Deuteronômio 29

Uma exortação à obediência

1 Estas são as palavras do pacto que o SENHOR mandou que Moisés fizesse com os filhos de Israel na terra de Moabe, além do pacto que estabeleceu com eles em Horebe.

Comentário de Robert Jamieson

Estas são as palavras do pacto – O discurso de Moisés é continuado, e o assunto desse discurso era o pacto de Israel com Deus, os privilégios que conferia e as obrigações impostas por ele.

além do pacto que estabeleceu com eles em Horebe – era substancialmente o mesmo; mas foi renovado agora, em diferentes circunstâncias. Eles violaram suas condições. Moisés ensaia estes, para que eles possam ter um melhor conhecimento de suas condições e estar mais dispostos a cumpri-los. [JFB, aguardando revisão]

2 Chamou Moisés a todo o Israel, e disse-lhes: Vós tendes visto tudo o que o SENHOR fez diante de vós na terra do Egito a Faraó e a todos os seus servos e a toda a sua terra;.

Comentário de Robert Jamieson

Vós vistes tudo o que o SENHOR fez - Esse apelo à experiência do povo, embora generalizado, só se aplicava àqueles que haviam sido muito jovens no período do Êxodo e que se lembravam dos maravilhosos transações que precederam e seguiram essa época. Ainda assim, ai! esses eventos maravilhosos não lhes causaram boa impressão (Deuteronômio 29:4). Eles eram estranhos àquela graça de sabedoria que é liberalmente dada a todos que a pedem; e sua insensibilidade era ainda mais indesculpável que tantos milagres haviam sido realizados que poderiam levar a uma certa convicção da presença e do poder de Deus com eles. A preservação de suas roupas e sapatos, o suprimento de comida diária e água fresca - estes continuaram sem interrupção ou diminuição durante tantos anos "permanecendo no deserto. Eles eram milagres que inequivocamente proclamavam a mão imediata de Deus e eram realizados com o propósito expresso de treiná-los para um conhecimento prático e uma confiança habitual nele. Sua experiência dessa bondade e cuidado extraordinários, juntamente com a lembrança dos brilhantes sucessos pelos quais, com pouco esforço ou perda de sua parte, Deus lhes permitiu adquirir o valioso território em que se encontravam, é mencionada novamente para garantir uma adesão fiel. ao pacto, como o meio direto e seguro de obter as bênçãos prometidas. [JFB, aguardando revisão]

3 as provas grandes que viram teus olhos, o sinais, e as grandes maravilhas.

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-4) A introdução em Deuteronômio 29:2 se assemelha àquela em Deuteronômio 5:1. “Todo Israel” é a nação em todos os seus membros (ver Deuteronômio 29:10, Deuteronômio 29:11). – Israel sem dúvida tinha visto os poderosos atos do Senhor no Egito (Deuteronômio 29:2 e Deuteronômio 29:3; compare com Deuteronômio 4:34; Deuteronômio 7:19), mas Jeová não lhes tinha dado um coração, ou seja, entendimento, para perceber, olhos para ver, e ouvidos para ouvir, até hoje. Com esta queixa, Moisés não pretende desculpar o desejo anterior de suscetibilidade da nação às manifestações de graça por parte do Senhor, mas simplesmente explicar a necessidade da alusão repetida aos atos graciosos de Deus, e exortar o povo a colocá-los verdadeiramente no coração. “Ao repreender a monotonia do passado, ele os estimularia ao desejo de compreender: como se ele tivesse dito, que durante muito tempo eles foram insensíveis a tantos milagres e, portanto, não deveriam demorar mais, mas despertar para ouvir melhor a Deus” (Calvino). O Senhor ainda não tinha dado ao povo um coração compreensivo, porque o povo ainda não o tinha pedido, simplesmente porque a necessidade dele não era sentida (compare com Deuteronômio 4:26). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 E o SENHOR não vos deu coração para entender, nem olhos para ver, nem ouvidos para ouvir, até o dia de hoje.

Comentário de Keil e Delitzsch

(2-4) A introdução em Deuteronômio 29:2 se assemelha àquela em Deuteronômio 5:1. “Todo Israel” é a nação em todos os seus membros (ver Deuteronômio 29:10, Deuteronômio 29:11). – Israel sem dúvida tinha visto os poderosos atos do Senhor no Egito (Deuteronômio 29:2 e Deuteronômio 29:3; compare com Deuteronômio 4:34; Deuteronômio 7:19), mas Jeová não lhes tinha dado um coração, ou seja, entendimento, para perceber, olhos para ver, e ouvidos para ouvir, até hoje. Com esta queixa, Moisés não pretende desculpar o desejo anterior de suscetibilidade da nação às manifestações de graça por parte do Senhor, mas simplesmente explicar a necessidade da alusão repetida aos atos graciosos de Deus, e exortar o povo a colocá-los verdadeiramente no coração. “Ao repreender a monotonia do passado, ele os estimularia ao desejo de compreender: como se ele tivesse dito, que durante muito tempo eles foram insensíveis a tantos milagres e, portanto, não deveriam demorar mais, mas despertar para ouvir melhor a Deus” (Calvino). O Senhor ainda não tinha dado ao povo um coração compreensivo, porque o povo ainda não o tinha pedido, simplesmente porque a necessidade dele não era sentida (compare com Deuteronômio 4:26). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 E eu vos trouxe quarenta anos pelo deserto: vossas roupas não se hão envelhecido sobre vós, nem teu sapato se envelheceu sobre teu pé.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-8) Com o apelo à graciosa orientação de Israel por Deus através do deserto, o endereço de Moisés passa imperceptivelmente para um endereço do Senhor, assim como em Deuteronômio 11:14 (em Deuteronômio 29:5, Deuteronômio 29:6, vid., Deuteronômio 8:3-4; em Deuteronômio 29:7, vid., Deuteronômio 2:26, e Deuteronômio 3:1. e Deuteronômio 3:12). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Não comestes pão, nem bebestes vinho nem bebida forte: para que soubestes que eu sou o SENHOR vosso Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-8) Com o apelo à graciosa orientação de Israel por Deus através do deserto, o endereço de Moisés passa imperceptivelmente para um endereço do Senhor, assim como em Deuteronômio 11:14 (em Deuteronômio 29:5, Deuteronômio 29:6, vid., Deuteronômio 8:3-4; em Deuteronômio 29:7, vid., Deuteronômio 2:26, e Deuteronômio 3:1. e Deuteronômio 3:12). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E chegastes a este lugar, e saiu Seom rei de Hesbom, e Ogue rei de Basã, diante de nós para lutar, e os ferimos;

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-8) Com o apelo à graciosa orientação de Israel por Deus através do deserto, o endereço de Moisés passa imperceptivelmente para um endereço do Senhor, assim como em Deuteronômio 11:14 (em Deuteronômio 29:5, Deuteronômio 29:6, vid., Deuteronômio 8:3-4; em Deuteronômio 29:7, vid., Deuteronômio 2:26, e Deuteronômio 3:1. e Deuteronômio 3:12). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E tomamos sua terra, e a demos por herança a Rúben e a Gade, e à meia tribo de Manassés.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-8) Com o apelo à graciosa orientação de Israel por Deus através do deserto, o endereço de Moisés passa imperceptivelmente para um endereço do Senhor, assim como em Deuteronômio 11:14 (em Deuteronômio 29:5, Deuteronômio 29:6, vid., Deuteronômio 8:3-4; em Deuteronômio 29:7, vid., Deuteronômio 2:26, e Deuteronômio 3:1. e Deuteronômio 3:12). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 Guardareis, pois, as palavras deste pacto, e as poreis por obra, para que prospereis em tudo o que fizerdes.

Comentário de Keil e Delitzsch

Estes benefícios do Senhor exigiam obediência e fidelidade. “Guardai as palavras deste pacto”, etc. (compare com Deuteronômio 8:18). השׂכּיל, para agir sabiamente (como em Deuteronômio 32:29), tendo em mente, entretanto, que o próprio Jeová é a sabedoria de Israel (Deuteronômio 4:6), e a busca desta sabedoria traz prosperidade e salvação (compare com Josué 1:7-8). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 Vós todos estais hoje diante do SENHOR vosso Deus; vossos príncipes de vossas tribos, vossos anciãos, e vossos oficiais, todos os homens de Israel,

Comentário de Robert Jamieson

Vós todos estais hoje diante do SENHOR vosso Deus – Toda a congregação de Israel, de todas as idades e condições, todos – tanto jovens como idosos; servos e mestres; israelitas nativos, bem como estranhos naturalizados – todos foram reunidos diante do tabernáculo para renovar o pacto Sinaítico. Nenhum deles foi autorizado a considerar-se como isentos dos termos desse pacto nacional, para que qualquer queda na idolatria pudesse provar ser uma raiz de amargura, espalhando sua semente nociva e influência corrupta por toda parte (compare Hebreus 12:15). Era da maior consequência alcançar assim o coração e a consciência de todos, pois alguns poderiam se iludir com a vã ideia de que, fazendo o juramento (Deuteronômio 29:12) pelo qual eles se engajavam em aliança com Deus, eles certamente garantiriam suas bênçãos. Então, mesmo que eles não aderissem rigidamente à Sua adoração e comandos, mas seguiriam os artifícios e inclinações de seus próprios corações, ainda assim eles pensariam que Ele piscaria em tais liberdades e não os castigaria. Era da maior consequência para impressionar todos com a convicção forte e permanente, que enquanto a aliança de graça teve bênçãos especiais pertencendo a isto, ao mesmo tempo teve maldições em reserva para transgressores, a inflicção de qual seria tão certa, tão duradouro e severo. Esta foi a vantagem contemplada na lei sendo ensaiada uma segunda vez. A imagem de uma região outrora rica e próspera, destruída e condenada em consequência dos pecados de seus habitantes, é muito impressionante e calculada para despertar temor em toda mente que reflete. Tal é e há muito tem sido o estado desolado da Palestina; e, ao olhar para suas cidades arruinadas, seu maldito litoral, suas montanhas nuas, seu solo estéril e ressequido – todas as evidências tristes e inconfundíveis de uma terra sob maldição – número de viajantes da Europa, América e Índias (“ estranhos de um país distante ”, Deuteronômio 29:22) nos dias atuais, vêem que o Senhor executou Sua ameaça. Quem pode resistir à conclusão de que foi infligido “porque os habitantes haviam abandonado o pacto do Senhor Deus de seus pais. e a ira do Senhor se acendeu contra esta terra, para trazer sobre ela todas as maldições que estão escritas neste livro ”? [JFB, aguardando revisão]

11 Vossas crianças, vossas mulheres, e teus estrangeiros que habitam em meio de teu campo, desde o que corta tua lenha até o que tira tuas águas:

Comentário de Keil e Delitzsch

A aliança do Senhor abraçou, entretanto, não apenas os homens de Israel, mas também as esposas e os filhos, e o estrangeiro que se apegou a Israel, como os egípcios que saíram com Israel (Êxodo 12:38; Números 11:4), e os midianitas que se uniram aos israelitas com Hobabe (Números 10:29), até o mais baixo servo, “desde o teu cerne de lenha até a tua gaveta de água” (compare com Josué 9:21, Josué 9:27). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Para que entres no pacto do SENHOR teu Deus, e em seu juramento, que o SENHOR teu Deus estabelece hoje contigo:

Comentário de Keil e Delitzsch

“Que entres na aliança do Senhor teu Deus, e o compromisso sob juramento, que o Senhor teu Deus consuma contigo hoje”. עבר com בּ, como em Jó 33:28, “para entrar”, expressa toda a entrada, que passa completamente pelo território entrado, e é mais enfático que בברית בּוא (2 Crônicas 15:12). “Ao juramento”: o pacto confirmado com um juramento, os convênios sempre acompanhados de juramentos (vid., Gênesis 26:28). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Para te confirmar hoje por seu povo, e que ele seja a ti por Deus, da maneira que ele te disse, e como ele jurou a teus pais Abraão, Isaque, e Jacó.

Comentário de Keil e Delitzsch

“Para que Ele te constitua (te exalte) hoje em um povo para Si mesmo, e para que Ele seja (se torne) para Ti um Deus” (vid., Deuteronômio 28:9; Deuteronômio 27:9; Êxodo 19:5-6). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 E não somente convosco estabeleço eu este pacto e este juramento,

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-15) Este pacto que Moisés fez não só com aqueles que estavam presentes, mas com todos, presentes ou não; pois era para abraçar não só aqueles que estavam vivos na época, mas também seus descendentes, para se tornar um pacto de bênção para todas as nações (compare com Atos 2:39, e a intercessão de Cristo em João 17:20). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 Mas, sim, com os que estão aqui presentes hoje conosco diante do SENHOR nosso Deus, e com os que não estão aqui hoje conosco.

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-15) Este pacto que Moisés fez não só com aqueles que estavam presentes, mas com todos, presentes ou não; pois era para abraçar não só aqueles que estavam vivos na época, mas também seus descendentes, para se tornar um pacto de bênção para todas as nações (compare com Atos 2:39, e a intercessão de Cristo em João 17:20). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 Porque vós sabeis como habitamos na terra do Egito, e como passamos por meio das nações que passastes;

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-17) A convocação para entrar no pacto do Senhor é explicada por Moisés antes de tudo por uma exposição dos maus resultados que se seguiriam da apostasia do Senhor, ou da violação de Seu pacto. Esta exposição ele introduz com uma alusão à experiência do povo com referência à inutilidade dos ídolos, tanto no próprio Egito, como em sua marcha através das nações por cujo território passaram (Deuteronômio 29:16, Deuteronômio 29:17). As palavras, “pois aprendestes como habitamos no Egito, e passamos pelas nações… e vimos suas abominações e seus ídolos” (gillulim: literalmente, torrões, ver Levítico 26:30), têm este significado: Em nossa morada no Egito, e em nossa marcha através de diferentes terras, vós conhecestes os ídolos destas nações, que não são deuses, mas apenas madeira e pedra (ver Deuteronômio 4:28), prata e ouro. את-אשׁר, como em Deuteronômio 9:7, literalmente “vós sabeis aquilo que habitamos”, ou seja, sabeis o que nossa morada ali mostrou, que experiência adquirimos ali sobre a natureza dos ídolos pagãos. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 E vistes suas abominações e seus ídolos, madeira e pedra, prata e ouro, que têm consigo.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-17) A convocação para entrar no pacto do Senhor é explicada por Moisés antes de tudo por uma exposição dos maus resultados que se seguiriam da apostasia do Senhor, ou da violação de Seu pacto. Esta exposição ele introduz com uma alusão à experiência do povo com referência à inutilidade dos ídolos, tanto no próprio Egito, como em sua marcha através das nações por cujo território passaram (Deuteronômio 29:16, Deuteronômio 29:17). As palavras, “pois aprendestes como habitamos no Egito, e passamos pelas nações… e vimos suas abominações e seus ídolos” (gillulim: literalmente, torrões, ver Levítico 26:30), têm este significado: Em nossa morada no Egito, e em nossa marcha através de diferentes terras, vós conhecestes os ídolos destas nações, que não são deuses, mas apenas madeira e pedra (ver Deuteronômio 4:28), prata e ouro. את-אשׁר, como em Deuteronômio 9:7, literalmente “vós sabeis aquilo que habitamos”, ou seja, sabeis o que nossa morada ali mostrou, que experiência adquirimos ali sobre a natureza dos ídolos pagãos. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Para que não haja entre vós homem, ou mulher, ou família, ou tribo, cujo coração se volte hoje de com o SENHOR nosso Deus, por andar a servir aos deuses daquelas nações; que não haja em vós raiz que lance veneno e amargura;

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) “Que não haja entre vós”, etc.: esta frase pode ser facilmente explicada introduzindo um pensamento que pode ser facilmente fornecido, como “considerai isto”, ou “não vos esqueçais do que vistes, que ninguém, seja homem ou mulher, família ou tribo, pode se afastar de Jeová nosso Deus”. – “Que não possa haver entre vós uma raiz que produza veneno e absinto como fruto”. Uma imagem marcante do fruto destrutivo que a idolatria produz (compare com Hebreus 12:15). Rosh significa uma planta de sabor muito amargo, como podemos ver pela freqüência com que é combinada com לענה, absinto: não é, estritamente falando, uma planta venenosa, embora a palavra seja usada em Jó 20:16 para denotar o veneno das serpentes, pois, na estimativa de um hebraico, amargura e veneno eram termos semelhantes. Não há outra passagem na qual se possa demonstrar que tenha o significado de “veneno”. O sentido da figura é dado em termos simples em Deuteronômio 29:19, “para que ninguém, ao ouvir as palavras deste juramento, se abençoe em seu coração, dizendo: Eu prosperarei comigo, pois eu ando na firmeza de meu coração”. Abençoar-se em seu coração é felicitar-se a si mesmo. שׁרירוּת, firmeza, uma mídia vox; em siríaco, firmeza, em bom sentido, equivalente à verdade; em hebraico, geralmente em mau sentido, denotando dureza de coração; e este é o sentido no qual Moisés a usa aqui. – “Para varrer aquilo que está saturado de sede”: uma expressão proverbial, da qual foram dadas interpretações muito diferentes (ver Rosenmller ad h. l.), tirada sem dúvida da terra e transferida para pessoas ou almas; para que possamos fornecer Néfi neste sentido, “para destruir a todos, tanto os que beberam seu veneno, como os que ainda têm sede dele” (Knobel). Mas mesmo que tivéssemos que fornecer ארץ (a terra), não deveríamos ter que pensar na própria terra, mas simplesmente em seus habitantes, para que o pensamento permanecesse o mesmo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 E seja que, quando o tal ouvir as palavras desta maldição, ele se abençoe em seu coração, dizendo: Terei paz, ainda que ande segundo o pensamento de meu coração, para acrescentar a embriaguez à sede:

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) “Que não haja entre vós”, etc.: esta frase pode ser facilmente explicada introduzindo um pensamento que pode ser facilmente fornecido, como “considerai isto”, ou “não vos esqueçais do que vistes, que ninguém, seja homem ou mulher, família ou tribo, pode se afastar de Jeová nosso Deus”. – “Que não possa haver entre vós uma raiz que produza veneno e absinto como fruto”. Uma imagem marcante do fruto destrutivo que a idolatria produz (compare com Hebreus 12:15). Rosh significa uma planta de sabor muito amargo, como podemos ver pela freqüência com que é combinada com לענה, absinto: não é, estritamente falando, uma planta venenosa, embora a palavra seja usada em Jó 20:16 para denotar o veneno das serpentes, pois, na estimativa de um hebraico, amargura e veneno eram termos semelhantes. Não há outra passagem na qual se possa demonstrar que tenha o significado de “veneno”. O sentido da figura é dado em termos simples em Deuteronômio 29:19, “para que ninguém, ao ouvir as palavras deste juramento, se abençoe em seu coração, dizendo: Eu prosperarei comigo, pois eu ando na firmeza de meu coração”. Abençoar-se em seu coração é felicitar-se a si mesmo. שׁרירוּת, firmeza, uma mídia vox; em siríaco, firmeza, em bom sentido, equivalente à verdade; em hebraico, geralmente em mau sentido, denotando dureza de coração; e este é o sentido no qual Moisés a usa aqui. – “Para varrer aquilo que está saturado de sede”: uma expressão proverbial, da qual foram dadas interpretações muito diferentes (ver Rosenmller ad h. l.), tirada sem dúvida da terra e transferida para pessoas ou almas; para que possamos fornecer Néfi neste sentido, “para destruir a todos, tanto os que beberam seu veneno, como os que ainda têm sede dele” (Knobel). Mas mesmo que tivéssemos que fornecer ארץ (a terra), não deveríamos ter que pensar na própria terra, mas simplesmente em seus habitantes, para que o pensamento permanecesse o mesmo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 O SENHOR se recusará a lhe perdoar; antes fumegará logo o furor do SENHOR e seu zelo sobre o tal homem, e se assentará sobre ele toda maldição escrita neste livro, e o SENHOR apagará seu nome de debaixo do céu:

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) “Porque o Senhor não lhe perdoará (quem pensa ou fala desta maneira); mas então a sua ira fumegará (brotará em fogo; vid., (Salmo 74:1), e o seu ciúme contra aquele homem, e toda a maldição da lei recairá sobre ele, para que seu nome seja apagado debaixo do céu (vid., Deuteronômio 25:19; Êxodo 17:14). “O Senhor o separará do mal de todas as tribos, – para que seja afastado da nação do pacto e de sua salvação, e seja exposto à destruição – de acordo com todas as maldições do pacto”. Embora o sufixo pronominal se refira principalmente ao homem, ele também se aplica, segundo Deuteronômio 29:18, à mulher, à família e à tribo. “Isso está escrito”, etc., como em Deuteronômio 28:58, Deuteronômio 28:61. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 E o SENHOR o separará de todas as tribos de Israel para o mal, conforme todas as maldições do pacto escrito neste livro da lei.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) “Porque o Senhor não lhe perdoará (quem pensa ou fala desta maneira); mas então a sua ira fumegará (brotará em fogo; vid., (Salmo 74:1), e o seu ciúme contra aquele homem, e toda a maldição da lei recairá sobre ele, para que seu nome seja apagado debaixo do céu (vid., Deuteronômio 25:19; Êxodo 17:14). “O Senhor o separará do mal de todas as tribos, – para que seja afastado da nação do pacto e de sua salvação, e seja exposto à destruição – de acordo com todas as maldições do pacto”. Embora o sufixo pronominal se refira principalmente ao homem, ele também se aplica, segundo Deuteronômio 29:18, à mulher, à família e à tribo. “Isso está escrito”, etc., como em Deuteronômio 28:58, Deuteronômio 28:61. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 E dirá a geração vindoura, vossos filhos que virão depois de vós, e o estrangeiro que virá de distantes terras, quando virem as pragas desta terra, e suas enfermidades de que o SENHOR a fez enfermar,

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-23) O quanto Moisés estava cheio do pensamento de que não apenas indivíduos, mas famílias inteiras, e de fato a maior parte da nação, cairia na idolatria, é evidente a partir da expansão da ameaça que se segue, e na qual ele prevê no Espírito, e prediz, o extermínio de famílias inteiras, e a devastação da terra por nações distantes; como em Levítico 26:31-32. As gerações futuras de Israel, e o estrangeiro de uma terra distante, quando vissem os golpes do Senhor que irromperam sobre a terra, e a desolação total da terra, perguntariam de onde viriam esta devastação, e receberiam a resposta, O Senhor havia ferido a terra assim em Sua ira, porque seus habitantes (os israelitas) haviam abandonado Sua aliança. Com relação à construção, observe que ואמר, em Deuteronômio 29:22, é retomado em ואמרוּ, em Deuteronômio 29:24, sendo o assunto de Deuteronômio 29:22 expandido para a noção geral, “todas as nações” (Deuteronômio 29:24). Com וראוּ, em Deuteronômio 29:22, é inserida uma cláusula parentética, dando a razão do pensamento principal, na forma de uma cláusula circunstancial; e a esta é anexada, por uma aposição solta em Deuteronômio 29:23, uma imagem ainda maior dos traços divinos de acordo com seu efeito sobre a terra. Os substantivos em Deuteronômio 29:23, “enxofre e queima de sal”, estão em posição de aposição às pinceladas (pragas), e até agora dependem de “eles vêem”. A descrição é emprestada do caráter do Mar Morto e suas proximidades, ao qual há uma alusão expressa nas palavras, “como o derrube de Sodoma”, etc., ou seja, das cidades do vale de Sidim (veja em Gênesis 14:2), que se assemelhavam ao paraíso, o jardim de Jeová, antes de sua destruição (vid., Gênesis 13:10 e Gênesis 19:24.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 (Enxofre e sal, abrasada toda sua terra: não será semeada, nem produzirá, nem crescerá nela erva nenhuma, como na destruição de Sodoma e de Gomorra, de Admá e de Zeboim, que o SENHOR destruiu em seu furor e em sua ira:)

Comentário de Keil e Delitzsch

(22-23) O quanto Moisés estava cheio do pensamento de que não apenas indivíduos, mas famílias inteiras, e de fato a maior parte da nação, cairia na idolatria, é evidente a partir da expansão da ameaça que se segue, e na qual ele prevê no Espírito, e prediz, o extermínio de famílias inteiras, e a devastação da terra por nações distantes; como em Levítico 26:31-32. As gerações futuras de Israel, e o estrangeiro de uma terra distante, quando vissem os golpes do Senhor que irromperam sobre a terra, e a desolação total da terra, perguntariam de onde viriam esta devastação, e receberiam a resposta, O Senhor havia ferido a terra assim em Sua ira, porque seus habitantes (os israelitas) haviam abandonado Sua aliança. Com relação à construção, observe que ואמר, em Deuteronômio 29:22, é retomado em ואמרוּ, em Deuteronômio 29:24, sendo o assunto de Deuteronômio 29:22 expandido para a noção geral, “todas as nações” (Deuteronômio 29:24). Com וראוּ, em Deuteronômio 29:22, é inserida uma cláusula parentética, dando a razão do pensamento principal, na forma de uma cláusula circunstancial; e a esta é anexada, por uma aposição solta em Deuteronômio 29:23, uma imagem ainda maior dos traços divinos de acordo com seu efeito sobre a terra. Os substantivos em Deuteronômio 29:23, “enxofre e queima de sal”, estão em posição de aposição às pinceladas (pragas), e até agora dependem de “eles vêem”. A descrição é emprestada do caráter do Mar Morto e suas proximidades, ao qual há uma alusão expressa nas palavras, “como o derrube de Sodoma”, etc., ou seja, das cidades do vale de Sidim (veja em Gênesis 14:2), que se assemelhavam ao paraíso, o jardim de Jeová, antes de sua destruição (vid., Gênesis 13:10 e Gênesis 19:24.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 Dirão, pois, todas as nações: Por que fez o SENHOR isto a esta terra? Que ira é esta de tão grande furor?

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) “O que é esta grande queima de ira”, ou seja, o que significa – de onde ela vem? A resposta a tal pergunta seria (Deuteronômio 29:25-29): Os habitantes da terra abandonaram o pacto do Senhor, o Deus de seus pais; portanto, a ira do Senhor ardeu sobre a terra. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 E responderão. Porquanto deixaram o pacto do SENHOR o Deus de seus pais, que ele estabeleceu com eles quando os tirou da terra do Egito,

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) “O que é esta grande queima de ira”, ou seja, o que significa – de onde ela vem? A resposta a tal pergunta seria (Deuteronômio 29:25-29): Os habitantes da terra abandonaram o pacto do Senhor, o Deus de seus pais; portanto, a ira do Senhor ardeu sobre a terra. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 E foram e serviram a deuses alheios, e inclinaram-se a eles, deuses que não conheciam, e que nenhuma coisa lhes haviam dado:

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-29) “Deuses que Deus não lhes havia atribuído” (vid., Deuteronômio 4:19). “Todas as maldições”, etc., são as maldições contidas em Deuteronômio 28:15-68; Levítico 26:14-38. – Aqueles que dão a resposta fecham seu endereço em Deuteronômio 29:29 com uma expressão de piedosa submissão e admoestação solene. “O que está escondido pertence ao Senhor nosso Deus (é assunto Seu), e o que se revela pertence a nós e a nossos filhos para sempre, para fazer (que possamos fazer) todas as palavras desta lei”. O que é revelado inclui a lei com suas promessas e ameaças; conseqüentemente, o que está oculto só pode se referir à forma em que Deus executará no futuro Seu conselho e Sua vontade, que Ele revelou na lei, e completará Sua obra de salvação, não obstante a apostasia do povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 Acendeu-se portanto, o furor do SENHOR contra esta terra, para trazer sobre ela todas as maldições escritas nesta livro;

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-29) “Deuses que Deus não lhes havia atribuído” (vid., Deuteronômio 4:19). “Todas as maldições”, etc., são as maldições contidas em Deuteronômio 28:15-68; Levítico 26:14-38. – Aqueles que dão a resposta fecham seu endereço em Deuteronômio 29:29 com uma expressão de piedosa submissão e admoestação solene. “O que está escondido pertence ao Senhor nosso Deus (é assunto Seu), e o que se revela pertence a nós e a nossos filhos para sempre, para fazer (que possamos fazer) todas as palavras desta lei”. O que é revelado inclui a lei com suas promessas e ameaças; conseqüentemente, o que está oculto só pode se referir à forma em que Deus executará no futuro Seu conselho e Sua vontade, que Ele revelou na lei, e completará Sua obra de salvação, não obstante a apostasia do povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

28 E o SENHOR os desarraigou de sua terra com ira, e com indignação, e com furor grande, e os expulsou a outra terra, como hoje.

Comentário de Keil e Delitzsch

(26-29) “Deuses que Deus não lhes havia atribuído” (vid., Deuteronômio 4:19). “Todas as maldições”, etc., são as maldições contidas em Deuteronômio 28:15-68; Levítico 26:14-38. – Aqueles que dão a resposta fecham seu endereço em Deuteronômio 29:29 com uma expressão de piedosa submissão e admoestação solene. “O que está escondido pertence ao Senhor nosso Deus (é assunto Seu), e o que se revela pertence a nós e a nossos filhos para sempre, para fazer (que possamos fazer) todas as palavras desta lei”. O que é revelado inclui a lei com suas promessas e ameaças; conseqüentemente, o que está oculto só pode se referir à forma em que Deus executará no futuro Seu conselho e Sua vontade, que Ele revelou na lei, e completará Sua obra de salvação, não obstante a apostasia do povo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

29 As coisas secretas pertencem ao SENHOR nosso Deus: mas as reveladas são para nós e para nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei.

Comentário de Robert Jamieson

As coisas secretas pertencem ao SENHOR – Este verso não tem ligação aparente com o fio do discurso. Acredita-se que tenha sido dito em resposta aos olhares de espanto ou às palavras de indagação se eles seriam sempre tão maus a ponto de merecerem tais punições. A história registrada dos procedimentos providenciais de Deus para com Israel apresenta uma maravilhosa combinação de “bondade e severidade”. Há muito disso envolvido em mistério profundo demais para nossas capacidades limitadas de entender; mas, da sabedoria abrangente exibida naquelas partes que nos foram conhecidas, estamos preparados para entrar no espírito pleno da exclamação do apóstolo: “Quão inescrutáveis ​​são os seus juízos” (Romanos 11:33). [JFB, aguardando revisão]

<Deuteronômio 28 Deuteronômio 30>

Introdução à Deuteronômio 29

Os discursos que seguem em 29 e 30 são anunciados no título em Deuteronômio 29:1 como "palavras (discursos) do pacto que Jeová ordenou a Moisés que fizesse com os filhos de Israel, além do pacto que Ele fez com eles em Horeb", e consistem, de acordo com Deuteronômio 29:10. O pacto que o Senhor fez com eles naquele dia, ou seja, consistia literalmente em uma declaração renovada do pacto que o Senhor havia concluído com a nação em Horebe, ou em uma nova obrigação imposta à nação de manter o pacto que havia sido concluído em Horebe, através da oferta de sacrifícios e da aspersão do povo com o sangue do sacrifício (Êxodo 24). Não havia necessidade de qualquer repetição deste ato, pois, apesar das freqüentes transgressões por parte da nação, ele não tinha sido revogado por Deus, mas ainda permanecia em plena vigência e força. A obrigação que obriga o povo a cumprir o pacto é introduzida por Moisés com um apelo a tudo o que o Senhor tinha feito por Israel (Deuteronômio 29:2-9); e isto é seguido por uma convocação para entrar no pacto que o Senhor estava concluindo com o agora, para que Ele pudesse ser seu Deus, e cumprir Suas promessas a respeito deles (Deuteronômio 29: 10-15), com uma alusão repetida ao castigo que os ameaçava em caso de apostasia (Deuteronômio 29:16-29), e a eventual restauração no terreno do arrependimento sincero e do retorno ao Senhor (Deuteronômio 30:1-14), e finalmente outra admoestação solene, com uma bênção e uma maldição diante deles, para fazer a escolha da bênção (Deuteronômio 30:15-20). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, "Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus". Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles - fevereiro de 2018.