Bíblia, Revisar

Marcos 6

Cristo é rejeitado em Nazaré

(= Mt 13: 54-58; Lc 4: 16-30)

1 Jesus partiu-se dali, veio à sua terra, e seus discípulos o seguiram.
2 E chegando o sábado, começou a ensinar na sinagoga; e muitos, quando o ouviram, espantavam-se, dizendo: De onde lhe vem estas coisas? E que sabedoria é esta que lhe foi dada? E tais maravilhas feitas por suas mãos?
3 Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, de José, de Judas, e de Simão? E não estão aqui as suas irmãs conosco? E ofenderam-se nele.
4 E Jesus lhes dizia: Todo profeta tem honra, menos em sua terra, entre os parentes, e em sua própria casa.
5 Ele não pôde ali fazer milagre algum, a não ser somente para uns poucos enfermos, sobre os quais pôs as mãos e os curou.
6 E ficou admirado da incredulidade deles. Ele percorreu as aldeias do redor, ensinando.
7 E chamou a si os doze, e começou a enviar de dois em dois; e deu-lhes poder sobre os espíritos imundos.

 Missão dos doze apóstolos

(= Mt 10: 1, Mt 10: 5-15; Lc 9: 1-6).

8 E mandou-lhes que não tomassem nada para o caminho, a não ser somente um bordão; nem bolsa, nem pão, nem dinheiro no cinto;
9 mas que calçassem sandálias, e não se vestissem de duas túnicas.
10 E dizia-lhes: Onde quer que entrardes em alguma casa, ficai ali até que dali saiais.
11 E todos os que não vos receberem, nem vos ouvirem, quando sairdes dali, sacudi o pó que estiver debaixo de vossos pés, em testemunho contra eles.
12 Eles, então, se foram, e pregaram que as pessoas se arrependessem.
13 Eles expulsaram muitos demônios, e a muitos enfermos ungiram com azeite, e os curaram.

A visão de Herodes sobre Cristo

(= Mt 14: 1-12; Lc 9: 7-9).

14 O rei Herodes ouviu falar disso (porque o nome de Jesus já era notório). E diziam: João Batista ressuscitou dos mortos, e por isso estas maravilhas operam nele.

(Mc 6: 14-16).

E o rei Herodes – isto é, Herodes Antipas, um dos três filhos de Herodes, o Grande, e irmão de Arquelau (Mt 2:22), que governou como etniquiatra sobre a Galileia e a Peréia.

ouviu falar disso – (porque seu nome foi espalhado no exterior); e ele disse – “aos seus servos” (Mt 14:2), seus conselheiros ou ministros da corte.

E diziam: João Batista ressuscitou dos mortos– O profeta assassinado assombrou seu seio culpado como um espectro, e lhe pareceu vivo novamente e revestido de poderes sobrenaturais, na pessoa de Jesus.

15 Outros diziam: É Elias; e outros diziam: É profeta, como algum dos profetas.

– (Veja Mt 16:14).

16 Quando, porém, Herodes ouviu falar disso, falou: Ele é João, de quem cortei a cabeça. Ele ressuscitou.

“Ele mesmo ressuscitou”; como se a inocência e a santidade de seu fiel reprovador não tivessem sofrido para que ele permanecesse morto há muito tempo.

 Prisão e Morte do Batista.

17 Pois o próprio Herodes havia mandado prender João, e acorrentá-lo na prisão, por causa de Herodias, mulher do seu irmão Filipe, porque havia se casado com ela.

– no castelo de Macaerus, perto da extremidade sul dos domínios de Herodes, e junto ao mar Morto [Josefo, Antiguidades, 18: 5, 2].

por causa de Herodias – Ela era a neta de Herodes, o Grande.

mulher de seu irmão Filipe – e, portanto, sobrinha de ambos os irmãos. Este Filipe, no entanto, não era o tetrarca desse nome mencionado em Lc 3:1, mas um cujo nome distintivo era “Herodes Filipe”, outro filho de Herodes, o Grande – que foi deserdado por sua pai. A esposa de Herodes Antipas era filha de Aretas, rei da Arábia; mas ele prevaleceu em Herodias, esposa de seu meio-irmão Filipe, para abandonar seu marido e viver com ele, sob condição, diz Josefo [Antiguidades, 18.5, 1], que ele deveria arrumar sua própria esposa. Isso o envolveu depois na guerra com Aretas, que o derrotou totalmente e destruiu seu exército, dos efeitos dos quais ele nunca foi capaz de se recuperar.

18 Pois João dizia a Herodes: Não te é lícito possuir a mulher do teu irmão.

Nobre fidelidade! Não era legal porque a esposa de Herodes e o marido de Herodíade estavam vivos; e além disso, porque as partes estavam dentro dos graus proibidos de consanguinidade (ver Lv 20:21); Herodias sendo a filha de Aristóbulo, o irmão de ambos Herodes e Filipe [Josefo, Antiguidades, 18,5, 4].

19 Assim Herodias o odiava, e queria matá-lo, mas não podia,
20 pois Herodes temia João, sabendo que era um homem justo e santo, e o estimava. E quando o ouvia, ficava muito perplexo, o ouvia de boa vontade.

Pois Herodes temia João – mas, como observa Bengel, João não temia Herodes.

sabendo que ele era um homem justo e santo – Compare o caso de Elias com Acabe, após o assassinato de Nabote (1Rs 21:20).

e quando ele o ouviu, ele fez muitas coisas – muitas coisas boas sob a influência do Batista em sua consciência.

o ouvia de boa vontade – uma afirmação notável, pela qual somos gratos ao nosso evangelista gráfico, ilustrando o funcionamento de princípios contrários nos escravos da paixão. Mas isso só mostra o quanto Herodias deve ter operado sobre ele, como Jezabel em Acabe, que ele deveria concordar com o que sua consciência desperta o impediu de executar por muito tempo.

21 Mas veio um dia oportuno, em que Herodes, no dia do seu aniversário, dava uma ceia aos grandes de sua corte, aos comandantes militares, e aos principais da Galileia.

Mas veio um dia oportuno – para os propósitos de Herodias.

dava uma ceia aos grandes de sua corte, aos comandantes militares, e aos principais da Galileia– Essa minúcia gráfica de detalhes acrescenta muito ao interesse da trágica narrativa.

22 Então a filha dessa Herodias entrou dançando, e agradou a Herodes e aos que estavam sentados com ele. O rei disse à garota: Pede-me quanto quiseres, que eu darei a ti.

Então a filha dessa Herodias – isto é, sua filha por seu próprio marido, Herodes Filipe: Seu nome era Salomé [Josefo, Antiguidades, 18,5, 4]

23 E jurou a ela: Tudo o que me pedirdes te darei, até a metade do meu reino.

E ele – o rei, assim chamado, mas apenas por cortesia (ver em Mc 6:14).

jurado a ela Tudo o que pedires de mim, para a metade do meu reino – Aqueles em quem a paixão e o luxo destruíram o auto-comando, em um momento caprichoso dirão e farão o que nos seus frios momentos eles lamentam amargamente.

24 Então ela saiu, e perguntou à sua mãe: Que pedirei? E ela respondeu: A cabeça de João Batista.
25 E entrando ela logo apressadamente ao rei, pediu, dizendo: Quero que imediatamente me dês num prato a cabeça de João Batista.
26 E o rei entristeceu-se muito; mas , por causa dos juramentos, e dos que estavam juntamente à mesa, não quis recusar a ela.

E o rei entristeceu-se muito – Com seus sentimentos em relação a João, e as verdades que tão contadas em sua consciência dos lábios daquele pregador, e depois de tantas vezes e cuidadosamente salvando-o da ira de seu amante, deve ter sido muito irritante para encontrar-se profundamente preso por sua própria loucura precipitada.

por causa dos juramentos – Veja como os homens de nenhum princípio, mas a consciência problemática, se prenderão a quebrar um juramento precipitado, enquanto cedem à comissão dos piores crimes!

dos que estavam juntamente à mesa – sob a influência daquela falsa vergonha, que não podia tolerar que se pensasse estar preocupado com escrúpulos religiosos ou morais. Para quantos isso provou ser uma armadilha fatal!

27 Então logo o rei enviou o executor com a ordem de trazer ali sua cabeça. Ele, foi, e o decapitou na prisão.

– depois de, ao que parece, mais de doze meses de “prisão”. Bendito mártir! Escuro e triste foi o fim reservado para ti: mas agora tens a bênção do teu Mestre: “Bendito é aquele que não se ofender em Mim” (Mt 11:6), e achareis a vida que me deste (Mateus 10). : 39).

28 Em seguida, trouxe a sua cabeça num prato, e o deu à garota; e a garota a deu à sua mãe.

E trouxe a sua cabeça num carregador, e deu-a à donzela; e a donzela deu-a à sua mãe; Herodias não derramou o sangue da severa repreensão; ela apenas fez isso e então se regozijou sobre ele, enquanto ele fluía da cabeça sem tronco.

29 Quando os discípulos dele ouviram isso, vieram, pegaram o seu cadáver, e o puseram num sepulcro.

Quando os discípulos dele ouviram isso – isto é, os próprios discípulos do Batista.

vieram, pegaram o seu cadáver, e o puseram num sepulcro – “e foram e falaram a Jesus” (Mt 14:12). Se esses discípulos, até então, se afastassem Dele, como partidários de João (Mt 11:2), talvez agora viessem a Jesus, não sem alguma reflexão secreta sobre Ele por Sua aparente negligência de seu mestre; mas talvez também, como órfãos, dedicar-se agora aos discípulos do Senhor. Como Jesus sentiu, ou o que Ele disse, ao receber essa inteligência, não está registrado; mas Aquele de quem foi dito que estava junto à sepultura de Seu amigo Lázaro, “Jesus chorou”, provavelmente não receberia tal inteligência sem profunda emoção. E uma razão pela qual Ele pode não estar disposto a que um pequeno corpo dos discípulos de João se agarre a ele até o fim, poderia fornecer alguns amigos em anexo que deveriam fazer pelo seu precioso corpo, em pequena escala, o que foi depois para ser feito por conta própria.

Cinco mil são milagrosamente alimentados

30 Os apóstolos juntaram-se de volta a Jesus, e contaram-lhe tudo, tanto o que haviam feito, como o que haviam ensinado.

Mc 6: 30-56. Os doze em seu retorno, tendo relatado o sucesso de sua missão, Jesus cruza o Mar da Galileia com eles, ensina o povo, e milagrosamente os alimenta ao número de cinco mil – Ele envia seus discípulos por navio novamente para o lado ocidental, enquanto Ele mesmo retorna depois andando no mar – Incidentes no pouso. (= Mt 14: 13-36; Lc 9: 10-17; Jo 6: 1-24).

Aqui, pela primeira vez, todas as quatro correntes do texto sagrado correm paralelas. A ocasião e todas as circunstâncias desta grande seção são assim trazidas diante de nós com uma vivacidade notável.

E os apóstolos se reuniram – provavelmente em Cafarnaum, ao voltar de sua missão (Mc 6: 7-13).

e contaram-lhe tudo, tanto o que haviam feito, como o que haviam ensinado – Observe as várias razões que Ele tinha para cruzar para o outro lado. Primeiro, Mateus (Mt 14:13) diz que “quando Jesus ouviu” do assassinato de Seu fiel precursor – daqueles discípulos ligados que haviam pegado seu corpo e o colocaram num sepulcro (ver em Mc 6:29). ) – “Ele partiu de navio para um lugar deserto à parte”; ou para evitar algumas consequências apreendidas para Si mesmo, surgindo da morte do Batista (Mt 10:23), ou mais provavelmente para ser capaz de entrar naqueles sentimentos que aquele evento afetivo sem dúvida despertou, e para qual a agitação da multidão em torno dele era muito desfavorável. Em seguida, já que Ele deve ter ouvido o relato dos Doze com o mais profundo interesse, e provavelmente com algo da emoção que Ele experimentou no retorno dos Setenta (ver em Lc 10:17-22), Ele buscou privacidade para reflexão não perturbada. sobre isso começou a pregação e progresso do Seu reino. Mais uma vez, Ele estava cansado com a multidão de “chegados e frequentadores” – privando-o até de lazer suficiente para tomar sua comida – e queria descansar: “Venham a si mesmos em um lugar deserto, e descansem um pouco” etc. a influência combinada de todas essas considerações, nosso Senhor buscou essa mudança.

31 E ele lhes disse: Vinde vós à parte a um lugar deserto, e descansai um pouco; pois havia muitos que iam e vinham, e não tinham tempo para comer.
32 E foram-se num barco a um lugar deserto à parte.

“sobre o mar da Galileia, que é o mar de Tiberíades”, diz João (Jo 6:1), o único dos evangelistas que o descreve tão bem; os outros escreveram quando seus leitores deveriam saber alguma coisa, enquanto o último escrevia para aqueles que estavam em uma distância maior de tempo e lugar. Esse “lugar do deserto” é mais definitivamente descrito por Lucas (Lc 9:10) como “pertencente à cidade chamada Betsaida”. Isso não deve ser confundido com a cidade assim chamada no lado oeste do lago (ver em Mt 11:21). Esta cidade ficava no seu lado nordeste, perto de onde o Jordão se esvazia: na Gaulonitis, fora dos domínios de Herodes Antipas, e dentro dos domínios de Filipe, o Tetrarca (Lc 3:1), que a levantou de uma aldeia para uma cidade, e chamou Julias, em honra de Julia, a filha de Augusto [Josefo, Antiguidades, 18.2, 1].

33 Mas os viram ir, e muitos o reconheceram. Então correram para lá a pé de todas as cidades, chegaram antes deles.

Então correram para lá a pé  – Aqui, talvez, deveria ser feito “por terra” – correndo ao redor da cabeceira do lago, e tomando um dos vaus do rio, de modo a encontrar Jesus, que estava cruzando com os Doze por navio .

chegaram antes deles – Quão extraordinariamente gráfico é isto! cada toque revelando a presença de uma testemunha ocular. João (Jo 6:3) diz que “Jesus subiu a uma montanha” – em algum lugar naquela faixa montanhosa, o planalto verde que contorna o lado oriental do lago.

34 Quando Jesus saiu do barco , viu uma grande multidão, e teve compaixão deles porque eram como ovelhas que não têm pastor. Assim, começou a lhes ensinar muitas coisas.

À vista das multidões que O seguiram por terra e chegaram até Ele, Ele ficou tão comovido, como era seu costume em tais casos, com compaixão, porque eles eram como ovelhas sem pastor, a ponto de renunciar tanto à privacidade quanto ao descanso que Ele poderia ministrar a eles. Aqui temos uma importante informação do Quarto Evangelista (Jo 6:4), “E a Páscoa, uma festa dos judeus, estava perto” – sim, “Agora a Páscoa, a festa dos judeus, estava próxima. Isso explica as multidões que agora se aglomeravam em torno dele. Eles estavam a caminho de manter aquele festival em Jerusalém. Mas Jesus não subiu a este festival, como João expressamente nos diz, (Jo 7:1) – permanecendo na Galileia, porque os judeus dominantes procuraram matá-lo.

35 E quando já era tarde, os seus discípulos vieram a ele, e disseram: O lugar é deserto, e a hora já é tarde.

diz Lucas (Lc 9:12). Mateus (Mt 14:15) diz: “quando já era noite”; e, no entanto, ele menciona uma noite posterior do mesmo dia (Mc 6:23). Esta noite começou às três da tarde; o último começou ao pôr do sol.

36 Despede-os, para eles irem aos campos e aldeias circunvizinhos, e comprarem comida.

João nos diz (Jo 6:5-6) que “Jesus disse Filipe, de onde compraremos pão, para que estes comam? (E isto Ele disse para prová-lo: pois Ele mesmo sabia o que faria). ”O assunto pode ter sido introduzido por alguma observação dos discípulos; mas a ordem precisa e a forma do que foi dito por cada um dificilmente podem ser reunidos com precisão, nem é de qualquer importância.

37 Mas ele respondeu: Dai-lhes vós mesmos de comer. E eles lhe responderam: Iremos, e compraremos duzentos denários de pão, para lhes darmos de comer?

Mas ele respondeu: Dai-lhes vós mesmos de comer – Dá-los para comer – sem dúvida disse para prepará-los para o que estava a seguir. “Eles não precisam partir” (Mt 14:10).

E eles lhe responderam: Iremos, e compraremos duzentos denários de pão, para lhes darmos de comer? – “Felipe respondeu-lhe: Duzentos denários de pão não é suficiente para eles, que cada um deles pode demorar um pouco” (Jo 6:7).

38 E ele lhes disse: Quantos pães tendes? Ide ver. Quando souberam, disseram: Cinco, e dois peixes.

João é mais preciso e completo: “Um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro, disse-lhe: Há aqui um rapaz que tem cinco pães de cevada e dois pequenos peixes, mas o que são entre tantos? ”(Jo 6:8-9). Provavelmente este era todo o estoque de provisões então sob o comando dos discípulos – não mais do que o suficiente para uma refeição para eles – e confiada o tempo a esse rapaz. “Ele disse: Traga-os para cá” (Mt 14:18).

39 E mandou-lhes que fizessem sentar a todos em grupos sobre a grama verde.

ou “feno verde”; a grama de classificação desses resíduos espessa. Pois, como João (Jo 6:10) observa, “havia muita grama no lugar”.

40 E sentaram-se repartidos de cem em cem, e de cinquenta em cinquenta.

Sem dúvida, isso era para mostrar de relance o número alimentado e permitir que todos pudessem testemunhar de maneira ordenada esse glorioso milagre.

41 Ele tomou os cinco pães e os dois peixes, levantou os olhos ao céu, abençoou, e partiu os pães, e os deu aos discípulos, para que os pusessem diante deles. E os dois peixes repartiu com todos.

levantou os olhos ao céu – Assim, os mais distantes deles veriam claramente o que Ele estava fazendo.

abençoou – João (Jo 6:11) diz: “E quando ele deu graças.” O sentido é o mesmo. Essa ação de graças pela refeição e sua bênção como alimento de milhares de pessoas foi a crise do milagre.

e partiu os pães, e os deu aos discípulos, para que os pusessem diante deles – virtualmente mantendo esses homens como Seus futuros ministros.

42 Todos comeram e se saciaram.

Todos os quatro evangelistas mencionam isto: e João (Jo 6:11) acrescenta, “e igualmente dos peixes, tanto quanto eles gostariam” – para mostrar que tão grande quanto a multidão, e escassas as provisões, a refeição para cada um e todos eles era abundante. “Quando eles estavam cheios, Ele disse aos Seus discípulos: Reunam os fragmentos que restam, para que nada se perca” (Jo 6:12). Isto foi projetado para mostrar toda a extensão do milagre.

43 E dos pedaços de pão e dos peixes levantaram doze cestos cheios.

“Portanto (diz Jo 6:13), reuniram-nos e encheram doze cestos com os fragmentos dos cinco pães de cevada, que permaneceram por cima e por cima os que tinham comido ”. O artigo aqui traduzido“ cestas ”em todas as quatro narrativas era parte da bagagem levada pelos judeus em uma jornada – para transportar, diz-se, tanto suas provisões quanto o feno para dormir, que eles podem não tem que depender dos gentios, e assim correr o risco de poluição cerimonial. Nisto temos uma corroboradora confirmação da verdade das quatro narrativas. Evidências internas deixam claro, pensamos, que os três primeiros evangelistas escreveram independentemente uns dos outros, embora o quarto tenha visto todos os outros. Mas aqui, cada um dos três primeiros evangelistas usa a mesma palavra para expressar a aparentemente insignificante circunstância de que as cestas usadas para reunir os fragmentos eram do tipo que até mesmo o satirista romano, Juvenal, conhecia com o nome de cophinus, enquanto em ambos as narrativas da alimentação dos Quatro Mil Céus são expressamente ditas como tendo sido do tipo chamado spuris. (Veja Mc 8:19-20)

44 Os que comeram os pães eram cinco mil homens.

“além de mulheres e crianças” (Mt 14:21). Destes, no entanto, provavelmente não haveria muitos; como apenas os homens eram obrigados a ir ao festival que se aproximava.

