Deuteronômio 26

Os primeiros frutos e os dízimos

1 E será que, quando houveres entrado na terra que o SENHOR teu Deus te dá por herança, e a possuíres, e habitares nela;

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-4) Do primeiro fruto da terra, que foi apresentado da terra recebida do Senhor, os israelitas deveriam pegar uma porção (מראשׁית com מן partitive), e levá-la em uma cesta para o lugar do santuário, e dá-la ao sacerdote que deveria estar lá, com as palavras: “Fiz saber hoje ao Senhor teu Deus, que entrei na terra que o Senhor jurou a nossos pais nos dar”, sobre a qual o sacerdote deveria pegar a cesta e colocá-la diante do altar de Jeová (Deuteronômio 26: 1-4). Do partitivo מראשׁית não podemos inferir, como Schultz supõe, que as primícias não deveriam ser todas entregues no santuário, assim como também não se pode inferir do Êxodo 23:19 (veja a explicação desta passagem). Tudo o que está implícito é que, para o propósito descrito posteriormente, não foi necessário colocar todas as ofertas de primícias em uma cesta e colocá-las diante do altar. טנא (Deuteronômio 26:2, Deuteronômio 26:4, e Deuteronômio 28:5, Deuteronômio 28:17) é uma cesta de vime, e não, como sustenta Knobel, a palavra do Deuterônomo para צנצנת rof (Êxodo 16:33. “O sacerdote” não é o sumo sacerdote, mas o sacerdote que tinha que assistir ao serviço do altar e receber os presentes de sacrifício. – As palavras, “Eu hoje dei a conhecer ao Senhor teu Deus”, referem-se à confissão prática que foi feita através da apresentação das primícias. O fruto foi a prova tangível de que eles estavam de posse da terra, e a apresentação do primeiro deste fruto a confissão prática de que eles estavam em dívida com o Senhor pela terra. Esta confissão o ofertante deveria também encarnar em uma oração de ação de graças, após a cesta ter sido recebida pelo sacerdote, na qual ele confessava que ele e seu povo deviam sua existência e bem-estar à graça de Deus, manifestada na redenção milagrosa de Israel da opressão do Egito e sua orientação para Canaã. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

2 Então tomarás das primícias de todos os frutos da terra, que tirares de tua terra que o SENHOR teu Deus te dá, e o porás em um cesto, e irás ao lugar que o SENHOR teu Deus escolher para fazer habitar ali seu nome.

Comentário de Robert Jamieson

tomarás das primícias de todos os frutos da terra – Os israelitas em Canaã, sendo os inquilinos de vontade de Deus, foram obrigados a dar-lhe tributo na forma de primícias e dízimos. Nenhum israelita tinha liberdade para usar quaisquer produções de seu campo até ter apresentado as ofertas requeridas. O tributo começou a ser exigível após a colonização na terra prometida, e era repetido anualmente em uma das grandes festas (Levítico 2:14; 23:10,15; Números 28:26; Deuteronômio 16:9). Todo dono de uma família levava-o sobre os ombros numa pequena cestinha de vime, salgueiro descascado ou folhas de palmeira e levava-o ao santuário. [JFB, aguardando revisão]

3 E chegarás ao sacerdote que for naqueles dias, e lhe dirás: Reconheço hoje ao SENHOR teu Deus que ei entrado na terra que jurou o SENHOR a nossos pais que nos havia de dar.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-4) Do primeiro fruto da terra, que foi apresentado da terra recebida do Senhor, os israelitas deveriam pegar uma porção (מראשׁית com מן partitive), e levá-la em uma cesta para o lugar do santuário, e dá-la ao sacerdote que deveria estar lá, com as palavras: “Fiz saber hoje ao Senhor teu Deus, que entrei na terra que o Senhor jurou a nossos pais nos dar”, sobre a qual o sacerdote deveria pegar a cesta e colocá-la diante do altar de Jeová (Deuteronômio 26: 1-4). Do partitivo מראשׁית não podemos inferir, como Schultz supõe, que as primícias não deveriam ser todas entregues no santuário, assim como também não se pode inferir do Êxodo 23:19 (veja a explicação desta passagem). Tudo o que está implícito é que, para o propósito descrito posteriormente, não foi necessário colocar todas as ofertas de primícias em uma cesta e colocá-las diante do altar. טנא (Deuteronômio 26:2, Deuteronômio 26:4, e Deuteronômio 28:5, Deuteronômio 28:17) é uma cesta de vime, e não, como sustenta Knobel, a palavra do Deuterônomo para צנצנת rof (Êxodo 16:33. “O sacerdote” não é o sumo sacerdote, mas o sacerdote que tinha que assistir ao serviço do altar e receber os presentes de sacrifício. – As palavras, “Eu hoje dei a conhecer ao Senhor teu Deus”, referem-se à confissão prática que foi feita através da apresentação das primícias. O fruto foi a prova tangível de que eles estavam de posse da terra, e a apresentação do primeiro deste fruto a confissão prática de que eles estavam em dívida com o Senhor pela terra. Esta confissão o ofertante deveria também encarnar em uma oração de ação de graças, após a cesta ter sido recebida pelo sacerdote, na qual ele confessava que ele e seu povo deviam sua existência e bem-estar à graça de Deus, manifestada na redenção milagrosa de Israel da opressão do Egito e sua orientação para Canaã. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 E o sacerdote tomará o cesto de tua mão, e o porá diante do altar do SENHOR teu Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-4) Do primeiro fruto da terra, que foi apresentado da terra recebida do Senhor, os israelitas deveriam pegar uma porção (מראשׁית com מן partitive), e levá-la em uma cesta para o lugar do santuário, e dá-la ao sacerdote que deveria estar lá, com as palavras: “Fiz saber hoje ao Senhor teu Deus, que entrei na terra que o Senhor jurou a nossos pais nos dar”, sobre a qual o sacerdote deveria pegar a cesta e colocá-la diante do altar de Jeová (Deuteronômio 26: 1-4). Do partitivo מראשׁית não podemos inferir, como Schultz supõe, que as primícias não deveriam ser todas entregues no santuário, assim como também não se pode inferir do Êxodo 23:19 (veja a explicação desta passagem). Tudo o que está implícito é que, para o propósito descrito posteriormente, não foi necessário colocar todas as ofertas de primícias em uma cesta e colocá-las diante do altar. טנא (Deuteronômio 26:2, Deuteronômio 26:4, e Deuteronômio 28:5, Deuteronômio 28:17) é uma cesta de vime, e não, como sustenta Knobel, a palavra do Deuterônomo para צנצנת rof (Êxodo 16:33. “O sacerdote” não é o sumo sacerdote, mas o sacerdote que tinha que assistir ao serviço do altar e receber os presentes de sacrifício. – As palavras, “Eu hoje dei a conhecer ao Senhor teu Deus”, referem-se à confissão prática que foi feita através da apresentação das primícias. O fruto foi a prova tangível de que eles estavam de posse da terra, e a apresentação do primeiro deste fruto a confissão prática de que eles estavam em dívida com o Senhor pela terra. Esta confissão o ofertante deveria também encarnar em uma oração de ação de graças, após a cesta ter sido recebida pelo sacerdote, na qual ele confessava que ele e seu povo deviam sua existência e bem-estar à graça de Deus, manifestada na redenção milagrosa de Israel da opressão do Egito e sua orientação para Canaã. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 Então falarás e dirás diante do SENHOR teu Deus: Um arameu a ponto de perecer foi meu pai, o qual desceu ao Egito e peregrinou ali com poucos homens, e ali cresceu em gente grande, forte e numerosa:

Comentário de Robert Jamieson

dirásUm arameu a ponto de perecer foi meu pai – Os antepassados ​​dos hebreus eram pastores nômades, ou sírios de nascimento como Abraão, ou por longa residência como Jacó. Quando se estabeleceram como uma nação na posse da terra prometida, estavam em dívida com a bondade imerecida de Deus por seus distintos privilégios e, em sinal de gratidão, trouxeram esta cesta de primeiros frutos. [JFB, aguardando revisão]

