Marcos 2

Cura de um paralítico

1 Dias depois, Jesus entrou outra vez em Cafarnaum, e ouviu-se que estava em casa.

Comentário de David Brown

Este incidente, como observado em Mt 9:1, parece seguir em seguida em ordem de tempo após a cura do leproso (Mc 1:40-45).

Jesus entrou outra vez em Cafarnaum– “Sua própria cidade” (Mt 9:1).

e ouviu-se que estava em casa – sem dúvida de Simão Pedro (Mc 1:29). [JFB, aguardando revisão]

2 Juntaram-se tantos, que nem mesmo perto da porta cabiam; e ele lhes falava a palavra.

Comentário de David Brown

Juntaram-se tantos, que nem mesmo perto da porta cabiam – Este é um dos toques gráficos de Marcos. Sem dúvida, neste caso, como a cena ocorreu na própria porta de seu informante, esses detalhes são as vívidas lembranças daquele honrado discípulo.

e ele lhes falava a palavra – isto é, dentro de casa; mas na audição, sem dúvida, da multidão que pressionava ao redor. Se Ele tivesse saído, como naturalmente faria, a fé do paralítico não teria tido a oportunidade de se exibir. Lucas (Lc 5:17) fornece um incidente adicional e muito importante na cena – como segue:“E aconteceu que, certo dia, como ensinava, havia fariseus e doutores da lei, que saíam de todas as aldeias, ou vilarejos, da Galileia, da Judéia e de Jerusalém. ”Esse foi o maior testemunho ainda dado à crescente influência de nosso Senhor, e a necessidade cada vez mais sentida pelos eclesiásticos por todo o país de vir para algum julgamento definido a respeito dele. “E o poder do Senhor era [presente] para curá-los” – ou “era [eficaz] para curá-los”, isto é, os doentes que foram trazidos perante Ele. De modo que o milagre que está agora para ser descrito estava entre os mais gloriosos e dignos de serem registrados de muitos, então realizados; e o que fez isso foi, sem dúvida, a fé que se manifestou em relação a ela, e a proclamação do perdão dos pecados do paciente que imediatamente o precederam. [JFB, aguardando revisão]

3 E vieram uns que traziam-lhe um paralítico carregado por quatro.

Comentário de David Brown

E vieram uns – isto é, em direção à casa onde Ele estava – que traziam-lhe um paralítico – “deitado numa cama” (Mt 9:2) carregado por quatro – um detalhes particular de Marcos. [JFU, aguardando revisão]

4 Como não podiam trazer até ele por causa da multidão, descobriram o telhado onde ele estava, fizeram um buraco, e baixaram por ele o leito em que jazia o paralítico.

Comentário de David Brown

Como não podiam trazer até ele por causa da multidão – ou, como em Lucas (Lc 5:19), “quando eles não conseguiam encontrar de que maneira eles poderiam trazê-lo por causa da multidão”, eles foram ao telhado plano ou terraço, universal em casas orientais.

o leito em que jazia o paralítico – Lucas (Lc 5:19) diz, eles “o abaixam pela lavra com o seu leito no meio de todos diante de Jesus”. Todo o seu objetivo era levar o paciente à presença de Jesus; e isto não sendo possível no modo ordinário, por causa da multidão que o rodeava, eles tomaram o método muito incomum aqui descrito de realizar o seu objetivo, e tiveram sucesso. Várias explicações foram dadas sobre o modo como isso foi feito; mas a menos que soubéssemos o plano preciso da casa e a parte dela da qual Jesus ensinava – que pode ter sido um quadrilátero ou uma quadra aberta, dentro dos edifícios de que a casa de Pedro era uma, ou uma galeria coberta por uma varanda – é impossível determinar com precisão como a coisa foi feita. Uma coisa, no entanto, é clara:temos as duas contas de uma testemunha ocular. [JFB, aguardando revisão]

5 Quando Jesus viu a fé deles, disse ao paralítico:Filho, os teus pecados estão perdoados.

Comentário de David Brown

Quando Jesus viu a fé deles – É notável que todas as três narrativas a chamam de “a fé deles” que Jesus viu. Que o próprio paciente tivesse fé, sabemos da proclamação do seu perdão, que Jesus fez antes de tudo; e deveríamos ter sido capazes de concluir que seus quatro amigos o levaram a Jesus meramente por obediência benevolente às súplicas urgentes do pobre sofredor. Mas aqui aprendemos, não apenas que seus portadores tinham a mesma fé em si mesmos, mas que Jesus os marcou como uma fé que não deveria ser derrotada – uma fé vitoriosa sobre todas as dificuldades. Esta foi a fé pela qual Ele esteve sempre vigilante, e que Ele nunca viu sem marcar, e, naqueles que precisavam de algo Dele, ricamente recompensador.

disse ao paralítico:Filho – “tende bom ânimo” (Mt 9:2).

teus pecados estão perdoados – Pela palavra “be”, nossos tradutores talvez significassem “são”, como em Lucas (Lc 5:20). Pois não é uma ordem para os seus pecados partirem, mas uma proclamação autorizada do estado perdoado do homem como um crente. E, no entanto, como os fariseus entenderam que nosso Senhor estava dispensando o perdão por essa afirmação, e Jesus não apenas reconhece que eles estavam certos, mas baseia toda a sua argumentação na correção dela, devemos considerar a declaração como uma proclamação real do homem. é o perdão por Ele a quem pertence a dispensá-lo; nem tal estilo de endereço poderia ser justificado em qualquer suposição inferior. (Veja em Lc 7:41, etc.) [JFB, aguardando revisão]

6 E estavam ali sentados alguns escribas, que pensavam em seus corações:

Comentário de David Brown

“e os fariseus” (Lc 5:21) aqueles eclesiásticos judeus que, como Lucas nos disse (Lc 5:17), “saíram de todas as aldeias da Galileia, Judeia e Jerusalém”, para fazer suas observações sobre essa Pessoa maravilhosa, em qualquer coisa que não fosse ensinável. espírito, embora ainda seu sentimento venenoso e assassino não tivesse se mostrado. [JFB, aguardando revisão]

7 Por que este homem fala assim? Ele está blasfemando! Quem pode perdoar pecados, a não ser somente Deus?

Comentário de David Brown

Nesta segunda questão, eles expressaram uma grande verdade. (Veja Is 43:25; Mq 7:18; Êx 34:6-7, etc.). Tampouco a primeira questão foi totalmente antinatural, embora, no caso exclusivo de nosso Senhor, fosse infundada. Que um homem, para todas as aparências como um deles, deve reivindicar autoridade e poder para perdoar pecados, eles não poderiam, à primeira vista, mas considerar como em um grau surpreendente; nem tinham o direito de pesar tal afirmação, como merecedor de uma audiência, exceto pela suposição de evidência irresistível proporcionada por Ele em apoio à alegação. Consequentemente, nosso Senhor lida com eles como homens com direito a tal evidência, e os fornece; ao mesmo tempo, repreendendo-os por imprudência, ao tirar conclusões severas a respeito de si mesmo. [JFB, aguardando revisão]

8 Imediatamente Jesus percebeu em seu espírito que assim pensavam em si mesmos. Então perguntou-lhes:Por que pensais assim em vossos corações?

Comentário Ellicott

Imediatamente Jesus percebeu em seu espírito. A menção especial do espírito como a região da consciência de nosso Senhor é, como parte desta narrativa, peculiar a Marcos, e não é sem importância em sua relação com a realidade e integridade da natureza humano do nosso Senhor. [Ellicott, aguardando revisão]

9 O que é mais fácil? Dizer ao paralítico:“Os teus pecados estão perdoados”, ou dizer, “Levanta-te, toma o teu leito, e anda”?

Comentário de David Brown

“É mais fácil controlar a doença do que rejeitar o pecado? Se, então, faço aquele que você pode ver, saiba assim que fiz o outro, o qual você não pode ver ”. [JFB, aguardando revisão]

10 Mas para que saibais que o Filho do homem tem poder na terra para perdoar pecados,(disse ao paralítico):

Comentário de David Brown

Mas para que saibais que o Filho do homem tem poder na terra para perdoar pecados– ‘esse poder perdoador habita na pessoa deste homem e é exercido por ele enquanto está nesta terra e saindo e entrando convosco'” [JFU, aguardando revisão]

11 A ti eu digo:levanta-te, toma o teu leito, e vai para a tua casa.

Comentário de David Brown

A ordem de pegar a cama portátil e voltar para casa com ela foi para provar que a cura estava completa. [JFU, aguardando revisão]

12 E logo ele se levantou, tomou o leito, e saiu na presença de todos, de tal maneira, que todos ficaram admirados, e glorificaram a Deus, dizendo:Nunca vimos algo assim.

Comentário de David Brown

E logo ele se levantou, tomou o leito – “Doce dizendo!”, Diz Bengel:”A cama tinha suportado o homem:agora o homem tinha a cama.”

e saiu na presença de todos – proclamando por aquele ato à multidão, cujos olhos maravilhados o seguiriam enquanto ele pressionava através deles, que Aquele que poderia operar um glorioso milagre de cura, deveria de fato “ter poder na terra para perdoar pecados. “

Nunca vimos algo assim. Em Lucas (Lc 5:26) está:“Temos visto coisas estranhas [inesperadas] para … dia ”- referindo-se tanto aos milagres realizados quanto ao perdão dos pecados pronunciados pelos Lábios Humanos. Em Mateus (Mt 9:8), é:”Eles maravilharam-se e glorificaram a Deus, que dera tal poder aos homens”. No poder perdoador, eles não se perguntavam, mas que um homem, em aparência como um deles, deveria possuir isto! [JFB, aguardando revisão]

13 Jesus voltou a sair para o mar; toda a multidão veio até ele, e ele os ensinava.

Comentário Barnes

para o mar – Ou seja, junto ao Mar de Tiberíades, às margens do qual Cafarnaum estava situada. [Barnes, aguardando revisão]

14 E enquanto passava, ele viu Levi, filho de Alfeu, sentado no posto de coleta de impostos, e disse-lhe:Segue-me. Então Levi se levantou e o seguiu.

Comentário do Púlpito

É provável que nosso Senhor tenha permanecido algum tempo em Cafarnaum antes de partir novamente. A palavra “voltou” (13) refere-se à sua saída anterior. Quando ele saiu nesta ocasião, ele parece ter viajado para o sul ao longo da costa. Lá, não muito longe de Cafarnaum, ele viu Levi, filho de Alfeu, sentado no posto de coleta de impostos (ἐπὶ τὸ τελώνιον); mais literalmente, no local do pedágio. Esse lugar seria uma linha direta para os comerciantes de Damasco a Accho, e um local conveniente para o recebimento das taxas de embarque. É observável que no próprio Evangelho de São Mateus (Mateus 9:9) ele se descreve como “um homem chamado Mateus”. São Lucas, como São Marcos, o chama de Levi. A mesma pessoa, sem dúvida, se refere. É mais provável que seu nome original fosse Levi e que, ao ser chamado para ser apóstolo, recebeu um novo nome, o de Mateus, ou Matatias, que, de acordo com Gesenius, significa “o dom de Jeová”. Em seu próprio Evangelho, ele se autodenomina Mateus, para que possa proclamar a bondade e o amor de Cristo para com ele, no espírito de São Paulo, onde diz:”Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais sou o principal”(1Ti 1:15). Me siga; eu, isto é, a quem já ouvistes pregar o evangelho do reino em Cafarnaum, e confirmá-lo por muitos milagres, e especialmente por aquele milagre notável de que falam todos, a cura do paralítico. São Crisóstomo diz que “nosso Senhor chamou Mateus, que já estava constrangido pelo relato de seus milagres”. A condescendência de Cristo é mostrada nisto, que ele chamou Mateus de “publicano”, que por causa disso era odioso para os judeus, não apenas por ser um participante de sua graça, mas por ser um de seus seguidores escolhidos, um amigo, um apóstolo e um evangelista.

Foi argumentado contra a verdade do Cristianismo, por Porfírio e outros, que os primeiros discípulos seguiram a Cristo cegamente, como se eles tivessem seguido sem razão qualquer um que os chamasse. Mas eles não eram homens que agiam por mero impulso e sem razão. Os milagres, sem dúvida, produziram uma impressão sobre eles. E então podemos razoavelmente supor que suas faculdades morais perceberam a majestade da Divindade brilhando através do semblante do Filho de Deus. Assim como o ímã atrai o ferro, Cristo atraiu Mateus e outros para si; e por este poder atraente comunicou suas graças e virtudes a eles, como um amor ardente de Deus, desprezo do mundo e zelo ardente pela salvação das almas. [Pulpit, aguardando revisão]

15 E aconteceu que enquanto estava sentado à mesa na casa dele, muitos publicanos e pecadores também estavam assentados à mesa com Jesus e os seus discípulos; porque eram muitos, e o haviam seguido.

Comentário do Púlpito

E aconteceu – ἐγένετο parece a melhor leitura – que enquanto estava sentado à mesa na casa dele. Esta foi a casa de Mateus. São Mateus (Mateus 9:10) diz modestamente, “em casa”, mantendo-se tanto quanto possível em segundo plano. São Lucas, com maior plenitude, diz (Lc 5,29) que “Levi lhe deu uma grande festa em sua casa”. Disto parece que Mateus imediatamente marcou a ocasião de sua chamada, convidando seus associados, publicanos e pecadores, para que também eles, sendo conquistados pelo exemplo e ensino de Cristo, fossem levados de maneira semelhante a segui-lo. O bem é sempre difusivo de si mesmo; e o amor cristão leva aqueles que experimentaram o amor de Cristo a atrair outros para a mesma fonte de misericórdia. Encontramos publicanos e pecadores constantemente associados; pois, embora não haja nada necessariamente ilegal no cargo de coletor de impostos, ainda, uma vez que os homens frequentemente seguiam essa vocação porque oferecia a oportunidade de fraude e extorsão, portanto, os “publicanos” eram, em geral, odiosos para os judeus, e considerado nada melhor do que “pecadores”. Além disso, os judeus da antiguidade afirmavam que eram descendentes de Abraão e protestavam que, como povo dedicado a Deus, não deveriam estar sujeitos aos romanos, que eram gentios e idólatras. Consideravam que era contrário à liberdade e à dignidade dos filhos de Deus que lhes prestassem homenagem, o que aumentava o preconceito contra os coletores de impostos. E, de fato, esta foi uma das principais causas da rebelião dos judeus, que finalmente levou à sua derrubada por Tito e Vespasiano. [Pulpit, aguardando revisão]

16 Quando os escribas dos fariseus o viram comer com os publicanos e pecadores, disseram a seus discípulos:Por que é que ele come com os publicanos e os pecadores?

Comentário do Púlpito

De acordo com as leituras mais aprovadas, este versículo deveria correr assim:E os escribas dos fariseus, quando viram que ele comia com pecadores e publicanos, disseram aos seus discípulos:Ele come e bebe com publicanos e pecadores. As palavras “publicanos e pecadores” são, portanto, invertidas em sua ordem nas duas cláusulas, como se fossem termos conversíveis. Claro, os escribas e fariseus não se sentaram nesta festa, mas alguns deles provavelmente encontraram seu caminho para a câmara em que a festa estava acontecendo, onde eles comentariam livremente sobre o que viram e condenariam a conduta de nosso Senhor tão inconsistente com seu caráter. É como se dissessem:”Com essa conduta ele transgride a Lei de Deus e as tradições dos anciãos. Por que, então, você o segue?” [Pulpit, aguardando revisão]

17 Jesus ouviu e lhes respondeu:Os que têm saúde não precisam de médico, mas sim os que estão doentes. Eu não vim para chamar os justos, mas sim, os pecadores.

Comentário do Púlpito

Jesus ouviu suas murmurações, e sua resposta foi:Os que têm saúde não precisam de médico, mas sim os que estão doentes. Como o médico não se infecta com a doença do paciente, mas a supera e expulsa dele, não é uma desgraça, mas sim uma honra para o médico associar-se ao doente, e tanto mais quanto maior a doença. De modo que é como se Cristo dissesse:”Eu, que sou enviado do céu pelo Pai, para ser o Médico das almas dos pecadores, não sou contaminado por seus pecados e doenças espirituais quando converso com eles; curá-los e curá-los, o que é tanto para minha glória como para seu bem, e tanto mais, maiores seus pecados. Pois eu sou o médico dos pecadores, não seu companheiro. Mas vocês, escribas e fariseus, não são os médicos mas os companheiros de pecadores, e assim você está contaminado. No entanto, você deseja ser considerado justo e santo; e, portanto, eu não me associo a você, (1) porque o todo, como vocês pensam que são, não precisa do médico espiritual; e (2) porque sua falta de sinceridade e hipocrisia são uma ofensa para mim. “[Pulpit, aguardando revisão]

Discurso sobre o jejum

18 Os discípulos de João e os dos fariseus estavam jejuando; então vieram lhe perguntar:Por que os discípulos de João e os dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?

Comentário do Púlpito

A primeira frase deste versículo deve ser traduzida assim: Os discípulos de João e os dos fariseus estavam jejuando (ἧσαν νηστεύοντες). Em todos os Evangelhos sinópticos, encontramos esse incidente seguindo de perto o que aconteceu antes. Não é improvável que os fariseus e os discípulos de João estivessem jejuando na mesma época em que Mateus deu sua festa. Este não era um dos jejuns prescritos pela Lei; se assim fosse, teria sido observado por nosso Senhor. Havia, entretanto, jejuns observados pelos fariseus que não eram exigidos pela lei; havia dois em particular de caráter voluntário, mencionados pelo fariseu (18,12), onde ele diz:”Jejuo duas vezes na semana”. Era um costume, observado pelos fariseus mais estritos, mas não de obrigação legal. Não era correto dizer, mas seus discípulos não jejuam. Eles jejuaram, sem dúvida, mas com um espírito diferente; eles não jejuaram para serem vistos pelos homens – eles seguiram o ensino superior de seu Mestre. É notável encontrar os discípulos de João aqui associados aos fariseus. John estava agora na prisão no forte de Machaerus. É possível que o ciúme da crescente influência de Cristo tenha levado os discípulos de João a se associarem aos fariseus. O ponto deste ataque particular a Cristo era este:É como se dissessem:”Você afirma ser um novo professor enviado por Deus, um professor de uma religião mais perfeita. Como é, então, que estamos jejuando, enquanto seus discípulos estão comendo e bebendo? ” Os discípulos de João, mais especialmente, podem ter insistido nisso por zelo por seu mestre. Esse zelo indigno é muitas vezes visto em homens bons, que amam preferir seu próprio líder a todos os outros, esquecendo-se do protesto de São Paulo:”Enquanto houver contenda e contenda entre vocês, não sois carnais e andai após o maneira de homens? ” [Pulpit, aguardando revisão]

19 Jesus lhes respondeu:Podem os convidados do casamento jejuar enquanto o noivo estiver com eles? Enquanto tiverem o noivo consigo, eles não podem jejuar.

Comentário do Púlpito

O Noivo aqui é Cristo, porque ele esposou a natureza humana e, por meio dela, a Igreja para si mesmo em sua santa encarnação. Esta santa união ele começou por sua graça na terra, e ele a consumará gloriosamente com seus eleitos no céu, quando “as bodas do Cordeiro terão vindo, e sua esposa se aprontar.” Daí que João Batista se autodenomine amigo do Noivo, isto é, de Cristo.

os convidados do casamento (filhos das bodas, em algumas versões) – são os amigos especiais do Noivo, aqueles que são admitidos na comunhão mais próxima com ele. A expressão é um hebraísmo, como “os filhos da desobediência” e muitas outras formas de expressão semelhantes. [Pulpit, aguardando revisão]

20 Mas dias virão, quando o noivo lhes for tirado; e então naquele dia jejuarão.

Comentário do Púlpito

Esta é a primeira ocasião em que nosso Senhor alude ao afastamento deles.

quando o noivo lhes for tirado. A palavra grega (ἀπαρθῇ) transmite a ideia de uma separação dolorosa.

e então naquele dia jejuarão (ἐν ἐκείνῇ τῇ ἡμهα). Esta é a verdadeira leitura. Após a morte de nosso Senhor, seus discípulos freqüentemente jejuaram quando necessário e passaram por muitas privações e provações. E assim deve ser em grande parte com todos os que viverão piedosamente em Cristo Jesus, até que ele volte para tomar para si o seu reino, quando haverá uma festa alegre e eterna. [Pulpit, aguardando revisão]

21 Ninguém costura remendo de pano novo em roupa velha; senão o remendo novo rompe o velho, e se faz pior rasgo.

Comentário do Púlpito

O significado das palavras é o seguinte:uma vestimenta velha, se estiver rasgada, deve ser remendada por um remendo de tecido velho; pois se um remendo de material novo for usado, sua resistência prejudica a roupa velha com a qual foi costurada; o velho e o novo não combinam, o novo arrasta o velho e o rasga, e assim o rasgo é pior. [Pulpit, aguardando revisão]

22 E ninguém põe vinho novo em odres velhos; senão o vinho rompe os odres, e o vinho se perde com os odres; mas o vinho novo deve ser posto em odres novos.

Comentário do Púlpito

O sentido é este:vinho novo, no processo de fermentação, estourará velhas garrafas feitas de odres de vinho não fortes o suficiente para resistir à força do fluido de fermentação; de modo que há uma perda dupla – tanto o dos odres quanto a do vinho. E, portanto, o vinho novo deve ser colocado em recipientes feitos de odres frescos, que, por causa de sua força e dureza, devem ser capazes de resistir à energia de fermentação do vinho novo. E por essas ilustrações muito adequadas nosso Senhor nos ensina que é uma coisa vão tentar misturar a liberdade espiritual do evangelho com as antigas cerimônias da lei. Tentar enxertar a energia espiritual viva do evangelho no antigo cerimonial legal agora prestes a desaparecer seria uma coisa tão fatal quanto remendar uma roupa velha com material novo, ou colocar vinho novo em odres velhos. Há aqui, portanto, uma lição valiosa para a Igreja Cristã, a saber, tratar os novos convertidos com gentileza e consideração. [Pulpit, aguardando revisão]

23 E aconteceu que, enquanto Jesus passava pelas plantações no sábado, os seus discípulos, andando, começaram a arrancar espigas.

Comentário do Púlpito

Se houver uma sequência rápida nesta parte da narrativa, o jejum referido nos últimos versículos pode ter ocorrido no dia anterior. São Lucas (6:1) aqui adiciona ao relato de São Marcos as palavras, “e comeu, esfregando-as [isto é, as espigas de trigo] em suas mãos”; uma evidência incidental de uma vida simples, de que aqui não comiam comida preparada, mas simples grãos de trigo, que separavam do joio esfregando as espigas de trigo nas mãos. Esta passagem marca com bastante precisão a época do ano. O milho naquele distrito estaria amadurecendo em maio. Portanto, não demoraria muito para a Páscoa. A difícil expressão em São Lucas 6:1, ἐν σαββάτῳ δευτεροπρώτῳ, e que é traduzida na Versão Autorizada “no segundo sábado após o primeiro,” é reduzida pelos Revisores de 1881 à frase simples (ἐν σαββάτῳ), ” em um sábado “, não havendo evidência suficiente para persuadi-los a reter a palavra δευτεροπρώτῳ. Mas outras evidências parecem mostrar que o incidente ocorreu mais cedo do que o registrado por São Mateus. Os Pais gostam de aplicações espirituais dessa fricção das espigas de trigo. Beda, ao comentar o fato dos discípulos colherem as espigas de trigo e esfregá-las até que se livrem das cascas e obtenham o próprio alimento, diz que o fazem quando meditam nas Sagradas Escrituras e as digerem, até eles encontram neles o núcleo, a quintessência do deleite; e Santo Agostinho culpa aqueles que apenas se agradam com as flores da Sagrada Escritura, mas não esfregam o grão pela meditação, até que obtenham o verdadeiro alimento da virtude. [Pulpit, aguardando revisão]

24 Os fariseus lhe disseram:Olha! Por que estão fazendo o que não é lícito no sábado?

Comentário do Púlpito

o que não é lícit. A suposta ilegalidade não era colher as espigas com a mão, o que era expressamente permitido pela Lei (Dt 23:25), mas colher e comer no dia de sábado. [Pulpit, aguardando revisão]

25 E ele lhes disse:Nunca lestes o que fez Davi, quando teve necessidade e fome, ele e os que com ele estavam?

Comentário do Púlpito

Isso parece contrário ao que lemos em 1Sa 21:1-15, onde afirma-se que Davi esteve sozinho. Mas os fatos parecem ter sido estes, que Davi, fugindo de Saul, foi sozinho a Aimeleque, o sumo sacerdote, e buscou e obteve cinco pães dos “pães da proposição”, que ele levou consigo para seus companheiros na fuga, e compartilhou com eles; pois ele diz (1Sa 21:2):”Designei meus servos para tal e tal lugar.” Esse incidente realmente aconteceu no sumo sacerdócio de Aimeleque, pai de Abiatar. Beda diz que os dois estavam presentes quando Davi chegou em sua angústia e obteve os pães da proposição. Mas, tendo Aimeleque sido morto, junto com oitenta e seis sacerdotes, por Saul, Abiatar fugiu para Davi e tornou-se seu companheiro em seu exílio. Além disso, quando ele sucedeu ao sumo sacerdócio com a morte de Aimeleque, ele prestou um serviço muito mais bom do que seu pai, e por isso era digno de ser mencionado com este elogio especial, e como se ele fosse realmente sumo sacerdote, mesmo embora seu pai ainda estivesse vivo. As palavras podem significar corretamente “nos dias em que Abiatar vivia, ele se tornou sumo sacerdote e era mais eminente do que seu pai”. [Pulpit, aguardando revisão]

26 Como ele entrou na Casa de Deus, quando Abiatar era sumo sacerdote, e comeu os pães da proposição (dos quais não é lícito comer, a não ser aos sacerdotes), e também deu aos que com ele estavam?

Comentário do Púlpito

os pães da proposição; literalmente, o pão da face, ou seja, da presença Divina, simbolizando o Ser Divino que é o Pão da vida. Foi determinado pela Lei que dentro do santuário deveria haver uma mesa de madeira de shittim (ou acácia); e a cada sábado doze pães recém-assados ​​eram colocados sobre ele em duas fileiras. Essas folhas foram aspergidas com incenso e permaneceram ali até o sábado seguinte. Eles foram então substituídos por doze pães recém-assados, os velhos pães sendo comidos pelos sacerdotes no lugar sagrado, de onde era ilegal removê-los. Esses doze pães correspondiam às doze tribos. A força do raciocínio de nosso Senhor é esta:Davi, um homem segundo o coração de Deus, quando dolorosamente pressionado pela fome, recorreu ao sumo sacerdote e pegou alguns desses pães sagrados, pães que em circunstâncias normais não eram lícitos para os leigos comer, porque ele sabiamente julgou que uma lei positiva, proibindo os leigos de comer este pão, deveria ceder a uma lei da necessidade e da natureza; que nos sugere que em uma grave necessidade de fome, a vida pode ser legalmente preservada comendo até mesmo o pão sagrado que foi dedicado a Deus. Portanto, da mesma maneira, não, muito mais, era lícito a Cristo e seus discípulos colherem as espigas de trigo no dia de sábado, para que, esfregando-as nas mãos, pudessem colher o grão bom e saciar sua fome. [Pulpit, aguardando revisão]

27 Disse-lhes mais:O sábado foi feito por causa do ser humano, não o ser humano por causa do sábado.

Comentário do Púlpito

O sábado foi instituído para o benefício do homem, para que ele pudesse refrescar e renovar seu corpo, fatigado e desgastado por seis dias de trabalho, com a calma repousante do sétimo; e que ele possa ter tempo livre para aplicar sua mente às coisas que dizem respeito à sua salvação eterna; considerar e meditar sobre a Lei de Deus; e despertar, pela lembrança da grandeza e bondade Divinas, para o verdadeiro arrependimento, para a gratidão e para o amor. A força do argumento é esta:o sábado foi feito por causa do homem, não o homem por causa do sábado. O sábado, por maior e importante que seja essa instituição, está subordinado ao homem. Se, então, o descanso absoluto do sábado torna-se prejudicial ao homem, uma nova partida deve ser tomada, e alguma quantidade de trabalho deve ser submetida, para que o homem seja beneficiado. Portanto, foi Cristo justificado em permitir a seus discípulos um pouco de trabalho na colheita dessas espigas de trigo no dia de sábado, a fim de que eles pudessem aplacar sua fome. Pois é melhor que o descanso do sábado seja perturbado, embora apenas um pouco, do que qualquer um daqueles por quem o sábado foi instituído que pereça. [Pulpit, aguardando revisão]

28 Por isso o Filho do homem é Senhor até do sábado.

Comentário do Púlpito

“O sábado foi feito para o homem.” É a instituição inferior, sendo o homem o superior, por causa de quem o sábado foi designado. Mas o Filho do homem é Senhor de todos os homens e de todas as coisas que pertencem à salvação do homem; portanto, ele deve necessariamente ser Senhor até do sábado; para que, quando achar conveniente, possa relaxar ou dispensar suas obrigações. É verdade que para nós, cristãos, o primeiro dia da semana, o dia do Senhor, substituiu o antigo sábado judaico; mas o princípio aqui estabelecido por nosso Senhor é aplicável ao “primeiro” dia não menos do que ao “sétimo”; e nos ensina que nosso próprio progresso moral e religioso e o de nossos irmãos é o objetivo que todos devemos almejar na forma de nossa observância do domingo cristão; enquanto nos esforçamos para “permanecer firmes na liberdade com a qual Cristo nos libertou”. [Pulpit, aguardando revisão]

<Marcos 1 Marcos 3>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. De fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.