Bíblia

Isaías 9

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


1 Mas não haverá escuridão para aquela que foi angustiada tal como nos primeiros tempos, quando ele afligiu a terra de Zebulom e a terra de Naftali; mas depois ele a honrará junto ao caminho do mar, dalém do Jordão, a Galileia das nações.

terra de Zebulom e a terra de Naftali. Baixa e Alta Galileia.

junto ao caminho do mar. Ou “na direção do mar (Mediterrâneo)”, ou “a região ao longo do lado oeste do mar de Genesaré“. No tempo das Cruzadas, Via Maris era o nome da estrada que levava de Aco a Damasco.

dalém do Jordão. A terra de Gileade (2Rs 15:29).

a Galileia das nações. O circuito das nações. Embora a palavra hebraica (Gâlîl) seja a origem da posterior “Galileia”, a região à qual ela foi aplicada no Antigo Testamento era apenas o canto mais ao norte do que depois seria Alta Galileia (ver 1Rs 9:11; Js 20:7; 21:32; 2Rs 15:29).

Essas províncias remotas são especialmente destacadas porque foram as primeiras a serem despovoadas por Tiglate-Pileser (2Rs 15:29), aquelas partes da terra em que a vergonha do domínio estrangeiro terá sido mais longa quando chegar a Libertação. A profecia adquiriu um significado novo e surpreendente quando as “boas novas do Reino” começaram a ser proclamadas por nosso Senhor primeiro na Galileia (Mt 4:13 em diante). Mas os versículos seguintes (Is 9:2-7) se referem, é claro, a toda a nação. [Cambridge, 1897]

2 O povo que andava em trevas viu uma grande luz; os que habitavam em terra de sombra de morte, uma luz brilhou sobre eles.

O povo que andava em trevas viu uma grande luz. Toda a nação, Judá e Israel.

os que habitavam em terra de sombra de morte. A miséria mais sombria do cativeiro. [JFU, 1871]

3 Tu multiplicaste a este povo, aumentaste-lhe a alegria. Eles se alegraram diante de ti como a alegria da ceifa, como quando ficam contentes ao repartir despojos;

diante de ti – como nas festas do santuário, uma frase frequentemente usada em Deuteronômio (Dt 12:7; Is 14:26;…).

como a alegria da ceifa. Salmo 4:8; 126:5-6.

como quando ficam contentes ao repartir despojos. Compare com Isaías 33:23; Juízes 5:30. [Cambridge, 1897]

4 Pois tu quebraste o jugo de sua carga, e a vara de seus ombros, o bastão daquele que opressivamente o conduzia, como no dia dos midianitas.

a vara de seus ombros. A vara com que suas costas foram espancadas; os pronomes referem-se a Israel.

o bastão daquele que opressivamente o conduzia. “Capatazes”, como em Êxodo 5:6.

como no dia dos midianitas. Quando o domínio dos midianitas foi para sempre quebrado (Jz 7; compare com Isaías 10:26). “Dia” aqui significa “dia de batalha”, como muitas vezes no árabe. Os árabes se referem ao herói de muitas lutas como dhu-l’ ayyâmîn, “mestre dos dias”. [Cambridge, 1897]

5 Quando toda a batalha daqueles que batalhavam era feita com ruído, e as roupas se revolviam em sangue, e eram queimadas para servir de combustível ao fogo.

Todos os acessórios bélicos serão destruídos, já que não são mais necessários na nova era de paz (Is 2:4; 11:6-7; Sl 46:9; Ez 39:9; Mq 5:5,10; Zc 9:9-10). Compare Malaquias 4:1, quanto à queima dos ímpios. [JFB, 1871]

6 Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado; e o governo está sobre seus ombros; e seu nome se chama Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz.

nos nasceu. Nós, os sobreviventes do julgamento. Compare com “Emanuel”, Deus conosco”.

o governo. Esta palavra é encontrada apenas aqui e em Isaías 9:7, e é de interpretação incerta, talvez seja “príncipe”.

e seu nome se chama. O nome do Messias consiste em uma série de títulos honoríficos, pertencentes a Ele em Sua capacidade real e expressando principalmente as qualidades exibidas em Seu governo. Podemos comparar, com Guthe e outros, aos títulos assumidos pelos monarcas egípcios e babilônicos em suas inscrições, como “Doador da Vida para Sempre”, “Sempre Vivo”, “Senhor da Vida”, “Senhor da Eternidade e Infinito”, etc.

Maravilhoso, Conselheiro. Como cada um dos outros nomes é composto de duas palavras, estas expressões devem também ser consideradas em conjunto como formando uma única designação – “Maravilhoso Conselheiro”. A estrutura ou é um constructo seguido de genitivo — “uma maravilha de um Conselheiro” (compare com Gn 16:12), ou então governada pelo particípio — “aquele que aconselha coisas maravilhosas”. Compare com “maravilhoso em conselhos” em Isaías 28:29. Sobre o conselho como função de um rei, veja Miqueias 4:9.

Deus Forte (“Deus Poderoso”, NVI).

Os dois títulos restantes descrevem o caráter do governo do Messias, como (a) paternal, e (b) pacífico.

Pai da Eternidade. “Pai da Eternidade” descreve o rei, não como “possuidor do atributo da eternidade”, mas como alguém que age continuamente como um pai para seu povo.

Príncipe da Paz. Compare com Isaías 2:2-4; 11:4,…; Miqueias 5:5; Zacarias 9:10. [Cambridge, 1871]

7 À grandeza de seu governo e à paz não haverá fim, sobre o trono de Davi, e sobre seu reino, para o firmar e fortalecer com juízo e justiça desde agora e para sempre; o zelo do SENHOR dos exércitos fará isto.

 À grandeza de seu governo e à paz não haverá fim. Seu governo real aumentará perpetuamente e será ilimitado (Dn 2:44). A “paz” do tipo do governo de Salomão logo chegou ao fim, e foi apenas parcial em extensão enquanto durou; mas a paz que o Messias traz em Seu reino é universal e para sempre.

sobre o trono de Davi, e sobre seu reino, para o firmar e fortalecer. Isto só pode acontecer na segunda vinda de Cristo: pois o cetro saiu de Judá na sua primeira vinda; e o seu trono espiritual agora nos céus não é o trono de Davi, mas é o trono do Messias como o Filho de Deus. Seu reino invisível na Igreja (principalmente gentia) também não pode ser o prometido “reinado sobre a casa de Jacó para sempre” (Lc 1:32-33). Só pode ser em Sua vinda para reinar sobre Israel restaurado (1Rs 8:25; Sl 2:6; 132:11; Jr 3:17-18; Ez 34:23-26; 37:16,22; Lc 1:32-33; At 2:30).

com juízo e justiça desde agora e para sempre. Não é um mero reino de poder e triunfo pela força sobre os inimigos, mas de justiça (Is 42:21; Sl 45:6-7), alcançável apenas no e pelo Messias.

o zelo do SENHOR dos exércitos fará isto – zelo pela vindicação de Sua verdade, Sua promessa e Seu povo oprimido – incluindo não somente a vitória espiritual oculta de Cristo sobre Satanás na primeira vinda, mas também a vitória aberta acompanhada de “julgamentos” sobre o Anticristo e todos inimigos na segunda vinda (Is 59:17; Sl 9:6-8). [JFU, 1871]

Ameaças contra o reino de Israel

8 O Senhor enviou uma palavra a Jacó, e ela caiu sobre Israel.

a Jacó. Ou seja, contra as dez tribos (Lowth).

ela caiu sobre Israel. Caiu do céu pela revelação divina (Dn 4:31). [JFU, 1871]

9 E todo o povo a saberá: Efraim, e os moradores de Samaria, em soberba e arrogância de coração, dizem:

E todo o povo a saberá. Compare com Oséias 9:7.

Samaria – a capital de Efraim (quanto à frase, compare com Is 1:1). [JFU, 1871]

10 Os tijolos caíram, mas construiremos de novo com pedras talhadas; as figueiras bravas foram cortadas, mas as trocaremos por cedros.

Os tijolos caíram. No Oriente, os tijolos são geralmente secos ao sol e, portanto, logo dissolvidos pela chuva. Admitindo, dizem os efraimitas à ameaça do profeta, que nossos assuntos estão em ruínas, nós os restauraremos para além de sua antiga grandeza. A relutância autoconfiante em reconhecer e arrepender-se sob os julgamentos de Deus (Is 26:11).

pedras talhadas (1Rs 5:17).

as figueiras bravas foram cortadas. Crescendo abundantemente nas terras baixas da Judéia, e, embora útil para construção por causa de sua propriedade anti-séptica (que levou os egípcios a usá-las para os caixões de suas múmias), de pouco valor. O cedro, por outro lado, era perfumado, livre de nós, durável e precioso (1Rs 10:27). “Vamos substituir casas por palácios”. [JFU, 1871]

11 Por isso o SENHOR levantará os adversários de Resim contra ele, e instigará seus inimigos:

Por isso o SENHOR levantará os adversários de Resim contra ele – os assírios, que atacarão primeiro Damasco, avançarão “contra ele” (Efraim). Esta é a punição do orgulho de Efraim por não levar a sério (Is 9:10) o juízo já infligido por Deus através de Tiglate-Pileser (2Rs 15:29). Uma segunda invasão assíria (ver em Is 7:1) se seguirá.

e instigará seus inimigos. “Seus”, os inimigos de Efraim (Is 9:9), como mostra Isaías 9:12; pois os “sírios” não eram inimigos de Rezim, mas seus súditos. [JFU, 1871]

12 Pela frente virão os sírios, e por trás os filisteus; e devorarão a Israel com a boca aberta. Nem com tudo isto sua ira cessará, e ainda sua mão está estendida.

os sírios. Os sírios no Nordeste. Ainda que agora sejam aliados de Efraim, depois da morte de Rezim se juntarão aos assírios contra Efraim. As nações conquistadoras muitas vezes alistam em seus exércitos os povos subjugados (Is 22:6; compare 2Rs 16:9; Jr 35:11), (Abraão ibn Ezra, Gesenius). Horsley menos provavelmente, considera“pela frente os sírios”, como os sírios a leste, isto é, não os súditos de Rezim, mas os assírios: Sendo “Aram” o nome comum dos sírios e assírios.

por trás. A partir do ocidente: ao se localizarem, os orientalistas identificavam o Oriente, com o que está diante deles: o Ocidente com o que está atrás. A mão direita é o sul: a esquerda, o norte.

os filisteus – da Palestina.

e devorarão a Israel com a boca aberta. Como um animal faminto (Is 1:20; Jr 10:25; 30:16; Nm 14:9). [JFU, 1871]

13 Porque este povo não se converteu àquele que o feriu, nem busca ao SENHOR dos exércitos.

este povo não se converteu. O propósito dos castigos de Deus. No seu caso não se cumpriu: uma nova causa de punição (Jr 2:20; 5:3). 2 Crônicas 28:22: “Ademais o rei Acaz no tempo que aquele lhe afligia-se, acrescentou transgressão contra o SENHOR”. Compare com Apocalipse 16:10-11. [JFU, 1871]

14 Por isso o SENHOR cortará de Israel a cabeça, a cauda, o ramo e o junco de Israel em um único dia.

cabeça, a cauda. Proverbial para o mais alto e o mais baixo (Dt 28:13,44).

ramo e o junco. Outra imagem para o mesmo pensamento (Is 19:15). O ramo é elevado no topo da árvore: o junco é áspero e baixo. [JFU, 1871]

15 O ancião e o homem respeitado, este é a cabeça; e o profeta que ensina falsidade é a cauda.

o profeta que ensina falsidade é a cauda. Haviam muitos em Samaria (1Rs 22:6,22-23; compare com “cauda”, Ap 9:19). [JFU, 1871]

16 Pois os guias deste povo são enganadores; e os que por eles são guiados estão a ponto de serem destruídos.

Pois os guias deste povo são enganadores (compare com Is 3:12). Ambos os povos foram levados à idolatria pelos seus governantes, mas principalmente Israel, reino do norte. Jeroboão, o primeiro rei, introduziu a adoração de bezerros, e seus sucessores do primeiro ao último persistiram em seu pecado. Acabe acrescentou a idolatria à Baal. Aqueles que ocupavam altos cargos abaixo dos reis eram igualmente maus exemplos para o povo).

serem destruídos. Primeiro, moralmente corrompidos e degradados, depois fisicamente entregues à destruição – massacrados por filisteus, sírios e assírios. [Pulpit, 1897]

17 Por causa disso o Senhor não terá alegria em seus rapazes, e não terá piedade de seus órfãos e de suas viúvas; porque todos eles são hipócritas e malfeitores, e toda boca fala tolices; nem com tudo isto sua ira cessará, e sua mão ainda está estendida.

Uma sentença de rejeição total. A severidade da ameaça contra as viúvas e órfãos é justificada pela corrupção universal da nação.

hipócritas. Melhor, “ímpios” (JFA). Compare com Isaías 10:6; 32:6; 33:14; Jó 8:13; Salmo 35:16.

e toda boca fala tolices. “loucuras”  (NVI). Leia também Isaías 32:6. No Antigo Testamento, loucura e maldade são praticamente sinônimos. [Cambridge, 1906]

18 Pois a perversidade queima como fogo, que consumirá cardos e espinhos, e incendiará aos emaranhados das árvores da floresta; e subirão como nuvens de fumaça.

Pois a perversidade queima como fogo. Isto é, a impiedade espalha-se por toda nação da mesma maneira rápida que o fogo se espalha sobre um campo de palha ou uma floresta.

e subirão como nuvens de fumaça. A fumaça lançada pelas matas em chamas deve ficar suspensa como uma assombrosa cortina. As chamas da maldade não iluminam a terra, antes a lançam em pesadas e desesperançosas trevas. [Pulpit, 1897]

19 Pelo furor do SENHOR dos exércitos a terra se inflamará, e o povo será como o combustível do fogo; cada um não terá piedade do outro.

o povo será como o combustível do fogo. Embora a destruição geral, devastação e a desolação da terra, com seus edifícios, árvores e outros vegetais, esteja incluída na imagem do fogo que devora os “cardos e espinhos” de uma floresta densa, a ameaça é ainda maior contra o povo israelita, que foi o verdadeiro combustível do fogo, uma vez que a destruição iria continuar até que a terra fosse despovoada.

cada um não terá piedade do outro. Temos aqui uma nova característica. Não só os inimigos estrangeiros – sírios e filisteus – devorarão Israel, mas a praga da guerra civil também cairá sobre eles (comp. Is 9:21, e veja 2Rs 15:30, onde descobrimos que Peca foi derrubado por uma conspiração liderada por Oseias). [Pulpit, 1897]

20 Se cortar à direita, ainda terá fome; e se comer da esquerda, ainda não se saciará; cada um comerá a carne de seu próprio braço.

Esta figura é uma visão da fome, como resultado de uma vontade desordenada e crueldade em tempos de anarquia. [Whedon, 1909]

21 Manassés a Efraim, e Efraim a Manassés; e eles ambos serão contra Judá; e nem com tudo isto sua ira cessará, e sua mão ainda está estendida.

Manassés a Efraim. Os estreitos relacionamentos tribais em Israel são retratados como rompidos, e cada tribo como predadora da outra, mesmo da mesma federação, enquanto planejam juntas contra Judá. As duas tribos citadas são ocasionalmente utilizadas para todo o reino do norte (ver 2Cr 30:1), como acontece aqui. Seus territórios estavam um ao lado do outro, entre as ricas colinas e planícies da Palestina Central. As figuras de linguagem desta estrofe mostram a nação de Israel nas últimas fases do processo de desintegração. [Whedon, 1909]

<Isaías 8 Isaías 10>

Introdução à Isaías 9

Isaías 9 é uma continuação da profecia iniciada em Isaías 7, e continuada em Isaías 8. É composto de uma mescla de ameaças e promessas. Ele é como raios de luz lançados nas sombras. Promete conforto e libertação, enquanto ao mesmo tempo denuncia os pecados da nação, e assegura à nação que a ira do Senhor “não se desviou”. O capítulo anterior termina descrevendo um tempo de calamidade geral e escuridão. Este começa (Is 9:1-4) mostrando que a calamidade não seria tão grande como nos tempos passados. Seria atenuada. Haveria luz – particularmente nas regiões escuras de Zebulom e Naftali – as províncias mais expostas à invasão síria. Essa luz ou libertação estava ligada ao nascimento da criança prometida (Is 9:6-7); e a menção disso leva o profeta a uma descrição magnífica de seus nomes, caráter e reinado. O profeta então retorna à ameaça de destruição de Israel e denuncia o julgamento divino contra ela. Pelos sírios e filisteus seria invadida e destruída (Is 9:8-12). Os efeitos disto, ao eliminar suas fontes de força, e produzir desânimo e ruína geral, são descritos no restante do capítulo (Is 9:13-21). O capítulo, portanto, daria consolo aos habitantes de Judá, e foi destinado a confirmar a promessa de que ela estaria a salvo da ameaça de invasão. Compare com Isaías 8:1-4. [Barnes, 1870]

Visão geral de Isaías

Em Isaías, o profeta “anuncia que o julgamento de Deus irá purificar Israel e preparar o seu povo para a chegada do rei messiânico e de uma nova Jerusalém”. Para uma visão geral deste livro, assista ao breve vídeo abaixo produzido (em duas partes) pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro de Isaías.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.