Jeremias 33

1 E veio a palavra do SENHOR a Jeremias pela segunda vez, estando ele ainda preso no pátio da guarda, dizendo:

Comentário de A. R. Fausset

cale-se – (Jeremias 32:2-3; 2Timóteo 2:9). Embora Jeremias estivesse trancado em cativeiro, a palavra de Deus não estava “amarrada”. [Fausset, aguardando revisão]

2 Assim diz o SENHOR que faz isto; o SENHOR, que forma isto para o confirmar; EU-SOU é o seu nome:

Comentário de A. R. Fausset

que faz isto – antes, “o executor disto”, isto é, aquilo que Jeremias está prestes a profetizar, a restauração de Israel, um ato que é considerado agora impossível, mas que o Todo-Poderoso efetuará.

forma isto – ou seja, Jerusalém (Jeremias 32:44) (Calvino). Em vez disso, “aquele formado”, isto é, molda Seu propósito na forma adequada para a execução (Isaías 37:26).

Senhor … o nome dele – (Êxodo 3:14-15). [Fausset, aguardando revisão]

3 Clama a mim, e eu te responderei; e te direi coisas grandes e difíceis que tu não conheces.

Comentário de A. R. Fausset

Clama a mim, e eu te responderei (Jeremias 29:12; Salmo 91:15). Jeremias, como representante do povo de Deus, é exortado por Deus a orar pelo que Deus determinou conceder; ou seja, a restauração. As promessas de Deus não são para afrouxar, mas para acelerar as orações de Seu povo (Salmo 132:13,17; Isaías 62:6-7).

coisas grandes – hebraico, “coisas inacessíveis”, isto é, inacreditável, difícil para o entendimento do homem [Maurer], ou seja, a restauração dos judeus, um evento difícil de acreditar.

tu não conheces. No entanto, Deus revelou essas coisas a Jeremias, mas a incredulidade do povo em rejeitar a graça de Deus fez com que ele esquecesse a promessa de Deus, como se o caso do povo não admitisse nenhum remédio. [JFB]

4 Pois assim diz o SENHOR, Deus de Israel, quanto às casas desta cidade, e às casas dos reis de Judá, que foram derrubadas com as rampas de cerco e com espada:

Comentário de A. R. Fausset

jogado para baixo pelas montarias – a saber, pelos mísseis lançados dos montes dos sitiantes (Jeremias 32:24); “E pela espada” segue corretamente, pois, depois que os mísseis prepararam o caminho, o inimigo avançou para os aposentos próximos “com a espada”. [Fausset, aguardando revisão]

5 Vieram lutar contra os caldeus, para enchê-las de cadáveres de homens, aos quais feri em minha ira e meu furor; pois escondi meu rosto desta cidade, por causa de toda a sua malícia.

Comentário de A. R. Fausset

Eles – os judeus; os defensores das “casas” (Jeremias 33:4), “vêm à frente para lutar com os caldeus”, que irrompem pela cidade através das “casas derrubadas”, mas todo o efeito que produzem “é, para encher eles (as casas) com “seus próprios“ corpos mortos ”. [Fausset, aguardando revisão]

6 Eis que eu lhes trarei saúde e cura, e os sararei; e lhes manifestarei abundância de paz e de verdade.

Comentário de E. H. Plumptre

A primeira palavra é, como em Jer. 8:22; Jer. 30:17, o curativo, que foi proeminente na terapêutica do Oriente. É possível que ambas as palavras tenham sido ditas em contraste direto com a peste que assolava a cidade (Jer. 21:9; Jer. 27:13; Jer. 38:2). Em qualquer caso, porém, as palavras têm um significado mais elevado e figurativo. Era verdade para a cidade e seu povo que “toda a cabeça estava doente, e todo o coração fraco” (Isa. 1:5); e Jeová promete manifestar-se como o curador daquela doença espiritual que era pior do que qualquer peste. [Ellicott]

7 E restaurarei Judá de seu infortúnio, e israel de seu infortúnio, e os edificarei como no princípio.

Comentário de A. R. Fausset

restaurarei – isto é, reverter (Jeremias 33:11; 32:44). A especificação, tanto de “Judá” quanto de “Israel”, só pode ser aplicada integralmente à futura restauração.

como no primeiro – (Isaías 1:26). [Fausset, aguardando revisão]

8 E os purificarei de toda a sua maldade com que pecaram contra mim; e perdoarei todas as suas maldades com que pecaram contra mim, e que se rebelaram contra mim.

