Livro

Evangelho de Marcos

É a tradição atual e aparentemente bem fundada que Marcos obteve o conteúdo deste Evangelho principalmente dos discursos de Pedro. Na casa de sua mãe ele teria muitas oportunidades de obter informações dos outros apóstolos e seus apoiadores, mas ele era especialmente “o discípulo e intérprete de Pedro”.

Quanto ao tempo em que foi escrito, o Evangelho de Marcos não nos fornece nenhuma informação definitiva. O autor não faz menção da destruição de Jerusalém, portanto, deve ter sido escrito antes desse acontecimento, provavelmente por volta do ano 63 dC.

O lugar onde foi escrito era provavelmente Roma. Alguns supõem Antioquia (comp. Mc 15:21 com At 11:20).

Este Evangelho foi destinado principalmente para os romanos. Isto parece provável quando se considera que ele não faz referência à lei judaica, e que o escritor toma o cuidado de interpretar palavras que um gentio provavelmente não entenderia, como “Boanerges” (Mc 3:17); “Talita cumi” (Mc 5:41); “Corbã” (Mc 7:11); “Bartimeu” (Mc 10:46); “Aba” (Mc 14:36); “Eloí”, etc. (Mc 15:34). Os costumes judaicos também são explicados (Mc 7:3; 14:3, 12; 15:42). Marcos usa também certas palavras latinas que não são encontradas em nenhum dos outros Evangelhos, como “speculator” (Mc 6:27, traduzido, “executor”), “xestes” (uma decomposição de sextarius, traduzido ,”vasilhas”, Mc 7:4, 8), “quadrans” (Mc 12:42, traduzido, “de pouco valor”), “centurion” (Mc 15:39, 44-45). Ele só cita duas vezes o Antigo Testamento (Mc 1:2; 15:28).

As características desse evangelho são: (1) a ausência da genealogia de nosso Senhor, (2) a quem ele representa como vestido de poder, o “leão da tribo de Judá”. (3.) Marcos também registra com maravilhosa minuciosidade as palavras (Mc 3:17; 5:41; 7:11, 34; 14:36), bem como a posição (Mc 9:35) e os gestos (Mc 3:5, 34; 5:32; 9:36; 10:16) do nosso Senhor. (4) Ele também é cuidadoso para registrar os detalhes da pessoa (Mc 1:29, 36; 3:6, 22, etc.), número (Mc 5:13; 6:7, etc.), local (Mc 2:13; 4:1; 7:31, etc.) e tempo (Mc 1:35; 2:1; 4:35, etc.), que os outros evangelistas omitem. (5.) A frase “e imediatamente” ocorre quase quarenta vezes neste Evangelho; enquanto no Evangelho de Lucas, que é muito mais longo, é usado apenas sete vezes, e em João apenas quatro vezes.

“O Evangelho de Marcos”, diz Westcott, “é essencialmente uma transcrição da vida. O progresso e a emissão dos fatos são retratados com o esboço mais claro”. “Em Marcos, não temos nenhuma tentativa de elaborar uma narrativa contínua. Seu Evangelho é uma rápida sucessão de imagens vívidas folgadamente amarradas sem muita tentativa de ligá-las a um todo ou de dar os acontecimentos em sua sequência natural. Esse poder pictórico é aquele que caracteriza especialmente esse evangelista, de modo que ‘se alguém quiser conhecer um fato evangélico, não apenas em suas principais características e grandes resultados, mas também no seu mais ínfimo, deve se dirigir a Marcos'”.O princípio mais importante que atravessa este Evangelho pode ser expresso na frase: “Jesus veio … pregando o evangelho do reino” (Mc 1:14).

“De um total de 662 versículos, Marcos tem 406 em comum com Mateus e Lucas, 145 com Mateus, 60 com Lucas e no máximo 51 peculiares a si mesmo”.

Adaptado de: Illustrated Bible Dictionary (Mark, Gospel according to).