Bíblia, Revisar

2 Reis 10

Mensagem importante
Olá visitante do Apologeta! Vou direto ao ponto: peço que você me ajude a manter este projeto. Atualmente a renda gerada através dos anúncios são insuficientes para que eu me dedique exclusivamente a ele. Se cada pessoa que ler essa mensagem hoje, doar o valor de R$10.00, eu poderia me dedicar integralmente ao Apologeta pelo próximo ano e ainda remover todas as propagandas do site (que eu sei que são um pouco incômodas). Tenho um propósito ousado com este site: traduzir e disponibilizar gratuitamente conteúdo teológico de qualidade. O que inclui um dicionário bíblico completo (+4000 verbetes) e comentário de todos os 31.105 versículos da Bíblia. Faça parte deste projeto e o ajude a continuar crescendo. Obrigado!

Jeú faz com que setenta dos filhos de Acabe sejam decapitados

1 E tinha Acabe em Samaria setenta filhos; e escreveu cartas Jeú, e enviou-as a Samaria aos principais de Jezreel, aos anciãos e aos tutores de Acabe, dizendo:

E tinha Acabe em Samaria setenta filhos – Como parece (2Rs 10:13), que os netos estão incluídos, é provável que este número compreendesse toda a posteridade de Acabe. Todos eles reunidos naquela capital poderiam surgir de sua partida para a partida do rei para Ramote-Gileade, ou de se refugiarem em algumas das fortalezas daquela cidade com a notícia da conspiração de Jeú. Pode-se inferir do teor das cartas de Jeú que sua primeira intenção era selecionar o mais apto da família real e colocá-lo como rei. Talvez esse desafio de Jeú tenha sido concebido como um golpe de política de sua parte para elucidar seus pontos de vista e descobrir se eles estavam inclinados a ser pacíficos ou hostis. O caráter ousado do homem e o rápido sucesso de sua conspiração aterrorizaram as autoridades civis de Samaria e Jezreel.

2 Logo em chegando estas cartas a vós o que tendes os filhos de vosso senhor, e os que tendes carros e cavaleiros, a cidade fortificada, e as armas,
3 Olhai qual é o melhor e ele mais reto dos filhos de vosso senhor, e ponde-o no trono de seu pai, e lutai pela casa de vosso senhor.
4 Mas eles tiveram grande temor, e disseram: Eis que dois reis não puderam resistir-lhe, como lhe resistiremos nós?
5 E o mordomo, e o governador da cidade, e os anciãos, e os tutores, enviaram a dizer a Jeú: Servos teus somos, e faremos tudo o que nos mandares: não elegeremos por rei a ninguém; tu farás o que bem te parecer.

os tutores – Antigamente, e ainda assim também em muitos países orientais, os principais grandes foram encarregados do apoio e educação dos príncipes reais. Isto envolveu uma despesa pesada que eles foram forçados a suportar, mas para o qual eles se esforçaram para encontrar alguma compensação nas vantagens de sua conexão com o tribunal.

6 Ele então lhes escreveu a segunda vez dizendo: Se sois meus, e quereis obedecer-me, tomai os chefes dos homens filhos de vosso senhor, e vinde amanhã a estas horas a mim a Jezreel. E os filhos do rei, setenta homens, estavam com os principais da cidade, que os criavam.

tomai os chefes dos homens filhos de vosso senhor – A prática bárbara de um usurpador bem-sucedido matando todos os que podem ter direito ao trono, tem sido frequentemente exemplificada nas antigas e modernas histórias do Oriente.

7 E quando as cartas chegaram a eles, tomaram aos filhos do rei, e degolaram setenta homens, e puseram suas cabeças em cestos, e enviaram-nas a Jezreel.
8 E veio um mensageiro que lhe deu as novas, dizendo: Trouxeram as cabeças dos filhos do rei. E ele lhe disse: Ponde-as em dois amontoados à entrada da porta até a manhã.

Ponde-as em dois amontoados à entrada da porta até a manhã – A exibição das cabeças dos inimigos é sempre considerada um troféu glorioso. Às vezes, uma pilha de cabeças é erguida no portão do palácio; e uma cabeça de aparência particularmente marcante selecionada para agraciar o cume da pirâmide.

9 Vinda a manhã, saiu ele, e estando em pé disse a todo o povo: Vós sois justos: eis que eu conspirei contra meu senhor, e o mateis: mas quem matou a todos estes?

disse a todo o povo: Vós sois justos – Foi montado um grande átrio para contemplar este novo e medonho espetáculo. O discurso que Jeú dirigiu aos espectadores foi habilmente moldado para impressionar suas mentes com a ideia de que um massacre tão generalizado era o resultado dos juízos divinos denunciados sobre a casa de Acabe; e o efeito disso foi preparar a mente do público para ouvir, sem horror, uma tragédia revoltante similar que foi logo depois perpetrada, a saber, a extinção de todos os amigos influentes e apoiadores da dinastia de Acabe, incluindo os da realeza. casa de Judá.

10 Sabei agora que da palavra do SENHOR que falou sobre a casa de Acabe, nada cairá em terra: e que o SENHOR fez o que disse por seu servo Elias.
11 Matou então Jeú a todos os que haviam restado da casa de Acabe em Jezreel, e a todos seus príncipes, e a todos seus familiares, e a seus sacerdotes, que não lhe restou ninguém.
12 E levantou-se dali, e veio a Samaria; e chegando ele no caminho a uma casa de tosa de pastores,
13 Achou ali aos irmãos de Acazias rei de Judá, e disse-lhes: Quem sois vós? E eles disseram: Somos irmãos de Acazias, e viemos a saudar aos filhos do rei, e aos filhos da rainha.

Somos irmãos de Acazias – isto é, não completos, mas irmãos-passo, filhos de Jeorão por várias concubinas. Ignorando a revolução que havia ocorrido, eles estavam viajando para Samaria em uma visita a seus parentes reais de Israel, quando foram presos e executados, por causa da apreensão de que eles provavelmente poderiam estimular e fortalecer o partido que ainda permanecia fiel em sua lealdade à dinastia de Acabe.

filhos da rainha – isto é, da rainha-mãe, ou regente, Jezabel.

14 Então ele disse: Prendei-os vivos. E depois que os tomaram vivos, eles os degolaram junto ao poço da casa de tosa, quarenta e dois homens, sem deixar ninguém deles.
15 Partindo-se logo dali encontrou-se com Jonadabe filho de Recabe; e depois que o saudou, disse-lhe: É reto teu coração, como o meu é reto com o teu? E Jonadabe disse: O é. Pois que o é, dá-me a mão. E ele lhe deu sua mão. Fê-lo logo subir consigo no carro.

Jonadabe filho de Recabe – (veja 1Cr 2:55). Uma pessoa que, de sua piedade e modo de vida simples e primitivo (Jr 35:1-19), era altamente estimado e possuía grande influência no país. Jeú viu em um momento a vantagem que sua causa ganharia com a amizade e o semblante desse homem venerável aos olhos do povo, e, portanto, prestou-lhe a distinta atenção de convidá-lo a sentar-se em sua carruagem.

dá-me a mão – não simplesmente para ajudá-lo a levantar-se, mas para um propósito muito mais significativo e importante – o dar, ou melhor, juntar mãos, sendo o modo reconhecido de atingir uma liga ou aliança, bem como testemunhar fidelidade a um novo soberano; Por isso, é dito: “Ele [Jeonadabe] lhe deu a mão [Jeú]”.

16 E disse-lhe: Vem comigo, e verás meu zelo pelo SENHOR. Puseram-no pois em seu carro.
17 E logo que havia Jeú chegado a Samaria, matou a todos os que haviam restado de Acabe em Samaria, até extirpá-los, conforme à palavra do SENHOR, que havia falado por Elias.

Ele destrói os adoradores de Baal

18 E juntou Jeú todo o povo, e disse-lhes: Acabe serviu pouco a Baal; mas Jeú o servirá muito.
19 Chamai-me, pois, logo a todos os profetas de Baal, a todos seus servos, e a todos seus sacerdotes; que não falte um, porque tenho um grande sacrifício para Baal; qualquer um que faltar, não viverá. Isto fazia Jeú com astúcia, para destruir aos que honravam a Baal.

Chamai-me, pois, logo a todos os profetas de Baal – Os devotos de Baal são aqui classificados sob os vários títulos de profetas, sacerdotes e servos, ou adoradores em geral. Eles poderiam ser facilmente reunidos em um único templo espaçoso, já que seu número havia sido grandemente diminuído tanto pelas influentes ministrações de Elias e Eliseu, como também pela negligência e interrupção do culto do falecido Rei Jorão. A nomeação de Jeú de um sacrifício solene em honra de Baal, e uma convocação a todos os seus adoradores para participar de sua celebração, foi uma conspiração profunda, que ele havia resolvido para sua extinção, uma medida em perfeita harmonia com o Mosaico. lei e digna de um rei constitucional de Israel. Isso foi feito, no entanto, não por motivos religiosos, mas puramente políticos, porque ele acreditava que a existência e interesses dos Baalites estavam inseparavelmente ligados à dinastia de Acabe e porque ele esperava que pelo seu extermínio ele assegurasse a ligação do partido muito maior e mais influente que adorava a Deus em Israel. A concordância de Jeonadab deve ter sido dada na crença de que ele foi atuado unicamente pelos mais altos princípios de piedade e zelo.

20 E disse Jeú: Santificai um dia solene a Baal. E eles convocaram.
21 E enviou Jeú por todo Israel, e vieram todos os servos de Baal, que não faltou ninguém que não viesse. E entraram no templo de Baal, e o templo de Baal se encheu de fim a fim.
22 Então disse ao que tinha o cargo das vestiduras: Tira vestiduras para todos os servos de Baal. E ele lhes tirou vestimentas.

Tira vestiduras para todos os servos de Baal – Os sacerdotes de Baal estavam vestidos, provavelmente, em vestes de búfalo branco, enquanto eles estavam empenhados nas funções de seu ofício, e estes foram mantidos sob os cuidados de um oficial em um guarda-roupa particular de Templo de Baal. Este massacre traiçoeiro e os meios utilizados para realizá-lo são acompanhados pelo massacre dos janízaros e outras tragédias terríveis na história moderna do Oriente.

23 E entrou Jeú com Jonadabe filho de Recabe no templo de Baal, e disse aos servos de Baal: Olhai e vede que por dita não haja aqui entre vós algum dos servos do SENHOR, a não ser somente os servos de Baal.
24 E quando eles entraram para fazer sacrifícios e holocaustos, Jeú pôs fora oitenta homens, e disse-lhes: Qualquer um que deixar vivo algum daqueles homens que eu pus em vossas mãos, sua vida será pela do outro.
25 E depois que acabaram eles de fazer o holocausto, Jeú disse aos de seu guarda e aos capitães: Entrai, e matai-os; que não escape ninguém. E os feriram à espada: e os da guarda e os capitães os lançaram fora, e foram até a cidade do templo de Baal.
26 E tiraram as estátuas da casa de Baal, e queimaram-nas.
27 E quebraram a estátua de Baal, e derrubaram a casa de Baal, e fizeram-na latrina, até hoje.
28 Assim extinguiu Jeú a Baal de Israel.
29 Contudo isso Jeú não se separou dos pecados de Jeroboão filho de Nebate, que fez pecar a Israel; a saber, seguindo o os bezerros de ouro que estavam em Betel e em Dã.

Jeú não tinha a intenção de levar seu zelo pelo Senhor até certo ponto, e, como considerava impolítico encorajar seus súditos a viajar a Jerusalém, ele restabeleceu a adoração simbólica dos bezerros.

30 E o SENHOR disse a Jeú: Porquanto fizeste bem executando o que era correto diante de meus olhos, e fizeste à casa de Acabe conforme a tudo o que estava em meu coração, teus filhos se sentarão no trono de Israel até a quarta geração.
31 Mas Jeú não cuidou de andar na lei do SENHOR Deus de Israel com todo seu coração, nem se separou dos pecados de Jeroboão, o que havia feito pecar a Israel.
32 Em aqueles dias começou o SENHOR a diminuir o território de Israel: e feriu-os Hazael em todos os termos de Israel,
33 Desde o Jordão ao oriente, toda a terra de Gileade, de Gade, de Rúben, e de Manassés, desde Aroer que está junto ao ribeiro de Arnom, a Gileade e a Basã.
34 Os demais dos feitos de Jeú, e todas as coisas que fez, e toda sua valentia, não estão escritos no livro das crônicas dos reis de Israel?
35 E dormiu Jeú com seus pais, e sepultaram-no em Samaria: e reinou em seu lugar Jeoacaz seu filho.
36 O tempo que reinou Jeú sobre Israel em Samaria, foi vinte e oito anos.
<2 Reis 9 2 Reis 11>

Leia também uma introdução aos livros dos Reis.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

Conteúdos recomendados