Comentário de A. R. Fausset

purificarei – (Ezequiel 36:25; Zacarias 13:1; Hebreus 9:13-14). Aludindo aos ritos legais de purificação.

toda a sua iniquidade … todas as suas iniquidades – tanto o princípio do pecado interno como suas manifestações exteriores nos atos. A repetição é para que os judeus considerem quão grande é a graça de Deus em não apenas perdoar (quanto ao castigo), mas também purificá-los (quanto à poluição da culpa); não apenas uma iniquidade, mas todos (Miqueias 7:18). [Fausset, aguardando revisão]

9 E esta cidade será para mim como nome de alegria, de louvor e de glória, entre todas as nações da terra, que ouvirem todo o bem que eu lhes faço; e se espantarão e tremerão por causa de todo o bem e de toda a paz que eu lhes darei.

Comentário de A. R. Fausset

isso – a cidade.

um nome … um louvor – (Jeremias 13:11; Isaías 62:7).

eles – os habitantes de Jerusalém.

tremerão por causa de todo o bem – (Salmo 130:4). Os gentios serão levados a “temer” a Deus pelas provas de Seu poder demonstradas em favor dos judeus; o ímpio entre eles “tremerá” por medo dos juízos de Deus sobre eles; o penitente deve reverenciar e se converter a Ele (Salmo 102:15; Isaías 60:3). [Fausset, aguardando revisão]

10 Assim diz o SENHOR: Neste lugar, do qual dizeis que está desolado, sem homens nem animais, nas cidades de Judá e nas ruas de Jerusalém, que estão desoladas, sem homem, nem morador , nem animal, ainda se ouvirá

Comentário de E. H. Plumptre

Neste lugarainda se ouvirá. A promessa de restauração é repetida com uma distinção mais local. “Este lugar” é provavelmente, como em Jeremias 42:18, Jerusalém. As “ruas” são, mais estritamente, os “lugares abertos”, os “bazares”, ou mesmo as “periferias” da cidade, que ficaram desertas durante o andamento do cerco. Agora eles estavam perdidos e silenciosos. Chegaria o momento em que eles mais uma vez ressoariam com os sons de exultação jubilosa. [Plumptre, aguardando revisão]

11 Voz de júbilo e voz de alegria, voz de noivo e voz de noiva, e voz dos que dizem: Louvai ao SENHOR dos exércitos, pois o SENHOR é bom; pois sua bondade dura para sempre; e também dos que trazem louvor à casa do SENHOR; porque restaurarei esta terra de seu infortúnio para o que era no princípio, diz o SENHOR.

Comentário de A. R. Fausset

(Jeremias 7:34; 16:9).

Louvado seja o Senhor, etc. – as palavras do Salmo 136:1, que foram realmente usadas pelos judeus em sua restauração (Esdras 3:11).

sacrifício de louvor – (Salmo 107:22; 116:17). Isto continuará quando todos os outros sacrifícios tiverem fim. [Fausset, aguardando revisão]

12 Assim diz o SENHOR dos exércitos: Neste lugar desolado, sem homem nem animal, e em todas as suas cidades, haverá novamente morada de pastores, que façam deitar o gado.

Comentário de A. R. Fausset

rebanhos – em contraste com Jeremias 33:10, “sem o homem … habitante … sem besta” (Jeremias 32:43; compare Jeremias 31:24; 50:19; Isaías 65:10). [Fausset, aguardando revisão]

13 Nas cidades das montanhas, nas cidades das planícies, nas cidades do Negueve, na terra de Benjamim, e ao redor de Jerusalém e nas cidades de Judá, novamente passará o gado pelas mãos dos contadores, diz o SENHOR.

Comentário de A. R. Fausset

sob… as mãos daquele que diz a eles – Os pastores, enviando e trazendo de volta suas ovelhas para as dobras, contam-los golpeando cada um conforme passa com uma vara, implicando o cuidado do pastor de que ninguém se perca (Levítico 27:32; Miqueias 7:14; compare com Jo 10:28-29; 17:12). [Fausset, aguardando revisão]

14 Eis que vêm dias, diz o SENHOR, em que eu confirmarei a boa palavra que prometi à casa de Israel e à casa de Judá.

Comentário de A. R. Fausset

executar – “vou fazer subir”; A promessa de Deus por algum tempo pareceu “mentir” morta e abortada (Calvino). [Fausset, aguardando revisão]

15 Naqueles dias e naquele tempo farei brotar a Davi um Renovo de justiça; e ele fará juízo e justiça na terra.

Comentário de A. R. Fausset

Repetido de Jeremias 23:5.

a terra – a Terra Santa: Israel e Judá (Jeremias 23:6). [Fausset, aguardando revisão]

16 Naqueles dias Judá será salvo, e Jerusalém habitará em segurança, e isto é o que a chamarão: O SENHOR é a nossa justiça.

Comentário de A. R. Fausset

Jerusalém – Em Jeremias 23:6, em vez disso, é “Israel”. “O nome” no hebraico tem aqui para ser fornecido a partir dessa passagem; e para “ele” (Messias, o antitípico “Israel”), o antecedente lá (Isaías 49:3), temos “ela” aqui, isto é, Jerusalém. Ela é chamada pelo mesmo nome do Messias, “O Senhor Nossa Justiça”, em virtude da unidade mística entre ela (como representante literal da Igreja espiritual) e seu Senhor e Marido. Assim, tudo o que pertence à Cabeça pertence também aos membros (Efésios 5:30,32). Por isso, a Igreja é chamada de “Cristo” (Romanos 16:7; 1Coríntios 12:12). A Igreja, por meio deste, professa retirar toda a sua justiça de Cristo (Isaías 45:24-25). É para o bem de Jerusalém, literal e espiritual, que Deus Pai dê a este nome (Jeová, Tsidkenu, “O Senhor nossa Justiça”) a Cristo. [Fausset, aguardando revisão]

17 Pois assim diz o SENHOR: Não faltará a Davi homem que se sente sobre o trono da casa de Israel;

Comentário de A. R. Fausset

As promessas da perpetuidade do trono de Davi se cumpriram no Messias, filho de Davi (2Samuel 7:16; 1Reis 2:4; Salmo 89:4,29,39; compare Lucas 1:32-33). [Fausset, aguardando revisão]

18 Nem aos sacerdotes levitas faltará homem diante de mim que ofereça holocaustos, queime oferta de cereais, e faça sacrifícios todos os dias.

Comentário de A. R. Fausset

O sacerdócio literal do Messias (Hebreus 7:17,21,24-28) e o sacerdócio espiritual e sacrifícios de Seus seguidores (Jeremias 33:11; Romanos 12:1; 15:16; 1Pedro 2:5,9; Apocalipse 1:6), nunca cessará, de acordo com o pacto com Levi, quebrado pelos sacerdotes, mas cumprido pelo Messias (Números 25:12-13; Malaquias 2:4-5,8). [Fausset, aguardando revisão]

19 E veio a palavra do SENHOR a Jeremias, dizendo:

Comentário de E. H. Plumptre

(19-22) A nova introdução aqui e em Jeremias 33:23 indica uma nova mensagem na mente do profeta após um intervalo de tempo. Em substância, repete a promessa de Jeremias 33:17-18, mas as reproduz com solenidade ainda maior. A aliança de Jeová com Davi e com os levitas sacerdotes é colocada no mesmo nível de permanência da sucessão ordenada do dia e da noite. Se a velha ordem acabou dando lugar à nova, foi apenas porque a nova era a reprodução transfigurada e glorificada da velha. Quaisquer que tenham sido os pensamentos do profeta, estamos autorizados a procurar a descendência de Davi e dos levitas naqueles que, em virtude de sua união com Cristo, são feitos reis e sacerdotes do Pai (Apocalipse 1:6 ). Assim como a promessa à semente de Abraão é cumprida naqueles que são espiritualmente filhos da fé de Abraão (Romanos 9:7-8), somente neste sentido pode ser verdade que a semente de Davi e os levitas em número o exército do céu e a areia do mar. [Plumptre, aguardando revisão]

20 Assim diz o SENHOR: Se puderdes invalidar meu pacto do dia e meu pacto da noite, de tal modo que não haja dia e noite a seu tempo,

Comentário de A. R. Fausset

pacto do dia – isto é, aliança com o dia: respondendo ao “pacto com Davi” (Jeremias 33:21, também Jeremias 33:25, “com dia”; compare com Jeremias 31:35-36; Levítico 26:42; Salmo 89:34,37). [Fausset, aguardando revisão]

21 Também se poderá invalidar meu pacto com meu servo Davi, para que não tenha filho que reine sobre seu trono, e com os levitas e sacerdotes, trabalhadores a meu serviço.

Comentário de A. R. Fausset

(Gênesis 15:5; 22:17). A bênção ali prometida pertencia a todas as tribos; aqui está restrito à família de Davi e à tribo de Levi, porque foi nisto que o bem-estar de todo o povo descansou. Quando o reino e o sacerdócio florescem na pessoa do Messias, toda a nação prosperará temporal e espiritualmente. [Fausset, aguardando revisão]

22 Assim como não se pode contar o exército do céu, nem se pode medir a areia do mar, assim também multiplicarei a descendência de Davi meu servo, e os levitas que me servem.

Comentário de A. R. Fausset

como não se pode contar o exército do céu (Gênesis 15:5; Gênesis 22:17). As bênçãos ali prometidas pertenciam a todas as tribos; aqui é restrito à família de Davi e à tribo de Levi, porque era sobre eles que repousava o bem-estar de todo o povo. Quando o reino e o sacerdócio florescerem na pessoa do Messias, toda a nação prosperará temporal e espiritualmente.  [Fausset, aguardando revisão]

23 E veio a palavra do SENHOR a Jeremias, dizendo:

Comentário de A. W. Streane

(23-26) Renovação da garantia ao povo como um todo, com a mesma ilustração. [Streane, aguardando revisão]

24 Por acaso não tens visto o que este povo fala? Eles dizem: As duas famílias que o SENHOR havia escolhido agora ele as rejeitou. E desprezam a meu povo, como se não o considerassem mais como nação.

Comentário de A. R. Fausset

este povo – alguns dos judeus, especialmente aqueles que falaram com Jeremias na corte da prisão (Jeremias 32:12; 38:1).

as duas famílias – Judá e Israel.

antes deles – em seu julgamento. Eles supõem que eu eliminei totalmente Israel para que ele não mais uma nação. A expressão “meu povo”, por si só, mostra que Deus não abandonou Israel para sempre. [Fausset, aguardando revisão]

25 Assim diz o SENHOR: Se meu pacto com o dia e a noite não durasse, se eu não tivesse estabelecido as leis do céu e a terra,

Comentário de A. R. Fausset

(Jeremias 31:35-36; Gênesis 8:22; Salmo 74:16-17). Eu que estabeleci as leis da natureza sou o mesmo Deus que fez um pacto com a Igreja. [Fausset, aguardando revisão]

26 Então também rejeitaria a descendência de Jacó, e de Davi meu servo, para que não tomasse da sua descendência aos que governem sobre a descendência de Abraão, Isaque, e Jacó. Pois eu os restaurarei de seu infortúnio, e deles terei misericórdia.

Comentário de A. R. Fausset

Isaque – (Salmo 105:9; Amós 7:9,16). [Fausset, aguardando revisão]

<Jeremias 32 Jeremias 34>

Visão geral de Jeremias

No livro de Jeremias, o profeta “anuncia que Deus irá julgar os pecados de Israel com um exílio para a Babilônia. E então, ele vive os horrores das suas previsões. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro de Jeremias.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.