Bíblia, Revisar

Josué 11

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

A vitória sobre os reis do norte

1 Ouvindo isto Jabim rei de Hazor, enviou mensagem a Jobabe rei de Madom, e ao rei de Sinrom, e ao rei de Acsafe,

– A cena da narrativa sagrada é aqui deslocada para o norte de Canaã, onde uma confederação ainda mais extensa foi formada entre os poderes dominantes para se opor ao progresso ulterior do Israelitas. Jabin (“o Inteligente”), que parece ter sido um título hereditário (Jz 4:2), assumiu a liderança, sendo Hazor a capital da região norte (Js 11:10). Ele estava situado nas margens do lago Merom. As outras cidades mencionadas devem ter estado nas proximidades, embora sua posição exata seja desconhecida.

2 E aos reis que estavam à parte do norte nas montanhas, e na planície ao sul de Quinerete, e nas planícies, e nas regiões de Dor ao ocidente;

E aos reis que estavam à parte do norte nas montanhas – o distrito anti-libanus.

e na planície ao sul de Quinerete – a parte norte da Arabá, ou vale do Jordão.

e nas planícies– o país baixo e nivelado, incluindo a planície de Sharon.

nas regiões de Dor ao ocidente – as terras altas de Dor, chegando à cidade de Dor, na costa do Mediterrâneo, abaixo do monte Carmelo.

3 E aos cananeus que estava ao oriente e ao ocidente, e aos amorreus, e ao Heteu, e aos perizeus, e aos jebuseus nas montanhas, e aos heveus debaixo de Hermom em terra de Mispá.

E aos cananeus que estava ao oriente e ao ocidente – um ramo particular da população cananéia que ocupava a margem ocidental do Jordão até o norte do Mar da Galileia, e também as costas do Mar Mediterrâneo.

debaixo de Hermom – agora Jebel-es-sheikh. Era o limite norte de Canaã, a leste do Jordão.

terra de Mispá – agora Coelo-Syria.

4 Estes saíram, e com eles todos os seus exércitos, povo muito em grande maneira, como a areia que está à beira do mar, com grande multidão de cavalos e carros.

– Os chefes dessas várias tribos foram convocados por Jabim, sendo todos provavelmente tributários do reino de Hazor. Suas forças combinadas, de acordo com Josefo, somavam trezentos mil de infantaria, dez mil de cavalaria e vinte mil carros de guerra.
com cavalos e carros muitos – os carros de guerra eram provavelmente como os do Egito, feitos de madeira, mas pregados e com pontas de ferro. Estes aparecem pela primeira vez na guerra cananéia, para ajudar esta última luta determinada contra os invasores; e “foi o uso destes que parece ter fixado o local de encontro pelo lago Merom (agora Huleh), ao longo do qual as praias de nível poderiam ter jogo completo para a sua força.” Um anfitrião tão formidável em números, bem como em equipamentos militares, certamente alarmaria e desanimaria os israelitas. Josué, portanto, foi favorecido com uma renovação da promessa divina de vitória (Js 11:6), e assim encorajado, ele, na plena confiança da fé, partiu para enfrentar o inimigo.

5 Todos estes reis se juntaram, e vindo reuniram os acampamentos junto às águas de Merom, para lutar contra Israel.
6 Mas o SENHOR disse a Josué: Não tenhas medo deles, que amanhã a esta hora eu entregarei a todos estes, mortos diante de Israel: a seus cavalos aleijarás, e seus carros queimarás ao fogo.

Que amanhã a esta hora eu entregarei a todos estes, mortos diante de Israel – Como era impossível ter marchado de Gilgal a Merom em um dia, devemos supor que Josué já se movesse para o norte e dentro de um dia de distância do acampamento cananeu quando o Senhor lhe deu esta garantia de sucesso. Com a energia característica, ele fez um súbito avanço, provavelmente durante a noite, e caiu sobre eles como um raio, quando se espalhou pelos terrenos em ascensão (Septuaginta), antes que tivessem tempo de se reunir na planície. No repentino pânico “o Senhor os entregou nas mãos de Israel, que os feriram e os perseguiram”. A derrota foi completa; alguns foram para o oeste, sobre as montanhas, acima do desfiladeiro de Leontes, para Sidon e Misrefhothmaim (“casas de fundição de vidro”), no bairro, e outros para o leste até a planície de Mizpá.

7 E veio Josué, e com ele todo aquele povo de guerra, contra eles, e deu de repente sobre eles junto às águas de Merom.
8 E entregou-os o SENHOR em mãos de Israel, os quais os feriram e seguiram até a grande Sidom, e até as águas quentes, e até a planície de Mispá ao oriente, ferindo-os até que não lhes deixaram ninguém.

ferindo-os até que não lhes deixaram ninguém – daqueles a quem alcançaram. Todos aqueles que caíram em suas mãos vivos foram mortos.

9 E Josué fez com eles como o SENHOR lhe havia mandado: aleijou seus cavalos, e seus carros queimou ao fogo.

Josué fez com eles como o SENHOR lhe havia mandado – (Veja Js 11:6). O corte dos cavalos é feito cortando-se os tendões e as artérias de suas patas traseiras, de modo que eles não apenas se tornem irremediavelmente mancos, mas sangrem até a morte. As razões para esse comando especial eram que o Senhor tinha a intenção de levar os israelitas a confiar nEle, não em recursos militares (Sl 20:7); para mostrar que na terra da promessa não havia uso de cavalos; e, finalmente, desencorajar suas viagens como se fossem um povo agrícola, não um comércio.

10 E voltando-se Josué, tomou no mesmo tempo a Hazor, e feriu à espada a seu rei: a qual Hazor havia sido antes cabeça de todos estes reinos.
11 E feriram à espada todo quanto nela havia vivo, destruindo e não deixando coisa com vida; e a Hazor puseram a fogo.

e a Hazor puseram a fogo – calma e deliberadamente, sem dúvida, de acordo com a direção divina.

12 Também tomou Josué todas as cidades destes reis, e a todos os reis delas, e os meteu à espada, e os destruiu, como Moisés servo do SENHOR o havia mandado.
13 Porém todas as cidades que estavam em suas colinas, não as queimou Israel, tirando a só Hazor, a qual queimou Josué.

todas as cidades que estavam em suas colinas – literalmente, “em seus montes”. Era um costume fenício construir cidades em alturas, naturais ou artificiais [Hengstenberg].

14 E os filhos de Israel tomaram para si todos os despojos e animais daquelas cidades: mas a todos os homens feriram à espada até destruí-los, sem deixar alguém com vida.
15 Da maneira que o SENHOR o havia mandado a Moisés seu servo, assim Moisés o mandou a Josué: e assim Josué o fez, sem tirar palavra de tudo o que o SENHOR havia mandado a Moisés.
16 Tomou, pois, Josué toda aquela terra, as montanhas, e toda a região do sul, e toda a terra de Gósen, e os terrenos baixos e as planícies, e a região montanhosa de Israel e seus vales.

Tomou, pois, Josué toda aquela terra – Aqui segue uma visão geral da conquista. A divisão do país lá em cinco partes; ou seja, as colinas, a terra de Goshen, isto é, uma terra pastoril perto de Gibeão (Js 10:41); o vale, as planícies e as montanhas de Israel, ou seja, o Carmelo, assenta numa diversidade de posições geográficas, característica da região.

17 Desde o monte de Halaque, que sobe até Seir, até Baal-Gade na planície do Líbano, às raízes do monte Hermom: tomou também todos os seus reis, os quais feriu e matou.

o monte de Halaque – hebraico, “a montanha lisa”.

que sobe até Seir – uma linha irregular de colinas brancas nuas, cerca de vinte metros de altura e sete ou oito milhas geográficas de comprimento que cruzam toda a Ghor, oito milhas ao sul do Mar Morto, provavelmente “a ascensão de Akrabim” [Robinson ].

até Baal-Gade na planície do Líbano – a cidade ou templo do deus do destino, em Baalbec.

18 Por muitos dias teve guerra Josué com estes reis.
19 Não houve cidade que fizesse paz com os filhos de Israel, a não ser os heveus, que moravam em Gibeão: tudo o tomaram por guerra.
20 Porque isto veio do SENHOR, que endurecia o coração deles para que resistissem com guerra a Israel, para destruí-los, e que não lhes fosse feita misericórdia, antes fossem desarraigados, como o SENHOR o havia mandado a Moisés.
21 Também no mesmo tempo veio Josué e destruiu os anaquins dos montes, de Hebrom, de Debir, e de Anabe, e de todos os montes de Judá, e de todos os montes de Israel: Josué os destruiu a eles e a suas cidades.
22 Nenhum dos anaquins restou na terra dos filhos de Israel; somente restaram em Gaza, em Gate, e em Asdode.
23 Tomou, pois, Josué toda a terra, conforme todo o que o SENHOR havia dito a Moisés; e entregou-a Josué aos israelitas por herança, conforme suas repartições de suas tribos: e a terra repousou de guerra.

Tomou, pois, Josué toda a terra – A batalha da tomada de Merom foi para o norte que a batalha de Bete-Horom foi para o sul; mais brevemente contada e menos completa em suas consequências; mas ainda o conflito decisivo pelo qual toda a região norte de Canaã caiu nas mãos de Israel [Stanley].

<Josué 10 Josué 12>

Leia também uma introdução ao livro de Josué.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados