Marcos 1

A pregação e o batismo de João

1 Princípio do Evangelho de Jesus Cristo«, Filho de Deus».

Comentário de David Brown

Por “Evangelho” de Jesus Cristo aqui se entende evidentemente a história bendita que nosso evangelista está prestes a contar sobre Sua vida, ministério, morte, ressurreição e glorificação, e do início da reunião de crentes em Seu nome. A brusquidão com que anuncia seu assunto e a brevidade enérgica com que, passando por todos os eventos anteriores, apressa o ministério de João e registra o batismo e a tentação de Jesus – como se estivesse impaciente para entrar na vida pública do Senhor de glória têm sido frequentemente notados como característicos deste Evangelho; um Evangelho cujo poder direto e prático e ambiente singularmente vívido conferem a ele uma preciosidade especial para si mesmo. O que impressiona a todos é que, embora seja o mais breve de todos os Evangelhos, ele é o mais completo em algumas das cenas principais da história de nosso Senhor. Mas o que não é tão óbvio é que, onde quer que o sentimento mais sutil e sutil da humanidade, ou os matizes mais profundos e especiais do caráter de nosso Senhor sejam revelados, estes, embora devam ser levemente ignorados por todos os outros evangelistas, estão certos podem ser encontrados aqui, e em toques de tal delicadeza silenciosa e poder, que embora raramente observados pelo leitor superficial, eles deixam impressões indeléveis sobre todos os pensativos e fornecem uma chave para muito do que está nos outros Evangelhos.

Estas poucas palavras iniciais do Segundo Evangelho são suficientes para mostrar que embora fosse o propósito deste Evangelista registrar principalmente os fatos externos e palpáveis ​​da vida pública de nosso Senhor, ele reconheceu Nele, em comum com o Quarto Evangelista, a glória do Unigênito do Pai. [JFU, aguardando revisão]

2 Como está escrito no profeta Isaías:Eis que eu envio o meu mensageiro diante de tua face, que preparará o teu caminho.

Comentário Whedon

Como está escrito. O segundo e terceiro versículos, por uma forte inversão, devem vir depois do quarto:”João batizou … como está escrito”, etc. A profecia é citada de Isaías 40:3 e Malaquias 3:1. A citação é uma profecia relativa a João, o precursor do Messias Jesus.

eu envio o meu mensageiro. Este eu no profeta é falado por Jeová. De modo que temos aqui um autêntico Jeová Jesus. [Whedon]

3 Voz do que clama no deserto:Preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas.

Comentário de David Brown

A segunda dessas citações é dada por Mateus e Lucas na mesma conexão, mas eles reservam a primeira citação até que tenham a oportunidade de retornar para o Batista, depois de sua prisão (Mt 11:10; Lc 7:27). (Em vez das palavras, “como está escrito nos Profetas”, há fortes evidências em favor da seguinte leitura:“Como está escrito no profeta Isaías”. Esta posição é adotada por todos os editores críticos mais recentes. Se ela for a verdadeira, deve ser explicada assim – das duas citações, a de Malaquias é apenas um desenvolvimento posterior da grande primária em Isaías, da qual todo o assunto profético aqui citado leva seu nome. Mas o texto recebido é citado por Irineu, antes do final do segundo século, e a evidência a seu favor é maior em quantidade, se não em peso. A principal objeção a ele é que, se esta fosse a versão verdadeira, é difícil ver como a outra poderia ter entrado; enquanto que, se não fosse a versão verdadeira, é muito fácil ver como ele encontrou seu caminho no texto, pois remove a dificuldade surpreendente de uma profecia que começa com as palavras de Malaquias sendo atribuídas a Isaías.) Para a exposição, ver em Mt 3:1-6; veja em Mt 3:11. [JFU]

Comentário de A. J. Alexander

A função que Malaquias atribui ao precursor, a de preparar o caminho do Messias, é evidentemente emprestada de uma profecia mais antiga, ainda existente em Isaías (Is 40:3), que Marcos, consequentemente, acrescenta, como se fosse parte do mesmo contexto, e como sendo realmente o tema do qual a passagem posterior é uma variação ou uma nova edição. As palavras de Isaías são comumente referidas ao retorno da Babilônia, da qual, entretanto, não há menção expressa no texto ou contexto. A imagem realmente apresentada ao profeta é a de Deus regressando a Jerusalém, revisitando o seu povo, como o fez em todas as manifestações sinalizadoras da sua presença, mas sobretudo no advento do Messias e no início da nova dispensação, da qual João o Batista foi o arauto e precursor.

Voz do que clama – a versão da Septuaginta de uma frase hebraica que pode ser traduzida mais exatamente como uma voz clamando. É uma espécie de exclamação, como se ele tivesse dito ouça! alguém clama (ou está clamando).

no deserto – tanto no sentido literal, identificando assim João como o sujeito da profecia, quanto no sentido moral de desolação espiritual, no meio do qual, ou através do qual, Deus deveria voltar para eles.

preparai – não o mesmo verbo grego que é usado no versículo anterior, embora Isaías e Malaquias usem o mesmo hebraico, denotando um tipo específico de preparação, o de limpar uma estrada pela remoção de obstruções. Isso deveria ser feito pelo arrependimento da parte do povo e pela pregação do arrependimento da parte do precursor.

endireitai – em hebraico uma referência tanto ao caminho ser torto quanto ao desnível da superfície, mais provavelmente a última opção.

veredas – ou caminhos usados, trilhas batidas, como o verbo grego propriamente denota. A palavra hebraica correspondente está no singular e significa uma passagem artificial ou estrada principal.

suas veredas – em Isaías 40:3, “uma estrada reta para o nosso Deus” .

Essas duas previsões (Ml 3:1 e Is 40:3) são combinadas por Marcos, não por acaso, muito menos por ignorância ou por engano, como alguns tolamente imaginaram, mas a partir de uma visão clara de sua relação mútua, como previsões distintas e distantes, mas harmoniosas do mesmo evento, o que poderia, portanto, ser considerada, após o cumprimento, como partes de uma única e mesma declaração profética. A relação subordinada da profecia posterior com a anterior como tal, embora igualmente inspirada, explicaria a leitura, no profeta Isaías, encontrada em algumas cópias antigas e considerada como o texto verdadeiro pelos críticos mais recentes. (Um caso ainda mais forte do mesmo tipo ocorre em Mt 27:9). [Alexander]

4 João veio a batizar no deserto, e a pregar o batismo de arrependimento para perdão dos pecados.

Comentário Whedon

batismo de arrependimento. Não o batismo de fé em um Redentor já crucificado e expiatório; mas um batismo de arrependimento e reforma preparatório para a sua vinda.

para remissão dos pecados. Esta frase depende do arrependimento. Não é batismo para a remissão de pecados, mas arrependimento para tal remissão. [Whedon]

5 E toda a província da Judeia e todos os de Jerusalém saíam até ele; e eram batizados por ele no rio Jordão, confessando os seus pecados.

Comentário Cambridge

toda a província] Esta expressão forte é peculiar a Marcos. Mas é ilustrado pelos outros Evangelhos. As multidões que se reuniram para o seu batismo incluíam representantes de todas as classes, fariseus e saduceus (Mt 3:7), coletores de impostos (Lc 3:12), soldados (Lc 3:14), ricos e pobres (Lc 3:10) .[Cambridge, aguardando revisão]

6 João se vestia de pelos de camelo, e um cinto de couro em sua cintura; e comia gafanhotos e mel do campo.

Comentário Cambridge

O evangelista chama nossa atenção para três pontos em referência ao batista:

(a) Sua aparência. Ele lembrou o ascetismo do essênio. Suas vestes eram da textura mais grosseira, tal como foram usadas por Elias (2Rs 1:8) e os profetas em geral (Zc 13:4). Seu cinto, um ornamento muitas vezes da maior riqueza em traje oriental e do mais fino linho (Jr 13:1; Ez 16:10) ou algodão ou bordado com prata e ouro (Dn 10:5; Ap 1:13; 15:6), era de couro não curtido (2Rs 1:8).

(b) Sua dieta era a mais simples. Gafanhotos eram permitidos como alimento (Lv 11:21-22). Às vezes eram moídos e triturados e depois misturados com farinha e água e transformados em bolos; às vezes eles eram salgados e comidos. Para o mel silvestre,  compare com a história de Jônatas (1Sm 14:25-27).

(c) Sua mensagem. (1) Que os membros da nação eleita eram todos moralmente impuros, e todos precisavam de regeneração moral e espiritual; (2) que Um mais poderoso do que ele estava vindo; (3) que Ele batizaria com o Espírito Santo. [Cambridge]

7 Ele pregava assim:Após mim vem aquele que é mais forte do que eu. A ele não sou digno de me abaixar para desatar a tira das suas sandálias.

Comentário do Púlpito

A ele não sou digno de me abaixar para desatar a tira das suas sandálias. Este era o ofício servil do escravo, de quem deveria decolar? e calçou os sapatos de seu mestre, curvando-se com toda humildade e respeito para este propósito. Assim, João confessou que era o servo de Cristo e que Cristo era seu Senhor. Em um sentido místico, as sandálias denotam a humanidade de Cristo, que por sua união com a Palavra se tornou da mais alta dignidade e majestade. São Bernardo diz:”A majestade do Verbo foi calçada com as sandálias da nossa humanidade.” [Pulpit, aguardando revisão]

8 Eu tenho vos batizado com água, porém ele vos batizará com Espírito Santo.

Comentário do Púlpito

É como se dissesse:”Cristo derramará seu Espírito Santo tão abundantemente sobre você, que irá purificá-lo de todos os seus pecados e enchê-lo de santidade e amor e de todas as suas outras graças excelentes.” Cristo fez isso visivelmente no dia de Pentecostes. E isso ele faz invisivelmente no sacramento do Santo Batismo […] João batizou somente com água, mas Cristo com água e o Espírito Santo. João batizou apenas o corpo, Cristo batizou a alma. Em quanto, portanto, o Espírito Santo transcende a água, e a alma supera o corpo, em quanto é o batismo de Cristo mais excelente do que o de João, que foi apenas preparatório e rudimentar. Se for perguntado por que foi necessário que nosso Senhor fosse batizado com o batismo de João, a melhor resposta é aquela dada pelo próprio Cristo:”Deixa por agora; porque assim nos convém cumprir toda a justiça”; cabe a nós – eu ao receber este batismo, e você ao concedê-lo. Cristo foi enviado para fazer toda a vontade de Deus; e como em sua circuncisão, também em seu batismo, “ele foi feito pecado por nós, aquele que não conheceu pecado.” [Pulpit, aguardando revisão]

Batismo de Cristo e descida do Espírito sobre ele

9 E aconteceu que, naqueles dias, Jesus de Nazaré da Galileia veio, e foi batizado por João no Jordão.

naqueles dias – ou seja, no final do ano a.u.c. 781 ou a. d. 28, quando nosso Senhor tinha trinta anos de idade (Lc 3:23), o tempo designado para a entrada do levita no “serviço do ministério” (Nm 4:3).

Jesus de Nazaré da Galileia veio – onde cresceu em reclusão pacífica, “crescendo em sabedoria e estatura e na graça de Deus e dos homens” (Lucas 2:52), em uma cidade desconhecida e sem nome no Antigo Testamento, situada entre as colinas que constituem as cordilheiras ao sul do Líbano, pouco antes de afundarem na planície de Esdraelon.

no Jordão] Ou (i) no antigo vau perto de Sucote, que alguns identificaram com a Bethabara ou melhor, com a Betânia de São João (Jo 1:28); ou (ii) em um vau mais ao sul, não muito longe de Jericó, para onde as multidões que se aglomeravam da Judéia e de Jerusalém (Marcos 1:5) teriam encontrado um acesso mais rápido e conveniente. Aprendemos com Mateus que (i) o significado da jornada do Salvador desde a Galiléia era que Ele pudesse ser batizado (Mateus 3:13); que (ii) Seu precursor reconheceu instantaneamente Sua natureza sobre-humana e imaculada; que (iii) ele tentou seriamente impedi-Lo; que (iv) suas objeções foram anuladas pela resposta de que, assim, Lhe convinha “cumprir toda a justiça”, i. e. todos os requisitos da lei. São Lucas diz-nos que o Baptismo do nosso Senhor não se realizou até “todo o povo ter sido baptizado” (Lc 3, 21). [Cambridge, aguardando revisão]

10 E assim que saiu da água, viu os céus se abrirem, e o Espírito, que como pomba descia sobre ele.

Comentário do Púlpito

Em outro lugar, somos informados (Jo 1:32) que João Batista viu essa descida. Os primeiros hereges aproveitaram-se desta declaração para representar este evento como a descida do Cristo eterno sobre o homem Jesus para habitação pessoal. Críticos posteriores adotaram essa visão. Mas nem é preciso dizer aqui que tal opinião é totalmente inconsistente com tudo o que lemos em outro lugar das circunstâncias da Encarnação, e da união íntima e indissolúvel das naturezas divina e humana na pessoa do único Cristo, do tempo da “sombra da virgem Maria pelo poder do Altíssimo.” O Espírito que desceu sobre ele em seu batismo não foi a descida do Cristo eterno sobre o homem Jesus. Era antes a transmissão para alguém que já estava preparado para isso como Deus e homem, do cargo e autoridade como o grande Profeta que deveria vir ao mundo. Lucas diz particularmente (Lc 3:21) que foi quando Jesus foi batizado e estava orando, que o Espírito Santo desceu sobre ele; mostrando-nos claramente que não foi por meio do batismo de João, mas por meio da obediência meritória e da oração do Filho de Deus, que os céus se “despedaçaram” e o Espírito Santo desceu sobre ele. [Pulpit, aguardando revisão]

11 E veio uma voz dos céus:Tu és meu Filho amado, em ti me agrado.

Comentário Cambridge

uma voz dos céus. A primeira das três vozes celestiais a serem ouvidas durante o ministério de nosso Senhor, a saber:(i) Seu batismo; (ii) Sua Transfiguração (Mc 9:7); (iii) nos pátios do Templo durante a Semana Santa (Jo 12:28). Essa Voz atestou na presença de Seu Precursor a Natureza Divina de nosso Senhor e inaugurou Seu Ministério público. O batismo foi um evento muito importante na vida de nosso Senhor:

(1) Não precisando de purificação, Ele se submeteu a ela como a Cabeça de Seu Corpo, a Igreja (Ef 1:22) para todos os Seus membros;

(2) Ele foi assim pelo batismo e pela unção do Espírito Santo que se seguiu (Mt 3:16; compare com Êxodo 29:4-37; Lv 8:1-30), solenemente consagrado ao Seu ofício como Redentor;

(3) Ele “santificou a água para a lavagem mística do pecado”;

(4) Ele deu a Sua Igreja para todos os tempos uma notável revelação da Natureza Divina, o Filho submetendo-se em toda humildade a toda exigência da Lei, o Pai aprovando por uma voz do céu, o Espírito descendo e permanecendo no Filho. I ad Jordanem, et videbis Trinitatem. [Cambridge]

Tentação de Cristo

12 E logo o Espírito o impeliu ao deserto.

Comentário Whedon

o impeliu ao deserto. O Espírito o impulsionou a ir onde a inclinação não o induziria. Mateus diz que o Espírito o “guiou”. Ele foi impelido pelo impulso divino; ele foi “guiado” pela orientação divina. [Whedon]

13 Ele esteve no deserto quarenta dias, tentado por Satanás. Ele estava com os animais selvagens, e os anjos o serviam.

Comentário Whedon

quarenta dias, tentado. Isso não significa de modo algum que a tentação perdurou durante os quarenta dias completos, mais do que o ministério dos anjos mencionado na última sentença.

Satanásanimais selvagensos anjos. Três tipos muito diferentes de companhia. O diabólico e o natural selvagem estavam presentes para testemunhar ou subjugar o divino; mas, por outro lado, o divino e o angelical combinados com o humano eram muito poderosos para eles. [Whedon]

Cristo começa seu ministério na Galileia

14 Depois que João foi preso, Jesus veio para a Galileia, pregando o Evangelho de Deus,

Comentário Barnes

Depois que João foi preso. João Batista foi preso por Herodes (Mt 14:3).

Jesus veio para a Galiléia. Ele deixou a Judéia e foi para o lugar mais retirado da Galiléia. Ele supunha que se ficasse na Judéia, Herodes também o perseguiria e tentaria tirar-lhe a vida. A sua hora da morte não havia chegado e, portanto, ele prudentemente buscava segurança na sua retirada. Assim, podemos aprender que, quando temos grandes deveres a cumprir para com a igreja de Deus, não devemos colocar nossas vidas em perigo de forma irresponsável. Quando podemos protegê-las sem um sacrifício de princípios, devemos fazê-lo. Ver Mateus 24:16. [Barnes]

15 e dizendo:O tempo se cumpriu, e o Reino de Deus está perto; arrependei-vos, e crede no Evangelho.

Comentário Barnes

O tempo se cumpriu. Isto é, o tempo para a aparição do Messias, o tempo tão profetizado, chegou. “O reino de Deus está próximo” (Mt 3:2).

arrependei-vos. Estai tristes pelos pecados, e apartai-vos deles.

e crede no Evangelho. Literalmente, confie no evangelho, ou acredite nas boas novas – a saber, no que diz respeito a salvação (Mt 4:17). [Barnes]

Chamado dos quatro primeiros discípulos

16 E enquanto andava junto ao mar da Galileia, ele viu Simão e seu irmão André, que lançavam uma rede ao mar, porque eram pescadores;

Comentário do Púlpito

E enquanto andava junto ao mar da Galileia; uma leitura melhor é (καὶ παράγων), e passando adiante. Nosso Senhor subiu do sul, passando por Samaria, até chegar a Caná da Galiléia. Ele então passou pela praia em direção a Cafarnaum; e em seu caminho encontrou os quatro discípulos que ele havia anteriormente nomeado, mas que agora estavam engajados em seu chamado de pescadores. Marcos então relata as circunstâncias de sua chamada nas palavras exatas de Mateus, que eram com toda probabilidade aquelas da tradição apostólica (‘Comentário do Orador’). Será visto que o relato de Marcos, nesta parte introdutória de seu Evangelho, é muito conciso, e que há muitas coisas a serem fornecidas a partir do primeiro capítulo de João; como, por exemplo, que depois do batismo de nosso Senhor por João, e de longe seu jejum e tentação no deserto, os judeus enviaram mensageiros ao Batista, para perguntar-lhe se ele era o Cristo. João imediatamente confessou que ele não era o Cristo, mas que havia Um mesmo então entre eles, embora eles não o conhecessem, que era realmente o Cristo. E então, no dia seguinte, Jesus veio até ele, e João então disse para aqueles ao seu redor:”Eis o Cordeiro de Deus!” Diante disso, dois dos discípulos de João se dirigiram imediatamente a Jesus. O primeiro foi André, que imediatamente trouxe seu próprio irmão Simão, depois chamado “Pedro”, para nosso Senhor. Novamente, no dia seguinte ao, nosso Senhor chamou Filipe, um concidadão de André e Pedro, de Betsaida. Então Filipe trouxe Natanael. Aqui, então, temos mais alguns discípulos nomeados, que estiveram com Jesus nas bodas em Caná da Galiléia. Então Jesus retornou novamente a Judéia; e aqueles discípulos “nomeados”, como podemos chamá-los, voltaram por um tempo à sua ocupação de pescadores. Enquanto isso, nosso Senhor, enquanto estava na Judéia, operou milagres e pregou, até que a inveja dos escribas e fariseus o constrangeu a voltar novamente para a Galiléia. E então ele chamou solenemente André e Pedro, e Tiago e João, conforme registrado por Marcos aqui. De modo que só João dá conta dos acontecimentos do primeiro ano do ministério de nosso Senhor. Os três Evangelhos sinópticos apresentam a narrativa de seu ministério público, a partir do segundo ano. [Pulpit, aguardando revisão]

17 Jesus lhes disse:Vinde após mim, e farei serdes pescadores de gente.

Comentário de M. W. Jacobus

pescadores de gente – metáfora sugerida, não só pela ocupação, mas principalmente pela miraculosa pesca, que só Lucas registra (Marcos 5:4-10). Seu significado seria sugerido a eles por passagens do Antigo Testamento como Jer. 16:16 e Amós 4:2. [Jacobus, aguardando revisão]

18 Então logo deixaram as redes, e o seguiram.

Comentário de James Morison

Então logo. Sem qualquer hesitação.

deixaram as redes, e o seguiram. Eles deixaram as redes que estavam no barco. Simão e André, tendo puxado seu barco para a praia, deixaram-no nas mãos de alguns assistentes e seguiram Jesus […] É interessante notar a fraternidade dos irmãos; eles haviam trabalhado juntos em sua vocação secular e não estavam divididos em sua ligação com Jesus. [Morison, aguardando revisão]

19 E passando um pouco mais adiante, viu Tiago filho de Zebedeu, e seu irmão João, que estavam no barco, consertando as redes.

Comentário de David Brown

Tiago filho de Zebedeu. Dois irmãos já haviam sido chamados e mais dois estavam agora para se juntar a eles. [JFB, aguardando revisão]

20 E logo os chamou; então eles deixaram o seu pai Zebedeu no barco com os empregados, foram após ele.

Comentário do Púlpito

Esta menção dos “empregados” é peculiar a Marcos. Ele freqüentemente segue a narrativa de Mateus; mas ele adiciona pequenos detalhes como este, aqui e ali, que mostram que ele sabia que a narrativa de Mateus era verdadeira, e também que ele era uma testemunha independente. Esta circunstância aqui mencionada incidentalmente mostra que havia uma diferença de posição na vida entre a família de Zebedeu e a de Simão e André. Parece que todos os judeus tinham o direito de pescar no mar da Galiléia, que abundava em peixes. Zebedeu, portanto, cuja casa parece ter sido em Jerusalém, tinha um estabelecimento de pesca na Galiléia, provavelmente administrado por seus sócios, André e Simão, durante sua ausência. Mas ele naturalmente visitaria o estabelecimento de vez em quando com seus filhos, e especialmente antes das grandes festas, quando um suprimento maior de peixes do que o normal seria necessário para os visitantes que lotavam Jerusalém naquela época. [Pulpit, aguardando revisão]

A cura do endemoniado de Cafarnaum

21 Eles entraram em Cafarnaum; e assim que chegou o sábado, Jesus entrou na sinagoga e começou a ensinar.

Comentário de David Brown

E eles foram para Cafarnaum – (Veja em Mt 4:13).

e assim que chegou o sábado, Jesus entrou na sinagoga e começou a ensinar “Deveria ter sido prestado:“ imediatamente nos sábados Ele entrou na sinagoga e ensinou ”, ou“ continuou a ensinar ”. O significado é que, assim como começou, esta prática no primeiro sabbath depois de chegar a se estabelecer em Cafarnaum, então Ele continuou regularmente depois disso. [JFB, aguardando revisão]

22 E ficavam admirados com o seu ensinamento, pois, diferentemente dos escribas, ele os ensinava como quem tem autoridade.

Comentário do Púlpito

E ficavam admirados com o seu ensinamento (ἐξεπλήσσοντο ἐπὶ τῇ διδαχῇ). O verbo em grego é muito forte e expressivo; é uma palavra muito adequada para expressar as primeiras impressões de total admiração produzidas pelo “ensino” de nosso Senhor. Várias coisas fizeram com que seu ensino (δίδαχη) fosse diferente daquele dos escribas. Não faltou auto-afirmação em seu ensino; mas suas palavras não tinham peso. Seu ensino baseava-se principalmente na tradição; tratava muito da “hortelã, erva-doce e cominho” da religião, mas negligenciava “julgamento, misericórdia e fé”. O ensino de Cristo, ao contrário, era eminentemente espiritual. E então ele praticou o que ensinou. Não é assim com os escribas.

Até agora, a narrativa de Marcos carrega o caráter de brevidade e concisão, adequada para uma introdução. A partir deste ponto, seu registro é rico em detalhes e em descrição gráfica. [Pulpit, aguardando revisão]

23 E logo apareceu na sinagoga deles um homem com um espírito imundo, que gritou,

Comentário de David Brown

espírito imundo – literalmente, “em um espírito impuro” – isto é, tão inteiramente sob o poder demoníaco que sua personalidade foi afundada no tempo daquela do espírito. A frequência com que esse caráter de “impureza” é atribuído a espíritos malignos – cerca de vinte vezes nos Evangelhos – não deve ser negligenciada. [JFB, aguardando revisão]

24 dizendo:Ah, que temos contigo, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Bem sei quem és:o Santo de Deus.

Comentário de David Brown

que temos contigo – uma expressão de ocorrência frequente no Antigo Testamento (1Rs 17:18; 2Rs 3:13; 2Cr 35:21, etc.). Denota uma separação inteira de interesses:isto é, “Tu e não temos nada em comum; nós não queremos Ti; o que Tu queres conosco? ”Para a aplicação análoga do que por nosso Senhor a Sua mãe, veja em Jo 2:4.

“Jesus, Nazareno!”– um epíteto originalmente dado para expressar desprezo, mas logo adotado como a atual designação por aqueles que consideravam nosso Senhor em honra (Lc 18:37; Mc 16:6; At 2:22) .

Vieste para nos destruir – No caso do demoníaco gadareno, a pergunta era:“Veio aqui para nos atormentar antes do tempo?” (Mt 8:29). Eles mesmos atormentadores e destruidores de suas vítimas, eles discernem em Jesus seu próprio atormentador e destruidor destinado, antecipando e temendo o que eles sabem e sentem estar esperando por eles! Consciente, também, de que seu poder era apenas permitido e temporário, e percebendo Nele, talvez, a Semente da mulher que iria ferir a cabeça e destruir as obras do diabo, eles consideram Sua aproximação a eles nesta ocasião como um sinal para deixar ir a compreensão desta vítima miserável.

Bem sei quem és:o Santo de Deus – Este e outros testemunhos ainda mais gloriosos ao nosso Senhor foram dados, como sabemos, sem boa vontade, mas na esperança de que, pela aceitação deles, Ele possa parecer as pessoas se aliaram aos maus espíritos – uma calúnia que Seus inimigos estavam prontos a lançar contra ele. Mas era mais sábio do que qualquer outro aqui, que invariavelmente rejeitava e silenciava os testemunhos que vinham de baixo e assim podia refutar as imputações de Seus inimigos contra Ele (Mt 12:24-30). A expressão “Santo de Deus” parece evidentemente retirada do Salmo Messiânico (Sl 16:10), no qual Ele é denominado “Teu Santo”. [JFB, aguardando revisão]

25 Jesus o repreendeu, dizendo:Cala-te, e sai dele.

Comentário de David Brown

Uma gloriosa palavra de ordem. Bengel observa que foi apenas o testemunho que ele levou a Si, o que nosso Senhor queria silenciar. Que ele deveria depois gritar de medo ou raiva (Mc 1:26) Ele teria razão voluntariamente permitir. [JFB, aguardando revisão]

26 E o espírito imundo, provocando convulsão nele, e gritando em alta voz, saiu dele.

Comentário de David Brown

E o espírito imundo, provocando convulsão nele– Lucas (Lc 4:35) diz:“Quando ele o jogou no meio”. Crueldade maligna – apenas mostrando o que ele teria feito, se fosse permitido ir mais longe:era o último arremesso!

e chorou com uma voz alta – a voz de submissão forçada e desespero.

saiu dele – Lucas (Lc 4:35) acrescenta:“e não o feriu”. Assim, impotente era a malignidade e a ira do espírito impuro quando sob a restrição “do mais forte que o forte armado” (Lc 11:21-22). [JFB, aguardando revisão]

27 Assim todos ficaram admirados, e perguntavam entre si:Que é isto? Que novo ensinamento com autoridade! Ele ordena até aos espíritos imundos, e eles lhe obedecem!

Comentário de David Brown

O público, justamente percebendo que o milagre foi feito para ilustrar o ensinamento e mostrar o caráter e a glória do Mestre, comece perguntando que tipo novo de ensino isso poderia ser, que foi tão maravilhosamente atestado. [JFU, aguardando revisão]

28 E logo sua fama se espalhou por toda a região da Galileia.

Comentário do Púlpito

por toda a região da Galileia – mais literalmente, toda a região da Galiléia, ao redor; e as melhores leituras adicionam “em todos os lugares” (πανταχοῦ εἰς ὅλην τὴν περίχωρον τῆς Γαλιλαίας). É claro que isso é dito por antecipação. [Pulpit, aguardando revisão]

29 Logo depois de saírem da sinagoga, vieram à casa de Simão e de André, com Tiago e João.

Comentário de David Brown

Logo depois de saírem da sinagoga- também em Lc 4:38.

vieram à casa de Simão e de André, com Tiago e João – A menção desses quatro – que é peculiar a Marcos – é o primeiro desses traços da mão de Pedro neste Evangelho, do qual encontraremos muitos mais. Sendo a casa dele, e a doença e a cura quase tão afetando a si mesma, é interessante observar essa minuciosa especificação do número e nomes das testemunhas; interessante também como a primeira ocasião em que o triunvirato sagrado de Pedro e Tiago e João são selecionados dentre os demais, para ser um tríplice cordão de testemunho de certos eventos na vida de seu Senhor (ver Mc 5:37) – André estar presente nesta ocasião, como a ocorrência ocorreu em sua própria casa. [JFB, aguardando revisão]

30 A sogra de Simão estava deitada com febre, e logo falaram dela a Jesus.

Comentário de David Brown

A sogra de Simão estava deitada com febre – Lucas, como era natural no “médico amado” (Cl 4:14), descreve-a profissionalmente; chamando-a de “grande febre” e, assim, distinguindo-a daquele tipo mais leve que os médicos gregos costumavam chamar de “pequenas febres”, como nos diz Galen, citado por Wetstein.

e logo falaram dela a Jesus – naturalmente esperando que Sua compaixão e poder para com um de seus próprios discípulos não seja menos exibido do que para o estranho demonizado na sinagoga. [JFB, aguardando revisão]

31 Então ele aproximou-se dela, tomou-a pela mão, e a levantou; logo a febre a deixou, e ela começou a servi-los.

Comentário de David Brown

tomou-a pela mão, e a levantou – Este ato de condescendência, a maioria sem dúvida sentida por Pedro, é registrada apenas por Marcos.

logo a febre a deixou, e ela começou a servi-los – preparando a refeição do sábado deles:em sinal tanto da perfeição quanto da imediação da cura, e de sua gratidão ao glorioso Curador. [JFB, aguardando revisão]

32 Ao entardecer, quando o sol já se punha, trouxeram-lhe todos os doentes e endemoninhados;

Comentário de David Brown

Ao entardecer, quando o sol já se punha– então Mt 8:16. Lucas (Lc 4:40) diz que estava se pondo.

trouxeram-lhe todos os doentes e endemoninhados – De Lc 13:14 vemos quão ilegal eles teriam considerado levar seus doentes a Jesus para uma cura durante as horas de sábado. Eles esperaram, portanto, até que estes terminassem, e então os trouxeram em multidões. Nosso Senhor depois repetiu a ocasião de ensinar o povo pelo exemplo, mesmo correndo o risco de sua própria vida, o quão supersticioso era o esforço do descanso sabático que era. [JFB, aguardando revisão]

33 e toda a cidade se juntou à porta.

Comentário de David Brown

da casa de Pedro; isto é, os doentes e aqueles que os trouxeram, e os admiradores espectadores. Isto indica a presença de uma testemunha ocular e é um daqueles exemplos vivos de pintura de palavras tão frequentes neste Evangelho. [JFB, aguardando revisão]

34 Ele curou muitos que se achavam mal de diversas enfermidades, e expulsou muitos demônios. Ele não deixava os demônios falarem, porque o conheciam.

Comentário de David Brown

Ele curou muitos que se achavam mal de diversas enfermidades, e expulsou muitos demônios– Em Mt 8:16 é dito:”Ele expulsou os espíritos com a Sua palavra”; ou melhor, “com uma palavra” – uma palavra de comando.

Ele não deixava os demônios falarem, porque o conheciam – Evidentemente, eles teriam falado, se permitido, proclamando Seu messianismo em termos como na sinagoga; mas uma vez em um dia, e esse testemunho imediatamente silenciado, foi o suficiente. Veja em Mc 1:24. Após este relato de Seus milagres de cura, temos em Mt 8:17 esta citação grávida:“Para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta Isaías:(Is 53:4), Ele mesmo tomou nossas fraquezas, e deu a luz doenças ”. [JFB, aguardando revisão]

35 De madrugada, ainda escuro, ele se levantou para sair, foi a um lugar deserto, e ali esteve a orar.

Comentário de David Brown

De madrugada – isto é, do dia depois deste notável sábado; ou, no primeiro dia da semana. Sua escolha neste dia para inaugurar um novo e glorioso estágio de Sua obra pública deve ser notada pelo leitor.

ele se levantou para sair – sem ser percebido, da casa de Pedro, onde Ele dormia.

foi a um lugar deserto, e ali esteve a orar –  Ele estava prestes a iniciar seu primeiro circuito de pregação e cura; e como em ocasiões solenes semelhantes (Lc 5:166:129:18,28-29; Mc 6:46), Ele passou algum tempo em oração especial, sem dúvida com uma visão para isso. O que alguém não daria ter sido, durante a quietude daquelas horas cinzentas da manhã, de ouvir – não de Seu “forte choro e lágrimas”, pois Ele mal chegara ao palco para isso -, mas de Suas expectativas calmas e exaltadas de o trabalho que estava imediatamente diante Dele, e os derramamentos de Sua alma sobre ele no seio daquele que O enviou! Ele sem dúvida desfrutou de algumas horas ininterruptas de tais conversas com Seu Pai celestial antes que Seus amigos de Cafarnaum chegassem em busca Dele. Quanto a eles, sem dúvida esperavam, depois de um dia de milagres, que o dia seguinte testemunhasse manifestações semelhantes. Quando a manhã chegasse, Pedro, relutante em invadir o repouso de seu glorioso hóspede, aguardaria sua aparição além da hora habitual; mas por fim, admirando a quietude, e gentilmente chegando a ver onde o Senhor estava, ele a encontra – como o sepulcro depois – vazia! Rapidamente uma festa é feita para ir em busca de Deus, Peter naturalmente liderando o caminho. [JFB, aguardando revisão]

36 Simão e os que estavam com ele o seguiram.

Comentário de David Brown

Lucas (Lc 4:42) diz:“As multidões o procuravam”; mas isso seria uma festa da cidade. Mark, tendo sua informação do próprio Peter, fala apenas do que lhe é diretamente relacionado. “Aqueles que estavam com ele” provavelmente seriam Andrew, seu irmão, James e John, com alguns outros irmãos preferidos. [JFB, aguardando revisão]

37 Quando o acharam, disseram-lhe:Todos estão te procurando.

Comentário de David Brown

Quando o acharam – evidentemente depois de alguma busca.

disseram-lhe:Todos estão te procurando  – A essa altura, “as multidões” que, segundo Lucas (Lc 4:42), “procuravam por ele” – e que, indo à casa de Pedro, ali aprendendo que Pedro e mais alguns se foram em busca dEle, partira para a mesma missão – teria chegado e “chegado a ele e colocado, para que não se apartasse deles” (Lc 4:42); todos agora pedindo Seu retorno aos seus impacientes cidadãos. [JFB, aguardando revisão]

38 Jesus lhes respondeu:Vamos para as aldeias vizinhas, para que eu também pregue ali, pois vim para isso.

Comentário de David Brown

Vamos para as aldeias vizinhas – significando aqueles lugares intermediários entre cidades e aldeias, com os quais o lado ocidental do Mar da Galileia foi cravejado.

para que eu também pregue ali, pois vim para isso – não de Cafarnaum, como Deuteronômio Wette interpreta miseravelmente, nem de Sua privacidade no lugar deserto, como Meyer, não melhor; mas do pai. Compare Jo 16:28:“Eu saí do Pai e vim ao mundo” etc. – outra prova, a propósito, de que a elevada fraseologia do Quarto Evangelho não era desconhecida dos autores dos outros. embora seu design e ponto de vista sejam diferentes. A linguagem na qual a resposta de nosso Senhor é dada por Lucas (Lc 4:43) expressa a alta necessidade sob a qual, neste como em todos os outros passos de Sua obra, Ele agiu – “Preciso pregar o reino de Deus para outros cidades também; pois, portanto, “- ou,” para este fim “-” eu sou enviado “. Um ato de abnegação, sem dúvida, foi, para resistir a tais petições para retornar a Cafarnaum. Mas havia considerações dominadoras do outro lado. [JFB, aguardando revisão]

39 Ele foi pregar em suas sinagogas por toda a Galileia, e expulsava os demônios.

Comentário Whedon

Ele foi pregar em suas sinagogas. De onde parece que as sinagogas estavam espalhadas pelas aldeias da Galiléia, como as igrejas estão entre nós. [Whedon]

Cura de um leproso

40 Um leproso aproximou-se dele, rogando-lhe, pondo-se de joelhos , e dizendo-lhe:Se quiseres, tu podes limpar-me.

Comentário do Púlpito

A cura do leproso está registrada em todos os três Evangelhos sinópticos; mas São Marcos dá mais detalhes completos. De São Mateus, aprendemos que aconteceu depois do sermão da montanha; e ainda não no final de seu circuito missionário, São Lucas (5:12) diz que o doente estava “cheio de lepra” (πλήρης λέπρας). O distúrbio estava totalmente desenvolvido; havia se espalhado por todo o corpo; ele era leproso da cabeça aos pés. Essa lepra foi projetada para ser especialmente típica da doença do pecado. Não era infeccioso. Não foi porque era infeccioso ou contagioso que o leproso foi ordenado, segundo a Lei Judaica, a afastar os outros com as palavras:”Imundo! Impuro!” Em alguns casos, foi hereditário. Foi uma doença muito revoltante. Foi um envenenamento das fontes da vida. Foi uma morte em vida. Era incurável por qualquer arte ou habilidade humana. Foi o terrível sinal do pecado chegando à morte; e foi curado, como o pecado é curado, somente pela misericórdia e favor de Deus. Não é de se admirar, então, que nosso Senhor tenha mostrado especialmente seu poder sobre esta terrível doença, para que pudesse assim provar seu poder sobre a doença ainda pior do pecado. São Marcos aqui nos diz que este leproso se ajoelhou (καὶ γονυπετῶν). São Mateus diz (Mateus 8:2) que ele “o adorava” (προσεκύνει αὐτῷ); São Lucas diz (5:12) que “caiu com o rosto em terra” (πεσὼν ἐπὶ πρόσωπον). Assim, vemos que a ideia bíblica de adoração está associada a alguma postura humilde do corpo. Mas com esta adoração do corpo, o leproso ofereceu também a homenagem da alma. Sua prostração de si mesmo diante de Cristo não era meramente uma homenagem a um ser terrestre; era uma reverência a um Ser Divino. Pois ele não lhe diz:”Se pedires a Deus, ele to concederá”; mas ele diz:“Se quiseres, podes tornar-me limpo”. É como se ele dissesse:”Eu sei que tu és de igual poder com o Pai e, portanto, Senhor supremo sobre as doenças; de modo que somente pela tua palavra tu podes remover esta lepra de mim. Peço, portanto, que queres ser disposto a fazer isso, e então eu sei que a coisa está feita. ” O leproso tinha fé no poder divino de Cristo, em parte por sua própria iluminação interior e em parte pela evidência dos milagres que Cristo já havia realizado. Se quiseres, vá para o leste. Observe a expressão hipotética:”Se quiseres”. Ele não tem dúvidas quanto ao poder de Cristo, mas as palavras “se quiseres” mostram que seu desejo de cura foi controlado pela resignação à vontade de Deus. Pois as doenças corporais são freqüentemente necessárias para a saúde da alma; e isso Deus sabe, embora o homem não saiba. Portanto, ao pedirmos por bênçãos terrenas, convém que nos resignemos à vontade e sabedoria de Deus. [Pulpit, aguardando revisão]

41 E Jesus , movido de compaixão, estendeu a mão, tocou-o, e disse-lhe:Quero; sê limpo.

Comentário Cambridge

tocou-o. Embora este ato fosse estritamente proibido pela Lei Mosaica como causador de impureza cerimonial. Mas “Ele próprio, permanecendo imaculado, purificou aquele a quem tocou; porque nele a vida venceu a morte, e a saúde a doença, e a pureza a impureza”. [Cambridge]

42 Logo a lepra saiu dele, e ficou limpo.

Comentário do Púlpito

Logo – A palavra favorita de Marcos – a lepra saiu dele. Não há intervalo entre o comando e a obra de Cristo. “Ele falou, e foi feito.” Sua vontade é sua onipotência. Por esse ato, Cristo mostrou que veio ao mundo como um grande Médico, para que pudesse curar todas as doenças e nos purificar de todas as nossas contaminações. A palavra “imediatamente” mostra que Cristo curou o leproso, não por qualquer meio natural, mas por um poder divino que atua instantaneamente. Ele é igualmente poderoso para elogiar e fazer. São Mateus diz aqui (Mateus 8:3) que imediatamente “sua lepra foi purificada” (ἐκαθαρίσθη αὐτοῦ ἡ λέπρα). Existe aqui o que é chamado de “hipalage”, ou inversão do significado, que é, claro, que “ele foi curado de sua lepra”. [Pulpit, aguardando revisão]

43 Jesus advertiu-o, e logo o despediu,

Comentário do Púlpito

Jesus advertiu-o. O verbo grego aqui (ἐμβριμησάμενος) tem um tom de severidade nele, “ele estritamente [ou severamente] exigiu.” Tanto a palavra quanto a ação são severas.

e logo o despediu (ἐξεβάλεν αὐτὸν). Pode ser que ele tenha incorrido nessa repreensão por ter se aproximado tanto com sua contaminação do santo Salvador. Cristo, portanto, mostrou não apenas seu respeito pelas ordenanças da Lei Judaica, mas também quão odioso o pecado é para o Deus santíssimo. [Pulpit, aguardando revisão]

44 dizendo-lhe:Cuidado, não digas nada a ninguém. Mas vai, mostra-te ao Sacerdote, e oferece por teres ficado limpo o que Moisés mandou, para lhes servir de testemunho.

Comentário do Púlpito

Cuidado, não digas nada a ninguém. São Crisóstomo diz que nosso Senhor lhe deu este encargo, “para evitar a ostentação e nos ensinar a não nos orgulhar de nossas virtudes, mas a ocultá-las”. É evidente que ele desejava desviar os pensamentos dos homens de seus milagres e fixá-los em sua doutrina.

Mas vai, mostra-te ao Sacerdote; o sacerdote que na ordem de seu curso presidia aos demais. Nosso Senhor o enviou ao sacerdote, para que reconhecesse seu ofício especial nos casos de lepra; e, além disso, que o próprio sacerdote pudesse ter evidências claras de que esse leproso foi purificado, não segundo o costume da Lei, mas pela operação da graça. [Pulpit, aguardando revisão]

45 Porém, quando ele saiu, começou a anunciar muitas coisas, e a divulgar a notícia, de maneira que Jesus já não podia entrar publicamente na cidade; em vez disso, ficava do lado de fora em lugares desertos, e pessoas de todas as partes vinham até ele.

Comentário Whedon

começou a anunciar muitas coisas, e a divulgar a notícia. Isso mostra a plena sabedoria de Jesus em proibi-lo de dizer a qualquer homem. O boato gerou um tumulto e uma multidão e uma excitação totalmente diferentes do movimento gentil e espiritual que era o propósito de Jesus criar.

não podia entrar publicamente na cidade. O tumulto estava ficando grande demais para o bem das pessoas, ou para o silêncio do governo. Nosso Senhor e a multidão corriam o risco de atrair a desconfiança das autoridades. [Whedon]

<Mateus 28 Marcos 2>

Visão geral de Marcos

O evangelho de Marcos, mostra que “Jesus é o Messias de Israel inaugurando o reino de Deus através do Seu sofrimento, morte e ressurreição”. Tenha uma visão geral do Evangelho através deste breve vídeo (10 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Sobre a afirmação do vídeo de que o final do Evangelho de Marcos (16:9-20) não foi escrito por ele, penso ser necessário acrescentar algumas considerações. De fato, há grande discussão entre estudiosos sobre este assunto, já que os manuscritos mais antigos de Marcos não têm essa parte. Porém, mesmo que seja verdade que este final não tenha sido escrito pelo evangelista, todas as suas afirmações são asseguradas pelos outros Evangelhos e Atos dos Apóstolos. Para entender mais sobre a ciência que estuda os manuscritos antigos acesse esta aula de manuscritologia bíblica.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Marcos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.