Josué 11

A vitória sobre os reis do norte

1 Ouvindo isto Jabim rei de Hazor, enviou mensagem a Jobabe rei de Madom, e ao rei de Sinrom, e ao rei de Acsafe,

Comentário de Robert Jamieson

A cena da narrativa sagrada é aqui deslocada para o norte de Canaã, onde uma confederação ainda mais extensa foi formada entre os poderes dominantes para se opor ao progresso ulterior do Israelitas. Jabin (“o Inteligente”), que parece ter sido um título hereditário (Juízes 4:2), assumiu a liderança, sendo Hazor a capital da região norte (Josué 11:10). Ele estava situado nas margens do lago Merom. As outras cidades mencionadas devem ter estado nas proximidades, embora sua posição exata seja desconhecida. [JFB, aguardando revisão]

2 E aos reis que estavam à parte do norte nas montanhas, e na planície ao sul de Quinerete, e nas planícies, e nas regiões de Dor ao ocidente;

Comentário de Robert Jamieson

E aos reis que estavam à parte do norte nas montanhas – o distrito anti-libanus.

e na planície ao sul de Quinerete – a parte norte da Arabá, ou vale do Jordão.

e nas planícies– o país baixo e nivelado, incluindo a planície de Sharon.

nas regiões de Dor ao ocidente – as terras altas de Dor, chegando à cidade de Dor, na costa do Mediterrâneo, abaixo do monte Carmelo. [JFB, aguardando revisão]

3 E aos cananeus que estava ao oriente e ao ocidente, e aos amorreus, e ao Heteu, e aos perizeus, e aos jebuseus nas montanhas, e aos heveus debaixo de Hermom em terra de Mispá.

Comentário de Robert Jamieson

E aos cananeus que estava ao oriente e ao ocidente – um ramo particular da população cananéia que ocupava a margem ocidental do Jordão até o norte do Mar da Galileia, e também as costas do Mar Mediterrâneo.

debaixo de Hermom – agora Jebel-es-sheikh. Era o limite norte de Canaã, a leste do Jordão.

terra de Mispá – agora Coelo-Syria. [JFB, aguardando revisão]

4 Estes saíram, e com eles todos os seus exércitos, povo muito em grande maneira, como a areia que está à beira do mar, com grande multidão de cavalos e carros.

Comentário de Robert Jamieson

Os chefes dessas várias tribos foram convocados por Jabim, sendo todos provavelmente tributários do reino de Hazor. Suas forças combinadas, de acordo com Josefo, somavam trezentos mil de infantaria, dez mil de cavalaria e vinte mil carros de guerra.

com grande multidão de cavalos e carros – os carros de guerra eram provavelmente como os do Egito, feitos de madeira, mas pregados e com pontas de ferro. Estes aparecem pela primeira vez na guerra cananéia, para ajudar esta última luta determinada contra os invasores; e “foi o uso destes que parece ter fixado o local de encontro pelo lago Merom (agora Huleh), ao longo do qual as praias de nível poderiam ter jogo completo para a sua força.” Um anfitrião tão formidável em números, bem como em equipamentos militares, certamente alarmaria e desanimaria os israelitas. Josué, portanto, foi favorecido com uma renovação da promessa divina de vitória (Josué 11:6), e assim encorajado, ele, na plena confiança da fé, partiu para enfrentar o inimigo. [JFB, aguardando revisão]

5 Todos estes reis se juntaram, e vindo reuniram os acampamentos junto às águas de Merom, para lutar contra Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(4-5) Estes saíram com seus exércitos, um povo tão numeroso quanto a areia à beira-mar (vid., Gênesis 22:17, etc.), e muitos cavalos e carruagens. Todos estes reis concordaram juntos, isto é, em relação à guerra e ao lugar de batalha, e acamparam em Merom para lutar contra Israel. O nome Merom (Meirm na versão árabe) responde a Meirm, uma aldeia cujo nome também é pronunciado Meirm, um famoso lugar de peregrinação entre os judeus, porque Hillel, Shammai, Simeon ben Jochai, e outros rabinos notáveis são ditos enterrados lá (ver Robinson, Pal. iii. p. 333), cerca de duas horas de viagem ao noroeste de Szafed, sobre uma montanha rochosa, no sopé da qual há uma nascente que forma um pequeno riacho e corre pelo vale abaixo de Szafed (Seetzen, R. ii. pp. 127-8; Robinson, Bibl. Res. pp. 73ff.). Este riacho, que se diz chegar ao lago de Tiberíades, no bairro de Betsaida, é muito provavelmente considerado como as “águas de Merom”, como, segundo Josefo (Ant. v. 1, 18), “estes reis acampados em Berothe (de. Bell. Jude 20.6, e Vit. 37, ‘Meroth’), uma cidade da Alta Galiléia, não muito longe de Kedese”.

(Nota: A opinião tradicional de que “águas de Merom” é o nome do Antigo Testamento para o Lago de Samochonitis, ou Huleh, não se baseia em nenhuma evidência histórica, mas é simplesmente uma inferência de Hadr. Reland (Pal. Ill. p. 262), (1) da declaração feita por Josephus (Ant. v. 5, 1), de que Hazor estava acima do Lago de Somochonitis, sendo considerado como garantido sem mais razão que a batalha ocorreu em Hazor, e (2) da suposta similaridade no significado dos nomes, em outras palavras, que Samochonitis é derivado de uma palavra árabe que significa ser alto, e portanto significa o mesmo que Merom (altura), embora aqui novamente o zere é desconsiderado, e Merom é arbitrariamente identificado com Marom). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Mas o SENHOR disse a Josué: Não tenhas medo deles, que amanhã a esta hora eu entregarei a todos estes, mortos diante de Israel: a seus cavalos aleijarás, e seus carros queimarás ao fogo.

Comentário de Robert Jamieson

Que amanhã a esta hora eu entregarei a todos estes, mortos diante de Israel – Como era impossível ter marchado de Gilgal a Merom em um dia, devemos supor que Josué já se movesse para o norte e dentro de um dia de distância do acampamento cananeu quando o Senhor lhe deu esta garantia de sucesso. Com a energia característica, ele fez um súbito avanço, provavelmente durante a noite, e caiu sobre eles como um raio, quando se espalhou pelos terrenos em ascensão (Septuaginta), antes que tivessem tempo de se reunir na planície. No repentino pânico “o Senhor os entregou nas mãos de Israel, que os feriram e os perseguiram”. A derrota foi completa; alguns foram para o oeste, sobre as montanhas, acima do desfiladeiro de Leontes, para Sidon e Misrefhothmaim (“casas de fundição de vidro”), no bairro, e outros para o leste até a planície de Mizpá. [JFB, aguardando revisão]

7 E veio Josué, e com ele todo aquele povo de guerra, contra eles, e deu de repente sobre eles junto às águas de Merom.

Comentário de Keil e Delitzsch

(7-8) Com isso, para inspirá-los, os israelitas caíram sobre o inimigo e os feriram, perseguindo-os em direção ao noroeste até Sidon, e ao oeste até Misrephothmaim, e para a planície de Mizpah, no leste. Sidon é chamada de grande (como em Josué 19:28), porque naquela época era a metrópole da Fenícia; enquanto que mesmo na época de Davi havia perdido seu antigo esplendor, e foi ultrapassada por sua cidade filha Tyre. Ela ainda deve ser vista na cidade de Saida, uma cidade de cinco ou seis mil habitantes, com muitas casas grandes e bem construídas (ver Rob. Pal. iii. p. 415, e Movers, Phnizier, ii. 1, pp. 86ff.). Misrephothmaim (mencionado também em Josué 13:6), que os tradutores gregos tomaram como um nome próprio, embora os Rabinos e alguns comentadores cristãos o rendam de diferentes maneiras, tais como salinas, cabanas de fundição ou cabanas de vidro (ver Ges. Thes. p. 1341), é uma coleção de molas, chamada Ain Mesherfi, aos pés do promontório ao qual, com sua passagem íngreme, é dado o nome de Ras el Nakhra, o scala Tyriorum ou Passepoulain dos Cruzados (ver V. de Velde, Mem. p. 335, e Ritter, Erdk. xvi. p. 807). מצפּה בּקעת (Eng. Verso “o vale de Mizpeh”) é provavelmente a bacia do lago Huleh e de Nahr Hasbany, no lado ocidental da qual se encontram as terras de Mizpah (Joshua 11:3). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E entregou-os o SENHOR em mãos de Israel, os quais os feriram e seguiram até a grande Sidom, e até as águas quentes, e até a planície de Mispá ao oriente, ferindo-os até que não lhes deixaram ninguém.

Comentário de Robert Jamieson

ferindo-os até que não lhes deixaram ninguém – daqueles a quem alcançaram. Todos aqueles que caíram em suas mãos vivos foram mortos. [JFB, aguardando revisão]

9 E Josué fez com eles como o SENHOR lhe havia mandado: aleijou seus cavalos, e seus carros queimou ao fogo.

Comentário de Robert Jamieson

Josué fez com eles como o SENHOR lhe havia mandado – (Veja Josué 11:6). O corte dos cavalos é feito cortando-se os tendões e as artérias de suas patas traseiras, de modo que eles não apenas se tornem irremediavelmente mancos, mas sangrem até a morte. As razões para esse comando especial eram que o Senhor tinha a intenção de levar os israelitas a confiar nEle, não em recursos militares (Salmo 20:7); para mostrar que na terra da promessa não havia uso de cavalos; e, finalmente, desencorajar suas viagens como se fossem um povo agrícola, não um comércio. [JFB, aguardando revisão]

10 E voltando-se Josué, tomou no mesmo tempo a Hazor, e feriu à espada a seu rei: a qual Hazor havia sido antes cabeça de todos estes reinos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-15) Depois de destruir o inimigo e retornar da perseguição, Josué tomou Hazor, feriu seu rei e todos os habitantes com o fio da espada e queimou a cidade, o antigo líder de todos esses reinos. Ele fez exatamente o mesmo com as outras cidades, exceto que não os queimou, mas os deixou de pé sobre suas colinas. על-תּלּם העמחות (Josué 11:13) não contém alusão a qualquer fortificação especial das cidades, nem implica um contraste com as cidades construídas nos vales e planícies, mas simplesmente expressa o pensamento de que estas cidades ainda estavam de pé sobre sua colina, ou seja sobre o antigo local (compare com Jeremias 30:18: o particípio não expressa o pretérito, mas o presente). Ao mesmo tempo, a expressão certamente implica que as cidades eram geralmente construídas sobre colinas. O apontamento em תּלּם não deve ser alterado, como sugere Knobel. O singular “sobre sua colina” deve ser tomado como distributivo: de pé, agora como então, cada um sobre sua colina. – Com Josué 11:15, “como Jeová ordenou a Seu servo Moisés” (compare com os números 33:52; Deuteronômio 7:1, Deuteronômio 20:16), o relato das guerras de Josué é encerrado, e o caminho aberto para proceder às observações finais com referência à conquista de toda a terra (Josué 11:16-23). דּבר הסיר לא, ele não deixou uma palavra de lado, ou seja, não deixou nada por fazer. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 E feriram à espada todo quanto nela havia vivo, destruindo e não deixando coisa com vida; e a Hazor puseram a fogo.

Comentário de Robert Jamieson

e a Hazor puseram a fogo – calma e deliberadamente, sem dúvida, de acordo com a direção divina. [JFB, aguardando revisão]

12 Também tomou Josué todas as cidades destes reis, e a todos os reis delas, e os meteu à espada, e os destruiu, como Moisés servo do SENHOR o havia mandado.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-15) Depois de destruir o inimigo e retornar da perseguição, Josué tomou Hazor, feriu seu rei e todos os habitantes com o fio da espada e queimou a cidade, o antigo líder de todos esses reinos. Ele fez exatamente o mesmo com as outras cidades, exceto que não os queimou, mas os deixou de pé sobre suas colinas. על-תּלּם העמחות (Josué 11:13) não contém alusão a qualquer fortificação especial das cidades, nem implica um contraste com as cidades construídas nos vales e planícies, mas simplesmente expressa o pensamento de que estas cidades ainda estavam de pé sobre sua colina, ou seja sobre o antigo local (compare com Jeremias 30:18: o particípio não expressa o pretérito, mas o presente). Ao mesmo tempo, a expressão certamente implica que as cidades eram geralmente construídas sobre colinas. O apontamento em תּלּם não deve ser alterado, como sugere Knobel. O singular “sobre sua colina” deve ser tomado como distributivo: de pé, agora como então, cada um sobre sua colina. – Com Josué 11:15, “como Jeová ordenou a Seu servo Moisés” (compare com os números 33:52; Deuteronômio 7:1, Deuteronômio 20:16), o relato das guerras de Josué é encerrado, e o caminho aberto para proceder às observações finais com referência à conquista de toda a terra (Josué 11:16-23). דּבר הסיר לא, ele não deixou uma palavra de lado, ou seja, não deixou nada por fazer. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Porém todas as cidades que estavam em suas colinas, não as queimou Israel, tirando a só Hazor, a qual queimou Josué.

Comentário de Robert Jamieson

todas as cidades que estavam em suas colinas – literalmente, “em seus montes”. Era um costume fenício construir cidades em alturas, naturais ou artificiais [Hengstenberg]. [JFB, aguardando revisão]

14 E os filhos de Israel tomaram para si todos os despojos e animais daquelas cidades: mas a todos os homens feriram à espada até destruí-los, sem deixar alguém com vida.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-15) Depois de destruir o inimigo e retornar da perseguição, Josué tomou Hazor, feriu seu rei e todos os habitantes com o fio da espada e queimou a cidade, o antigo líder de todos esses reinos. Ele fez exatamente o mesmo com as outras cidades, exceto que não os queimou, mas os deixou de pé sobre suas colinas. על-תּלּם העמחות (Josué 11:13) não contém alusão a qualquer fortificação especial das cidades, nem implica um contraste com as cidades construídas nos vales e planícies, mas simplesmente expressa o pensamento de que estas cidades ainda estavam de pé sobre sua colina, ou seja sobre o antigo local (compare com Jeremias 30:18: o particípio não expressa o pretérito, mas o presente). Ao mesmo tempo, a expressão certamente implica que as cidades eram geralmente construídas sobre colinas. O apontamento em תּלּם não deve ser alterado, como sugere Knobel. O singular “sobre sua colina” deve ser tomado como distributivo: de pé, agora como então, cada um sobre sua colina. – Com Josué 11:15, “como Jeová ordenou a Seu servo Moisés” (compare com os números 33:52; Deuteronômio 7:1, Deuteronômio 20:16), o relato das guerras de Josué é encerrado, e o caminho aberto para proceder às observações finais com referência à conquista de toda a terra (Josué 11:16-23). דּבר הסיר לא, ele não deixou uma palavra de lado, ou seja, não deixou nada por fazer. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 Da maneira que o SENHOR o havia mandado a Moisés seu servo, assim Moisés o mandou a Josué: e assim Josué o fez, sem tirar palavra de tudo o que o SENHOR havia mandado a Moisés.

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-15) Depois de destruir o inimigo e retornar da perseguição, Josué tomou Hazor, feriu seu rei e todos os habitantes com o fio da espada e queimou a cidade, o antigo líder de todos esses reinos. Ele fez exatamente o mesmo com as outras cidades, exceto que não os queimou, mas os deixou de pé sobre suas colinas. על-תּלּם העמחות (Josué 11:13) não contém alusão a qualquer fortificação especial das cidades, nem implica um contraste com as cidades construídas nos vales e planícies, mas simplesmente expressa o pensamento de que estas cidades ainda estavam de pé sobre sua colina, ou seja sobre o antigo local (compare com Jeremias 30:18: o particípio não expressa o pretérito, mas o presente). Ao mesmo tempo, a expressão certamente implica que as cidades eram geralmente construídas sobre colinas. O apontamento em תּלּם não deve ser alterado, como sugere Knobel. O singular “sobre sua colina” deve ser tomado como distributivo: de pé, agora como então, cada um sobre sua colina. – Com Josué 11:15, “como Jeová ordenou a Seu servo Moisés” (compare com os números 33:52; Deuteronômio 7:1, Deuteronômio 20:16), o relato das guerras de Josué é encerrado, e o caminho aberto para proceder às observações finais com referência à conquista de toda a terra (Josué 11:16-23). דּבר הסיר לא, ele não deixou uma palavra de lado, ou seja, não deixou nada por fazer. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 Tomou, pois, Josué toda aquela terra, as montanhas, e toda a região do sul, e toda a terra de Gósen, e os terrenos baixos e as planícies, e a região montanhosa de Israel e seus vales.

Comentário de Robert Jamieson

Tomou, pois, Josué toda aquela terra – Aqui segue uma visão geral da conquista. A divisão do país lá em cinco partes; ou seja, as colinas, a terra de Goshen, isto é, uma terra pastoril perto de Gibeão (Josué 10:41); o vale, as planícies e as montanhas de Israel, ou seja, o Carmelo, assenta numa diversidade de posições geográficas, característica da região. [JFB, aguardando revisão]

17 Desde o monte de Halaque, que sobe até Seir, até Baal-Gade na planície do Líbano, às raízes do monte Hermom: tomou também todos os seus reis, os quais feriu e matou.

Comentário de Robert Jamieson

o monte de Halaque – hebraico, “a montanha lisa”.

que sobe até Seir – uma linha irregular de colinas brancas nuas, cerca de vinte metros de altura e sete ou oito milhas geográficas de comprimento que cruzam toda a Ghor, oito milhas ao sul do Mar Morto, provavelmente “a ascensão de Akrabim” [Robinson ].

até Baal-Gade na planície do Líbano – a cidade ou templo do deus do destino, em Baalbec. [JFB, aguardando revisão]

18 Por muitos dias teve guerra Josué com estes reis.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-20) Josué fez guerra com os reis de Canaã por muito tempo; a julgar por Josué 14:7, Josué 14:10, tanto quanto sete anos, embora Josué (Ant. v. 1, 19) fale de cinco (veja em Josué 14:10). Nenhuma cidade se submeteu pacificamente aos israelitas, com exceção de Gibeon: eles levaram o todo em guerra. “Porque era do Senhor” (Josué 11:20), ou seja, Deus ordenou para que eles (os cananeus) endurecessem seu coração para fazer guerra contra Israel, para que caíssem sob a proibição, e fossem destruídos sem misericórdia. Sobre o endurecimento do coração como uma obra de Deus, veja as observações sobre o endurecimento do Faraó (Êxodo 4:21). Não se pode inferir disto, que se os cananeus tivessem recebido os israelitas amigavelmente, Deus teria retirado Sua ordem de destruí-los, e permitido que os israelitas fizessem as pazes com eles; pois quando fizeram as pazes com os gibeonitas, eles não perguntaram o que era a vontade do Senhor, mas agiram em oposição a ela (ver em Josué 9:14). A observação é feita com especial referência a isto, e foi corretamente explicada por Agostinho (qu. 8 em Jos.) como segue: “Porque os israelitas tinham mostrado misericórdia para com alguns deles por sua própria vontade, embora em oposição ao mandamento de Deus, portanto é declarado que eles (os cananeus) fizeram guerra contra eles para que nenhum deles fosse poupado, e os israelitas não foram induzidos a mostrar misericórdia para a negligência do mandamento de Deus”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Não houve cidade que fizesse paz com os filhos de Israel, a não ser os heveus, que moravam em Gibeão: tudo o tomaram por guerra.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-20) Josué fez guerra com os reis de Canaã por muito tempo; a julgar por Josué 14:7, Josué 14:10, tanto quanto sete anos, embora Josué (Ant. v. 1, 19) fale de cinco (veja em Josué 14:10). Nenhuma cidade se submeteu pacificamente aos israelitas, com exceção de Gibeon: eles levaram o todo em guerra. “Porque era do Senhor” (Josué 11:20), ou seja, Deus ordenou para que eles (os cananeus) endurecessem seu coração para fazer guerra contra Israel, para que caíssem sob a proibição, e fossem destruídos sem misericórdia. Sobre o endurecimento do coração como uma obra de Deus, veja as observações sobre o endurecimento do Faraó (Êxodo 4:21). Não se pode inferir disto, que se os cananeus tivessem recebido os israelitas amigavelmente, Deus teria retirado Sua ordem de destruí-los, e permitido que os israelitas fizessem as pazes com eles; pois quando fizeram as pazes com os gibeonitas, eles não perguntaram o que era a vontade do Senhor, mas agiram em oposição a ela (ver em Josué 9:14). A observação é feita com especial referência a isto, e foi corretamente explicada por Agostinho (qu. 8 em Jos.) como segue: “Porque os israelitas tinham mostrado misericórdia para com alguns deles por sua própria vontade, embora em oposição ao mandamento de Deus, portanto é declarado que eles (os cananeus) fizeram guerra contra eles para que nenhum deles fosse poupado, e os israelitas não foram induzidos a mostrar misericórdia para a negligência do mandamento de Deus”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 Porque isto veio do SENHOR, que endurecia o coração deles para que resistissem com guerra a Israel, para destruí-los, e que não lhes fosse feita misericórdia, antes fossem desarraigados, como o SENHOR o havia mandado a Moisés.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-20) Josué fez guerra com os reis de Canaã por muito tempo; a julgar por Josué 14:7, Josué 14:10, tanto quanto sete anos, embora Josué (Ant. v. 1, 19) fale de cinco (veja em Josué 14:10). Nenhuma cidade se submeteu pacificamente aos israelitas, com exceção de Gibeon: eles levaram o todo em guerra. “Porque era do Senhor” (Josué 11:20), ou seja, Deus ordenou para que eles (os cananeus) endurecessem seu coração para fazer guerra contra Israel, para que caíssem sob a proibição, e fossem destruídos sem misericórdia. Sobre o endurecimento do coração como uma obra de Deus, veja as observações sobre o endurecimento do Faraó (Êxodo 4:21). Não se pode inferir disto, que se os cananeus tivessem recebido os israelitas amigavelmente, Deus teria retirado Sua ordem de destruí-los, e permitido que os israelitas fizessem as pazes com eles; pois quando fizeram as pazes com os gibeonitas, eles não perguntaram o que era a vontade do Senhor, mas agiram em oposição a ela (ver em Josué 9:14). A observação é feita com especial referência a isto, e foi corretamente explicada por Agostinho (qu. 8 em Jos.) como segue: “Porque os israelitas tinham mostrado misericórdia para com alguns deles por sua própria vontade, embora em oposição ao mandamento de Deus, portanto é declarado que eles (os cananeus) fizeram guerra contra eles para que nenhum deles fosse poupado, e os israelitas não foram induzidos a mostrar misericórdia para a negligência do mandamento de Deus”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 Também no mesmo tempo veio Josué e destruiu os anaquins dos montes, de Hebrom, de Debir, e de Anabe, e de todos os montes de Judá, e de todos os montes de Israel: Josué os destruiu a eles e a suas cidades.

Comentário de Keil e Delitzsch

(21-23) Em Josué 11:21, Josué 11:22, a destruição dos anaquitas sobre as montanhas de Judá e Israel é introduzida de forma suplementar, que completa a história da subjugação e extermínio dos cananeus no sul da terra (Josué 10). Este suplemento não deve ser considerado nem como um fragmento interpolado por uma mão diferente, nem como uma passagem emprestada de outra fonte. Pelo contrário, o próprio autor achou necessário, tendo em especial consideração os Números 13:28, Números 13:31, mencionar expressamente que Josué também arrancou de seus assentamentos os filhos de Anak, que os espiões na época de Moisés haviam descrito como terríveis gigantes, e os levou às cidades filisteias de Gaza, Bath e Ashdod. “Naquele tempo” aponta para o “longo tempo”, mencionado em Josué 11:18, durante o qual Josué estava fazendo guerra contra os cananeus. As palavras “cortar”, etc., são explicadas corretamente por Clericus: “Aqueles que caíram em suas mãos ele matou, o resto ele pôs em fuga, porém, como aprendemos de Josué 15:14, eles depois voltaram”. (Sobre os Anakim, ver em Números 13:22.) Eles tiveram seu principal assentamento nas montanhas de Hebron (el Khulil, ver Josué 10:3), Debir (ver em Josué 10:38), e Anab. O último lugar (Anab), sobre as montanhas de Judá (Josué 15:50), foi preservado junto com o antigo nome na aldeia de Anb, quatro ou cinco horas ao sul de Hebron, no lado oriental do grande uádi el Khulil, que vai de Hebron até Beersheba (Rob. Pal. ii. p. 193). “E de todas (o resto) as montanhas de Judá, e de todas as montanhas de Israel”: estas últimas são chamadas as montanhas de Efraim em Josué 17:15. As duas juntas formam a verdadeira base da terra de Canaã, e são separadas uma da outra pelo grande uádi Beit Hanina (ver Rob. Pal. ii. p. 333). Eles receberam seus respectivos nomes pelo fato de que a porção sul da terra montanhosa de Canaã caiu para a tribo de Judá como sua herança, e a parte norte para a tribo de Efraim e outras tribos de Israel.

(Nota: A distinção aqui feita pode ser explicada sem dificuldade mesmo a partir das circunstâncias do próprio tempo de Josué. Judá e a dupla tribo de José (Efraim e Manassés) receberam sua herança por sorteio antes de qualquer uma das outras. Mas enquanto a tribo de Judá prosseguia para o território destinado a eles no sul, todas as outras tribos ainda permaneciam em Gilgal; e mesmo em um período posterior, quando Efraim e Manassés estavam em sua posse, todo Israel, com exceção de Judá, ainda estava acampado em Siló. Além disso, as duas partes da nação estavam agora separadas pelo território que foi posteriormente designado à tribo de Benjamim, mas não tinha dono nessa época; e além disso, o altar, o tabernáculo e a arca do pacto estavam no meio de José e das outras tribos que ainda estavam reunidas em Siló. Sob tais circunstâncias, então, não seria a idéia de uma distinção entre Judá, por um lado, e o resto de Israel, na qual a dupla tribo de José e depois a tribo única de Efraim adquiririam tal destaque peculiar, por outro lado, se moldaria cada vez mais na mente, e o que já existia no germe começa a atingir a maturidade mesmo aqui? E o que poderia ser mais natural que as montanhas em que os “filhos de Judá” tinham seus assentamentos fossem chamadas de montanhas de Judá; e as montanhas onde todo o resto de Israel estava acampado, onde os “filhos de Israel” estavam reunidos, fossem chamadas de montanhas de Israel, e, como esse distrito em particular realmente pertencia à tribo de Efraim, as montanhas de Efraim também? (Josué 19:50; Josué 20:7; também Josué 24:30).

Gaza, Gate e Asdode eram cidades dos filisteus; destas Gaza e Ashdod foram atribuídas à tribo de Judá (Josué 15:47), mas nunca foram tomadas de posse pelos israelitas, embora os filisteus às vezes estivessem sujeitos aos israelitas (ver em Josué 13:3). – Com Josué 11,23, “assim Josué tomou a terra inteira” etc., a história da conquista de Canaã por Josué é encerrada; e Josué 11,23, “e Josué a deu por herança a Israel”, forma uma espécie de introdução à segunda parte do livro. A lista dos reis conquistados em Josué 12 é simplesmente um apêndice da primeira parte.

A tomada de toda a terra não implica que todas as cidades e vilas até o final tenham sido conquistadas, ou que todos os cananeus tenham sido erradicados de todos os cantos da terra, mas simplesmente que a conquista tenha sido de tal ordem que o poder dos cananeus tenha sido quebrado, seu domínio derrubado e toda a terra tenha sido tão completamente entregue nas mãos dos israelitas, que aqueles que ainda aqui permaneciam e ali eram esmagados em fugitivos impotentes, que não podiam oferecer mais nenhuma oposição aos israelitas, nem disputar com eles a posse da terra, se apenas se esforçassem para cumprir os mandamentos de seu Deus e perseverassem no extermínio gradual dos remanescentes dispersos. Além disso, Israel havia recebido a mais forte promessa, na poderosa ajuda que havia recebido do Senhor nas conquistas até então obtidas, de que o fiel pacto de Deus continuaria sua ajuda nos conflitos que ainda restavam, e garantiria para ele uma vitória completa e a posse plena da terra prometida. Olhando, portanto, para o atual estado das coisas deste ponto de vista, Josué havia tomado posse de toda a terra, e podia agora prosseguir para terminar a obra que lhe fora confiada pelo Senhor, dividindo a terra entre as tribos de Israel. Josué havia realmente feito tudo o que o Senhor havia dito a Moisés. Pois o Senhor não só havia prometido a Moisés o extermínio completo dos cananeus, mas também lhe havia dito que Ele não expulsaria os cananeus de uma só vez, ou “em um ano”, mas apenas pouco a pouco, até que Israel se multiplicasse e tomasse a terra (Êxodo 23:28-30; compare com Deuteronômio 7:22). Olhando para esta promessa, portanto, o autor do livro poderia dizer com perfeita justiça, que “Josué tomou a terra inteira de acordo com tudo aquilo (exatamente da maneira como) o Senhor tinha dito a Moisés”. Mas isto não impediu que muito ainda estivesse por fazer antes que todos os cananeus pudessem ser totalmente exterminados de todas as partes da terra. Consequentemente, a enumeração das cidades e distritos que ainda não foram conquistados, e dos cananeus que ainda permaneceram, que encontramos em Josué 13:1-6; Josué 17:14, Josué 18:3; Josué 23:5, Josué 23:12, não forma nenhuma discrepância com as afirmações nos versículos que temos diante de nós, de modo a nos garantir a adoção de quaisquer hipóteses críticas ou conclusões quanto à composição do livro por diferentes autores. Os israelitas poderiam facilmente ter tomado as porções da terra ainda não conquistadas, e poderiam ter exterminado todos os cananeus que ficaram, sem nenhum conflito severo ou cansativo; se tivessem perseverado na fidelidade a seu Deus e no cumprimento de Seus mandamentos. Se, portanto, a conquista completa de toda a terra não foi assegurada nos anos seguintes, mas, ao contrário, os cananeus ganharam repetidamente a vantagem sobre os israelitas; devemos buscar a explicação, não no fato de que Josué não havia tomado e conquistado completamente a terra, mas simplesmente no fato de que o Senhor havia retirado Sua ajuda de Seu povo por causa de sua apostasia, e os havia entregue ao poder de seus inimigos para castigá-los por seus pecados. – A distribuição da terra para uma herança aos israelitas ocorreu “de acordo com as divisões de suas tribos”. מחלקות denotam a divisão das doze tribos de Israel em famílias, casas dos pais e lares; e é tão usada não apenas aqui, mas em Josué 12:7 e Josué 18:10. Compare com esta 1 Crônicas 23:6; 1 Crônicas 24:1, etc., onde é aplicada às diferentes ordens de sacerdotes e levitas. “E a terra descansou da guerra:” ou seja, a guerra foi encerrada, de modo que a tarefa pacífica de distribuir a terra por sorteio pôde agora ser prosseguida (vid., Josué 14:15; Juízes 3:11, Juízes 3:30; Juízes 5:31). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 Nenhum dos anaquins restou na terra dos filhos de Israel; somente restaram em Gaza, em Gate, e em Asdode.

Comentário de Fay e Bliss

Gaza, Josué 10:41; 13:3; 15:47, a conhecida cidade dos filisteus, mencionada pela primeira vez em Gênesis 10:19, familiar da história de Sansão, Juízes 16, as afirmações dos profetas (Jeremias 25:20; 47:5; Amós 1:6, 7; Sof. 2:4; Zac. 9:5), o eunuco da Etiópia (Atos 8:26).

Gate, agora perdida sem deixar rastro, outra cidade dos filisteus, a casa de Golias e outros gigantes (1Samuel 17:4; 1Crônicas 21:5-8; 2Samuel 21:19-22) que não foram exterminados aqui; familiar da história de Davi (1Samuel 21:10; 27:2-4; Salmo 56; 2Samuel 1:20, e muitas vezes). Já no tempo do profeta Amós, a grandeza de Gate havia encolhido (Amós 6:2). Robinson (ii. 420 ff.) procurou em vão por seu local.

Asdode, agora Esdud, entre duas e três horas de Asquelom, mencionada em nosso livro Josué 13:3; 15:46, 47; a cidade de Dagon, 1Samuel 5:1-7, contra a qual, como contra Gaza, os profetas freqüentemente dirigem suas denúncias (Jeremias 25:20; Amós 1:8; 3:9; Sofonias 2:4; Zacarias 9:6). A este lugar foi arrebatado Filipe, o Evangelista, Atos 8:40. Diz-se que a cidade tem sido muito forte (Herodoto. ii. 157). [Lange, aguardando revisão]

23 Tomou, pois, Josué toda a terra, conforme todo o que o SENHOR havia dito a Moisés; e entregou-a Josué aos israelitas por herança, conforme suas repartições de suas tribos: e a terra repousou de guerra.

Comentário de Robert Jamieson

Tomou, pois, Josué toda a terra – A batalha da tomada de Merom foi para o norte que a batalha de Bete-Horom foi para o sul; mais brevemente contada e menos completa em suas consequências; mas ainda o conflito decisivo pelo qual toda a região norte de Canaã caiu nas mãos de Israel [Stanley]. [JFB, aguardando revisão]

<Josué 10 Josué 12>

Visão geral de Josué

O livro de Josué relata como “depois da morte de Moisés, Josué lidera Israel e eles se estabelecem na terra prometida que está sendo ocupada pelos cananeus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Josué.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.