2 Reis 3

O mau reinado de Jeorão sobre Israel

1 E Jorão, filho de Acabe, começou a reinar em Samaria sobre Israel o ano dezoito de Josafá rei de Judá; e reinou doze anos.

Comentário de Robert Jamieson

Compare 1Reis 22:51. Para reconciliar as declarações nas duas passagens, devemos supor que Acazias, tendo reinado durante a décima sétima e a maior parte do décimo oitavo ano de Jeosafá, foi sucedido por seu irmão Jorão ou Jorão, no final daquele décimo oitavo ano, ou então que Acazias, tendo reinado dois anos em conjunção com seu pai, morreu no fim daquele período, quando Jorão subiu ao trono. Sua política era tão hostil quanto a de seus predecessores da verdadeira religião; mas ele fez algumas mudanças. Qualquer que tenha sido seu motivo para essa alteração – se temia os muitos julgamentos alarmantes que o patrocínio da idolatria havia trazido a seu pai; ou se foi feito como uma pequena concessão aos sentimentos de Josafá, seu aliado, ele aboliu a idolatria em sua forma grosseira e restaurou a adoração simbólica de Deus, que os reis de Israel, desde a época de Jeroboão, tinham estabelecido como um divisória entre seus súditos e os de Judá. [Jamieson, aguardando revisão]

2 E fez o que era mau aos olhos do SENHOR, ainda que não como seu pai e sua mãe; porque tirou as estátuas de Baal que seu pai havia feito.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-3) Reinado de Jorão de Israel. – Para a declaração cronológica em 2Reis 3:1, veja em 2Reis 1:17. Jorão ou Jeorão não era tão ímpio quanto seu pai Acabe e sua mãe Jezabel. Ele mandou remover a estátua ou coluna de Baal, que seu pai havia erguido em Samaria; e foi apenas ao pecado de Jeroboão, isto é, a adoração do bezerro, que ele aderiu. Jorão, portanto, desejava abolir a adoração de Baal e elevar a adoração de Jeová, sob a imagem do bezerro (boi), na região de seu reino mais uma vez. Para o sufixo singular ממּנּה veja Ewald, 317, a. Ele não conseguiu, porém, exterminar a adoração de Baal. Não apenas continuou em Samaria, mas parece ter sido realizado novamente da maneira mais vergonhosa (compare com 2Rs 10:18.); com o que não podemos nos surpreender, pois sua mãe Jezabel, aquela adoradora fanática de Baal, viveu durante todo o seu reinado (2Rs 9:30). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 Mas achegou-se aos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a Israel; e não se separou deles.

Comentário de Keil e Delitzsch

Em Betel, os discípulos dos profetas foram ao encontro de Eliseu e disseram-lhe: “Sabes tu que o Senhor tirará o teu senhor de cima da tua cabeça hoje?” רֹאשׁ מֵעַל לָקַח expressa de maneira pictórica a retirada de Elias de seu lado, elevando-o ao céu, como ἐπαίρειν e ὑπολαμβάνειν em Atos 1:9-10. Eliseu respondeu: “Eu sei, fique calado”, porque ele conhecia o sentimento de Elias. O Senhor, portanto, revelou aos discípulos dos profetas a retirada de Elias, para fortalecer sua fé. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

4 Então Messa rei de Moabe era proprietário de gados, e pagava ao rei de Israel cem mil cordeiros e cem mil carneiros com suas lãs.

Comentário de Robert Jamieson

Messa, rei de Moabe – Enquanto seus domínios abraçavam um extenso pasto, ele pagava, como tributo anual, a lã de cem mil cordeiros e cem mil carneiros. Ainda é comum no Oriente pagar os impostos e os impostos nas frutas ou na produção natural da terra. [Jamieson, aguardando revisão]

5 Mas morto Acabe, o rei de Moabe se rebelou contra o rei de Israel.

Comentário de Robert Jamieson

rei de Moabe rebelou-se – Esta é uma repetição de 2Reis 1:1, a fim de apresentar um relato da expedição confederada para esmagar esta revolta, que tinha sido autorizado a continuar sem controle durante o curto reinado de Acazias. [Jamieson, aguardando revisão]

Eliseu promete água e vitória sobre Moabe

6 E saiu então de Samaria o rei Jorão, e inspecionou a todo Israel.

Comentário de Robert Jamieson

Fez uma imposição de seus próprios súditos e ao mesmo tempo buscou uma aliança com Josafá, o que, como na primeira ocasião com Acabe, foi prontamente prometido (1Reis 22:4). [Jamieson, aguardando revisão]

7 E foi e enviou a dizer a Josafá rei de Judá: O rei de Moabe se há rebelado contra mim: irás tu comigo à guerra contra Moabe? E ele respondeu: Irei, porque como eu, assim tu; como meu povo, assim teu povo; como meus cavalos, assim também teus cavalos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(4-27) Guerra de Joram, em aliança com Jehoshaphat, contra os moabitas. – 2Reis 3:4-5. A ocasião desta guerra foi a rebelião dos moabitas, ou seja, a recusa de pagar tributo a Israel desde a morte de Ahab. Mesha, o (vassalo) rei dos moabitas, era um possuidor de rebanhos, e pagava ao rei de Israel 100.000 cordeiros e 100.000 carneiros; não apenas no início de cada novo reinado (Cler.), mas como um tributo anual (השׁיב, para trazer novamente é igual a trazer repetidamente, como em Números 18:9, etc.). Esta homenagem anual não poderia ser exorbitante para a terra dos moabitas, que abundava em boas pastagens, e foi especialmente adaptada para a criação de rebanhos. O pagamento de tributo em objetos naturais e na produção da terra era muito habitual nos tempos antigos, e ainda é usual entre as tribos da Ásia. נוקד significa tanto um pastor (Amós 1:1) como também um possuidor de rebanhos. Em árabe é propriamente o possuidor de um tipo superior de ovelhas e cabras (vid., Boch. Hieroz. i. p. 483f. ed. Ros.). צמר pode ser tomado como um segundo objeto para השׁיב, ou ser conectado com אילים htiw como um acusativo de governo mais frouxo (Ewald, 287, h.). No primeiro caso, o tributo consistiria na lã (as velas) de 100.000 cordeiros e 100.000 carneiros; no segundo, de 100.000 cordeiros e a lã de 100.000 carneiros. Em apoio a este último, podemos citar Isaías 16:1, onde os cordeiros são mencionados como tributo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 E disse: Por qual caminho iremos? E ele respondeu: Pelo caminho do deserto de Edom.

Comentário de Robert Jamieson

Esta foi uma longa e tortuosa rota, pela curva do sul do Mar Morto. Josafá, porém, preferiu, em parte porque a parte do território moabita em que eles chegariam era a mais indefesa; e em parte porque, assim, ele alistaria na expedição as forças do rei de Edom. Mas, ao penetrar no vale profundo e rochoso de Ahsy, que forma a fronteira entre Edom e Moabe, o exército confederado foi reduzido, tanto homem quanto animal, às maiores extremidades por falta de água. Eles ficaram desapontados ao encontrar o wady deste vale, o riacho Zered (Deuteronômio 2:13-18) [Robinson], seco. Jeorão estava em desespero. Mas a mente piedosa de Jeosafá perguntou por um profeta do Senhor; e, ao ser informado de que Eliseu estava próximo, os três reis “desceram a ele”; isto é, para sua tenda, que ficava no acampamento ou perto dele. Ele foi dirigido para lá pelo Espírito de Deus para esse propósito especial. Eles foram até ele, não apenas como uma marca de respeito, mas para suplicar por sua ajuda. [Jamieson, aguardando revisão]

9 Partiram, pois, o rei de Israel, e o rei de Judá, e o rei de Edom; e quando andaram rodeando pelo deserto sete dias de caminho, faltou-lhes a água para o exército, e para os animais que os seguiam.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-12) Mas, por mais habilmente que esse plano possa ter sido elaborado, quando o exército unido estava marchando há sete dias e atravessando o profundo vale rochoso do Ahsy, que dividia os territórios de Edom e Moab, corria o maior perigo de perecer. por falta de água para homens e gado, como o rio que corre por este vale, e no qual eles provavelmente esperavam encontrar um suprimento suficiente de água, pois de acordo com Robinson (Pal. ii. pp. 476 e 488) é um córrego que nunca falha, estava naquela época perfeitamente seco.

Nesta angústia os corações dos dois reis se manifestaram. – 2 Reis 3:10-12. Jorão gritou em seu desespero: “Ai, que Jeová chamou estes três reis, para entregá-los nas mãos de Moabe!” (כּי, que serve para dar ênfase à certeza; veja Ewald, 330, b.) Josafá, por outro lado, tinha confiança no Senhor e perguntou se não havia profeta ali, por meio de quem eles pudessem buscar conselho de o Senhor (como em 1Rs 22:7); então um dos servos do rei israelita respondeu que Eliseu estava lá, que havia derramado água sobre as mãos de Elias, ou seja, estava com ele diariamente como seu servo e, portanto, provavelmente poderia obter e dar uma revelação de Deus. Talvez Eliseu tenha chegado à vizinhança do exército por instigação do Espírito de Deus, porque a angústia dos reis deveria ser um meio nas mãos do Senhor, não apenas para distinguir o profeta aos olhos de Jorão, mas também de apontar Jorão ao Senhor como o único Deus verdadeiro. Os três reis, humilhados pela calamidade, foram pessoalmente a Eliseu, em vez de mandá-lo buscá-lo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 Então o rei de Israel disse: Ah! Que o SENHOR chamou estes três reis para entregá-los em mãos dos moabitas.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-12) Mas, por mais habilmente que esse plano possa ter sido elaborado, quando o exército unido estava marchando há sete dias e atravessando o profundo vale rochoso do Ahsy, que dividia os territórios de Edom e Moab, corria o maior perigo de perecer. por falta de água para homens e gado, como o rio que corre por este vale, e no qual eles provavelmente esperavam encontrar um suprimento suficiente de água, pois de acordo com Robinson (Pal. ii. pp. 476 e 488) é um córrego que nunca falha, estava naquela época perfeitamente seco.

Nesta angústia os corações dos dois reis se manifestaram. – 2 Reis 3:10-12. Jorão gritou em seu desespero: “Ai, que Jeová chamou estes três reis, para entregá-los nas mãos de Moabe!” (כּי, que serve para dar ênfase à certeza; veja Ewald, 330, b.) Josafá, por outro lado, tinha confiança no Senhor e perguntou se não havia profeta ali, por meio de quem eles pudessem buscar conselho de o Senhor (como em 1Rs 22:7); então um dos servos do rei israelita respondeu que Eliseu estava lá, que havia derramado água sobre as mãos de Elias, ou seja, estava com ele diariamente como seu servo e, portanto, provavelmente poderia obter e dar uma revelação de Deus. Talvez Eliseu tenha chegado à vizinhança do exército por instigação do Espírito de Deus, porque a angústia dos reis deveria ser um meio nas mãos do Senhor, não apenas para distinguir o profeta aos olhos de Jorão, mas também de apontar Jorão ao Senhor como o único Deus verdadeiro. Os três reis, humilhados pela calamidade, foram pessoalmente a Eliseu, em vez de mandá-lo buscá-lo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Mas Josafá disse: Não há aqui profeta do SENHOR, para que consultemos ao SENHOR por ele? E um dos servos do rei de Israel respondeu e disse: Aqui está Eliseu filho de Safate, que dava água a mãos a Elias.

Comentário de Robert Jamieson

Ele era auxiliar de Elias – sendo este um dos ofícios comuns de um servo. A frase é usada aqui como sinônimo de “um verdadeiro e eminente profeta”, que revelará a vontade de Deus para nós. [Jamieson, aguardando revisão]

12 E Josafá disse: Este terá palavra do SENHOR. E desceram a ele o rei de Israel, e Josafá, e o rei de Edom.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-12) Mas, por mais habilmente que esse plano possa ter sido elaborado, quando o exército unido estava marchando há sete dias e atravessando o profundo vale rochoso do Ahsy, que dividia os territórios de Edom e Moab, corria o maior perigo de perecer. por falta de água para homens e gado, como o rio que corre por este vale, e no qual eles provavelmente esperavam encontrar um suprimento suficiente de água, pois de acordo com Robinson (Pal. ii. pp. 476 e 488) é um córrego que nunca falha, estava naquela época perfeitamente seco.

Nesta angústia os corações dos dois reis se manifestaram. – 2 Reis 3:10-12. Jorão gritou em seu desespero: “Ai, que Jeová chamou estes três reis, para entregá-los nas mãos de Moabe!” (כּי, que serve para dar ênfase à certeza; veja Ewald, 330, b.) Josafá, por outro lado, tinha confiança no Senhor e perguntou se não havia profeta ali, por meio de quem eles pudessem buscar conselho de o Senhor (como em 1Rs 22:7); então um dos servos do rei israelita respondeu que Eliseu estava lá, que havia derramado água sobre as mãos de Elias, ou seja, estava com ele diariamente como seu servo e, portanto, provavelmente poderia obter e dar uma revelação de Deus. Talvez Eliseu tenha chegado à vizinhança do exército por instigação do Espírito de Deus, porque a angústia dos reis deveria ser um meio nas mãos do Senhor, não apenas para distinguir o profeta aos olhos de Jorão, mas também de apontar Jorão ao Senhor como o único Deus verdadeiro. Os três reis, humilhados pela calamidade, foram pessoalmente a Eliseu, em vez de mandá-lo buscá-lo. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 Então Eliseu disse ao rei de Israel: Que tenho eu contigo? Vai aos profetas de teu pai, e aos profetas de tua mãe. E o rei de Israel lhe respondeu: Não; porque juntou o SENHOR estes três reis para entregá-los em mãos dos moabitas.

Comentário de Robert Jamieson

Nada tenho a ver com você – Desejando produzir um profundo espírito de humildade e contrição, Eliseu deu uma severa repulsa ao rei de Israel, acompanhada por um escárnio sarcástico, ordenando-lhe que fosse consultar Baal e seus adivinhadores. Mas a condição aflita, especialmente a linguagem implorante, dos suplicantes reais, que reconheceram a mão do Senhor nessa aflição, tirou do profeta a solene garantia de que unicamente em respeito a Josafá, o verdadeiro servo do Senhor, ele se interessa por Jeorão. [Jamieson, aguardando revisão]

14 E Eliseu disse: Vive o SENHOR dos exércitos, em cuja presença estou, que se não tivesse respeito ao rosto de Josafá rei de Judá, não olharia a ti, nem te veria.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-14) A fim de humilhar ainda mais o rei de Israel, que já estava abatido pela angústia, e produzir algum fruto salutar de arrependimento em seu coração, Eliseu se dirigiu a ele com estas palavras: “Que tenho eu contigo? os (Baal) profetas de teu pai e de tua mãe! Que eles te ajudem”. Quando Jorão respondeu a isso em tom suplicante: על, não, ore (como em Rute 1:13), ou seja, não fale dessa maneira recusando, pois o Senhor trouxe esses três reis – não apenas eu, mas Josafá e os rei de Edom também – neste problema; Eliseu disse a ele com um juramento solene (compare com 1Rs 17:1): “Se eu não olhasse para Josafá, eu não deveria olhar para ti e ter respeito por ti”, ou seja, eu não deveria me dignar a olhar para ti, muito menos para te ajudar. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 Mas agora trazei-me um músico. E enquanto o músico tocava, a mão do SENHOR foi sobre Eliseu.

Comentário de Robert Jamieson

tragam-me um harpista – O efeito da música em acalmar a mente é muito considerado no Oriente; e parece que os antigos profetas, antes de entrar em seu trabalho, usualmente recorreram a ele, como um preparativo, por meio de louvor e oração, para receber o afflatus profético.

o poder do Senhor – uma frase significando implicitamente que o dom da profecia não era um dom natural ou inerente, mas conferido pelo poder e graça de Deus. [Jamieson, aguardando revisão]

16 E disse: Assim disse o SENHOR: Fazei neste vale muitas covas.

Comentário de Keil e Delitzsch

(15-17) Ele então mandou chamar um menestrel, para recolher sua mente das impressões do mundo exterior pelos tons suaves do instrumento, e subjugar a vida do eu e a vida no mundo exterior para ser absorvido na intuição das coisas divinas. Sobre esta influência da música sobre o estado da mente, veja a observação em 1Samuel 16:16, e Untersuchungen ber den Lebens-magnetismus de Passavant, p. 207 (ed. 2). – Enquanto o menestrel tocava, a mão do Senhor veio sobre ele (והיה de acordo com o uso posterior de ויהי, como em 1Samuel 17:48, etc.; compare Ewald, 345, b., e יהוה יד como em 1Reis 18 :46), de modo que ele disse em nome do Senhor: “Faça este vale cheio de trincheiras (עשׂה, inf. abs. para o imperativo; para גּבים גּבים ver Ges. 108, 4); pois assim diz o Senhor, não verão nem vento nem chuva, e este vale se encherá de água, para que possais beber, e vossos rebanhos e vosso gado”. גּבים são trincheiras para coletar água (vid., Jeremias 14:3), que subitamente fluiria pelo vale do riacho. Esta grande quantidade de água veio na manhã (seguinte) “pelo caminho de Edom” (2 Reis 3:20), uma forte chuva ou tempestade violenta ocorreu, como é evidente pelo contexto, nas montanhas orientais de Edom, a grande distância do acampamento israelita, cuja água encheu o vale do riacho, ou seja, o uádi el Kurahy e el Ahsy (ver em 2Reis 3:9) de uma só vez, sem que os israelitas observassem nada nem do vento , que sempre precede a chuva no Oriente (Harmar, Beobb. i. pp. 51, 52), ou da própria chuva. מקניכם são os rebanhos destinados ao abate, בּהמתּכם os animais de carga. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 Porque o SENHOR disse assim: Não vereis vento, nem vereis chuva, e este vale será cheio de água, e bebereis vós, e vossos animais, e vossos gados.

Comentário de Robert Jamieson

não verão vento – É comum no Oriente falar de ver o vento, das nuvens de palha, poeira ou areia, que muitas vezes são lançados no ar, depois de uma longa seca. [Jamieson, aguardando revisão]

18 E isto é coisa pouca aos olhos do SENHOR; dará também aos moabitas em vossas mãos.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) Eliseu continuou: “e isso é muito pouco para Jeová (a força comparativa de נקל está implícita no contexto, especialmente na combinação alternada das duas cláusulas, indicada por ו…ו, veja Ewald, 360, c. ): Ele também entregará Moabe em suas mãos, e você ferirá todas as cidades fortificadas e escolhidas, derrubará todas as boas árvores (árvores frutíferas), tapará todas as fontes de água e destruirá todos os bons campos com pedras ” . מבצר e מבחור destinam-se a produzir um jogo de palavras, através da semelhança em seu som e significado (Ewald, 160, c.). No anúncio da devastação da terra há uma alusão a Deuteronomio 20:19-20, segundo a qual os israelitas foram ordenados a poupar as árvores frutíferas quando Canaã foi tomada. Essas instruções não deveriam se aplicar a Moabe, porque os próprios moabitas, como arqui-inimigos de Israel, não agiriam de outra forma com a terra de Israel se obtivessem a vitória. הכאב, para adicionar dor, é uma expressão poética para estragar um campo ou torná-lo infértil através do acúmulo de pedras. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

19 E vós ferireis a toda cidade fortalecida e a toda vila bela, e cortareis toda boa árvore, e cegareis todas as fontes de águas, e destruireis com pedras toda terra fértil.

Comentário de Keil e Delitzsch

(18-19) Eliseu continuou: “e isso é muito pouco para Jeová (a força comparativa de נקל está implícita no contexto, especialmente na combinação alternada das duas cláusulas, indicada por ו…ו, veja Ewald, 360, c. ): Ele também entregará Moabe em suas mãos, e você ferirá todas as cidades fortificadas e escolhidas, derrubará todas as boas árvores (árvores frutíferas), tapará todas as fontes de água e destruirá todos os bons campos com pedras ” . מבצר e מבחור destinam-se a produzir um jogo de palavras, através da semelhança em seu som e significado (Ewald, 160, c.). No anúncio da devastação da terra há uma alusão a Deuteronomio 20:19-20, segundo a qual os israelitas foram ordenados a poupar as árvores frutíferas quando Canaã foi tomada. Essas instruções não deveriam se aplicar a Moabe, porque os próprios moabitas, como arqui-inimigos de Israel, não agiriam de outra forma com a terra de Israel se obtivessem a vitória. הכאב, para adicionar dor, é uma expressão poética para estragar um campo ou torná-lo infértil através do acúmulo de pedras. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

20 E aconteceu que pela manhã, quando se oferece o sacrifício, eis que vieram águas pelo caminho de Edom, e a terra foi cheia de águas.

Comentário de Robert Jamieson

na hora do sacrifício da manhã – isto é, no momento do sacrifício matinal, acompanhado, sem dúvida, de orações solenes; e estes levaram, pode ser, por Eliseu, nesta ocasião, como em um semelhante por Elias (1Reis 18:36).

a água veio descendo da direção de Edom – Longe do acampamento dos israelitas, nas montanhas orientais de Edom, houve uma grande queda de chuva, uma espécie de aguaceiro, pelo qual a fera foi imediatamente enchida, mas eles viram nem o vento nem as chuvas. A interposição divina foi mostrada introduzindo as leis da natureza ao fim determinado da maneira predeterminada (Keil). Trouxe não só ajuda ao exército israelita em sua aflição, por um suprimento abundante de água, mas destruição aos moabitas, que, percebendo a água, sob os refulgentes raios do sol da manhã, vermelhos como sangue, concluíram que os reis confederados brigou e inundou o campo com sua matança mútua; de modo que, apressando-se a acampar com plena expectativa de grande despojo, foram recebidos pelos israelitas, que, preparados para a batalha, os combateram e perseguiram. Seu país foi devastado no caminho, que sempre foi considerado a maior desolação do Oriente (2Reis 3:24). [Jamieson, aguardando revisão]

21 E todos os de Moabe, quando ouviram que os reis subiam a lutar contra eles, juntaram-se desde todos os que cingiam armas de guerra acima, e puseram-se na fronteira.

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-23) A água veio pela manhã na hora do sacrifício matinal (ver 1 Reis 18:36), para indicar que o Senhor estava mais uma vez restaurando Seu favor ao povo por causa do sacrifício apresentado a Ele em Seu templo.

A ajuda de Deus, que preservou o exército israelita da destruição, também preparou a destruição para os moabitas. 2 Reis 3:21-23. Ao ouvir o relato da marcha dos reis aliados, Moab reuniu todos os homens capazes de portar armas e os colocou na fronteira. Pela manhã, quando o sol se levantou acima da água, os moabitas viram a água em frente a eles como sangue, e disseram: “Isso é sangue: os reis (aliados) destruíram a si mesmos e se feriram; e agora para o despojo , Moabe!” Chegando com essa expectativa ao acampamento israelita, foram recebidos pelos aliados, que estavam prontos para a batalha, e postos em fuga. A ajuda divina consistiu, portanto, não em um milagre que superou as leis da natureza, mas simplesmente no fato de que o Senhor Deus, conforme havia predito por meio de Seu profeta, fez com que as forças da natureza por Ele ordenadas atuassem da maneira predeterminada. Como o súbito abastecimento de água em abundância foi causado de maneira natural por uma forte chuva, também a ilusão, que foi tão fatal para os moabitas, também deve ser explicada da maneira natural indicada no texto. Da terra avermelhada das valas recém-cavadas, a água nelas acumulada adquirira uma cor avermelhada, que se intensificava consideravelmente pelos raios do sol nascente, de modo que, vista de longe, parecia sangue. Os moabitas, no entanto, eram menos propensos a pensar em um delírio de ótica, pelo fato de que, com seu conhecimento acurado do país, sabiam muito bem que não havia água no uádi naquela época, e nem tinham visto nem ouvi nada da chuva que havia caído a grande distância nas montanhas edomitas. O pensamento era, portanto, natural, que a água era sangue, e que a causa do sangue só poderia ter sido que seus inimigos se massacraram, mais especialmente porque o ciúme entre Israel e Judá não era desconhecido para eles, e eles não podia ter dúvidas de que Edom só tinha vindo com eles como um aliado forçado após a tentativa frustrada de rebelião que havia feito pouco tempo antes; e, finalmente, eles não podem ter esquecido sua própria última expedição contra Judá em aliança com os edomitas e amonitas, que havia falhado completamente, porque os homens que compunham seu próprio exército haviam destruído uns aos outros. Mas se eles colidissem com o exército aliado dos israelitas sob uma ilusão como essa, a batalha só poderia terminar em derrota e em uma fuga geral no que lhes dizia respeito. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

22 E quando se levantaram pela manhã, e luziu o sol sobre as águas, viram os de Moabe desde longe as águas vermelhas como sangue;

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-23) A água veio pela manhã na hora do sacrifício matinal (ver 1 Reis 18:36), para indicar que o Senhor estava mais uma vez restaurando Seu favor ao povo por causa do sacrifício apresentado a Ele em Seu templo.

A ajuda de Deus, que preservou o exército israelita da destruição, também preparou a destruição para os moabitas. 2 Reis 3:21-23. Ao ouvir o relato da marcha dos reis aliados, Moab reuniu todos os homens capazes de portar armas e os colocou na fronteira. Pela manhã, quando o sol se levantou acima da água, os moabitas viram a água em frente a eles como sangue, e disseram: “Isso é sangue: os reis (aliados) destruíram a si mesmos e se feriram; e agora para o despojo , Moabe!” Chegando com essa expectativa ao acampamento israelita, foram recebidos pelos aliados, que estavam prontos para a batalha, e postos em fuga. A ajuda divina consistiu, portanto, não em um milagre que superou as leis da natureza, mas simplesmente no fato de que o Senhor Deus, conforme havia predito por meio de Seu profeta, fez com que as forças da natureza por Ele ordenadas atuassem da maneira predeterminada. Como o súbito abastecimento de água em abundância foi causado de maneira natural por uma forte chuva, também a ilusão, que foi tão fatal para os moabitas, também deve ser explicada da maneira natural indicada no texto. Da terra avermelhada das valas recém-cavadas, a água nelas acumulada adquirira uma cor avermelhada, que se intensificava consideravelmente pelos raios do sol nascente, de modo que, vista de longe, parecia sangue. Os moabitas, no entanto, eram menos propensos a pensar em um delírio de ótica, pelo fato de que, com seu conhecimento acurado do país, sabiam muito bem que não havia água no uádi naquela época, e nem tinham visto nem ouvi nada da chuva que havia caído a grande distância nas montanhas edomitas. O pensamento era, portanto, natural, que a água era sangue, e que a causa do sangue só poderia ter sido que seus inimigos se massacraram, mais especialmente porque o ciúme entre Israel e Judá não era desconhecido para eles, e eles não podia ter dúvidas de que Edom só tinha vindo com eles como um aliado forçado após a tentativa frustrada de rebelião que havia feito pouco tempo antes; e, finalmente, eles não podem ter esquecido sua própria última expedição contra Judá em aliança com os edomitas e amonitas, que havia falhado completamente, porque os homens que compunham seu próprio exército haviam destruído uns aos outros. Mas se eles colidissem com o exército aliado dos israelitas sob uma ilusão como essa, a batalha só poderia terminar em derrota e em uma fuga geral no que lhes dizia respeito. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

23 E disseram: Sangue é este de espada! Os reis se revoltaram, e cada um matou a seu companheiro. Agora, pois, Moabe, à presa!

Comentário de Keil e Delitzsch

(20-23) A água veio pela manhã na hora do sacrifício matinal (ver 1 Reis 18:36), para indicar que o Senhor estava mais uma vez restaurando Seu favor ao povo por causa do sacrifício apresentado a Ele em Seu templo.

A ajuda de Deus, que preservou o exército israelita da destruição, também preparou a destruição para os moabitas. 2 Reis 3:21-23. Ao ouvir o relato da marcha dos reis aliados, Moab reuniu todos os homens capazes de portar armas e os colocou na fronteira. Pela manhã, quando o sol se levantou acima da água, os moabitas viram a água em frente a eles como sangue, e disseram: “Isso é sangue: os reis (aliados) destruíram a si mesmos e se feriram; e agora para o despojo , Moabe!” Chegando com essa expectativa ao acampamento israelita, foram recebidos pelos aliados, que estavam prontos para a batalha, e postos em fuga. A ajuda divina consistiu, portanto, não em um milagre que superou as leis da natureza, mas simplesmente no fato de que o Senhor Deus, conforme havia predito por meio de Seu profeta, fez com que as forças da natureza por Ele ordenadas atuassem da maneira predeterminada. Como o súbito abastecimento de água em abundância foi causado de maneira natural por uma forte chuva, também a ilusão, que foi tão fatal para os moabitas, também deve ser explicada da maneira natural indicada no texto. Da terra avermelhada das valas recém-cavadas, a água nelas acumulada adquirira uma cor avermelhada, que se intensificava consideravelmente pelos raios do sol nascente, de modo que, vista de longe, parecia sangue. Os moabitas, no entanto, eram menos propensos a pensar em um delírio de ótica, pelo fato de que, com seu conhecimento acurado do país, sabiam muito bem que não havia água no uádi naquela época, e nem tinham visto nem ouvi nada da chuva que havia caído a grande distância nas montanhas edomitas. O pensamento era, portanto, natural, que a água era sangue, e que a causa do sangue só poderia ter sido que seus inimigos se massacraram, mais especialmente porque o ciúme entre Israel e Judá não era desconhecido para eles, e eles não podia ter dúvidas de que Edom só tinha vindo com eles como um aliado forçado após a tentativa frustrada de rebelião que havia feito pouco tempo antes; e, finalmente, eles não podem ter esquecido sua própria última expedição contra Judá em aliança com os edomitas e amonitas, que havia falhado completamente, porque os homens que compunham seu próprio exército haviam destruído uns aos outros. Mas se eles colidissem com o exército aliado dos israelitas sob uma ilusão como essa, a batalha só poderia terminar em derrota e em uma fuga geral no que lhes dizia respeito. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

24 Mas quando chegaram ao campo de Israel, levantaram-se os israelitas e feriram aos de Moabe, os quais fugiram diante deles; seguiram, porém, ferindo aos de Moabe.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) Os israelitas seguiram os fugitivos em sua própria terra e a devastaram, como Eliseu havia profetizado (2Rs 3:25 comparado com 2Rs 3:19). O Chethb ויבו־בהּ deve ser lido בהּ ויּבו (para ויּבוא como em 1 Reis 12:12): e (Israel) entrou na terra e feriu Moab. O Keri ויּכּוּ é uma correção ruim. הכּות é a construção infinitiva usada em vez do infin. absoluto (Ewald, 351, c.), ou uma forma incomum do inf. absol. (Ewald, 240, b.). עד־השׁאיר, até que um (igual a apenas um) deixou suas pedras em Quir-Careseth. Na forma infinitiva השׁאיר veja em Josué 8:22. O sufixo em אבניה provavelmente aponta para o seguinte substantivo (Ewald, 309, c.). A cidade chamada חרשׂת קיר aqui e Isaías 16:7, e חרשׂ קיר em Isaías 16:11 e Jeremias 48:31, Jeremias 48:36, ou seja, provavelmente cidade de cacos de cerâmica, é chamada em outro lugar מואב קיר, a cidadela de Moabe (Isaías 15:1), como a principal fortaleza da terra (no Chaldee Vers. דמואב כרכּא), e ainda existe sob o nome de Kerak, com um forte castelo construído pelos cruzados, sobre uma rocha de giz alta e íngreme, cercada por um vale profundo e estreito, que corre para o oeste sob o nome de uádi Kerak e cai no Mar Morto (vid., Burckhardt, Syr. pp. 643ss., C. v. Raumer, Pal. pp. 271.272). Esta fortaleza os reis aliados sitiaram. “Os lançadores cercaram e feriram”, ou seja, bombardearam-no. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

25 E assolaram as cidades, e em todas as propriedades férteis lançou cada um sua pedra, e as encheram; fecharam também todas as fontes das águas, e derrubaram todas as boas árvores; até que em Quir-Haresete somente deixaram suas pedras; porque os atiradores de funda a cercaram e a feriram.

Comentário de Keil e Delitzsch

(24-25) Os israelitas seguiram os fugitivos em sua própria terra e a devastaram, como Eliseu havia profetizado (2Rs 3:25 comparado com 2Rs 3:19). O Chethb ויבו־בהּ deve ser lido בהּ ויּבו (para ויּבוא como em 1 Reis 12:12): e (Israel) entrou na terra e feriu Moab. O Keri ויּכּוּ é uma correção ruim. הכּות é a construção infinitiva usada em vez do infin. absoluto (Ewald, 351, c.), ou uma forma incomum do inf. absol. (Ewald, 240, b.). עד־השׁאיר, até que um (igual a apenas um) deixou suas pedras em Quir-Careseth. Na forma infinitiva השׁאיר veja em Josué 8:22. O sufixo em אבניה provavelmente aponta para o seguinte substantivo (Ewald, 309, c.). A cidade chamada חרשׂת קיר aqui e Isaías 16:7, e חרשׂ קיר em Isaías 16:11 e Jeremias 48:31, Jeremias 48:36, ou seja, provavelmente cidade de cacos de cerâmica, é chamada em outro lugar מואב קיר, a cidadela de Moabe (Isaías 15:1), como a principal fortaleza da terra (no Chaldee Vers. דמואב כרכּא), e ainda existe sob o nome de Kerak, com um forte castelo construído pelos cruzados, sobre uma rocha de giz alta e íngreme, cercada por um vale profundo e estreito, que corre para o oeste sob o nome de uádi Kerak e cai no Mar Morto (vid., Burckhardt, Syr. pp. 643ss., C. v. Raumer, Pal. pp. 271.272). Esta fortaleza os reis aliados sitiaram. “Os lançadores cercaram e feriram”, ou seja, bombardearam-no. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

26 E quando o rei de Moabe viu que a batalha o vencia, tomou consigo setecentos homens que tiravam espada, para romper contra o rei de Edom, mas não conseguiram.

Comentário de Keil e Delitzsch

Quando o rei de Moabe viu que a batalha era muito forte para ele, tentou abrir caminho entre os sitiadores com 700 homens de espadas desembainhadas (להבקיע, literalmente, para dividi-los) até o rei de Edom, ou seja, do lado que era detido por esse rei, de quem ele provavelmente esperava encontrar a resistência mais fraca. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

27 Então arrebatou a seu primogênito que havia de reinar em seu lugar, e sacrificou-lhe em holocausto sobre o muro. E havia grande ira em Israel; e retiraram-se dele, e voltaram a sua terra.

Comentário de Robert Jamieson

Por este ato de horror, ao qual o exército aliado dirigiu o rei de Moab, um julgamento divino veio sobre Israel; isto é, os sitiadores temiam a ira de Deus, que haviam incorrido ao dar ocasião ao sacrifício humano proibido na lei (Levítico 18:21; 20:3), e apressadamente levantou o cerco. [Jamieson, aguardando revisão]

<2 Reis 2 2 Reis 4>

Visão geral de 1 e 2Reis

Em 1 e 2Reis, “Salomão, o filho de Davi, conduz Israel à grandeza, porém no fim fracassa abrindo caminho para uma guerra civil e, finalmente, para a destruição da nação e exílio do povo”. Tenha uma visão geral destes livros através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução aos livros dos Reis.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.