Bíblia

Hebreus 11

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


1 Ora, a fé é a certeza das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se veem.

O que se quer dizer é que fé é aquilo que dá segurança ou convicção de coisas futuras. Essas coisas existem independentemente da fé, mas é pela fé que são alcançadas. [Dummelow, 1909]

Na versão NVT temos a seguinte tradução, “A fé mostra a realidade daquilo que esperamos; ela nos dá convicção de coisas que não vemos”.

2 Pois por ela os antigos obtiveram testemunho.

os antigos – ou seja, os homens fiéis sob a antiga dispensação.

obtiveram [bom] testemunho – de Deus nas Escrituras do Antigo Testamento. Ou seja, foram reconhecidos por sua fé.

3 Pela fé entendemos que o universo foi formado pela palavra de Deus, de maneira que as coisas que se veem não foram feitas de algo visível.

A fé nos permite perceber a causa invisível do mundo fenomenal (compare com Rm 1:20), o escritor começa com Gn 1 antes de continuar a dar exemplos da fé dos pais. [Dummelow, 1909]

que o universo foi formado – numa tradução mais literal ficaria, que as eras foram preparadas. A notável expressão usada em Hb 1:2 é aqui repetida. A completa preparação de tudo o que os sucessivos períodos de tempo contêm é a ideia que essas palavras apresentam. A narrativa do primeiro capítulo de Gênesis atribui a Deus toda a criação do “céu e da terra”; e associa com uma palavra de Deus cada etapa da preparação e preenchimento da terra. [Ellicott, 1905]

4 Pela fé, Abel ofereceu a Deus melhor sacrifício do que Caim; por isso obteve testemunho de que era justo, pois Deus testemunhou de suas ofertas; e mesmo estando morto, ainda fala por meio dela.

Abel. O escritor diz que a maior qualidade do sacrifício de Abel se devia à sua fé, mas no que a fé se manifestou em particular, ele não diz. Pode ter sido a consciência de que Deus merece o melhor. [Dummelow, 1909]

ainda fala [a nós] por meio dela – ou seja, por meio da sua demonstração de fé. Uma referência a Gn 4:10.

5 Pela fé, Enoque foi transladado para não experimentar a morte; 'e não foi achado, porque Deus havia o transladado'; pois antes da transladação ele obteve testemunho de ter agradado a Deus.

transladado (Gn 5:22,24) – ou seja, deslocado (o mesmo grego que em Gl 1:6) da mortalidade, sem passar pela morte, para a imortalidade: tal MUDANÇA que ocorrerá sobre os vivos na vinda de Cristo (1Co 15:51-52).

ele obteve testemunho – das Escrituras; o original grego indica que este testemunho ainda continua. [JFU, 1871]

6 Ora, sem fé é impossível agradar a Deus. Pois é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que recompensa aqueles que o buscam.

Assim, a própria afirmação de que Enoque agradou a Deus (Hb 11:5) é uma afirmação de que nele havia fé. Ninguém pode ser um adorador de Deus se sua fé não conter essas duas verdades. [Ellicott, 1905]

7 Pela fé, Noé, divinamente advertido das coisas que ainda se não viam, temeu; e, para salvação da sua família construiu a arca. Por meio da fé ele condenou o mundo, e foi feito herdeiro da justiça segundo a fé.

Noé. Sua fé se baseava em uma revelação direta das coisas que ainda se não viam, nomeadamente, a destruição do mundo e os meios de salvação.

ele condenou o mundo – ou porque ele advertiu o mundo da destruição iminente (ver 1Pe 3:20; 2Pe 2:5); ou porque seu exemplo eliminou qualquer motivo de desculpa (compare com Mt 12:41). [Dummelow, 1909]

8 Pela fé, Abraão, quando foi chamado para ir ao lugar que havia de receber por herança, obedeceu, e saiu não sabendo para onde ia.

Abraão. Pela fé, Abraão fez uma grande renúncia em obediência ao chamado de Deus. Ele foi preeminentemente um homem de fé, o primeiro cuja fé é claramente mencionada no Antigo Testamento (Gn 15:6); ele é o “pai da fé”. Durante toda a sua vida morou em tendas, ou seja, não recebeu as promessas, mas esperou pacientemente pelo cumprimento delas e, portanto, não fez nenhuma tentativa de se estabelecer permanentemente em Canaã. Ele procurou a invisível e celestial cidade de Deus, como o cumprimento do ideal que para ele era o real. [Dummelow, 1909]

9 Pela fé, ele peregrinou na terra da promessa, como em terra que não fosse sua, morando em tendas com Isaque e com Jacó, herdeiros com ele da mesma promessa.

na terra da promessa – ou seja, na terra que Deus havia prometido à sua descendência (leia Gn 12:7; 13:15).

10 Pois ele esperava a cidade que tem fundamentos firmes, da qual o arquiteto e construtor é Deus.

a cidade que tem fundamentos firmes. A ideia geral é o que encontramos expresso em Hb 11:14-16. Ali, os estrangeiros e peregrinos procuram o seu próprio país; aqui, o habitante de tendas está à espera da cidade que tem os fundamentos. Todos estes versículos ensinam claramente que a promessa, tal como foi recebida pelos patriarcas, não estava limitada pela dádiva de Canaã. De que natureza podem ter sido as suas expectativas em relação à vida futura não podemos dizer; mas isto eles sabiam, que a sua comunhão com Deus e o seu interesse nas Suas promessas não acabariam com esta vida transitória. O que eles viram das bênçãos terrenas foi apenas o penhor de alguma dádiva futura maior, e ainda presente através do poder de sua fé. A tenda móvel poderia ser a casa de Abraão agora, mas ele esperava por aquela cidade que nunca conheceria a mudança – da qual só se poderia dizer que tem “fundamentos firmes”, e cujo Arquiteto e Criador é Deus (complemento Sl 87:1; Ap 21). [Ellicott, 1905]

11 Pela fé, também, a própria Sara recebeu a capacidade de conceber um filho apesar de ser estéril e avançada em idade, pois considerou fiel aquele que havia prometido.

a própria Sara – apesar de ter duvidado no começo (Gn 18:10-15).

pois considerou fiel aquele que havia prometido – ela deixou de duvidar, tendo sido instruída pelo anjo que não era brincadeira, mas um assunto sério. [JFU, 1871]

12 Assim, de um que estava à beira da morte, nasceu uma descendência numerosa como as estrelas do céu, e incontável como a areia na praia do mar.

de um – Abraão.

13 Permanecendo na fé, todos esses morreram sem receberem as promessas. Mas as viram de longe e as saudaram, declarando que eram estrangeiros e peregrinos na terra.

sem receberam as promessas – isto é, o cumprimento delas.

as viram de longe e as saudaram. Eles olharam adiante pela fé e viram as promessas e “as saudaram”, de longe, e viveram aqui como numa terra estrangeira, conscientes de que sua verdadeira pátria não estava aqui, mas no céu. E Deus recompensou a fé deles reconhecendo-os como Seu povo, e providenciando uma “cidade” para eles acima. [Dummelow, 1909]

14 Pois os que dizem tais coisas mostram claramente que estão buscando a sua própria pátria.

os que dizem tais coisas – ou seja, que confessam serem “estrangeiros e peregrinos na terra”.

15 Se estivessem pensando naquela de onde saíram, eles tinham oportunidade de voltar.

Mas nunca tentaram regressar à Mesopotâmia, porque a casa da qual eles ansiavam não estava naquela terra mas no céu.

16 Em vez disso, eles ansiavam uma pátria melhor, isto é, a celestial. Por isso Deus não se envergonha deles, de ser chamado o Deus deles, porque lhes preparou uma cidade.

porque lhes preparou uma cidade. “Uma herança incorruptível, incontaminável, e que não pode ser enfraquecida. Ela está guardada nos céus” (1Pe 1:4). Essa digressão pretende mostrar que a fé e as esperanças dos patriarcas alcançaram além de meras bênçãos temporais. [Cambridge, 1891]

17 Pela fé, Abraão, quando foi provado, ofereceu Isaque como sacrifício. Aquele que havia recebido as promessas ofereceu o seu único filho,

Abraãoofereceu Isaque como sacrifício. Veja Gn 22. Esta foi a prova suprema da fé de Abraão. Não lhe foi permitido sacrificar Isaque, mas ele realmente o ofereceu, isto é, entregou-o a Deus, embora ele fosse o único filho, o filho da promessa e o único elo na cadeia da promessa. Mas a fé na promessa de Deus fez com que ele superasse todas as impossibilidades de cumprimento dela que aparentemente existiam. [Dummelow, 1909]

seu único filho – com Sara, sua esposa e pertencente à promessa.

18 do qual foi dito: Em Isaque será chamada a tua descendência.

Em Isaque será chamada a tua descendência (Gn 21:12). Só a posteridade de Isaque deve ser considerada como a semente de Abraão, que é o herdeiro das promessas (Rm 9:7). [JFU, 1871]

19 Ele considerou que Deus era poderoso até para ressuscitar Isaque dos mortos; de onde também, figuradamente, ele o recuperou.

Ele considerou que Deus era poderoso até para ressuscitar Isaque dos mortos – e que ele faria isso. Essa ideia está implícita em toda a narrativa. Não havia outra maneira pela qual a promessa pudesse ser cumprida. Abraão recebeu a promessa de uma numerosa descendência. Foi-lhe dito explicitamente que seria através deste filho. Ele agora havia recebido ordem de matá-lo como sacrifício, e se dispôs a fazer isso. Para cumprir essas promessas, portanto, não havia outro caminho possível a não ser ressuscitar dentre os mortos, e Abraão acreditava plenamente que isso seria feito. A criança lhe fora dada inicialmente de maneira sobrenatural e, portanto, estava preparado para acreditar que lhe seria milagrosamente restituído. Ele não duvidava de que, no início, quem o tinha dado de uma maneira tão contrária a toda a probabilidade humana, poderia lhe devolver Isaque de uma maneira extraordinária. Previa, portanto, que o ressuscitaria imediatamente dos mortos. Que esta era a expectativa de Abraão é visível na narrativa de Gn 22:5: “Então disse Abraão a seus servos: Esperai aqui com o asno, e eu e o jovem iremos até ali, e adoraremos, e voltaremos a vós” no plural – ונּשׁובּה אליכם wanaashuwbaah ‘alēykem – “e voltaremos“; isto é, eu e Isaque voltaremos, pois nenhuma outra pessoa foi com eles. Como Abraão foi com a total expectativa de sacrificar Isaque, e como esperava que Isaque voltasse com ele, conclui-se que ele acreditava que Deus o ressuscitaria imediatamente dos mortos. [Barnes, 1870]

20 Pela fé, Isaque abençoou Jacó e Esaú quanto às coisas futuras.
Isaque, Jacó e José se assemelham no fato de que à beira da morte olhavam pela fé além da morte, e estavam certos do futuro. [Dummelow, 1909]
21 Pela fé, Jacó, à beira da morte, abençoou a cada um dos filhos de José, e adorou apoiado sobre a ponta do seu cajado.

adorou apoiado sobre a ponta do seu cajado. As palavras seguem a Septuaginta ao invés do texto massorético, que traz “cama” ao invés de cajado. Para Guthri (1984) o detalhe é obtido de um encontro anterior entre Jacó e José em Gn 47:31, mas o escritor o registra por causa do seu significado religioso. Segundo Guthri, o “cajado era significante no pensamento hebraico como sinal do favor de Deus, e pode haver um indício de semelhante significado simbólico aqui”, ou então, como sugere Laubach, “é o símbolo de sua peregrinação”.

22 Pela fé, José, no fim de sua vida, mencionou a saída dos filhos de Israel do Egito, e deu ordem acerca dos seus ossos.

Isaque, Jacó e José se assemelham no fato de que à beira da morte olhavam pela fé além da morte, e estavam certos do futuro. [Dummelow, 1909]

23 Pela fé, Moisés, quando nasceu, foi escondido três meses pelos seus pais, pois viram que o menino era belo, e não se intimidaram com o mandamento do rei.

viram que o menino era belo. A aparência da criança despertou neles a fé de que Deus havia destinado ela para algum grande propósito, e a fé deles foi demonstrada em sua ousada desconsideração do mandamento do rei (leia Êx 1:16-22). [Dummelow, 1909]

24 Pela fé, Moisés, já adulto, recusou ser chamado filho da filha de faraó;

A fé de Moisés foi demonstrada em sua renúncia a todas as regalias da corte do Faraó e em sua defesa da causa de seus irmãos afligidos. [Dummelow, 1909]

25 pois preferiu ser maltratado com o povo de Deus a ter por um tempo o prazer do pecado.

preferiu – ou então, ele escolheu propositalmente. Moisés se juntou ao seu povo porque era o povo de Deus. Permanecer indiferente por uma questão de comodidade e prazer teria sido apostasia dele à Deus (“pecado”, comp. Hb 10:26). A fé de Moisés havia trazido “convicção das coisas não se veem”, que são eternas; por isso, ele não olhou para “as coisas visíveis” que são por um tempo (2Co 4:18, onde a mesma palavra é usada). [Ellicott, 1905]

26 Ele considerou que as humilhações por causa do Cristo eram riquezas maiores que os tesouros do Egito; pois sua atenção estava fixada na recompensa.

as humilhações por causa do Cristo (compare com Hb 13:13; Rm 15:3) – ou seja, a mesma humilhação que Cristo sofreu ao libertar Seu povo é a que Moisés passou (compare com Rm 2:10). [Dummelow, 1909]

27 Pela fé, ele deixou o Egito, não temendo a ira do rei; porque ficou firme, como quem vê aquele que é invisível.

Pela fé, ele deixou o Egito. Referindo-se ao Êxodo, não à fuga de Moisés para Midiã. Na última ocasião, ele nitidamente “temeu a ira do rei” (Êx 2:14-15). É verdade que, no momento, o Faraó e os egípcios pressionaram os israelitas a partirem, mas foi apenas com medo e raiva, e Moisés previu a perseguição que haveria logo depois.

aquele que é invisível “o bendito e único Soberanoa quem nenhum ser humano viu, nem pode ver” (1Tm 6:15-16). Talvez devêssemos traduzir como “o rei invisível”, interpretando a palavra βασιλέα, e assim enfatizando o contraste entre o temor à Deus e a consequente atitude destemida em relação ao faraó. [Cambridge, 1891]

28 Pela fé, ele celebrou a Páscoa e fez a aspersão do sangue, para que o destruidor dos primogênitos não os tocasse.

A celebração da Páscoa foi um ato de fé, porque foi o meio designado para o livramento da morte, e o cumprimento dela implicava fé na promessa que Deus os guardaria. [Dummelow, 1909]

29 Pela fé, atravessaram o mar Vermelho, como se estivessem em terra seca. Quando os egípcios tentaram fazer mesmo, morreram afogados.

Pela fé, [Moisés e os israelitas] atravessaram o mar Vermelho.

morreram afogados. Literalmente, foram engolidos (Êx 14:15-28; Sl 106:9-12). [Cambridge, 1891]

30 Pela fé, os muros de Jericó caíram, depois de serem rodeados por sete dias.

sete dias – evidencia a persistente obediência de Israel (em meio, não podemos duvidar, do desprezo e da ridicularização de seus inimigos) enquanto o milagre não havia acontecido (Js 6). [Ellicott, 1905]

31 Pela fé, a prostituta Raabe, não morreu com os incrédulos, pois acolheu em paz os espias.

com os incrédulos – isto é, o povo de Jericó que sabia o que o SENHOR tinha feito por Israel (leia Js 2:9-10). [Dummelow, 1909]

32 E que mais direi? Pois me faltará tempo se eu falar a respeito de Gideão, Baraque, e também de Sansão, Jefté, Davi, e também de Samuel e dos profetas.

Sansão. A história de Sansão está registrada em Jz 14-16. Não é de forma alguma necessário supor que, ao mencionar Sansão, o apóstolo esteja aprovando tudo o que ele fez. Tudo o que o autor ordena é a sua fé, pois, embora Sansão fosse um homem muito imperfeito e que muitas das suas atitudes, totalmente reprováveis, ainda assim é verdade que ele demonstrou, em algumas ocasiões, notável confiança em Deus, recorrendo a força que Ele lhe deu. Isso é particularmente evidente na ocasião em que ele massacrou os inimigos do Senhor e de sua nação (Jz 15:16; 16:30). [Barnes, 1870]

33 Pela fé, esses venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam bocas de leões,

venceram reinos – como fez Davi (2Sm 8:1, etc.); assim também Gideão subjugou Midiã (Jz 7:1-25).

praticaram a justiça – como fez Samuel (1Sm 8:9; 12:3-33; 15:33); e Davi (2Sm 8:15).

alcançaram promessas – como “os profetas” (Hb 11:32); porque através deles as promessas foram dadas (compare Dn 9:21) (Bengel). Ou então, “alcançaram o cumprimento de promessas” (NVI), que anteriormente havia sido objeto de sua fé (Js 21:45; 1Rs 8:56). Não “as promessas”, que ainda são futuras (Hb 11:13,39).

fecharam bocas de leões – como Daniel (“pois havia confiado em seu Deus”, Dn 6:22-23). Também Sansão (Jz 14:6), Davi (1Sm 17:34-37), Benaia (2Sm 23:20). [JFU, 1871]

34 apagaram o poder do fogo, escaparam do fio de espada, da fraqueza tiraram forças, tonaram-se fortes na batalha, puseram em fuga os exércitos dos estrangeiros;

apagaram o poder do fogo – ou seja, anularam o efeito destrutivo do fogo (Whedon). Em referencia a Sadraque, Mesaque e Abede-Nego (Dn 3).

35 As mulheres receberam de volta os seus mortos pela ressurreição; e outros foram torturados, não aceitando a soltura, para alcançarem uma melhor ressurreição;

As mulheres receberam de volta os seus mortos pela ressurreição. A mulher de Sarepta (1Rs 17:22), a sunamita (2Rs 4:32-36).

uma melhor ressurreição – não uma mera ressurreição para a vida terrena, como os filhos das mulheres que acabamos de mencionar, mas uma ressurreição para a vida eterna (2Ma 7:9). [Cambridge, 1891]

36 e outros experimentaram zombaria e açoites, e até correntes e prisões;

prisões – como Hanani (2Cr 16:10), preso por Asa. Micaías, filho de Inlá, preso por Acabe (1Rs 22:26-27). [JFU, 1871].

37 foram apedrejados, tentados, serrados, morreram pela espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras; necessitados, afligidos, maltratados;

apedrejados – como Zacarias, filho de Jeoiada (2Cr 24:20-22; Mt 23:35).

tentados – por seus inimigos, no meio de suas torturas, a renunciarem sua fé. Ou então, por aqueles de sua própria casa, como Jó foi (Estius); ou pelos dardos inflamados de Satanás, como Jesus nas suas últimas provações (Glassius). Provavelmente incluiu os três; de todas as maneiras possíveis, por amigos, inimigos, agentes humanos e satânicos, por afagos e aflições, palavras e obras, a abandonarem a Deus, mas em vão, através do poder da fé.

espada – literalmente, eles morreram pela espada. Em Hb 11:34 o contrário é dado como um efeito da fé, “eles escaparam do fio da espada”. Ambos são efeitos maravilhosos da fé. Em ambos realiza grandes coisas e sofre grandes coisas (Crisóstomo). Urias foi assim morto por Jeoaquim (Jr 26:23); e os profetas em Israel (1Rs 19:10).

de peles de ovelhas – como Elias (1Rs 19:13, Septuaginta). [JFU, 1871]

38 (o mundo não era digno deles) andando sem rumo em desertos, montanhas, covas, e nas cavernas da terra.

o mundo não era digno deles – embora tratasse eles como se não tivessem valor.

covas, e nas cavernas. Os israelitas em geral (Jz 6:1). Os profetas do Senhor (1Rs 18:4,13). Elias (1Rs 19:9). Matatias e seus filhos “fugiram para as montanhas” (1Ma 2:28), e muitos outros “para o deserto” (1Ma 2:29). Judas, o Macabeu (2Ma 5:27). [Cambridge, 1891]

39 E todos esses, mesmo tendo bom testemunho por meio da fé, não alcançaram a promessa,

mesmo tendo bom testemunho por meio da fé – ou seja, embora tenham sido reconhecidos e aprovados por sua demonstração de confiança em Deus.

não alcançaram a promessa – ou seja, não receberam o cumprimento da promessa; ou não receberam tudo o que foi prometido. Todos eles ainda aguardavam ansiosamente algumas bênçãos futuras. [Barnes, 1870]

40 pois Deus havia preparado algo melhor para nós, para que, sem nós, eles não fossem aperfeiçoados.

Ou seja, conforme a versão VIVA, “porque Deus queria que eles esperassem e participassem das recompensas ainda melhores que estavam preparadas para nós”.

<Hebreus 10 Hebreus 12>

Introdução à Hebreus 11

O escritor já mencionou a fé como uma condição necessária para uma vida justa, e agora passa a ilustrar o fato de que foi pela fé que os ancestrais foram capazes de fazer justiça e suportar provações. O heroico exemplo deles deveria encorajar os hebreus a permanecerem firmes. O principal objetivo, portanto, desta longa passagem é prático. Mas também tem um lugar no argumento principal da Epístola. Foi demonstrado que as coisas terrenas e visíveis são apenas os tipos, cópias ou sombras das realidades celestiais (Hb 8:5; Hb 9:22-23; 10:1). A ideia base dos capítulos anteriores é que, ao contrário da maneira comum de pensar, é o celestial que é o real. Mas como as coisas celestiais e invisíveis podem ser realizadas com qualquer segurança? Pela operação da fé. A fé é aquilo pelo qual o invisível se torna real e o futuro se torna presente. “A fé mostra a realidade daquilo que esperamos; ela nos dá convicção de coisas que não vemos” (NVT). Não é um princípio novo no mundo, porque foi a fé que inspirou o heroísmo e o auto-sacrifício dos santos que viveram sob a antiga dispensação. Nós, com melhores promessas e uma aliança melhor do que eles, não devemos ficar para trás no exercício da mesma fé pela qual eles viveram. [Dummelow, 1909]

Visão geral de Hebreus

Na livro de Hebreus, “o autor mostra como Jesus é a revelação final do amor e da misericórdia de Deus e é digno de nossa devoção”. Para uma visão geral deste livro, assista ao breve vídeo abaixo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Epístola aos Hebreus.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – junho de 2020.