Romanos 2

1 Por isso, tu, que julgas, não tens desculpa; quem quer que sejas! Pois condenas a ti mesmo naquilo que julgas o outro, porque tu, que julgas, fazes as mesmas coisas.

Comentário Cambridge

Por isso. É difícil afirmar o significado preciso desta palavra; a premissa exata a que se refere. Talvez seja melhor explicado por uma breve declaração da aparente conexão geral aqui.

Paulo descreveu o grande fato do pecado humano. Ele o fez em termos que apontam especialmente para o paganismo, mas não exclusivamente. Dois pontos, a universalidade do pecado e a universalidade da consciência (v. 18, 32), são claramente considerados verdadeiros para todos os homens, idólatras ou não. Mas agora, em nosso presente versículo, ele tem em vista expor especialmente o estado dos pecadores judeus; mas fazer isso conduzindo gradualmente até o ponto convincente, que não é alcançado até Rm 2:16. Realmente, mas não explicitamente, portanto, ele aqui se dirige ao judeu, como incluído na condenação anterior, mas pensando que o tempo todo é o “juiz” dos pecadores pagãos. Em palavras, ele se dirige a qualquer “juiz” autoconstituído; enquanto na verdade ele se dirige especialmente, embora ainda não exclusivamente, ao judeu. E ele o chama de “indesculpável”, por causa de seu pecado e por causa de sua consciência, uma consciência em seu caso peculiarmente iluminada.

O “portanto”, portanto, aponta principalmente para as palavras anteriores; ao fato de conhecer o estatuto penal de Deus contra o pecado, embora o pecado seja cometido e estimulado.

fazes as mesmas coisas. A referência é, sem dúvida, à passagem de cerca de Romanos 1:26. A idolatria externa havia desaparecido entre os judeus desde o cativeiro; mas outras formas de sutil “adoração da criatura” haviam tomado seu lugar; uma imoralidade grosseira estava longe de ser rara; e pecados de “contenda, astúcia e malignidade” eram evidentes. [Cambridge, aguardando revisão]

2 E sabemos que o julgamento de Deus é segundo a verdade sobre os que fazem tais coisas.

Comentário de David Brown

E sabemos. Melhor, ‘Mas nós sabemos;’ é um princípio reconhecido de qualquer religião verdadeira,

que o julgamento de Deus é segundo a verdade sobre os que fazem tais coisas. Sejam eles judeus ou gentios. [JFU]

3 E tu, humano, que julgas os que praticam tais coisas, ao fazê-las, pensas que escaparás do julgamento de Deus?

Comentário Cambridge

“Tu” é, claro, enfático. Devemos lembrar quantas vezes os judeus daquela época se apegaram ao privilégio nacional como se fosse imunidade pessoal. Dizia-se que viver na Palestina era “igual à observância de todos os mandamentos”. “Aquele que tem sua morada permanente na Palestina”, assim ensinava o Talmud, “tem certeza da vida por vir” (Edersheim). [Cambridge, aguardando revisão]

4 Ou desprezas tu as riquezas de sua bondade, tolerância, e paciência, ignorando que é a bondade de Deus que te conduz ao arrependimento?

Comentário de David Brown

É uma triste marca de depravação quando tudo o que é projetado e preparado para quebrantar o coração do homem, só o endurece mais (compare com 2Pe 3:9; Ec 8:11). [JFU]

5 Mas, conforme a tua dureza e o teu coração que não se arrepende, tu ajuntas ira para ti no dia da ira e da manifestação do justo julgamento de Deus,

Comentário de David Brown

tu ajuntas ira para ti no dia da ira e da manifestação do justo julgamento de Deus. A ideia terrível aqui expressa é a de que o pecador está acumulando, como um tesouro guardado, uma reserva crescente de ira divina, para rebentar sobre ele no dia da revelação do justo julgamento de Deus. E de quem isso é dito? Não de grandes pecadores, mas daqueles que se vangloriaram de sua pureza de fé e vida. [JFU]

Leia também um estudo sobre a justiça de Deus.

6 que recompensará a cada um segundo as suas obras:

Comentário de David Brown

Esta grande verdade (tirada de Pv 24:12, da Septuaginta), que é a chave para todo o raciocínio deste capítulo, está nos próximos quatro versículos aplicada às duas classes em que se encontra toda a humanidade no grande dia, mostrando que o julgamento final se voltará apenas para o caráter. [JFU]

7 vida eterna aos que procuram glória, honra, e imortalidade, fazendo o bem com perseverança;

Comentário de David Brown

procuram glória, honra, e imortalidade. “Incorrupção”. “vida eterna”.

fazendo o bem com perseverança. Referindo-se ao caráter duradouro de uma vida verdadeiramente santa (Lc 8:15:“E o que caiu em boa terra, estes são os que, ouvindo a palavra, conservam-na num coração honesto e bom, e dão fruto que permanece”).[JFU]

8 mas ira e indignação aos que agem com egoísmo, obedecendo à injustiça, e não à verdade.

Comentário Barnes

mas ira e indignação – isto é, serão prestados àqueles que são contenciosos, etc. A diferença entre indignação e cólera, diz Amônio, é que a primeira é de curta duração, mas a última é uma longa e contínua lembrança do mal. Um é temporário, o outro denota expressões contínuas de ódio ao mal. Eustáquio diz que a palavra “indignação” denota a emoção interna, mas a ira a manifestação externa de indignação. (Tholuck.) Ambas as palavras se referem à oposição que Deus nutrirá e expressará contra o pecado no mundo da punição.

agem com egoísmo – esta expressão geralmente denota aqueles que são de disposição contenciosa ou litigiosa; e geralmente faz referência a controvérsias entre as pessoas. Mas aqui evidentemente denota uma disposição para com Deus, e tem o mesmo significado que rebelde, ou como oposição a Deus. Eles que contendem com o Todo-Poderoso; que resistem às suas reivindicações, que se rebelam contra as suas leis e se recusam a submeter-se às suas exigências, por mais conhecidas que sejam. A Septuaginta usa o verbo para traduzir a palavra hebraica מרה maarah, em Deuteronômio 21:20. Uma característica marcante do pecador é que ele contende com Deus, isto é, que ele se opõe e resiste às suas reivindicações. Este é o caso com todos os pecadores; e foi particularmente assim com os judeus e, portanto, o apóstolo usou a expressão aqui para caracterizá-los em particular. Seu argumento ele pretendia aplicar aos judeus e, portanto, ele usou uma expressão que os descreveria exatamente. Este caráter de ser um povo rebelde era freqüentemente cobrado da nação judaica, Deuteronômio 9:7 , Deuteronômio 9:24 ; Deuteronômio 31:27 ; Isaías 1:2 ; Isaías 30:9 ; Isaías 65:2 ; Jeremias 5:23 ; Ezequiel 2:8 ,Ezequiel 2:5 .

obedecendo à injustiça – A expressão significa que eles se renderam à iniqüidade, e assim se tornaram servos do pecado, Romanos 6:13 , Romanos 6:16-17 , Romanos 6:19 . Assim, pode-se dizer que a iniqüidade reina sobre as pessoas, pois elas seguem os ditames do mal, não fazem resistência a ele e obedecem implicitamente a todos os seus rígidos requisitos.

não à verdade – compare Romanos 1:18 . A verdade aqui denota a vontade divina, que é a única luz da verdade (Calvino). Significa verdadeira doutrina em oposição a falsas opiniões; e recusar-se a obedecê-lo é considerá-lo falso e resistir à sua influência. A verdade aqui significa todas as representações corretas que foram feitas de Deus, e suas perfeições, e lei, e reivindicações, seja pela luz da natureza ou por revelação. A descrição, portanto, incluía gentios e judeus, mas particularmente os últimos, visto que haviam sido mais notavelmente favorecidos com a luz da verdade. Foi uma característica eminente dos judeus que eles se recusaram a obedecer aos mandamentos do Deus verdadeiro, Josué 5:6 ; Juízes 2:2 ; Juízes 6:10 ;2 Reis 18:12 ; Jeremias 3:13 , Jeremias 3:25 ; Jeremias 42:21 ; Jeremias 43:4 , Jeremias 43:7 ; Jeremias 9:13 . [Barnes, aguardando revisão]

9 Haverá aflição e angústia a toda pessoa que pratica o mal, primeiramente ao judeu, e também ao grego;

Comentário de David Brown

aflição e angústia. O primeiro desses pares, “ira e indignação”, está no seio de um Deus vingador do pecado – o primeiro expressando o “descontentamento estabelecido” de Deus contra os maus, o segundo, a revolta disso; o próximo par, “aflição e angústia”, são os efeitos desses terríveis sentimentos da Mente Divina sobre e no próprio pecador.

a toda pessoa que pratica o mal, primeiramente ao judeu. Primeiro em perdição, se for infiel; mas, se for obediente à verdade, primeiro na salvação; como no versículo seguinte é expresso. [JFU]

10 porém, glória, honra, e paz, a todo aquele que pratica o bem, primeiramente ao judeu, e também ao grego;

a todo aquele que pratica o bem, primeiramente ao judeu. Conforme o versículo anterior, primeiro em perdição, se for infiel; mas, se for obediente à verdade, primeiro na salvação.

11 porque com Deus não há acepção de pessoas.

Comentário Whedon

acepção de pessoas. Quando um juiz na tribuna decide não de acordo com os méritos estritos do caso, mas com um olhar para a posição ou outra qualidade de uma das partes, ele mostra respeito (acepção) não à justiça, mas à pessoa. Sob Deus, como juiz, não há tal injustiça. O estrito demérito do pecado e o mérito da santidade guiam a decisão. [Whedon]

12 Pois todos os que sem Lei pecaram, sem Lei também perecerão; e todos os que pecaram sob a Lei, pela Lei serão julgados;

Comentário Barnes

Pois – Isso é usado para dar uma razão para o que ele acabou de dizer, ou para mostrar sobre quais princípios Deus trataria o homem, de modo a não fazer acepção de pessoas.

todos – qualquer um. Isso inclui todos os que o fizeram e, evidentemente, diz respeito ao mundo gentio. É mais importante observar isso, porque ele não diz que é aplicável a apenas alguns, ou a grandes e incorrigíveis casos de maldade pagã, mas é uma declaração universal e abrangente, obviamente incluindo todos.

sem Lei – ἀνόμως anomōs. Esta expressão evidentemente significa sem lei revelada ou escrita, pois o apóstolo imediatamente diz que eles tinham uma lei da natureza, Romanos 2:14-15 . A palavra “lei”, νόμος nomos. é freqüentemente usado para denotar a revelada Lei de Deus, as Escrituras ou a revelação em geral; Mateus 12:5 ; Lucas 2:23-24 ; Lucas 10:26 ; João 8:5 , João 8:17 .

pecaram – foram culpados de crimes de qualquer tipo contra Deus ou o homem. Pecado é a transgressão de uma regra de conduta, porém tornada conhecida para a humanidade.

sem Lei – isto é, eles não serão julgados por uma lei que não tenham. Eles não serão julgados e condenados pela revelação que os judeus tiveram. Eles serão condenados apenas de acordo com o conhecimento e a Lei que realmente possuem. Esta é a regra eqüitativa pela qual Deus julgará o mundo. De acordo com isso, não se deve apreender que eles sofrerão tanto quanto aqueles que revelaram a vontade de Deus; compare Mateus 10:15 ; Mateus 11:24 ; Lucas 10:12 .

também perecerão – ἀπολοῦνται apolountai. A palavra grega usada aqui ocorre com freqüência no Novo Testamento. Significa destruir, perder ou corromper, e é aplicado à vida, Mateus 10:39 ; para uma recompensa de trabalho, Mateus 10:42 ; à sabedoria 1 Coríntios 1:19 ; às garrafas, Mateus 9:17 . Também é usado para denotar punição futura, ou a destruição da alma e do corpo no inferno, Mateus 10:28 ; Mateus 18:14 ; João 3:15 , onde se opõe à vida eterna e, portanto, denota a morte eterna; Romanos 14:15 ; João 17:12. Nesse sentido, a palavra é evidentemente usada neste versículo. A conexão exige que a referência seja a um futuro julgamento a ser feito sobre o pagão. Será observado aqui que o apóstolo não diz que eles serão salvos sem lei. Ele não dá nem mesmo uma sugestão a respeito da salvação deles. A tensão do argumento, assim como esta declaração expressa, mostra que aqueles que pecaram – e no primeiro capítulo ele provou que todos os pagãos eram pecadores – seriam punidos. Se algum dos pagãos for salvo, isso será, portanto, uma exceção à regra geral a respeito deles. Os apóstolos evidentemente acreditavam que grande parte deles seria destruída. Com base nisso, eles demonstraram tal zelo em salvá-los; com base nisso, o Senhor Jesus ordenou que o evangelho fosse pregado a eles; e nesta base os cristãos estão agora empenhados no esforço de levá-los ao conhecimento do Senhor Jesus. Pode-se acrescentar aqui que todas as investigações modernas têm confirmado a posição de que os pagãos estão tão degradados agora como no tempo de Paulo.

e todos os que pecaram sob a Lei – Pecou tendo a vontade revelada de Deus, ou dotado de maior luz e privilégios do que o mundo pagão. O apóstolo aqui fez referência sem dúvida aos judeus, que tinham a Lei de Deus e que se orgulhavam muito de sua posse.

pela Lei serão julgados – Esta é uma regra eqüitativa e justa; e a isso os judeus não podiam fazer nenhuma objeção. No entanto, a admissão disso teria levado diretamente ao ponto em que Paulo estava conduzindo seu argumento, para mostrar que eles também estavam sob condenação e precisavam de um Salvador. Será observado aqui que o apóstolo usa uma expressão diferente em relação aos judeus do que ele faz com os gentios. Ele diz do primeiro, que eles “serão julgados”; do último, que eles “perecerão”. Não se sabe com certeza por que ele alterou essa expressão. Mas se conjecturas podem ser permitidas, pode ter sido pelas seguintes razões.

(1) se ele tivesse uma afirmação dos judeus de que eles deveriam perecer, isso teria imediatamente excitado o preconceito deles e os armado contra a conclusão a que ele estava para chegar. Ainda assim, eles podiam suportar a palavra a ser aplicada ao pagão, pois estava de acordo com seus próprios pontos de vista e seu próprio modo de falar, e era estritamente verdadeira.

(2) a palavra “julgado” é aparentemente mais branda, mas realmente mais severa. Não levantaria nenhum preconceito dizer que eles seriam julgados por sua lei. Na verdade, era uma espécie de homenagem ou consideração àquilo de que tanto se orgulhavam, a posse da Lei de Deus. Ainda assim, foi uma palavra. implicando tudo o que ele queria dizer e envolvendo a ideia de que eles seriam punidos e destruídos. Se fosse admitido que o pagão pereceria; e se Deus devia julgar os judeus por uma regra infalível, isto é, de acordo com seus privilégios e luz; então, seguir-se-ia que eles também seriam condenados, e suas próprias mentes chegariam imediatamente à conclusão. A mudança de palavras aqui pode indicar, portanto, um bom tato, ou delicada abordagem na argumentação, incitando à consciência uma verdade ofensiva, mais pela dedução da mente do próprio oponente do que por uma acusação dura e severa do escritor. Nestes casos, as Escrituras abundam; e foi isso especialmente que caracterizou de maneira tão eminente os argumentos de nosso Salvador. [Barnes, aguardando revisão]

13 porque não são os que ouvem a Lei que são justos diante de Deus, mas sim, os que praticam a Lei que serão justificados.

Comentário Barnes

O mesmo sentimento está implícito em Tiago 1:22 ; Mateus 7:21 , Mateus 7:24 ; Lucas 6:47 . O apóstolo aqui, sem dúvida, planejou enfrentar uma objeção dos judeus; a saber, que eles tinham a Lei, que manifestaram grande deferência por ela, que a ouviram lida com atenção e professaram a disposição de se submeter a ela. Para responder a isso, ele afirma um princípio muito claro e óbvio, que isso era insuficiente para justificá-los diante de Deus, a menos que prestassem obediência real.

são justos – são justificados diante de Deus, ou são pessoalmente santos. Ou, em outras palavras, simplesmente ouvir a Lei não é atender a todos os seus requisitos e tornar as pessoas santas. Se eles esperavam ser salvos pela Lei, era necessário algo mais do que apenas ouvi-la. Exigia obediência perfeita.

os que praticam a Lei – Aqueles que cumprem inteiramente com suas exigências; ou que se submetem a ela em perfeita e perpétua obediência. Essa era a exigência clara e óbvia, não apenas do bom senso, mas da própria Lei Judaica; Deuteronômio 4:1 ; Levítico 18:5 ; compare Romanos 10:9 .

que serão justificados – Esta expressão é evidentemente sinônimo de Levítico 18:5, onde é dito que “ele viverá neles.” O significado é que é uma máxima ou princípio da Lei de Deus que se uma criatura a guardar e obedecer inteiramente, não será condenada, mas será aprovada e viverá para sempre. Isso não afirma que alguém já viveu assim neste mundo, mas é uma afirmação de um grande princípio geral da lei, que se uma criatura é justificada pela Lei, a obediência deve ser total e perpétua. Se fosse esse o caso, como não haveria base para condenação, o homem seria salvo pela lei. Se os judeus, portanto, esperavam ser salvos por sua Lei, isso deveria ser, não por ouvir a Lei, nem por serem chamados de Judeus, mas por obediência perfeita e irrestrita a todos os seus requisitos. [Barnes, aguardando revisão]

14 Pois quando os gentios, que não têm a Lei, praticam naturalmente as coisas que são da Lei, estes, ainda que não tenham a Lei, são lei para si mesmos.

Comentário de David Brown

Pois quando os gentios…Quanto aos judeus, em cujos ouvidos a lei escrita está continuamente ressoando, a condenação de todos aqueles que são achados finalmente pecadores não envolve nenhuma dificuldade; mas mesmo com respeito aos pagãos, quando eles que não têm a Lei – que são desconhecedores da lei na sua forma positiva e escrita, praticam naturalmente as coisas que são da Lei – abstendo-se de algumas das coisas que são condenadas, e praticando algumas das coisas ordenadas pela moralidade universal, estes, ainda que não tenham a Lei, são lei para si mesmos. [JFU]

15 Eles mostram a obra da Lei escrita em seus corações, dando-lhes testemunho juntamente a sua consciência, e os pensamentos, ora acusando-os, ora defendendo-os.

Comentário de David Brown

Eles mostram a obra da Lei escrita em seus corações – profundamente gravada em sua natureza moral. [JFU]

16 Isso acontecerá no dia em que Deus julgará os segredos dos seres humanos por meio de Cristo Jesus, conforme o meu Evangelho.

Comentário de David Brown

no dia… – Aqui a declaração inacabada de Rm 2:12 é retomada e fechada.

julgará os segredos dos seres humanos – aqui especialmente referindo-se às profundezas insondáveis da hipocrisia nos auto-justificados com quem o apóstolo teve de lidar (Veja Ec 12:14; 1Co 4:5).

conforme o meu Evangelho – de acordo com o meu ensino como pregador do Evangelho. [JFB]

17 Mas se tu és chamado de judeu, e descansas confiando na Lei, e te orgulhas em Deus,

Comentário Barnes

Mas – Tendo assim declarado os princípios gerais sobre os quais Deus julgaria o mundo; tendo mostrado como eles condenaram os gentios; e tendo removido todas as objeções a eles, ele agora passa para outra parte de seu argumento, para mostrar como eles se aplicavam aos judeus. Pelo uso da palavra “mas”, ele chama a atenção deles para isso, como para um assunto importante; e com grande habilidade e endereço, ele declara seus privilégios, antes de mostrar-lhes como esses privilégios podem aumentar sua condenação. Ele admite todas as suas reivindicações de preeminência nos privilégios, e então com grande fidelidade passa a mostrar como, se abusados, eles podem aprofundar sua destruição final. Deve-se observar, entretanto, que a palavra traduzida por “mas” está em muitos manuscritos escritos em duas palavras, ἔι δὲ ei de, em vez de ἴδε ide. Se esta, como é provável, é a leitura correta ali, deveria ser traduzido, “se agora és”, etc. Assim, o siríaco, o latim e o árabe o lêem.

se tu és chamado – Tu és chamado de Judeu, o que implica que este nome era de grande honra. Esta é a primeira coisa mencionada da qual o judeu provavelmente se orgulharia.

de judeu – este era o nome pelo qual os hebreus eram geralmente conhecidos naquela época; e é claro que eles o consideravam um nome de honra e se valorizavam muito por isso; veja Gálatas 2:15 ; Apocalipse 2:9 . Sua origem não é certamente conhecida. Eles foram chamados de filhos de Israel até a época de Roboão. Quando as dez tribos foram levadas ao cativeiro, mas duas permaneceram, as tribos de Judá e Benjamim. O nome judeus foi evidentemente dado para denotar os da tribo de Judá. As razões pelas quais o nome de Benjamin foi perdido no de Judá, foram provavelmente,

(1) porque a tribo de Benjamin era pequena e comparativamente sem influência ou importância.

(2) O Messias era para ser da tribo de Judá Gênesis 49:10 ; e essa tribo, portanto, possuiria uma consequência proporcional à sua expectativa desse evento.

O nome dos judeus, portanto, sugeriria o fato de que foram preservados do cativeiro, de que receberam notavelmente a proteção de Deus e de que o Messias seria enviado àquele povo. Consequentemente, não é incomum que eles considerem um favor especial ser judeu, e particularmente quando acrescentam a isso a idéia de todos os outros favores relacionados com o fato de serem o povo especial de Deus. O nome “judeu” passou, portanto, a denotar todas as peculiaridades e favores especiais de sua religião.

e descansas confiando na Lei – A palavra “descansar” aqui é evidentemente usada no sentido de confiar ou apoiar-se. O judeu confiava ou confiava na Lei para aceitação ou favor; no fato de que ele tinha a Lei e em sua obediência a ela. Isso não significa que ele confiava em suas próprias obras, embora isso fosse verdade, mas que ele se apoiava no fato de que tinha a Lei e, portanto, se distinguia dos outros. A Lei aqui significa toda a economia mosaica; ou todas as regras e regulamentos que Moisés havia dado. Talvez também inclua, como às vezes faz, todo o Antigo Testamento.

e te orgulhas em Deus – Te glorias, ou glorias, por teres o conhecimento do Deus verdadeiro, enquanto outras nações estão nas trevas. Por causa disso, o judeu se sentia muito elevado acima de todas as outras pessoas e as desprezava. Era verdade que eles apenas tinham o verdadeiro conhecimento de Deus, e que ele havia se declarado seu Deus, Deuteronômio 4:7 ; Salmo 147:19-20; mas isso não era motivo para vanglória, mas para gratidão. Esta passagem nos mostra que é muito mais comum se gabar de privilégios do que ser grato por eles, e que não é evidência de piedade para um homem se gabar de seu conhecimento de Deus. Um agradecimento humilde e ardente por termos esse conhecimento – um agradecimento que nos leva não a desprezar os outros, mas a desejar que tenham o mesmo privilégio – é uma prova de piedade. [Barnes, aguardando revisão]

18 conheces a vontade dele, e aprovas as melhores coisas, por seres instruído na lei;

Comentário de David Brown

aprovas as melhores coisas – “prova as coisas que se diferenciam”. Ambos os sentidos são bons, e de fato o primeiro é apenas o resultado da última ação. [JFB]

19 e confias ser guia dos cegos, luz dos que estão nas trevas,

Comentário Whedon

guia. Como judeu.

dos cegos. Dos pagãos cegos para uma visão do Deus verdadeiro.

luz. Como o Messias seria uma luz para os gentios. [Whedon]

20 instrutor dos tolos, professor das crianças, e que consideras a lei como a forma do conhecimento e da verdade;

Comentário de David Brown

que consideras a lei como a forma do conhecimento e da verdade – não sendo deixada, como os pagãos, à vaga conjectura sobre as coisas divinas, mas favorecida com informação definida e precisa do céu. [JFB]

21 tu, pois, que ensinas ao outro, não ensinas a ti mesmo? Tu que pregas que não se deve furtar, furtas?

Comentário Barnes

tu, pois…Espera-se que aquele que é um mestre dos outros seja instruído. Eles deveriam ser considerados possuidores de um conhecimento superior; e por essa pergunta o apóstolo os repreende implicitamente pela sua ignorância. A forma de uma pergunta é escolhida porque transmite a verdade com maior força. Ele coloca a pergunta como se fosse inegável que eles eram extremamente ignorantes; compare com Mateus 23:3, “Eles dizem e não fazem”, etc.

Tu que pregas. Essa palavra significa proclamar de qualquer maneira, seja na sinagoga, seja em qualquer lugar do ensino público.

furtas? Não se pode provar, talvez, que os judeus fossem amplamente culpados desse crime. Ele é introduzido parcialmente, sem dúvida, para tornar a inconsistência da sua conduta evidente. [Barnes]

22 Tu que dizes que não se deve adulterar, adulteras? Tu que odeias os ídolos, profanas templos?

Comentário Barnes

Tu que dizes que não se deve adulterar, adulteras? Não há dúvida de que esse foi um pecado muito comum entre os judeus; veja a nota de Mateus 12:39 ; João 8:1-11 notas. O Talmud judeu acusa alguns dos mais célebres de seus rabinos, nominalmente, desse vício. (Grotius.) Josefo também dá o mesmo relato da nação.

Tu que odeias os ídolos – Era uma das doutrinas de sua religião abominar a idolatria. Isso eles foram ensinados em todos os lugares no Antigo Testamento; e isso eles sem dúvida inculcaram em seu ensino. Era impossível que eles recomendassem a idolatria.

profanas templos? Sacrilégio é o crime de violação ou profanação de coisas sagradas; ou de se apropriar para fins comuns o que foi dedicado ao serviço da religião. Nessa pergunta, o apóstolo mostra tato e habilidade notáveis. Ele não podia acusá-los de idolatria, pois os judeus, depois do cativeiro babilônico, nunca haviam caído nele. Mas então, embora eles não tivessem a forma, eles poderiam ter o espírito de idolatria. Esse espírito consistia em reter do Deus verdadeiro o que era devido e conceder as afeições a outra coisa. Os judeus fizeram isso pervertendo o uso apropriado das ofertas que foram designadas para sua honra; retendo o que exigia de dízimos e ofertas; e por dedicar a outros usos o que era dedicado a ele e que pertencia ao seu serviço. Malaquias 1:8 , Malaquias 1:12-14 ; Malaquias 3:8-9 . Também é evidente no Novo Testamento que o templo foi profanado e profanado de muitas maneiras na época de nosso Salvador; notas, Mateus 21:12-13 . [Barnes, aguardando revisão]

23 Tu, que te orgulhas da Lei, pela transgressão da Lei desonras a Deus;

Comentário Barnes

que te orgulhas…Orgulhar-se na Lei significava sua convicção de sua excelência e obrigação, como um homem não se orgulha do que ele considera não ter qualquer valor.

desonras a Deus. Ao se vangloriarem da Lei, eles proclamaram sua convicção de que era de Deus. Ao quebrá-la, eles a negavam. E como as ações são um verdadeiro teste das opiniões reais do homem, sua violação da Lei os fazia mais desonrar do que se gloriarem dela para honrá-la. Esse é sempre o caso. Pouco importa o que as opiniões especulativas de um homem possam ser; sua prática pode fazer muito mais para desonrar a religião do que sua confissão para honrá-la. É a vida e a conduta, e não meramente a profissão dos lábios, que realmente honram a verdadeira religião. Infelizmente, com que pertinência e força esta pergunta pode ser feita a muitos que se dizem cristãos! [Barnes]

24 porque, como está escrito:“O nome de Deus é blasfemado entre os gentios por vossa causa”.

Comentário Cambridge

como está escrito. Em Ez 36:20-23. Nessa passagem a referência especial é ao mau exemplo dos judeus dispersos do cativeiro. [Cambridge]

25 Pois a circuncisão tem proveito de fato se guardares a Lei; porém, se tu és transgressor da Lei, a tua circuncisão se torna incircuncisão.

Comentário Barnes

Pois a circuncisão – nota de João 7:22 ; Atos 7:8 nota. Este foi o rito especial pelo qual a relação com a aliança de Abraão foi reconhecida; ou pelo qual o direito a todos os privilégios de um membro da comunidade judaica foi reconhecido. Os judeus, é claro, atribuíram grande importância ao rito.

tem proveito de fato – É verdadeiramente um benefício; ou é uma vantagem. O significado é que o fato de serem reconhecidos como membros da comunidade judaica e apresentados aos privilégios dos judeus era uma vantagem; veja Romanos 3:1-2 . O apóstolo não estava disposto a negar que eles possuíam essa vantagem, mas ele lhes diz por que era um benefício e como poderia deixar de conferir qualquer favor.

se guardares a Lei – O mero sinal pode não ter valor, O mero fato de ser um judeu não é o que Deus requer. Pode ser um favor ter sua Lei, mas a mera posse da Lei não pode dar direito ao favor de Deus. Portanto, é um privilégio nascer em uma terra cristã; ter pais piedosos; estar entre as ordenanças da religião; ser treinado nas escolas dominicais; e ser devotado a Deus no batismo:pois todas essas são circunstâncias favoráveis ​​para a salvação. Mas nenhum deles tem direito ao favor de Deus; e a menos que sejam aperfeiçoados como deveriam ser, podem ser apenas o meio de aumentar nossa condenação; 2 Coríntios 2:16 .

a tua circuncisão se torna incircuncisão – Tua circuncisão, ou ser chamado de judeu, não tem valor. Isso não o distinguirá daqueles que não são circuncidados. Você será tratado como pagão. Nenhuma vantagem externa, nenhum nome, rito ou cerimônia irá salvá-lo. Deus requer a obediência do coração e da vida. Onde há uma disposição para fazer isso, há uma vantagem em possuir os meios externos da graça. Onde isso está faltando, nenhum rito ou profissão pode salvar. Isso se aplica com tanta força àqueles que foram batizados na infância e àqueles que fizeram profissão de religião em uma igreja cristã quanto aos judeus. [Barnes, aguardando revisão]

26 Ora, se o incircunciso obedecer às exigências da Lei, por acaso não será a sua incircuncisão considerada como circuncisão?

Comentário Barnes

Ora, se o incircunciso – Se aqueles que não são circuncidados, ou seja, o pagão.

obedecer às exigências da Lei – observe o que a lei de Moisés ordena. Não se poderia supor que um pagão compreenderia os requisitos da lei cerimonial; mas aqui se faz referência à lei moral. O apóstolo não afirma expressamente que isso já foi feito; mas ele supõe o caso, para mostrar a verdadeira natureza e valor dos ritos dos judeus.

por acaso não será a sua incircuncisão – Ou o fato de ele ser incircunciso impedir a aceitação de seus serviços? Ou não será ele tão certo e prontamente aceito por Deus como se fosse um judeu? Ou em outras palavras, o apóstolo ensina a doutrina de que a aceitação de Deus não depende dos privilégios externos do homem, mas do estado do coração e da vida.

considerada como circuncisão? Ele não deve ser tratado como se fosse circuncidado? Deve ser incircunciso alguma barreira no caminho de sua aceitação por Deus? A palavra traduzida “ser contado” é o que é comumente traduzido “contar, imputar”; e seu uso aqui mostra que o uso da palavra nas Escrituras não é transferir, ou cobrar com o que não é merecido ou não é verdade. Significa simplesmente que um homem deve ser tratado como se assim fosse; que esta falta de circuncisão não será um obstáculo para a aceitação. Não há nada definido em sua conta; nada transferido; nada considerado diferente do que é. Deus julga as coisas como elas são; e como o homem, embora incircunciso, que guarda a Lei, deve ser tratado como se tivesse sido circuncidado, então aquele que crê em Cristo de acordo com a promessa divina e confia somente em seus méritos para a salvação, deve ser tratado como se ele próprio fosse justo, Deus julga as coisas como são e trata as pessoas como é apropriado tratá-las, como sendo perdoadas e aceitas por meio de seu Filho. [Barnes, aguardando revisão]

27 E se o que de natureza é incircunciso cumprir a Lei, ele julgará a ti, que mesmo com a norma escrita e a circuncisão és transgressor da Lei.

Comentário Whedon

com a norma escrita e a circuncisão. A a norma escrita é a lei. Possuindo a lei e circuncisão o judeu ainda é um transgressor. [Whedon]

28 Pois judeu não é o de aparência externa, nem circuncisão é a na carne,

Comentário Barnes

Pois judeu não é o de aparência externa – Aquele que é meramente descendente de Abraão, e é circuncidado, e externamente está em conformidade apenas com a Lei, não possui o verdadeiro caráter, e manifesta o verdadeiro espírito, contemplado pela separação do povo judeu. A separação deles exigia muito mais.

nem circuncisão é a na carne – Tampouco atende ao desígnio completo do rito da circuncisão, que é realizado externamente. Ele contemplou muito mais; veja Romanos 2:29 . [Barnes, aguardando revisão]

29 mas é judeu o que é no interior, e circuncisão é a de coração, no espírito, e não em uma norma escrita. Esse é elogiado não pelas pessoas, mas sim, por Deus.

Comentário de David Brown

O nome de “judeu” e o rito da “circuncisão” foram concebidos como símbolos exteriores de uma separação do mundo irreligioso e ímpio para uma devoção santa no coração e na vida ao Deus da salvação. Onde isso se realiza, os sinais são cheios de significado; mas onde não é, eles são piores do que inúteis. [JFU]

<Romanos 1 Romanos 3>

Visão geral de Romanos

Na carta aos Romanos, “Paulo mostra como Jesus criou a nova família da aliança com Abraão através da sua morte e ressurreição, e através do envio do Espírito Santo”. Para uma visão geral desta carta, assista ao breve vídeo abaixo produzido (em duas partes) pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (10 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Epístola aos Romanos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.