Bíblia, Revisar

Judas 1

1 Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago, para aqueles que foram chamados, amados por Deus Pai, e guardados por Jesus Cristo.

servo de Jesus Cristo – como seu ministro e apóstolo.

irmão de Tiago – que era mais conhecido como bispo de Jerusalém e “irmão do Senhor” (isto é, primo ou irmão adotivo, sendo filho de José por um casamento anterior; pois as tradições antigas universalmente concordam que Maria, a mãe de Jesus , continuou perpetuamente uma virgem). Judas, portanto, chama-se modestamente de “irmão de Tiago”. Veja minha Introdução.

para aquelesamados por Deus Pai – Os manuscritos e versões mais antigos, Orígenes, Lúcifer e outros, leram “amados” para santificados. Se a versão em inglês for lida, compare Cl 1:12; 1Pe 1:2. O grego não é “por”, mas “em”. Deus o amor do Pai é o elemento no qual eles são “amados”. Assim, a conclusão, Jd 1:21, corresponde, “Mantenha-se no amor de Deus. “Compare” amado do Senhor “2Ts 2:13.

guardados por Jesus Cristo – “guardada”. Traduza não “em”, mas como em grego: “PARA JESUS ​​CRISTO”. “Mantém-se continuamente (assim o grego particípio perfeito significa) por Deus Pai para Jesus Cristo”, contra o dia do Seu chegando. Judas, de antemão, menciona a fonte e garantia para a realização final da salvação dos crentes; para que não sejam desanimados pelos males terríveis que ele anuncia (Bengel).

chamados – predicado de “aqueles que são amados em Deus Pai, e preservados em Jesus Cristo: quem é chamado.” O chamado eficaz de Deus no exercício da Sua prerrogativa divina, garante a sua segurança eterna.

2 Misericórdia a vós, e a paz e o amor vos sejam multiplicados.

Misericórdia – em tempos de miséria. Portanto, a misericórdia está em primeiro lugar; a misericórdia de Cristo (Jd 1:21).

paz – no Espírito Santo (Jd 1:20).

amor – de Deus (Jd 1:21). Os três respondem à Trindade divina.

seja multiplicado – em você e para você.

3 Amados, procurando eu vos escrever com todo empenho sobre a nossa salvação comum, eu tive por necessário vos escrever e exortar a batalhar pela fé que de uma vez foi entregue aos santos.

Design da Epístola (compare Jd 1:20-21).

todo empenho – (2Pe 1:5). Como o ministro deve dar toda a diligência para admoestar, assim o povo deve, de acordo com sua admoestação, dar toda a diligência para ter todas as graças cristãs, e fazer com que seu chamado seja certo.

a nossa salvação comum – forjada por Cristo. Compare Nota, veja em 2Pe 1:1, “obtido como fé preciosa”, Esta comunidade de fé, e do objeto de fé, salvação, forma a base de exortação mútua por apelos a esperanças e medos comuns.

tive por necessário – em vez disso, “senti a necessidade de escrever (agora de uma vez; assim o aoristo grego significa; o presente infinitivo” para escrever “, que precede, expressa apenas o fato geral da escrita) exortando-o”. razão pela qual ele sentiu que era necessário “escrever com exortação”, ele declara, Jd 1:4, “porque alguns homens se introduziram”, etc. Tendo pretendido escrever geralmente sobre “a salvação comum”, ele achou necessário os males existentes na Igreja, para escrever especialmente que eles deveriam lutar pela fé contra esses males.

fervorosamente contender – Compare Fm 1:27, “lutando juntos pela fé do Evangelho”.

uma vez – grego, “uma vez por todas entregue”. Nenhuma outra fé ou revelação é para substituí-lo. Um forte argumento para resistir a inovadores hereges (Jd 1:4). Os crentes, como os trabalhadores de Neemias (Ne 4:17), com uma mão, “edificam-se em sua santíssima fé”; com o outro eles “lutam fervorosamente pela fé” contra seus inimigos.

aos santos – todos os cristãos, santos (isto é, consagrados a Deus) por seu chamado e pelo desígnio de Deus.

4 Porque alguns entraram disfarçadamente entre vós, que desde antes estavam escritos para a condenação; pessoas ímpias, que distorcem a graça de Deus em perversão, e negam ao único Soberano Deus e nosso Senhor Jesus Cristo.

certos homens – implicando depreciação.

entraram disfarçadamente – furtivamente e ilegalmente. Veja em 2Pe 2:1, “em segredo, trará heresias condenáveis”.

antes … ordenado grego “, forewritten”, ou seja, na profecia de Pedro, Jd 1:17-18; e em Paulo antes disso, 1Tm 4:1; 2Tm 3:1; e por implicação nos juízos que alcançaram os anjos apóstatas. Os israelitas desobedientes, Sodoma e Gomorra, Balaão e Núcleo, e que são escritos “para um exemplo” (Jd 1:7 e Jd 1:5-6,11). O caráter eterno de Deus como o Justiceiro do pecado, conforme estabelecido nas Escrituras “da antiguidade”, é o fundamento sobre o qual tais personagens apóstatas são ordenados para a condenação. As Escrituras são o reflexo do livro da vida de Deus, no qual os crentes são “escritos entre os vivos”. “Escrito” é aplicado também em Rm 15:4 às coisas escritas nas Escrituras. A própria Escritura reflete o caráter de Deus desde a eternidade, que é a base de Seus decretos de eternidade. Bengel explica isso como uma frase abreviada para: “Eles foram de antemão profetizados por Enoque (Jd 1:14, que não escreveu suas profecias), e depois marcados pela palavra escrita.”

para a condenação – Judas coloca graficamente seu julgamento como se estivesse presente diante dos olhos, “ISTO”. A profecia de Enoque compreende os “homens ímpios” dos últimos dias antes da vinda de Cristo ao julgamento, assim como seus precursores, os “Homens ímpios” antes do dilúvio, o tipo do juízo final (Mt 24:37-39; 2Pe 3:3-7). A disposição e a condenação de ambos correspondem.

a graça de Deus – Uma frase para o Evangelho especialmente doce para os crentes que se apropriam de Deus em Cristo como “nosso Deus” e assim torna mais odiosa a vil perversidade daqueles que transformam o estado de graça e liberdade do Evangelho em uma base de licenciosidade, como se a sua isenção da lei lhes desse licença para pecar.

negam ao único Soberano Deus – Os manuscritos mais antigos, versões e Padres omitem “Deus”, que segue na versão inglesa. Traduzir como o grego, “o único mestre”; aqui usado de Jesus Cristo, que é ao mesmo tempo Mestre e “Senhor” (uma palavra grega diferente). Veja em 2Pe 2:1. Em virtude da perfeita unidade de Cristo com o Pai, Ele, assim como o Pai, é denominado “o ÚNICO” Deus e “MESTRE”. Grego, “Mestre”, implica a posse absoluta de Deus para dispor de Suas criaturas como Ele gosta.

5 Mas eu quer vos lembrar, sabendo vós tudo de uma vez por todas: que o Senhor, tendo liberto o povo para fora da terra do Egito, depois destruiu os que não creram.

(Hb 3:164:13)

portanto – Outros manuscritos mais antigos e a Vulgata leram “Mas”; em contraste com os ímpios Jd 1:4.

de uma vez por todas Traduza: “Eu gostaria de lembrá-lo, como conhecer TODOS (ou seja, que eu estou me referindo; assim os manuscritos mais antigos, versões e Padres) de uma vez por todas.” eles conhecem todos os fatos de uma vez por todas, ele precisa apenas “lembrá-los”.

O Senhor – Os manuscritos e versões mais antigos dizem: “Jesus”. Assim, diz-se que “Cristo” acompanhou os israelitas no deserto; tão perfeitamente é Jesus um com o Deus da teocracia israelita.

salvo – trazido com segurança e em um estado de segurança e salvação.

depois – grego, “segundo”; no próximo caso, “destruiu os que não criam”, em contraste com os seus, em primeiro lugar, ao salvá-los.

6 E aos anjos que não guardaram sua origem, mas deixaram sua própria habitação, ele os reservou debaixo de grande escuridão em prisões eternas até o julgamento do grande dia.

(2Pe 2:4)

não guardaram sua origem – a Vulgata traduz, “seu próprio principado”, que o fato de anjos serem em outra parte chamados de “principados”, favorece: “seu próprio” implica que, em vez de se contentar com a dignidade de uma vez por todas atribuída a eles o Filho de Deus, aspiraram mais alto. Alford acha que a narrativa em Gn 6:2 é aludida, não a queda do diabo e seus anjos, como ele pensa “entregando-se à fornicação” (Jd 1:7) prova; Compare grego, “de maneira semelhante a estes”, ou seja, aos anjos (Jd 1:6). Parece-me mais natural tomar “filhos de Deus” (Gn 6:2) dos setitas, do que dos anjos, que, como “espíritos”, não parecem capazes de conexão carnal. O paralelo, 2Pe 2:4, refere-se claramente à queda dos anjos apóstatas. E “de maneira semelhante a estes”, Jd 1:7, refere-se aos habitantes de Sodoma e Gomorra, “as cidades ao redor deles” pecando “da mesma forma” como “eles” fizeram (Estius e Calvino). Mesmo que os gregos “estes”, Jd 1:7, se refiram aos anjos, o sentido de “da mesma maneira que estes” será, não que os anjos carnativamente fornicam com as filhas dos homens, mas que sua ambição, pela qual suas afeições afastaram-se de Deus e caíram, é na opinião de Deus um pecado de tipo semelhante, espiritualmente, à medida que Sodoma se afasta da ordem da natureza de Deus, depois de carne estranha; o pecado dos anjos apóstatas segundo a sua espécie é análogo ao dos sodomitas humanos segundo a sua espécie. Compare a conexão espiritual um tanto similar de devassos e cobiça. O livro apócrifo de Enoque interpreta Gn 6:2 como Alford. Mas embora Jude esteja de acordo com isso em alguns detalhes, não se segue que ele concorda com isso em todos. Os hebreus nomeiam os anjos caídos Aza e Azael.

esquerda – por conta própria.

seus próprios – grego, “seu próprio”.

habitação – céu, todo brilhante e glorioso, em oposição às “trevas” para as quais eles agora estão condenados. Seus projetos ambiciosos parecem ter tido uma conexão peculiar com essa terra, da qual Satanás antes de sua queda pode ter sido vice-regente de Deus, de onde surge sua conexão subsequente com ele como primeiro o Tempter, então “o príncipe deste mundo”.

reservou – Como o grego é o mesmo, e há uma referência evidente a eles terem “não guardado seu primeiro estado”, traduzir: “Ele tem guardado”. Provavelmente o que quer dizer é que Ele os guardou em Seu propósito; esse é o destino certo deles; Além disso, até agora, Satanás e seus demônios andam por toda parte na Terra. Um penhor de sua desgraça é que eles foram expulsos do céu, estando já restritos às “trevas deste mundo atual”, o “ar” que cerca a terra, seu elemento peculiar agora. Eles se escondem em lugares de tristeza e morte, olhando para a frente com um medo agonizante para o seu tormento final no abismo sem fundo. Ele não significa cadeias literais e trevas, mas figurativo neste mundo atual onde, com poderes e liberdades restritos, excluídos do céu, eles, como prisioneiros condenados, aguardam seu destino.

7 Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que como aquelas, tendo cometido pecados sexuais, e seguido uma carne ilícita, foram postas como exemplo, recebendo a punição do fogo eterno.

Mesmo como – Alford traduz: “Eu gostaria de lembrar a você (Jd 1:5) que”.

Sodoma, etc. – (2Pe 2:6).

entregando-se à fornicação – depois de fornicação extraordinariamente, isto é, fora da ordem da natureza. Em “de maneira semelhante a eles” (graficamente), compare Nota, veja em Jd 1:6. Compare com a fornicação espiritual: “vai uma prostituição de ti”, Sl 73:27.

seguido uma carne ilícita – partindo do curso da natureza, e indo embora o que não é natural. Em tempos posteriores, as nações pagãs mais iluminadas entregaram-se ao pecado de Sodoma sem remorso ou vergonha.

são apresentados diante de nossos olhos.

sofrimento – passando por este tempo presente; aludindo às marcas do fogo vulcânico sobre o Mar Morto.

a vingança – grego, “justa retribuição”.

fogo eterno – As marcas duradouras do fogo que consumiram as cidades de maneira irreparável, são um tipo do fogo eterno para o qual os habitantes foram consignados. Bengel traduz como o grego admitirá: “Sofrendo (o) castigo (que eles suportam) como um exemplo ou amostra de fogo eterno (a saber, o que consumirá os iníquos).” Ez 16:53-55 mostra que os de Sodoma castigo, como nação, não é eterno. Compare também 2Pe 2:6.

8 Porém estes, também semelhantemente adormecidos, contaminam a carne, e rejeitam a soberania, e insultam as coisas dignas de glórias.

também – em vez disso, “De maneira semelhante, no entanto” (apesar desses exemplos de aviso) (Alford).

estesadormecidos – O grego não tem “sujo” da versão inglesa. A sentença “esses homens sonhando” (isto é, em seus sonhos), pertence a todos os verbos, “profanar”, “desprezar” e “falar mal”. Todos os pecadores estão espiritualmente adormecidos, e sua atividade carnal é como foi um sonho (1Ts 5:6-7). O mal que falam de dignidade é porque estão sonhando e não sabem do que falam mal (Jd 1:10). “Como um homem que sonha parece estar vendo e se aproximando de muitas coisas, assim as concupiscências do homem natural são agitadas pela alegria, aflição, medo e outras paixões. Mas ele é um estranho para o auto-comando. Assim, embora ele ponha em jogo todos os poderes da razão, ele não pode conceber a verdadeira liberdade que os filhos da luz, que estão despertos e à luz do dia; aprecie ”(Bengel).

contamine a carne – (Jd 1:7).

domínio – “senhorio”.

dignidades – literalmente, “glórias”. Dignidades terrenas e celestes.

9 Mas Miguel, o arcanjo, quando ele discutia com o diabo, e disputava por causa do corpo de Moisés, não ousou contra ele pronunciar juízo de maldição, porém disse: “O Senhor te repreenda.”

Miguel, o arcanjo – Em nenhum lugar das Escrituras o plural é usado, “arcanjos”; mas somente UM, “arcanjo”. A única outra passagem no Novo Testamento onde ocorre é 1Ts 4:16, onde Cristo é distinguido do arcanjo, com cuja voz Ele descerá para ressuscitar os mortos; eles, portanto, erram quem confunde Cristo com Michael. O nome significa, quem é como Deus? Em Dn 10:13 ele é chamado “Um (o primeiro ‘Margem) dos principais príncipes”. Ele é o anjo-campeão de Israel. Em Ap 12:7, o conflito entre Miguel e Satanás é novamente aludido.

corpo de Moisés – seu corpo literal. Satanás, como tendo o poder da morte, opôs-se a ressuscitá-lo novamente, com base no pecado de Moisés em Meribá e no assassinato do egípcio. Que o corpo de Moisés foi ressuscitado, aparece de sua presença com Elias e Jesus (que estavam no corpo) na Transfiguração: a amostra e penhor do vindouro reino da ressurreição, para ser introduzido por Miguel, que se levantava para defender a posição de Deus. pessoas. Assim, em cada dispensação, foi dada uma amostra e penhor da futura ressurreição: Enoque na dispensação patriarcal, Moisés no Levítico, Elias no profético. É digno de nota que a mesma repreensão é registrada aqui como foi usada pelo Anjo do Senhor, ou Jeová a Segunda Pessoa, em suplicar por Josué, o representante da Igreja Judaica, contra Satanás, em Zc 3:2; de onde alguns têm pensado que também aqui “o corpo de Moisés” significa a Igreja Judaica acusada por Satanás, diante de Deus, por sua imundícia, sobre a qual ele exige que a justiça divina siga seu curso contra Israel, mas é repreendida pelo Senhor que “escolheu Jerusalém”: assim, como “o corpo de Cristo” é a Igreja Cristã, então “o corpo de Moisés” é a Igreja Judaica. Mas o corpo literal é evidentemente aqui entendido (embora, secundariamente, a Igreja Judaica seja tipificada pelo corpo de Moisés, como era ali representado por Josué, o sumo sacerdote); e Michael, cuja conexão parece estar tão próxima do Messias de Jeová, por um lado, e de Israel, por outro, usa naturalmente a mesma linguagem do seu Senhor. Como Satanás (adversário no tribunal) ou o diabo (acusador) acusa igualmente a Igreja coletivamente e “os irmãos” individualmente, então Cristo implora por nós como nosso Advogado. A justificação completa de Israel, e de todos os crentes, e o acusador sendo repreendido por fim, ainda é futuro. Josefo [Antiguidades, 4.8], afirma que Deus escondeu o corpo de Moisés, para que, se tivesse sido exposto à vista, ele teria sido feito um ídolo de. Judas, nesse relato, ou o adota da “suposição de Moisés” apócrifa (como pensa Origenes [Concerning Principies, 3.2]), ou então da antiga tradição na qual essa obra foi fundada. Jude, como inspirado, poderia distinguir quanto da tradição era verdadeira, quanto falsa. Não temos tais meios de distinguir e, portanto, não podemos ter certeza de nenhuma tradição, exceto a que está na palavra escrita.

não deve durar – da reverência pela antiga dignidade de Satanás (Jd 1:8).

pronunciar juízo de maldição – grego, “julgamento de blasfêmia”, ou mal-falando. Pedro disse, Anjos não, para se vingar, desafiam as dignidades, apesar de ímpias, quando têm que contender com eles: Judas diz que o arcanjo Miguel mesmo não protestou na época em que lutou com o diabo, o Príncipe dos espíritos malignos – não por temor a ele, mas pela reverência de Deus, cujo poder delegado neste mundo Satanás já teve, e mesmo em algum grau ainda tem. Da palavra “disputada”, ou debatida em controvérsia, é claro que foi uma disputa judicial.

10 Mas estes insultam tudo aquilo que não conhecem; e tudo o que eles entendem naturalmente, como animais irracionais, nisso eles se corrompem.

(2Pe 2:12)

aquelas coisas que – grego “, todas as coisas que eles não entendem”, ou seja, as coisas do mundo espiritual.

mas o que … naturalmente – Conecte-se assim: “O que (assim o grego) as coisas naturalmente (por natural, cego instinto), como o irracional (então o grego) animais, eles sabem” etc. O grego para o primeiro “saber” implica conhecimento mais profundo; o último “sabe”, a mera percepção dos “sentidos e faculdades animais”.

11 Ai deles; porque eles entraram pelo caminho de Caim, e se dispuseram ao engano de Balaão por interesse por interesse de lucro, e pereceram pela rebelião de Coré.

Ai – Veja em 2Pe 2:14, “filhos amaldiçoados”.

Caim – o assassino: a raiz do pecado de quem era ódio e inveja dos piedosos, como é o pecado desses sedutores.

correu avidamente – literalmente, “foi derramado” como uma torrente que estourou suas margens. Indiferente ao que custa, à perda do favor de Deus e do céu, eles correm atrás de ganhos como Balaão.

pereceram pela rebelião de Coré – (compare Nota, ver em Jd 1:12). Quando lemos Coré perecendo por contraditório, lemos virtualmente também que perecem da mesma maneira através do mesmo: pois a mesma semente produz a mesma colheita.

12 Estes são manchas em vossas demonstrações de amor, participando dos banquetes convosco, apascentando a si mesmos sem temor; eles são nuvens sem água, levadas pelos ventos sem direção; são como árvores murchas, infrutíferas, duas vezes mortas e arrancadas pela raiz;

ventos … ondas do mar “, concorda com esta imagem de rochas. A Vulgata parece ter sido enganada pela palavra sonora similar para traduzir, como em inglês, “spots”; compare, no entanto, Jd 1:23, que favorece a versão em inglês, se o grego a suportar. Dois manuscritos mais antigos, pelo esforço do transcritor para fazer com que Jude diga o mesmo que Pedro, leia aqui “enganos” para “festas de amor”, mas o manuscrito mais pesado e as autoridades apóiam a leitura da Versão em Inglês. O banquete de amor acompanhou a Ceia do Senhor (1Co 11:17-34, fim). Coré, o levita, não satisfeito com seu ministério, aspirava também ao sacerdócio sacrificador: assim, os ministros na Ceia do Senhor procuraram fazê-lo sacrifício, e eles mesmos os sacerdotes sacrificadores, usurpando a função de nosso único sacerdote sacerdotal cristão, Cristo. Jesus. Deixe-os tomar cuidado com o destino de Coré!

alimentando-se – grego, “pastoreio (tendendo) -se.” O que eles olham é o mimo de si mesmos, não a alimentação do rebanho.

sem medo – Junte-se a estas palavras não como a versão em inglês, mas com “festa”. As festas sagradas, especialmente, devem ser celebradas com medo. O banquete não é defeituoso em si (Bengel), mas precisa ser acompanhado com medo de esquecer Deus, como Jó no caso das festas de seus filhos.

nuvens – das quais se esperaria chuvas refrescantes. 2Pe 2:17, “poços sem água”. Professores sem prática.

transportado sobre – Os manuscritos mais antigos “levaram de lado”, isto é, fora do caminho certo (compare Ef 4:14).

árvores murchas – em vez disso, “árvores do outono tardio (ou minguante)”, ou seja, quando não há mais folhas ou frutos nas árvores (Bengel).

infrutíferas – não tendo bons frutos de conhecimento e prática; às vezes usado do que é positivamente ruim.

duas vezes mortas – Primeiro, quando lançam suas folhas no outono, e parecem durante o inverno morto, mas revivem novamente na primavera; em segundo lugar, quando são “arrancados pelas raízes”. Assim, esses apóstatas, uma vez mortos em incredulidade e depois por profissão e batismo, ressuscitaram da morte do pecado para a vida de retidão, mas agora tornaram-se mortos pela apostasia; tão desesperadamente morto. Existe um clímax. Não só sem folhas, como árvores em l) comeu outono, mas sem frutos: não só isso, mas dea) d duas vezes; e para coroar tudo, “arrancado pelas raízes”.

13 Ondas furiosas do mar, que espumam suas próprias vergonhas; estrelas errantes, para as quais a escuridão das trevas está reservada eternamente.

Raging – selvagem. Jude tem em mente Is 57:20.

vergonha – plural em grego, “vergonha” (compare Fp 3:19).

estrelas errantes – em vez de seguir em órbita regular, como luzes para o mundo, irrompendo no mundo como cometas erráticos, ou melhor, meteoros de fogo, com um brilho estranho, e então condenados a cair novamente na escuridão do mundo. melancolia.

14 E Enoque, o sétimo depois de Adão, também profetizou sobre estes, dizendo: “Eis que o Senhor veio, com dezenas de milhares de seus santos;

Veja na Introdução sobre a fonte de onde Judas derivou essa profecia de Enoque. O Espírito Santo, por Judas, selou a verdade disso muito do assunto contido no livro de Enoque, embora provavelmente esse livro, assim como Judas, tenha derivado da tradição (compare Nota, veja em Jd 1:9). Há razões dadas por alguns para pensar o livro de Enoch copiado de Judas, em vez de vice-versa. É impressionante como, desde o início, a profecia se apressou em direção à sua consumação. As primeiras profecias do Redentor residem em Sua segunda vinda em glória, ao invés de Sua primeira vinda em humildade (compare Gn 3:15 com Rm 16:20). Enoque, em sua tradução sem morte, ilustrou a verdade que ele toda a sua vida pregou ao mundo incrédulo, a certeza da vinda do Senhor e a ressurreição dos mortos, como o único antídoto efetivo para o seu ceticismo e para o egoísmo. confiança na permanência da natureza.

E Enoque – grego, “Além disso, também Enoque”, etc.

sétimo depois de Adão – Sete é o número sagrado. Em Enoque, a liberdade da morte e o número sagrado são combinados: pois todo sétimo objeto é altamente valorizado. Judas, portanto, mostra a antiguidade das profecias. Compare Note, veja em Jd 1:4, “antigamente”. Havia apenas cinco pais entre Enoque e Adão. O sétimo de Adão profetizou as coisas que fecharão a sétima era do mundo (Bengel).

estes – em relação a estes. A referência de suas profecias não foi somente aos antediluvianos, mas a todos os ímpios (Jd 1:15). Sua profecia aplicava-se principalmente ao dilúvio, mas finalmente ao julgamento final.

cometh – literalmente, “veio”. Profecia considera o futuro tão certo como se fosse passado.

santos – Santos anjos (compare Dt 33:2; Dn 7:1014:5; Mt 25:31; Hb 12:22).

15 para fazer julgamento contra todos, e reprovar a todos os seus ímpios, por todas as suas obras de irreverência, que impiamente cometeram, e por todas as duras palavras que os ímpios pecadores falaram contra ele.”

Este verso e o começo da profecia de Enoch compõem-se no paralelismo poético hebreu, o espécime mais antigo existente. Alguns pensam que o discurso de Lameque, que também está em paralelismo poético, foi composto em escárnio da profecia de Enoque: como Enoque predisse a vinda de Jeová ao julgamento, Lúcech presume a impunidade na poligamia e no assassinato (assim como Caim, o assassino, parecia escapar com impunidade).

convencer – condenar.

duras palavras – tais como são notados em Jd 1:8,10,16; Ml 3:13-14; contraste Rm 16:17.

ímpios pecadores – não apenas pecadores, mas orgulhosos desprezadores de Deus: ímpios.

contra ele – Aqueles que falam contra os filhos de Deus são considerados por Deus como falando contra si mesmo.

16 Estes são murmuradores, reclamadores, que andam segundo seus próprios maus desejos; e sua boca fala palavras de arrogância, mostrando admiração às pessoas para o próprio proveito.

murmuradores – em segredo: murmurando murmúrios contra as ordenanças e ministros de Deus na Igreja e no Estado. Compare Jd 1:8, “fala mal das dignidades”; Jd 1:15, “discursos duros”; contra o Senhor.

reclamadores – nunca satisfeitos com o seu lote (Nm 11:1; compare a pena, Dt 28:47-48).

andam segundo seus próprios maus desejos – (Jd 1:18). O segredo de sua murmuração e reclamação é a inquietação inquieta de seus desejos.

grandes palavras de inchaço – (2Pe 2:18).

as pessoas dos homens – sua aparência e hierarquia.

por causa da vantagem – por causa do que eles podem ganhar deles. Enquanto eles falam grandes palavras de inchaço, eles são realmente mesquinhos e bajuladores em relação àqueles de riqueza e posição.

17 Mas vós, amados, lembrai-vos das palavras que foram preditas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo;

ye – em contraste com aqueles réprobos, Jd 1:20, novamente.

lembrai-vos – insinuando que seus leitores foram contemporâneos dos apóstolos. Pois Pedro usa a mesma fórmula para lembrar os contemporâneos de si mesmo e dos outros apóstolos.

falado antes – falado já antes de agora.

pelos apóstolos – Pedro (ver 2Pe 3:2-3), e Paulo antes de Pedro (At 20:29; 1Tm 4:1; 2Tm 3:1). Judas não se exclui do número dos apóstolos aqui, pois em Jd 1:18, imediatamente depois, ele diz, “eles te contaram”, não nós (um tanto quanto o grego, “costumava dizer”, implicando que Judas os leitores eram contemporâneos dos apóstolos, que costumavam dizer-lhes).

18 Como eles vos diziam, que “no último tempo haveria escarnecedores, que andariam segundo seus próprios desejos ímpios.”

escarnecedores – No paralelo, 2Pe 3:3, o mesmo grego é traduzido como “escarnecedores”. A palavra não é encontrada em nenhum outro lugar no Novo Testamento. Como Alford pode negar que 2Pe 3:2-3 é referido (pelo menos em parte), não posso imaginar, visto que Judas cita as próprias palavras de Pedro como as palavras que os apóstolos costumavam falar à sua Leitores de Jude.

andariam segundo seus próprios desejos ímpios – literalmente, “depois (de acordo com) suas próprias cobiças de impiedade”.

19 Estes são os que separam a si mesmos, mundanos, que não têm o Espírito.

Estes são eles – mostrando que seus personagens são como Pedro e Paulo haviam predito.

separam a si mesmos – da comunhão da Igreja em sua realidade espiritual e vital: por fora, participaram das ordenanças da Igreja (Jd 1:12). Alguns manuscritos mais antigos omitem “eles mesmos”: então entendam, “separem”, expulsem os membros da Igreja pela excomunhão (Is 65:5-6; Lc 6:22; Jo 9:34; comparei ”os eliminou da Igreja; ”3Jo 1:10). Muitos, no entanto, entendem “eles mesmos”, o que de fato é lido em alguns dos manuscritos mais antigos como a versão em Inglês diz. Arranjos arrogantes de si mesmos, como tendo maior santidade e sabedoria e doutrina peculiar, são distintos dos outros.

mundanos – literalmente, “de alma animal”: em oposição ao espiritual, ou “ter o Espírito”. É traduzido como “o homem natural”, 1Co 2:14. Na tríplice divisão do ser, corpo, alma e espírito do homem, o devido estado no desígnio de Deus é que “o espírito”, que é o recipiente do Espírito Santo unindo o homem a Deus, deveria ser o primeiro, e deve governar a alma, que fica intermediária entre o corpo e o espírito; mas no homem animal ou natural, o espírito é afundado em subserviência à alma animal, que é terrena em seus motivos e objetivos. O carnal afunda-se um pouco mais baixo, pois nestes a carne, o elemento mais baixo e o lado corrupto da natureza corpórea do homem, reina acima de tudo.

não têm o Espírito – No homem animal e natural, o espírito, sua parte superior, que deveria ser o receptor do Espírito Santo, não é assim; e, portanto, seu espírito não estando em seu estado normal, diz-se que ele não tem o espírito (compare Jo 3:5-6). Na conclusão da redenção, as partes do homem redimido devem ser colocadas em sua devida relação: enquanto nos ímpios, a alma separada do espírito terá para sempre a vida animal sem união com Deus e com o céu – uma morte viva.

20 Mas vós, amados, edificai a vós mesmos em vossa santíssima fé, orando no Espírito Santo.

Resumindo Jd 1:17.

edificai a vós mesmos – o oposto do “separar-se” (Jd 1:19): como “no Espírito Santo” se opõe a “não ter o Espírito”.

em – como em uma fundação. Construir sobre a fé equivale a construir sobre Cristo, o objeto da fé.

orando no Espírito Santo – (Rm 8:26; Ef 6:18). O Espírito Santo ensina o que devemos orar e como. Ninguém pode orar corretamente, salvo por estar no Espírito, isto é, no elemento de Sua influência. Crisóstomo afirma que, entre os carismas concedidos no início da dispensação do Novo Testamento, estava o dom da oração, concedido a alguém que orava em nome do restante, e ensinava outros a orar. Além disso, suas orações assim concebidas e frequentemente usadas foram recebidas e preservadas entre os cristãos, e fora delas formas de oração foram enquadradas. Essa é a origem das liturgias (Hammond).

21 Conservai a vós mesmos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.

Em Jd 1:20-21, Judas combina o Pai, o Filho e o Espírito Santo: fé, esperança e amor.

Mantenha-se – não em sua própria força, mas “no amor de Deus”, isto é, o amor de Deus por você e por todos os Seus filhos crentes, a única garantia de que eles sejam mantidos em segurança. A necessidade do homem de assistir está implícita; ao mesmo tempo ele não pode se manter, a menos que Deus em Seu amor o mantenha.

procurando – na esperança.

a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo – para ser plenamente manifestada em Sua vinda. Misericórdia é geralmente atribuída ao Pai: aqui para o Filho; tão inteiramente um são eles.

22 E tende misericórdia de alguns que estão em dúvida; salvai-os , arrancando-os do fogo

Ninguém, a não ser aqueles que “se mantêm”, provavelmente “salvam” os outros.

tende misericórdia – Então um manuscrito mais antigo diz. Mas dois manuscritos mais antigos, a Vulgata, etc., lêem, “condenam”; “Reprove a sua convicção”; “Confunda, para convencer.”

fazendo a diferença – Os manuscritos e versões mais antigos lêem o acusativo para o nominativo, “quando se separam” [Wahl], referindo-se a Jd 1:19; ou “contendendo contigo”, como o grego é traduzido, Jd 1:9.

23 Mas a outros tende misericórdia em temor, odiando até a roupa contaminada pela carne.

salve com medo – Os manuscritos mais antigos não lêem “com medo” nesta posição: mas depois de “arrebatá-los do fogo” (com os quais, compare Am 4:11; 1Co 3:15; Zc 3:2, disse de uma fuga mais estreita), eles adicionam as seguintes palavras, formando uma TERCEIRA classe, “e outros compassivos com (IN) medo”. Três tipos de pacientes requerem três tipos de tratamento médico. Dizem que ministros e cristãos “salvam” aqueles a quem são feitos os instrumentos de salvação; o grego para “salvar” está presente, significando “tentar salvar”. Judas já (Jd 1:9) tinha referência à mesma passagem (Zc 3:1-3). As três classes são: (1) aqueles que lutam com você (caso acusativo nos manuscritos mais antigos), a quem você deve condenar; (2) aqueles que são como marcas já no fogo, dos quais o fogo do inferno é a consumação: estes você deve tentar salvar arrebatando-os; (3) aqueles que são objetos de compaixão, a quem você deve compadecer (e ajudar se a ocasião deve oferecer), mas ao mesmo tempo não deixe que a piedade degenere em conivência com seu erro. Sua compaixão deve ser acompanhada “com medo” de ser de todo contaminada por eles.

odiando – Até mesmo o ódio tem seu campo legítimo de exercício. O pecado é a única coisa que Deus odeia: assim devemos nós.

até a roupa – uma frase proverbial: evitando o contato mais remoto com o pecado e odiando aquilo que faz fronteira com ele. Visto que as vestimentas dos apóstolos realizaram milagres de bem na cura, também a vestimenta dos pecadores metaforicamente, isto é, qualquer coisa que tenha contato com sua poluição, deve ser evitada. Compare com os leprosos e outras pessoas contaminadas, Lv 13:52-5715:4-17: as vestes eram poluídas; e quem os tocasse era excluído, até ser purificado, da comunhão religiosa e civil com o povo santificado de Israel. Cristãos que receberam no batismo a veste branca em sinal de pureza, não devem contaminá-la por qualquer abordagem do que é contaminado.

24 E para aquele que é poderoso para vos guardar de tropeçar, e vos apresentar irrepreensíveis com alegria diante de sua glória;

Doxologia conclusiva.

Agora – grego, “mas”.

você – Alford, sob autoridade inferior, lê “eles”. Você está em contradição com aqueles homens ímpios mencionados acima.

mantenha … de cair – em vez disso, “guarda … (de modo a ser) sem cair”, ou tropeçando.

sem defeito – grego, “sem culpa”.

diante de sua glória – isto é, antes de Si mesmo, quando Ele será revelado em glória.

com alegria – literalmente, “com exultação” como daqueles que saltam de alegria.

25 Ao único Deus, nosso Salvador, por meio de Jesus Cristo nosso Senhor, seja a glória e majestade, poder e autoridade, agora, e para todo o sempre, Amém!

Ao único Deus, nosso Salvador – Os manuscritos mais antigos acrescentam: “por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor”. Os transcritores, imaginando que o “Salvador” se aplicava somente a Cristo, omitiu as palavras. O sentido é, para o único Deus (o Pai) que é nosso Salvador através de (isto é, pela mediação de) Jesus Cristo, nosso Senhor.

domínio – grego, “poder”.

poder – autoridade: poder legítimo. Os manuscritos mais antigos e a Vulgata, depois de “poder”, têm “antes de toda a era”, isto é, antes de todo tempo sobre o passado: “e agora”, como para o presente; “E para todas as eras”, isto é, para sempre, quanto ao tempo que virá.

<3 João 1 Apocalipse 1>

Introdução à Judas 1

Endereço: Saudação: Seu objetivo, por escrito: advertir contra os sedutores em doutrina e prática da vingança de Deus sobre os apóstatas, Israel, os anjos caídos, Sodoma e Gomorra. Descrição desses homens maus, em contraste com Michael: como Caim, Balaão e Núcleo: a profecia de Enoque quanto a eles: O aviso dos apóstolos: Exortação conclusiva a respeito de preservar sua própria fé e tentar salvar outros: Doxologia.

Leia também uma introdução à Epístola de Judas.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.