Bíblia, Revisar

Miqueias 5

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!
1 Agora ajunta-te em tropas, ó filha de tropas; fazem cerco ao nosso redor; ferirão ao juiz de Israel com vara no rosto.

Mq 5: 1-15. As calamidades que precedem o advento do Messias. Seu reino, conquista dos inimigos de Jacob e bênção sobre seu povo.

ajunta-te em tropas – isto é, tu farás assim, para resistir ao inimigo. Para que os fiéis não caiam na segurança carnal por causa das promessas anteriores, ele os lembra das calamidades que devem preceder a prosperidade.

filha de tropas – Jerusalém é assim chamada por conta de suas numerosas tropas.

ele pôs cerco – o inimigo tem.

ferirão ao juiz de Israel com vara no rosto – o maior dos insultos a um oriental. Zedequias, o juiz (ou rei, Am 2:3) de Israel, foi carregado de insultos pelos caldeus; assim também os outros príncipes e juízes (Lm 3:30). Hengstenberg acha que a expressão “o juiz” marca uma época em que nenhum rei da casa de Davi reinou. A ferida na face de outros juízes de Israel era um tipo da mesma indignidade oferecida àquele que, não obstante, é o Juiz, não apenas de Israel, mas também do mundo, e que é “desde a eternidade” (Mq 5:2; Is 50:6; Mt 26:67; 27:30).

2 Porém tu, Belém Efrata, ainda que sejas pequena entre as famílias de Judá, de ti me sairá o que será governador em Israel; e suas saídas são desde o princípio, desde os dias antigos.

Belém Efrata – (Gn 48:7), ou Beth-lehem Judah; assim chamado para distingui-lo de Bete-lehem em Zebulom. Está a poucos quilômetros a sudoeste de Jerusalém. Beth-lehem significa “a casa do pão”; Efrata significa “frutífero”: ambos os nomes se referem à fertilidade da região.

ainda que sejas pequena entre – embora você seja pouco grande o suficiente para ser contado entre, etc. Era insignificante em tamanho e população; de modo que em Js 15:21, etc., não é enumerado entre as cidades de Judá; nem na lista de Ne 11:25, etc. Sob Roboão, tornou-se uma cidade: 2Cr 11:6, “Ele edificou Bete-leém”. Mt 2:6 parece contradizer Miquéias, “tu não és o menor” Mas realmente ele, por um testemunho independente do Espírito, confirma o profeta: Pouco em importância mundana, tu não és menor (isto é, longe de ser o menor, sim, o maior) entre os milhares, dos príncipes de Judá, no significado espiritual de ser o local de nascimento do Messias (Jo 7:42). Deus escolhe as pequenas coisas do mundo para eclipsar em glória as suas maiores coisas (Jz 6:15; Jo 1:46; 1Co 1:27-28). O baixo estado da linhagem de Davi quando o Messias nasceu também está implícito aqui.

milhares – Cada tribo foi dividida em clãs ou “milhares” (cada mil contendo milhares de famílias: como a nossa antiga divisão inglesa de condados em centenas), que tinham várias cabeças ou “príncipes”; por isso, em Mt 2:6, são citados “príncipes”, substancialmente o mesmo que em Miquéias, e autoritativamente explicados em Mateus. Não é tanto este mil que é preferido aos outros milhares de Judá, mas o Governador ou o Príncipe Chefe dele, que é preferido aos governadores de todos os outros milhares. É chamado de “cidade” (e em grego, “aldeia”), Jo 7:42; Embora mal contendo mil habitantes, é classificado entre os “milhares” ou divisões maiores da tribo, por ser o berço da linhagem de Davi e do Divino Filho de Davi. Moisés dividiu o povo em milhares, centenas, cinquenta e dez, com seus respectivos “governantes” (Êx 18:25; compare com 1Sm 10:19).

a mim – a Deus Pai (Lc 1:32): para cumprir toda a vontade e propósito do Pai desde a eternidade. Assim o Filho declara (Sl 2:7; 40:7-8; Jo 4:34); e o Pai confirma isto (Mt 3:17; 12:18, compare com Is 42:1). A glória de Deus é, por meio disso, feita o derradeiro fim da redenção.

