Salmo 91

1 Aquele que mora no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Todo-Poderoso habitará.

Comentário Barnes

Aquele que mora – todo aquele que assim habita. A proposição é universal e foi projetada para abranger todos os que estão nessa condição. É verdade para um; é verdade para tudo. A palavra traduzida por “habitar” aqui é um particípio do verbo “sentar” e aqui significa “sentar:” literalmente, “sentar no lugar secreto”, etc. A ideia é de repouso calmo; de descanso; de sentar-se – como alguém faz em sua casa.

no esconderijo. Sobre o significado disso, veja as notas no Salmo 27:5. Compare Salmo 31:20; Salmo 32:7. Permanecendo onde Deus habita. A ideia é ter um lar ou residência no lugar santíssimo do tabernáculo ou templo, e sentar-se com ele nesse lugar sagrado.

do Altíssimo. De Deus, representado como exaltado acima de tudo; sobre todo o universo.

à sombra do Todo-Poderoso. Sob sua proteção, como se sob suas asas. Compare as notas do Salmo 17:8. Esta é uma declaração geral e foi concebida como uma introdução a todo o salmo, ou como expressão do que o salmo pretende ilustrar, “a bem-aventurança” do homem que assim habita com Deus; quem o torna seu amigo; quem faz da casa de Deus a sua casa.

habitará. Essa é sua casa – seu lugar de descanso – onde ele se hospeda, ou passa a noite. Ele passa a morar lá; ele faz dela sua casa. [Barnes]

2 Direi ao SENHOR:Tu és meu refúgio e minha fortaleza; Deus meu, em quem confio.

Comentário Barnes

Direi do Senhor – eu, o salmista; tomarei isso para mim mesmo; me esforçarei para garantir essa bem-aventurança; Eu assim ficarei com Deus. Em vista da bem-aventurança desta condição, e com a esperança de assegurá-la para mim mesmo; Vou adotar esta resolução como o propósito de minha vida. É disso que preciso; é o que minha alma deseja.

Tu és meu refúgio e minha fortaleza. “Direi de Jeová, Meu refúgio e minha fortaleza!” Vou me dirigir a ele como tal; Eu vou considerá-lo como tal. Sobre o significado desses termos, veja as notas no Salmo 18:2.

Deus meu – vou me dirigir a ele como meu Deus; como o Deus que só eu adoro; como o único ser a quem o nome “Deus” pode ser apropriadamente aplicado; como sendo para mim tudo o que está implícito na palavra Deus.

em quem confio – vou repousar nele aquela confiança que é evidenciada por fazer minha casa com ele, e procurar morar permanentemente com ele. [Barnes]

3 Porque ele te livrará do laço do caçador e da peste maligna.

Comentário Barnes

porque ele te livrará do laço do caçador. A armadilha para apanhar pássaros; significando, aqui, que Deus o salvaria dos propósitos das pessoas iníquas; tais propósitos podem ser comparados com as armadilhas usadas para capturar aves.

da peste maligna. A pestilência “fatal”; a peste que espalha a morte em seu caminho. Ou seja, ele pode impedir que ele caia sobre você; ou, ele pode salvá-lo de sua devastação, enquanto outros estão morrendo ao seu redor. Esta promessa não deve ser entendida como absoluta, ou como significando que ninguém que teme a Deus jamais cairá pela pestilência – pois pessoas boas “morrem” nessas horas, assim como pessoas más; mas a ideia é que Deus “pode” nos preservar em tal tempo e que, como uma grande lei, ele será, assim, o protetor daqueles que confiam nele. […] A promessa aqui é substancialmente aquela promessa geral que temos nas Escrituras em toda parte, que Deus é o Protetor de seu povo, e que eles podem colocar sua confiança nele. [Barnes]

4 Com suas penas ele te cobrirá, e debaixo de suas asas estarás protegido; a verdade dele é escudo grande e protetor.

Comentário Barnes

Com suas penas ele te cobrirá, e debaixo de suas asas estarás protegido. Como o pássaro protege seus filhotes. Veja as notas no Salmo 17:8. Compare com Deuteronômio 32:11.

a verdade dele. Sua promessa infalível; a certeza de que o que ele prometeu fazer, ele cumprirá.

escudo grande e protetor – literalmente, “Escudo e broquel é a sua verdade.” O significado é que seu juramento ou promessa seria para eles como o escudo do soldado é para ele na batalha. Compare o Salmo 35:2. A palavra traduzida como “protetor” é derivada do verbo “cercar” e é atribuída à armadura defensiva aqui referida, porque “envolve” e, portanto, “protege” uma pessoa. Pode ser aplicável a uma cota de malha. [Barnes]

5 Não terás medo do terror da noite, nem da flecha que voa de dia;

Comentário Barnes

Não terás medo do terror da noite. Aquilo que geralmente causa alarme à noite – um ataque repentino; uma inesperada incursão de inimigos; doença repentina surgindo à noite; ou a peste que parece gostar da noite e “andar nas trevas”. Qualquer uma dessas coisas parece ser agravada pela noite e pela escuridão; e, portanto, mais os tememos então. Não podemos ver sua abordagem; não podemos medir seus contornos; não sabemos a extensão do perigo ou o que pode ser a calamidade.

nem da flecha que voa de dia. Seja disparada do arco de Deus – como a peste e doença; ou da mão do homem em batalha. A ideia é que quem confia em Deus ficará calmo. Compare as notas do Salmo 56:3. [Barnes]

6 Nem da peste que anda às escuras, nem da mortandade que assola ao meio-dia.

Comentário Barnes

Nem da peste . A peste era comum nos países orientais.

que anda às escuras. Não que venha particularmente à noite, mas que parece rastejar como se durante a noite; isto é, onde não se pode marcar seu progresso, ou antecipar quando ou quem irá atacar. As leis de seus movimentos são desconhecidas e ele vem sobre as pessoas como um inimigo que nos ataca repentinamente durante a noite.

nem da mortandade. A palavra usada aqui – קטב qeṭeb – significa propriamente um corte, uma destruição, como uma tempestade destruidora, Isaías 28:2; e então, pestilência contagiosa, Deuteronômio 32:24. Pode ser aplicado aqui a qualquer coisa que varra as pessoas – seja tempestade, guerra, pestilência ou fome.

que assola ao meio-dia. Ele assola, ou produz desolação, ao meio-dia; isto é, visivelmente, abertamente. O significado é que sempre que, ou em qualquer forma, vier uma calamidade que varre o povo – seja à meia-noite ou ao meio-dia – seja na forma de pestilência, guerra ou fome – aquele que confia em Deus não precisa – não vai – ter medo. Ele sentirá que será preservado de suas devastações ou que, se for afetado, não terá nada a temer. Ele é amigo de Deus e tem esperança de uma vida melhor. Na morte e no mundo futuro, não há nada de que ele deva temer. A Septuaginta e a Vulgata Latina traduzem isso, estranhamente, “Nem de infortúnio e demônio do meio-dia”. [Barnes]

7 Cairão mil ao teu lado, e dez mil à tua direita, mas a ti nada alcançará.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Cairão (יגש) mil ao teu lado. O motivo de יגש não é especialmente doença, mas maldade, ou destruição em geral. As palavras estão tão relacionadas com Salmo 91:2-5 quanto com Salmo 91:6. A expressão remete mais a relações bélicas do que à difusão de um contágio (Sl 27:3). Em referência ao pensamento veja também Salmo 32:6. [Hengstenberg, Revisar]

8 Somente verás com teus olhos, e observarás o pagamento dos perversos;

Comentário Barnes

verás com teus olhos, e observarás o pagamento dos perversos. Teus próprios olhos a verão. Veja as notas no Salmo 37:34. Você verá o justo castigo do ímpio, do perverso, do profano, do libertino. Você verá qual é o fruto de sua conduta; qual é a expressão justa das opiniões que Deus tem de seu caráter. Isso, sem dúvida, se refere ao princípio geral de que existe um governo moral na terra; que a impiedade é frequentemente punida como tal; que o curso geral das relações divinas é de molde a mostrar que Deus é favorável à virtude e se opõe a impiedade. O sistema não está completo aqui, e há muitas coisas que não poderiam ser reconciliadas com isso, se o mundo presente fosse tudo, e se não houvesse estado futuro:mas o curso dos eventos indica o caráter geral da administração divina, e qual é a tendência das coisas. A conclusão – o ajuste real e perfeito – está reservada para um estado futuro. Os fatos, conforme ocorrem na terra, provam que há um atributo de justiça em Deus; o fato de que seus procedimentos aqui não estão total e totalmente de acordo com o que a justiça exige, prova que haverá um estado onde a justiça total será feita e onde todo o sistema será ajustado. [Barnes]

9 Porque tu fizeste como morada ao SENHOR:o meu refúgio, o Altíssimo.

Comentário Barnes

Porque tu fizesteao SENHOR:o meu refúgio – literalmente, “Pois tu, ó Jeová, (és) o meu refúgio.” A paráfrase caldeia considera esta como a língua de Salomão, que, de acordo com essa versão, é um dos falantes do salmo:”Salomão respondeu e disse:’Visto que tu, ó Senhor, és o meu refúgio'”, etc. Tholuck, um teólogo alemão do século 19, considera isso é a resposta do coro. Mas isso é desnecessário. A ideia é que o “próprio” salmista fez de Yahweh seu refúgio, ou sua defesa. A linguagem é uma expressão de seu próprio sentimento – de sua própria experiência – em ter feito de Deus seu refúgio, e é projetada aqui para ser uma base de exortação a outros para fazerem a mesma coisa. Ele poderia dizer que havia feito de Deus seu refúgio; ele poderia dizer que Deus agora era seu refúgio; e ele poderia apelar para isso – para sua própria experiência – quando exortou outros a fazerem o mesmo, e deu-lhes a certeza de que estavam seguros ao fazê-lo.

como moradao Altíssimo – literalmente, “O Altíssimo fizeste a tua habitação”; ou, tua casa. Sobre a palavra habitação, veja as notas no Salmo 90:1. A ideia é que ele tinha, por assim dizer, escolhido permanecer com Deus, ou morar com ele – encontrar seu lar com ele como na casa de um pai. A consequência disso, ou a segurança que se seguiria, ele afirma nos versos seguintes. [Barnes]

10 Mal nenhum te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda;

Comentário Barnes

Mal nenhum te sucederá. A paráfrase caldeia tem:”O Senhor do mundo respondeu e disse:’Nenhum mal te sucederá'”, etc. O sentimento, no entanto, é que o salmista poderia assegurar tal pessoa, por sua própria experiência pessoal, que ele estaria seguro. Ele próprio havia feito de Yahweh seu refúgio e podia falar com segurança sobre a segurança de fazê-lo. Isso, é claro, deve ser entendido como uma verdade geral, de acordo com o que foi dito acima.

nem praga alguma chegará à tua tenda. Sobre a palavra traduzida como “praga” aqui נגע nega ‛- veja Salmo 38:12, nota; Salmo 39:11, nota. Não é a mesma palavra usada no Salmo 91:6 e traduzida como “peste”; e não se refere ao que é tecnicamente chamado de “praga”. Pode denotar qualquer coisa que expresse o desagrado divino, ou que seja enviada como uma punição. […] A ideia é que nenhuma marca de desagrado permaneceria com ele, ou entraria em sua tenda como seu lar. Claro, isso também deve ser entendido como uma promessa geral, ou no sentido de que a religião constituiria uma base geral de segurança. [Barnes]

11 Porque ele ordenou aos anjos quanto a ti, para que guardem todos os teus caminhos.

Comentário Barnes

Porque ele ordenou aos anjos quanto a ti – literalmente, “Ele dará ‘comando’ aos seus anjos.” Ou seja, ele os instruiria ou os designaria para este propósito. Esta passagem Salmo 91:11-12 foi aplicada ao Salvador pelo tentador. Mateus 4:6. Veja as notas dessa passagem. Isso, no entanto, não prova que tinha uma referência original ao Messias, pois mesmo se supuséssemos que Satanás era um expositor correto e confiável das Escrituras, tudo o que a passagem provaria como usada por ele seria, que o justos, ou aqueles que eram amigos de Deus, podem se apoiar com confiança em sua proteção, e que Jesus, sendo de Deus, poderia fazer isso como outros o fariam. Sobre o sentimento na passagem, a saber, que Deus emprega seus anjos para proteger seu povo, veja as notas no Salmo 34:7; compare as notas em Hebreus 1:14.

para que guardem todos os teus caminhos – ou seja, para te preservar onde quer que vás. [Barnes]

12 Pelas mãos te levarão, para que não tropeces teu pé em alguma pedra.

Comentário de A. R. Fausset

Pelas mãos te levarão, para que não tropeces teu pé em alguma pedra – ou seja, uma pedra de tropeço, ou um perigo tal que encontra o homem de Deus em seu percurso de vida, sem que ele o busque, ou corra precipitadamente e presunçosamente nele. Portanto, a passagem deriva desta, Provérbios 3:23:”Então (se guardares o temor do Senhor, que é a sabedoria) andarás no teu caminho com segurança, e o teu pé não tropeçará”. O tentador suprimiu essa importante qualificação da promessa; Satanás também omitiu “em todos os seus caminhos”. Se o crente sai de seu caminho para se colocar num perigo desnecessário, ele não pode buscar a proteção de Deus (Mt 4:6). Ele está “tentando o Senhor” – isto é, testando desnecessariamente o poder e a fidelidade de Deus, como Israel “tentou o Senhor, dizendo:Está o Senhor no meio de nós ou não?” (Êxodo 17:7). “Todos os caminhos de Cristo”, como homem (que se quer dizer principalmente aqui), eram aqueles de fé reverente implícita e dependência filial de Deus; portanto, em Seu caso, “todos os seus caminhos” equivalem a todos os caminhos corretos; e assim os anjos de Deus sempre O guardaram “em todos os seus caminhos”. [JFU]

13 Tu pisarás sobre o leão e a cobra; passarás esmagando ao filho do leão e à serpente.

Comentário Barnes

Tu pisarás sobre o leão e a cobra. Você estará seguro entre os perigos, como se a raiva do leão fosse contida e ele se tornasse como um cordeiro, e como se o dente venenoso da serpente fosse extraído. Compare Marcos 16:18. A palavra usada aqui para denotar o “leão” é um termo poético, não empregado em prosa. […]. A palavra hebraica – פתן pethen – comumente significa víbora, áspide ou cobra. Veja Jó 20:14, nota; Jó 20:16, nota; compare isso com Salmos 58:4; Isaías 11:8. Pode ser aplicado a qualquer serpente venenosa.

ao filho do leão. O “jovem” leão é mencionado como particularmente feroz e violento. Veja Salmos 17:12.

à serpente – hebraico, תנין tannı̂yn. Veja Salmo 74:13, nota; Jó 7:12, nota; Isaías 27:1, nota. Em Exodo 7:9-10, Êxodo 7:12, a palavra é traduzida como serpente (e serpentes); em Gênesis 1:21; e Jó 7:12; baleia (e baleias); em Deuteronômio 32:33; Neemias 2:13; Salmo 74:13; Salmo 148:7; Isaías 27:1; Isaías 51:9; Jeremias 51:34, dragão (e dragões); em Lamentações 4:3, monstros marinhos. A palavra não ocorre em outro lugar. Talvez denotasse apropriadamente um monstro marinho; ainda assim, pode ser aplicado a uma serpente. Assim aplicado, denotaria uma serpente do tipo maior e mais perigoso; e a ideia é que aquele que confiou em Deus estaria seguro em meio aos perigos mais terríveis, como se ele caminhasse seguro em meio a serpentes venenosas. [Barnes]

14 Por ele ter me amado tanto, eu também o livrarei; em alto retiro eu o porei, porque ele conhece o meu nome.

Comentário Barnes

Por ele ter me amado tanto – tornou-se apegado a mim; uniu-se a mim; é meu amigo. A palavra hebraica expressa o apego mais forte e é equivalente à nossa expressão – “apaixonar-se”. Refere-se aqui ao fato de que Deus é o objeto de afeição suprema por parte de seu povo; e também aqui implica que isso brota de seus corações; que eles viram tanta beleza em seu caráter, e têm um desejo tão forte por ele, que seus corações estão em calorosa afeição por ele.

eu também o livrarei – eu o salvarei da angústia e do perigo.

em alto retiro eu o porei – reconhecendo-o como meu e tratando-o de acordo.

porque ele conhece o meu nome. Ele me conhece; isto é, ele entende meu verdadeiro caráter e aprendeu a me amar. [Barnes]

15 Ele me chamará, e eu o responderei; estarei com ele na angústia; dela eu o livrarei, e o honrarei.

Comentário Barnes

Ele me chamará. Ele terá o privilégio de me chamar em oração; e ele vai fazer isso.

eu o responderei – eu considerarei suas súplicas e atenderei seus pedidos. Não poderia haver privilégio maior – nenhuma promessa mais preciosa – do que este.

estarei com ele na angústia – estarei com ele; Eu não vou abandoná-lo.

dela eu o livrarei, e o honrarei – não apenas o salvarei do perigo, mas o exaltarei à honra. Eu o reconhecerei como meu amigo e o considerarei e tratarei como tal. Na terra, ele será tratado como meu amigo; em outro mundo, ele será exaltado para honrar os remidos e se tornar o companheiro dos seres santos para sempre. [Barnes]

16 Eu o satisfarei com uma longa vida, e lhe mostrarei a minha salvação.

Comentário de A. R. Fausset

Eu o satisfarei com uma longa vida – literalmente, ‘com extensão de dias’. A promessa pertence a Cristo e ao povo de Cristo em seu sentido ultimo. Salmos 21:4. “Ele (o Rei ungido) te pediu vida (não só para si mesmo, como homem, mas também para o seu povo), e lha deste, longevidade de dias para todo o sempre” (Jo 5:26; Jo 10:28). A longa vida terrena concedida a muitos, como Abraão, Jó, Davi, que “morreu na velhice e farto de anos” (Gênesis 25:8), é um tipo da futura vida eterna de corpo e alma unidos (Jó 42:17; 1Cr 23:1; cf. Pro 3:2). A bênção temporal do Antigo Testamento de uma idade plena tipifica a bênção espiritual e celestial do Novo Testamento (Êxodo 20:12; Dt 5:16).

e lhe mostrarei a minha salvação (Salmos 50:23) [JFU]

<Salmo 90 Salmo 92>

Introdução ao Salmo 91

O autor deste salmo e a ocasião em que foi composto são igualmente desconhecidos. O salmo não tem título; e não há marcas internas pelas quais possamos determinar quando, ou por quem, foi escrito. É muito geral em sua aplicação e pode ter sido composto sem nenhuma referência particular a qualquer evento ocorrido na época, pois é evidente que não tinha nenhuma referência especial às circunstâncias do escritor. Embora siga um salmo composto por Moisés, não há razão para supor que tenha sido escrito por ele, nem há qualquer semelhança particular com esse salmo.

A partir de algumas coisas no salmo, como Salmo 91:3-5,9,11; parece não ser improvável que o salmo foi composto com referência a algum indivíduo que foi exposto à tentação, ou ao perigo, seja de inimigos secretos ou de pestilência, e que se destinava a assegurar a tal pessoa que não havia nada para ser temido se ela colocar sua confiança em Deus. Não há evidência de que foi projetado para referir-se particularmente ao Salvador. É, de fato, aplicado a ele por Satanás na tentação no deserto Mateus 4:6; mas não há, nesse caso, nenhum reconhecimento de sua aplicabilidade a si mesmo por parte do Salvador a ponto de nos justificar na conclusão de que originalmente se referia a ele. Sua citação pelo tentador não é prova de que esta era a referência original do salmo, e a citação feita é aquela que poderia ser aplicada a ele da mesma forma que qualquer premissa geral do Antigo Testamento feita àqueles que confiavam em Deus poderia ter sido.

A coisa mais notável na estrutura do salmo é a mudança frequente de pessoas, levando alguns a supor que pode ter sido composto com o objetivo de ser cantado por coros em respostas alternadas, e Michaelis sugeriu que provavelmente havia dois desses coros; um – como no Salmo 91:1-2 – celebrando os louvores daqueles que confiaram em Deus; e outro – como no Salmo 91:3-8 – estimulando e encorajando as pessoas a colocarem sua confiança em Deus e sugerindo razões pelas quais deveriam fazê-lo. Isso é, sem dúvida, possível; mas a evidência de que essa era a intenção do autor do salmo não é clara.

Tholuck, um teólogo alemão do século 19, dividiu o salmo, na suposição de que deveria ser cantado por coros alternados, em partes organizadas com essa visão:Salmo 91:1, o coro; Salmo 91:2, a resposta; o coro; Salmo 91:9, a resposta; Salmo 91:10-13, o coro; Salmo 91:14-16, a resposta. Isso, no entanto, é bastante arbitrário, pois não pode ser demonstrado que tenha sido o propósito original.

Este arranjo, no entanto, sugere uma boa divisão do salmo:

I. A declaração geral da segurança daqueles que colocam sua confiança em Deus, Salmo 91:1.

II. Uma declaração responsiva do autor do salmo, que ele faria do Senhor seu refúgio, e do Altíssimo sua habitação, Salmo 91:2.

III. Uma declaração da segurança ou benefício de fazer isso, Salmo 91:3-8.

4. Uma declaração responsiva – repetida – pelo autor do salmo de que ele faria isso; que Deus “é” seu refúgio, Salmo 91:9 (primeira parte).

V. Uma declaração adicional do benefício disso, Salmo 91:10-13.

VI. Uma declaração geral que abrange a soma de tudo o que é dito no salmo, como vindo do próprio Deus, contendo garantias de sua proteção para aqueles que assim colocam sua confiança nele e nele confiam, Salmo 91:14-16.

Este modo de divisão satisfaz substancialmente todas as mudanças de “pessoas” no salmo, ou organiza as diferentes partes dele em partes pertencentes aos diferentes oradores do salmo. Há motivos para acreditar que essa era a linha de pensamento do salmista, embora não esteja claro se isso foi planejado para ser usado em respostas públicas no canto. [Barnes]

Visão geral de Salmos

“O livro dos Salmos foi projetado para ser o livro de orações do povo de Deus enquanto esperam o Messias e seu reino vindouro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (9 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Salmos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.