidos filhos de Jacó” (compare Salmo 105:43 ). Portanto, foi traduzido em 1 Crônicas 16:13 :”Vós, filhos de Jacó, seus escolhidos”. [Barnes, aguardando revisão]

7 Ele é o SENHOR, nosso Deus; seus juízos estão em toda a terra.

Comentário Barnes

Ele é o SENHOR, nosso Deus – Seu nome é Yahweh – o verdadeiro Deus; e este Deus é nosso. Veja as notas no Salmo 95:7 .

seus juízos estão em toda a terra – Mais propriamente “em toda a terra”; isto é, em todas as partes da terra ele é honrado como nosso Deus. Suas instituições são estabelecidas aqui; suas leis são obedecidas aqui; sua adoração é celebrada aqui. Nenhum outro Deus é adorado aqui; em todos os lugares ele é reconhecido como o Deus da nação. [Barnes, aguardando revisão]

8 Ele se lembra para sempre de seu pacto, da palavra que ele mandou até mil gerações;

Comentário de A. R. Fausset

A aliança foi frequentemente ratificada.

palavra – respondendo ao “pacto” [Salmo 105:9] na sentença paralela, ou seja, a palavra da promessa, que, de acordo com o Salmo 105:10, Ele estabeleceu para uma lei inviolável.

mandou – ou “ordenado” (Salmo 68:28).

até mil gerações – perpetuamente. Uma alusão verbal a Dt 7: 9 (compare Êx 20: 6). [JFB, aguardando revisão]

9 O qual ele firmou com Abraão, e de seu juramento a Isaque.

Comentário Barnes

O qual ele firmou com Abraão – a qual ele “ratificou” com Abraão. Literalmente, “que ele cortou com Abraão”. Gênesis 17:2-14 . Compare as notas do Salmo 50:5 .

e de seu juramento a Isaque – Confirmando a promessa feita a Abraão. Veja Gênesis 26:2-5. [Barnes, aguardando revisão]

10 O qual também confirmou a Jacó como estatuto, a Israel como pacto eterno.

Comentário de A. R. Fausset

Aludindo a promessa de Deus a Jacó (Gênesis 28:13). De todo o armazém das promessas de Deus, apenas uma é proeminentemente apresentada, a saber, aquela concernente à posse de Canaã [Sl 105: 11]. Tudo gira em torno disso. As maravilhas e julgamentos têm tudo para o seu desígnio final o cumprimento desta promessa. [JFB, aguardando revisão]

11 Dizendo:A ti darei a terra de Canaã, a porção de vossa herança.

Comentário Barnes

Dizendo:A ti darei a terra de Canaã – Gênesis 13:14-15 .

a porção de vossa herançaa – Ou, esse será o quinhão de sua herança; ou, o que você deve herdar. A margem é “o cordão”. A palavra hebraica – חבל chebel – significa propriamente uma corda, uma corda; e então, uma linha de medição. Conseqüentemente, significa uma porção “medida” e atribuída a qualquer um como terra, Josué 17:14 ; Josué 19:9 . Compare o Salmo 16:6 . O significado é que a terra de Canaã foi dada por promessa aos patriarcas como seu quinhão ou porção da terra; como aquilo que eles e seus descendentes deveriam possuir como seus. [Barnes, aguardando revisão]

12 Sendo eles poucos em número; eram poucos, e estrangeiros nela.

Comentário de A. R. Fausset

em número – aludindo às palavras de Jacó (Gênesis 34:30), “eu sendo poucos em número.”

eram poucos – literalmente, “como poucos”, isto é, como a própria pequenez (compare Isa 1:9).

estrangeiros – peregrinos na terra de sua futura herança, como em um país estranho (Hb 11: 9). [JFB, aguardando revisão]

13 E andaram de nação em nação, de um reino a outro povo.

Comentário de A. R. Fausset

de nação em nação – e assim de perigo para perigo; agora no Egito, agora no deserto, e finalmente em Canaã. Embora alguns estranhos, vagando entre várias nações, Deus os protegeu. [JFB, aguardando revisão]

14 Ele não permitiu a ninguém que os oprimisse; e por causa deles repreendeu a reis,

Comentário Barnes

Ele não permitiu a ninguém que os oprimisse – Ele os protegeu enquanto vagavam de um lugar para outro e quando eram expostos aos perigos. Veja a história de Abraão, Isaque e Jacó, em suas andanças, conforme registrada no livro de Gênesis.

e por causa deles repreendeu a reis – Para que pudesse protegê-los; para que ele pudesse protegê-los do perigo e do pecado. Veja o caso de Faraó no tempo de Abraão, Gênesis 12:17-20 , e o caso de Abimeleque, Gênesis 20:3 , Gênesis 20:6. [Barnes, aguardando revisão]

15 Dizendo :Não toqueis nos meus ungidos, e não façais mal a meus profetas.

Comentário de A. R. Fausset

Não toqueis nos – referindo-se a Gênesis 26:11, onde Abimeleque diz de Isaque:“Aquele que tocar neste homem ou sua esposa certamente será morto”.

meus ungidos – especialmente consagrado a Mim (Sl 2: 2). O patriarca era o profeta, sacerdote e rei de sua família.

meus profetas – em um sentido similar, compare Gênesis 20: 7. Os “ungidos” são aqueles vasos de Deus, consagrados ao Seu serviço, “em quem (como o Faraó disse de José, Gênesis 41:38) o Espírito de Deus é” [Hengstenberg]. [JFB, aguardando revisão]

16 E chamou a fome sobre a terra; ele interrompeu toda fonte de alimento;

Comentário de A. R. Fausset

E chamou a fome – como se fosse um servo, pronto para vir às ordens de Deus. Compare as palavras do centurião com a doença como servo de Deus (Mt 8: 8, Mt 8: 9).

sobre a terra – ou seja, Canaã (Gênesis 41:54).

fonte de alimento – o que sustenta a vida (Lv 26:26; Salmo 104:15; Is 3: 1). [JFB, aguardando revisão]

17 Enviou um homem adiante deles:José, que foi vendido como escravo.

Comentário Barnes

Enviou um homem adiante deles – isto é, Ele ordenou por sua providência que um homem – José – fosse enviado antes da família de Jacó ao Egito, para que ele pudesse tomar providências para sua recepção e preservação. A questão toda foi como Deus o enviou, ou ordenou que ele fosse. E, no entanto, foi ocasionado como resultado de uma série de atos do caráter mais perverso; pela inveja e o ódio de seus irmãos; por sua culpa e dureza de coração em propor primeiro matá-lo, e depois em seus arranjos para vendê-lo à escravidão desesperada; pelo plano deles de livrar-se dele para que seu pai nunca mais ouvisse falar dele, e que eles não tivessem mais problemas com ele. Deus não causou esses atos. Ele não os comandou; ele não os aprovou. E ainda, uma vez que eles ocorreram, e visto que os irmãos de José eram tão perversos, Deus fez uso dessas coisas para realizar seus próprios propósitos benevolentes e para realizar seus grandes desígnios. Portanto, ele sempre usa as paixões das pessoas iníquas para executar seus planos (compare as notas em Is 10:5-7; veja também Salmos 76:10; e Gn 50:20); e assim ele fará até o fim dos tempos. As pessoas são livres em sua maldade; mas Deus é igualmente livre para frustrar seus esquemas e anular seus desígnios para a realização de seus próprios propósitos.

José, que foi vendido como escravo – Gn 37:28, Gn 37:36; Gn 39:1. [Barnes, aguardando revisão]

18 Amarraram seus pés em correntes; ele foi preso com ferros;

Comentário Barnes

Amarraram seus pés em correntes – Em Gênesis 40:3 ; diz-se de José que ele foi “preso” na prisão. Não é improvável que seus “pés” estivessem amarrados, pois esta é a forma usual de confinar prisioneiros.

ele foi preso com ferros – Na prisão. A margem é:”sua alma se transformou em ferro”. A versão no Livro de Orações da Igreja Episcopal é, o ferro entrou em sua alma. Esta é uma tradução mais notável e bela, embora se possa duvidar se o hebraico a permitirá. DeWette traduz:”Em ferro estava seu corpo”. [Barnes, aguardando revisão]

19 Até o tempo que sua mensagem chegou, a palavra do SENHOR provou o valor que ele tinha.

Comentário de A. R. Fausset

sua mensagem chegou – Sua profecia (Gênesis 41: 11-20) para os oficiais veio a acontecer, ou foi cumprida (Jz 13:12, Jz 13:17, 1Sm 9: 6, explicar a forma de discurso).

a palavra do SENHOR – ou “dizer” ou “decreto do Senhor”.

provou – ou, “provou-o”, pelas aflições que ele designou para suportar antes de sua elevação (compare Gênesis 41: 40-43). [JFB, aguardando revisão]

20 O rei mandou que ele fosse solto; o governante de povos o libertou.

Comentário Barnes

O rei mandou que ele fosse solto – O libertou da prisão. Gênesis 41:14 . O objetivo era que ele pudesse interpretar os sonhos do Faraó.

o governante de povos o libertou – hebraico, “povos”, no plural – referindo-se ao fato de que havia “muitas” pessoas na terra, ou que o Faraó governava sobre as nações tributárias, bem como sobre o Egípcios. [Barnes, aguardando revisão]

21 Ele o pôs como senhor de sua casa, e por chefe de todos os seus bens,

Comentário Barnes

Ele o pôs como senhor de sua casa – Gênesis 41:40 . Isso implicava que a administração dos assuntos da nação estava virtualmente confiada a ele.

e por chefe de todos os seus bens – Margem, como em hebraico, “possessão”. De tudo que ele tinha. Ele colocou tudo à sua disposição nos assuntos de seu reino. [Barnes, aguardando revisão]

22 Para dar ordens a suas autoridades, e instruir a seus anciãos.

Comentário de A. R. Fausset

dar ordens –  mas exercer sobre eles controle absoluto, como mostra o paralelo na segunda cláusula; também Gênesis 41:40, Gênesis 41:44, no qual não se fala de cunhagem literal, mas obediência comandante. Refere-se ao Salmo 105:18. A alma que uma vez foi amarrada agora se liga a outros, até príncipes. A mesma ligação moral é atribuída aos santos (Sl 149: 8).

instruir a seus anciãos – a base de sua exaltação por Faraó era sua sabedoria (Gênesis 41:39); ou seja, na política do Estado e ordenando bem um reino. [JFB, aguardando revisão]

23 Então Israel entrou no Egito; Jacó peregrinou na terra de Cam.

Comentário de A. R. Fausset

Jacó – isto é, o próprio Jacó se destina, como o Salmo 105:24 fala de “seu povo”. Ainda assim, ele veio com toda a sua casa (Gênesis 46: 6, Gênesis 46: 7).
peregrinou – (Gênesis 47: 4).

terra de Cam – ou, Egito (Sl 78:51). [JFB, aguardando revisão]

24 E fez seu povo crescer muito, e o fez mais poderoso que seus adversários.

Comentário Whedon

e o fez mais poderoso que seus adversários – Veja Exodo 1:7-9, onde se diz que eles são “mais e mais poderosos” do que os egípcios; isto é, do que egípcios nativos; provavelmente, não mais do que a população total sob o governo. A defesa da nação estava com os cidadãos nativos. Não apenas seu número, mas a força superior dos hebreus alarmava os egípcios. Na época do êxodo, calcula-se que os hebreus somavam cerca de dois milhões e meio e, até a data de Êxodo 1:8, eles tinham poder político. deste ao Salmo 105:38 os eventos que levaram ao êxodo são ensaiados. [Whedon, aguardando revisão]

25 E mudou o coração dos outros, para que odiassem ao seu povo, para que tratassem mal a seus servos.

Comentário Barnes

E mudou o coração dos outros, para que odiassem ao seu povo – Deus transformou seu coração. Isto é, Ele ordenou as coisas que se tornaram inimigos de seu povo e tornou necessário que fossem removidos para outra terra. Não é dito que Deus fez isso por seu “poder” direto; ou que ele os “compeliu” a odiar seu povo; ou que ele de alguma forma interferiu com sua “vontade”; ou que ele considerou isso “como um bem” em si mesmo; ou que ele “aprovou” isso:mas isso é dito de acordo com as representações usuais na Bíblia, onde se fala de Deus como tendo todas as coisas sob seu controle, e onde é constantemente afirmado que nada acontece sem o seu próprio agência e governo no assunto. Nada – nem mesmo a vontade humana – livre como é – é independente de Deus; e nem mesmo as piores paixões dos homens estão “fora de seus planos” ou independentes de tal forma que ele não oferece a oportunidade para seu desenvolvimento e expressão. Compare as notas emIsaías 6:10 ; Isaías 10:5-7 , Isaías 10:15 .

para que tratassem mal a seus servos – de maneira fraudulenta ou enganosa. Veja Êxodo 1:10. [Barnes, aguardando revisão]

26 Então enviou seu servo Moisés, e a Arão, a quem tinha escolhido;

Comentário Barnes

Então enviou seu servo Moisés – Ele enviou Moisés para ser seu servo na libertação de seu povo; isto é, para realizar o trabalho que ele havia designado deveria ser feito.

e a Arão, a quem tinha escolhido – a quem ele havia escolhido para realizar um trabalho importante em libertar seu povo da escravidão. [Barnes, aguardando revisão]

27 Que fizeram entre eles os sinais anunciados, e coisas sobrenaturais na terra de Cam.

Comentário Barnes

Que fizeram entre eles os sinais anunciados – literalmente, “Eles colocaram entre eles as palavras de seus sinais.” Então, a margem. A referência é aos milagres realizados no Egito ao trazer calamidades sobre os egípcios para induzi-los a permitir que os filhos de Israel saíssem de sua escravidão. Eles foram os agentes em apresentar essas maravilhas aos egípcios. O termo palavras é empregado aqui – “as palavras de seus sinais” – para manter a idéia de que foi por ordem de Deus que isso foi feito, ou por sua palavra. Não foi por nenhum poder próprio, mas apenas pela autoridade de Deus.

e coisas sobrenaturais na terra de Cam – Milagres. Coisas adequadas para causar espanto. Veja Salmo 105:5. [Barnes, aguardando revisão]

28 Ele mandou trevas, e fez escurecer; e não foram rebeldes a sua palavra.

Comentário de A. R. Fausset

A nona praga torna-se proeminente como peculiarmente maravilhosa.

não foram rebeldes – Moisés e Arão prontamente obedeceram a Deus (Hb 11:27); (compare Êx 7: 1-11:10 e Salmo 78:44-51, com o qual este resumo concorda substancialmente). Ou melhor, a “escuridão” aqui é figurativa (Jr 13:16), a praga literal das trevas (Êx 10:22, Êx 10:23) sendo apenas mencionada como o símbolo da ira de Deus que recaiu sobre o Egito. uma nuvem escura durante todas as pragas. Por isso, é colocado primeiro, fora da ordem histórica. Assim, “eles não se rebelaram (isto é, não mais) contra a Sua palavra”, refere-se aos egípcios. Sempre que Deus enviava uma praga sobre eles, eles estavam prontos para deixar Israel ir, embora se recusassem quando a praga cessasse.

sua palavra – Sua ordem para deixar Israel ir [Hengstenberg]. Das dez pragas, apenas oito são mencionadas, a quinta, a dos animais, e a sexta, os furúnculos, sendo omitidos. [JFB, aguardando revisão]

29 Ele transformou suas águas em sangue, e matou a seus peixes.

Comentário Cambridge

Depois de mencionar a praga crucial das trevas, o salmista se refere brevemente às outras pragas, omitindo, entretanto, a quinta e a sexta, e invertendo a ordem da terceira e da quarta.

Ele transformou suas águas em sangue. A primeira praga, Êxodo 7:14 e segs., Êxodo 7:21. [Cambridge, aguardando revisão]

30 A terra deles produziu rãs em abundância, até nos quartos de seus reis.

Comentário do Púlpito

A terra deles produziu rãs em abundância (Êxodo 8:6). até nos quartos de seus reis (ver Êxodo 8:3; e Êxodo 8:8). [Pulpit, aguardando revisão]

31 Ele falou, e vieram vários bichos e piolhos em todos os seus limites.

Comentário do Púlpito

Ele falou, e vieram vários bichos. O ‘arob agora é geralmente considerado a mosca do cão (κυνόμυια, LXX.) Ou algum tipo de besouro (veja o comentário em Êxodo 8:21). e piolhos em todos os seus limites; em vez disso, mosquitos (ver com. Êxodo 8:17). [Pulpit, aguardando revisão]

32 Tornou suas chuvas em saraiva; pôs fogo ardente em sua terra.

Comentário de A. R. Fausset

Tornou suas – referindo-se a Lv 26: 4:”Eu te dou chuva na época devida.” Seu “presente” para os inimigos de Israel é de um tipo muito diferente daquele dado a Seu povo.

chuvas em saraiva – em vez de chuvas de fertilização, granizo destrutivo para árvores. Isso forma a transição para o reino vegetal. Os gafanhotos no Salmo 105:34 também são destrutivos para as plantas. [JFB, aguardando revisão]

33 E feriu suas vinhas e seus figueirais; e quebrou as árvores de seus territórios.

Comentário do Púlpito

E feriu suas vinhas e seus figueirais. O granizo “feriu todas as ervas do campo e quebrou todas as árvores do campo” (Êxodo 9:25; pente. Salmos 78:47). A objeção cética de que o Egito não tinha vinhas foi abandonada há muito tempo.

e quebrou as árvores de seus territórios. O granizo, embora não possa “quebrar” árvores de qualquer tamanho, pode causar grandes danos às folhas e aos galhos menores. [Pulpit, aguardando revisão]

34 Ele falou, e vieram gafanhotos, e incontáveis pulgões;

Comentário Whedon

gafanhotospulgões – Essas palavras devem significar espécies diferentes da família dos gafanhotos ou estágios diferentes de sua propagação. O primeiro parece bastante provável, pois a larva, ou gafanhoto sem asas, não voa e não poderia ser trazida por um “vento”. Em Êxodo 10, apenas o ארבה (arbeh, o nome comum para gafanhoto) é mencionado, enquanto no texto o arbeh e ילק, yelek, e no lugar paralelo, (Salmo 78:46), o arbah e חסיל, hhaseel, são nomeados. Mas nem yelek nem hhaseel são traduzidos como “gafanhotos” em nossa versão em inglês, mas o primeiro sempre é “lagarta”, e o último pode ser verme ou lagarta. A distinção é vista em Joe 1:4:”O que o ‘gafanhoto’ (arbeh) deixou, o verme da cancro (yelek) comeu, e o que o yelek deixou, a ‘lagarta’ (hhaseel) o comeu.” Estas palavras podem ser usadas, no texto e no Salmo 78:46, indistintamente para uma maior variedade de dicção, mas antes pareceria, em uma comparação de todos os lugares onde ocorrem, que denotam diferentes espécies de “gafanhotos”, que ainda não foram claramente identificados. Essa ideia agrava enormemente as características do julgamento sobre o Faraó, por deixar a terra absolutamente devastada e estéril em seus rastros. [Whedon, aguardando revisão]

35 E comeram toda a erva de sua terra; e devoraram o fruto de seus campos.

Comentário Cambridge

A hebraico para ‘erva’ não se limita a grama, mas inclui o crescimento de vegetais geralmente com exceção de árvores (Salmo 104:14). [Cambridge, aguardando revisão]

36 Também feriu a todos os primogênitos em sua terra; os primeiros de todas as suas forças.

Comentário Cambridge

A décima e última praga, Êxodo 11:1ss. Como no Salmo 78:51, os primogênitos são descritos como os primeiros, ou primogênitos de todas as suas forças. Cp. Gn 49:3; Deu 21:17. [Cambridge, aguardando revisão]

37 E os tirou dali com prata e ouro; e dentre suas tribos não houve quem tropeçasse.

Comentário Barnes

E os tirou dali com prata e ouro – que eles haviam implorado dos egípcios. Em Êxodo 12:35, é dito, em nossa tradução, que eles haviam “emprestado” esse ouro e prata, junto com as roupas, dos egípcios. Esta é uma tradução infeliz, pois nossa palavra “emprestar” significa pedir qualquer coisa a outra pessoa com o propósito de usá-la por um tempo, com o entendimento implícito de que será devolvido, se um artigo for usado – ou que tanto dinheiro será reembolsado, se for dinheiro que é emprestado – e de acordo com isso, teria havido desonestidade e fraude por parte dos israelitas em “tomar emprestado” essas coisas dos egípcios, quando não pretendiam (como evidentemente não fizeram) devolva-os. A palavra hebraica, no entanto, em Êxodo 12:35 – שׁאל shâ’al – significa simplesmente pedir, “exigir, exigir, pedir, perecer, mendigar”. A ideia de uma obrigação de “devolver” as coisas, como em nossa palavra “emprestar”, não está ligada à palavra hebraica. [Barnes, aguardando revisão]

38 Até o Egito se alegrou com a saída deles, porque seu temor tinha caído sobre eles.

Comentário Barnes

Até o Egito se alegrou com a saída deles – Eles sofreram tantas pragas; a terra estava tão desolada, havia tanta tristeza em suas habitações, pelas calamidades que lhes sobrevieram por se recusarem a deixar os israelitas irem, que finalmente eles ficaram felizes com a sua partida e estavam dispostos a ajudá-los para que eles possam se livrar deles. Isso explicará, em parte, o fato de que eles estavam dispostos a dar-lhes o que pediram – até mesmo prata e ouro – se pudessem assim facilitar sua partida.

porque seu temor tinha caído sobre eles – O temor deles, como estando sob a proteção de Deus; e o medo dos julgamentos, que viriam se eles continuassem a oprimi-los. [Barnes, aguardando revisão]

39 Ele estendeu uma nuvem como cobertor, e um fogo para iluminar a noite.

Comentário Barnes

Veja as notas no Salmo 78:14 . Em Números 10:34 ; diz-se que “a nuvem do Senhor estava sobre eles de dia”, e disso parece ter derivado a idéia de que os “cobrisse”, como se fosse uma proteção contra o calor do deserto. [Barnes, aguardando revisão]

40 Eles pediram, e fez vir codornizes; e os fartou com pão do céu.

Comentário Barnes

Eles pediram, e fez vir codornizes – Veja as notas no Salmo 78:26-29 .

e os fartou com pão do céu – maná, enviado, por assim dizer, do céu. No Salmo 78:25 , é chamado de “alimento dos anjos”. Veja as notas desse versículo. [Barnes, aguardando revisão]

41 Ele abriu uma rocha, e dela saíram águas; e correram como um rio pelos lugares secos;

Comentário Barnes

Veja as notas no Salmo 78:15 . “Eles correram nos lugares secos como um rio.” Ou “um rio”. Eles correram pelo deserto – um rio de águas. Veja as notas em 1 Coríntios 10:4[Barnes, aguardando revisão]

42 Porque se lembrou de sua santa palavra, e de seu servo Abraão.

Comentário de A. R. Fausset

As razões para essas relações:(1) A fidelidade de Deus ao Seu pacto, “Sua santa promessa” de Canaã, é a fonte de onde fluíram tantos atos de maravilhosa bondade para com Seu povo (compare Salmo 105:8, Salmo 105:11 ). Êx 2:24 é a passagem fundamental [Hengstenberg]. (2) Que eles possam ser obedientes. A observância dos mandamentos de Deus por Abraão era o objeto da aliança com ele (Gênesis 18:19), como também era o objeto da aliança com Israel, para que eles pudessem observar os estatutos de Deus.

lembrou-seAbraão – ou “lembrou-se de Sua santa palavra (isto é, aliança confirmada) com Abraão”. [JFB, aguardando revisão]

43 Então ele tirou dali a seu povo com alegria; e seus eleitos com celebração.

Comentário Whedon

tirou dali a seu povo com alegria – Um tipo adequado de libertação e alegria triunfante da Igreja espiritual. Veja Is 35:10. E essa alegria deveria ter permanecido com eles durante toda a vida no deserto. Uma alegre libertação do pecado, seguida de rebelião, incredulidade, murmurações e descontentamento, nunca pode recomendar a religião de Deus e de Cristo a um mundo ímpio. [Whedon, aguardando revisão]

44 E lhes deu as terras das nações; e do trabalho das nações tomaram posse;

Comentário Barnes

E lhes deu as terras das nações – Das “nações” da terra da Palestina, de acordo com sua promessa. Veja as notas no Salmo 78:55 .

e do trabalho das nações tomaram posse – O fruto de seu trabalho. Veja Deuteronômio 6:10-11 ; Josué 13:7[Barnes, aguardando revisão]

45 Para que guardassem seus estatutos, e obedecessem a leis dele. Aleluia!

Comentário Barnes

Para que guardassem seus estatutos, e obedecessem a leis dele – O fim – o desígnio – de tudo isso era que eles pudessem ser um povo obediente. Este foi o propósito de todas as suas intervenções em favor deles; e sua obrigação de obediência foi reforçada e medida pelo que ele havia feito. O mesmo é verdade em relação ao seu povo agora.

Aleluia – hebraico, Hallelu-jah. Veja Salmos 104:35. [Barnes, aguardando revisão]

<Salmo 104 Salmo 106>

Introdução ao Salmo 105

O autor deste salmo é desconhecido, assim como a ocasião em que foi composto. Ele se assemelha ao salmo septuagésimo oitavo no fato de que ambos são de natureza histórica, relatando os tratos de Deus com seu povo em sua libertação da escravidão no Egito. O objetivo do salmo anterior, entretanto, parece ter sido “resgatar a nação de seus pecados” e vindicar os tratos de Deus com os hebreus em seus arranjos para seu governo, ou na mudança da administração, dando a governo à tribo de Judá sob Davi, em vez de Efraim; o objetivo deste salmo é “estimular o povo à gratidão” pela lembrança da bondade de Deus para com o povo nos tempos antigos.

Os primeiros dezesseis versículos do salmo são substancialmente iguais à primeira parte do salmo composta por Davi quando ele trouxe a arca, conforme registrado em 1 Crônicas 16:8-22 . Mas nesse ponto a semelhança cessa. Provavelmente o autor deste salmo encontrou naquele de Davi o que era adequado para a ocasião em que foi composto e o adotou sem qualquer alteração material. No restante do salmo, ele simplesmente executou na história dos judeus o que foi sugerido por Davi no salmo em 1 Crônicas 16, e aplicou a idéia a outros eventos da história judaica, como um motivo de louvor. O salmo é um mero resumo dos principais eventos daquela história até o momento em que o povo entrou na terra prometida – estabelecendo o fundamento de louvor a Deus. [Barnes, aguardando revisão]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.