Deuteronômio 27

O altar no Monte Ebal

1 E mandou Moisés, com os anciãos de Israel, ao povo, dizendo: Guardareis todos os mandamentos que eu prescrevo hoje.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-3) Deuteronômio 27:2 e Deuteronômio 27:3 contêm as instruções gerais; Deuteronomio 27:4-8, mais detalhes minuciosos. Na indicação da hora, “no dia em que passareis a Jordânia para a terra”, etc., a palavra “dia” não deve ser pressionada, mas deve ser entendida num sentido mais amplo, como significando a hora em que Israel deveria ter entrado na terra e tomado posse dela. As pedras a serem colocadas deveriam ser cobertas com cal, ou gesso (se sid significa cal ou gesso não pode ser determinado), e todas as palavras da lei deveriam ser escritas sobre elas. A escrita, portanto, não deveria ser cortada nas pedras e depois coberta com cal (como J. D. Mich, Ros.), mas para ser inscrita sobre as pedras prateadas, como era costume no Egito, onde as paredes dos edifícios, e até mesmo as pedras monumentais, que estavam prestes a pintar com figuras e hieróglifos, eram primeiro cobertas com um revestimento de cal ou gesso, e depois as figuras pintadas sobre isto (veja os testemunhos de Minutoli, Heeren, Prokesch nas Dissertações de Hengstenberg, i. 433, e Egito e os Livros de Moisés, p. 90). O objetivo deste escrito não era entregar a lei desta maneira à posteridade sem alteração, mas, como já foi dito, simplesmente estabelecer um reconhecimento público da lei por parte do povo, antes de tudo por causa da geração que tomou posse da terra, e para a posteridade, somente na medida em que este ato foi registrado no livro de Josué e assim transmitido às gerações futuras. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

2 E será que, no dia que passardes o Jordão à terra que o SENHOR teu Deus te dá, te hás de levantar pedras grandes, as quais rebocarás com cal:

Comentário de Robert Jamieson

E será que, no dia que passardes o Jordão – “dia” é frequentemente colocado para “tempo”; e não foi até alguns dias após a passagem que as instruções a seguir foram postas em prática.

te hás de levantar pedras grandes, as quais rebocarás com cal – estas pedras deviam ser tomadas em seu estado natural, desalinhadas e sem polimento – a ocasião em que foram usadas, não admitindo uma preparação longa ou elaborada; e eles deveriam ser pintados com tinta ou cal, para torná-los mais evidentes. Pedras e até pedras são vistas no Egito e na península do Sinai, contendo inscrições feitas há três mil anos, em tintas ou entalhes. Por algum método semelhante, essas pedras podem ter sido inscritas, e é bem provável que Moisés tenha aprendido a arte dos egípcios. [JFB, aguardando revisão]

3 E escreverás nelas todas as palavras desta lei, quando houveres passado para entrar na terra que o SENHOR teu Deus te dá, terra que flui leite e mel, como o SENHOR o Deus de teus pais te disse.

Comentário de Robert Jamieson

escreverás nelas todas as palavras desta lei – Pode ser, como alguns pensam, o Decálogo; mas uma probabilidade maior é que fossem “as bênçãos e maldições”, que compreendiam de fato um epítome da lei (Josué 8:34). [JFB, aguardando revisão]

4 Será pois, quando houveres passado o Jordão, que levantareis estas pedras que eu vos mando hoje, no monte de Ebal, e as rebocarás com cal:

Comentário de Keil e Delitzsch

(4-8) Na expansão desta ordem, Moisés primeiro fixa o lugar onde as pedras seriam colocadas, ou seja, no Monte Ebal (ver em Deuteronômio 11:29), – não em Gerizim, de acordo com a leitura do samaritano Pentateuco; pois desde a discussão da questão por Verschuir (dissertt. phil. exeg. diss. 3) e Gesenius (de Pent. Samar. p. 61), pode ser considerado como um fato estabelecido, que esta leitura é uma alteração arbitrária. A cláusula a seguir, “você deve chatear”, etc., é uma repetição na forma mais antiga de escrita histórica entre os hebreus. A isto se acrescentam em Deuteronômio 27:5-7 as novas e posteriores instruções, de que um altar deveria ser construído sobre Ebal, e ofertas queimadas e ofertas mortas para serem sacrificadas sobre ele. A noção de que este altar deveria ser construído sobre as pedras com a lei escrita sobre elas, ou mesmo com uma parte delas, não precisa de refutação, pois não tem o menor apoio nas palavras do texto. Pois de acordo com estes o altar deveria ser construído de pedras brutas (portanto não das pedras cobertas com cimento), em obediência à lei em Êxodo 20:22 (veja a exposição desta passagem, onde a razão para isto é discutida). O local escolhido para a colocação das pedras com a lei escrita, assim como para o altar e a oferta de sacrifício, foi Ebal, a montanha sobre a qual as maldições seriam proclamadas; não Gerizim, que foi designado para a publicação das bênçãos, pelo mesmo motivo pelo qual apenas as maldições a serem proclamadas são dadas em Deuteronômio 27:14. e não as bênçãos, – não, como Schultz supõe, porque a lei em relação à maldição fala mais forçosamente ao homem pecador do que em relação à bênção, ou porque a maldição, que se manifesta em todas as mãos na vida humana, soa mais confiável do que a promessa; mas, como a Bíblia Berleburger a expressa, “para mostrar como a lei e a economia do Antigo Testamento denunciariam a maldição que repousa sobre toda a raça humana por causa do pecado, para despertar um desejo para o Messias, que deveria tirar a maldição e trazer a verdadeira bênção em seu lugar”. Pois por mais remota que seja a alusão ao Messias, a verdade é inquestionavelmente apontada nestas instruções, que a lei traz principalmente e principalmente uma maldição sobre o homem por causa do pecado de sua natureza, como o próprio Moisés anuncia ao povo em Deuteronômio 31:16-17. E por esta mesma razão o livro da lei deveria ser colocado ao lado da arca da aliança como um “testemunho contra Israel” (Deuteronômio 31:26). Mas o altar foi construído para a oferta de sacrifícios, para moldar e consagrar o estabelecimento da lei sobre as pedras em uma renovação do pacto. Nos holocaustos, Israel se entregou ao Senhor com toda sua vida e trabalho, e na refeição sacrifical entrou no gozo das bênçãos da graça divina, para saborear a bem-aventurança da comunhão vital com seu Deus. Ao conectar a cerimônia sacrificial com o estabelecimento da lei, Israel deu um testemunho prático do fato de que sua vida e bem-aventurança foram fundadas na observância da lei. Os sacrifícios e a refeição sacrificial têm aqui o mesmo significado que na conclusão do pacto no Sinai (Êxodo 24:11). – Em Deuteronômio 27:8, a escrita da lei sobre as pedras é ordenada mais uma vez, e a nova injunção é acrescentada, “muito claramente”. – A redação da lei é mencionada por último, como sendo a mais importante, e não porque deveria ter ocorrido após a cerimônia de sacrifício. As diferentes instruções são organizadas de acordo com seu caráter, e não em ordem cronológica. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 E edificarás ali altar ao SENHOR teu Deus, altar de pedras: não levantarás sobre elas ferro.

Comentário de Robert Jamieson

edificarás ali altar ao SENHOR teu Deus, altar de pedras – As pedras deveriam estar em seu estado natural, como se um cinzel fosse comunicar poluição a elas. A pilha de pedras deveria ser tão grande a ponto de conter todas as condições da aliança, tão elevadas que seriam visíveis a toda a congregação de Israel; e o cerimonial religioso realizado na ocasião consistia em: primeiro, a adoração elementar necessária para os homens pecadores; e em segundo lugar, das ofertas pacíficas, ou animadas festas sociais, que eram adequadas para as pessoas felizes cujo Deus era o Senhor. Havia, portanto, a lei que condenava e a expiação típica – os dois grandes princípios da religião revelada. [JFB, aguardando revisão]

6 De pedras inteiras edificarás o altar do SENHOR teu Deus; e oferecerás sobre ele holocausto ao SENHOR teu Deus;

Comentário de Keil e Delitzsch

(4-8) Na expansão desta ordem, Moisés primeiro fixa o lugar onde as pedras seriam colocadas, ou seja, no Monte Ebal (ver em Deuteronômio 11:29), – não em Gerizim, de acordo com a leitura do samaritano Pentateuco; pois desde a discussão da questão por Verschuir (dissertt. phil. exeg. diss. 3) e Gesenius (de Pent. Samar. p. 61), pode ser considerado como um fato estabelecido, que esta leitura é uma alteração arbitrária. A cláusula a seguir, “você deve chatear”, etc., é uma repetição na forma mais antiga de escrita histórica entre os hebreus. A isto se acrescentam em Deuteronômio 27:5-7 as novas e posteriores instruções, de que um altar deveria ser construído sobre Ebal, e ofertas queimadas e ofertas mortas para serem sacrificadas sobre ele. A noção de que este altar deveria ser construído sobre as pedras com a lei escrita sobre elas, ou mesmo com uma parte delas, não precisa de refutação, pois não tem o menor apoio nas palavras do texto. Pois de acordo com estes o altar deveria ser construído de pedras brutas (portanto não das pedras cobertas com cimento), em obediência à lei em Êxodo 20:22 (veja a exposição desta passagem, onde a razão para isto é discutida). O local escolhido para a colocação das pedras com a lei escrita, assim como para o altar e a oferta de sacrifício, foi Ebal, a montanha sobre a qual as maldições seriam proclamadas; não Gerizim, que foi designado para a publicação das bênçãos, pelo mesmo motivo pelo qual apenas as maldições a serem proclamadas são dadas em Deuteronômio 27:14. e não as bênçãos, – não, como Schultz supõe, porque a lei em relação à maldição fala mais forçosamente ao homem pecador do que em relação à bênção, ou porque a maldição, que se manifesta em todas as mãos na vida humana, soa mais confiável do que a promessa; mas, como a Bíblia Berleburger a expressa, “para mostrar como a lei e a economia do Antigo Testamento denunciariam a maldição que repousa sobre toda a raça humana por causa do pecado, para despertar um desejo para o Messias, que deveria tirar a maldição e trazer a verdadeira bênção em seu lugar”. Pois por mais remota que seja a alusão ao Messias, a verdade é inquestionavelmente apontada nestas instruções, que a lei traz principalmente e principalmente uma maldição sobre o homem por causa do pecado de sua natureza, como o próprio Moisés anuncia ao povo em Deuteronômio 31:16-17. E por esta mesma razão o livro da lei deveria ser colocado ao lado da arca da aliança como um “testemunho contra Israel” (Deuteronômio 31:26). Mas o altar foi construído para a oferta de sacrifícios, para moldar e consagrar o estabelecimento da lei sobre as pedras em uma renovação do pacto. Nos holocaustos, Israel se entregou ao Senhor com toda sua vida e trabalho, e na refeição sacrifical entrou no gozo das bênçãos da graça divina, para saborear a bem-aventurança da comunhão vital com seu Deus. Ao conectar a cerimônia sacrificial com o estabelecimento da lei, Israel deu um testemunho prático do fato de que sua vida e bem-aventurança foram fundadas na observância da lei. Os sacrifícios e a refeição sacrificial têm aqui o mesmo significado que na conclusão do pacto no Sinai (Êxodo 24:11). – Em Deuteronômio 27:8, a escrita da lei sobre as pedras é ordenada mais uma vez, e a nova injunção é acrescentada, “muito claramente”. – A redação da lei é mencionada por último, como sendo a mais importante, e não porque deveria ter ocorrido após a cerimônia de sacrifício. As diferentes instruções são organizadas de acordo com seu caráter, e não em ordem cronológica. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E sacrificarás ofertas pacíficas, e comerás ali; e te alegrarás diante do SENHOR teu Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(4-8) Na expansão desta ordem, Moisés primeiro fixa o lugar onde as pedras seriam colocadas, ou seja, no Monte Ebal (ver em Deuteronômio 11:29), – não em Gerizim, de acordo com a leitura do samaritano Pentateuco; pois desde a discussão da questão por Verschuir (dissertt. phil. exeg. diss. 3) e Gesenius (de Pent. Samar. p. 61), pode ser considerado como um fato estabelecido, que esta leitura é uma alteração arbitrária. A cláusula a seguir, “você deve chatear”, etc., é uma repetição na forma mais antiga de escrita histórica entre os hebreus. A isto se acrescentam em Deuteronômio 27:5-7 as novas e posteriores instruções, de que um altar deveria ser construído sobre Ebal, e ofertas queimadas e ofertas mortas para serem sacrificadas sobre ele. A noção de que este altar deveria ser construído sobre as pedras com a lei escrita sobre elas, ou mesmo com uma parte delas, não precisa de refutação, pois não tem o menor apoio nas palavras do texto. Pois de acordo com estes o altar deveria ser construído de pedras brutas (portanto não das pedras cobertas com cimento), em obediência à lei em Êxodo 20:22 (veja a exposição desta passagem, onde a razão para isto é discutida). O local escolhido para a colocação das pedras com a lei escrita, assim como para o altar e a oferta de sacrifício, foi Ebal, a montanha sobre a qual as maldições seriam proclamadas; não Gerizim, que foi designado para a publicação das bênçãos, pelo mesmo motivo pelo qual apenas as maldições a serem proclamadas são dadas em Deuteronômio 27:14. e não as bênçãos, – não, como Schultz supõe, porque a lei em relação à maldição fala mais forçosamente ao homem pecador do que em relação à bênção, ou porque a maldição, que se manifesta em todas as mãos na vida humana, soa mais confiável do que a promessa; mas, como a Bíblia Berleburger a expressa, “para mostrar como a lei e a economia do Antigo Testamento denunciariam a maldição que repousa sobre toda a raça humana por causa do pecado, para despertar um desejo para o Messias, que deveria tirar a maldição e trazer a verdadeira bênção em seu lugar”. Pois por mais remota que seja a alusão ao Messias, a verdade é inquestionavelmente apontada nestas instruções, que a lei traz principalmente e principalmente uma maldição sobre o homem por causa do pecado de sua natureza, como o próprio Moisés anuncia ao povo em Deuteronômio 31:16-17. E por esta mesma razão o livro da lei deveria ser colocado ao lado da arca da aliança como um “testemunho contra Israel” (Deuteronômio 31:26). Mas o altar foi construído para a oferta de sacrifícios, para moldar e consagrar o estabelecimento da lei sobre as pedras em uma renovação do pacto. Nos holocaustos, Israel se entregou ao Senhor com toda sua vida e trabalho, e na refeição sacrifical entrou no gozo das bênçãos da graça divina, para saborear a bem-aventurança da comunhão vital com seu Deus. Ao conectar a cerimônia sacrificial com o estabelecimento da lei, Israel deu um testemunho prático do fato de que sua vida e bem-aventurança foram fundadas na observância da lei. Os sacrifícios e a refeição sacrificial têm aqui o mesmo significado que na conclusão do pacto no Sinai (Êxodo 24:11). – Em Deuteronômio 27:8, a escrita da lei sobre as pedras é ordenada mais uma vez, e a nova injunção é acrescentada, “muito claramente”. – A redação da lei é mencionada por último, como sendo a mais importante, e não porque deveria ter ocorrido após a cerimônia de sacrifício. As diferentes instruções são organizadas de acordo com seu caráter, e não em ordem cronológica. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E escreverás nas pedras todas as palavras desta lei muito claramente.

Comentário de Keil e Delitzsch

(4-8) Na expansão desta ordem, Moisés primeiro fixa o lugar onde as pedras seriam colocadas, ou seja, no Monte Ebal (ver em Deuteronômio 11:29), – não em Gerizim, de acordo com a leitura do samaritano Pentateuco; pois desde a discussão da questão por Verschuir (dissertt. phil. exeg. diss. 3) e Gesenius (de Pent. Samar. p. 61), pode ser considerado como um fato estabelecido, que esta leitura é uma alteração arbitrária. A cláusula a seguir, “você deve chatear”, etc., é uma repetição na forma mais antiga de escrita histórica entre os hebreus. A isto se acrescentam em Deuteronômio 27:5-7 as novas e posteriores instruções, de que um altar deveria ser construído sobre Ebal, e ofertas queimadas e ofertas mortas para serem sacrificadas sobre ele. A noção de que este altar deveria ser construído sobre as pedras com a lei escrita sobre elas, ou mesmo com uma parte delas, não precisa de refutação, pois não tem o menor apoio nas palavras do texto. Pois de acordo com estes o altar deveria ser construído de pedras brutas (portanto não das pedras cobertas com cimento), em obediência à lei em Êxodo 20:22 (veja a exposição desta passagem, onde a razão para isto é discutida). O local escolhido para a colocação das pedras com a lei escrita, assim como para o altar e a oferta de sacrifício, foi Ebal, a montanha sobre a qual as maldições seriam proclamadas; não Gerizim, que foi designado para a publicação das bênçãos, pelo mesmo motivo pelo qual apenas as maldições a serem proclamadas são dadas em Deuteronômio 27:14. e não as bênçãos, – não, como Schultz supõe, porque a lei em relação à maldição fala mais forçosamente ao homem pecador do que em relação à bênção, ou porque a maldição, que se manifesta em todas as mãos na vida humana, soa mais confiável do que a promessa; mas, como a Bíblia Berleburger a expressa, “para mostrar como a lei e a economia do Antigo Testamento denunciariam a maldição que repousa sobre toda a raça humana por causa do pecado, para despertar um desejo para o Messias, que deveria tirar a maldição e trazer a verdadeira bênção em seu lugar”. Pois por mais remota que seja a alusão ao Messias, a verdade é inquestionavelmente apontada nestas instruções, que a lei traz principalmente e principalmente uma maldição sobre o homem por causa do pecado de sua natureza, como o próprio Moisés anuncia ao povo em Deuteronômio 31:16-17. E por esta mesma razão o livro da lei deveria ser colocado ao lado da arca da aliança como um “testemunho contra Israel” (Deuteronômio 31:26). Mas o altar foi construído para a oferta de sacrifícios, para moldar e consagrar o estabelecimento da lei sobre as pedras em uma renovação do pacto. Nos holocaustos, Israel se entregou ao Senhor com toda sua vida e trabalho, e na refeição sacrifical entrou no gozo das bênçãos da graça divina, para saborear a bem-aventurança da comunhão vital com seu Deus. Ao conectar a cerimônia sacrificial com o estabelecimento da lei, Israel deu um testemunho prático do fato de que sua vida e bem-aventurança foram fundadas na observância da lei. Os sacrifícios e a refeição sacrificial têm aqui o mesmo significado que na conclusão do pacto no Sinai (Êxodo 24:11). – Em Deuteronômio 27:8, a escrita da lei sobre as pedras é ordenada mais uma vez, e a nova injunção é acrescentada, “muito claramente”. – A redação da lei é mencionada por último, como sendo a mais importante, e não porque deveria ter ocorrido após a cerimônia de sacrifício. As diferentes instruções são organizadas de acordo com seu caráter, e não em ordem cronológica. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