governante – o “Siló”, “Príncipe da paz”, “em cujos ombros o governo está colocado” (Gn 49:10; Is 9:6). Em 2Sm 23:3, “Aquele que governa sobre os homens deve ser justo”, a mesma palavra hebraica é empregada; Só o Messias percebe o ideal de um governante de Davi. Também em Jr 30:21, “o governador deles procederá do meio deles”; respondendo de perto “de ti sairá o governante” aqui (compare Is 11:1-4).

desde o princípio, desde os dias antigos – A simples antítese desta cláusula, “sair de ti” (de Belém), mostra que a geração eterna do Filho é significada. Os termos transmitem a mais forte afirmação de duração infinita da qual a língua hebraica é capaz (compare Sl 90:2; Pv 8:22-23; Jo 1:1). A geração do Messias como homem que vem a Deus para fazer a Sua vontade na terra é de Belém; mas como Filho de Deus, as suas saídas são de eternidade. A promessa do Redentor a princípio era vagamente geral (Gn 3:15). Então a divisão de Shemitic da humanidade é declarada como o quarto em que Ele deveria ser procurado (Gn 9:26-27); então fica mais claro, definindo a raça e nação de onde o Libertador deveria vir, a saber, a semente de Abraão, os judeus (Gn 12:3); então a tribo em particular, Judá (Gn 49:10); então a família, a de Davi (Sl 89:19-20); então a própria cidade de Seu nascimento, aqui. E como Sua vinda se aproximava, o próprio parentesco (Mt 1:1-17; Lc 1:26-35; 2:1-7); e então todos os raios dispersos da profecia se concentram em Jesus, como seu foco (Hb 1:1-2).

3 Por isso ele os entregará até o tempo em que a que estiver de parto der à luz; então o resto de seus irmãos voltarão a estar com os filhos de Israel.

“Portanto (por causa de seu plano estabelecido) Deus entregará a seus inimigos Seu povo Israel, até que” etc.

a que estiver de parto der à luz – a saber, a mãe “virgem”, mencionada pelo contemporâneo de Miquéias, Is 7:14. Sião “em trabalho de parto” (Mq 4:9-10) responde à virgem em trabalho do Messias. A libertação de Israel de suas longas dores de parto da dor irá sincronizar com a aparição do Messias como seu Redentor (Rm 11:26) nos últimos dias, como a libertação espiritual da Igreja sincronizada com a virgem dando à luz Ele em seu primeiro advento. O trabalho da Igreja antiga, à espera do Messias, é representado pelo trabalho da virgem. Portanto, ambos podem ser entendidos. Não pode ser restrito à Virgem Maria: pois Israel ainda é “abandonado”, embora o Messias tenha sido “produzido” há dezoito e meio séculos atrás. Mas os espasmos da Igreja estão incluídos, que só devem terminar quando Cristo, tendo sido pregado para testemunhar a todas as nações, finalmente aparecer como o Libertador de Jacó, e quando os tempos dos gentios se cumprirem, e Israel como uma nação deve nascer em um dia (Is 66:7-11; Lc 21:24; Ap 12:1-2,4; compare com Rm 8:22).

o resto de seus irmãos voltarão a estar com os filhos de Israel – (Compare Mq 4:7). O restante dos israelitas dispersos em terras estrangeiras retornará para se juntar a seus compatriotas em Canaã. O hebraico para “até” é, literalmente, “sobre”, implicando superadição para aqueles já reunidos.

4 E eles se levantará, e governará com a força do SENHOR, com a grandeza do nome do SENHOR seu Deus; e eles habitarão seguros, porque agora ele será engrandecido até os confins da terra.

ele deve permanecer – isto é, perseverar: implicando a resistência de Seu reino (Calvino). Pelo contrário, seu cuidado diligente e circunspecção pastoral, como pastor, permanece ereto para vigiar e guardar Seu rebanho por todos os lados (Is 61:5) (Maurer)

alimentação – isto é, regra: como a palavra grega similarmente em Mt 2: 6, Margem significa “alimentar” e “governar” (Is 40:11; 49:10; Ez 34:23; compare 2Sm 5:2; 7:8).

com a grandeza do nome do SENHOR – possuindo a majestade de todos os atributos revelados de Jeová (“nome”) (Is 11:2; Fp 2:6,9; Hb 2:7-9).

seu Deus – Deus é “Seu Deus” em uma unidade de relação distinta do sentido em que Deus é nosso Deus (Jo 20:17).

eles habitarão seguros – os israelitas (“eles”, isto é, o remanescente que retorna e os “filhos de Israel anteriormente em Canaã” devem habitar em segurança e prosperidade permanentes (Mq 4:4; Is 14:30).

até os confins da terra – (Mq 4:1; Sl 72:8; Zc 9:10).

5 E este será nossa paz; quando a Assíria vier a nossa terra, e quando pisar nossos palácios, então levantaremos contra ela sete pastores, e oito príncipes dentre os homens;

este – em hebraico simplesmente “Isto”. O que acabamos de mencionar; Ele e ele sozinho. Emfático para o Messias (compare Gn 5:29).

paz – a fonte da paz entre Deus e o homem, entre Israel e Israel justamente ofendido a Deus (Gn 49:10; Is 9:6; Ef 2:14,17; Cl 1:20), e como consequência, a fonte de “paz na terra”, onde até agora tudo é contenda (Mq 4:3; Os 2:18; Zc 9:10; Lc 2:14).

a Assíria – Sendo o inimigo mais poderoso de Israel naquela época, a Assíria é representada por todos os inimigos de Israel em todas as eras, os quais receberão sua destruição final com a aparição do Messias (Ez 38:1-23).

sete pastores, e oito – “Sete” expressa perfeição; “Sete e oito” é uma expressão idiomática para um número completo e suficiente (Jó 5:19; Pv 6:16; Ec 11:2).

príncipes dentre os homens – literalmente, “ungidos (humildes) homens” (Salmo 62: 9), como os apóstolos eram. Sua unção, ou consagração e qualificação para o ofício, foi pelo Espírito Santo (Calvino) (1Jo 2:20,27). “Príncipes” também foram ungidos, e eles são mencionados como sob o Messias (Is 32:1). A versão inglesa, portanto, dá o sentido provável.

6 E dominarão a terra da Assíria pela espada, e a terra de Ninrode em suas entradas; assim ele nos livrará do assírios, quando vierem contra nossa terra e invadirem nossas fronteiras.

desperdício – literalmente, “coma”: seguindo a metáfora dos “pastores” (compare Nm 22:4; Jr 6:3).

terra de Ninrode – Babilônia (Mq 4:10; Gn 10:10); ou, incluindo também a Assíria, à qual ele estendeu suas fronteiras (Gn 10:11).

em suas entradas – os passes para a Assíria (2Rs 3:21). A Margem e Jerome, enganados por uma desnecessária atenção ao paralelismo, “com a espada”, traduzem “com suas próprias espadas nuas”; como no Salmo 55:21 o hebraico é traduzido. Mas “nas entradas” da Assíria, responde-se a “dentro de nossas fronteiras”. À medida que os assírios invadem nossas fronteiras, suas fronteiras ou “entradas” também serão invadidas.

ele … ele – o Messias nos libertará quando o assírio vier.

7 E o restante de Jacó estará no meio de muitos povos, como o orvalho do SENHOR, como gotas sobre a erva, que não esperam ao homem, nem aguardam os filhos de homens.

restante de Jacó – já mencionado em Mq 5:3. Em comparação, a pequenez é antítese das “muitas pessoas”. Embora Israel seja apenas um remanescente em meio a muitas nações após sua restauração, ela exercitará a mesma influência abençoada em acelerá-los espiritualmente que o pequeno orvalho imperceptível exerce na grama. Dt 32:2; Sl 72:6; 110:3). A influência dos judeus restaurados da Babilônia em fazer muitos prosélitos gentios é um penhor de um efeito similar maior no futuro (Is 66:19; Zc 8:13).

do SENHOR – a restauração de Israel e a consequente conversão dos gentios são unicamente da graça.

não esperam ao homem – inteiramente o trabalho de Deus, tão independente do artifício humano quanto o orvalho e as chuvas que fertilizam o solo.

8 E o restante de Jacó estará entre as nações, no meio de muitos povos, como o leão entre os animais do bosque, como o leão jovem entre os rebanhos de ovelhas, o qual quando passa, atropela e despedaça, de modo que ninguém há que possa livrar.

como o leão – Em Mq 5:7 a influência benigna de Israel sobre as nações é descrita; mas aqui a sua vingança contra as hostes ímpias que a assaltam (Is 66:15-16,19,24; Zc 12:3,6,8-9; 14:17-18). Judá será “como um leão”, não em respeito à sua crueldade, mas em seu poder de golpear o terror em todos os oponentes. Sob os macabeus, os judeus adquiriram a Iduméia, Samaria e partes do território de Amon e Moabe (Grotius). Mas isso foi apenas o penhor de sua futura glória na restauração vindoura.

9 Tua mão se erguerá sobre teus adversários, e todos os teus inimigos serão exterminados.

Tua mão se erguerá – Em Is 26:11 é a mão de Jeová que é levantada; aqui Israel, como Mq 5:8, implica, assim como “Sião” é dirigido e dirigido para “espancar muitas pessoas” (Mq 4:13; compare com Is 54:15,17). Pois os inimigos de Israel são inimigos de Jeová. Quando se diz que sua mão está levantada, é a mão de Jeová que atinge o inimigo por ela (compare Êx 13:9 com Êx 14:8).

10 E será naquele dia,diz o SENHOR, que destruirei teus cavalos do meio de ti, e acabarei com tuas carruagens.

carruagens – ou seja, aqueles usados ​​para fins de guerra. Israel tinha sido proibido o uso de cavalaria, ou para ir para o Egito para cavalos (Dt 17:16), para que eles não devem confiar nas forças do mundo, e não em Deus (Sl 20:7). Salomão havia desconsiderado este mandamento (1Rs 10:26,28). A seguir, diz Deus, removerei esses impedimentos ao livre curso da Minha graça: cavalos, carruagens, etc., em que vocês confiam. A Igreja nunca estará segura, até que ela seja despojada de todas as confianças de criaturas e repouse somente em Jeová (Calvino). A paz universal dada por Deus fará com que instrumentos bélicos sejam desnecessários. Ele os separará de Israel (Zc 9:10); como ela os cortará da Babilônia, o representante das nações (Jr 50:37; 51:21).

11 Também destruirei as cidades da tua terra, e derrubarei todas as tuas fortalezas.

cidadesfortalezas – como são fortificadas para a guerra. Nesse tempo de paz, os homens devem viver em aldeias sem muros (Ez 38:11; compare com Jr 23:6; 49:31; Zc 2:8).

12 Também destruirei as feitiçarias de tua mão, e não terás mais adivinhadores.

feitiços da tua mão – isto é, que tu usestes agora.

13 Também destruirei as tuas imagens de escultura e tuas colunas de idolatria do meio de ti, e nunca mais te encurvarás diante da obra de tuas mãos;

corta – (Compare Is 2:8,18-21; 30:22, Zc 13:2).

imagens em pé – estátuas.

14 Também arrancarei teus bosques do meio de ti, e arruinarei tuas cidades.

cidades – Os “bosques” são o símbolo idólatra de Astarte (Dt 16:21; 2Rs 21:7). “Cidades” sendo paralelas a “bosques” devem significar cidades nas quais ou perto desses bosques idólatras existiam. Compare “cidade da casa de Baal” (2Rs 10:25), isto é, uma parte da cidade sagrada para Baal.

15 E com ira e com furor farei vingança das nações que não me deram ouvidos.

que não me deram ouvidos – ou, como a ordem hebraica favorece, “as nações que não deram ouvidos às Minhas advertências”. Assim a Septuaginta (Sl 149:7).

<Miqueias 4 Miqueias 6>

Leia também uma introdução ao Livro de Miqueias.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados