2 Samuel 8

As vitórias militares de Davi

1 Depois disto aconteceu, que Davi feriu aos filisteus, e os humilhou: e tomou Davi a Metegue-Ama da mão dos filisteus.

Comentário de Robert Jamieson

Isto é, Gate e suas cidades suburbanas (1Crônicas 18:1). Aquela cidade tinha sido “um freio” pelo qual os filisteus mantiveram o povo de Judá sob controle. Davi usou agora como uma barreira para reprimir esse inimigo inquieto.[Jamieson, aguardando revisão]

2 Feriu também aos de Moabe, e mediu-os com cordel, fazendo-os lançar por terra; e mediu com dois cordéis para morte, e um cordel inteiro para vida; e foram os moabitas servos debaixo de tributo.

Comentário de Robert Jamieson

derrotou também os moabitas. Ele os fez deitarem-se no chão e mandou que os medissem com uma corda – Isto refere-se a uma prática bem conhecida dos reis orientais, para comandar seus prisioneiros de guerra, particularmente aqueles que, notórios pela atrocidade de seus crimes ou distinguidos pelo espírito indomável de sua resistência incitaram muito os vencedores a deitarem-se no chão. Então uma certa porção deles, que foi determinada por sorte, mas mais comumente por uma linha de medição, foi levada à morte. Nossa versão faz com que ele ponha dois terços até a morte e poupe um terço. A Septuaginta e a Vulgata formam a metade. Este uso de guerra não foi, talvez, geralmente praticado pelo povo de Deus; mas os escritores judeus afirmam que a causa dessa severidade específica contra esse povo foi a massacre dos pais e da família de Davi, que ele tinha, durante seu exílio, cometido ao rei de Moabe.[Jamieson, aguardando revisão]

3 Também feriu Davi a Hadadezer filho de Reobe, rei de Zobá, indo ele a estender seu termo até o rio de Eufrates.

Comentário de Robert Jamieson

Zobá – (1Crônicas 18:3). Esse reino era delimitado a leste pelo Eufrates e se estendia para oeste a partir desse rio, talvez tão ao norte quanto Alepo. Foi por muito tempo o principal entre os pequenos reinos da Síria, e seu rei tinha o título hereditário de “Hadadezer” ou “Hadarezer” (“Hadad”, isto é, “ajudado”).

tentava recuperar o controle na região do rio Eufrates – de acordo com as promessas que Deus fez a Israel que Ele lhes daria todo o país até o Eufrates (Gênesis 15:18; Números 24:17). Na primeira campanha, Davi derrotou Hadadezer. Além de um grande número de prisioneiros a pé, ele levou para si uma imensa quantidade de saque em carruagens e cavalos. Reservando apenas um pequeno número do último, ele prejudicou o resto. Os cavalos foram assim mutilados porque foram proibidos aos hebreus, tanto na guerra quanto na agricultura. Então não adiantava mantê-los. Além disso, seus vizinhos depositavam muita dependência na cavalaria, mas tendo, por falta de uma raça nativa, para adquiri-los por compra, o maior dano que poderia ser causado a tais inimigos era tornar seus cavalos inutilizáveis ​​na guerra. (Veja também Gênesis 46:6; Josué 11:6,9). Um rei de Damascene-Syria veio ao socorro de Hadadezer; mas Davi derrotou as forças auxiliares também, tomou posse de seu país, colocou guarnições em suas cidades fortificadas e as tornou tributárias.[Jamieson, aguardando revisão]

4 E tomou Davi deles mil e setecentos cavaleiros, e vinte mil homens a pé; e aleijou Davi os cavalos de todos os carros, exceto cem carros deles que deixou.

Comentário de Keil e Delitzsch

(3-4) Conquista e subjugação do Rei de Zobah, e dos sírios Damascenos. – 2Samuel 8:3. A situação de Zobah não pode ser determinada. A opinião dos historiadores da igreja síria, e defendida por Michaelis, em outras palavras, que Zobah era o antigo Nisibis no norte da Mesopotâmia, não tem mais fundamentos para descansar do que a de certos escritores judeus que supõem ter sido Aleppo, o atual Haleb. Aleppo está muito ao norte para Zobah, e Nisibis está muito fora do alcance das cidades e tribos com as quais o nome de Zobah ocorre. Em 1Samuel 14:47, comparado com 2Samuel 8:12 deste capítulo, Zobah, ou Aram Zobah como é chamado em 2Samuel 10:6 e Salmo 60:2, é mencionado junto com Ammon, Moab e Edom, como tribo e reino vizinho dos israelitas; e, de acordo com 2Samuel 8: 3, 2Samuel 8:5 e 2Samuel 8:9 do presente capítulo, ele deve ser procurado nas proximidades de Damasco e Hamath, em direção ao Eufrates. Estes dados apontam para uma situação ao nordeste de Damasco e ao sul de Hamath, entre os Orontes e o Eufrates, e de fato estendendo-se até este último de acordo com 2Samuel 8:3, enquanto, de acordo com 2Samuel 10:16, chegou mesmo a ultrapassá-lo com seus chefes vassalos na própria Mesopotâmia. Ewald (Gesch. iii. p. 195) combinou assim Zobah, que era sem dúvida a capital, e deu seu nome ao reino, com o Sabe mencionado em Ptol. v. 19, – uma cidade na mesma latitude de Damasco, e mais ao leste em direção ao Eufrates. O rei de Zobah na época mencionada é chamado Hadadezer no texto (ou seja, cuja ajuda é Hadad); mas em 2Samuel 10:16-19 e ao longo das Crônicas ele é chamado Hadarezer. A primeira é a forma original; para Hadad, o nome do deus-sol dos sírios, é encontrado em várias outras instâncias em nomes sírios (vid., Movers, Phnizier). Davi feriu este rei “como ia restaurar suas forças no rio (Eufrates)”. ידו השׁיב não significa virar a mão, mas significa devolver sua mão, esticá-la novamente sobre ou contra qualquer um, em toda a passagem em que a expressão ocorre. Portanto, ela deve ser tomada em um sentido derivativo na passagem que temos diante de nós, e significa restaurar ou restabelecer seu balanço. A expressão utilizada nas Crônicas (2Samuel 8:3), ידו הצּיב, tem exatamente o mesmo significado, pois estabelecer ou fazer rápido pressupõe um enfraquecimento ou dissolução prévia. Portanto, o assunto da frase “como ele foi”, etc., deve ser Hadadezer e não David; pois David não poderia ter estendido seu poder ao Eufrates antes da derrota de Hadadezer. Os Masoretes interpolaram P’rath (Eufrates) após “o rio”, como no texto das Crônicas. Isto é bastante correto no que diz respeito ao sentido, mas não é de forma alguma necessário, pois o nahar (o rio κ. ἐξ.) é bastante suficiente por si só para indicar o Eufrates.

Há também uma guerra entre Davi e Hadadezer e outros reis da Síria mencionados em 2Samuel 10; e todos os comentaristas admitem que aquela guerra, na qual Davi derrotou esses reis quando eles vieram em socorro dos amonitas, está ligada à guerra mencionada no presente capítulo. Mas a conexão geralmente é esta, que a primeira das guerras aramaicas de Davi é dada em 2Samuel 8, a segunda em 2Samuel 10; por nenhuma outra razão, porém, a não ser porque 2Samuel 10 é posterior a 2Samuel 8. Esta visão é decididamente errônea. De acordo com o capítulo diante de nós, a guerra mencionada ali terminou com a completa subjugação dos reis e reinos arameus. Aram tornou-se sujeito a Davi, pagando tributo (2Samuel 8:6). Agora, embora a revolta de nações subjugadas de seus conquistadores não seja de forma alguma uma coisa rara na história, e, portanto, é perfeitamente concebível em si mesmo que os arameus tenham se afastado de Davi quando ele estava envolvido na guerra com os amonitas, e deveria ter ajudado os amonitas, tal suposição é impedida pelo fato de que não há nada em 2Samuel 10 sobre qualquer queda ou revolta dos arameus de Davi; mas, pelo contrário, essas tribos parecem ainda ser totalmente independentes de Davi e contratadas pelos amonitas para lutar contra ele. Mas o que é absolutamente decisivo contra essa suposição é o fato de que o número de arameus mortos nas duas guerras é precisamente o mesmo (compare 2Samuel 8:4 com 2Samuel 10:18): para que se possa inferir com segurança, não apenas que a guerra mencionada em 2Samuel 10, na qual os arameus que vieram em socorro dos amonitas foram feridos por Davi, foi exatamente a mesma que a guerra aramaica mencionada em 2Samuel 8, mas da qual apenas o resultado é dado; mas também que todas as guerras que Davi travou com os arameus, como sua guerra com Edom (2Samuel 8:13.), surgiram da guerra amonita (2Samuel 10), e o fato de que os amonitas recrutaram a ajuda dos reis de Aram contra Davi (2Samuel 10:6). Obtemos também de 2Samuel 10 uma explicação da expressão “como ele foi para restaurar seu poder (Eng. Versículo ‘recuperar sua fronteira’) no rio”, uma vez que se afirma lá que Hadadezer foi derrotado por Joabe pela primeira vez, e que, depois de sustentar essa derrota, ele chamou os arameus do outro lado do Eufrates para ajudá-lo, para que pudesse continuar a guerra contra Israel com vigor renovado (2Samuel 10:13, 2Samuel 10:15.). O poder de Hadadezer sem dúvida foi prejudicado por sua primeira derrota; e para restaurá-lo, ele obteve tropas auxiliares da Mesopotâmia para atacar Davi, mas foi derrotado pela segunda vez e obrigado a se submeter a ele (2Samuel 10:17-18). Neste segundo compromisso “Davi tirou dele (ou seja, capturou) mil e setecentos soldados a cavalo e vinte mil pés” (2Samuel 8:4, compare 2Samuel 10:18). Esta batalha decisiva ocorreu, de acordo com 1 Crônicas 18:3, nas proximidades de Hamate, ou seja, Epifania no Orontes (veja em Números 13:21 e Gênesis 10:18), ou, de acordo com 2Samuel 10:18 de este livro, em Helam, – uma diferença que pode ser facilmente reconciliada pela simples suposição de que o desconhecido Helam estava em algum lugar próximo a Hamate. Em vez de 1.700 soldados a cavalo, encontramos nas Crônicas (1 Crônicas 18:4) 1.000 carros e 7.000 cavaleiros. Conseqüentemente, a palavra receb sem dúvida caiu após ???? no texto diante de nós, e o numeral que denota mil foi confundido com o usado para denotar cem; pois nas planícies da Síria sete mil cavaleiros seriam uma proporção muito mais justa para vinte mil pés do que mil e setecentos. (Para mais observações, veja em 2Samuel 10:18.) “E Davi aleijou toda a cavalaria”, isto é, ele tornou os carros de guerra e a cavalaria perfeitamente inúteis por aleijar os cavalos (veja em Josué 11:6, Josué 11:9 ), – “e só deixou cem cavalos”. A palavra receb nestas cláusulas significa os cavalos de guerra em geral – não apenas os cavalos de carruagem, mas também os cavalos de montaria – pois o significado de cavalaria é colocado além de qualquer dúvida por Isaías 21: 7 , e dificilmente pode ser imaginou que David teria poupado os cavalos de montaria. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

5 E vieram os sírios de Damasco a dar ajuda a Hadadezer rei de Zobá; e Davi feriu dos sírios vinte e dois mil homens.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-6) Depois de destruir a força principal de Hadadezer, Davi voltou-se contra seu aliado, contra Aram-Damasco, ou seja, os arameus, cuja capital era Damasco. Dammesek (para o qual temos Darmesek nas Crônicas de acordo com sua forma aramaica), Damasco, uma cidade muito antiga e ainda muito importante da Síria, situada sobre o Crisorrhoas (Pharpar), que flui pelo centro dela. Situa-se em meio a um cenário paradisíaco, no lado oriental do Antilíbano, na estrada que une a Ásia Ocidental com o interior. Davi feriu 22.000 sírios de Damasco, colocou guarnições no reino e o tornou sujeito e tributário. נציבים não são governadores de oficiais, mas postos militares, guarnições, como em 1Samuel 10:5; 1Samuel 13:3. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Pôs logo Davi guarnição em Síria a de Damasco, e foram os sírios servos de Davi sujeitos a tributo. E o SENHOR guardou a Davi de onde quer que fosse.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-6) Depois de destruir a força principal de Hadadezer, Davi voltou-se contra seu aliado, contra Aram-Damasco, ou seja, os arameus, cuja capital era Damasco. Dammesek (para o qual temos Darmesek nas Crônicas de acordo com sua forma aramaica), Damasco, uma cidade muito antiga e ainda muito importante da Síria, situada sobre o Crisorrhoas (Pharpar), que flui pelo centro dela. Situa-se em meio a um cenário paradisíaco, no lado oriental do Antilíbano, na estrada que une a Ásia Ocidental com o interior. Davi feriu 22.000 sírios de Damasco, colocou guarnições no reino e o tornou sujeito e tributário. נציבים não são governadores de oficiais, mas postos militares, guarnições, como em 1Samuel 10:5; 1Samuel 13:3. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E tomou Davi os escudos de ouro que traziam os servos de Hadadezer, e levou-os a Jerusalém.

Comentário de Keil e Delitzsch

Do butim tomado nessas guerras, Davi carregou os escudos de ouro que ele tirou dos servos, ou seja, os governadores e príncipes vassalos, de Hadadezer, para Jerusalém.

(Nota: A Septuaginta tem esta cláusula adicional: “E Sisaque, rei do Egito, os levou embora, quando subiu contra Jerusalém nos dias de Roboão, filho de Salomão”, que não se encontra nas Crônicas nem em qualquer outra versão antiga, e é meramente uma inferência tirada pelo tradutor grego, ou por alguns copistas da Septuaginta, de 1 Reis 14:25-28, tomada em conexão com o fato de que a aplicação do bronze é dada em 1 Crônicas 18 : 8. Mas, em primeiro lugar, o autor desta glosa negligenciou o fato de que os escudos de ouro de Roboão que Sisaque levou, não eram os capturados por Davi, mas aqueles que Salomão tinha feito, de acordo com 1 Reis 10 :16, para os retentores de seu palácio; e em segundo lugar, ele não observou que, de acordo com 2Samuel 8:11 deste capítulo, e também das Crônicas, Davi dedicou ao Senhor todo o ouro e prata que ele havia tomado, ou seja, colocado no tesouro do santuário para ser reservado ed para o futuro templo, e que no final de seu reinado ele entregou a seu filho e sucessor Salomão todo o ouro, prata, ferro e bronze que ele havia coletado para esse propósito, para serem aplicados na construção do templo (1 Crônicas 22:14., 1 Crônicas 29:2.). Consequentemente, a cláusula em questão, que Tênio adotaria da Septuaginta em nosso próprio texto, nada mais é do que a produção de um presunçoso alexandrino, cujo erro está na própria superfície, de modo que a questão de sua autenticidade não pode por um momento ser considerada. .)

Shelet significa “um escudo”, de acordo com os Targums e Rabinos, e esse significado é aplicável a todas as passagens em que a palavra ocorre; enquanto o significado “equivalente” não pode ser sustentado pela tradução πανοπλία adotada por Áquila e Símaco em 2 Reis 11:10, ou pelas traduções da Vulgata, em outras palavras, arma in loc. e armatura em Sol 4:4, ou por um apelo à etimologia (vid., Thes. de Gesenius e Lexicon de Dietrich). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 Também de Betá e de Beerote, cidades de Hadadezer, tomou o rei Davi grande quantidade de bronze.

Comentário de Keil e Delitzsch

E das cidades de Betach e Berothai David tomou muito latão, com o qual, de acordo com 1 Crônicas 18:8, Salomão fez o mar de latão, e as colunas de latão e as embarcações do templo. A Septuaginta também interpolou este aviso no texto. O nome Betach é dado como Tibhath nas Crônicas; e para Berothai temos o Chun. Como as próprias cidades são desconhecidas, não se pode decidir com certeza quais das formas e nomes são os corretos e originais. מבּטח parece ter sido escrito por engano para מטּבח. Esta suposição é favorecida pela renderização da Septuaginta, ἐκ τῆς Μετεβάκ; e também pela do Syriac (em outras palavras, Tebach). Por outro lado, a ocorrência do nome Tebah entre os filhos de Nahor o Aramaean em Gênesis 22:24 prova pouco ou nada, pois não se sabe que ele fundou uma família que perpetuou seu nome; nem se pode inferir nada do fato de que, de acordo com os mapas mais modernos, há uma cidade de Tayibeh ao norte de Damasco em 35 lat. norte, pois há muito pouco em comum entre os nomes Tayibeh e Tebah. Ewald conecta Berothai com a Barathena de Ptol. v. 19, no bairro de Saba. A conexão é possível, mas não é suficientemente certa para nos garantir a fundação de quaisquer conclusões a respeito do nome Chun que ocorre nas Crônicas; de modo que não há qualquer fundamento para a opinião de que se trata de uma corrupção de Berothai. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 Então ouvindo Toí, rei de Hamate, que Davi havia ferido todo aquele exército de Hadadezer,

Comentário de Robert Jamieson

Toú, rei de Hamate – Coele-Síria; para o norte, estendia-se até a cidade de Hamate, em Orontes, que era a capital do país. O príncipe sírio, sendo libertado do pavor de um vizinho perigoso, enviou seu filho com presentes valiosos a Davi para parabenizá-lo por suas vitórias e solicitar sua aliança e proteção.

10 Enviou Toí a Jorão seu filho ao rei Davi, a saudar-lhe pacificamente e a bendizer-lhe, porque havia lutado com Hadadezer e o havia vencido: porque Toí era inimigo de Hadadezer. E Jorão levava em sua mão vasos de prata, e vasos de ouro, e de bronze;

Jorão – ou Hadorão (1Crônicas 18:10).[Jamieson, aguardando revisão]

11 Os quais o rei Davi dedicou ao SENHOR, com a prata e o ouro que tinha dedicado de todas as nações que havia submetido:

Comentário de Robert Jamieson

O rei Davi consagrou esses utensílios ao Senhor – os príncipes orientais sempre estiveram acostumados a acumular vastas quantidades de ouro. Este é o primeiro exemplo de uma prática uniformemente seguida por Davi de reservar, depois de pagar as despesas e conceder recompensas adequadas aos seus soldados, o restante do espólio tomado na guerra, acumular para o grande projeto de sua vida – a construção de um nacional templo em Jerusalém.[Jamieson, aguardando revisão]

12 Dos sírios, dos moabitas, dos amonitas, dos filisteus, dos amalequitas, e do despojo de Hadadezer filho de Reobe, rei de Zobá.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-12) Davi também santificou os presentes de Toi ao Senhor (entregou-os ao tesouro do santuário), juntamente com a prata e o ouro que ele havia santificado de todas as nações conquistadas, de Aram, Moab, etc. as Crônicas têm נשׂא אשׁר, que ele tomou, ou seja, tomou como despojo. Ambos estão igualmente corretos; há simplesmente uma virada um tanto diferente dada ao pensamento.

(Nota: Bertheau sustenta erroneamente que נשׂא אשׁר, que ele tomou, está em desacordo com 2Samuel 8:7, pois, de acordo com esta passagem, os escudos dourados de Hadadezer não se tornaram propriedade do Senhor. Mas não há uma palavra para esse efeito em 2Samuel 8:7. Pelo contrário, ele levar os escudos para Jerusalém implica, em vez de impedir, a intenção de devotá-los aos propósitos do santuário.)

Na enumeração das nações conquistadas em 2Samuel 8:12, o texto das Crônicas difere daquele do livro diante de nós. Em primeiro lugar, encontramos “de Edom” em vez de “de Aram”; e em segundo lugar, a cláusula “e do despojo de Hadadezer, filho de Reob, rei de Zobá”, está completamente ausente. O texto das Crônicas é certamente falho aqui, pois o nome de Aram (Síria) não poderia ser omitido. Edom poderia muito melhor ser deixado de fora, não “porque a conquista de Edom pertenceu a um período posterior”, como Movers sustenta, mas porque a conquista de Edom é mencionada pela primeira vez nos versículos subsequentes. Mas se tivermos em mente que em 2Samuel 8:12 de ambos os textos não são apenas aquelas tribos enumeradas cuja conquista já havia sido notada, mas todas as tribos que Davi derrotou e subjugou, mesmo os amonitas e os amalequitas, para a guerra com quem nenhuma alusão é feita no presente capítulo, veremos que Edom não poderia ser omitido. Conseqüentemente, “da Síria” deve ter saído do texto das Crônicas, e “de Edom” daquele que está diante de nós; de modo que o texto em ambos os casos foi originalmente assim, “da Síria, e de Edom, e de Moabe”. Pois mesmo no texto diante de nós, “de Aram” (Síria) não poderia ser omitido, apesar do fato de que o despojo de Hadadezer é especialmente mencionado no final do versículo, pela simples razão de que Davi não só fez guerra contra Síria-Zobá (o reino de Hadadezer) e subjugou-o, mas também sobre Síria-Damasco, que era bastante independente de Zobá. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 E ganhou Davi fama quando, voltando da derrota dos sírios, feriu dezoito mil homens no vale do sal.

Comentário de Robert Jamieson

Essa conquista, feita pelo exército de Davi, deveu-se ao hábil domínio e galanteria de Abisai e Joabe. (1Crônicas 18:12; compare Salmo 60:1, título). O vale era a ravina do sal (o Ghor), adjacente à Montanha Salgada, na extremidade sudoeste do Mar Morto, separando os antigos territórios de Judá e Edom. [Robinson][Jamieson, aguardando revisão]

14 E pôs guarnição em Edom, por toda Edom pôs guarnição; e todos os edomitas foram servos de Davi. E o SENHOR guardou a Davi por de onde quer que fosse.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-15) “E David fez (se) um nome, quando ele voltou de ferir (ou seja, da derrota de) Aram, (e feriu Edom) no vale do Sal, dezoito mil homens”. As palavras entre colchetes estão faltando no texto massorético como chegou até nós, e devem ter caído de um erro do copista, cujo olho se desviou de את־ארם para את־אדום; pois embora o texto não seja “totalmente ininteligível” sem essas palavras, uma vez que a passagem pode ser traduzida “depois que ele feriu Aram no vale do Sal dezoito mil homens”, ainda assim isso seria decididamente incorreto, pois os arameus não foram feridos em o vale do Sal, mas em parte em Medeba (1 Crônicas 19:7) e Helam (2 Samuel 10:17), e em parte em sua própria terra, que ficava muito longe do vale do Sal. Além disso, a dificuldade apresentada pelo texto não pode ser removida, como supõe Movers, mudando את־ארם (Síria) para את־אדום (Edom), pois a expressão בּשׁבו (“quando ele voltou”) ainda seria inexplicável. Os fatos provavelmente foram estes: enquanto Davi, ou melhor, Israel, estava enredado na guerra com os amonitas e os arameus, os edomitas aproveitaram a oportunidade, que lhes parecia muito favorável, para invadir a terra de Israel e avançaram como até a extremidade sul do Mar Morto. Assim, portanto, como os arameus foram derrotados e subjugados, e o exército israelita voltou desta guerra, Davi ordenou que marchasse contra os edomitas e os derrotou no vale do Sal. Este vale não pode ter sido outro senão o Ghor adjacente à montanha de Sal no sul do Mar Morto, que realmente separa os antigos territórios de Judá e Edom (Robinson, Pal. ii. 483). Lá Amazias também feriu os edomitas em um período posterior (2 Reis 14:7). Reunimos mais sobre esta guerra de Davi do texto das Crônicas (2Samuel 8:12) em conexão com 1 Reis 11:15-16 e Salmo 60:2. De acordo com as Crônicas, foi Abisai, filho de Zeruia, quem feriu os edomitas. Isso concorda muito bem não apenas com o relato em 2Samuel 10:10., no sentido de que Abisai comandou uma companhia na guerra com os sírios e amonitas sob o comando de seu irmão Joabe, mas também com o título do Salmo 60:1 -12, em que se afirma que Joab voltou após a derrota de Aram, e feriu os edomitas no vale do Sal, doze mil homens; e com 1 Reis 11:15-16, em que lemos que quando Davi estava em Edom, Joabe, o capitão do exército, subiu para enterrar os mortos, e feriu todos os homens em Edom, e permaneceu seis meses em Edom com todo o Israel, até que decepou todo varão em Edom. A partir desse aviso casual, mas elaborado, aprendemos que a guerra com os edomitas foi muito obstinada e não terminou de uma só vez. A diferença quanto ao número de mortos, que se afirma ter sido 18.000 no texto diante de nós e nas Crônicas, e 12.000 no cabeçalho do pode ser explicada de maneira muito simples, na suposição que os cálculos feitos foram apenas aproximativos e produziram resultados diferentes; e o fato de Davi ser apontado como o vencedor no versículo diante de nós, Joabe no e Abisai nas Crônicas, admite uma explicação muito fácil depois do que acabamos de observar. As Crônicas contêm o relato mais literal. Abisai feriu os edomitas como comandante dos homens contratados, Joabe como comandante em chefe de todo o exército, e Davi como rei e governador supremo, de quem o escritor das Crônicas afirma: “O Senhor ajudou Davi em todos os seus empreendimentos” . Após a derrota dos edomitas, Davi colocou guarnições na terra e fez todo Edom sujeito a si mesmo. 2Samuel 8:15-18. Ministros de Davi. – Ao relato das guerras e vitórias de Davi é anexada uma lista de seus assistentes oficiais, que é apresentada com uma observação geral sobre o espírito de seu governo. Como rei sobre todo o Israel, Davi continuou a executar o direito e a justiça. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Os oficiais de Davi

15 E reinou Davi sobre todo Israel; e fazia Davi direito e justiça a todo seu povo.

Comentário de Robert Jamieson

Embora envolvido em guerras estrangeiras, ele mantinha um excelente sistema de governo em casa, os homens mais eminentes da época compondo seu ministério de ministros.[Jamieson, aguardando revisão]

16 E Joabe filho de Zeruia era general de seu exército; e Josafá filho de Ailude, chanceler;

Comentário de Robert Jamieson

o arquivista real – em virtude de uma promessa especial (2Samuel 5:8).
gravador – historiógrafo ou analista diário, um escritório de grande confiança e importância nos países do Oriente.[Jamieson, aguardando revisão]

17 E Zadoque filho de Aitube, e Aimeleque filho de Abiatar, eram sacerdotes; e Seraías era escriba;

Comentário de Robert Jamieson

Aimelequeeram sacerdotes – No massacre dos sacerdotes em Nob, [1Samuel 22:19], Saul conferiu o sacerdócio em Zadoque, da família de Eleazar (1Crônicas 6:50), enquanto Davi reconheceu Ahimeleque, de A família de Ithamar, que fugiu para ele. Os dois sumos sacerdotes exerceram seu ofício sob os respectivos príncipes aos quais estavam ligados. Mas, quando Davi obteve o reino sobre todo o Israel, ambos mantiveram sua dignidade; Aimeleque oficiou em Jerusalém, e Zadoque em Gibeão (1Crônicas 16:39).[Jamieson, aguardando revisão]

18 E Benaia filho de Joiada, era sobre os quereteus e peleteus; e os filhos de Davi eram os príncipes.

Comentário de Robert Jamieson

queretitas – isto é, filisteus (Sofonias 2:5).

peletitas – de Pelet (1Crônicas 12:3). Eles eram os homens valentes que, tendo acompanhado Davi durante o seu exílio entre os filisteus, foram feitos seus guardas.[Jamieson, aguardando revisão]

<2 Samuel 7 2 Samuel 9>

Introdução à 2Samuel 8

À promessa do estabelecimento deste trono é anexada uma enumeração geral das guerras pelas quais Davi assegurou a supremacia de Israel sobre todos os seus inimigos ao redor. Nesta pesquisa estão incluídas todas as nações com as quais Davi já havia guerreado, e que ele havia conquistado e tornado tributários: os filisteus e os moabitas, os sírios de Zobá e Damasco, os Toi de Hamate, os amonitas, os amalequitas e os edomitas. . É muito evidente a partir disso que o capítulo diante de nós não trata apenas das guerras que Davi travou depois de receber a promessa divina mencionada em 2Samuel 7, mas de todas as guerras de todo o seu reinado. A única de que temos depois um relato mais completo é a guerra com os amonitas e seus aliados, os sírios (2Samuel 10 e 11), e isso é dado por causa de sua conexão com o adultério de Davi. Na pesquisa diante de nós, a guerra com os amonitas é mencionada apenas superficialmente em 2Samuel 8:12, no relato do despojo retirado das diferentes nações, que Davi dedicou ao Senhor. Com relação às outras guerras, no que diz respeito ao objetivo principal – a saber, registrar a história do reino de Deus – foi suficiente dar uma declaração geral do fato de que essas nações foram feridas por Davi e submetidas a seu cetro. Mas se este capítulo contém um levantamento de todas as guerras de Davi com as nações que eram hostis a Israel, não pode haver dúvida de que o arranjo dos vários eventos não é estritamente regulado por sua ordem cronológica, mas que eventos homogêneos são agrupados segundo um ponto de vista material. Há um paralelo com este capítulo em 1 Crônicas 18. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de 2Samuel

Em 2 Samuel, “Davi torna-se no rei mais fiel a Deus, mas depois se rebela, resultando na lenta destruição da sua família e do seu reino”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (6 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução aos livros de Samuel.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.