Bíblia, Revisar

Neemias 2

Artaxerxes, compreendendo a causa da tristeza de Neemias, envia-lhe cartas e uma comissão para reconstruir as muralhas de Jerusalém

1 Sucedeu, pois, no mês de Nisã, no ano vigésimo do rei Artaxerxes, que havendo vinho diante dele, tomei o vinho, e o dei ao rei. Porém eu nunca havia estado triste diante dele.

pois, no mês de Nisã – Isso foi quase quatro meses depois de ele ter aprendido o estado desolador e ruinoso de Jerusalém (Ne 1:1). As razões para tanto tempo um atraso não pode ser determinado.

tomei o vinho, e o dei ao rei – Xenofonte observou particularmente a maneira polida e graciosa em que os copeiros do mediano, e consequentemente os persas, monarcas cumpriam seu dever de apresentar o vinho ao seu senhor real. Tendo lavado a taça na presença do rei e colocado em sua mão esquerda um pouco do vinho, que eles beberam em sua presença, eles então entregaram a taça a ele, não agarrada, mas levemente segura com as pontas do polegar e dedos. Esta descrição recebeu algumas ilustrações curiosas dos monumentos da Assíria e da Pérsia, nos quais os copeiros são frequentemente representados no ato de entregar vinho ao rei.

2 Por isso o rei me perguntou: Por que o teu rosto está triste, mesmo não estando doente? Isto não pode ser outra coisa, senão tristeza de coração. Tive então muito medo.

Por isso o rei me perguntou: Por que o teu rosto está triste – Considerou-se altamente impróprio aparecer na presença real com quaisquer ervas daninhas ou sinais de tristeza (Et 4:2); e por isso não era de admirar que o rei tivesse sido atingido pelo ar abatido de seu copeiro, enquanto aquele que o atendia sentia que sua agitação aumentava por sua profunda ansiedade sobre a questão da conversa começar tão abruptamente. Mas a piedade e fervor intenso do homem imediatamente restaurou [Neemias] para acalmar o autocontrole e permitiu-lhe comunicar, primeiro, a causa de sua tristeza (Ne 2:3), e em seguida, o desejo patriótico de seu coração de ser o honrado instrumento de reviver a antiga glória da cidade de seus pais.

3 E disse ao rei: Viva o rei para sempre! Como meu rosto não estaria triste, quando a cidade, o lugar dos sepulcros de meus pais, está arruinada, e suas portas consumidas a fogo?
4 E o rei me disse: O que pedes? Então orei ao Deus dos céus,
5 E respondei ao rei: Se for do agrado do rei, e se teu servo é agradável diante de ti, peço que me envies a Judá, à cidade dos sepulcros de meus pais, para reconstruí-la.
6 Então o rei me disse (enquanto a rainha estava sentada junto a ele): Por quanto tempo durará tua viagem, e quando voltarás? E agradou ao rei me enviar, depois que eu lhe defini um certo tempo.

a rainha estava sentada junto a ele – Como os monarcas persas não admitiram que suas esposas estivessem presentes em seus festivais estaduais, esta deve ter sido uma ocasião particular. A rainha se referia provavelmente a Ester, cuja presença tenderia muito a encorajar Neemias a declarar seu pedido; e através de sua influência, poderosamente exercida, pode-se supor, também por sua simpatia pelo desígnio patriótico, que sua petição foi concedida, como vice-governador da Judeia, acompanhado por uma guarda militar e investido de plenos poderes para obter materiais para a construção em Jerusalém, bem como para obter toda a ajuda necessária na promoção do seu empreendimento.

lhe defini um certo tempo – Considerando o grande despacho feito no levantamento das muralhas, é provável que esta licença tenha sido limitada no início a um ano ou seis meses, após o que ele retornou aos seus deveres em Shushan. A circunstância de fixar um tempo determinado para o seu retorno, bem como confiar uma obra tão importante como a refortificação de Jerusalém aos seus cuidados, prova o alto favor e confiança que Neemias desfrutava na corte persa, e a grande estimativa em que seus serviços eram prestados. mantido. Em um período posterior, ele recebeu uma nova comissão para melhor resolver os assuntos da Judéia e permaneceu governador daquela província por doze anos (Ne 5:14).

7 Disse mais ao rei: Se for do agrado do rei, sejam dadas a mim cartas para os governadores dalém do rio, para que me permitam passar em segurança até que eu chegue a Judá;

sejam dadas a mim cartas para os governadores dalém do rio – O império persa neste momento era de vasta extensão, alcançando desde o Indo até o Mediterrâneo. O Eufrates foi considerado como naturalmente dividido em duas partes, oriental e ocidental (ver em Ed 5:3).

8 Como também um carta para Asafe, guarda do jardim do rei, para que me dê madeira para consertar as portas da fortaleza do templo, para o muro da cidade, e para a casa onde entrarei.E o rei me concedeu, segundo a boa mão do SENHOR sobre mim.

segundo a boa mão do SENHOR sobre mim – A piedade de Neemias aparece em todas as circunstâncias. A concepção de seu desenho patriótico, a disposição favorável do rei e o sucesso do empreendimento são todos atribuídos a Deus.

9 Então vim aos governadores dalém do rio, e lhes dei as cartas do rei. E o rei enviou comigo capitães do exército e cavaleiros.
10 Quando então Sambalate, o horonita, e Tobias, o servo amonita, ouviram, desagradou-lhes muito que alguém viesse para buscar o bem aos filhos de Israel.

Sambalate, o horonita – Horonaim sendo uma cidade em Moabe, essa pessoa, é provável, era moabita.

Tobias, o servo amonita – O termo usado indica que ele foi um escravo liberto, elevado a alguma dignidade oficial. Estes eram magistrados distritais sob o governo do sátrapa da Síria; e eles parecem ter sido líderes da facção samaritana.

11 Cheguei, pois, a Jerusalém, e fiquei ali três dias.

Profundamente afetado com as desolações de Jerusalém, e sem saber o caminho a seguir, ele permaneceu três dias antes de informar qualquer um dos objetos de sua missão [Ne 2:17-18]. No final do terceiro dia, acompanhado de alguns atendentes, ele fez, sob o esconderijo da noite, um levantamento secreto das paredes e portões [Ne 2:13-15].

12 E de noite me levantei, eu e uns poucos homens comigo, e não declarei a ninguém o que Deus tinha posto em meu coração que fizesse em Jerusalém; e animal nenhum estava comigo, a não ser o o em que eu cavalgava.
13 E de noite saí pela porta do Vale até a fonte do Dragão e à porta do Esterco; e observei os muros de Jerusalém que estavam fendidos, e suas portas estavam consumidas a fogo.

E de noite saí pela porta do Vale – isto é, o portão de Jaffa, perto da torre de Hippicus.

até a fonte do Dragão – isto é, fonte no lado oposto do vale.

à porta do Esterco – o portão no leste da cidade, através do qual correu um esgoto comum para o riacho Kedron e o vale de Hinom.

14 E passei à porta da Fonte, e ao tanque do rei; e não houve lugar por onde o animal em que eu estava montado pudesse passar.

E passei à porta da Fonte – isto é, Siloé, da qual girava a fonte de Ofel.

ao tanque do rei; e não houve lugar por onde o animal em que eu estava montado pudesse passar – isto é, pelos lados desta piscina (de Salomão) havia água na piscina, e muito lixo sobre ela para permitir a passagem da besta.

15 Então de noite subi pelo vale, e observei o muro; então voltei, e entrei pela porta do Vale, e assim me retornei.

e entrei pela porta do Vale, e assim me retornei – a porta que conduz ao vale de Jeosafá, a leste da cidade. Ele saiu por este portão, e tendo feito o circuito da cidade, entrou novamente por ele [Barclay, Cidade do Grande Rei].

16 E os oficiais não sabiam aonde eu tinha ido, nem o que tinha feito; nem mesmo aos judeus e aos sacerdotes, nem aos nobres e oficiais, nem aos demais que faziam a obra, havia eu declarado coisa alguma.

os oficiais não sabiam – No dia seguinte, tendo reunido os élderes, Neemias apresentou sua comissão e exortou-os a ajudar no trabalho. A visão de suas credenciais, e a animação de seu endereço e exemplo, reavivaram tanto seus espíritos caídos que resolveram imediatamente começar o prédio, o que fizeram, apesar das amargas provocações e escárnio ridículo de alguns homens influentes.

17 Então eu lhes disse: Com certeza vedes a miséria em que estamos, que Jerusalém está arruinada, e suas portas queimadas a fogo. Vinde, e reconstruamos o muro de Jerusalém, e não sejamos mais humilhados.
18 Então lhes declarei como a mão de meu Deus havia sido boa sobre mim, e também as palavras do rei, que ele tinha me dito. Então disseram: Levantemo-nos, e edifiquemos. Assim esforçaram suas mãos para uma boa obra.
19 Porém, quando Sambalate o horonita, Tobias o servo amonita, e Gesém o árabe, ouviram isto ,zombaram de nós, e nos desprezaram, dizendo: O que é isto que vós fazeis? Por acaso estais vos rebelando contra o rei?
20 Então lhes respondi, dizendo-lhes: O Deus dos céus é quem nos dará sucesso; e nós, servos dele, nos levantaremos e edificaremos; pois vós não tendes parte, nem direito, nem memória em Jerusalém.
<Neemias 1 Neemias 3>

Leia também uma introdução ao livro de Neemias.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.