Josué 1

O Senhor nomeia Josué para suceder a Moisés

1 E aconteceu depois da morte de Moisés servo do SENHOR, que o SENHOR falou a Josué filho de Num, assistente de Moisés, dizendo:

Comentário de Robert Jamieson

depois da morte de Moisés  – Josué, tendo já sido designado e designado líder de Israel (Números 27:18-23), com toda a probabilidade assumiu as rédeas do governo imediatamente “após a morte de Moisés”.

servo do Senhor – Este era o título oficial de Moisés, investido de uma missão especial para dar a conhecer a vontade de Deus; e conferiu grande honra e autoridade.

o Senhor falou a Josué – provavelmente durante o período de luto público, ou por uma revelação direta à mente de Josué, ou por meio de Urim e Tumim (Números 27:21). Esta primeira comunicação deu uma promessa de que as instruções divinas que, de acordo com as provisões da teocracia, haviam sido concedidas a Moisés, seriam continuadas ao novo líder, embora Deus talvez não falasse com ele “boca a boca” (Números 12:8).

Josué – O nome original, Oshea, (Números 13:8), que tinha sido, de acordo com o uso oriental, mudado como os de Abrão e Sarai (Gênesis 17:5-15) em Jehoshua ou Joshua (isto é, “Deus” “salvação “) foi significativo dos serviços que ele prestava, e tipificava um Salvador maior (Hebreus 4:8).

assistente de Moisés– ministro – isto é, seu assistente oficial, que, por estar constantemente empregado em serviços importantes e iniciado desde cedo nos princípios do governo, seria bem treinado para assumir a liderança de Israel. [JFB, aguardando revisão]

2 Meu servo Moisés é morto: levanta-te, pois, agora, e passa este Jordão, tu e todo este povo, à terra que eu lhes dou aos filhos de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

levanta-te, pois, agora, e passa este Jordão – a missão de Josué era a de um líder militar. Esta passagem registra seu chamado para iniciar o trabalho e uma repetição literal da promessa feita a Moisés (Deuteronômio 11:24; 31:6-8,23). [JFB, aguardando revisão]

3 Eu vos entreguei, como o disse a Moisés, todo lugar que pisar a planta de vosso pé.

Comentário de Robert Jamieson

como disse a Moisés (ver a nota em Deuteronômio 11:24, cf. Êxodo 23:30-31).

todo lugar – claro, significa, não o domínio universal, mas apenas o território compreendido dentro dos limites aqui descritos (ver a nota em Deuteronômio 19:8-9). [JFU]

4 Desde o deserto e este Líbano até o grande rio Eufrates, toda a terra dos heteus até o grande mar do ocidente, será vosso termo.

Comentário de Robert Jamieson

toda a terra dos heteus – Eles ocupavam as extremidades do sul e eram a tribo dominante de Canaã. Seu poder superior e a extensão de seus domínios são atestados pela menção deles sob o nome de Khita, nas inscrições assírias, e ainda mais frequentemente nas inscrições egípcias das décimas oitava e décima nona dinastias. Que encorajamento deve ter recebido Josué com a garantia de que seu povo, que havia sido subjugado pelo medo daquela raça gigantesca, deveria possuir “toda a terra dos heteus”! [JFB, aguardando revisão]

5 Ninguém poderá resistir a ti em todos os dias de tua vida: como eu fui com Moisés, serei contigo; não te deixarei, nem te desampararei.

Comentário de Robert Jamieson

Ninguém poderá resistir a ti – Canaã foi deles por uma concessão divina; e a confirmação renovada desse subsídio a Josué, quando prestes a levar o povo a ele, insinuou não apenas uma conquista certa, mas fácil. É notável, contudo, que sua coragem e esperança de vitória dependessem (ver em Deuteronômio 17:18) de sua firme e inflexível adesão à lei de Deus, não apenas quanto à extirpação dos cananeus, mas a todos os preceitos do código divino. [JFB]

6 Esforça-te e sê valente: porque tu repartirás a este povo por herança a terra, da qual jurei a seus pais que a daria a eles.

Comentário Whedon

Esforça-te e sê valente – [Melhor, seja forte e firme. Michaelis observa que o verbo חזק, para ser forte, denota força de mão e braço para segurar e reter qualquer coisa ao seu alcance; enquanto אמצ, para ser firme, denota bastante firmeza nos joelhos, e capacidade de manter a sua posição contra o ataque dos inimigos. A expressão ocorre com ênfase crescente quatro vezes neste capítulo, e é antes um comando do que uma exortação. Comparar Isaías 35:3: “Fortalecei as mãos fracas, e confirmai os joelhos débeis”]. É um comando tão imperativo como qualquer outro no Decálogo, pois a força de vontade e a firmeza indomável devem constituir o estado de espírito a partir do qual todos os atos de obediência brotam.

tu repartirás a este povo por herança a terra – ou farás com que este povo herde a terra. O Senhor inspiraria Josué com força de alma, revelando-lhe a grandeza da sua missão. Ele revela-lhe que a sua agência é o último elo da cadeia que une profecia e cumprimento, esperança e realização: que todas as gloriosas possibilidades da sua nação dependem do seu próprio valor pessoal e fidelidade. [Whedon]

7 Somente te esforces, e sejas muito valente, para cuidar de fazer conforme toda a lei que meu servo Moisés te mandou: não te apartes dela nem à direita nem à esquerda, para que sejas próspero em todas as coisas que empreenderes.

Comentário Whedon

toda a lei. A Torá, o corpo de preceitos morais, cerimoniais e políticos dados por Jeová pela mão de Moisés. A própria concepção de um agente moral envolve a ideia de uma lei. Aqueles que não têm a lei escrita são uma lei para si próprios. A sua própria consciência percebe a distinção imutável entre o certo e o errado. Além disso, Deus acrescentou comandos e proibições positivas. Estes, desde os dias dos nossos primeiros pais até à conclusão da Torá, foram de carácter fragmentário; como, por exemplo, as penas contra homicídio, adultério e fornicação, (Gênesis 9,6; Gênesis 38,24,) a lei levirato, (Gênesis 38,8,) as distinções dos animais limpos e impuros, (Gênesis 8,20,) e a sacralidade do Sábado, (Êxodo 16,23-29.) A primeira revelação da lei em qualquer coisa como uma forma perfeita encontra-se no Livro do Deuteronômio, num período em que o povo, educado para a liberdade e responsabilidade nacional, estava preparado para a receber, e a levar consigo para a terra da promessa. Nesta presente passagem, temos a certeza de que foi escrita sob a forma de livro, e apelada como de autoridade suprema. Quando consideramos a reverência com que todas as gerações posteriores de hebreus consideraram este “livro da lei” – o seu cuidado zeloso para que não fosse corrompido, contando as palavras e letras, e registando o seu número, indicando a palavra do meio e a letra do meio por sinais peculiares – o argumento equivale à certeza de que temos nas nossas Bíblias hebraicas a própria Torá que Josué aqui mandou tomar como seu guia autoritário. [Whedon]

8 O livro desta lei nunca se apartará de tua boca: antes de dia e de noite meditarás nele, para que guardes e faças conforme tudo o que nele está escrito: porque então farás prosperar teu caminho, e tudo te sairá bem.

Comentário Whedon

O livro desta lei – A revelação já havia se solidificado em uma forma de livro. A sabedoria de Deus em selecionar esta forma será evidente quando considerarmos: (1) Que a raça humana instintivamente colocou em forma monumental todas as grandes verdades, leis, descobertas e eventos históricos que eles desejam perpetuar; (2) O caráter não confiável de confiança das tradições orais; (3) A dificuldade de corromper documentos confiados à tutela de uma classe seriamente designada para esse fim, e imbuída de temor religioso pela própria letra do manuscrito sagrado, ou conforme publicado para o mundo pela multiplicação de cópias espalhadas por todas as terras.

nunca se apartará – A lei divina escrita deve ser um assunto de constante estudo, pensamento e conversa, a regra da sua vida privada e oficial.

meditarás nele – A palavra hebraica הגה, às vezes significa murmurar, falar em voz alta, mas “não devemos pensar nesta meditação como um estudo erudito, nem como uma ‘leitura em voz alta’, como explica Bunsen, mas sim como uma reflexão madura sobre a lei, pela qual Josué deve penetrar mais profundamente em seu significado” (Fay). Feliz é a nação dos leitores da Bíblia governada por alguém que recebe a lei na boca de Deus! [Whedon]

9 Olha que te mando que te esforces e sejas valente: não temas nem desmaies, porque o SENHOR teu Deus será contigo onde quer que fores.

Comentário Cambridge

Olha que te mando. Observe a repetição das palavras de exortação. O líder hebreu é lembrado repetidamente de que não era sua obra, mas a obra de Deus, para a qual ele havia sido levantado. Comp. Deuteronômio 31:7-8; Deuteronômio 31:23. [Cambridge]

Josué prepara o povo para passar o Jordão

10 E Josué mandou aos oficiais do povo, dizendo:

Comentário de Keil e Delitzsch

(10-11) Preparativos para a travessia do Jordão. – Josué 1:10-11. Com o propósito de cumprir as ordens do Senhor, Josué dirigiu primeiramente os oficiais do povo (shoterim: ver em Êxodo 5-6), cujo dever era, como os guardiães dos registros familiares, atender não somente à cobrança dos homens que estavam obrigados a servir no exército, mas também à circulação das ordens do general, emitir ordens ao povo do acampamento para que se abastecessem de alimentos, para que pudessem atravessar o Jordão dentro de três dias, e tomar a terra que lhes fora prometida por Deus. Por zedah, provisão para uma viagem (Gênesis 42:25, etc.), não devemos entender o maná, pois este já tinha cessado (ver em Josué 5:12), mas simplesmente os produtos naturais do país habitado. A expressão “em três dias”, ou seja, como podemos ver ao compararmos Gênesis 40:13, Gênesis 40:19, com Gênesis 40:20, no terceiro dia a partir da publicação do comando, “atravessareis o Jordão”, não deve ser considerada como uma previsão do tempo em que a travessia realmente ocorreu, mas como a última hora que poderia ser permitida ao povo para se preparar para a travessia: em outras palavras, neste sentido, “preparai-vos para a travessia do Jordão em três dias”, ou seja que você possa deixar Shittim dentro desse tempo, para atravessar o Jordão, e começar a conquista de Canaã. Se entendermos as palavras desta maneira, elas estão em perfeita harmonia com Josué 2 e 3. De acordo com Josué 2, Josué enviou espiões de Shittim para Jericó, que foram obrigados a se esconder por três dias nas montanhas após seu vôo daquela cidade (Josué 2:22), antes de poderem retornar ao acampamento israelita; de modo que eles estiveram ausentes três ou quatro dias, de qualquer forma, e voltaram no mínimo à noite ou à noite do quarto dia após terem sido enviados. Foi somente na manhã seguinte que os israelitas deixaram Shittim e seguiram para o Jordão, onde pararam novamente. Então, três dias depois, atravessaram o rio (Josué 3:1-2), de modo que pelo menos 4 + 1 + 3, ou seja, oito dias inteiros devem ter intervindo entre o dia em que os espiões foram enviados e o dia em que o povo atravessou o rio. Josué, sem dúvida, pretendia seguir para o Jordão e cruzá-lo dentro de três dias após o envio dos espiões; portanto, ele enviou os espiões para Jericó no mesmo dia em que emitiu a ordem para o povo se preparar para a travessia dentro de três dias, para que ele pudesse razoavelmente esperar que eles cumprissem sua comissão e retornassem em dois ou três dias. Mas como eles foram obrigados a se esconder por três dias nas montanhas, em conseqüência da descoberta inesperada de sua chegada a Jericó, e do envio de homens em perseguição a eles, Josué não pôde se retirar com o povo de Shittim e seguir para o Jordão até o dia seguinte ao seu retorno; e mesmo assim ele não pôde atravessar o rio de uma vez, mas esperou três dias depois de chegar à margem do rio antes de atravessar para o outro lado (vid., Josué 3:1.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Passai por meio do acampamento, e mandai ao povo, dizendo: Abastecei-vos de comida; porque dentro de três dias passareis o Jordão, para que entreis a possuir a terra que o SENHOR vosso Deus vos dá para que a possuais.

Comentário de Robert Jamieson

mandai ao povo, dizendo: Abastecei-vos de comida – embora ainda caísse maná, não se manteria; mas milho, ovelhas e artigos de comida procuráveis ​​nos países conquistados.

dentro de três dias passareis o Jordão – isto é, o terceiro dia, de acordo com o idioma hebraico – o tempo previsto para se preparar antes que o acampamento em Abel-Shittim se rompa e eles sejam removidos para a margem desértica do rio onde não havia alimentos estavam disponíveis. Ao mesmo tempo, o próprio Josué convocou as duas tribos e meia que haviam se estabelecido a leste do Jordão, para lembrá-las de sua promessa (Números 32:1-42) de ajudar seus irmãos na conquista do oeste de Canaã. Sua prontidão para redimir sua promessa e os termos em que eles responderam ao apelo de Josué mostraram com grande vantagem seus sentimentos patrióticos e piedosos diante de uma crise. [JFB, aguardando revisão]

12 Também falou Josué aos rubenitas e gaditas, e à meia tribo de Manassés, dizendo:

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-18) O apelo de Josué às duas tribos e meia, para que se lembrassem da condição em que Moisés lhes deu a terra no leste do Jordão para uma herança, e para que a cumprissem, encontrou uma resposta pronta; para que essas tribos não só prometessem obedecer a seus mandamentos em todos os aspectos, mas também ameaçassem com a morte a todos que recusassem a obediência. Ao recordar esta condição à lembrança das tribos referidas, Josué segue as expressões em Deuteronomio 3:18-20, onde o próprio Moisés recapitula seu comando anterior, ao invés da passagem original em Números 32. A expressão “esta terra” mostra que o orador ainda se encontrava do outro lado do Jordão. חמשׁים, com os lombos cingidos, ou seja, preparados para a guerra, sinônimo de חלצים em Deuteronômio 3:18 e Números 32:32 (veja em Êxodo 13:18). חיל כּל-גּבּורי, todos os homens valentes, ou seja, todos os homens valentes, os guerreiros valentes (como em Josué 6:2; Josué 8:3; Josué 10:7, e muito freqüentemente nos livros posteriores), não é comum a este livro e Deuteronômio, como sustenta Knobel, mas é totalmente estranho para o Pentateuco. A palavra “todos” (versículo 14, como Números 32:21, Números 32:27) não deve ser pressionada. Segundo Josué 4:13, havia apenas cerca de 40.000 homens pertencentes às duas tribos e meio que atravessaram o Jordão para participar da guerra; enquanto que, segundo Números 26:7, Números 26:18, Números 26:34, havia 110.000 homens nessas tribos que eram capazes de portar armas, de modo que 70.000 devem ter ficado para trás para a proteção das mulheres e crianças e dos rebanhos e rebanhos, e para defender a terra da qual tinham tomado posse. Em Josué 1:15 ver Deuteronômio 3:18; e na definição mais minuciosa de “deste lado (iluminado além) da Jordânia” por “em direção ao nascer do sol”, compare as observações em Números 32:19. A resposta das duas tribos e meia, na qual elas não apenas prometem alegremente sua ajuda na conquista de Canaã, mas também expressam o desejo de que Josué possa ter a ajuda do Senhor (Josué 1:17 em comparação com Josué 1: 4), e depois de ameaçar com a morte todos os que recusam a obediência, fechar com a admoestação divina, “somente sejam fortes e de boa coragem” (Josué 1:18, compare com Josué 1:6), fornece uma prova do desejo que os inspirou a ajudar seus irmãos, para que todas as tribos possam rapidamente entrar na posse pacífica da herança prometida. A expressão “rebelar-se contra o mandamento” é usada em Deuteronômio 1:26, Deuteronômio 1:43; Deuteronômio 9:23; 1Samuel 12:14, para denotar resistência aos mandamentos do Senhor; aqui denota oposição a Seu representante, o comandante escolhido pelo Senhor, que deveria ser punido com a morte, de acordo com a lei em Deuteronômio 17:12. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Lembrai-vos da palavra que Moisés, servo do SENHOR, vos mandou dizendo: o SENHOR vosso Deus vos deu repouso, e vos deu esta terra.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-18) O apelo de Josué às duas tribos e meia, para que se lembrassem da condição em que Moisés lhes deu a terra no leste do Jordão para uma herança, e para que a cumprissem, encontrou uma resposta pronta; para que essas tribos não só prometessem obedecer a seus mandamentos em todos os aspectos, mas também ameaçassem com a morte a todos que recusassem a obediência. Ao recordar esta condição à lembrança das tribos referidas, Josué segue as expressões em Deuteronomio 3:18-20, onde o próprio Moisés recapitula seu comando anterior, ao invés da passagem original em Números 32. A expressão “esta terra” mostra que o orador ainda se encontrava do outro lado do Jordão. חמשׁים, com os lombos cingidos, ou seja, preparados para a guerra, sinônimo de חלצים em Deuteronômio 3:18 e Números 32:32 (veja em Êxodo 13:18). חיל כּל-גּבּורי, todos os homens valentes, ou seja, todos os homens valentes, os guerreiros valentes (como em Josué 6:2; Josué 8:3; Josué 10:7, e muito freqüentemente nos livros posteriores), não é comum a este livro e Deuteronômio, como sustenta Knobel, mas é totalmente estranho para o Pentateuco. A palavra “todos” (versículo 14, como Números 32:21, Números 32:27) não deve ser pressionada. Segundo Josué 4:13, havia apenas cerca de 40.000 homens pertencentes às duas tribos e meio que atravessaram o Jordão para participar da guerra; enquanto que, segundo Números 26:7, Números 26:18, Números 26:34, havia 110.000 homens nessas tribos que eram capazes de portar armas, de modo que 70.000 devem ter ficado para trás para a proteção das mulheres e crianças e dos rebanhos e rebanhos, e para defender a terra da qual tinham tomado posse. Em Josué 1:15 ver Deuteronômio 3:18; e na definição mais minuciosa de “deste lado (iluminado além) da Jordânia” por “em direção ao nascer do sol”, compare as observações em Números 32:19. A resposta das duas tribos e meia, na qual elas não apenas prometem alegremente sua ajuda na conquista de Canaã, mas também expressam o desejo de que Josué possa ter a ajuda do Senhor (Josué 1:17 em comparação com Josué 1: 4), e depois de ameaçar com a morte todos os que recusam a obediência, fechar com a admoestação divina, “somente sejam fortes e de boa coragem” (Josué 1:18, compare com Josué 1:6), fornece uma prova do desejo que os inspirou a ajudar seus irmãos, para que todas as tribos possam rapidamente entrar na posse pacífica da herança prometida. A expressão “rebelar-se contra o mandamento” é usada em Deuteronômio 1:26, Deuteronômio 1:43; Deuteronômio 9:23; 1Samuel 12:14, para denotar resistência aos mandamentos do Senhor; aqui denota oposição a Seu representante, o comandante escolhido pelo Senhor, que deveria ser punido com a morte, de acordo com a lei em Deuteronômio 17:12. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 Vossas mulheres e vossos meninos e vossas animais, ficarão na terra que Moisés vos deu desta parte do Jordão; mas vós, todos os valentes e fortes, passareis armados diante de vossos irmãos, e lhes ajudareis;

Comentário de Robert Jamieson

armados – isto é, oficializado ou subordinado a cinco líderes na velha e aprovada ordem da caravana (ver Êxodo 13:18). [JFB, aguardando revisão]

15 Até tanto que o SENHOR tenha dado repouso a vossos irmãos como a vós, e que eles também possuam a terra que o SENHOR vosso Deus lhes dá: e depois voltareis vós à terra de vossa herança, a qual Moisés servo do SENHOR vos deu, desta parte do Jordão até o oriente; e a possuireis.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-18) O apelo de Josué às duas tribos e meia, para que se lembrassem da condição em que Moisés lhes deu a terra no leste do Jordão para uma herança, e para que a cumprissem, encontrou uma resposta pronta; para que essas tribos não só prometessem obedecer a seus mandamentos em todos os aspectos, mas também ameaçassem com a morte a todos que recusassem a obediência. Ao recordar esta condição à lembrança das tribos referidas, Josué segue as expressões em Deuteronomio 3:18-20, onde o próprio Moisés recapitula seu comando anterior, ao invés da passagem original em Números 32. A expressão “esta terra” mostra que o orador ainda se encontrava do outro lado do Jordão. חמשׁים, com os lombos cingidos, ou seja, preparados para a guerra, sinônimo de חלצים em Deuteronômio 3:18 e Números 32:32 (veja em Êxodo 13:18). חיל כּל-גּבּורי, todos os homens valentes, ou seja, todos os homens valentes, os guerreiros valentes (como em Josué 6:2; Josué 8:3; Josué 10:7, e muito freqüentemente nos livros posteriores), não é comum a este livro e Deuteronômio, como sustenta Knobel, mas é totalmente estranho para o Pentateuco. A palavra “todos” (versículo 14, como Números 32:21, Números 32:27) não deve ser pressionada. Segundo Josué 4:13, havia apenas cerca de 40.000 homens pertencentes às duas tribos e meio que atravessaram o Jordão para participar da guerra; enquanto que, segundo Números 26:7, Números 26:18, Números 26:34, havia 110.000 homens nessas tribos que eram capazes de portar armas, de modo que 70.000 devem ter ficado para trás para a proteção das mulheres e crianças e dos rebanhos e rebanhos, e para defender a terra da qual tinham tomado posse. Em Josué 1:15 ver Deuteronômio 3:18; e na definição mais minuciosa de “deste lado (iluminado além) da Jordânia” por “em direção ao nascer do sol”, compare as observações em Números 32:19. A resposta das duas tribos e meia, na qual elas não apenas prometem alegremente sua ajuda na conquista de Canaã, mas também expressam o desejo de que Josué possa ter a ajuda do Senhor (Josué 1:17 em comparação com Josué 1: 4), e depois de ameaçar com a morte todos os que recusam a obediência, fechar com a admoestação divina, “somente sejam fortes e de boa coragem” (Josué 1:18, compare com Josué 1:6), fornece uma prova do desejo que os inspirou a ajudar seus irmãos, para que todas as tribos possam rapidamente entrar na posse pacífica da herança prometida. A expressão “rebelar-se contra o mandamento” é usada em Deuteronômio 1:26, Deuteronômio 1:43; Deuteronômio 9:23; 1Samuel 12:14, para denotar resistência aos mandamentos do Senhor; aqui denota oposição a Seu representante, o comandante escolhido pelo Senhor, que deveria ser punido com a morte, de acordo com a lei em Deuteronômio 17:12. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 Então responderam a Josué, dizendo: Nós faremos todas as coisas que nos mandaste, e iremos aonde quer que nos mandares.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-18) O apelo de Josué às duas tribos e meia, para que se lembrassem da condição em que Moisés lhes deu a terra no leste do Jordão para uma herança, e para que a cumprissem, encontrou uma resposta pronta; para que essas tribos não só prometessem obedecer a seus mandamentos em todos os aspectos, mas também ameaçassem com a morte a todos que recusassem a obediência. Ao recordar esta condição à lembrança das tribos referidas, Josué segue as expressões em Deuteronomio 3:18-20, onde o próprio Moisés recapitula seu comando anterior, ao invés da passagem original em Números 32. A expressão “esta terra” mostra que o orador ainda se encontrava do outro lado do Jordão. חמשׁים, com os lombos cingidos, ou seja, preparados para a guerra, sinônimo de חלצים em Deuteronômio 3:18 e Números 32:32 (veja em Êxodo 13:18). חיל כּל-גּבּורי, todos os homens valentes, ou seja, todos os homens valentes, os guerreiros valentes (como em Josué 6:2; Josué 8:3; Josué 10:7, e muito freqüentemente nos livros posteriores), não é comum a este livro e Deuteronômio, como sustenta Knobel, mas é totalmente estranho para o Pentateuco. A palavra “todos” (versículo 14, como Números 32:21, Números 32:27) não deve ser pressionada. Segundo Josué 4:13, havia apenas cerca de 40.000 homens pertencentes às duas tribos e meio que atravessaram o Jordão para participar da guerra; enquanto que, segundo Números 26:7, Números 26:18, Números 26:34, havia 110.000 homens nessas tribos que eram capazes de portar armas, de modo que 70.000 devem ter ficado para trás para a proteção das mulheres e crianças e dos rebanhos e rebanhos, e para defender a terra da qual tinham tomado posse. Em Josué 1:15 ver Deuteronômio 3:18; e na definição mais minuciosa de “deste lado (iluminado além) da Jordânia” por “em direção ao nascer do sol”, compare as observações em Números 32:19. A resposta das duas tribos e meia, na qual elas não apenas prometem alegremente sua ajuda na conquista de Canaã, mas também expressam o desejo de que Josué possa ter a ajuda do Senhor (Josué 1:17 em comparação com Josué 1: 4), e depois de ameaçar com a morte todos os que recusam a obediência, fechar com a admoestação divina, “somente sejam fortes e de boa coragem” (Josué 1:18, compare com Josué 1:6), fornece uma prova do desejo que os inspirou a ajudar seus irmãos, para que todas as tribos possam rapidamente entrar na posse pacífica da herança prometida. A expressão “rebelar-se contra o mandamento” é usada em Deuteronômio 1:26, Deuteronômio 1:43; Deuteronômio 9:23; 1Samuel 12:14, para denotar resistência aos mandamentos do Senhor; aqui denota oposição a Seu representante, o comandante escolhido pelo Senhor, que deveria ser punido com a morte, de acordo com a lei em Deuteronômio 17:12. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 Da maneira que obedecemos a Moisés em todas as coisas, assim obedeceremos a ti: somente o SENHOR teu Deus seja contigo, como foi com Moisés.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-18) O apelo de Josué às duas tribos e meia, para que se lembrassem da condição em que Moisés lhes deu a terra no leste do Jordão para uma herança, e para que a cumprissem, encontrou uma resposta pronta; para que essas tribos não só prometessem obedecer a seus mandamentos em todos os aspectos, mas também ameaçassem com a morte a todos que recusassem a obediência. Ao recordar esta condição à lembrança das tribos referidas, Josué segue as expressões em Deuteronomio 3:18-20, onde o próprio Moisés recapitula seu comando anterior, ao invés da passagem original em Números 32. A expressão “esta terra” mostra que o orador ainda se encontrava do outro lado do Jordão. חמשׁים, com os lombos cingidos, ou seja, preparados para a guerra, sinônimo de חלצים em Deuteronômio 3:18 e Números 32:32 (veja em Êxodo 13:18). חיל כּל-גּבּורי, todos os homens valentes, ou seja, todos os homens valentes, os guerreiros valentes (como em Josué 6:2; Josué 8:3; Josué 10:7, e muito freqüentemente nos livros posteriores), não é comum a este livro e Deuteronômio, como sustenta Knobel, mas é totalmente estranho para o Pentateuco. A palavra “todos” (versículo 14, como Números 32:21, Números 32:27) não deve ser pressionada. Segundo Josué 4:13, havia apenas cerca de 40.000 homens pertencentes às duas tribos e meio que atravessaram o Jordão para participar da guerra; enquanto que, segundo Números 26:7, Números 26:18, Números 26:34, havia 110.000 homens nessas tribos que eram capazes de portar armas, de modo que 70.000 devem ter ficado para trás para a proteção das mulheres e crianças e dos rebanhos e rebanhos, e para defender a terra da qual tinham tomado posse. Em Josué 1:15 ver Deuteronômio 3:18; e na definição mais minuciosa de “deste lado (iluminado além) da Jordânia” por “em direção ao nascer do sol”, compare as observações em Números 32:19. A resposta das duas tribos e meia, na qual elas não apenas prometem alegremente sua ajuda na conquista de Canaã, mas também expressam o desejo de que Josué possa ter a ajuda do Senhor (Josué 1:17 em comparação com Josué 1: 4), e depois de ameaçar com a morte todos os que recusam a obediência, fechar com a admoestação divina, “somente sejam fortes e de boa coragem” (Josué 1:18, compare com Josué 1:6), fornece uma prova do desejo que os inspirou a ajudar seus irmãos, para que todas as tribos possam rapidamente entrar na posse pacífica da herança prometida. A expressão “rebelar-se contra o mandamento” é usada em Deuteronômio 1:26, Deuteronômio 1:43; Deuteronômio 9:23; 1Samuel 12:14, para denotar resistência aos mandamentos do Senhor; aqui denota oposição a Seu representante, o comandante escolhido pelo Senhor, que deveria ser punido com a morte, de acordo com a lei em Deuteronômio 17:12. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 Qualquer um que for rebelde ao teu mandamento, e não obedecer às tuas palavras em todas as coisas que lhe mandares, que morra; somente que te esforces, e sejas valente.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-18) O apelo de Josué às duas tribos e meia, para que se lembrassem da condição em que Moisés lhes deu a terra no leste do Jordão para uma herança, e para que a cumprissem, encontrou uma resposta pronta; para que essas tribos não só prometessem obedecer a seus mandamentos em todos os aspectos, mas também ameaçassem com a morte a todos que recusassem a obediência. Ao recordar esta condição à lembrança das tribos referidas, Josué segue as expressões em Deuteronomio 3:18-20, onde o próprio Moisés recapitula seu comando anterior, ao invés da passagem original em Números 32. A expressão “esta terra” mostra que o orador ainda se encontrava do outro lado do Jordão. חמשׁים, com os lombos cingidos, ou seja, preparados para a guerra, sinônimo de חלצים em Deuteronômio 3:18 e Números 32:32 (veja em Êxodo 13:18). חיל כּל-גּבּורי, todos os homens valentes, ou seja, todos os homens valentes, os guerreiros valentes (como em Josué 6:2; Josué 8:3; Josué 10:7, e muito freqüentemente nos livros posteriores), não é comum a este livro e Deuteronômio, como sustenta Knobel, mas é totalmente estranho para o Pentateuco. A palavra “todos” (versículo 14, como Números 32:21, Números 32:27) não deve ser pressionada. Segundo Josué 4:13, havia apenas cerca de 40.000 homens pertencentes às duas tribos e meio que atravessaram o Jordão para participar da guerra; enquanto que, segundo Números 26:7, Números 26:18, Números 26:34, havia 110.000 homens nessas tribos que eram capazes de portar armas, de modo que 70.000 devem ter ficado para trás para a proteção das mulheres e crianças e dos rebanhos e rebanhos, e para defender a terra da qual tinham tomado posse. Em Josué 1:15 ver Deuteronômio 3:18; e na definição mais minuciosa de “deste lado (iluminado além) da Jordânia” por “em direção ao nascer do sol”, compare as observações em Números 32:19. A resposta das duas tribos e meia, na qual elas não apenas prometem alegremente sua ajuda na conquista de Canaã, mas também expressam o desejo de que Josué possa ter a ajuda do Senhor (Josué 1:17 em comparação com Josué 1: 4), e depois de ameaçar com a morte todos os que recusam a obediência, fechar com a admoestação divina, “somente sejam fortes e de boa coragem” (Josué 1:18, compare com Josué 1:6), fornece uma prova do desejo que os inspirou a ajudar seus irmãos, para que todas as tribos possam rapidamente entrar na posse pacífica da herança prometida. A expressão “rebelar-se contra o mandamento” é usada em Deuteronômio 1:26, Deuteronômio 1:43; Deuteronômio 9:23; 1Samuel 12:14, para denotar resistência aos mandamentos do Senhor; aqui denota oposição a Seu representante, o comandante escolhido pelo Senhor, que deveria ser punido com a morte, de acordo com a lei em Deuteronômio 17:12. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

<Deuteronômio 34 Josué 2>

Introdução à Josué

Após a morte de Moisés, o Senhor convocou Josué, o servo de Moisés, a quem Ele havia nomeado como líder de Israel em Canaã, para ir com todo o povo através do Jordão, e tomar a terra que havia sido prometida aos pais sob juramento, assegurando-lhe ao mesmo tempo a Sua poderosa ajuda, na condição de que ele observasse fielmente a lei de Moisés. Esta convocação e promessa de Deus formam o preâmbulo de todo o livro, que está ligado à conclusão do Pentateuco pelas palavras introdutórias: “E aconteceu após a morte de Moisés, servo do Senhor”, embora não esteja tão intimamente ligado a ponto de garantir a conclusão de que as duas obras foram escritas pelo mesmo autor. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Josué

O livro de Josué relata como “depois da morte de Moisés, Josué lidera Israel e eles se estabelecem na terra prometida que está sendo ocupada pelos cananeus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Josué.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.