45 Logo depois, ordenou seus discípulos a subirem no barco, e ir adiante para o outro lado, em Betsaida, enquanto ele despedia a multidão.

Um particular muito importante dado somente por João (Jo 6:15) introduz esta parte: “Quando Jesus, pois, percebeu que eles O levariam à força, para fazer dele um rei, Ele partiu novamente para um monte sozinho”.

até Betsaida – Betsaida da Galileia (Jo 12:21). João (Jo 6:17) diz que eles “atravessaram o mar em direção a Cafarnaum” – o vento, provavelmente, ocasionou esse leve desvio da direção de Betsaida.

enquanto ele despedia a multidão – Seu objetivo nisso era pôr um fim à excitação mal direcionada em Seu favor (Jo 6:15), na qual os próprios discípulos podem ter sido atraídos. A palavra “constrangido” implica relutância de parte deles, talvez da má vontade de se separar de seu Mestre e embarcar à noite, deixando-o sozinho na montanha.

46 E, depois de os despedir, foi ao monte para orar.

Assim, finalmente, obtendo aquela privacidade e descanso que Ele tinha procurado em vão durante a primeira parte do dia; Oportunidade também para derramar Sua alma em conexão com a extraordinária excitação em Seu favor naquela noite – que parece ter marcado o apogeu de Sua reputação, pois começou a declinar no dia seguinte; e um lugar de onde ele pode observar os discípulos no lago, orar por eles em suas extremidades e observar o momento certo para chegar a eles, em uma nova manifestação de Sua glória, no mar.

47 Ao anoitecer, o barco estava no meio do mar, e Jesus sozinho em terra.

Ao anoitecer  (ver em Mc 6:35). Ele chegou mesmo quando os discípulos embarcaram (Mt 14:23; Jo 6:16).

o barco estava no meio do mar – João diz (Jo 6:17): “Agora estava escuro, e Jesus não veio a eles”. Talvez eles não tenham feito grande esforço para atravessar. a princípio, tendo uma esperança persistente de que seu Mestre ainda se juntaria a eles, e assim permitiu que a escuridão se aproximasse. “E o mar surgiu” (acrescenta o discípulo amado, Jo 6:18), “por causa de um grande vento que soprou”.

48 E viu que se cansavam muito remando, porque o vento lhes era contrário. Então, perto da quarta vigília da noite, veio a eles andando sobre o mar, e queria passar por eles.

E viu que se cansavam muito remando, porque o vento lhes era contrário – estendendo toda a sua força para afogar as ondas e suportar contra o vento da cabeça, mas com pouco efeito. Ele “viu” isto do alto da sua montanha, e através da escuridão da noite, porque o seu coração estava todo com eles; contudo, Ele não iria para o seu alívio, até que chegasse o seu próprio tempo.

Então, perto da quarta vigília da noite – Os judeus, que costumavam dividir a noite em três relógios, adotaram a divisão romana em quatro relógios, como aqui. De modo que, à razão de três horas para cada um, o quarto relógio, calculado das seis da tarde, seria três horas da manhã. “Então, quando eles remavam cerca de cinco e vinte ou trinta estádios” (Jo 6:19) – mais do que na metade do caminho. O lago tem cerca de sete milhas de largura em sua parte mais larga. De modo que em oito ou nove horas eles tinham feito apenas três milhas e meia. Por esta altura, portanto, eles devem ter estado em estado de exaustão e desânimo beirando o desespero; e agora finalmente, tendo tentado por tempo suficiente.

veio a eles andando sobre o mar – “e se aproxima do navio” (Jo 6:19).

e queria passar por eles – mas apenas no sentido de Lc 24:28; Gn 32:26; compare Gn 18:3,542:7.

49 Mas quando eles o viram andando sobre o mar, pensaram que era uma fantasma, e gritaram,

(Mt 14:26). Ele apareceria a eles a princípio como uma partícula escura e móvel sobre as águas; depois, como figura humana; mas no escuro céu tempestuoso, e não sonhando que poderia ser o seu Senhor, eles o tomam como um espírito. Compare com Lc 24:37.

50 pois todos o viam, e ficaram perturbados. Então logo falou com eles, dizendo: Tende coragem! Sou eu, não tenhais medo.

Há algo nestas duas pequenas palavras – dadas por Mateus, Marcos e João (Mt 14:27; Mc 6:50; Jo 6:20) – “Sou eu”, que da boca que falou e as circunstâncias em que foi proferida, passam o poder da linguagem para expressar. Ali estavam eles em meio a um mar revolto, seu pequeno latido era o esporte dos elementos e com luz suficiente para observar um objeto nas águas que só agravavam seus medos. Mas Jesus considera suficiente para dissipar toda a apreensão para que eles saibam que Ele estava lá. De outros lábios, “eu sou” significaria apenas que a pessoa que fala era tal e não outra pessoa. Isso, certamente, teria feito pouco para acalmar os medos dos homens, esperando que cada minuto, talvez, chegasse ao fundo. Mas falado por Aquele que naquele momento estava “pisando nas ondas do mar”, e estava prestes a silenciar os elementos furiosos com Sua palavra, o que foi a Voz que gritou de velho nos ouvidos de Israel, mesmo a partir do dias de Moisés, “EU SOU”; “Eu, também eu, eu sou!” Compare Jo 18:5-68:58 Agora, essa Palavra é “feita carne e habita entre nós”, pronunciando-se ao nosso lado em tons familiares queridos – “É a Voz do meu Amado!” Até que ponto isso foi apreendido por esses apavorados discípulos? Havia um, nós sabemos, no barco que superava todo o resto na suscetibilidade a tais apelos sublimes. Não era o escritor de tom profundo do Quarto Evangelho, que, embora ele vivesse para elevar-se além de todos os apóstolos, ainda era jovem demais para a proeminência, e todo imaturo. Foi Simon Barjonas. Aqui segue um episódio muito notável e instrutivo, gravado por Mateus sozinho:
Pedro se aventura a andar sobre o mar (Mt 14:28-32).
Mt 14:28:
E Pedro, respondendo-lhe, disse: Senhor, se és tu, pede-me que venha a ti sobre a água – não “deixe-me”, mas “dar-me a palavra de comando” – “comando”, ou “ordem para vir a ti sobre as águas.
Mt 14:29:

E Ele disse: Vem – Palavra sublime, emanando de Um consciente do poder sobre o elemento furioso, para que ele sirva a Si mesmo e a quem mais Ele desejou!
E quando Pedro desceu do navio, ele andou sobre a água – “águas”.
vir a Jesus – “Era um espírito ousado”, diz o bispo Hall, “que poderia desejar; mais ousado que poderia agir – não temendo nem a suavidade nem a aspereza daquela passagem rude ”.
Mt 14:30:
Mas quando ele viu o vento turbulento, ele ficou com medo: e começando a afundar, ele clamou, dizendo: Senhor, salve-me – O vento era tão turbulento antes, mas Pedro “não viu”, vendo apenas o poder de Cristo, em o exercício vivo da fé. Agora ele “vê” a fúria dos elementos, e imediatamente o poder de Cristo de suportá-lo desaparece diante de sua visão, e isso o deixa “com medo” – como poderia ser de outra forma, sem qualquer poder para mantê-lo acordado? Ele então “começa a afundar”; e finalmente, consciente de que sua experiência falhou, ele se lança, em uma espécie de confiança desesperada, em seu “Senhor” para a libertação!
Mt 14:31:
E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste? – Esta repreensão não foi administrada enquanto Pedro estava afundando, nem até que Cristo o tivesse pela mão: primeiro revigorando sua fé, e então com ela permitindo-lhe novamente andar sobre a onda de crista. Inútil havia sido essa amorosa repreensão, que possui a fé que se aventurara nas profundezas da nua palavra de Cristo, mas pergunta por que aquela desconfiança que tão depressa a marcou.
Mt 14:32:

E quando eles – Jesus e Pedro.
entraram no navio, o vento cessou.

51 E subiu a eles no barco, e o vento se aquietou. Eles ficaram muito espantados entre si,

João (Jo 6:21) diz: “Então eles de bom grado o receberam no navio” – ou melhor, “Então eles estavam dispostos a recebê-lo” (com referência ao seu terror anterior) ; mas implicando também uma feliz acolhida, seus primeiros medos agora se transformaram em maravilha e prazer. “E imediatamente”, acrescenta o discípulo amado, “eles estavam na terra para onde iam”, ou “estavam presos”. Esse milagre adicional, pois, como está manifestamente relacionado, é registrado apenas pelo quarto evangelista. Quando a tempestade foi de repente acalmada, também o pequeno latido – impulsionado pelo poder secreto do Senhor da natureza que agora navegava nele – deslizou através das águas agora imperturbadas, e, enquanto eles estavam maravilhados com o que tinha acontecido, não atendendo a sua movimento rápido, foi encontrado no porto, para sua ainda mais surpresa.
“Então eles estão contentes, porque em repouso

E quieto agora eles estão;
Então, para o refúgio que eles trazem

Que eles desejavam ver.

Mateus (Mt 14:33) diz: “Então vieram os que estavam no barco [isto é, antes que chegassem à terra] eo adoraram, dizendo: De verdade, és o Filho de Deus.” Mas nosso evangelista está maravilhosamente impressionante.

e o vento cessou e eles ficaram muito espantados em si mesmos além da medida, e se perguntaram – O evangelista parece dificilmente encontrar uma linguagem forte o suficiente para expressar seu espanto.

52 pois não haviam entendido o que tinha acontecido com os pães, em vez disso o coração deles estava endurecido.

Que afirmação singular! O significado parece ser que, se tivessem “considerado [refletido] o milagre dos pães”, forjado apenas algumas horas antes, eles não teriam pensado em nada que pudesse fazer dentro de todo o círculo de poder e graça.

53 Eles terminaram de atravessar o mar, chegaram à terra de Genesaré, e ali aportaram.

Os detalhes aqui são dados com uma vivacidade muito peculiar a este encantador Evangelho.

E quando eles passaram, eles vieram para a terra de Genesaré – da qual o lago às vezes leva seu nome, estendendo-se ao longo de sua costa ocidental. Cafarnaum era o local de desembarque (Jo 6:24-25).

e chegou à praia – uma frase náutica, em nenhum outro lugar usada no Novo Testamento.

54 Quando eles saíram do barco, logo as pessoas o reconheceram.

“imediatamente o reconheceram”; isto é, o povo fez.

55 Então gente de toda a região em redor veio correndo, e começaram a trazer em camas os doentes, aonde quer que ouviam que ele estava.

Neste período do ministério do nosso Senhor, o entusiasmo popular a Seu favor estava no auge.

56 E aonde quer que ele entrava, em povoados, cidades, ou aldeias, colocavam os enfermos nas praças, e rogavam-lhe que ao menos tocassem a borda de sua roupa; e todos os que o tocavam ficavam sarados.

e rogavam-lhe que ao menos tocassem a borda de sua roupa – tendo ouvido, sem dúvida, do que a mulher com a questão do sangue experimentou ao fazê-lo (Mc 5:25-29), e talvez de outros não registrados. casos da mesma natureza.

ficavam sarados – Tudo isso eles continuaram a fazer e a experimentar enquanto nosso Senhor estava naquela região. O tempo corresponde ao mencionado (Jo 7:1), quando Ele “andou na Galileia”, em vez de aparecer em Jerusalém na Páscoa, “porque os judeus”, isto é, os governantes “procuravam matá-lo” – enquanto o povo procurou entroncê-lo!

<Marcos 5 Marcos 7>

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.