Bíblia, Revisar

2 Reis 2

Elias separa as águas do Jordão

1 E aconteceu que, quando o SENHOR quis erguer Elias num turbilhão ao céu, Elias vinha com Eliseu de Gilgal.

quando o SENHOR quis erguer Elias – Uma revelação deste evento havia sido feita ao profeta; mas, desconhecido para ele, também havia sido revelado a seus discípulos e a Eliseu em particular, que se mantinham constantemente ao lado dele.

Gilgal – Este Gilgal (Jiljil) estava perto de Ebal e Gerizim; uma escola dos profetas foi estabelecida lá. Em Betel, havia também uma escola dos profetas, que Elias fundara, apesar de o local ser a sede da adoração do bezerro; e em Jericó havia outro [2Rs 2:4]. Ao viajar para esses lugares, o que ele havia feito através do impulso do Espírito (2Rs 2:2,4-6), Elias desejava fazer uma visita de despedida a essas várias instituições, que estavam a caminho de o lugar da ascensão e, ao mesmo tempo, de um sentimento de humildade e modéstia, de estar na solidão, onde não haveria testemunhas oculares de sua glorificação. Todos os seus esforços, no entanto, para convencer seu acompanhante a ficar para trás, foram infrutíferos. Eliseu sabia que o tempo estava próximo, e em todos os lugares os filhos dos profetas lhe falaram sobre a remoção que se aproximava de seu mestre. Sua última etapa foi no Jordão. Eles foram seguidos à distância por cinquenta estudiosos dos profetas, de Jericó, que estavam desejosos, em honra da grande ocasião, para testemunhar a tradução milagrosa do profeta. A revelação desse evento impressionante para muitos foi uma parte necessária da dispensação; pois foi projetado para estar sob a lei, como o de Enoque na era patriarcal, uma prova visível de outro estado e um tipo de ressurreição de Cristo.

2 E disse Elias a Eliseu: Fica-te agora aqui, porque o SENHOR me enviou a Betel. E Eliseu disse: Vive o SENHOR, e vive tua alma, que não te deixarei. Desceram pois a Betel.
3 E saindo a Eliseu os filhos dos profetas que estavam em Betel, disseram-lhe: Sabes como o SENHOR tirará hoje o teu senhor de tua cabeça? E ele disse: Sim, eu o sei; calai.

tirará hoje o teu senhor de tua cabeça? – uma alusão ao costume de eruditos sentados aos pés de seu mestre, sendo este último sobre suas cabeças (At 22:3).

4 E Elias lhe voltou a dizer: Eliseu, fica-te aqui agora, porque o SENHOR me enviou a Jericó. E ele disse: Vive o SENHOR, e vive tua alma, que não te deixarei. Vieram, pois, a Jericó.
5 E achegaram-se a Eliseu os filhos dos profetas que estavam em Jericó, e disseram-lhe: Sabes como o SENHOR tirará hoje o teu senhor de tua cabeça? E ele respondeu: Sim, eu o sei; calai.
6 E Elias lhe disse: Rogo-te que te fiques aqui, porque o SENHOR me enviou ao Jordão. E ele disse: Vive o SENHOR, e vive tua alma, que não te deixarei. Foram, pois, ambos.
7 E vieram cinquenta homens dos filhos dos profetas, e pararam-se em frente a o longe: e eles dois se pararam junto ao Jordão.
8 Tomando então Elias seu manto, dobrou-o, e feriu as águas, as quais se apartaram a um e a outro lado, e passaram ambos em seco.

Tomando então Elias seu manto, dobrou-o, e feriu as águas – como a vara de Moisés, ele tinha o poder divinamente operante do Espírito.

9 E quando houveram passado, Elias disse a Eliseu: Pede o que queres que faça por ti, antes que seja tirado de contigo. E disse Eliseu: Rogo-te que a porção dobrada de teu espírito seja sobre mim.

Elias disse a Eliseu: Pede o que queres que faça por ti – confiando que seria seu poder legá-la, ou que Deus, em seu pedido, a concederia.

Rogo-te que a porção dobrada de teu espírito seja sobre mim – Este pedido não foi, como é comumente suposto, que o poder de operar milagres excedendo a magnitude e o número de seus mestres, nem significa um dom maior do espírito profético; porque Eliseu não era superior nem tão grande quanto seu predecessor. Mas a frase “uma porção dupla” foi aplicada aos primogênitos [Dt 21:17], e, portanto, o pedido de Eliseu era, simplesmente, ser herdeiro do ofício profético e presentes de seu mestre.

10 E ele lhe disse: Coisa difícil pediste. Se me vires quando for tirado de ti, te será assim feito; mas se não, não.

Coisa difícil pediste – uma bênção extraordinária que eu não posso, e somente Deus, posso dar. Não obstante, ele, sem dúvida pelas direções secretas do Espírito, propôs a Eliseu um sinal, cuja observação o manteria na atitude de um ansioso garçom, bem como suplicante pelo favor.

Elias é levado para o céu em uma carruagem de fogo

11 E aconteceu que, indo eles falando, eis que um carro de fogo com cavalos de fogo separou os dois; e Elias subiu ao céu num turbilhão.

eis que um carro de fogo com cavalos de fogo – alguma resplandecência brilhante que, aos olhos dos espectadores, se assemelhava a esses objetos.

subiu ao céu num turbilhão – uma tempestade ou tempestade de vento acompanhada de flashes vívidos de fogo, usados ​​figurativamente para os juízos divinos (Is 29:6).

12 E vendo-o Eliseu, clamava: Meu pai, meu pai! Carro de Israel e seus cavaleiros! E nunca mais lhe viu, e segurando de suas roupas, rompeu-os em duas partes.

E vendo-o Eliseu, clamava: Meu pai – isto é, pai espiritual, como os discípulos dos profetas são chamados filhos.

Carro de Israel e seus cavaleiros – isto é, que como os reinos da terra dependem de sua defesa e glória em preparações guerreiras, lá um único profeta fez mais pela preservação e prosperidade de Israel do que todos os seus carros e cavaleiros.

segurando de suas roupas, rompeu-os – em sinal de pesar por sua perda.

13 Levantou logo o manto de Elias que se lhe havia caído, e voltou, e parou-se à beira do Jordão.

Levantou logo o manto de Elias – A transferência desse manto profético era, para ele mesmo, um penhor de ser nomeado sucessor, e era um sinal exterior para os outros do espírito de Elias que repousava sobre ele.

14 E tomando o manto de Elias que se lhe havia caído, feriu as águas, e disse: Onde está o SENHOR, o Deus de Elias? E assim que houve do mesmo modo ferido as águas, apartaram-se a um e a outro lado, e passou Eliseu.

feriu as águas – A ondulação do manto no rio, e a divisão milagrosa das águas consequentes, foi uma evidência de que o Senhor Deus de Elias estava com ele, e como este milagre foi testemunhado pelos estudiosos dos profetas de Jericó, eles reconheceram imediatamente a preeminência de Eliseu, como agora o profeta de Israel.

15 E vendo-lhe os filhos dos profetas que estavam em Jericó da outra parte, disseram: O espírito de Elias repousou sobre Eliseu. E vieram-lhe a receber, e inclinaram-se a ele até a terra.
16 E disseram-lhe: Eis que há com teus servos cinquenta homens fortes; vão agora e busquem o teu senhor; talvez o Espírito do SENHOR o levantou, e o lançou em algum monte ou em algum vale. E ele lhes disse: Não envieis.

cinquenta homens fortes; vão agora e busquem o teu senhor – Embora os jovens profetas de Jericó tivessem visto a passagem miraculosa de Elias do Jordão, eles não haviam testemunhado a ascensão. Eles imaginaram que ele poderia ter sido lançado pelo redemoinho em alguma montanha ou vale; ou, se ele realmente tivesse sido admitido no céu, eles esperavam que seu corpo ainda permanecesse em algum lugar na terra. De acordo com sua importunação, ele lhes deu permissão, mas lhes disse qual seria o resultado.

17 Mas eles lhe importunaram, até que envergonhando-se, disse: Enviai. Então eles enviaram cinquenta homens, os quais o buscaram três dias, mas não o acharam.
18 E quando voltaram a ele, que se havia restado em Jericó, ele lhes disse: Não vos disse eu que não fôsseis?
19 E os homens da cidade disseram a Eliseu: Eis que o assento desta cidade é bom, como meu senhor vai; mas as águas são más, e a terra enferma.
20 Então ele disse: Trazei-me uma botija nova, e ponde nela sal. E trouxeram-na.

Trazei-me uma botija nova, e ponde nela sal – As qualidades nocivas da água não poderiam ser corrigidas pela infusão de sal – pois, supondo que o sal fosse possuidor de tal propriedade, uma fonte inteira não poderia ser purificada por um prato cheio para um dia, muito menos em todo o tempo futuro. O derramamento do sal foi um ato simbólico com o qual Eliseu acompanhou a palavra do Senhor, pela qual a fonte foi curada (Keil).

21 E saindo ele aos mananciais das águas, lançou dentro o sal, e disse: Assim disse o SENHOR: Eu sarei estas águas, e não haverá mais nelas morte nem enfermidade.
22 E foram saradas as águas até hoje, conforme a palavra que falou Eliseu.
23 Depois subiu dali a Betel; e subindo pelo caminho, saíram os meninos da cidade, e se ridicularizavam dele, dizendo: Sobe, calvo! Sobe, calvo!

saíram os meninos da cidade – isto é, os jovens idólatras ou infiéis do lugar, que se recusaram a acreditar no relato da tradução de seu mestre, sarcasticamente insistiram para que ele seguisse a gloriosa carreira.

calvo – um epíteto de desprezo no Oriente, aplicado a uma pessoa mesmo com uma cabeleira espessa. O terrível julgamento que aconteceu com eles foi a interferência de Deus para defender seu recém-investido profeta.

24 E olhando ele atrás, viu-os, e amaldiçoou-os no nome do SENHOR. E duas ursas saíram da floresta, e despedaçaram deles quarenta e dois meninos.
25 De ali foi ao monte de Carmelo, e dali voltou a Samaria.
<2 Reis 1 2 Reis 3>

Leia também uma introdução aos livros dos Reis.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.