Bíblia

Gênesis 25

Mensagem importante
Olá visitante! Vou direto ao ponto: ajude o Apologeta hoje. Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade, o que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Por isso, se este projeto tem sido útil para você, faça uma doação e nos ajude a continuar crescendo. Obrigado.

Filhos de Abraão com Quetura

1 E Abraão tomou outra mulher, cujo nome foi Quetura;

Abraão tomou outra mulher – Em vez disso, “tinha tomado”; pois Quetura é chamada concubina de Abraão, ou segunda esposa (1Cr 1:32); e como, dela teve seis filhos, é improvável que ele tenha se casado após a morte de Sara; e também como ele enviou todos para buscar sua própria independência, durante sua vida, é claro que este casamento está relacionado aqui fora de sua ordem cronológica, meramente para informar outros descendente do patriarca.

2 A qual lhe deu à luz a Zinrã, e a Jocsã, e a Medã, e a Midiã, e a Jisbaque, e a Suá.
3 E Jocsã gerou a Seba, e a Dedã: e filhos de Dedã foram Assurim, e Letusim, e Leummim.
4 E filhos de Midiã: Efá, e Efer, e Enoque, e Abida, e Elda. Todos estes foram filhos de Quetura.
5 Mas Abraão deu tudo quanto tinha a Isaque.

Veja Gênesis 24:36. Essa distribuição de seus bens parece ter sido feita algum tempo antes de sua morte; e pretendia evitar disputas entre os membros de sua família. [Cambridge, 1921]

6 E aos filhos de suas concubinas deu Abraão presentes, e enviou-os para longe de Isaque seu filho, enquanto ele vivia, até o oriente, à terra oriental.

suas concubinas. Ou seja, Agar e Quetura; embora em Gênesis 16:3 Agar seja chamada esposa de Abraão, como também Quetura em Gênesis 25:1.

à terra oriental. Ou seja, o deserto Sírio, no leste de Canaã. Gn 29:1; Jz 6:3,33; 7:12; 8:10; Is 11:14; Jr 49:28; Ez 25:4,10 são passagens nas quais “os filhos do oriente”  são mencionados como os ocupantes nômades desta região. [Cambridge, 1921]

A morte de Abraão

7 E estes foram os dias de vida que viveu Abraão: cento e setenta e cinco anos.

Sua morte é aqui relatada, embora ele tenha vivido até que Jacó e Esaú tivessem quinze anos, apenas cem anos depois de terem vindo a Canaã; “O pai dos fiéis”, “o amigo de Deus” [Tg 2:23], morreu; e mesmo em sua morte, as promessas foram cumpridas (compare Gn 15:15).

Poderíamos ter desejado alguns memoriais de sua experiência no leito de morte; mas o Espírito de Deus os impediu – nem foi necessário; porque (veja Mt 7:16) da terra ele passou para o céu (Lc 16:22). Embora morto, ele ainda vive (Mt 22:32).

8 E expirou, e morreu Abraão em boa velhice, ancião e cheio de dias e foi unido a seu povo.

morreu Abraão em boa velhice. Cumprindo o que Deus havia lhe revelado (Gn 15:15).

e foi unido a seu povo. Esta sentença (compare com Gn 15:15; Jz 2:10) não pode significar simplesmente “enterrado”, pois o cadáver de Sara era o único ocupante do túmulo; e é aplicada aqui e em outro lugar a um acontecimento que ocorreu antes do corpo ser depositado no sepulcro da família (Gn 35:29; 49:29-33; Nm 20:24-29; Dt 32:50). Ela supõe um ajuntamento no lugar das almas à parte do corpo sem vida; e o fato de tal frase estar em uso popular entre os hebreus, é decisivo contra a teoria de Warburton, mostrando que os patriarcas possuíam conhecimento de um estado futuro (Gn 47:8; compare com Hb 11:9-10,13-16; Mt 12:31-32). [JFU, 1871]

9 E sepultaram-no Isaque e Ismael seus filhos na caverna de Macpela, na propriedade de Efrom, filho de Zoar Heteu, que está em frente de Manre;

na caverna de Macpela. Isaque e Ismael enterraram o pai no mesmo local onde ele tinha enterrado Sara, sua esposa. Compare com Gênesis 23:17-20. [Cambridge, 1921]

10 Herança que comprou Abraão dos filhos de Hete; ali foi Abraão sepultado, e Sara sua mulher.

E sepultaram-no Isaque e Ismael seus filhos – A morte muitas vezes põe fim à contenda, reconcilia aqueles que foram separados e traz relações entre rivais, como neste caso, para misturar lágrimas no túmulo de um pai.

11 E sucedeu, depois de morto Abraão, que Deus abençoou a Isaque seu filho: e habitou Isaque junto a Beer-Laai-Roi.

depois de morto Abraão, que Deus abençoou a Isaque seu filho. Isto pretende ser uma declaração geral da prosperidade que acompanhou Isaque como herdeiro de seu pai; e como se refere à herança patrimonial, não aos dons da graça, é atribuída à bênção de Elohim (Deus), não de Yahweh (o SENHOR), o guia da aliança e benfeitor do patriarca hebreu. [JFU, 1871]

Os descendentes de Ismael

12 E estas são as gerações de Ismael, filho de Abraão, que lhe deu à luz Agar egípcia, serva de Sara:

Antes de passar para a linhagem da semente prometida, o historiador dá um breve relato de Ismael, para mostrar que as promessas a respeito daquele filho de Abraão foram cumpridas – primeiro, na grandeza de sua posteridade (compare Gn 17:20); e, em segundo lugar, em sua independência.

13 Estes, pois, são os nomes dos filhos de Ismael, por seus nomes, por suas linhagens: O primogênito de Ismael, Nebaiote; logo Quedar, e Adbeel, e Mibsão,
14 E Misma, e Dumá, e Massá,
15 Hadade, e Tema, e Jetur, e Nafis, e Quedemá.
16 Estes são os filhos de Ismael, e estes seus nomes por suas vilas e por seus acampamentos; doze príncipes por suas famílias.
17 E estes foram os anos da vida de Ismael, cento e trinta e sete anos: e expirou Ismael, e morreu; e foi unido a seu povo.

e foi unido a seu povo. Veja o comentário de Gênesis 25:8.

18 E habitaram desde Havilá até Sur, que está em frente do Egito vindo a Assíria; e morreu em presença de todos os seus irmãos.

Esaú e Jacó

19 E estas são as gerações de Isaque, filho de Abraão. Abraão gerou a Isaque:
20 E era Isaque de quarenta anos quando tomou por mulher a Rebeca, filha de Betuel arameu de Padã-Arã, irmã de Labão arameu.
21 E orou Isaque ao SENHOR por sua mulher, que era estéril; e aceitou-o o SENHOR, e concebeu Rebeca sua mulher.

E orou Isaque ao SENHOR por sua mulher – Embora tentado de maneira semelhante a seu pai, ele não seguiu a mesma atitude desonesta. Vinte anos ele continuou sem ser abençoado com a descendência, cuja semente deveria ser “como as estrelas” [Gn 26:4]. Mas em resposta às suas orações mútuas (1Pe 3:7), Rebeca foi divinamente informada de que ela seria a mãe de gêmeos, que deveriam ser os progenitores de duas nações independentes; que os descendentes dos mais jovens devem ser os mais poderosos e subjugar os do outro (Rm 9:12; 2Cr 21:8).

22 E os filhos se combatiam dentro dela; e disse: Se é assim para que vivo eu? E foi consultar ao SENHOR.
23 E respondeu-lhe o SENHOR: Duas nações há em teu ventre, E dois povos serão divididos desde tuas entranhas: E um povo será mais forte que o outro povo, e o maior servirá ao menor.
24 E quando se cumpriram seus dias para dar à luz, eis que havia gêmeos em seu ventre.
25 E saiu o primeiro ruivo, e todo ele peludo como uma veste; e chamaram seu nome Esaú.
26 E depois saiu seu irmão, pegando com sua mão o calcanhar de Esaú: e foi chamado seu nome Jacó. E era Isaque de idade de sessenta anos quando ela os deu à luz.
27 E cresceram os meninos, e Esaú foi hábil na caça, homem do campo: Jacó porém era homem quieto, que habitava em tendas.
28 E amou Isaque a Esaú, porque comia de sua caça; mas Rebeca amava a Jacó.

Os pais ficaram divididos em seu afeto; e enquanto os fundamentos, pelo menos da parcialidade do pai, eram fracos, a distinção feita entre os filhos levava, como sempre faz, a consequências infelizes.

29 E cozinhou Jacó um guisado; e voltando Esaú do campo cansado,

E cozinhou Jacó um guisado – O guisado era feito de lentilhas ou pequenos grãos, que são comuns no Egito e na Síria. É provável que tenha sido feito de grãos egípcios, que Jacó havia conseguido como iguaria; porque Esaú era um estranho para ele. Era muito saborooso; e para o cansado caçador, fraco de fome, seu odor devia ter sido irresistivelmente tentador.

30 Disse a Jacó: Rogo-te que me dês a comer disso vermelho, pois estou muito cansado. Portanto foi chamado seu nome Edom.

disso vermelho. Esaú chama aquilo que Jacó está preparando de “vermelho”: ou este era o nome pelo qual o guisado era conhecido, ou então Esaú na sua fraqueza e cansaço aparece ofegante apontando para “aquele negócio vermelho”. [Cambridge, 1921]

31 E Jacó respondeu: Vende-me neste dia tua primogenitura.

Vende-me neste dia tua primogenitura – Isto é, os direitos e privilégios do primogênito, que eram muito importantes, sendo o principal que eles eram os sacerdotes da família (Êx 4:22) e tinha uma porção dupla da herança (Dt 21:17) .

32 Então disse Esaú: Eis que vou morrer; para que, pois, me servirá a primogenitura?

Eis que vou morrer – Isto é, corro o risco diário da minha vida; e de que utilidade será para mim a primogenitura: assim, ele desprezou ou pouco se importou com isso, em comparação com satisfazer seu apetite – ele jogou fora seus privilégios religiosos por um pouco; e daí ele é denominado “uma pessoa profana” (Hb 12:16; também Jó 31:7,16; 6:13; Fp 3:19). “Nunca houve carne, exceto o fruto proibido, tão caro comprado, como este caldo de Jacó” [Bispo Hall].

33 E disse Jacó: Jura-me hoje. E ele lhe jurou, e vendeu a Jacó sua primogenitura.

Jura-me hoje. Jacó é perspicaz o suficiente para garantir a ratificação solene do ato de seu irmão, feito no momento irrefletido da exaustão. Quando Esaú recuperar seu autocontrole, não será capaz de voltar atrás em sua ação. [Cambridge, 1921]

34 Então Jacó deu a Esaú pão e do guisado das lentilhas; e ele comeu e bebeu, e levantou-se, e foi-se. Assim menosprezou Esaú a primogenitura.
<Gênesis 24 Gênesis 26>

Leia também uma introdução ao livro do Gênesis.

odas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados