Bíblia, Revisar

Deuteronômio 29

Uma exortação à obediência

1 Estas são as palavras do pacto que o SENHOR mandou que Moisés fizesse com os filhos de Israel na terra de Moabe, além do pacto que estabeleceu com eles em Horebe.

Estas são as palavras do pacto – O discurso de Moisés é continuado, e o assunto desse discurso era o pacto de Israel com Deus, os privilégios que conferia e as obrigações impostas por ele.

além do pacto que estabeleceu com eles em Horebe – era substancialmente o mesmo; mas foi renovado agora, em diferentes circunstâncias. Eles violaram suas condições. Moisés ensaia estes, para que eles possam ter um melhor conhecimento de suas condições e estar mais dispostos a cumpri-los.

1 Estas são as palavras do pacto que o SENHOR mandou que Moisés fizesse com os filhos de Israel na terra de Moabe, além do pacto que estabeleceu com eles em Horebe.

Vós vistes tudo o que o SENHOR fez - Esse apelo à experiência do povo, embora generalizado, só se aplicava àqueles que haviam sido muito jovens no período do Êxodo e que se lembravam dos maravilhosos transações que precederam e seguiram essa época. Ainda assim, ai! esses eventos maravilhosos não lhes causaram boa impressão (Dt 29:4). Eles eram estranhos àquela graça de sabedoria que é liberalmente dada a todos que a pedem; e sua insensibilidade era ainda mais indesculpável que tantos milagres haviam sido realizados que poderiam levar a uma certa convicção da presença e do poder de Deus com eles. A preservação de suas roupas e sapatos, o suprimento de comida diária e água fresca - estes continuaram sem interrupção ou diminuição durante tantos anos "permanecendo no deserto. Eles eram milagres que inequivocamente proclamavam a mão imediata de Deus e eram realizados com o propósito expresso de treiná-los para um conhecimento prático e uma confiança habitual nele. Sua experiência dessa bondade e cuidado extraordinários, juntamente com a lembrança dos brilhantes sucessos pelos quais, com pouco esforço ou perda de sua parte, Deus lhes permitiu adquirir o valioso território em que se encontravam, é mencionada novamente para garantir uma adesão fiel. ao pacto, como o meio direto e seguro de obter as bênçãos prometidas.

3 As provas grandes que viram teus olhos, o sinais, e as grandes maravilhas.
4 E o SENHOR não vos deu coração para entender, nem olhos para ver, nem ouvidos para ouvir, até o dia de hoje.
5 E eu vos trouxe quarenta anos pelo deserto: vossas roupas não se hão envelhecido sobre vós, nem teu sapato se envelheceu sobre teu pé.
6 Não comestes pão, nem bebestes vinho nem bebida forte: para que soubestes que eu sou o SENHOR vosso Deus.
7 E chegastes a este lugar, e saiu Seom rei de Hesbom, e Ogue rei de Basã, diante de nós para lutar, e os ferimos;
8 E tomamos sua terra, e a demos por herança a Rúben e a Gade, e à meia tribo de Manassés.
9 Guardareis, pois, as palavras deste pacto, e as poreis por obra, para que prospereis em tudo o que fizerdes.
10 Vós todos estais hoje diante do SENHOR vosso Deus; vossos príncipes de vossas tribos, vossos anciãos, e vossos oficiais, todos os homens de Israel,

Vós todos estais hoje diante do SENHOR vosso Deus – Toda a congregação de Israel, de todas as idades e condições, todos – tanto jovens como idosos; servos e mestres; israelitas nativos, bem como estranhos naturalizados – todos foram reunidos diante do tabernáculo para renovar o pacto Sinaítico. Nenhum deles foi autorizado a considerar-se como isentos dos termos desse pacto nacional, para que qualquer queda na idolatria pudesse provar ser uma raiz de amargura, espalhando sua semente nociva e influência corrupta por toda parte (compare Hb 12:15). Era da maior consequência alcançar assim o coração e a consciência de todos, pois alguns poderiam se iludir com a vã ideia de que, fazendo o juramento (Dt 29:12) pelo qual eles se engajavam em aliança com Deus, eles certamente garantiriam suas bênçãos. Então, mesmo que eles não aderissem rigidamente à Sua adoração e comandos, mas seguiriam os artifícios e inclinações de seus próprios corações, ainda assim eles pensariam que Ele piscaria em tais liberdades e não os castigaria. Era da maior consequência para impressionar todos com a convicção forte e permanente, que enquanto a aliança de graça teve bênçãos especiais pertencendo a isto, ao mesmo tempo teve maldições em reserva para transgressores, a inflicção de qual seria tão certa, tão duradouro e severo. Esta foi a vantagem contemplada na lei sendo ensaiada uma segunda vez. A imagem de uma região outrora rica e próspera, destruída e condenada em consequência dos pecados de seus habitantes, é muito impressionante e calculada para despertar temor em toda mente que reflete. Tal é e há muito tem sido o estado desolado da Palestina; e, ao olhar para suas cidades arruinadas, seu maldito litoral, suas montanhas nuas, seu solo estéril e ressequido – todas as evidências tristes e inconfundíveis de uma terra sob maldição – número de viajantes da Europa, América e Índias (“ estranhos de um país distante ”, Dt 29:22) nos dias atuais, vêem que o Senhor executou Sua ameaça. Quem pode resistir à conclusão de que foi infligido “porque os habitantes haviam abandonado o pacto do Senhor Deus de seus pais. e a ira do Senhor se acendeu contra esta terra, para trazer sobre ela todas as maldições que estão escritas neste livro ”?

11 Vossas crianças, vossas mulheres, e teus estrangeiros que habitam em meio de teu campo, desde o que corta tua lenha até o que tira tuas águas:
12 Para que entres no pacto do SENHOR teu Deus, e em seu juramento, que o SENHOR teu Deus estabelece hoje contigo:
13 Para te confirmar hoje por seu povo, e que ele seja a ti por Deus, da maneira que ele te disse, e como ele jurou a teus pais Abraão, Isaque, e Jacó.
14 E não somente convosco estabeleço eu este pacto e este juramento,
15 Mas, sim, com os que estão aqui presentes hoje conosco diante do SENHOR nosso Deus, e com os que não estão aqui hoje conosco.
16 Porque vós sabeis como habitamos na terra do Egito, e como passamos por meio das nações que passastes;
17 E vistes suas abominações e seus ídolos, madeira e pedra, prata e ouro, que têm consigo.
18 Para que não haja entre vós homem, ou mulher, ou família, ou tribo, cujo coração se volte hoje de com o SENHOR nosso Deus, por andar a servir aos deuses daquelas nações; que não haja em vós raiz que lance veneno e amargura;
19 E seja que, quando o tal ouvir as palavras desta maldição, ele se abençoe em seu coração, dizendo: Terei paz, ainda que ande segundo o pensamento de meu coração, para acrescentar a embriaguez à sede:
20 O SENHOR se recusará a lhe perdoar; antes fumegará logo o furor do SENHOR e seu zelo sobre o tal homem, e se assentará sobre ele toda maldição escrita neste livro, e o SENHOR apagará seu nome de debaixo do céu:
21 E o SENHOR o separará de todas as tribos de Israel para o mal, conforme todas as maldições do pacto escrito neste livro da lei.
22 E dirá a geração vindoura, vossos filhos que virão depois de vós, e o estrangeiro que virá de distantes terras, quando virem as pragas desta terra, e suas enfermidades de que o SENHOR a fez enfermar,
23 (Enxofre e sal, abrasada toda sua terra: não será semeada, nem produzirá, nem crescerá nela erva nenhuma, como na destruição de Sodoma e de Gomorra, de Admá e de Zeboim, que o SENHOR destruiu em seu furor e em sua ira:)
24 Dirão, pois, todas as nações: Por que fez o SENHOR isto a esta terra? Que ira é esta de tão grande furor?
25 E responderão. Porquanto deixaram o pacto do SENHOR o Deus de seus pais, que ele estabeleceu com eles quando os tirou da terra do Egito,
26 E foram e serviram a deuses alheios, e inclinaram-se a eles, deuses que não conheciam, e que nenhuma coisa lhes haviam dado:
27 Acendeu-se portanto, o furor do SENHOR contra esta terra, para trazer sobre ela todas as maldições escritas nesta livro;
28 E o SENHOR os desarraigou de sua terra com ira, e com indignação, e com furor grande, e os expulsou a outra terra, como hoje.
29 As coisas secretas pertencem ao SENHOR nosso Deus: mas as reveladas são para nós e para nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei.

As coisas secretas pertencem ao SENHOR – Este verso não tem ligação aparente com o fio do discurso. Acredita-se que tenha sido dito em resposta aos olhares de espanto ou às palavras de indagação se eles seriam sempre tão maus a ponto de merecerem tais punições. A história registrada dos procedimentos providenciais de Deus para com Israel apresenta uma maravilhosa combinação de “bondade e severidade”. Há muito disso envolvido em mistério profundo demais para nossas capacidades limitadas de entender; mas, da sabedoria abrangente exibida naquelas partes que nos foram conhecidas, estamos preparados para entrar no espírito pleno da exclamação do apóstolo: “Quão inescrutáveis ​​são os seus juízos” (Rm 11:33).

<Deuteronômio 28 Deuteronômio 30>

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles - fevereiro de 2018.