Provérbios 24

1 Não tenhas inveja dos homens malignos, nem desejes estar com eles;

Comentário de A. R. Fausset

homens malignos, nem desejes estar com eles – isto é, para compartilhar seus caminhos. Provérbios 23:17 ; Provérbios 23:30-35 mostra os maus resultados de seus caminhos, que devem alertar a todos quão pouco são para serem invejados, muito menos imitados. [JFU, aguardando revisão]

2 Porque o coração deles imagina destruição, e os lábios deles falam de opressão.

Comentário de A. R. Fausset

Porque o coração deles imagina destruição – contra os outros, que recuam sobre si mesmos ( Provérbios 11:3 ; Provérbios 11:5-6 ; Jó 5:2 ). [JFU, aguardando revisão]

3 Pela sabedoria a casa é edificada, e pelo entendimento ela fica firme;

Comentário de A. R. Fausset

Pela sabedoria a casa é edificada. Ao ver a prosperidade dos ímpios ( Provérbios 24:1 ; Salmos 37:35 ; Salmos 73:3 , etc.), não se desespere da verdadeira prosperidade para a sua casa; pois, ao seguir a “sabedoria” piedosa, tu e os teus serão firmemente assegurados em tudo o que é para o seu bem, quando a família construída pela iniquidade cair ( Jeremias 22:13-16 ; Amós 5:11 ; Miquéias 3:10-12 ) [JFU, aguardando revisão]

4 E pelo conhecimento os cômodos se encherão de riquezas preciosas e agradáveis.

Comentário de A. R. Fausset

pelo conhecimento – de Deus e de nosso dever para com Ele, para com o nosso próximo e para conosco.

se encherão de riquezas preciosas e agradáveis – as verdadeiras riquezas que não falham, primeiro da alma, finalmente do corpo e da condição externa ( Lucas 12:33 ; Lucas 16:11 ). [JFU, aguardando revisão]

5 O homem sábio é poderoso; e o homem que tem conhecimento aumenta sua força;

Comentário de A. R. Fausset

O homem sábio é poderoso – Hebrew, é em força; i:e., investido com ele. A sabedoria mais do que supre o lugar da força corporal ( Provérbios 21:22 ; Eclesiastes 9:14-16 ). [JFU, aguardando revisão]

6 Porque com conselhos prudentes farás tua guerra; e a vitória é alcançada pela abundância de conselheiros.

Comentário do Púlpito

tua guerra; guerra para ti mesmo, para teu proveito, equivalente a “guerra bem-sucedida” (comp. Êxodo 14:14). A cláusula é um eco de Pro 20:18 (ver nota onde ver). A última linha é uma repetição do Pro 11:14 (comp. Também Pro 15:22). Septuaginta, “A guerra é feita com generalato (κυβερνήσεως) e ajuda com um coração que aconselha.” [Pulpit, aguardando revisão]

7 A sabedoria é alta demais para o tolo; na porta do julgamento ele não abre sua boca.

Comentário de A. R. Fausset

A sabedoria é alta demais para o tolo – alcançar. A dificuldade não está na sabedoria, que é fácil para o sincero, mas na própria relutância e preguiça do tolo ( Provérbios 14:6 ).

na porta do julgamento ele não abre sua boca – no tribunal de justiça:loquaz e balbuciante como ele é em outros lugares. [JFU, aguardando revisão]

8 Quem planeja fazer o mal será chamado de vilão.

Comentário do Púlpito

Quem planeja fazer o mal. Aquele que mostra certo tipo de inteligência mal aplicada (em contraste com a verdadeira sabedoria) em planejar e perseguir esquemas malignos. Deve ser chamado. Definido e explicado, como Pro 16:21 (comp. Pro 21:24).

será chamado de vilão; literalmente, senhor da maldade; ou seja, proprietário, possuidor de dano. Ninguém deve ser levado pela aparente astúcia de tal homem para atribuir; para ele sabedoria; ele é um impostor, um mero intrigante, que certamente será exposto em breve. Septuaginta, “Morte recai sobre o indisciplinado.” [Pulpit, aguardando revisão]

9 O pensamento do tolo é pecado; e o zombador é abominável aos homens.

Comentário de A. R. Fausset

O pensamento do tolo é pecado. O homem da tolice – isto é, a maldade – nada mais planeja em seu conselho, exceto o pecado.

e o zombador é abominável aos homens – um passo adiante. A “loucura” endurecida – isto é, maldade – eventualmente forma o escarnecedor, cujo desprezo por todas as coisas sagradas excita o desgosto até mesmo dos homens do mundo. [JFU, aguardando revisão]

10 Se te mostrares fraco no dia da angústia, como é pouca tua força!

Comentário de A. R. Fausset

Você precisa de uma grande, não estreita, medida de força espiritual para capacitá-lo a enfrentar a estreiteza da adversidade (cf. Jeremias 12:5 ). Até mesmo Jó ( Jó 4:3-5 ) desmaiou durante o dia de adversidade. Se a tua força for pequena, vá até Aquele que “dá força aos fracos” e que “aumenta a força aos que não têm força” ( Isaías 40:29 ). [JFU, aguardando revisão]

11 Livra os que estão tomados para a morte, os que estão sendo levados para serem mortos;

Comentário de A. R. Fausset

A ordem hebraica é, ‘para libertar, etc., se tu te deixares.’ O dever é estabelecido primeiro, depois o fracasso em cumpri-lo; e a conseqüência penal disso segue em Provérbios 24:12 :”Não o considera aquele que medita no coração?” Gesenius usa a partícula hebraica [ ‘im ( H518 )] “se” para ser usada como uma fórmula de juramento, equivalente a’ Não (por indolência ou covardia) se abstenha de entregar, etc. Portanto, o bom samaritano, Lucas 10:30 etc .; Êxodo 23:5 ; Ester 3:6-13 ; Ester 4:13-14 ;Ester 8:4-6 ; Obadias 1:1 ; 1 Reis 18:4 . A Vulgata, o caldeu, o siríaco e o árabe, e aparentemente a Septuaginta, traduzem:’Entregue-os, etc .; e não deixes (para libertar) aqueles que estão prontos para serem mortos. ‘ É claro que aqueles que serão libertados não são aqueles condenados à morte com justiça, mas aqueles que foram condenados à morte por infortúnio ou opressão. A desculpa:”Sou o guardião do meu irmão?” foi a do assassino Caim ( Gênesis 4:9 ). Muitos se colocam na mesma posição, os que dizem:Já temos o suficiente para tratar de nossos próprios negócios, sem nos importar com os negócios dos outros. [JFU, aguardando revisão]

12 Pois se tu disseres:Eis que não sabíamos, Por acaso aquele que pesa os corações não saberá? Aquele que guarda tua alma não conhecerá? Ele retribuirá ao homem conforme sua obra.

Comentário do Púlpito

Pois se tu disseres:Eis que não sabíamos. O discípulo da Sabedoria pode desculpar-se de fazer qualquer esforço para a libertação dos prisioneiros, dizendo que não tinha ouvido falar do caso. São Jerônimo dá a desculpa de ser incapacidade, vires non suppetunt. A LXX. torna um assunto pessoal, ignorando a forma plural do parágrafo anterior. “Eu não o conheço, ele não é meu amigo; por que eu deveria me preocupar com ele?” Uma pessoa tão egoísta, como o sacerdote e levita da parábola, “passaria do outro lado”.

Por acaso aquele que pesa os corações não saberá? Deus conhece a verdade – sabe que a desculpa é vã; pois ele é o Avaliador e Pesquisador dos corações (Provérbios 16:2; Provérbios 21:2). A súplica de Caim:”Sou eu o guardião do meu irmão?” está indisponível; a lei do amor não é limitada por nenhuma circunstância.

Aquele que guarda tua alma não conhecerá? A expressão “guardar a alma” pode ser equivalente a “preservar a vida”; mas é mais provável que signifique vigiar, observar os segredos mais íntimos da natureza (Jó 7:20). O verbo usado é נָצַר (natsar), que tem ambos os significados. A sensação de “formação”. que alguns dão, parece não permitido. (Para “coração” (leb) e “alma” (nephesh), consulte a nota em Pro 2:10.)

Ele retribuirá ao homem conforme sua obra. Conhecendo o coração e o motivo, Deus distribui justiça retributiva (Provérbios 12:14; Salmos 62:12; Rm 2:6). Septuaginta:”Mas, se disseres:Não conheço este homem, saiba que o Senhor conhece os corações do ar; e aquele que formou (πλάσας) fôlego para todos, ele mesmo conhece todas as coisas, que retribui a cada um segundo as suas obras. ” [Pulpit, aguardando revisão]

13 Come mel, meu filho, porque é bom; e o favo de mel é doce ao teu paladar.

Comentário Barnes

O mel entrou em grande parte na dieta das crianças hebraicas Is 7:15, de modo que era um emblema tão natural para a sabedoria mais pura e simples, como o “leite sincero da palavra” era para os escritores do Novo Testamento. O aluno ouve o que parece ser uma regra de dieta – então Pro 24:14 a parábola é explicada. [Barnes, aguardando revisão]

14 Assim será o conhecimento da sabedoria para tua alma; se a encontrares haverá recompensa para ti ; e tua esperança não será cortada.

Comentário Cambridge

Assim será o conhecimento da sabedoria] Em vez disso, saiba que a sabedoria é. Com a mesma avidez com que você come mel (Provérbios 24:13), conheça, conheça, busque o conhecimento da sabedoria. Comp. Salmos 19:10 (Hebreus 11).

recompensa] Ver nota Pro 23:18. [Cambridge, aguardando revisão]

15 Tu, perverso, não espies a habitação do justo, nem assoles seu quarto;

Comentário do Púlpito

Tu, perverso, não espies a habitação do justo. רָשָׁע (rasha) é vocativo (comp. Ez 33:8); tomada aposicionalmente, como na margem da Versão Revisada, “como um homem ímpio”, é sem sentido; pois como ele poderia esperar em qualquer outro personagem? Não estrague seu lugar de descanso. “Estragar”, como Pro 19:26 (ver nota onde ver). Não o afaste de sua casa com violência e trapaça. Vulgata, “Não busque impiedade na casa dos justos”; não tente disfarçar seus desígnios insidiosos detectando algum mal no homem bom, e tornando-se um instrumento de retribuição, como se você estivesse prestando um serviço a Deus ao afligi-lo (Jo 16:2). Septuaginta:”Não introduzas nenhum homem ímpio no pasto (νομῇ) dos justos, nem te enganes com o banquete do ventre.” [Pulpit, aguardando revisão]

16 Porque o justo cai sete vezes, e se levanta; mas os perversos tropeçam no mal.

Comentário de A. R. Fausset

Porque o justo cai sete (isto é, sempre tantas, Provérbios 26:25 ) vezes (em calamidades) e se levanta – de todos eles, com a ajuda de Deus ( Jó 5:19 ; Salmos 37:24 ; Miquéias 7:8 ). Portanto, os esforços dos ímpios contra eles ( Provérbios 24:15 ) são trabalho perdido e vão. Alguns explicam a ‘queda’ do pecado:mas o hebraico, “cai” ( naapal ( H5307 )), não é usado em nenhum lugar para pecar, mas para cair em provações ( Provérbios 24:17 ).

mas os perversos tropeçam no mal. Em vez disso, ‘cairá em (pelo menos uma) calamidade’, para nunca mais se levantar. [JFU, aguardando revisão]

17 Quando teu inimigo cair, não te alegres; nem teu coração fique contente quando ele tropeçar,

Comentário de A. R. Fausset

Não devemos apenas não exultar em uma calamidade mais severa, mas nem mesmo em uma calamidade mais leve de um inimigo. A noção é falsa de que o Antigo Testamento não prescreve o amor aos inimigos. Isso não é inconsistente com exultar com a derrota dos inimigos públicos de Deus e da Igreja:como sobre Faraó ( Êxodo 15:1-27 ), e daqui em diante sobre a mística Babilônia ( Isaías 66:24 ; Apocalipse 18:20 ). Davi não exultou com a morte de seu inimigo pessoal, Saul, mas chorou ( 2 Samuel 1:17 , etc.; Contraste com Obadias 1:12 ). [JFU, aguardando revisão]

18 Para que não aconteça de o SENHOR veja, e o desagrade, e desvie dele sua ira.

Comentário do Púlpito

Para que não aconteça de o SENHOR veja, e o desagrade. Este prazer maligno com os infortúnios dos outros (que Aristóteles, ‘Eth. Nic.,’ 2.7.15, chama de ἐπιχαιρεκακία) é um pecado aos olhos de Deus e exige punição.

e desvie dele sua ira; e, como está implícito, direcione-o sobre ti. Mas parece um motivo mesquinho alegar, se a máxima é levada a sério como significando:”Não se alegre com a calamidade de seu inimigo, para que Deus não o alivie do mal”, pois a verdadeira caridade desejaria tal resultado. Bode considera “sua ira” a má vontade do inimigo contra você, que Deus por sua graça transforma em amor, e você está coberto de confusão e vergonha por sua antiga vingança. Mas a questão não é tanto a remoção do desprazer de Deus do inimigo, mas a punição do homem maligno, seja mental ou materialmente. Para uma mente maligna, nenhum golpe mais severo poderia ser dado do que ver um inimigo recuperar o favor de Deus e se levantar de sua queda. O moralista então adverte o discípulo contra ceder a esta ἐπιχαιρεκακία para que ele não prepare para si uma mortificação amarga tendo que testemunhar a restauração do odiado, ou sendo ele mesmo feito para sofrer aquele mal que ele se alegrou ao ver a experiência de seu próximo (comp. . Pro 17:5, e observe lá). [Pulpit, aguardando revisão]

19 Não te irrites com os malfeitores, nem tenhas inveja dos perversos;

Comentário do Púlpito

Não te enfades por causa dos homens maus (comp. Pro 24:1 e Salmo 37:1). O verbo (charah) significa “queimar”, “ficar com raiva”; portanto, aqui podemos traduzir:”Não fique furioso por causa dos malfeitores.” A raiva surgiria por causa da distribuição aparentemente injusta de bênçãos. São Jerônimo tem, Ne contendas cum pessimis; Septuaginta, “Não te alegres com os malfeitores (ἐπὶ).” nem tenhas inveja dos perversos ou seja, não imagine que sua prosperidade seja desejada, nem seja levado a imitar suas ações a fim de garantir o mesmo sucesso. O novo versículo mostra a razão solene dessa advertência. [Pulpit, aguardando revisão]

20 Porque o maligno não terá um bom futuro; a lâmpada dos perversos se apagará.

Comentário do Púlpito

Porque o maligno não terá um bom futuro. Ele não tem um “futuro” feliz para esperar, como Pro 24:14; Pro 22:18 (onde ver nota).

a lâmpada dos perversos se apagará (ver Provérbios 13:9, onde a cláusula aparece). Septuaginta:”Pois o homem mau não terá posteridade, e a tocha dos ímpios se apagará”. [Pulpit, aguardando revisão]

21 Meu filho, teme ao SENHOR e ao rei; e não te envolvas com os rebeldes;

Comentário de A. R. Fausset

teme ao SENHOR e ao rei – o Senhor primeiro, depois o rei, na medida em que ele é o representante de Deus e possui a autoridade delegada por Deus ( Eclesiastes 8:2 ).

e não te envolvas com os rebeldes – que gostam de inovações na Igreja e no Estado ( Jeremias 2:36 ; Judas 1:8 ). [JFU, aguardando revisão]

22 Porque a destruição deles se levantará de repente; e quem sabe que ruína eles terão?

Comentário de A. R. Fausset

A ruína tanto daqueles que não temem ao Senhor como daqueles que não temem ao rei virá em uma hora que eles não conhecem ( Salmos 35:8 ). [JFU, aguardando revisão]

23 Estes provérbios também são para os sábios:fazer acepção de pessoas num julgamento não é bom.

Comentário de A. R. Fausset

Estes provérbios também são para os sábios – são ditos que emanam dos sábios. O “também” implica que Salomão é o autor deles como do primeiro ditado.

fazer acepção de pessoas num julgamento não é bom – ( Provérbios 18:5 ; Provérbios 28:21 ). Ser parcial em relação a favores, riquezas ou posição social. [JFU, aguardando revisão]

24 Aquele que disser ao ímpio:Tu és justo, Os povos o amaldiçoarão, as nações o detestarão.

Comentário de A. R. Fausset

Aquele que disser ao ímpio:Tu és justo ( Provérbios 17:15 .)

Os povos o amaldiçoarão Os ímpios, embora admitam vícios em si mesmos, ainda os condenam nos outros; e a consciência geral de um povo condena os juízes injustos. [JFU, aguardando revisão]

25 Mas para aqueles que o repreenderem, haverá coisas boas; e sobre eles virá uma boa bênção.

Comentário de A. R. Fausset

Juízes justos e outros com autoridade de qualquer tipo, que verificam o mal, têm o “deleite” interno de sua própria consciência aprovadora, como também a bênção de fora da aprovação pública. Gejer traduz, ‘a bênção de (todo) o homem bom’, em antítese à “maldição” do “povo” em geral (cf. Jó 29:13 ). [JFU, aguardando revisão]

26 Quem responde palavras corretas é como se estivesse beijando com os lábios.

Comentário de A. R. Fausset

( Provérbios 25:11 ; Provérbios 15:23 ; contraste Provérbios 18:13 .) O hebraico admite outro sentido , e com menos elipse:’Aquele que der uma resposta certa beijará os lábios’; i:e., Uma boa resposta vale tanto quanto um beijo. Aquele que responde bem faz algo tão grato quanto um amigo que o beija. Ele tira dúvidas e erros, vícios e perplexidades. Quantas são as suas palavras, tantos os seus beijos. Assim Gejer, Mercer, etc. [JFU, aguardando revisão]

27 Prepara o teu trabalho de fora, e deixa pronto o teu campo; então depois, edifica a tua casa.

Comentário de A. R. Fausset

As coisas necessárias devem ter precedência sobre as que são para ornamento e elegância. Contente-se com uma casa de campo e trabalhe arduamente no campo, na agricultura, até que tenha feito o dinheiro necessário para construir uma casa mais cómoda e elegante (Piscator, Gejer, etc.); ou, até que você ganhe dinheiro suficiente para se casar, gerar e sustentar filhos. Portanto, ‘construir uma casa’ é usado, Êxodo 1:21 ; Rute 4:11 ; 2 Samuel 7:27(Rabino Salomon). Prefiro simplesmente:primeiro reúna os materiais, faça os preparativos e calcule o custo, e depois, quando tudo estiver pronto, comece a construir; se não o fizer, terá de parar logo depois de começar, e ser motivo de riso com justiça, como um tolo imprudente. Portanto, o templo de Salomão “foi construído de pedra, preparada antes de ser trazida para lá” ( 1 Reis 5:18 ; 1 Reis 6:7 ). Portanto, o templo espiritual ( Efésios 2:21-22 ), embora preparado em seus materiais para as eras passadas, com uma combinação maravilhosa de agentes, está agora sendo criado silenciosamente, sem aparência externa ( Lucas 17:20 , margem). Compare o aviso de Jesus, Lucas 14:28-30 . [JFU, aguardando revisão]

28 Não sejas testemunha contra o teu próximo sem causa; por que enganarias com teus lábios?

Comentário de A. R. Fausset

Não sejas testemunha contra o teu próximo sem causa – falsamente, ou mesmo levianamente, sem base segura para a sua acusação.

por que enganarias com teus lábios? Não o machuque com falsas acusações ou com lisonjas insidiosas. [JFU, aguardando revisão]

29 Não digas:Assim como ele fez a mim, assim também farei a ele; pagarei a cada um conforme sua obra.

Comentário do Púlpito

O assunto ainda é continuado, como se o moralista dissesse:”Embora um homem tenha feito mal a você ao testemunhar gratuitamente contra você, não retalie da mesma maneira.”

Não digas:Assim como ele fez a mim, assim também farei a ele (veja Provérbios 20:22, e observe lá). A lex talionis não deve ser aplicada a erros privados. A alta moralidade do código cristão é aqui antecipada, o Espírito Santo guiando ambos. [Pulpit, aguardando revisão]

30 Passei junto ao campo do preguiçoso, e junto à vinha do homem sem juízo;

Comentário do Púlpito

ao campoa vinha; os dois principais objetos dos cuidados do fazendeiro, que precisam de trabalho constante para se mostrarem produtivos. Moralizando esta passagem, São Gregório (‘Moral.’ 20.54) diz:”Passar pelo campo dos preguiçosos e pela vinha do homem vazio de entendimento é olhar para a vida de qualquer fígado descuidado, e para ter uma visão de suas ações. ” [Pulpit, aguardando revisão]

🔗 Para se aprofundar no assunto, leia o texto “O temor do Senhor é o antídoto contra a preguiça” do pastor batista Paulo Alves.

31 e eis que ela estava toda cheia de espinheiros, e sua superfície coberta de urtigas; e o seu muro de pedras estava derrubado.

Comentário de A. R. Fausset

e eis que ela estava toda cheia de espinheiros. A face do campo, que era baixa, parecia ter, por assim dizer, ascendido por causa dos espinhos que se ergueram.

e o seu muro de pedras estava derrubado. As paredes dos limites eram formadas por pedras soltas sem cimento que, se não fossem reparadas de vez em quando, logo desabariam. [JFU, aguardando revisão]

32 Quando eu vi isso , aprendi em meu coração, e, olhando, recebi instrução:

Comentário de A. R. Fausset

Eu não tive uma visão superficial, mas considerei bem qual era a causa do estado desolado do campo, e assim, recebi instruções para evitar a preguiça culpada de seu dono, pois gostaria de escapar de seu destino. Embora os tolos não aprendam com os sábios, os sábios podem aprender muito com os tolos. [JFU, aguardando revisão]

33 um pouco de sono, cochilando um pouco, cruzando as mãos por um pouco de tempo, deitado,

Comentário de A. R. Fausset

Esta é uma imitação irônica do que o preguiçoso diz quando chamado (Provérbios 6:9) para acordar. Há uma gradação descendente de “sono” profundo para “cochilo” e, daí, para “cruzar as mãos” sobre o peito, a atitude de quem se recompõe para dormir. [JFU, aguardando revisão]

34 e assim a tua pobreza virá como um assaltante; a tua necessidade, como um homem armado.

Comentário de A. R. Fausset

e assim a tua pobreza virá como um assaltante – que ativa e firmemente avança cada vez mais perto do fim de sua jornada. Assim, a Vulgata e a Septuaginta fazem dele um viajante decidido a fazer o mal:um salteador de estrada. Então Gesenius. Maurer faz disso ‘uma patrulha’, um soldado que se aproxima inesperadamente de ti; para corresponder a “um homem armado” a quem você não pode repelir. A versão em inglês é a melhor. Quanto mais você atrasa e dorme, mais a pobreza se precipita para o. A conjugação Piel no hebraico intensifica a significação, ‘como alguém que viaja arduamente’.

a tua necessidade como um homem armado – literalmente, ‘um homem protegido’; impetuoso e equipado com armas de defesa e ataque, enquanto tu estás desarmado e meio adormecido . [JFU, aguardando revisão]

<Provérbios 23 Provérbios 25>

Visão geral de Provérbios

“O livro de Provérbios convida as pessoas a viverem com sabedoria e temor ao Senhor a fim de experimentarem a boa vida”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Provérbios.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.