As maldições proferidas do  Monte Ebal

9 E Moisés, com os sacerdotes levitas, falou a todo Israel, dizendo: Atende e escuta, Israel: hoje és feito povo do SENHOR teu Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-10) As palavras de Moisés que seguem em Deuteronômio 27:9 e Deuteronômio 27:10, “Cala-te e ouve, ó Israel; hoje te tornaste o povo do Senhor teu Deus”, mostram o significado do ato ordenado; embora principalmente eles simplesmente chamem os israelitas para ouvir atentamente as ordens ainda posteriores. Quando Israel renovou a aliança com o Senhor, ao estabelecer solenemente a lei em Canaã, tornou-se assim a nação de Deus, e ao mesmo tempo se vinculou a ouvir a voz do Senhor e guardar Seus mandamentos, como já havia feito (compare com Deuteronômio 26:17-18). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 Ouvirás, pois, a voz do SENHOR teu Deus, e cumprirás seus mandamentos e seus estatutos, que eu te ordeno hoje.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-10) As palavras de Moisés que seguem em Deuteronômio 27:9 e Deuteronômio 27:10, “Cala-te e ouve, ó Israel; hoje te tornaste o povo do Senhor teu Deus”, mostram o significado do ato ordenado; embora principalmente eles simplesmente chamem os israelitas para ouvir atentamente as ordens ainda posteriores. Quando Israel renovou a aliança com o Senhor, ao estabelecer solenemente a lei em Canaã, tornou-se assim a nação de Deus, e ao mesmo tempo se vinculou a ouvir a voz do Senhor e guardar Seus mandamentos, como já havia feito (compare com Deuteronômio 26:17-18). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 E mandou Moisés ao povo naquele dia, dizendo:

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-13) Com a edificação solene das pedras com a lei escrita sobre elas, Israel deveria transferir para a terra a bênção e a maldição da lei, como já foi ordenado em Deuteronômio 11:29; ou seja, de acordo com a explicação mais minuciosa da ordem que é dada aqui, o próprio povo deveria solenemente dar expressão à bênção e à maldição: à primeira sobre o monte Gerizim, e à segunda sobre Ebal. Sobre a situação destas montanhas, ver em Deuteronômio 11:29. Para este fim, seis tribos deveriam se posicionar no topo ou lado de Gerizim, e seis no topo ou lado de Ebal. A bênção seria proferida pelas tribos de Simeão, Levi, Judá, Issachar, José e Benjamim, que surgiram das duas esposas de Jacó; e a maldição por Rúben, com os dois filhos da criada de Léia Zilpah, e por Zebulom, com Dan e Naftali, os filhos da criada de Raquel Bilhah. Era natural que a pronunciação da bênção fosse atribuída às tribos que surgiram das próprias esposas de Jacó, já que os filhos das esposas ocupavam uma posição mais elevada do que os filhos das criadas – da mesma forma que a bênção tinha preeminência sobre a maldição. Mas para garantir a divisão em dois seis, foi necessário que dois dos oito filhos das esposas fossem associados àqueles que pronunciaram as maldições. A escolha recaiu sobre Rúben, porque ele havia perdido seu direito de primogenitura por seu incesto (Gênesis 49:4), e sobre Zebulom, como o filho mais novo de Léia. “Estarão ali sobre a maldição”, ou seja, para pronunciar a maldição. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Estes estarão sobre o monte de Gerizim para abençoar ao povo, quando houverdes passado o Jordão: Simeão, e Levi, e Judá, e Issacar, e José e Benjamim.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-13) Com a edificação solene das pedras com a lei escrita sobre elas, Israel deveria transferir para a terra a bênção e a maldição da lei, como já foi ordenado em Deuteronômio 11:29; ou seja, de acordo com a explicação mais minuciosa da ordem que é dada aqui, o próprio povo deveria solenemente dar expressão à bênção e à maldição: à primeira sobre o monte Gerizim, e à segunda sobre Ebal. Sobre a situação destas montanhas, ver em Deuteronômio 11:29. Para este fim, seis tribos deveriam se posicionar no topo ou lado de Gerizim, e seis no topo ou lado de Ebal. A bênção seria proferida pelas tribos de Simeão, Levi, Judá, Issachar, José e Benjamim, que surgiram das duas esposas de Jacó; e a maldição por Rúben, com os dois filhos da criada de Léia Zilpah, e por Zebulom, com Dan e Naftali, os filhos da criada de Raquel Bilhah. Era natural que a pronunciação da bênção fosse atribuída às tribos que surgiram das próprias esposas de Jacó, já que os filhos das esposas ocupavam uma posição mais elevada do que os filhos das criadas – da mesma forma que a bênção tinha preeminência sobre a maldição. Mas para garantir a divisão em dois seis, foi necessário que dois dos oito filhos das esposas fossem associados àqueles que pronunciaram as maldições. A escolha recaiu sobre Rúben, porque ele havia perdido seu direito de primogenitura por seu incesto (Gênesis 49:4), e sobre Zebulom, como o filho mais novo de Léia. “Estarão ali sobre a maldição”, ou seja, para pronunciar a maldição. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 E estes estarão para pronunciar a maldição no de Ebal: Rúben, Gade, e Aser, e Zebulom, Dã, e Naftali.

Comentário de Robert Jamieson

E estes estarão para pronunciar a maldição no de Ebal – Aqueles longos cumes rochosos jaziam na província de Samaria, e os picos referidos eram próximos a Siquém (Nablous), subindo em precipícios íngremes até a altura de cerca de oitocentos pés e separados por um verde. vale bem regado de cerca de quinhentos metros de largura. O povo de Israel foi dividido em duas partes. No monte Gerizim (agora Jebel-et-Tur) estavam estacionados os descendentes de Raquel e Lia, as duas principais esposas de Jacó, e a eles foi designado o mais agradável e honroso ofício de pronunciar as bênçãos; enquanto na colina gêmea de Ebal (agora Imad-el-Deen) foi colocada a posteridade das duas esposas secundárias, Zilpah e Bilhah, com as de Rúben, que haviam perdido a primogenitura, e Zebulom, o filho mais novo de Lia; para eles foi cometido o dever necessário, mas doloroso, de pronunciar as maldições (ver Juízes 9:7). A cerimônia pode ter ocorrido nas espiras inferiores das montanhas, onde eles se aproximam mais uns dos outros; e o curso observado foi o seguinte: Em meio às silenciosas expectativas da assembléia solene, os sacerdotes que estavam em volta da arca no vale abaixo, disseram em voz alta, olhando para Gerizim: “Bem-aventurado o homem que não faz qualquer imagem de escultura”, quando o as pessoas que corriam naquela colina responderam em gritos simultâneos e completos de “Amém”; Depois, voltando-se para Ebal, gritaram: “Maldito é o homem que faz qualquer imagem esculpida”; ao qual aqueles que cobriam o cume responderam: “Amém”. O mesmo proceder a cada pausa foi seguido com todas as bênçãos e maldições (ver em Josué 8:33-34). Essas maldições, decorrentes da desobediência à vontade divina, que haviam sido reveladas como uma lei do céu, seja observada, são dadas na forma de uma declaração, não um desejo, como as palavras devem ser traduzidas, “Amaldiçoado é ele” e não: “Maldito seja ele”. [JFB, aguardando revisão]

14 E falarão os levitas, e dirão a todo homem de Israel em alta voz:

Comentário de Keil e Delitzsch

“E os levitas se levantarão e falarão a todos os homens de Israel com uma voz alta:” ou seja, os levitas devem se levantar e falar a todos os homens de Israel pronunciarão as diferentes fórmulas de bênção e maldição, voltando-se para as tribos às quais se aplicam estas afirmações; e todos os homens de Israel responderão “Amém”, para tomar para si a bênção e a maldição, como pronunciaram; como no caso da bênção sacerdotal em Números 5:22, e em conexão com cada juramento, no qual a pessoa que jurava tomou sobre si o juramento que foi pronunciado, respondendo “Amém”. “Os Levitas” não são todos os membros da tribo de Levi, mas aqueles “em quem o caráter espiritual de Levi se manifestou mais decididamente” (Baumgarten), ou seja, os sacerdotes levíticos, como guardiães e mestres da lei, e aqueles que levavam a arca do pacto (Josué 8:33). Da passagem em Josué, onde se registra o cumprimento das injunções do Mosaico, ficamos sabendo que os sacerdotes levíticos se colocaram no centro entre as duas montanhas, com a arca do pacto, e que o povo assumiu sua posição, de ambos os lados, em frente à arca, ou seja, seis tribos em Gerizim, e seis em Ebal. Os sacerdotes, que estavam no meio, junto à arca do pacto, pronunciaram então os diferentes formulários de bênção e maldição, aos quais as seis tribos responderam “Amém”. Da expressão “todos os homens de Israel”, é perfeitamente evidente que nesta cerimônia particular o povo não era representado por seus anciãos ou chefes, mas estava presente nas pessoas de todos os seus homens adultos com mais de vinte anos de idade; e com isto Josué 8:33, quando corretamente interpretado, harmoniza plenamente. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 Maldito o homem que fizer escultura ou imagem de fundição, abominação ao SENHOR, obra da mão de artífice, e a puser em oculto. E todo o povo responderá e dirá: Amém.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 27:15-26 seguem doze maldições, correspondendo ao número das tribos de Israel. A primeira é dirigida contra aqueles que fazem imagens esculpidas ou fundidas de Jeová, e as colocam em segredo, ou seja, contra violações do segundo mandamento (Êxodo 20:4); a segunda contra o desprezo ou falta de reverência para com os pais (Êxodo 21:17); a terceira contra aqueles que removem os limites (Deuteronômio 19:14); a quarta contra o homem que conduz os cegos ao engano (Levítico 19: 14); o quinto contra aqueles que pervertem o direito dos órfãos e viúvas (Deuteronômio 24:17); o sexto contra o incesto com uma mãe (Deuteronômio 23:1; Deuteronômio 18:8); o sétimo contra vícios não naturais (Levítico 18:23); o oitavo e o nono contra o incesto com uma irmã ou sogra (Levítico 18:9 e Levítico 18:17); o décimo contra o assassinato secreto (Êxodo 20:13; Números 35:16. ); o décimo primeiro contra o assassinato judicial (“aquele que recebe recompensa para matar uma alma, a saber, sangue inocente:”. Êxodo 23:7-8); o duodécimo contra o homem que não estabelece as palavras desta lei para fazê-las, que não faz das leis o modelo e padrão de sua vida e conduta. Desta última maldição, que se aplicava a toda violação da lei, segue-se evidentemente que os diferentes pecados e transgressões já mencionados foram selecionados apenas a título de exemplo, e em sua maioria foram tais que poderiam ser facilmente ocultados às autoridades judiciais. Ao mesmo tempo, “o ofício da lei é mostrado nesta última afirmação, a soma de todo o resto, como tendo sido preeminente para proclamar a condenação”. Todo ato consciente de transgressão sujeita o pecador à maldição de Deus, da qual ninguém senão Aquele que se tornou uma maldição para nós pode possivelmente nos libertar” (Gálatas 3:10, Gálatas 3:13. O. v. Gerlach). – Sobre a razão pela qual as bênçãos não são dadas, veja as observações sobre Deuteronômio 27:4. Como as maldições contra transgressões particulares da lei simplesmente mencionam alguns pecados peculiares a título de exemplo, seria fácil destacar as bênçãos correspondentes do conteúdo geral da lei: por exemplo, “Abençoado seja aquele que segue fielmente o Senhor seu Deus, ou O ama com o coração, que honra seu pai e sua mãe”, etc.; e por último, todas as bênçãos da lei poderiam ser resumidas nas palavras: “Abençoado seja aquele que estabelece as palavras desta lei, para fazê-las”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 Maldito o que desonrar a seu pai ou a sua mãe. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de Robert Jamieson

Maldito o que desonrar a seu pai ou a sua mãe. Até hoje, todo judeu, assim como muçulmano, que passa pelo túmulo de Absalom, no bairro de Jerusalém, atira-lhe uma pedra, repetindo junto com o ato as palavras desta maldição. Estas bênçãos e maldições, atentas à desobediência à vontade divina, que havia sido revelada como uma lei do céu, seja ela observada, são dadas na forma de uma declaração, não de um desejo, pois as palavras devem ser proferidas, “Maldito seja ele”, e não “Maldito seja ele”. O caráter físico e a aparência destas montanhas notáveis não determinaram a escolha de qual deveria ser o monte da bênção e qual o da maldição. Eeybaal, de fato, é derivado por Gesenius de ‘aabal, para despojar uma árvore de suas folhas, como se fosse uma colina nua, acidentada e desolada. Gªriziy, deve, de acordo com este princípio etimológico, ser rastreável até alguma raiz, indicando sua aparência sorridente e florida. Mas geralmente se supõe que tenha obtido seu nome de uma tribo indígena – os Gerizzi (1Samuel 27:8, margem) – sendo “monte dos Gerizzi” (compare com Juízes 12:15).

Os dois montes não são muito diferentes no ponto de caráter: partes deles exibem a aparência de rochas nuas, enquanto outras partes deles aparecem ricamente vestidas com cultura artificial – Balas cobertas com jardins de cactos, e Gerizim revestidas de oliveiras. Foram levantadas objeções contra a suposta impossibilidade física da grande multidão, que variava em divisões iguais em colinas opostas, sendo capaz de ouvir e compreender os preceitos tal como foram enunciados sucessivamente. Em resposta a esta alegação, talvez seja suficiente compreender os preceitos tal como foram enunciados sucessivamente. Em resposta a esta alegação, talvez seja suficiente dizer aqui: (1) Que as pessoas que se encontram nestas duas colinas podem, na atmosfera clara e elástica da Palestina, ser perfeitamente ouvidas uma pela outra conversando ou lendo, sem qualquer tensão extraordinária de voz; e (2) Que os levitas, que estavam à frente de diferentes grupos (Deuteronômio 27:9; Deuteronômio 27:14) repetiram as bênçãos e as maldições que foram pronunciadas. [Jamieson, aguardando revisão]

17 Maldito o que reduzir o termo de seu próximo. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 27:15-26 seguem doze maldições, correspondendo ao número das tribos de Israel. A primeira é dirigida contra aqueles que fazem imagens esculpidas ou fundidas de Jeová, e as colocam em segredo, ou seja, contra violações do segundo mandamento (Êxodo 20:4); a segunda contra o desprezo ou falta de reverência para com os pais (Êxodo 21:17); a terceira contra aqueles que removem os limites (Deuteronômio 19:14); a quarta contra o homem que conduz os cegos ao engano (Levítico 19: 14); o quinto contra aqueles que pervertem o direito dos órfãos e viúvas (Deuteronômio 24:17); o sexto contra o incesto com uma mãe (Deuteronômio 23:1; Deuteronômio 18:8); o sétimo contra vícios não naturais (Levítico 18:23); o oitavo e o nono contra o incesto com uma irmã ou sogra (Levítico 18:9 e Levítico 18:17); o décimo contra o assassinato secreto (Êxodo 20:13; Números 35:16. ); o décimo primeiro contra o assassinato judicial (“aquele que recebe recompensa para matar uma alma, a saber, sangue inocente:”. Êxodo 23:7-8); o duodécimo contra o homem que não estabelece as palavras desta lei para fazê-las, que não faz das leis o modelo e padrão de sua vida e conduta. Desta última maldição, que se aplicava a toda violação da lei, segue-se evidentemente que os diferentes pecados e transgressões já mencionados foram selecionados apenas a título de exemplo, e em sua maioria foram tais que poderiam ser facilmente ocultados às autoridades judiciais. Ao mesmo tempo, “o ofício da lei é mostrado nesta última afirmação, a soma de todo o resto, como tendo sido preeminente para proclamar a condenação”. Todo ato consciente de transgressão sujeita o pecador à maldição de Deus, da qual ninguém senão Aquele que se tornou uma maldição para nós pode possivelmente nos libertar” (Gálatas 3:10, Gálatas 3:13. O. v. Gerlach). – Sobre a razão pela qual as bênçãos não são dadas, veja as observações sobre Deuteronômio 27:4. Como as maldições contra transgressões particulares da lei simplesmente mencionam alguns pecados peculiares a título de exemplo, seria fácil destacar as bênçãos correspondentes do conteúdo geral da lei: por exemplo, “Abençoado seja aquele que segue fielmente o Senhor seu Deus, ou O ama com o coração, que honra seu pai e sua mãe”, etc.; e por último, todas as bênçãos da lei poderiam ser resumidas nas palavras: “Abençoado seja aquele que estabelece as palavras desta lei, para fazê-las”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Maldito o que fizer errar ao cego no caminho. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de C. H. Waller

ao cego. “Aquele que está no escuro sobre qualquer assunto, quando alguém o engana com conselhos malignos” (Rashi). [Ellicott, aguardando revisão]

19 Maldito o que distorcer o direito do estrangeiro, do órfão, e da viúva. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 27:15-26 seguem doze maldições, correspondendo ao número das tribos de Israel. A primeira é dirigida contra aqueles que fazem imagens esculpidas ou fundidas de Jeová, e as colocam em segredo, ou seja, contra violações do segundo mandamento (Êxodo 20:4); a segunda contra o desprezo ou falta de reverência para com os pais (Êxodo 21:17); a terceira contra aqueles que removem os limites (Deuteronômio 19:14); a quarta contra o homem que conduz os cegos ao engano (Levítico 19: 14); o quinto contra aqueles que pervertem o direito dos órfãos e viúvas (Deuteronômio 24:17); o sexto contra o incesto com uma mãe (Deuteronômio 23:1; Deuteronômio 18:8); o sétimo contra vícios não naturais (Levítico 18:23); o oitavo e o nono contra o incesto com uma irmã ou sogra (Levítico 18:9 e Levítico 18:17); o décimo contra o assassinato secreto (Êxodo 20:13; Números 35:16. ); o décimo primeiro contra o assassinato judicial (“aquele que recebe recompensa para matar uma alma, a saber, sangue inocente:”. Êxodo 23:7-8); o duodécimo contra o homem que não estabelece as palavras desta lei para fazê-las, que não faz das leis o modelo e padrão de sua vida e conduta. Desta última maldição, que se aplicava a toda violação da lei, segue-se evidentemente que os diferentes pecados e transgressões já mencionados foram selecionados apenas a título de exemplo, e em sua maioria foram tais que poderiam ser facilmente ocultados às autoridades judiciais. Ao mesmo tempo, “o ofício da lei é mostrado nesta última afirmação, a soma de todo o resto, como tendo sido preeminente para proclamar a condenação”. Todo ato consciente de transgressão sujeita o pecador à maldição de Deus, da qual ninguém senão Aquele que se tornou uma maldição para nós pode possivelmente nos libertar” (Gálatas 3:10, Gálatas 3:13. O. v. Gerlach). – Sobre a razão pela qual as bênçãos não são dadas, veja as observações sobre Deuteronômio 27:4. Como as maldições contra transgressões particulares da lei simplesmente mencionam alguns pecados peculiares a título de exemplo, seria fácil destacar as bênçãos correspondentes do conteúdo geral da lei: por exemplo, “Abençoado seja aquele que segue fielmente o Senhor seu Deus, ou O ama com o coração, que honra seu pai e sua mãe”, etc.; e por último, todas as bênçãos da lei poderiam ser resumidas nas palavras: “Abençoado seja aquele que estabelece as palavras desta lei, para fazê-las”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 Maldito o que se deitar com a mulher de seu pai; porquanto revelou o colo de seu pai. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 27:15-26 seguem doze maldições, correspondendo ao número das tribos de Israel. A primeira é dirigida contra aqueles que fazem imagens esculpidas ou fundidas de Jeová, e as colocam em segredo, ou seja, contra violações do segundo mandamento (Êxodo 20:4); a segunda contra o desprezo ou falta de reverência para com os pais (Êxodo 21:17); a terceira contra aqueles que removem os limites (Deuteronômio 19:14); a quarta contra o homem que conduz os cegos ao engano (Levítico 19: 14); o quinto contra aqueles que pervertem o direito dos órfãos e viúvas (Deuteronômio 24:17); o sexto contra o incesto com uma mãe (Deuteronômio 23:1; Deuteronômio 18:8); o sétimo contra vícios não naturais (Levítico 18:23); o oitavo e o nono contra o incesto com uma irmã ou sogra (Levítico 18:9 e Levítico 18:17); o décimo contra o assassinato secreto (Êxodo 20:13; Números 35:16. ); o décimo primeiro contra o assassinato judicial (“aquele que recebe recompensa para matar uma alma, a saber, sangue inocente:”. Êxodo 23:7-8); o duodécimo contra o homem que não estabelece as palavras desta lei para fazê-las, que não faz das leis o modelo e padrão de sua vida e conduta. Desta última maldição, que se aplicava a toda violação da lei, segue-se evidentemente que os diferentes pecados e transgressões já mencionados foram selecionados apenas a título de exemplo, e em sua maioria foram tais que poderiam ser facilmente ocultados às autoridades judiciais. Ao mesmo tempo, “o ofício da lei é mostrado nesta última afirmação, a soma de todo o resto, como tendo sido preeminente para proclamar a condenação”. Todo ato consciente de transgressão sujeita o pecador à maldição de Deus, da qual ninguém senão Aquele que se tornou uma maldição para nós pode possivelmente nos libertar” (Gálatas 3:10, Gálatas 3:13. O. v. Gerlach). – Sobre a razão pela qual as bênçãos não são dadas, veja as observações sobre Deuteronômio 27:4. Como as maldições contra transgressões particulares da lei simplesmente mencionam alguns pecados peculiares a título de exemplo, seria fácil destacar as bênçãos correspondentes do conteúdo geral da lei: por exemplo, “Abençoado seja aquele que segue fielmente o Senhor seu Deus, ou O ama com o coração, que honra seu pai e sua mãe”, etc.; e por último, todas as bênçãos da lei poderiam ser resumidas nas palavras: “Abençoado seja aquele que estabelece as palavras desta lei, para fazê-las”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 Maldito o que tiver parte com qualquer animal. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 27:15-26 seguem doze maldições, correspondendo ao número das tribos de Israel. A primeira é dirigida contra aqueles que fazem imagens esculpidas ou fundidas de Jeová, e as colocam em segredo, ou seja, contra violações do segundo mandamento (Êxodo 20:4); a segunda contra o desprezo ou falta de reverência para com os pais (Êxodo 21:17); a terceira contra aqueles que removem os limites (Deuteronômio 19:14); a quarta contra o homem que conduz os cegos ao engano (Levítico 19: 14); o quinto contra aqueles que pervertem o direito dos órfãos e viúvas (Deuteronômio 24:17); o sexto contra o incesto com uma mãe (Deuteronômio 23:1; Deuteronômio 18:8); o sétimo contra vícios não naturais (Levítico 18:23); o oitavo e o nono contra o incesto com uma irmã ou sogra (Levítico 18:9 e Levítico 18:17); o décimo contra o assassinato secreto (Êxodo 20:13; Números 35:16. ); o décimo primeiro contra o assassinato judicial (“aquele que recebe recompensa para matar uma alma, a saber, sangue inocente:”. Êxodo 23:7-8); o duodécimo contra o homem que não estabelece as palavras desta lei para fazê-las, que não faz das leis o modelo e padrão de sua vida e conduta. Desta última maldição, que se aplicava a toda violação da lei, segue-se evidentemente que os diferentes pecados e transgressões já mencionados foram selecionados apenas a título de exemplo, e em sua maioria foram tais que poderiam ser facilmente ocultados às autoridades judiciais. Ao mesmo tempo, “o ofício da lei é mostrado nesta última afirmação, a soma de todo o resto, como tendo sido preeminente para proclamar a condenação”. Todo ato consciente de transgressão sujeita o pecador à maldição de Deus, da qual ninguém senão Aquele que se tornou uma maldição para nós pode possivelmente nos libertar” (Gálatas 3:10, Gálatas 3:13. O. v. Gerlach). – Sobre a razão pela qual as bênçãos não são dadas, veja as observações sobre Deuteronômio 27:4. Como as maldições contra transgressões particulares da lei simplesmente mencionam alguns pecados peculiares a título de exemplo, seria fácil destacar as bênçãos correspondentes do conteúdo geral da lei: por exemplo, “Abençoado seja aquele que segue fielmente o Senhor seu Deus, ou O ama com o coração, que honra seu pai e sua mãe”, etc.; e por último, todas as bênçãos da lei poderiam ser resumidas nas palavras: “Abençoado seja aquele que estabelece as palavras desta lei, para fazê-las”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 Maldito o que se deitar com sua irmã, filha de seu pai, ou filha de sua mãe. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 27:15-26 seguem doze maldições, correspondendo ao número das tribos de Israel. A primeira é dirigida contra aqueles que fazem imagens esculpidas ou fundidas de Jeová, e as colocam em segredo, ou seja, contra violações do segundo mandamento (Êxodo 20:4); a segunda contra o desprezo ou falta de reverência para com os pais (Êxodo 21:17); a terceira contra aqueles que removem os limites (Deuteronômio 19:14); a quarta contra o homem que conduz os cegos ao engano (Levítico 19: 14); o quinto contra aqueles que pervertem o direito dos órfãos e viúvas (Deuteronômio 24:17); o sexto contra o incesto com uma mãe (Deuteronômio 23:1; Deuteronômio 18:8); o sétimo contra vícios não naturais (Levítico 18:23); o oitavo e o nono contra o incesto com uma irmã ou sogra (Levítico 18:9 e Levítico 18:17); o décimo contra o assassinato secreto (Êxodo 20:13; Números 35:16. ); o décimo primeiro contra o assassinato judicial (“aquele que recebe recompensa para matar uma alma, a saber, sangue inocente:”. Êxodo 23:7-8); o duodécimo contra o homem que não estabelece as palavras desta lei para fazê-las, que não faz das leis o modelo e padrão de sua vida e conduta. Desta última maldição, que se aplicava a toda violação da lei, segue-se evidentemente que os diferentes pecados e transgressões já mencionados foram selecionados apenas a título de exemplo, e em sua maioria foram tais que poderiam ser facilmente ocultados às autoridades judiciais. Ao mesmo tempo, “o ofício da lei é mostrado nesta última afirmação, a soma de todo o resto, como tendo sido preeminente para proclamar a condenação”. Todo ato consciente de transgressão sujeita o pecador à maldição de Deus, da qual ninguém senão Aquele que se tornou uma maldição para nós pode possivelmente nos libertar” (Gálatas 3:10, Gálatas 3:13. O. v. Gerlach). – Sobre a razão pela qual as bênçãos não são dadas, veja as observações sobre Deuteronômio 27:4. Como as maldições contra transgressões particulares da lei simplesmente mencionam alguns pecados peculiares a título de exemplo, seria fácil destacar as bênçãos correspondentes do conteúdo geral da lei: por exemplo, “Abençoado seja aquele que segue fielmente o Senhor seu Deus, ou O ama com o coração, que honra seu pai e sua mãe”, etc.; e por último, todas as bênçãos da lei poderiam ser resumidas nas palavras: “Abençoado seja aquele que estabelece as palavras desta lei, para fazê-las”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 Maldito o que se deitar com sua sogra. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Deuteronômio 27:15-26 seguem doze maldições, correspondendo ao número das tribos de Israel. A primeira é dirigida contra aqueles que fazem imagens esculpidas ou fundidas de Jeová, e as colocam em segredo, ou seja, contra violações do segundo mandamento (Êxodo 20:4); a segunda contra o desprezo ou falta de reverência para com os pais (Êxodo 21:17); a terceira contra aqueles que removem os limites (Deuteronômio 19:14); a quarta contra o homem que conduz os cegos ao engano (Levítico 19: 14); o quinto contra aqueles que pervertem o direito dos órfãos e viúvas (Deuteronômio 24:17); o sexto contra o incesto com uma mãe (Deuteronômio 23:1; Deuteronômio 18:8); o sétimo contra vícios não naturais (Levítico 18:23); o oitavo e o nono contra o incesto com uma irmã ou sogra (Levítico 18:9 e Levítico 18:17); o décimo contra o assassinato secreto (Êxodo 20:13; Números 35:16. ); o décimo primeiro contra o assassinato judicial (“aquele que recebe recompensa para matar uma alma, a saber, sangue inocente:”. Êxodo 23:7-8); o duodécimo contra o homem que não estabelece as palavras desta lei para fazê-las, que não faz das leis o modelo e padrão de sua vida e conduta. Desta última maldição, que se aplicava a toda violação da lei, segue-se evidentemente que os diferentes pecados e transgressões já mencionados foram selecionados apenas a título de exemplo, e em sua maioria foram tais que poderiam ser facilmente ocultados às autoridades judiciais. Ao mesmo tempo, “o ofício da lei é mostrado nesta última afirmação, a soma de todo o resto, como tendo sido preeminente para proclamar a condenação”. Todo ato consciente de transgressão sujeita o pecador à maldição de Deus, da qual ninguém senão Aquele que se tornou uma maldição para nós pode possivelmente nos libertar” (Gálatas 3:10, Gálatas 3:13. O. v. Gerlach). – Sobre a razão pela qual as bênçãos não são dadas, veja as observações sobre Deuteronômio 27:4. Como as maldições contra transgressões particulares da lei simplesmente mencionam alguns pecados peculiares a título de exemplo, seria fácil destacar as bênçãos correspondentes do conteúdo geral da lei: por exemplo, “Abençoado seja aquele que segue fielmente o Senhor seu Deus, ou O ama com o coração, que honra seu pai e sua mãe”, etc.; e por último, todas as bênçãos da lei poderiam ser resumidas nas palavras: “Abençoado seja aquele que estabelece as palavras desta lei, para fazê-las”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 Maldito o que ferir a seu próximo ocultamente. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de S. R. Driver

que ferirocultamente – não é a expressão usual para assassinato: sem dúvida escolhida aqui com o propósito de abraçar na maldição até o assassino que consegue escapar da detecção pela justiça humana. בַּסָּ֑תֶר, como em Deuteronômio 27:15; 13:7; 28:57; de outros crimes, 2Samuel 12:12; Salmo 101:5; Jó 13:10; 31:27. [Driver, aguardando revisão]

25 Maldito o que receber um presente para ferir de morte ao inocente. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de S. R. Driver

o que receber um presente para ferir de morte ao inocente – em Deuteronômio 16:19; Êxodo 23:8 o recebimento de subornos é proibido em geral, não com referência ao caso especial aqui contemplado. Cf. Ezequiel 22:12 “em ti receberam suborno para derramar sangue”. [Driver, aguardando revisão]

26 Maldito o que não confirmar as palavras desta lei para as cumprir. E dirá todo o povo: Amém.

Comentário de C. H. Waller

Maldito o que não confirmar as palavras desta lei para as cumprir. “Aqui ele resume toda a Lei, toda ela, e eles a tomaram com uma maldição e um juramento” (Rashi). Deste verso Paulo também explica que “tantos quantos são das obras da lei, estão sob uma maldição”. Pois nenhum homem pode fazer todas elas. E, portanto, é impossível assegurar a bênção de Gerizim a não ser através d’Aquele que desceu a maldição de Ebal. “Cristo nos redimiu da maldição da lei, sendo feita uma maldição para nós, como está escrito, maldito é todo aquele que está pendurado em um madeiro”. [Ellicott, aguardando revisão]

<Deuteronômio 26 Deuteronômio 28>

Introdução à Deuteronômio 27

A conclusão do pacto na terra de Moabe, como último discurso nesta seção (cap. 29 e 30) é chamada no título (Deuteronômio 29:1) e na introdução (Deuteronômio 29:9), ou seja, a renovação do pacto concluído em Horeb, começa com instruções para estabelecer a lei de forma solene na terra de Canaã após a travessia do Jordão (cap. 27). Depois disso, segue-se uma exposição elaborada das bênçãos e maldições que recairiam sobre o povo de acordo com sua atitude em relação à lei (cap. 28). E por último, Moisés coloca toda a nação com um discurso solene diante da face do Senhor, e coloca diante dela mais uma vez a bênção e a maldição em palavras poderosas e alarmantes, com a exortação de escolher a bênção e a vida (cap. 29 e 30). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.