Josué 24

A renovação da aliança em Siquém

1 E juntando Josué todas as tribos de Israel em Siquém, chamou aos anciãos de Israel, e a seus príncipes, a seus juízes, e a seus oficiais; e apresentaram-se diante de Deus.

Comentário de Robert Jamieson

E juntando Josué todas as tribos de Israel em Siquém – Outra oportunidade e última a dissuadir as pessoas contra uma idolatria é aqui inscrita como uma tomada pelo líder idoso, uma solicitude por uma causa disso era do seu conhecimento da extrema prontidão do povo para se conformar com uma idolatria . propósito das nações vizinhas. Este discurso foi feito aos representantes do povo convocado em Siquém, e que já havia sido a cena de uma solene renovação do pacto (Josué 8:30,35). A transação agora a ser introduzida por ser em princípio e objetar o mesmo, era desejável dar-lhe toda a solene impressão que poderia ser derivada da memória do cerimonial anterior, bem como de outras associações sagradas do lugar (Gênesis 12:6-7; 33:18-20; 35:2-4).

apresentaram-se diante de Deus – É geralmente assumido que a arca da aliança havia sido transferida nesta ocasião para Siquém; como em emergências extraordinárias, foi por um tempo removido (Juízes 20:1-18; 1Samuel 4:3; 2Samuel 15:24). Mas a declaração, não necessariamente implicando isso, pode ser vista como expressando apenas o caráter religioso da cerimônia [Hengstenberg]. [JFB, aguardando revisão]

2 E disse Josué a todo o povo: Assim diz o SENHOR, Deus de Israel: Vossos pais habitaram antigamente da outra parte do rio, a saber, Terá, pai de Abraão e de Naor; e serviam a deuses estranhos.

Comentário de Robert Jamieson

disse Josué a todo o povo – Seu discurso recapitulou brevemente as principais provas da bondade divina para Israel, desde o chamado de Abraão até seu estabelecimento feliz na terra da promessa; mostrava-lhes que estavam em dívida por sua existência nacional, bem como por seus privilégios peculiares, não por méritos próprios, mas pela livre graça de Deus.

Vossos pais habitaram antigamente da outra parte do rio – o Eufrates, a saber, em Ur.

Terá, pai de Abraão e de Naor – (ver Gênesis 11:27). Embora Terah tivesse três filhos, Nahor só é mencionado com Abraão, pois os israelitas eram descendentes dele no lado da mãe através de Rebeca e suas sobrinhas, Lia e Raquel.

serviam a deuses estranhos – reunindo, como Labão, o conhecimento tradicional do verdadeiro Deus com o uso doméstico de imagens materiais (Gênesis 31:19,34). [JFB, aguardando revisão]

3 E eu tomei a vosso pai Abraão da outra parte do rio, e trouxe-o por toda a terra de Canaã, e aumentei sua geração, e dei-lhe a Isaque.

Comentário de Robert Jamieson

E eu tomei a vosso pai Abraão da outra parte do rio, e trouxe-o por toda a terra de Canaã – Foi um impulso irresistível da graça divina que levou o patriarca a deixar seu país e parentes, a migrar para Canaã, e viver uma “Estranho e peregrino” naquela terra. [JFB, aguardando revisão]

4 E a Isaque dei a Jacó e a Esaú: e a Esaú dei o monte de Seir, que o possuísse: mas Jacó e seus filhos desceram ao Egito.

Comentário de Robert Jamieson

a Esaú dei o monte de Seir – (Veja Gênesis 36:8). Para que ele não seja um obstáculo para que Jacó e sua posteridade sejam herdeiros exclusivos de Canaã. [JFB, aguardando revisão]

5 E eu enviei a Moisés e a Arão, e feri ao Egito, ao modo que o fiz em meio dele, e depois vos tirei.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-7) Disto também ele apenas menciona os pontos principais, em outras palavras, primeiro o envio de Moisés e Arão (Êxodo 3:10., Josué 4:14.), e depois as pragas infligidas ao Egito. “Eu feri o Egito”, ou seja, tanto a terra como o povo. נגף é usado em Êxodo 8:2 e Êxodo 12:23, Êxodo 12:27, em conexão com a praga dos sapos e a matança dos primogênitos no Egito. As palavras que se seguem, “de acordo com o que fiz entre eles, e depois vos trouxe para fora”, apontam para Êxodo 3:20, e mostram que o Senhor tinha cumprido a promessa dada a Moisés em seu chamado. Ele então se refere (Josué 24:6, Josué 24:7) à libertação milagrosa dos israelitas, ao saírem do Egito, do Faraó que os perseguia com seu exército, dando especial destaque ao clamor dos israelitas ao Senhor em sua angústia (Êxodo 14:10), e ao alívio dessa angústia pelo anjo do Senhor (Êxodo 14:19-20). E por último, ele percebe a morada deles no deserto “muitos dias”, ou seja, quarenta anos (Números 14:33).    [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 E tirei a vossos pais do Egito: e quando chegaram ao mar, os egípcios seguiram a vossos pais até o mar Vermelho com carros e cavalaria.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-7) Disto também ele apenas menciona os pontos principais, em outras palavras, primeiro o envio de Moisés e Arão (Êxodo 3:10., Josué 4:14.), e depois as pragas infligidas ao Egito. “Eu feri o Egito”, ou seja, tanto a terra como o povo. נגף é usado em Êxodo 8:2 e Êxodo 12:23, Êxodo 12:27, em conexão com a praga dos sapos e a matança dos primogênitos no Egito. As palavras que se seguem, “de acordo com o que fiz entre eles, e depois vos trouxe para fora”, apontam para Êxodo 3:20, e mostram que o Senhor tinha cumprido a promessa dada a Moisés em seu chamado. Ele então se refere (Josué 24:6, Josué 24:7) à libertação milagrosa dos israelitas, ao saírem do Egito, do Faraó que os perseguia com seu exército, dando especial destaque ao clamor dos israelitas ao Senhor em sua angústia (Êxodo 14:10), e ao alívio dessa angústia pelo anjo do Senhor (Êxodo 14:19-20). E por último, ele percebe a morada deles no deserto “muitos dias”, ou seja, quarenta anos (Números 14:33).    [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E quando eles clamaram ao SENHOR, ele pôs escuridão entre vós e os egípcios, e fez vir sobre eles o mar, a qual os cobriu: e vossos olhos viram o que fiz em Egito. Depois estivestes muitos dias no deserto.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-7) Disto também ele apenas menciona os pontos principais, em outras palavras, primeiro o envio de Moisés e Arão (Êxodo 3:10., Josué 4:14.), e depois as pragas infligidas ao Egito. “Eu feri o Egito”, ou seja, tanto a terra como o povo. נגף é usado em Êxodo 8:2 e Êxodo 12:23, Êxodo 12:27, em conexão com a praga dos sapos e a matança dos primogênitos no Egito. As palavras que se seguem, “de acordo com o que fiz entre eles, e depois vos trouxe para fora”, apontam para Êxodo 3:20, e mostram que o Senhor tinha cumprido a promessa dada a Moisés em seu chamado. Ele então se refere (Josué 24:6, Josué 24:7) à libertação milagrosa dos israelitas, ao saírem do Egito, do Faraó que os perseguia com seu exército, dando especial destaque ao clamor dos israelitas ao Senhor em sua angústia (Êxodo 14:10), e ao alívio dessa angústia pelo anjo do Senhor (Êxodo 14:19-20). E por último, ele percebe a morada deles no deserto “muitos dias”, ou seja, quarenta anos (Números 14:33).    [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E vos introduzi na terra dos amorreus, que habitavam da outra parte do Jordão, os quais lutaram contra vós; mas eu os entreguei em vossas mãos, e possuístes sua terra, e os destruí de diante de vós.

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-10) O terceiro grande ato de Deus para Israel foi a entrega dos amorreus nas mãos dos israelitas, para que eles pudessem conquistar suas terras (Números 21:21-35), e a frustração do ataque feito por Balak, rei dos moabitas, através da instrumentalidade de Balaão, quando o Senhor não permitiu que ele amaldiçoasse Israel, mas o obrigou a abençoar (Números 22-24). Balaque “guerreou contra Israel”, não com a espada, mas com as armas da maldição, ou animo et voluntario (Vatabl.). “Eu não daria ouvidos a Balaão”, isto é, não cumpriria seu desejo, mas o obrigaria a submeter-se à minha vontade, e a abençoar-vos; “e vos libertou da sua (de Balaque) mão”, quando ele procurou destruir Israel através do meio de Balaão (Números 22:6, Números 22:11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E levantou-se depois Balaque filho de Zipor, rei dos moabitas, e lutou contra Israel; e mandou chamar a Balaão filho de Beor, para que vos amaldiçoasse.

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-10) O terceiro grande ato de Deus para Israel foi a entrega dos amorreus nas mãos dos israelitas, para que eles pudessem conquistar suas terras (Números 21:21-35), e a frustração do ataque feito por Balak, rei dos moabitas, através da instrumentalidade de Balaão, quando o Senhor não permitiu que ele amaldiçoasse Israel, mas o obrigou a abençoar (Números 22-24). Balaque “guerreou contra Israel”, não com a espada, mas com as armas da maldição, ou animo et voluntario (Vatabl.). “Eu não daria ouvidos a Balaão”, isto é, não cumpriria seu desejo, mas o obrigaria a submeter-se à minha vontade, e a abençoar-vos; “e vos libertou da sua (de Balaque) mão”, quando ele procurou destruir Israel através do meio de Balaão (Números 22:6, Números 22:11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 Mas eu não quis escutar a Balaão, antes vos abençoou repetidamente, e vos livre de suas mãos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(8-10) O terceiro grande ato de Deus para Israel foi a entrega dos amorreus nas mãos dos israelitas, para que eles pudessem conquistar suas terras (Números 21:21-35), e a frustração do ataque feito por Balak, rei dos moabitas, através da instrumentalidade de Balaão, quando o Senhor não permitiu que ele amaldiçoasse Israel, mas o obrigou a abençoar (Números 22-24). Balaque “guerreou contra Israel”, não com a espada, mas com as armas da maldição, ou animo et voluntario (Vatabl.). “Eu não daria ouvidos a Balaão”, isto é, não cumpriria seu desejo, mas o obrigaria a submeter-se à minha vontade, e a abençoar-vos; “e vos libertou da sua (de Balaque) mão”, quando ele procurou destruir Israel através do meio de Balaão (Números 22:6, Números 22:11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 E passado o Jordão, viestes a Jericó; e os moradores de Jericó lutaram contra vós: os amorreus, perizeus, cananeus, heteus, girgaseus, heveus, e jebuseus: e eu os entreguei em vossas mãos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-13) O último e maior benefício que o Senhor conferiu aos israelitas, foi o de guiá-los por milagres de Sua onipotência através do Jordão até Canaã, entregando os Senhores (ou possuidores) de Jericó”, e não “os governantes, isto é, os governantes, o rei e seus heróis”, como afirma Knobel (ver 2Samuel 21:12; 1Samuel 23:11-12; e o comentário sobre os Juízes 9:6), “e todas as tribos de Canaã em suas mãos”, e enviando vespões diante deles, para que pudessem expulsar os cananeus, particularmente os dois reis dos amorreus, Sihon e Og, embora “não com sua espada e seu arco” (vid, Salmo 44:4); ou seja, não foi com as armas a seu comando que eles puderam tomar as terras desses dois reis. Sobre o envio de vespões, como uma figura usada para representar terrores peculiarmente eficazes, ver em Êxodo 23:28; Deuteronômio 7:20. Desta forma, o Senhor deu a terra aos israelitas, com suas cidades e suas ricas produções (vinhas e oliveiras), sem nenhum problema de cultivo ou plantio cansativo, como o próprio Moisés lhes havia prometido (Deuteronômio 6:10-11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E enviei vespas diante de vós, os quais os expulsaram de diante de vós, a saber, aos dois reis dos amorreus; não com tua espada, nem com teu arco.

Comentário de Robert Jamieson

E enviei vespas diante de vós – uma espécie particular de vespa que enxameia em países quentes e às vezes assume o caráter flagelo de uma peste; ou, como muitos pensam, é uma expressão figurativa para o terror incontrolável (ver Êxodo 23:28). [JFB, aguardando revisão]

13 E vos dei a terra pela qual nada trabalhastes, e as cidades que não edificastes, nas quais morais; e das vinhas e olivais que não plantastes, comeis.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-13) O último e maior benefício que o Senhor conferiu aos israelitas, foi o de guiá-los por milagres de Sua onipotência através do Jordão até Canaã, entregando os Senhores (ou possuidores) de Jericó”, e não “os governantes, isto é, os governantes, o rei e seus heróis”, como afirma Knobel (ver 2Samuel 21:12; 1Samuel 23:11-12; e o comentário sobre os Juízes 9:6), “e todas as tribos de Canaã em suas mãos”, e enviando vespões diante deles, para que pudessem expulsar os cananeus, particularmente os dois reis dos amorreus, Sihon e Og, embora “não com sua espada e seu arco” (vid, Salmo 44:4); ou seja, não foi com as armas a seu comando que eles puderam tomar as terras desses dois reis. Sobre o envio de vespões, como uma figura usada para representar terrores peculiarmente eficazes, ver em Êxodo 23:28; Deuteronômio 7:20. Desta forma, o Senhor deu a terra aos israelitas, com suas cidades e suas ricas produções (vinhas e oliveiras), sem nenhum problema de cultivo ou plantio cansativo, como o próprio Moisés lhes havia prometido (Deuteronômio 6:10-11). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 Agora, pois, temei ao SENHOR, e servi-o com integridade e em verdade; e tirai do meio os deuses aos quais serviram vossos pais da outra parte do rio, e em Egito; e servi ao SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

Agora, pois, temei ao SENHOR, e servi-o com integridade e em verdade – Depois de enumerar tantos motivos para gratidão nacional, Josué os chama a declarar, de maneira pública e solene, se serão fiéis e obedientes ao Deus de Deus. Israel. Ele declarou que esta era sua própria resolução inalterável, e instou-os, se fossem sinceros em fazer uma declaração semelhante, “para afastar os deuses estranhos que estavam entre eles” – uma exigência que parece implicar que alguns eram suspeitos de um forte ansiando pela prática oculta da idolatria, seja na forma de Zabaismo, a adoração ao fogo de seus antepassados ​​caldeus ou as mais grosseiras superstições dos cananeus. [JFB, aguardando revisão]

15 E se mal vos parece servir ao SENHOR, escolhei hoje a quem sirvais; se aos deuses a os quais serviram vossos pais, quando estiveram da outra parte do rio, ou aos deuses dos amorreus em cuja terra habitais: que eu e minha casa serviremos ao SENHOR.

Comentário Whedon

escolhei hoje. “Josué liberta-os da obrigação, para que, como homens livres, e por sua própria vontade, possam honestamente decidir que deus servirão”. A liberdade de escolha é-lhes concedida para que não possam depois alegar que foram forçados”. (Keil). Josué assume uma verdade importante – o homem não pode ser desprovido de Deus; se ele repudiar o verdadeiro Deus, cairá sob a influência nefasta de alguma falsa religião. Ele não pode despojar-se da sua natureza religiosa. Javé não partilhará com nenhum ídolo a adoração do seu povo; cada deus deve ser destronado antes de reinar nos seus corações. [Whedon]

16 Então o povo respondeu, e disse: Nunca tal aconteça que deixemos ao SENHOR para servir a outros deuses:

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-18) Mas como o verdadeiro culto ao Deus vivo deve ter suas raízes no coração, e brotar do coração, e portanto não pode ser forçado por proibições e ordens, Josué concluiu chamando os representantes da nação, caso não estivessem inclinados (“se vos parecer mal”) a servir a Jeová, a escolher agora neste dia os deuses a quem serviriam, sejam os deuses de seus pais na Mesopotâmia, ou os deuses dos amorreus em cuja terra eles agora moravam, embora ele e sua casa servissem ao Senhor. Não há necessidade de apresentar quaisquer provas especiais de que este apelo não tinha a intenção de libertá-los da obrigação de servir a Jeová, mas continha a mais forte admoestação para permanecerem fiéis ao Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 Porque o SENHOR nosso Deus é o que tirou a nós e a nossos pais da terra do Egito, da casa de escravidão; o qual diante de nossos olhos fez estas grandes sinais, e nos guardou por todo o caminho por onde andamos, e em todos os povos por entre os quais passamos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-18) Mas como o verdadeiro culto ao Deus vivo deve ter suas raízes no coração, e brotar do coração, e portanto não pode ser forçado por proibições e ordens, Josué concluiu chamando os representantes da nação, caso não estivessem inclinados (“se vos parecer mal”) a servir a Jeová, a escolher agora neste dia os deuses a quem serviriam, sejam os deuses de seus pais na Mesopotâmia, ou os deuses dos amorreus em cuja terra eles agora moravam, embora ele e sua casa servissem ao Senhor. Não há necessidade de apresentar quaisquer provas especiais de que este apelo não tinha a intenção de libertá-los da obrigação de servir a Jeová, mas continha a mais forte admoestação para permanecerem fiéis ao Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 E o SENHOR expulsou de diante de nós a todos os povos, e aos amorreus que habitavam na terra: nós, pois, também serviremos ao SENHOR, porque ele é nosso Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-18) Mas como o verdadeiro culto ao Deus vivo deve ter suas raízes no coração, e brotar do coração, e portanto não pode ser forçado por proibições e ordens, Josué concluiu chamando os representantes da nação, caso não estivessem inclinados (“se vos parecer mal”) a servir a Jeová, a escolher agora neste dia os deuses a quem serviriam, sejam os deuses de seus pais na Mesopotâmia, ou os deuses dos amorreus em cuja terra eles agora moravam, embora ele e sua casa servissem ao Senhor. Não há necessidade de apresentar quaisquer provas especiais de que este apelo não tinha a intenção de libertá-los da obrigação de servir a Jeová, mas continha a mais forte admoestação para permanecerem fiéis ao Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Então Josué disse ao povo: Não podereis servir ao SENHOR, porque ele é Deus santo, e Deus zeloso; não tolerará vossas rebeliões e vossos pecados.

Comentário de Keil e Delitzsch

(19-20) Mas a fim de colocar mais vividamente diante das mentes do povo o que era o fato de que eles se vinculavam por esta declaração, para que não jurassem inconsideradamente o que não observariam depois, Josué acrescenta: “Não podeis servir a Jeová”, isto é, no estado de espírito em que estais atualmente, ou “apenas por vossa própria resolução, e sem a ajuda da graça divina, sem conversão sólida e séria de todos os ídolos, e sem verdadeiro arrependimento e fé” (J. H. Michaelis). Pois Jeová é “um Deus santo”, etc. Elohim, usado para denotar o Ser Supremo (ver Gênesis 2:4), é interpretado com o predicado no plural. Sobre a santidade de Deus, ver a exposição de Êxodo 19:6. Sobre a expressão “um Deus ciumento”, ver Êxodo 20:5; e em לפשׁע נשׂא, Êxodo 23:21. O único outro lugar em que o formulário קנּוא é usado para קנּא é Naum 1:2. “Se abandonardes o Senhor e servirdes a deuses estranhos, Ele se voltará (isto é, assumireis uma atitude diferente para convosco) e vos fará mal, depois de Ele vos ter feito o bem”, isto é, Ele não vos poupará, apesar das bênçãos que Ele vos concedeu. חרע é usado para denotar os julgamentos ameaçados pela lei contra transgressores. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 Se deixardes ao SENHOR e servirdes a deuses alheios, se voltará, e vos maltratará, e vos consumirá, depois que vos fez bem.

Comentário de Keil e Delitzsch

(19-20) Mas a fim de colocar mais vividamente diante das mentes do povo o que era o fato de que eles se vinculavam por esta declaração, para que não jurassem inconsideradamente o que não observariam depois, Josué acrescenta: “Não podeis servir a Jeová”, isto é, no estado de espírito em que estais atualmente, ou “apenas por vossa própria resolução, e sem a ajuda da graça divina, sem conversão sólida e séria de todos os ídolos, e sem verdadeiro arrependimento e fé” (J. H. Michaelis). Pois Jeová é “um Deus santo”, etc. Elohim, usado para denotar o Ser Supremo (ver Gênesis 2:4), é interpretado com o predicado no plural. Sobre a santidade de Deus, ver a exposição de Êxodo 19:6. Sobre a expressão “um Deus ciumento”, ver Êxodo 20:5; e em לפשׁע נשׂא, Êxodo 23:21. O único outro lugar em que o formulário קנּוא é usado para קנּא é Naum 1:2. “Se abandonardes o Senhor e servirdes a deuses estranhos, Ele se voltará (isto é, assumireis uma atitude diferente para convosco) e vos fará mal, depois de Ele vos ter feito o bem”, isto é, Ele não vos poupará, apesar das bênçãos que Ele vos concedeu. חרע é usado para denotar os julgamentos ameaçados pela lei contra transgressores. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 O povo então disse a Josué: Não, antes ao SENHOR serviremos.

Comentário de Keil e Delitzsch

O povo aderiu à sua resolução. לא, minime, como em Josué 5:14, ou seja, não serviremos a outros deuses, mas a Jeová. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 E Josué respondeu ao povo: Vós sois testemunhas contra vós mesmos, de que escolhestes para vós ao SENHOR para servir-lhe. E eles responderam: Testemunhas somos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-23) Sobre esta repetida declaração Josué lhes diz: “sois testemunhas contra vós mesmos”, isto é, condenareis a vós mesmos por este vosso próprio testemunho se agora abandonardes o Senhor, “pois vós mesmos escolhestes a Jeová para servi-lo”; ao que respondem עדים, “somos testemunhas contra nós mesmos”, significando assim, “professamos e ratificamos mais uma vez tudo o que dissemos” (Rosenmller). Josué então repetiu sua exigência de que eles deveriam afastar os estranhos deuses de dentro deles e inclinar seus corações (inteiramente) para Jeová, o Deus de Israel. בּקבּכם אשׁר הנּכר אלהי pode significar os deuses estrangeiros que estão no meio de vocês, ou seja entre vocês, e implicam a existência de ídolos, e as formas mais grosseiras de adoração idólatra na nação; mas בּקרב também significa “dentro”, ou “no coração”, caso em que as palavras se referem a ídolos do coração. Que este último é o sentido no qual as palavras devem ser entendidas é evidente pelo fato de que, embora o povo expressasse sua disposição de renunciar a toda idolatria, não trouxe nenhum ídolo a Josué para ser destruído, como foi feito em outros casos similares, em outras palavras, Gênesis 35:4, e 1Samuel 7:4. Mesmo que o povo tivesse levado ídolos consigo no deserto, como declarou o profeta Amós a seus contemporâneos (Amós 5:26; compare com Atos 7:43), as formas mais grosseiras de idolatria haviam desaparecido de Israel com a morte da geração que foi condenada em Cades. A nova geração, que tinha sido recebida de novo em aliança com o Senhor pela circuncisão de Gilgal, e tinha estabelecido esta aliança em Ebal, e agora estava reunida ao redor de Josué, o velho servo de Deus, para renovar a aliança uma vez mais, não tinha ídolos de madeira, pedra, ou metal, mas somente os “figos dos falsos deuses”, como lhes chama Calvino, os ídolos do coração, que ele devia guardar, para que pudesse dar seu coração inteiramente ao Senhor, que não se contenta com afeições divididas, mas requer o coração inteiro (Deuteronômio 6: 5-6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 Tirai, pois, agora os deuses alheios que estão entre vós, e inclinai vosso coração ao SENHOR Deus de Israel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-23) Sobre esta repetida declaração Josué lhes diz: “sois testemunhas contra vós mesmos”, isto é, condenareis a vós mesmos por este vosso próprio testemunho se agora abandonardes o Senhor, “pois vós mesmos escolhestes a Jeová para servi-lo”; ao que respondem עדים, “somos testemunhas contra nós mesmos”, significando assim, “professamos e ratificamos mais uma vez tudo o que dissemos” (Rosenmller). Josué então repetiu sua exigência de que eles deveriam afastar os estranhos deuses de dentro deles e inclinar seus corações (inteiramente) para Jeová, o Deus de Israel. בּקבּכם אשׁר הנּכר אלהי pode significar os deuses estrangeiros que estão no meio de vocês, ou seja entre vocês, e implicam a existência de ídolos, e as formas mais grosseiras de adoração idólatra na nação; mas בּקרב também significa “dentro”, ou “no coração”, caso em que as palavras se referem a ídolos do coração. Que este último é o sentido no qual as palavras devem ser entendidas é evidente pelo fato de que, embora o povo expressasse sua disposição de renunciar a toda idolatria, não trouxe nenhum ídolo a Josué para ser destruído, como foi feito em outros casos similares, em outras palavras, Gênesis 35:4, e 1Samuel 7:4. Mesmo que o povo tivesse levado ídolos consigo no deserto, como declarou o profeta Amós a seus contemporâneos (Amós 5:26; compare com Atos 7:43), as formas mais grosseiras de idolatria haviam desaparecido de Israel com a morte da geração que foi condenada em Cades. A nova geração, que tinha sido recebida de novo em aliança com o Senhor pela circuncisão de Gilgal, e tinha estabelecido esta aliança em Ebal, e agora estava reunida ao redor de Josué, o velho servo de Deus, para renovar a aliança uma vez mais, não tinha ídolos de madeira, pedra, ou metal, mas somente os “figos dos falsos deuses”, como lhes chama Calvino, os ídolos do coração, que ele devia guardar, para que pudesse dar seu coração inteiramente ao Senhor, que não se contenta com afeições divididas, mas requer o coração inteiro (Deuteronômio 6: 5-6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 E o povo respondeu a Josué: Ao SENHOR nosso Deus serviremos, e à sua voz obedeceremos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) Na repetida e decidida declaração do povo, “o Senhor nosso Deus nos servirá, e à Sua voz ouviremos”, Josué completou o pacto com eles naquele dia. Esta conclusão de um pacto foi realmente uma renovação solene do pacto feito no Sinai, como o que aconteceu sob Moisés nas estepes de Moabe (Deuteronômio 29:1). “E lhes fixe um estatuto e direito em Siquém”, isto é, através da renovação do pacto. Estas palavras lembram Êxodo 15:25, onde a orientação de Israel para a água amarga, e a adoçamento dessa água pelos meios que o Senhor indicou a Moisés, são descritas como estabelecendo um estatuto e direito para Israel, e depois explicadas pela promessa, de que se eles ouvissem a voz de Jeová, Ele os guardaria de todas as doenças do Egito. E de acordo com isto, pela renovação do pacto em Siquém, foram estabelecidos para Israel, um חק, ou seja, um estatuto, que vinculava o povo a uma manutenção renovada e consciente do pacto, e um משׁפּט, ou direito, em virtude do qual eles poderiam esperar nesta condição o cumprimento de todas as misericórdias do pacto do Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 Então Josué fez aliança com o povo o mesmo dia, e pôs-lhe ordenanças e leis em Siquém.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) Na repetida e decidida declaração do povo, “o Senhor nosso Deus nos servirá, e à Sua voz ouviremos”, Josué completou o pacto com eles naquele dia. Esta conclusão de um pacto foi realmente uma renovação solene do pacto feito no Sinai, como o que aconteceu sob Moisés nas estepes de Moabe (Deuteronômio 29:1). “E lhes fixe um estatuto e direito em Siquém”, isto é, através da renovação do pacto. Estas palavras lembram Êxodo 15:25, onde a orientação de Israel para a água amarga, e a adoçamento dessa água pelos meios que o Senhor indicou a Moisés, são descritas como estabelecendo um estatuto e direito para Israel, e depois explicadas pela promessa, de que se eles ouvissem a voz de Jeová, Ele os guardaria de todas as doenças do Egito. E de acordo com isto, pela renovação do pacto em Siquém, foram estabelecidos para Israel, um חק, ou seja, um estatuto, que vinculava o povo a uma manutenção renovada e consciente do pacto, e um משׁפּט, ou direito, em virtude do qual eles poderiam esperar nesta condição o cumprimento de todas as misericórdias do pacto do Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 E escreveu Josué estas palavras no livro da lei de Deus; e tomando uma grande pedra, levantou-a ali debaixo de um carvalho que estava junto ao santuário do SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

E escreveu Josué estas palavras no livro da lei de Deus – registrou os compromissos daquele pacto solene no livro da história sagrada.

e tomando uma grande pedra – de acordo com o uso de tempos antigos para erguer pilares de pedra como monumentos de transações públicas.

levantou-a ali debaixo de um carvalho – ou terebinto, com toda a probabilidade, o mesmo que na raiz do qual Jacob enterrou os ídolos e encantos encontrados em sua família.

junto ao santuário do SENHOR – ou o local onde a arca tinha estado, ou então o lugar ao redor, assim chamado daquela reunião religiosa, como Jacó chamou Beth-el a casa de Deus. [JFB, aguardando revisão]

27 E disse Josué a todo o povo: Eis que esta pedra será entre nós por testemunha, a qual ouviu todas as palavras do SENHOR que ele falou conosco: será, pois, testemunha contra vós, para que não mintais contra vosso Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-27) Todas essas coisas (האלּה הדּברים não são apenas as palavras proferidas por ambos os lados, mas toda a cerimônia de renovação do pacto) Josué escreveu no livro da lei de Deus, ou seja ele as escreveu em um documento que colocou no livro da lei de Moisés, e depois erigiu uma grande pedra, como memorial permanente do que havia acontecido, no local onde a reunião havia sido realizada, “sob o carvalho que estava no santuário de Jeová”. Como בּמקדּשׁ não significa “no santuário”, nem perto do santuário, nem “no lugar onde o santuário foi estabelecido”; o “santuário de Jeová” não pode significar “a arca do pacto, que havia sido trazida do tabernáculo para Siquém, para a cerimônia de renovação do pacto”. Ainda menos podemos entendê-lo como significando o próprio tabernáculo, já que este não foi removido de lugar em lugar para cerimônias sagradas particulares; nem pode significar um altar, no qual não se poderia dizer que um carvalho estivesse de pé; nem algum outro santuário ilegal de Jeová, já que não havia nenhum em Israel naquela época. O santuário de Jeová debaixo do carvalho em Siquém não era nada mais que o lugar sagrado debaixo do carvalho, onde Abraão tinha construído anteriormente um altar e adorava o Senhor, e onde Jacó tinha purificado sua casa dos deuses estranhos, que ele enterrou debaixo deste carvalho, ou melhor, terebinto (Gênesis 12:6-7; Gênesis 35:2, Gênesis 35:4). Esta é a explicação adotada por Masius, J. D. Michaelis, e Hengstenberg (Diss. ii. p. 12). Em Josué 24:27, Josué explica ao povo o significado da pedra que ele havia erguido. A pedra seria uma testemunha contra o povo se eles negassem seu Deus. Como um memorial do que havia acontecido, a pedra tinha ouvido todas as palavras que o Senhor tinha dirigido a Israel, e podia testemunhar contra o povo, para que não negassem seu Deus. “Negue seu Deus”, em outras palavras, em sentimento, palavra ou ação. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

28 E enviou Josué ao povo, cada um à sua herança.

Comentário de Keil e Delitzsch

Josué então dispensou o povo, cada um à sua herança. Ele havia feito tudo o que estava em seu poder para estabelecer o povo em fidelidade ao Senhor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

A morte de Josué

29 E depois destas coisas morreu Josué, filho de Num, servo do SENHOR sendo de cento e dez anos.

Comentário de Robert Jamieson

Lightfoot calcula que ele viveu dezessete, outros vinte e sete anos, depois da entrada em Canaã. Ele foi enterrado, de acordo com a prática judaica, dentro dos limites de sua própria herança. Os eminentes serviços públicos que ele prestou por muito tempo a Israel e a grande quantidade de conforto doméstico e prosperidade nacional que ele tinha ajudado a difundir entre as várias tribos, eram profundamente sentidos, eram universalmente reconhecidos; e um testemunho na forma de uma estátua ou obelisco teria sido imediatamente elevado à sua honra, em todas as partes da terra, se tal fosse a moda dos tempos. O breve mas nobre epitáfio do historiador é, Josué, “o servo do Senhor”. [JFB]

30 E enterraram-no no termo de sua possessão em Timnate-Sera, que está no monte de Efraim, ao norte do monte de Gaás.

Comentário de Keil e Delitzsch

(29-30) Logo após estes eventos (vv. 1-28) Josué morreu, aos 110 anos de idade, como seu antepassado José (Gênesis 50:26), e foi enterrado em seus bens hereditários em Timnath-serah, sobre as montanhas de Efraim, ao norte do Monte Gaash. Timnath-serah ainda existe ver em Josué 19:50). O Monte Gaash, no entanto, não foi descoberto. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

31 E serviu Israel ao SENHOR todo o tempo de Josué, e todo o tempo dos anciãos que viveram depois de Josué, e que sabiam todas as obras do SENHOR, que havia feito por Israel.

Comentário de Robert Jamieson

E serviu Israel ao SENHOR todo o tempo de Josué – O caráter elevado e dominante deste eminente líder dera um tom decidido aos sentimentos e costumes de seus contemporâneos e a memória de sua fervorosa piedade e muitas virtudes continuaram tão vivamente impressionadas nas memórias do povo, que o historiador sagrado registrou a sua honra imortal. “Israel serviu ao Senhor todos os dias de Josué e todos os dias dos anciãos que sobreviveram a Josué”. [JFB, aguardando revisão]

32 E enterraram em Siquém os ossos de José que os filhos de Israel haviam trazido do Egito, na parte do campo que Jacó comprou dos filhos de Hamor, pai de Siquém, por cem peças de prata; e foi em possessão aos filhos de José.

Comentário de Robert Jamieson

os ossos de José – Eles transportaram estas veneráveis ​​relíquias com eles em todas as suas migrações pelo deserto, e adiaram o enterro, de acordo com a moribunda carga do próprio Joseph, até que eles chegaram na terra prometida. O sarcófago, no qual seu corpo foi colocado, foi trazido para lá pelos israelitas, e provavelmente enterrado quando a tribo de Efraim obteve seu assentamento, ou na solene convocação descrita neste capítulo.

na parte do campo que Jacó comproupor cem peças de prata – {Kestitah} traduzida, “pedaço de prata”, deveria significar “um cordeiro”, os pesos sendo na forma de cordeiros ou crianças, que eram, com toda a probabilidade, o mais antigo padrão de valor entre as pessoas pastorais. A tumba que agora cobre o local é uma Welness Maometana, mas não há razão para duvidar que o precioso depósito dos restos de Joseph possa estar escondido lá no momento atual. [JFB, aguardando revisão]

33 Também morreu Eleazar, filho de Arão; ao qual enterraram no morro de Fineias seu filho, que lhe foi dado no monte de Efraim.

Comentário de Robert Jamieson

O sepulcro está na moderna aldeia de Awerta, que, segundo os viajantes judeus, contém também as sepulturas de Itamar, irmão de Finéias, filho de Eleazar [Van De Velde]. [JFB, aguardando revisão]

<Josué 23 Juízes 1>

Visão geral de Josué

O livro de Josué relata como “depois da morte de Moisés, Josué lidera Israel e eles se estabelecem na terra prometida que está sendo ocupada pelos cananeus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Josué.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.