6 E os egípcios nos maltrataram, e nos afligiram, e puseram sobre nós dura servidão.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-9) אבי אבד ארמּי, “um arameu perdido (perecer) era meu pai” (não o arameu, Labão, queria destruir meu pai, Jacó, como os caldeus, árabes, Lutero e outros o traduzem). אבד significa não apenas se desviar, vagar, mas perecer, em perigo de perecer, como em Jó 29:13; Provérbios 31:6, etc. Jacó é referido, pois foi ele quem desceu ao Egito em poucos homens. Ele é mencionado como o pai da tribo da nação, porque a nação descendia diretamente de seus filhos e também derivou dele o nome de Israel. Jacó é chamado em arameu, não apenas por causa de sua longa permanência na Araméia (Gênesis 29-31), mas também porque ele conseguiu suas esposas e filhos lá (compare com Oséias 12:13); e os parentes dos patriarcas acompanharam Abraão da Caldéia à Mesopotâmia (Aram; ver Gênesis 11:30). מעט בּמתי, consistindo de poucos homens (בּ, o chamado beth essent., como em Deuteronômio 10:22; Êxodo 6:3, etc.; vid., Ewald, 299, q.). Compare Gênesis 34:30, onde o próprio Jacó descreve sua família como “pouca em número”. Sobre o número da família que migrou para o Egito, calculado em setenta almas, veja a explicação em Gênesis 46:27. Sobre a multiplicação no Egito em um povo grande e forte, veja Êxodo 1:7, Êxodo 1:9; e na opressão sofrida lá, Êxodo 1: 11-22 e Êxodo 2:23 . – A orientação para fora do Egito em meio a grandes sinais (Deuteronômio 26:8), como em Deuteronômio 4:34. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E clamamos ao SENHOR Deus de nossos pais; e ouviu o SENHOR nossa voz, e viu nossa aflição, e nosso sofrimento, e nossa opressão:

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-9) אבי אבד ארמּי, “um arameu perdido (perecer) era meu pai” (não o arameu, Labão, queria destruir meu pai, Jacó, como os caldeus, árabes, Lutero e outros o traduzem). אבד significa não apenas se desviar, vagar, mas perecer, em perigo de perecer, como em Jó 29:13; Provérbios 31:6, etc. Jacó é referido, pois foi ele quem desceu ao Egito em poucos homens. Ele é mencionado como o pai da tribo da nação, porque a nação descendia diretamente de seus filhos e também derivou dele o nome de Israel. Jacó é chamado em arameu, não apenas por causa de sua longa permanência na Araméia (Gênesis 29-31), mas também porque ele conseguiu suas esposas e filhos lá (compare com Oséias 12:13); e os parentes dos patriarcas acompanharam Abraão da Caldéia à Mesopotâmia (Aram; ver Gênesis 11:30). מעט בּמתי, consistindo de poucos homens (בּ, o chamado beth essent., como em Deuteronômio 10:22; Êxodo 6:3, etc.; vid., Ewald, 299, q.). Compare Gênesis 34:30, onde o próprio Jacó descreve sua família como “pouca em número”. Sobre o número da família que migrou para o Egito, calculado em setenta almas, veja a explicação em Gênesis 46:27. Sobre a multiplicação no Egito em um povo grande e forte, veja Êxodo 1:7, Êxodo 1:9; e na opressão sofrida lá, Êxodo 1: 11-22 e Êxodo 2:23 . – A orientação para fora do Egito em meio a grandes sinais (Deuteronômio 26:8), como em Deuteronômio 4:34. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E tirou-nos o SENHOR do Egito com mão forte, e com braço estendido, e com grande espanto, e com sinais e com milagres:

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-9) אבי אבד ארמּי, “um arameu perdido (perecer) era meu pai” (não o arameu, Labão, queria destruir meu pai, Jacó, como os caldeus, árabes, Lutero e outros o traduzem). אבד significa não apenas se desviar, vagar, mas perecer, em perigo de perecer, como em Jó 29:13; Provérbios 31:6, etc. Jacó é referido, pois foi ele quem desceu ao Egito em poucos homens. Ele é mencionado como o pai da tribo da nação, porque a nação descendia diretamente de seus filhos e também derivou dele o nome de Israel. Jacó é chamado em arameu, não apenas por causa de sua longa permanência na Araméia (Gênesis 29-31), mas também porque ele conseguiu suas esposas e filhos lá (compare com Oséias 12:13); e os parentes dos patriarcas acompanharam Abraão da Caldéia à Mesopotâmia (Aram; ver Gênesis 11:30). מעט בּמתי, consistindo de poucos homens (בּ, o chamado beth essent., como em Deuteronômio 10:22; Êxodo 6:3, etc.; vid., Ewald, 299, q.). Compare Gênesis 34:30, onde o próprio Jacó descreve sua família como “pouca em número”. Sobre o número da família que migrou para o Egito, calculado em setenta almas, veja a explicação em Gênesis 46:27. Sobre a multiplicação no Egito em um povo grande e forte, veja Êxodo 1:7, Êxodo 1:9; e na opressão sofrida lá, Êxodo 1: 11-22 e Êxodo 2:23 . – A orientação para fora do Egito em meio a grandes sinais (Deuteronômio 26:8), como em Deuteronômio 4:34. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E trouxe-nos a este lugar, e deu-nos esta terra, terra que flui leite e mel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-9) אבי אבד ארמּי, “um arameu perdido (perecer) era meu pai” (não o arameu, Labão, queria destruir meu pai, Jacó, como os caldeus, árabes, Lutero e outros o traduzem). אבד significa não apenas se desviar, vagar, mas perecer, em perigo de perecer, como em Jó 29:13; Provérbios 31:6, etc. Jacó é referido, pois foi ele quem desceu ao Egito em poucos homens. Ele é mencionado como o pai da tribo da nação, porque a nação descendia diretamente de seus filhos e também derivou dele o nome de Israel. Jacó é chamado em arameu, não apenas por causa de sua longa permanência na Araméia (Gênesis 29-31), mas também porque ele conseguiu suas esposas e filhos lá (compare com Oséias 12:13); e os parentes dos patriarcas acompanharam Abraão da Caldéia à Mesopotâmia (Aram; ver Gênesis 11:30). מעט בּמתי, consistindo de poucos homens (בּ, o chamado beth essent., como em Deuteronômio 10:22; Êxodo 6:3, etc.; vid., Ewald, 299, q.). Compare Gênesis 34:30, onde o próprio Jacó descreve sua família como “pouca em número”. Sobre o número da família que migrou para o Egito, calculado em setenta almas, veja a explicação em Gênesis 46:27. Sobre a multiplicação no Egito em um povo grande e forte, veja Êxodo 1:7, Êxodo 1:9; e na opressão sofrida lá, Êxodo 1: 11-22 e Êxodo 2:23 . – A orientação para fora do Egito em meio a grandes sinais (Deuteronômio 26:8), como em Deuteronômio 4:34. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 E agora, eis que, trouxe as primícias do fruto da terra que me deste, ó SENHOR. E o deixarás diante do SENHOR teu Deus, e te inclinarás diante do SENHOR teu Deus.

Comentário de Keil e Delitzsch

“Assim o porás (a cesta com as primícias) perante Jeová”. Estas palavras não devem ser entendidas, como Clericus, Knobel e outros supõem, em oposição direta a Deuteronômio 26:4 e Deuteronômio 26:5, como implicando que o ofertante tinha segurado a cesta em sua mão durante a oração, mas simplesmente como uma observação que fecha as instruções. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 E te alegrarás com todo o bem que o SENHOR teu Deus houver dado a ti e a tua casa, tu e o levita, e o estrangeiro que está em meio de ti.

Comentário de Robert Jamieson

tu alegrarás – banqueteando-se com os amigos e os levitas, que foram convidados em tais ocasiões a participar das alegres festividades que se seguiram às oblações (Deuteronômio 12:7; 16:10-15). [JFB, aguardando revisão]

12 Quando houveres acabado de dizimar todo o dízimo de teus frutos no ano terceiro, o ano do dízimo, darás também ao levita, ao estrangeiro, ao órfão e à viúva; e comerão em tuas vilas, e se saciarão.

Comentário de Robert Jamieson

Quando houveres acabado de dizimar todo o dízimo de teus frutos no ano terceiro, o ano do dízimo – Entre os hebreus havia dois dízimos. O primeiro foi apropriado aos levitas (Números 18:21). O segundo, sendo o décimo do que restou, foi trazido para Jerusalém em espécie; ou foi convertido em dinheiro, e o dono, ao chegar na capital, comprou ovelhas, pão e azeite (Deuteronômio 14:22-23). Isso foi feito por dois anos consecutivos. Mas esse segundo dízimo foi comido em casa e o terceiro ano distribuído entre os pobres do lugar (Deuteronômio 14:28-29). [JFB, aguardando revisão]

13 E dirás diante do SENHOR teu Deus: Eu tirei o consagrado de minha casa, e também o dei ao levita, e ao estrangeiro, e ao órfão, e à viúva, conforme todos os teus mandamentos que me ordenaste: não transgredi teus mandamentos, nem me esqueci deles.

Comentário de Robert Jamieson

dirás diante do SENHOR teu Deus: Eu tirei o consagrado de minha casa – Esta foi uma declaração solene de que nada que devesse ser dedicado ao serviço divino tinha sido secretamente reservado para uso pessoal. [JFB, aguardando revisão]

14 Não comi disso em meu luto, nem tirei disso em impureza, nem disso dei para o morto: obedeci à voz do SENHOR meu Deus, fiz conforme tudo o que me mandaste.

Comentário de Robert Jamieson

Não comi disso em meu luto – numa época de tristeza, que trazia contaminação de coisas sagradas; sob uma pretensão de pobreza, e relutante em dar qualquer coisa aos pobres.

nem tirei disso em impureza – isto é, qualquer propósito comum, diferente do que Deus havia designado e que teria sido uma profanação dele.

nem disso dei para o morto – em qualquer serviço fúnebre, ou, a um ídolo, que é uma coisa morta. [JFB, aguardando revisão]

15 Olha desde a morada de tua santidade, desde o céu, e abençoa a teu povo Israel, e à terra que nos deste, como juraste a nossos pais, terra que flui leite e mel.

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-15) “Eu não comi disso em minha tristeza”. אני, de און, tribulação, angústia, significa aqui, com toda probabilidade, luto, e a julgar pelo que se segue, luto pelos mortos, equivalente a “em condição de luto”, ou seja, “em condição de luto”, em estado de impureza legal (levítico); de modo que בּאני correspondeu realmente ao בּטמא que se segue, exceto que טמא inclui todo tipo de impureza legal. “Eu não removi nada disso como impuro”, ou seja, enquanto estava no estado de uma pessoa impura. Não só não comi nada, mas não removi nada da casa, levei-o em estado impuro, no qual estavam proibidos de tocar os dons sagrados (Levítico 22:3). “E não foi dado (nenhum) dele por causa dos mortos”. Isto provavelmente se refere ao costume de enviar provisões para uma casa de luto, para preparar refeições para as carpideiras (2Samuel 3:25; Jeremias 16:7; Oséias 9:4; Tobit 4:17). Uma casa de luto, com seus habitantes, era considerada impura; conseqüentemente, nada podia ser levado para dentro dela daquilo que era santificado. Não há bom motivo para pensar em costumes idólatras, ou em qualquer superstição especial ligada ao pão do luto; nem há motivo para entender as palavras como referindo-se ao costume judaico posterior de colocar provisões na sepultura junto com o cadáver, ao qual a Septuaginta renderiza, οὐκ ἔδωκα ἀπ αὐτῶν τῷ τεθνηκότι, aponta. (Em Deuteronômio 26:15, ver Isaías 63:15). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Exortação à obediência

16 O SENHOR teu Deus te manda hoje que cumpras estes estatutos e regulamentos; cuida, pois, de praticá-los com todo teu coração, e com toda tua alma.

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-17) Neste dia, o Senhor ordenou a Israel que guardasse estas leis e direitos com todo o coração e toda a alma (compare com Deuteronômio 6:5; Deuteronômio 10:12.). Há dois pontos importantes contidos nisto (Deuteronômio 26:17.). A aceitação das leis impostas por parte dos israelitas envolveu uma declaração prática de que a nação aceitaria Jeová como seu Deus, e caminharia em Seu caminho (Deuteronômio 26:17); e a entrega da lei por parte do Senhor foi uma confirmação prática de Sua promessa de que Israel deveria ser Seu povo de posse, que Ele glorificaria acima de todas as nações (Deuteronômio 26:18, Deuteronômio 26:19). “Tu deixaste o Senhor dizer hoje para ser teu Deus”, ou seja, deste-lhe ocasião de dizer-te que Ele será teu Deus, manifestando-se a ti como teu Deus. “E de caminhar em Seus caminhos, e de guardar Suas leis”, etc., pois “e que tu caminharias em Seus caminhos, e guardarias Suas leis”. A aceitação de Jeová como seu Deus envolveu e ipso a vontade de caminhar em Seus caminhos. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 Ao SENHOR exaltou hoje para que te seja por Deus, e para andar em seus caminhos, e para guardar seus estatutos e seus mandamentos e seus regulamentos, e para ouvir sua voz:

Comentário de Keil e Delitzsch

(16-17) Neste dia, o Senhor ordenou a Israel que guardasse estas leis e direitos com todo o coração e toda a alma (compare com Deuteronômio 6:5; Deuteronômio 10:12.). Há dois pontos importantes contidos nisto (Deuteronômio 26:17.). A aceitação das leis impostas por parte dos israelitas envolveu uma declaração prática de que a nação aceitaria Jeová como seu Deus, e caminharia em Seu caminho (Deuteronômio 26:17); e a entrega da lei por parte do Senhor foi uma confirmação prática de Sua promessa de que Israel deveria ser Seu povo de posse, que Ele glorificaria acima de todas as nações (Deuteronômio 26:18, Deuteronômio 26:19). “Tu deixaste o Senhor dizer hoje para ser teu Deus”, ou seja, deste-lhe ocasião de dizer-te que Ele será teu Deus, manifestando-se a ti como teu Deus. “E de caminhar em Seus caminhos, e de guardar Suas leis”, etc., pois “e que tu caminharias em Seus caminhos, e guardarias Suas leis”. A aceitação de Jeová como seu Deus envolveu e ipso a vontade de caminhar em Seus caminhos. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 E o SENHOR te exaltou hoje para que lhe sejas seu privativo povo, como ele te disse, e para que guardes todos os seus mandamentos;

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) Ao mesmo tempo, Jeová havia feito com que o povo fosse informado de que era Seu povo de possessão, como Ele havia dito em Êxodo 19:5-6; e que se eles guardassem todos os Seus mandamentos, Ele os colocaria acima de todas as nações que Ele havia criado, “para louvor, e para um nome, e para glória”, ou seja torná-los um objeto de louvor, de renome e de glorificação de Deus, o Senhor e Criador de Israel, entre todas as nações (vid., Jeremias 33:9 e Jeremias 13:11; Jeremias 3:19-20). “E que se torne um povo santo para o Senhor”, como Ele já havia dito em Êxodo 19:6. A santificação de Israel foi o projeto e o fim de sua eleição divina, e seria realizada na glória à qual o povo de Deus deveria ser exaltado (ver o comentário sobre Êxodo 19:5-6). O Hiphil האמיר, que só se encontra aqui, não tem outro significado além deste, “fazer uma pessoa dizer”, ou “dar-lhe ocasião de dizer”; e isto é perfeitamente apropriado aqui, enquanto que o outro significado sugerido, “exaltar”, não tem nenhum apoio defensável nem na interpretação para-frástica destes versículos nas versões antigas, nem no Hithpael no Salmo 94:4, e além disso é totalmente inadequado em Deuteronômio 26:17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 E para te pôr alto sobre todas as nações que fez, para louvor, e fama, e glória; e para que sejas povo santo ao SENHOR teu Deus, como ele disse.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) Ao mesmo tempo, Jeová havia feito com que o povo fosse informado de que era Seu povo de possessão, como Ele havia dito em Êxodo 19:5-6; e que se eles guardassem todos os Seus mandamentos, Ele os colocaria acima de todas as nações que Ele havia criado, “para louvor, e para um nome, e para glória”, ou seja torná-los um objeto de louvor, de renome e de glorificação de Deus, o Senhor e Criador de Israel, entre todas as nações (vid., Jeremias 33:9 e Jeremias 13:11; Jeremias 3:19-20). “E que se torne um povo santo para o Senhor”, como Ele já havia dito em Êxodo 19:6. A santificação de Israel foi o projeto e o fim de sua eleição divina, e seria realizada na glória à qual o povo de Deus deveria ser exaltado (ver o comentário sobre Êxodo 19:5-6). O Hiphil האמיר, que só se encontra aqui, não tem outro significado além deste, “fazer uma pessoa dizer”, ou “dar-lhe ocasião de dizer”; e isto é perfeitamente apropriado aqui, enquanto que o outro significado sugerido, “exaltar”, não tem nenhum apoio defensável nem na interpretação para-frástica destes versículos nas versões antigas, nem no Hithpael no Salmo 94:4, e além disso é totalmente inadequado em Deuteronômio 26:17. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 25 Deuteronômio 27>

Visão geral de Deuteronômio

Em Deuteronômio, “Moisés entrega as suas últimas palavras de sabedoria e precaução antes dos Israelitas entrarem na terra prometida, desafiando-os a serem fiéis a Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Deuteronômio.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.