Números 22

Balaque manda chamar Balaão

1 Depois os filhos de Israel partiram, e se assentaram nos campos de Moabe, desta parte do Jordão de Jericó.

Comentário de Robert Jamieson

Israel partiram, e se assentaram nos campos de Moabe – assim chamado de ter pertencido àquele povo, embora arrancado deles por Sihon. Era uma região desértica seca e afundada a leste do vale do Jordão, em frente a Jericó. [JFB, aguardando revisão]

2 E viu Balaque, filho de Zipor, tudo o que Israel havia feito aos amorreus.

Comentário de Robert Jamieson

Balaque – isto é, “vazio”. Aterrorizado (Deuteronômio 2:25; Êxodo 15:15) na aproximação de uma multidão tão vasta e sem ousar encontrá-los no campo, ele resolveu assegurar sua destruição por outros meios. [JFB, aguardando revisão]

3 E Moabe temeu muito por causa do povo que era muito; e angustiou-se Moabe por causa dos filhos de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

E Moabe temeu muito por causa do povo. A presença de uma multidão tão vasta e a rapidez irresistível de suas conquistas nos reinos adjacentes naturalmente difundiram o pânico por todo o país de Moabe; e esse sentimento de desânimo havia sido previsto (Êxodo 15:15; Deuteronômio 2:25).

e angustiou-se Moabe por causa dos filhos de Israel. Sendo o acréscimo dessa cláusula tautológico, Michaelis e Hengstenberg tomam o verbo em sua significação primária, detestar, desgostar ou cansar de uma coisa (Números 21:5: compare com Gênesis 27:46). A Septuaginta traduz prosoochthise Mooab, ficou indignado, mas Gesenius mostra que a ideia de abominação em vários verbos também é transferida para a de medo. [Jamieson, aguardando revisão]

4 E disse Moabe aos anciãos de Midiã: Agora lamberá esta gente todos nossos entornos, como lambe o boi a grama do campo. E Balaque, filho de Zipor, era então rei de Moabe.

Comentário de Robert Jamieson

anciãos de Midiã – chamados reis (Números 31:8) e príncipes (Josué 13:21). Os midianitas, um povo distinto na fronteira sul de Moabe, uniram-se a eles como confederados contra Israel, seu inimigo comum. [JFB, aguardando revisão]

5 Portanto enviou mensageiros a Balaão filho de Beor, a Petor, que está junto ao rio na terra dos filhos de seu povo, para que o chamassem, dizendo: Um povo saiu do Egito, e eis que cobre a face da terra, e habita diante de mim:

Comentário de Robert Jamieson

Portanto enviou mensageiros a Balaão – isto é, “senhor” ou “devorador” de pessoas, um famoso adivinho (Josué 13:22).

filho de Beor – ou, na forma dos Caldeus, Bosor – isto é, “destruição”.

Petor – uma cidade da Mesopotâmia, situada no Eufrates. [JFB, aguardando revisão]

6 Vem pois agora, te rogo, amaldiçoa para mim este povo, porque é mais forte que eu: talvez poderei eu feri-lo, e lançá-lo da terra: que eu sei que o que tu abençoares, será bendito, e o que tu amaldiçoares, será maldito.

Comentário de Robert Jamieson

Vem pois agora, te rogo, amaldiçoa para mim este povo – Entre os pagãos prevaleceu uma opinião de que as orações pelo mal ou maldições seriam ouvidas pelos poderes invisíveis, bem como orações para o bem, quando oferecido por um profeta ou sacerdote e acompanhado pelo uso de certos ritos. Muitos exemplos são encontrados nas histórias dos gregos e romanos de exércitos inteiros sendo dedicados à destruição, e eles ocorrem entre os nativos da Índia e outros países pagãos ainda. Na guerra birmanesa, os mágicos foram empregados para amaldiçoar as tropas britânicas. [JFB, aguardando revisão]

7 E foram os anciãos de Moabe e os anciãos de Midiã, com o pagamento pela adivinhação em sua mão, e chegaram a Balaão, e lhe disseram as palavras de Balaque.

Comentário de Robert Jamieson

os anciãos de Moabe e os anciãos de Midiã, com o [pagamento pela] adivinhação em sua mão – como a taxa de uma cartomante, e sendo um presente real, seria algo bonito. [JFB, aguardando revisão]

8 E ele lhes disse: Repousai aqui esta noite, e eu vos referirei as palavras, como o SENHOR me falar. Assim os príncipes de Moabe se restaram com Balaão.

Comentário de Robert Jamieson

Repousai aqui esta noite, e eu vos referirei as palavras, como o SENHOR me falar – Deus geralmente revelou Sua vontade em visões e sonhos; e o nascimento e a residência de Balaão na Mesopotâmia, onde ainda permanecem os restos da religião patriarcal, explicam seu conhecimento do verdadeiro Deus. Seu personagem real tem sido um assunto de discussão. Alguns, a julgar pela sua linguagem, acharam-no santo; outros, olhando para sua conduta, descreveram-no como um charlatão irreligioso; e uma terceira classe considera-o um noviço na fé, que temia a Deus, mas que não adquiriu poder sobre suas paixões [Hengstenberg]. [JFB, aguardando revisão]

9 E veio Deus a Balaão, e disse-lhe: Que homens são estes que estão contigo?

Comentário de C. J. Ellicott

Que homens são estes que estão contigo? Esta pergunta, como aquela dirigida a Elias: “O que você faz aqui?” (1 Reis 19:9), ou isso para Ezequias: “O que disseram esses homens? e de onde vieram a ti?” e “O que eles viram em tua casa?” (Isaías 39:3-4) foi calculado para despertar a consciência adormecida de Balaão e abrir seus olhos para a percepção de seu pecado e de seu perigo. [Ellicott, aguardando revisão]

10 E Balaão respondeu a Deus: Balaque filho de Zipor, rei de Moabe, enviou a mim dizendo:

Comentário de Keil e v

(7-10) Quando os anciãos de Moabe e de Midiã vieram a ele com o salário da adivinhação nas mãos, ele não os despediu, mas disse-lhes que passassem a noite em sua casa, para que lhes anunciasse o que Jeová lhe diria. קסמים, de קסם, adivinhação, significa aqui o que foi feito ou ganho por adivinhação – o salário do adivinho; assim como בּשׂרה, que significa literalmente boas novas, é usado em 2Samuel 4:10 para o salário das boas novas; e פּעל, פּעלּה, que significa trabalho, é frequentemente usado para o que é feito, a coisa adquirida, ou o salário. Se Balaão tivesse sido um verdadeiro profeta e um servo fiel de Jeová, ele teria imediatamente enviado os mensageiros e recusado seu pedido, pois ele deve ter sabido então que Deus não amaldiçoaria Seu povo escolhido. Mas Balaão amou o salário da injustiça. Essa corrupção de seu coração obscureceu sua mente, de modo que ele se voltou para Deus não como uma mera forma, mas com a intenção e na esperança de obter o consentimento de Deus para seu empreendimento. E Deus veio a ele durante a noite, e fez conhecida Sua vontade. Se foi por meio de um sonho ou de uma visão, não é registrado, pois isso não teve importância em relação ao assunto em questão. A pergunta de Deus em Números 22:9: “Quem são estes homens contigo?” não só serviu para introduzir a conversa (Knobel), mas pretendia despertar “a consciência adormecida de Balaão, levá-lo a refletir sobre a proposta que os homens fizeram e quebrar a força de sua inclinação pecaminosa” (Hengstenberg). [Keil e v, aguardando revisão]

11 Eis que este povo que saiu do Egito, cobre a face da terra: vem pois agora, e amaldiçoa-o para mim; talvez poderei lutar com ele, e expulsá-lo.

Comentário de G. B. Gray

Balaão repete a Deus de uma forma ligeiramente abreviada e com algumas variações verbais a mensagem de Balaque como dada no versículo 5b 6a (J). [Gray, aguardando revisão]

12 Então disse Deus a Balaão: Não vás com eles, nem amaldiçoes ao povo; porque é bendito.

Comentário de Daniel Steele

porque é bendito. A bênção aqui pronunciada é nacional e não individual. Eles estão incluídos na aliança na qual não apenas são abençoados, mas por meio deles, como os progenitores do Messias, todas as famílias da terra serão abençoadas. [Steele, aguardando revisão]

13 Assim Balaão se levantou pela manhã, e disse aos príncipes de Balaque: Voltai-vos à vossa terra, porque o SENHOR não me quer deixar ir convosco.

Comentário de Robert Jamieson

o SENHOR não me quer deixar ir convosco – Esta resposta tem a aparência de ser boa, mas estudiosamente ocultou a razão da proibição divina [Números 22:12], e ela deu a entender sua própria disposição e desejo de ir – se permitido. Balaque despachou uma segunda missão, que oferecia perspectivas lisonjeiras, tanto para sua avareza quanto para sua ambição (Gênesis 31:30). [JFB, aguardando revisão]

14 E os príncipes de Moabe se levantaram, e vieram a Balaque, e disseram: Balaão não quis vir conosco.

Comentário de Daniel Steele

Balaão não quis vir conosco. Homens ímpios reduzem a verdade de Deus ao menor ponto possível. Balaão relata aos príncipes menos do que Deus havia comunicado, e eles, por sua vez, relatam a Balaque menos do que Balaão lhes disse; de modo que, quando a resposta veio ao rei, não era agora a palavra de Deus, mas apenas do homem, como se Deus não tivesse proibido a maldição, mas apenas a vontade de Balaão estava no caminho. [Steele, aguardando revisão]

15 E voltou Balaque a enviar outra vez mais príncipes, e mais nobres que os outros.

Comentário de Daniel Steele

mais príncipes, e mais nobres. Balaque foi encorajado a enviar a segunda embaixada por causa do desejo implícito de Balaão de acompanhar os primeiros mensageiros, um desejo que foi substituído por seu alto senso de obrigação para com Deus. Para reforçar este desejo no coração de Balaão e torná-lo dominante, é enviada uma delegação maior e mais honrosa, que é instruída a apresentar o motivo da promoção e grande honra. As palavras de Balaão, conforme relatadas a Balaque, em vez de entorpecer seu propósito, foram uma pedra de amolar para afiá-lo. Diz W. M. Thomson: “No Oriente, tudo é feito por mediação, e muitas vezes tenho sido pressionado e incomodado por esses embaixadores mediadores. Sua importunação não será negada”. Ainda é costume enviar primeiro os menos honrados e, em caso de falha, os “mais honrados”. [Steele, aguardando revisão]

16 Os quais vieram a Balaão, e disseram-lhe: Assim diz Balaque, filho de Zipor: Rogo-te que não deixes de vir a mim:

Comentário de G. B. Gray

não deixes de vir – o verbo aqui usado é o reflexivo (Nifal) daquele usado (com Yahweh como sujeito) em 24:11. Possivelmente as palavras são escolhidas para indicar que Balaque considerou a recusa anterior de Balaão como uma desculpa. [Gray, aguardando revisão]

17 Porque sem dúvida te honrarei muito, e farei tudo o que me disseres: vem pois agora, amaldiçoa para mim a este povo.

Comentário de A. H. McNeille

te honrarei muito. A expressão não implica que Balaão seria nomeado para um alto cargo, mas apenas que o rei lhe mostraria grande respeito e o muito recompensaria. [McNeille, aguardando revisão]

18 E Balaão respondeu, e disse aos servos de Balaque: Ainda que Balaque me desse sua casa cheia de prata e ouro, não posso transgredir a palavra do SENHOR meu Deus, para fazer coisa pequena nem grande.

Comentário de Daniel ccc

casa cheia de prata e ouro. “Palavras ilustres”, diz Calvin, “e indica uma nobre firmeza”. Mas por que ele não mandou embora instantaneamente os mensageiros iníquos que o solicitavam para transgredir? Vemos que ele preferiu vender a si mesmo do que render a devida glória a Deus. Pois ele desejava com esta jactância de obediência adquirir o título e a honra de um santo profeta”. Aqui está uma imagem do hipócrita cobiçoso que se gaba de não agir contrariamente à palavra de Deus por uma casa cheia de ouro quando o faz por um punhado, como Balaão trabalhou com todas as suas forças para fazer o que Deus havia proibido.

não posso transgredir a palavra do SENHOR meu Deus. Isto foi uma incapacidade moral induzida pelo medo de Jeová e pelo pavor de seus julgamentos. “Do começo ao fim este fato foi firmemente estabelecido na mente de Balaão, que no trabalho para o qual Balaque o convocou ele não podia fazer nada, exceto através de Jeová. Este conhecimento ele havia adquirido em virtude de seus dons naturais como vidente, e sua experiência anterior. Mas este claro conhecimento de Jeová foi completamente obscurecido novamente pelo amor ao salário que reinava em seu coração. Porque ele amava Balaque, o inimigo de Israel, por causa do salário, enquanto Jeová amava Israel por seu próprio bem, Balaão se opunha a Jeová em sua natureza íntima e em sua vontade, embora ele sabia que estava em uníssono com ele em virtude de seu dom natural. Consequentemente, ele caiu na mesma cegueira de contradição à qual Balaque estava em cativeiro” (Baumgarten). Assim, muitos homens “retêm a verdade em injustiça” (Romanos 1:18). [Steele, aguardando revisão]

19 Rogo-vos, portanto, agora, que repouseis aqui esta noite, para que eu saiba que me volta a dizer o SENHOR.

Comentário de Robert Jamieson

A vontade divina, como declarada anteriormente, não estando de acordo com seus desejos, ele esperava por um segundo pedido para dobrá-la, como ele já tinha se curvado sua própria consciência, para suas paixões dominantes de orgulho e cobiça. A permissão concedida a Balaão está de acordo com o procedimento comum da Providência. Deus frequentemente desiste de homens para seguir o impulso de suas próprias concupiscências; mas não há aprovação, deixando-os agir de acordo com o impulso de seus próprios corações perversos (Josué 13:27). [JFB, aguardando revisão]

20 E veio Deus a Balaão de noite, e disse-lhe: Se homens vierem a te chamar, levanta-te e vai com eles: porém farás o que eu te disser.

Comentário de Daniel Steele

vai com eles. Porque Balaão obedeceu à primeira injunção com repugnância interior, sua segunda oração pela direção divina é respondida com ira, de modo que ele estava em perigo de morrer pela espada do anjo, um tipo da espada de Israel que perfurou seu coração. Números 31:8; Josué 13:22. Essa aparente mudança de mente em Deus induziu Balaão a esforços repetidos e vãos para obter permissão de Deus para amaldiçoar seu povo. Os homens que não dão ouvidos à voz do Senhor são abandonados a andar em seus próprios conselhos, como Deus deu a Israel um rei em sua ira quando a teocracia foi rejeitada.

porém farás o que eu te disser. Essa cláusula protege Israel de todo mal de Balaão, enquanto permite que ele tenha esperança de alcançar seu desejo. No lugar do primeiro oráculo simples, Números 22:12, uma resposta mais sombria é dada: Tu farás a palavra que eu te falarei. Balaão pensou que ouviria mais de Deus, mas ouviu menos e perdeu o que tinha ouvido antes. A vontade rebelde recebe cada vez menos luz da oração a Deus (Mateus 6:23). [Steele, aguardando revisão]

O anjo do SENHOR e a jumenta de Balaão

21 Assim Balaão se levantou pela manhã, e preparou sua jumenta, e foi com os príncipes de Moabe.

Comentário de Robert Jamieson

Balaãopreparou sua jumenta – provavelmente um dos animais que as pessoas de classe estavam acostumadas a montar. A sela, como geralmente no Oriente, não seria nada mais que uma almofada ou seu manto externo. [JFB, aguardando revisão]

22 E o furor de Deus se acendeu porque ele ia; e o anjo do SENHOR se pôs no caminho por adversário seu. Ia, pois, ele montado sobre sua jumenta, e com ele dois servos seus.

Comentário de Robert Jamieson

E o furor de Deus se acendeu porque ele ia – O descontentamento surgiu em parte de ele negligenciar a condição em que a permissão lhe foi concedida – a saber, esperar até que os príncipes de Moabe “viessem chamá-lo” [Números 22:20], e porque Por meio do desejo pelo “salário da injustiça” [2Pedro 2:15], ele nutria o propósito secreto de agir em oposição à solene incumbência de Deus. [JFB, aguardando revisão]

23 E a jumenta viu o anjo do SENHOR, que estava no caminho com sua espada exposta em sua mão; então a jumenta desviou-se do caminho, e foi pelo campo. Em seguida, Balaão espancou a jumenta para fazê-la voltar ao caminho.

Comentário de Daniel Steele

a jumenta viu o anjo. “Para grande desgraça do profeta, a glória do anjo foi primeiramente aparente para o jumento… Ele se vangloriava antes disso de visões extraordinárias, e agora o que era visível aos olhos de uma besta era invisível para ele! De onde veio essa cegueira, mas da avareza pela qual ele ficou tão estupefato que preferiu o lucro imundo ao santo chamado de Deus?” (Calvino). Todos os versados em história natural concordam que os animais irracionais têm um pressentimento instintivo muito mais aguçado de muitos fenômenos naturais, como terremotos, tempestades, etc., do que o homem tem com seus cinco sentidos. “O fato é igualmente inegável”, diz Keil, “que muitos animais, como cavalos e vacas, veem a chamada segunda vista”.

espada exposta. Um símbolo da ira de Jeová. 1Crônicas 21:16; Josué 5:13, nota. [Steele, aguardando revisão]

24 Mas o anjo do SENHOR se pôs em uma vereda de vinhas que tinha parede de uma parte e parede de outra.

Comentário de Robert Jamieson

Mas o anjo do SENHOR se pôs em uma vereda de vinhas – As estradas que conduzem através dos campos e vinhas são tão estreitas que na maioria das vezes um homem não podia passar uma besta sem cuidado e cautela. Uma cerca de pedra ou lama flanqueia cada lado dessas estradas, para evitar que o solo seja lavado pelas chuvas. [JFB, aguardando revisão]

25 E quando a jumenta viu o anjo do SENHOR, apegou-se à parede, e apertou contra a parede o pé de Balaão: e ele voltou a espancá-la.

Comentário de Daniel Steele

apertou contra a parede o pé de Balaão. Por este segundo sinal, Deus se aproximou de Balaão e lhe revelou a vaidade de sua arte de adivinhação, mostrando que ele não podia prever o mal que estava prestes a acontecer. “Os filhos de Deus têm os anjos para guardá-los em todos os seus caminhos e sustentá-los para que não tropecem em alguma pedra. Salmo 91:11-12. Mas Balaão, tentando ao Senhor, tem o seu anjo para lhe resistir, pelo que o seu pé é esmagado contra a parede; ainda assim ele não faz bom uso disso” (Ainsworth). [Steele, aguardando revisão]

26 E o anjo do SENHOR passou mais ali, e pôs-se em um lugar estreito, onde não havia caminho para desviar-se nem à direita nem à esquerda.

Comentário de Keil e v

(26-27) O anjo se moveu ainda mais longe e se colocou à sua frente, em um passe tão estreito, que não havia espaço para se mover nem para a direita nem para a esquerda. Como o jumento não podia virar de lado nem passar desta vez, ela se jogou para baixo. Balaam ficou ainda mais enfurecido com isso, e lhe bateu com o cajado (בּמקּל, que ele carregava; ver Gênesis 38:18). [Keil e v, aguardando revisão]

27 E vendo a jumenta ao anjo do SENHOR, lançou-se debaixo de Balaão: e irou-se Balaão, e feriu à jumenta com um bordão.

Comentário de Keil e v

(26-27) O anjo se moveu ainda mais longe e se colocou à sua frente, em um passe tão estreito, que não havia espaço para se mover nem para a direita nem para a esquerda. Como o jumento não podia virar de lado nem passar desta vez, ela se jogou para baixo. Balaam ficou ainda mais enfurecido com isso, e lhe bateu com o cajado (בּמקּל, que ele carregava; ver Gênesis 38:18). [Keil e v, aguardando revisão]

28 Então o SENHOR abriu a boca da jumenta, a qual disse a Balaão: Que te fiz, que me feriste estas três vezes?

Comentário de Robert Jamieson

o SENHOR abriu a boca da jumenta – para pronunciar, como um papagaio, articular sons, sem compreendê-los. Que esta era uma cena visionária é uma noção que parece inadmissível, devido à improbabilidade de uma visão ser descrita como uma ocorrência real no meio de uma história clara. Além disso, a abertura da boca do jumento deve ter sido um ato externo, e que, com o teor manifesto da linguagem de Pedro, favorece fortemente a visão literal [2Pedro 2:15-16]. A ausência de qualquer surpresa em tal fenômeno por parte de Balaão pode ser explicada por sua mente estar totalmente absorta com a perspectiva de ganho, que produziu “a loucura do profeta” [2Pedro 2:16]. “Foi um milagre, forjado para humilhar seu coração orgulhoso, que teve que ser primeiro submetido na escola de um asno antes de ser trazido para atender a voz de Deus falando pelo anjo” (Calvino). [JFB, aguardando revisão]

29 E Balaão respondeu à jumenta: Porque te zombaste de mim: bom seria se eu tivesse espada em minha mão, que agora te mataria!

Comentário de Daniel Steele

Porque te zombaste de mim. Observou-se que não há evidências de surpresa ou alarme em Balaão com esse fenômeno maravilhoso, e que sua calma prova que não foi um discurso real do jumento. Argumentum e silentio, o argumento do silêncio, é a menos convincente de todas as provas. A mente é incapaz de ser influenciada por duas emoções diferentes ao mesmo tempo. Enquanto a raiva era dominante, o terror estava em suspenso. Não há necessidade de supor que Balaão estava acostumado a tais prodígios.

que agora te mataria. Observe a loucura dos ímpios, que com palavras e golpes perseguem seus servos. [Steele, aguardando revisão]

30 E a jumenta disse a Balaão: Não sou eu tua jumenta? Sobre mim montaste desde que tu me tens até hoje; costumei a fazê-lo assim contigo? E ele respondeu: Não.

Comentário de C. J. Ellicott

desde que tu me tens – ou seja, toda a sua vida. Os Targums de Jônatas e de Jerusalém parafraseiam assim – “sobre o qual cavalgaste desde a tua mocidade até hoje”. “Um escritor árabe”, diz Gill, em seu Comentário, in loc., “faz menção a um jumento que o proprietário montou durante quarenta anos”.

até hoje. O uso dessas palavras neste lugar serve para esclarecer passagens como Deuteronômio 3:14, “chamou-os pelo seu próprio nome . . . até hoje”, e mostra que eles não denotam necessariamente que os eventos aos quais é feita referência foram separados por qualquer intervalo muito longo. [Ellicott, aguardando revisão]

31 Então o SENHOR abriu os olhos a Balaão, e viu ao anjo do SENHOR que estava no caminho, e tinha sua espada nua em sua mão. E Balaão fez reverência, e inclinou-se sobre seu rosto.

Comentário de Robert Jamieson

Então o SENHOR abriu os olhos a Balaão. “Ambos esses termos (hebraico e grego) significam a retirada de um véu, ou tal remoção dele de qualquer objeto diante do qual ele tenha sido pendurado, de modo que ele não mais interfira entre esse objeto e o objeto da visão, para impedir sua contemplação. É com base nesse princípio que devemos explicar e interpretar frases metafóricas como descobrir os ouvidos ou abrir os olhos de qualquer um’ (compare com Números 24:3-16; 1Samuel 9:15; 2Samuel 7:27: Henderson on ‘ Inspiração’, p. 27). Foi um milagre, realizado para humilhar seu coração orgulhoso, que teve de ser submetido primeiro na escola de um jumento antes de ser trazido para atender à voz de Deus falando pelo anjo; e a lição que lhe foi ensinada por este incidente extraordinário foi que a boca e a língua estavam sob o controle daquele que as fez, e que, quando adequado aos propósitos de sua providência onisciente, poderia fazer uma jumenta muda falar, ao contrário à sua natureza, bem como constrangê-lo a proferir bênçãos contrárias ao seu propósito. [Jamieson, aguardando revisão]

32 E o anjo do SENHOR lhe disse: Por que feriste tua jumenta estas três vezes? eis que eu saí para me opor a ti, porque teu caminho é perverso diante de mim:

Comentário de Daniel Steele

Por que feriste tua jumenta. Que Deus se importa com o bem estar dos animais é demonstrado pelo fato de que as primeiras palavras do anjo do Senhor são uma repreensão pelo abuso da jumenta.

para me opor a ti. Hebraico, para ser Satã, isto é, adversário para ti. O nome Satanás é aqui dado a um bom anjo que se opõe a Balaão, tanto para o bem de Israel como do próprio Balaão. Mas o diabo é chamado Satanás porque ele se levanta contra Deus e seu povo.

porque teu caminho é perverso. Ele tinha formado o propósito de amaldiçoar Israel. Como Balaão feriu a besta por ter se desviado do caminho de seu mestre, assim Jeová teria legitimamente ferido até a morte Balaão por ter se desviado do caminho do Senhor. [Steele, aguardando revisão]

33 A jumenta me viu, e afastou-se logo de diante de mim estas três vezes: e se de mim não se houvesse afastado, eu também agora mataria a ti, e a ela deixaria viva.

Comentário de Daniel Steele

e se de mim não se houvesse afastado. “Esta interpretação”, diz Keil, “não pode ser defendida de acordo com as regras do idioma”. Ele a traduz assim: “Talvez tenha se revelado diante de mim; pois de outra forma eu deveria ter te matado e deixado ela viver”, deixando incerto por que a jumenta tinha se revelado fora do caminho.

a ela deixaria viva. Um exemplo de matar um profeta e poupar sua jumenta ocorre em 1Reis 13:23-28. Os cabalistas inferem que esta jumenta morreu imediatamente após falar, para que os pagãos não a adorassem como um deus. [Steele, aguardando revisão]

34 Então Balaão disse ao anjo do SENHOR: Pequei, que não sabia que tu te punhas diante de mim no caminho: mas agora, se te parece mal, eu me voltarei.

Comentário de Robert Jamieson

se te parece mal, eu me voltarei – Apesar dessa confissão, ele não demonstrou nenhum espírito de penitência, pois fala de desistir apenas do ato exterior. As palavras “ir com os homens” foram uma mera retirada de mais restrições, mas os termos em que a licença foi dada são mais absolutos e peremptórios do que aqueles em Números 22:20. [JFB, aguardando revisão]

35 E o anjo do SENHOR disse a Balaão: Vai com esses homens: porém a palavra que eu te disser, essa falarás. Assim Balaão foi com os príncipes de Balaque.

Comentário de Daniel Steele

Vai com esses homens. Uma vez que nem a primeira proibição de sua partida (Números 22:12) nem os portentos e perigos que ele encontrou no caminho desviaram seu coração de seu propósito perverso, o Senhor permitiu que ele continuasse em sua cegueira judicial, até que ele devesse tropeçar no precipício da ruína. Seu erro primordial foi admitir em seu peito, através da maldita sede de ouro, a intenção de amaldiçoar Israel. Esse desejo acalentado viciou seu arrependimento e provou que sua fraca oferta de voltar era hipócrita.

essa falarás. “Todo o procedimento destinava-se a aguçar sua consciência e tornar sua mente sóbria, para que ele pudesse prestar atenção à palavra que o Senhor falaria” (Keil). Assim, a imutabilidade do propósito divino na adoção de Abraão e sua semente é ser demonstrado mais claramente pela boca de um adivinho gentio. [Steele, aguardando revisão]

36 E ouvindo Balaque que Balaão vinha, saiu a recebê-lo à cidade de Moabe, que está junto ao termo de Arnom, que é a extremidade das fronteiras.

Comentário de Robert Jamieson

E ouvindo Balaque que Balaão vinha, saiu a recebê-lo – a educação exige que, quanto mais alta a posição do hóspede esperado, maior distância se vá para receber sua chegada. [JFB, aguardando revisão]

37 E Balaque disse a Balaão: Não enviei eu a ti a chamar-te? por que não vieste a mim? não posso eu te honrar?

Comentário de Daniel Steele

não posso eu te honrar? Após uma gentil repreensão por recusar seu primeiro convite, Balaque excita a imaginação de Balaão com promessas de honra. Mas em vez de conceder honras, Balaque o dispensou em desgraça. Números 24:10-11; Mateus 4:8-9. [Steele, aguardando revisão]

38 E Balaão respondeu a Balaque: Eis que eu vim a ti: mas poderei agora falar alguma coisa? A palavra que Deus puser em minha boca, essa falarei.

Comentário de Robert Jamieson

A palavra que Deus puser em minha boca, essa falarei – Isto parece uma resposta piedosa. Foi um reconhecimento de que ele foi contido por um poder superior. [JFB, aguardando revisão]

39 E foi Balaão com Balaque, e vieram à Quiriate-Huzote.

Comentário de Daniel Steele

Quiriate-Huzote, a cidade das ruas, é mencionada apenas aqui. Nada se sabe a respeito, mas o nome. Knobel conjectura que é o mesmo que Kerioth, Jeremias 48:24, o moderno Kereijat ou Korriat, ao pé de Jebel Attarus, no topo do qual estavam as alturas de Baal. [Steele, aguardando revisão]

40 E Balaque fez matar bois e ovelhas, e enviou a Balaão, e aos príncipes que estavam com ele.

Comentário de Robert Jamieson

Balaque fez matar bois e ovelhas – preparações feitas para um grande entretenimento para Balaão e os príncipes de Midiã. [JFB, aguardando revisão]

41 E no dia seguinte Balaque tomou a Balaão, e o fez subir aos lugares altos de Baal, e desde ali viu a extremidade do povo.

Comentário de Robert Jamieson

lugares altos de Baal – eminências consagradas à adoração de Baal-Peor (ver Números 25:3) ou Quinós. [JFB, aguardando revisão]

<Números 21 Números 23>

Visão geral de Números

Em Números, “Israel viaja no deserto a caminho da terra prometida a Abraão. A sua repetida rebelião é retribuída pela justiça e misericórdia de Deus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Números.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.