Juízes 7

Gideão vence os midianitas com trezentos homens

1 Levantando-se, pois, de manhã Jerubaal, o qual é Gideão, e todo aquele povo que estava com ele, assentaram o acampamento junto à fonte de Harode: e tinha o acampamento dos midianitas ao norte, da outra parte do morro de Moré, no vale.

Comentário de Robert Jamieson

Jerubaal – Este agora se tornou o sobrenome honorável de Gideon, “o inimigo de Baal”.

bem – sim “primavera de Harode”, isto é, “medo, tremor”; provavelmente o mesmo que a fonte em Jezreel (1Samuel 29:1). Situava-se não muito longe de Gilboa, nos confins de Manassés, e o nome “Harod” foi-lhe conferido com evidente referência ao pânico que tomou conta da maioria das tropas de Gideão. O exército dos midianitas ficava no lado norte do vale, aparentemente mais profundo na descida em direção ao Jordão, perto de uma pequena eminência. [JFB, aguardando revisão]

2 E o SENHOR disse a Gideão: O povo que está contigo é muito para que eu dê aos midianitas em sua mão: para que não se glorie Israel contra mim, dizendo: Minha mão me salvou.

Comentário de Robert Jamieson

E o Senhor disse a Gideão: “Você tem gente demais – Embora o exército israelita reunisse apenas trinta e dois mil (ou um sexto da hoste midianita), o número era grande demais, pois era propósito do Senhor ensinar Israel uma lição memorável de dependência dEle. [JFB, aguardando revisão]

3 Agora, pois, proclama aos ouvidos do povo, dizendo: Aquele que teme e se estremece, volte e retire-se do monte de Gileade. E do povo voltaram vinte e dois mil; e restaram dez mil.

Comentário de Robert Jamieson

poderá ir embora – Esta proclamação foi em termos de uma lei estabelecida (Deuteronômio 20:8). [JFB, aguardando revisão]

4 E o SENHOR disse a Gideão: Ainda é muito o povo; leva-os às águas, e ali eu te os provarei; e do que eu te disser: Vá este contigo, vá contigo: mas de qualquer um que eu te disser: Este não vá contigo, o tal não vá.

Comentário de Robert Jamieson

gente demais – Duas reduções foram ordenadas, a última pela aplicação de um teste que foi dado a conhecer somente a Gideon. [JFB, aguardando revisão]

5 Então levou o povo às águas: e o SENHOR disse a Gideão: Qualquer um que lamber as águas com sua língua como lambe o cão, aquele porás à parte; também qualquer um que se dobrar sobre seus joelhos para beber.

Comentário de Robert Jamieson

levou os homens à beira d’água – Quando as pessoas errantes na Ásia, em uma viagem ou apressadamente, vêm para a água, eles não se inclinam com deliberação de joelhos, mas apenas se inclinam para frente, tanto quanto é necessário para trazer a mão em entre em contato com o fluxo, e jogue-o com rapidez e, ao mesmo tempo, tal endereço, que eles não soltar uma partícula. Os israelitas, ao que parece, estavam familiarizados com a prática; e aqueles que o adotaram nessa ocasião foram selecionados como aptos para um trabalho que exigia expedição. Os demais foram dispensados ​​de acordo com a direção divina. [JFB, aguardando revisão]

6 E foi o número dos que lamberam as águas, achegando-a com a mão à boca, trezentos homens: e todo aquele resto do povo se dobrou sobre seus joelhos para beber as águas.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-6) Gideão deveria dividir o povo colocando todos aqueles que deveriam lamber a água com a língua como um cão lambendo em uma classe, e todos aqueles que se ajoelharam para beber em outra, e assim separando a segunda da primeira. O número daqueles que lambiam a água na boca com a mão era de 300, e todos os demais ajoelhavam-se para beber. “Lamber com a mão até a boca”, ou seja, pegar a água do riacho com a oca da mão, e coloque-a na boca com a língua como faz um cão, é apenas uma expressão mais distinta para “lamber com a língua”. Os 300 homens que saciaram sua sede desta maneira certamente não foram os covardes ou indolentes que não se ajoelharam para beber da maneira comum, seja da indolência ou do medo, como Josephus, Theodoret e outros supunham, mas sim os corajosos – principalmente aqueles que, quando chegaram a um riacho antes da batalha, não se deixaram ajoelhar e satisfazer sua sede da maneira mais conveniente, mas simplesmente pegaram um pouco de água com as mãos enquanto estavam em seus acampamentos militares, para se fortalecerem para a batalha, e então procederam sem demora contra o inimigo. Por um sinal como este, Bertheau supõe que mesmo um general comum poderia ter sido capaz de reconhecer o mais corajoso de seu exército. Sem dúvida: mas se este relato não tivesse sido dado, é certo que nunca teria ocorrido a um general comum ou mesmo a um distinto general adotar tal método de colocar à prova a bravura de suas tropas; e mesmo Gideão, o herói de Deus, nunca teria pensado em diminuir ainda mais através de tal julgamento um exército que já se tornara tão pequeno, ou de tentar derrotar um exército de mais de 100.000 homens por algumas centenas dos homens mais corajosos, se o próprio Senhor não o tivesse comandado.

Enquanto o Senhor estava disposto a fortalecer a fraca fé de Gideão pelo sinal com o velo de lã, e assim elevá-lo à plena confiança na onipotência divina, Ele também exigiu dele, quando assim fortalecido, um atestado de sua fé, pela purificação de seu exército para que pudesse dar toda a glória a Ele, e aceitar a vitória sobre aquela grande multidão somente de Sua mão. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 Então o SENHOR disse a Gideão: Com estes trezentos homens que lamberam o água vos salvarei, e entregarei aos midianitas em tuas mãos; e vá-se todo o resto do povo cada um a seu lugar.

Comentário de Robert Jamieson

O Senhor disse a Gideão: “Com os trezentos homens que lamberam a água livrarei vocês – É dificilmente possível conceber uma prova mais severa do que a ordem de atacar as forças esmagadoras do inimigo com um punhado de seguidores. Mas a fé de Gideão na certeza divina da vitória foi firme, e é por isso que ele é tão altamente recomendado (Hebreus 11:32). [JFB, aguardando revisão]

8 Depois de tomarem a provisão do povo e suas trombetas, ele enviou todos os israelitas cada um a sua tenda, mas manteve aqueles trezentos homens; e o campo de Midiã estava no vale abaixo dele.

Comentário de Robert Jamieson

O acampamento de Midiã ficava abaixo deles, no vale – A atenção à posição relativa das partes é da maior importância para uma compreensão do que se segue. [JFB, aguardando revisão]

9 E aconteceu que aquela noite o SENHOR lhe disse: Levanta-te, e desce ao acampamento; porque eu o entreguei em tuas mãos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-10) A Batalha e a Vitória de Gideão. – Juízes 7:9-11. Na noite seguinte, o Senhor ordenou a Gideão que descesse ao campo do inimigo, como Ele havia dado em suas mãos (o perfeito é usado para denotar o propósito de Deus que já havia sido formado, como nos Juízes 4:14). Mas a fim de enchê-lo de confiança para tal empreendimento, que para toda aparência humana era muito precipitado, Deus acrescentou: “Se tiveres medo de descer, vai com o teu atendente Purah até o acampamento, e ouvirás o que eles dizem, e assim tuas mãos se tornarão fortes”. O significado da protase não é: Se você tem medo de descer sozinho ao acampamento do inimigo, ou de visitar o inimigo desarmado, leve Purah seu portador de armadura com você, para ter certeza de que você tem armas para usar (Bertheau); pois, além do fato de que a adição “desarmado” é perfeitamente arbitrária, a apodose “você verá”, etc., não concorda de forma alguma com esta explicação. O significado é antes este: Vá com seus 300 homens ao (בּ) campo hostil para feri-lo, pois eu o entreguei em sua mão; mas se tiver medo de fazer isso, desça com seu atendente ao (אל) campo, para verificar o estado e o sentimento do inimigo, e você ouvirá o que eles dizem, ou seja ao nos reunirmos do que se segue, como eles estão desanimados, perderam toda a esperança de derrotá-lo, e a partir daí você reunirá coragem e força para a batalha. Sobre a expressão “tuas mãos serão fortalecidas”, ver 2Samuel 2:7. A expressão que se segue, בּמּחנה וירדתּ, não é uma mera repetição do comando para descer com seu atendente ao campo hostil, mas descreve o resultado do estímulo dado à sua coragem: E então você irá destemidamente para o campo hostil para atacar o inimigo. בּמּחנה ירד (Juízes 7:9, Juízes 7:11) deve ser distinguido de המּחנה ירד nos Juízes 7:10. O primeiro significa descer ao acampamento para ferir o inimigo; o segundo, descer ao acampamento para reconhecê-lo, e é equivalente à cláusula seguinte: “ele foi para o exterior do campo”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 E se temes descer para atacar, desce apenas tu e o teu servo Pura ao acampamento,

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-10) A Batalha e a Vitória de Gideão. – Juízes 7:9-11. Na noite seguinte, o Senhor ordenou a Gideão que descesse ao campo do inimigo, como Ele havia dado em suas mãos (o perfeito é usado para denotar o propósito de Deus que já havia sido formado, como nos Juízes 4:14). Mas a fim de enchê-lo de confiança para tal empreendimento, que para toda aparência humana era muito precipitado, Deus acrescentou: “Se tiveres medo de descer, vai com o teu atendente Purah até o acampamento, e ouvirás o que eles dizem, e assim tuas mãos se tornarão fortes”. O significado da protase não é: Se você tem medo de descer sozinho ao acampamento do inimigo, ou de visitar o inimigo desarmado, leve Purah seu portador de armadura com você, para ter certeza de que você tem armas para usar (Bertheau); pois, além do fato de que a adição “desarmado” é perfeitamente arbitrária, a apodose “você verá”, etc., não concorda de forma alguma com esta explicação. O significado é antes este: Vá com seus 300 homens ao (בּ) campo hostil para feri-lo, pois eu o entreguei em sua mão; mas se tiver medo de fazer isso, desça com seu atendente ao (אל) campo, para verificar o estado e o sentimento do inimigo, e você ouvirá o que eles dizem, ou seja ao nos reunirmos do que se segue, como eles estão desanimados, perderam toda a esperança de derrotá-lo, e a partir daí você reunirá coragem e força para a batalha. Sobre a expressão “tuas mãos serão fortalecidas”, ver 2Samuel 2:7. A expressão que se segue, בּמּחנה וירדתּ, não é uma mera repetição do comando para descer com seu atendente ao campo hostil, mas descreve o resultado do estímulo dado à sua coragem: E então você irá destemidamente para o campo hostil para atacar o inimigo. בּמּחנה ירד (Juízes 7:9, Juízes 7:11) deve ser distinguido de המּחנה ירד nos Juízes 7:10. O primeiro significa descer ao acampamento para ferir o inimigo; o segundo, descer ao acampamento para reconhecê-lo, e é equivalente à cláusula seguinte: “ele foi para o exterior do campo”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 e ouvirás o que falam; e então tuas mãos se fortalecerão, e descerás para atacar o acampamento. E ele desceu com o seu servo Pura à extremidade dos homens armados que estavam no acampamento.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-14) Mas quando Gideão chegou com seu acompanhante até o fim dos homens armados (chamushim, como em Josué 1:14; Êxodo 13:18) no campo hostil, e o inimigo estava estendido com seus camelos no vale, uma multidão inumerável, ele ouviu um (dos combatentes) relacionar-se com seu companheiro (ou seja, com outro) um sonho que ele tinha tido: “Eis que um bolo de pão de cevada rolava para o acampamento de Midian, e veio até a tenda e o feriu, de modo que caiu e virou para cima, e deixou a tenda deitar-se”. Então o outro respondeu: “Esta não é nada mais que a espada de Gideão, o filho de Joás, o israelita”: Deus deu Midian e todo o acampamento em suas mãos”. “O fim dos homens combatentes” significa o mais externo ou mais importante dos postos avançados do campo inimigo, que continha não somente homens combatentes, mas toda a bagagem do inimigo, que tinha invadido a terra como nômades, com suas esposas, seus filhos e seus rebanhos. Nos Juízes 7:12, a multidão inumerável do inimigo é descrita mais uma vez na forma de uma cláusula circunstancial, como nos Juízes 6:5, não tanto para distinguir os combatentes do acampamento em geral, mas para trazer à tona mais vividamente o conteúdo e o significado do sonho seguinte. A comparação do inimigo com a areia à beira-mar lembra Josué 11:4, e é freqüentemente encontrada (ver Gênesis 22:17; Gênesis 32:13; 1Samuel 13:5). Com a palavra ויּבא nos Juízes 7:13, o fio da narrativa, que foi quebrado pela cláusula circunstancial nos Juízes 7:12, é retomado e levado adiante. O ἁπ. λεγ. צלוּל (Keri, צליל) é feito bolo, placenta, pelos primeiros tradutores: ver Ges. Thes. p. 1170. A derivação da palavra foi contestada, e não é de forma alguma certa, pois צלל não dá nenhum significado adequado, seja no sentido de tocar ou de ser ofuscado, e o significado de rolar (Ges. l.c. ) não pode ser filologicamente sustentado; enquanto צלה, para assar, dificilmente pode ser pensado, já que isto é meramente usado para denotar a torrefação de carne, e קלה era a palavra comumente aplicada à torrefação de grãos, e mesmo “o assado de pão de cevada” dificilmente seria equivalente a subcinericeus panis ex hordeo (Vulgata). “A tenda”, com o artigo definido, é provavelmente a tenda principal do campo, ou seja, a tenda do general. למעלה, para cima, de modo que a parte de baixo veio para o topo. “A tenda estava deitada”, ou a tenda caiu, estava em ruínas, é acrescentada para dar ênfase às palavras. “Isto não é nada se não”, ou seja, nada mais. O bolo de pão que rolou para o campo de Midianitish e derrubou a tenda, não significa nada mais do que a espada de Gideon, ou seja, Gideon, que está explodindo no campo com sua espada, e a destruindo totalmente.

Esta interpretação do sonho foi certamente natural, dadas as circunstâncias. Gideon é especialmente mencionado simplesmente como o líder dos israelitas; enquanto que o pão de cevada, que era o alimento das classes mais pobres, deve ser considerado como o símbolo de Israel, que era tão desprezado entre as nações. A ascensão dos israelitas sob Gideon não havia permanecido um segredo para os midianitas, e sem dúvida os encheu de medo; para que em um sonho esse medo pudesse facilmente assumir a forma da derrota ou desolação e destruição de seu acampamento por Gideon. E a forma peculiar do sonho também é psicologicamente concebível. Como a tenda é tudo para um nômade, ele poderia muito naturalmente imaginar o cultivador do solo como um homem cuja vida é toda dedicada ao cultivo e ao cozimento de pão. Desta forma, o pão se tornaria quase involuntariamente um símbolo do cultivador do solo, enquanto em sua própria tenda ele veria um símbolo não apenas de seu modo de vida, mas de sua liberdade, grandeza e poder. Se acrescentarmos a isto, que as tribos pastorais livres, particularmente os beduínos da Arábia, olham com orgulho não apenas para os pobres cultivadores do solo, mas até mesmo para os habitantes das cidades, e que na Palestina, a terra do trigo, ninguém além das classes mais pobres se alimenta de pão de cevada, temos aqui todos os elementos a partir dos quais o sonho do guerreiro midianita foi formado. Os israelitas haviam sido realmente esmagados pelos midianitas em uma nação pobre de escravos. Mas embora o próprio sonho admita ser explicado desta maneira de maneira perfeitamente natural, ele adquire o caráter sobrenatural superior de uma inspiração divina, do fato de que Deus não apenas o anteviu, mas realmente fez o Midianita sonhar, e relacionar o sonho com seu camarada, justamente no momento em que Gideon entrou secretamente no campo, para que ele o ouvisse, e descobrisse a partir dele, como Deus o predisse, o desânimo do inimigo. Nestas circunstâncias, Gideon não podia deixar de considerar o sonho como uma inspiração divina, e de tirar dele a certeza de que Deus certamente havia dado os midianitas em suas mãos. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E Midiã, e Amaleque, e todos os orientais, estavam estendidos no vale como gafanhotos em multidão, e seus camelos eram inúmeros, como a areia que está à beira do mar em multidão.

Comentário de Robert Jamieson

estavam estendidos no vale como gafanhotos em multidão, e seus camelos eram inúmeros – uma descrição muito visual de um acampamento árabe. Eles estavam envoltos no sono, ou descansando da pilhagem do dia, enquanto seus inúmeros camelos estavam esticados em volta deles. [Jamieson, aguardando revisão]

13 E logo que chegou Gideão, eis que um homem estava contando a seu companheiro um sonho, dizendo: Eis que eu sonhei um sonho: que via um pão de cevada que rodava até o acampamento de Midiã, e chegava às tendas, e as feria de tal maneira que caíam, e as virava de cima abaixo, e as tendas caíam.

Comentário de Robert Jamieson

“Tive um sonho”, dizia ele. “Um pão de cevada vinha rolando dentro do acampamento midianita – Este era um sonho característico e muito expressivo para um árabe nas circunstâncias. A descida do morro, golpeando-se contra as tendas e derrubando-as, naturalmente ligava-o em sua mente à posição e ao ataque meditado do líder israelita. A circunstância do bolo também foi muito significativa. A cevada era geralmente a comida dos pobres e dos animais; mas muito provavelmente, da destruição generalizada das colheitas pelos invasores, multidões deviam ter sido reduzidas a pobres e escassas. [JFB, aguardando revisão]

14 E seu companheiro respondeu, e disse: Isto não é outra coisa a não ser a espada de Gideão filho de Joás, homem de Israel: Deus entregou em suas mãos aos midianitas com todo o acampamento.

Comentário de Fay e Bliss

E seu companheiro respondeu. O fato de que uma interpretação verdadeira é dada por um camarada ao outro, deve ser especialmente notada. O primeiro não perguntou, mas apenas relatou; o outro não é um adivinho, mas apenas um companheiro. Tanto mais significativo é o estado de espírito no qual a interpretação se origina. Pois não existe nenhum terreno visível para pensar que, não obstante seu grande poder, Midian possa ser entregue nas mãos de um homem como Gideon. Mas o que existe, é uma consciência maligna. Durante sete anos, Midian saqueou e pisoteou Israel. Esta é a primeira vez, em todos estes anos, que se tenta resistir. Que apesar da angústia e da fraqueza numérica, Israel se aventura agora a começar uma guerra, deve por si só despertar a atenção e causar uma impressão. Há quanto tempo, desde que Israel havia hasteado as bandeiras de seu Deus! A orgulhosa tirania já se assusta com a perspectiva de resistência de alguns poucos fiéis.21 Segundo Heródoto (7:16), Artaban diz a Xerxes: “Os homens não serão visitados durante o sono por imagens do que pensaram durante o dia”. O princípio se aplica, neste caso, tanto ao sonhador quanto ao intérprete. Tanto o sonho quanto a interpretação refletem os pressentimentos de uma consciência má, que Deus está prestes a julgar. O intérprete compara o pãozinho de enrolar com a espada de Gideon. (O hithpael de הָפַןְ, aqui aplicado ao que simbolizava a espada de Gideon (Juízes 7:13), também é usado pelo escritor sagrado da espada que manteve a entrada no jardim do Éden. Gênesis 3:24). Ele é – continua o intérprete – que se levanta contra a dominação de Midian: ele se aventura nisto, e sonha assim,- esteja certo de que seu Deus (daí o artigo com Elohim, pois sem o artigo ele também designa seus deuses) entregou Midian a seu poder. [Lange, aguardando revisão]

15 E quando Gideão ouviu a história do sonho e sua interpretação, adorou; e voltado ao acampamento de Israel, disse: Levantai-vos, que o SENHOR entregou o acampamento de Midiã em vossas mãos.

Comentário de Robert Jamieson

Quando Gideão ouviu o sonho e a sua interpretação, adorou a Deus – O incidente originou-se na providência secreta e suprema de Deus, e Gideão, por sua expressão de gratidão piedosa, considerou-o como tal. Em sua mente, assim como a de seus seguidores, produziu o efeito pretendido – o de transmitir nova animação e impulso ao seu patriotismo. [JFB, aguardando revisão]

16 E repartindo os trezentos homens em três esquadrões, deu a cada um deles trombetas em suas mãos, e cântaros vazios com tochas ardendo dentro dos cântaros.

Comentário de Robert Jamieson

Dividiu os trezentos homens em três companhias – O objetivo de dividir suas forças era que eles pareciam estar cercando o inimigo. Os jarros estavam vazios para esconder as tochas, e feitos de barro, de modo a serem facilmente quebrados; e o repentino resplendor das luzes acesas – o eco das trombetas, e os gritos de Israel, sempre aterrorizantes (Números 23:21), e agora mais terríveis do que nunca pelo uso de tais palavras impressionantes, romperam o quietude do ar da meia noite. Os dormentes começaram a partir do seu descanso; nenhum golpe foi dado pelos israelitas; mas o inimigo correu tumultuamente, proferindo os gritos selvagens e dissonantes peculiares à raça árabe. Eles lutaram indiscriminadamente, não sabendo amigo do inimigo. O pânico sendo universal, eles logo fugiram precipitadamente, dirigindo seu vôo até o Jordão, ao pé das montanhas de Efraim, para lugares conhecidos como a “casa da acácia” [Beth-shittah], e “a campina do dança ”[Abel-meholah]. [JFB, aguardando revisão]

17 E disse-lhes: Olhai a mim, e fazei como eu fizer; eis que quando eu chegar ao princípio do acampamento, como eu fizer, assim fareis vós.

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-18) Quando ele ouviu o sonho relacionado e interpretado, ele adorou, louvando o Senhor com alegria, e voltou ao acampamento para atacar o inimigo sem demora. Ele então dividiu os 300 homens em três companhias, ou seja, três colunas atacantes, e deu a todos eles trombetas e jarros vazios, com tochas nas mãos. Os arremessadores foram levados para que pudessem esconder as tochas em chamas durante seu avanço para cercar o acampamento do inimigo, e depois aumentar o barulho no momento do ataque, fazendo os arremessadores em pedaços (Juízes 7:20), e assim, através do barulho, assim como o acender repentino das tochas em chamas, enganar o inimigo quanto à força do exército. Ao mesmo tempo, ordenou-lhes: “Vejam de mim, e façam o mesmo”, – uma breve expressão para: “Como me vedes, assim fazeis vós também (כּן, sem o anterior כּ, ou כּאשׁר como nos Juízes 5:15; ver Ewald, 260, a. ), – “Eu toco a trombeta, eu e todos os que estão comigo; vós também tocais as trombetas ao redor de todo o acampamento”, que os 300 homens divididos em três empresas deveriam cercar, “e dizer, Ao Senhor e a Gideon”. De acordo com os Juízes 7:20, este grito de guerra correu completamente assim: “Espada para (para) o Senhor e Gideon”. Esta adição nos Juízes 7:20, no entanto, não nos garante a inserção de “chereb” (espada) no texto aqui, como alguns dos primeiros tradutores e MSS fizeram.

(Nota: estratagemas similares ao adotado por Gideon aqui são registrados por Polyaenus (Strateg. ii. c. 37) de Dicetas, na tomada de Heraea, e por Plutarco (Fabius Max. c. 6) de Aníbal, quando ele foi cercado e completamente fechado por Fabius Maximus. Um exemplo da história moderna é dado por Niebuhr (Beschr. von Arabien, p. 304). Em meados do século XVIII, dois chefes árabes estavam lutando pelo imã de Omã. Um deles, Bel-Arab, sitiou o outro, Achmed ben Said, com quatro ou cinco mil homens, em um pequeno castelo na montanha. Mas este último escapou do castelo, reuniu várias centenas de homens, deu a cada soldado um sinal sobre sua cabeça, para que pudessem distinguir amigos de inimigos, e enviou pequenas companhias a todos os passes. Cada um tinha uma trombeta para tocar a um determinado sinal, e assim criar um ruído ao mesmo tempo em todos os lados. Todo o exército adversário foi lançado desta forma em desordem, já que encontraram todos os passes ocupados, e imaginaram que o exército hostil era tão grande quanto o barulho). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Eu tocarei a trombeta e todos os que estiverem comigo; e vós tocareis então as trombetas ao redor de todo aquele campo, e direis: Pelo SENHOR e Gideão!

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-18) Quando ele ouviu o sonho relacionado e interpretado, ele adorou, louvando o Senhor com alegria, e voltou ao acampamento para atacar o inimigo sem demora. Ele então dividiu os 300 homens em três companhias, ou seja, três colunas atacantes, e deu a todos eles trombetas e jarros vazios, com tochas nas mãos. Os arremessadores foram levados para que pudessem esconder as tochas em chamas durante seu avanço para cercar o acampamento do inimigo, e depois aumentar o barulho no momento do ataque, fazendo os arremessadores em pedaços (Juízes 7:20), e assim, através do barulho, assim como o acender repentino das tochas em chamas, enganar o inimigo quanto à força do exército. Ao mesmo tempo, ordenou-lhes: “Vejam de mim, e façam o mesmo”, – uma breve expressão para: “Como me vedes, assim fazeis vós também (כּן, sem o anterior כּ, ou כּאשׁר como nos Juízes 5:15; ver Ewald, 260, a. ), – “Eu toco a trombeta, eu e todos os que estão comigo; vós também tocais as trombetas ao redor de todo o acampamento”, que os 300 homens divididos em três empresas deveriam cercar, “e dizer, Ao Senhor e a Gideon”. De acordo com os Juízes 7:20, este grito de guerra correu completamente assim: “Espada para (para) o Senhor e Gideon”. Esta adição nos Juízes 7:20, no entanto, não nos garante a inserção de “chereb” (espada) no texto aqui, como alguns dos primeiros tradutores e MSS fizeram.

(Nota: estratagemas similares ao adotado por Gideon aqui são registrados por Polyaenus (Strateg. ii. c. 37) de Dicetas, na tomada de Heraea, e por Plutarco (Fabius Max. c. 6) de Aníbal, quando ele foi cercado e completamente fechado por Fabius Maximus. Um exemplo da história moderna é dado por Niebuhr (Beschr. von Arabien, p. 304). Em meados do século XVIII, dois chefes árabes estavam lutando pelo imã de Omã. Um deles, Bel-Arab, sitiou o outro, Achmed ben Said, com quatro ou cinco mil homens, em um pequeno castelo na montanha. Mas este último escapou do castelo, reuniu várias centenas de homens, deu a cada soldado um sinal sobre sua cabeça, para que pudessem distinguir amigos de inimigos, e enviou pequenas companhias a todos os passes. Cada um tinha uma trombeta para tocar a um determinado sinal, e assim criar um ruído ao mesmo tempo em todos os lados. Todo o exército adversário foi lançado desta forma em desordem, já que encontraram todos os passes ocupados, e imaginaram que o exército hostil era tão grande quanto o barulho). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 Chegou, pois, Gideão, e os cem homens que levava consigo, ao princípio do acampamento, à entrada da vigília do meio, quando acabavam de renovar as sentinelas; e tocaram as trombetas, e quebraram os cântaros que levavam em suas mãos:

Comentário de Keil e Delitzsch

Gideon prosseguiu então com os 100 que estavam com ele, ou seja, a empresa que foi liderada por ele mesmo, até o final do campo hostil, no início da vigília do meio, ou seja, à meia-noite ראשׁ é um acusativo que define a hora: veja Ges. 118, 2, e Ewald, 204, a. O único outro relógio que é mencionado no Antigo Testamento ao lado do relógio do meio da noite, é o relógio da noite da manhã (Êxodo 14:24; 1Samuel 11:11), do qual foi corretamente inferido, que os israelitas dividiram a noite em três relógios noturnos. A divisão em quatro vigílias (Mateus 14:25; Marcos 6:48) foi adotada pela primeira vez pelos judeus romanos. “Eles (os midianitas) tinham apenas (apenas) colocado os vigias (da vigília do meio)”, – uma cláusula circunstancial, introduzida para dar maior distinção à situação. Quando os primeiros sentinelas foram aliviados, e o segundo colocado, de modo que eles pensaram que poderiam garantir o descanso noturno mais uma vez, Gideon e seu anfitrião chegaram ao final do acampamento, e, como devemos suprir do contexto, os outros dois anfitriões em duas outras extremidades do acampamento, que todos sopraram suas trombetas, quebrando os arremessadores em suas mãos ao mesmo tempo. Os inf. abs. נפוץ, como continuação do verbo finito יתקעוּ, indica que o fato foi contemporâneo do anterior (ver Ewald, 351, c.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E os três esquadrões tocaram as trombetas, e quebrando os cântaros tomaram nas mãos esquerdas as tochas, e nas direitas as trombetas com que tocavam, e deram grito: A espada do SENHOR e de Gideão!

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) De acordo com o comando que receberam (Juízes 7:17), as outras duas tribos seguiram seu exemplo. “Então as três companhias sopraram as trombetas, quebraram os cântaros e seguraram as tochas em suas mãos esquerdas, e as trombetas em sua direita para soar, e gritaram, Espada ao Senhor e Gideon! E cada um ficou em seu lugar ao redor do acampamento”, isto é, sem se mover, de modo que os midianitas pensavam necessariamente que deveria haver um exército numeroso avançando atrás dos portadores das tochas. וגו ויּרץ, “e todo o exército fugiu”, ou seja começou uma corrida aqui e ali no acampamento do inimigo, que havia se assustado com o descanso noturno por causa da explosão inesperada das trombetas, do barulho e do grito de guerra dos guerreiros israelitas; “e eles (o inimigo) levantaram um grito (de angústia e alarme), e fizeram voar” (levados), isto é, suas tendas (ou seja suas famílias) e seus rebanhos, ou todos os seus bens (compare com Juízes 6:11; Êxodo 9:20). O Chethibh יניסוּ é a leitura original, e o Keri ינוּסוּ uma má emenda. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

21 E estiveram em seus lugares em derredor do acampamento: e todo aquele acampamento foi alvoroçado, e fugiram gritando.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-21) De acordo com o comando que receberam (Juízes 7:17), as outras duas tribos seguiram seu exemplo. “Então as três companhias sopraram as trombetas, quebraram os cântaros e seguraram as tochas em suas mãos esquerdas, e as trombetas em sua direita para soar, e gritaram, Espada ao Senhor e Gideon! E cada um ficou em seu lugar ao redor do acampamento”, isto é, sem se mover, de modo que os midianitas pensavam necessariamente que deveria haver um exército numeroso avançando atrás dos portadores das tochas. וגו ויּרץ, “e todo o exército fugiu”, ou seja começou uma corrida aqui e ali no acampamento do inimigo, que havia se assustado com o descanso noturno por causa da explosão inesperada das trombetas, do barulho e do grito de guerra dos guerreiros israelitas; “e eles (o inimigo) levantaram um grito (de angústia e alarme), e fizeram voar” (levados), isto é, suas tendas (ou seja suas famílias) e seus rebanhos, ou todos os seus bens (compare com Juízes 6:11; Êxodo 9:20). O Chethibh יניסוּ é a leitura original, e o Keri ינוּסוּ uma má emenda. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 Mas os trezentos tocavam as trombetas: e o SENHOR pôs a espada de cada um contra seu companheiro em todo aquele acampamento. E o exército fugiu até Bete-Sita, até Zererá, e até o termo de Abel-Meolá em Tabate.

Comentário de Keil e Delitzsch

Enquanto os 300 homens tocavam suas trombetas, “Jeová colocou a espada de um contra o outro, e contra todo o campo”, ou seja, fez com que um virasse sua espada contra o outro e contra todo o campo, ou seja, não apenas homem contra homem, mas contra todos no campo, de modo que surgiu uma terrível matança em todo o campo. A primeira cláusula, “e os trezentos sopraram as trombetas”, simplesmente retoma a afirmação nos Juízes 7:20, “as três companhias sopraram as trombetas”, com o propósito de anexar a ela o progresso do ataque, e o resultado da batalha. Bertheau insere de maneira muito arbitrária as palavras, “a segunda vez”. Sua explicação da próxima cláusula (“então os 300 combatentes de Gideão desembainharam a espada sob o comando de Jeová, cada homem contra seu homem”) é ainda mais equivocada, pois faz violência ao uso constante da expressão בּרעהוּ אישׁ (ver 1Samuel 14: 20; 2 Crônicas 20:23; Isaías 3:5; Zacarias 8:10). “E todo o acampamento dos midianitas fugiu para Beth-shittah para Zeredah, para a costa de Abel-meholah, sobre Tabbath”. A situação desses lugares, que só são mencionados aqui, com exceção de Abel-meholah, o lar de Eliseu (1 Reis 19:16; 1 Reis 4:12), ainda não foi determinada. Segundo o siríaco, o árabe e alguns do MSS, deveríamos ler Zeredathah em vez de Zererathah, e Zeredathah é apenas outra forma para Zarthan (comp. 1 Reis 7:46 com 2 Crônicas 4:17). Isto é favorecido pela situação de Zarthan no vale do Jordão, provavelmente perto do moderno Kurn Sartabeh (ver p. 35), na medida em que, com toda probabilidade, Beth-shittah e Abel-meholah devem ser procurados no vale do Jordão; e de acordo com os Juízes 7:24, o inimigo fugiu para o Jordão. Beth-shittah, ou seja, acacia-house, não é o mesmo lugar que a aldeia de Shutta mencionada por Robinson (iii. p. 219), já que esta aldeia, de acordo com o mapa de Van de Velde, ficava ao norte de Gilboa. Pois embora Shutta seja favorecida pela circunstância, que desde uma época muito antiga havia uma estrada que corria de Jezreel ao longo do vale, entre o chamado Little Hermon (Duhy) e as montanhas de Gilboa, e passando por Beisan até o Jordão; e o vale de Jalud, no lado norte do qual Shutta estava situado, pode ser considerado como a abertura da planície de Jezreel para o vale do Jordão (ver v. Raumer, Pal. p. 41, e Rob. iii. p. 176); e v. Raumer conjecturas disto, que “o vôo dos midianitas foi aparentemente dirigido para Betânia, por causa da natureza do solo”, – esta suposição é muito questionável pelo fato de que o inimigo voador não cruzou o Jordão na vizinhança de Beisan, mas muito mais para o sul, em outras palavras, de acordo com os Juízes 8:4, na vizinhança de Succoth, que estava no lado sul do Nahr Zerka (Jabbok). Daí somos levados a conjecturar que eles não estavam acampados na parte nordeste da planície de Jezreel, no bairro de Jezreel (Zerin) e Shunem (Solam), mas na parte sudeste desta planície, e que depois de terem sido espancados ali eles fugiram para o sul de Gilboa, digamos do distrito de Ginaea (Jenin) para o Jordão. Neste caso, temos que procurar Abel-shittah no sudeste das montanhas de Gilboa, ao norte de Zeredathah (Zarthan). A partir deste ponto, eles fugiram ainda mais para a “costa de Abel-meholah”. שׂפה não quer dizer fronteira, mas beira; aqui a margem do Jordão, como היּרדּן שׂפת em 2 Reis 2:13. O banco ou cordão de Abel-meholah é aquela porção da margem ocidental do Jordão ou do Ghor, acima da qual Abel-meholah estava situado. De acordo com o Onom. (s. v. Ἀβελμαελαί, Abelmaula), este lugar ficava no Aulon (ou Ghor), a dez milhas romanas ao sul de Scythopolis (Beisan), e era chamado naquela época de Βηθμαιελά ou Bethaula. Segundo esta declaração, Abel-meholah teria que ser procurada para perto de Churbet es Shuk, no bairro de uádi Maleh (ver V. de Velde, Mem. p. 280). E por último, Tabbath deve ter ficado situado em algum lugar ao sul de Abel-meholah. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E juntando-se os de Israel, de Naftali, e de Aser, e de todo Manassés, seguiram aos midianitas.

Comentário de Keil e Delitzsch

A perseguição do Inimigo até o Jordão. – Juízes 7:23. Assim que os midianitas foram postos em fuga, os homens israelitas de Naftali, Asher e Manasseh se deixaram reunir com o propósito de persegui-los: ou seja, os homens destas tribos, que Gideon havia mandado embora antes da batalha, e que estavam a caminho de casa, puderam ser convocados de volta em um tempo muito curto para se juntarem à perseguição do inimigo voador. A omissão de Zebulom (Juízes 6:35) deve, com toda probabilidade, ser simplesmente atribuída à brevidade do relato. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 Gideão também enviou mensageiros a todo aquele monte de Efraim, dizendo: Descei ao encontro dos midianitas, e tomai-lhes as águas até Bete-Bara e o Jordão. E juntos todos os homens de Efraim, tomaram as águas de Bete-Bara e o Jordão.

Comentário de Robert Jamieson

Gideão enviou mensageiros a todos os montes de Efraim – Os efraimitas estavam ao sul e podiam prestar auxílio temporário.

Desçam para atacar os midianitas e cerquem as águas do Jordão à frente deles até Bete-Bara (ver Juízes 3:28). Estes eram os vaus do norte do Jordão, a leste-nordeste de wady Maleh.

os homens de Efraim, e eles ocuparam as águas do Jordão até Bete-Bara – Um novo conflito se seguiu, no qual dois chefes secundários foram presos e mortos nos pontos onde foram levados respectivamente. As manchas receberam o nome desses chefes, Oreb, “o Corvo”, e Zeeb, “o Lobo” – designações apropriadas dos líderes árabes. [JFB, aguardando revisão]

25 E tomaram dois príncipes dos midianitas, Orebe e Zeebe: e mataram a Orebe na penha de Orebe, e a Zeebe o mataram na prensa de uvas de Zeebe; e depois que seguiram aos midianitas, trouxeram as cabeças de Orebe e de Zeebe a Gideão da outra parte do Jordão.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) A fim de interromper a retirada do inimigo que estava fugindo para o Jordão, Gideon enviou mensageiros a todas as montanhas de Efraim com este apelo aos Efraimitas, “Desçam (de suas montanhas para as terras baixas do Jordão) para se encontrarem com Midian, e tomem as águas deles para Bethbarah e o Jordão”, isto é, tomando posse deste distrito (ver Juízes 3:28). “As águas”, mencionadas antes do Jordão e distinguidas dele, devem ter sido riachos através dos quais o inimigo voador teria que atravessar para chegar ao Jordão, ou seja, os diferentes riachos e rios, tais como uádi Maleh, Fyadh, Jamel, Tubs, etc., que desciam do lado oriental das montanhas de Efraim para o Jordão, e corriam através do Ghor até Bethbarah. A situação de Bethbarah é desconhecida. Até mesmo Eusébio não poderia dizer nada definitivo sobre o lugar; e a conjectura de que é a mesma de Betbara, que tem sido considerada desde o tempo de Orígenes como o lugar mencionado em João 1:28 onde João batizou, não lança nenhuma luz sobre o assunto, pois a situação de Betbara também é desconhecida, para não dizer nada sobre o fato de que a identidade dos dois nomes é muito questionável. Os Efraimitas responderam a este apelo e tomaram posse das águas mencionadas, antes que os midianitas, que só podiam mover-se lentamente com seus rebanhos e rebanhos, conseguissem chegar ao Jordão. Eles então capturaram dois dos príncipes dos midianitas e os mataram: um deles, Oreb, ou seja, o corvo, na rocha Oreb; o outro, Zeeb, ou seja, o lobo, no lagar de Zeeb. Nada mais se sabe sobre estes dois lugares. A rocha de Oreb só é mencionada novamente em Isaías 10:26, quando o profeta alude a esta célebre vitória. Tanto, porém, é evidente pelo versículo anterior, em outras palavras, que os midianitas foram vencidos pelos efraimitas em ambos os lugares, e que os dois príncipes caíram ali, e os lugares receberam seus nomes por essa circunstância. Eles não estavam situados na terra ao leste do Jordão, como Gesenius (em Isaías 10:26), Rosenmller, e outros deduzem do fato de que os Efraimitas levaram as cabeças de Oreb e Zeeb para Gideon ליּרדּן מעבר (Juízes 7: 25), mas no lado ocidental do Jordão, onde os Efraimitas haviam tomado posse das águas e do Jordão em frente aos midianitas. ליּרדּן מעבר não significa “do outro lado do Jordão”, mas simplesmente “do outro lado (além) do Jordão”, como em Josué 13:32; Josué 18:7; 1 Reis 14: 15; e a afirmação aqui não é que os Efraimitas trouxeram as cabeças do outro lado para Gideão, a oeste do rio, mas que as trouxeram para Gideão quando ele estava na terra ao leste do Jordão. Esta explicação das palavras é exigida pelo contexto, bem como pela observação anterior, “eles perseguiram Midian”, segundo a qual os Efraimitas continuaram a perseguição dos Midianitas após matar estes príncipes, e também pela reclamação apresentada contra Gideon pelos Efraimitas, que só é mencionada depois (Juízes 8:1.), de que ele não os havia convocado para a guerra. É verdade, isto é dado antes do relato da travessia de Gideon sobre o Jordão (Juízes 8:4), mas por ordem de tempo não ocorreu até depois, e, como Bertheau demonstrou corretamente, a seqüência histórica é um pouco antecipada. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Juízes 6 Juízes 8>

Visão geral de Juízes

Em Juízes, “os Israelitas se afastam de Deus e enfrentam as consequências. Deus levanta juízes durante ciclos de rebelião, arrependimento e restauração”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (7 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro dos Juízes.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.