Provérbios 18

1 Quem se isola busca seu próprio desejo; ele se volta contra toda sabedoria.

o seeketh – isto é, procura gratificação egoísta.

intermeddleth … sabedoria – ou, “apressa-se” (Pv 17:14) contra toda a sabedoria, ou o que é valioso (Pv 2: 7).

2 O tolo não tem prazer no entendimento, mas sim em revelar sua própria opinião.

em si – isto é, tem prazer em revelar sua loucura (Pv 12:23; Pv 15: 2).

3 Na vinda do perverso, vem também o desprezo; e com a desonra vem a vergonha.

Então certamente o pecado e a punição estão conectados (Pv 16: 4).

ímpios, por “maldade”, responde a

ignomínia ou o estado de tal; e

desprezo, o sentimento dos outros para eles; e para

reprovação, uma manifestação de desprezo.

4 A boca do homem são como águas profundas; e o manancial de sabedoria como um ribeiro transbordante.

O discurso sábio é como um fluxo sem fim de benefícios.

5 Não é bom favorecer ao perverso para prejudicar ao justo num julgamento.

Não é bom favorecer – (compare com o Salmo 82: 2). “Não é bom” deve ser fornecido antes de “derrubar”.

6 Os lábios do tolo entram em briga, e sua boca chama pancadas.

As brigas causam problemas em si mesmas. Sua linguagem precipitada os aprisiona (Pv 6: 2).

7 A boca do tolo é sua própria destruição, e seus lábios são armadilha para sua alma.
8 As palavras do fofoqueiro são como alimentos deliciosos, que descem até o interior do ventre.

(Compare Pv 16:28).

alimentos deliciosos – não sustentadas pelo hebraico; melhor, como “doces bocados”, que os homens alegremente engolem.

íntimo… ventre – a mente ou coração (compare Pv 20: 27-30; Sl 22:14).

9 O preguiçoso em fazer sua obra é irmão do causador de prejuízo.

Um ao não conseguir, o outro desperdiçando riqueza, fica pobre.

waster – literalmente, “mestre da lavagem”, um pródigo.

10 O nome do SENHOR é uma torre forte; o justo correrá até ele, e ficará seguro.

nome do SENHOR – manifestou perfeições (Salmo 8: 1; Salmo 20: 2), como fidelidade, poder, misericórdia, etc., em que os homens confiam.

está a salvo – literalmente, “posto no alto, fora do perigo” (Sl 18: 2; Sl 91: 4).

11 Os bens do rico são como uma cidade fortificada, e como um muro alto em sua imaginação.

contrasta com Pv 18:10 (compare Pv 10:15). Tal é uma confiança vã (compare Sl 73: 6).

12 Antes da ruína o coração humano é orgulhoso; e antes da honra vem a humildade.

(Veja Pv 15:33; Pv 16:18).

13 Quem responde antes de ouvir age como tolo e causa vergonha para si.

O discurso apressado demonstra autoconceito e garante vergonha (Pv 26:12).

14 O espírito do homem o sustentará quando doente; mas o espírito abatido, quem o levantará?

doente – doença corporal ou mal exterior. O espírito, que sustenta, sendo ferido, não tem mais apoio, exceto, como está implícito, em Deus.

15 O coração do prudente adquire conhecimento; e o ouvido dos sábios busca conhecimento.

(Compare Pv 1: 5, Pv 1:15 e Pv 1:31).

16 O presente do homem alarga seu caminho, e o leva perante a face dos grandes.

(Compare Pv 17: 8, Pv 17:23). A desaprovação do fato declarado está implícita.

17 Aquele que primeiro mostra sua causa parece ser justo; mas somente até que outro venha, e o investigue.

Declarações unilaterais não são confiáveis.

searcheth – completamente (Pv 17: 9, Pv 17:19).

18 O sorteio cessa disputas, e separa poderosos de se confrontarem.

O sorteio – cuja disposição é de Deus (Pv 16:13), pode, apropriadamente usado, ser um modo correto de resolver disputas.

19 O irmão ofendido é mais difícil que uma cidade fortificada; e as brigas são como ferrolhos de uma fortaleza.

Nenhum feudo tão difícil de ajuste quanto os dos parentes; Por isso, grande cuidado deve ser usado para evitá-los.

20 Do fruto da boca do homem seu ventre se fartará; dos produtos de seus lábios se saciará.

(Compare Pv 12:14; Pv 13: 2). As palavras dos homens são o fruto ou o aumento de seus lábios e, quando bons, os beneficiam.

satisfeito com – (Compare Pv 1:31; Pv 14:14).

21 A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do fruto dela.

A morte e a vida estão no poder da língua.  Compare com Tiago 3:5.

aquele que a ama comerá do fruto dela – ou seja aquele que se emprega adequadamente com ela, emprega muita diligência no uso em discurso, seja com boas ou más intenções, como εὐλογῶν ou κακολογῶν, abençoando ou amaldiçoando, (Tg 3:9; comp. 1Co 12:3), experimentará em si mesmo os efeitos de seu uso ou seu abuso. Contra a aplicação unilateral deste “amar a língua” à eloquência (Hitzig), é de se acrescentar a natureza dupla da expressão na primeira frase, assim como a analogia do verso anterior. -A LXX (οἱ κρατοῦντες αὐτῆς) parece ter lido אֹחֲזֶיהָ (aqueles que a seguram) em vez de אֹהֲבֶיהָ, mas esta leitura dificilmente pode ter sido a original; comp. antes Pro 8:17, onde o verbo “amar” expressa essencialmente a mesma idéia que aqui, a de um cuidado e cultivo ou desenvolvimento cuidadoso. [Lange, Revisar]

22 Quem encontrou esposa, encontrou o bem; e obteve o favor do SENHOR.

As versões antigas fornecem “bom” antes da “esposa”, como a última sentença e Pv 19:14 implica (compare Pv 31:10).

23 O pobre fala com súplicas; mas o rico responde com durezas.

o ricocom durezas – Ele é tolerado porque rico, implicando que a estimativa dos homens pela riqueza está errada.

24 O homem que tem amigos pode ser prejudicado por eles; porém há um amigo mais chegado que um irmão.

O homem que tem amigos – ou seja, um que faz muitos amigos; torna-os demasiado fáceis e indiscriminadamente.

porém – pelo contrário, mas, em contraste com os muitos amigos de pouca importância.

um amigo. É uma palavra mais forte do que aquela traduzida “amigos” na primeira frase do versículo; e é usada de Abraão quando ele é chamado “o amigo de Deus” (2Cr 20:7; Isa 41:8; comp. 1Sa 18:1; 2Sa 1:26). Ver Pro 17:17.

Aqui está novamente um provérbio que só alcança seu objetivo Nele, que diz a seus discípulos: “Eu vos chamei de amigos”. Jo 15:15. [Cambridge, Revisar]

<Provérbios 17 Provérbios 19>

Visão geral de Provérbios

“O livro de Provérbios convida as pessoas a viverem com sabedoria e temor ao Senhor a fim de experimentarem a boa vida”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Provérbios.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.