1 Reis 19

Elias foge para Berseba

1 E Acabe deu a notícia a Jezabel de tudo o que Elias havia feito, de como havia matado à espada a todos os profetas.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-2) A fuga de Elias para o deserto e a orientação para Horebe. – 1 Reis 19:1, 1 Reis 19:2. Quando “Acabe contou a Jezabel tudo o que Elias havia feito, e tudo, como ele havia matado todos os profetas (de Baal)”, ela enviou um mensageiro a Elias em sua ira impotente, com uma ameaça, que ela confirmou por um juramento (ver em 1 Reis 2:23), que pela manhã ela o teria morto como os profetas que ele havia matado. Os primeiros comentadores detectaram nessa ameaça a impotentia muliebris iracundiae, e viram que tudo o que Jezabel queria era livrar-se do homem que era tão angustiante e perigoso para ela, porque ela se sentia incapaz de matá-lo, em parte por causa de o povo, que estava entusiasmado a seu favor, e em parte por causa do próprio rei, sobre quem o caso do Carmelo não havia permanecido sem seu efeito salutar. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

2 Então enviou Jezabel a Elias um mensageiro, dizendo: Assim me façam os deuses, e assim me acrescentem, se amanhã a estas horas eu não haja posto tua pessoa como a de um deles.

Comentário de Keil e Delitzsch

(1-2) A fuga de Elias para o deserto e a orientação para Horebe. – 1 Reis 19:1, 1 Reis 19:2. Quando “Acabe contou a Jezabel tudo o que Elias havia feito, e tudo, como ele havia matado todos os profetas (de Baal)”, ela enviou um mensageiro a Elias em sua ira impotente, com uma ameaça, que ela confirmou por um juramento (ver em 1 Reis 2:23), que pela manhã ela o teria morto como os profetas que ele havia matado. Os primeiros comentadores detectaram nessa ameaça a impotentia muliebris iracundiae, e viram que tudo o que Jezabel queria era livrar-se do homem que era tão angustiante e perigoso para ela, porque ela se sentia incapaz de matá-lo, em parte por causa de o povo, que estava entusiasmado a seu favor, e em parte por causa do próprio rei, sobre quem o caso do Carmelo não havia permanecido sem seu efeito salutar. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

3 Vendo, pois, o perigo, levantou-se e foi-se por salvar sua vida, e veio a Berseba, que é em Judá, e deixou ali seu criado.

Comentário Dummelow

Berseba – que ficava dentro do território do reino de Judá, na herança dos descendentes de Simeão (Josué 15:28; 19:2). Era um santuário no tempo do profeta Amós, e pode ter sido o mesmo no de Elias. [Dummelow, 1909]

Elias é consolado por um anjo

4 E ele se foi pelo deserto um dia de caminho, e veio e sentou-se debaixo de um junípero; e desejando morrer, disse: Basta já, ó SENHOR, tira minha alma; que não sou eu melhor que meus pais.

Comentário Dummelow

ele se foi pelo deserto. Como o rei de Judá era um aliado de Acabe, o profeta se considerou a salvo da fúria de Jezabel até que estivesse além do território judaico. [Dummelow, 1909]

5 E lançando-se debaixo do junípero, ficou dormido: e eis que logo um anjo que lhe tocou, e lhe disse: Levanta-te, come.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-6) Nesse estado de espírito perturbado, ele se deitou e dormiu debaixo de uma vassoura. Então o Senhor veio com Seu poder em socorro do homem desesperado. “Um anjo o tocou (despertou-o de seu sono) e disse-lhe: Levanta-te, come”. E eis que ele viu à sua cabeça עגּת רצפים, um bolo de pão assado sobre pedras em brasa, um saboroso artigo de comida que ainda é um grande favorito entre os beduínos (veja em Gênesis 18:6; Gênesis 19:3), e um cântaro de água, e comeu e bebeu, e deitou-se novamente. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

6 Então ele olhou, e eis que a sua cabeceira uma torta cozida sobre as ascuas, e um vaso de água: e comeu e bebeu e voltou-se a dormir.

Comentário de Keil e Delitzsch

(5-6) Nesse estado de espírito perturbado, ele se deitou e dormiu debaixo de uma vassoura. Então o Senhor veio com Seu poder em socorro do homem desesperado. “Um anjo o tocou (despertou-o de seu sono) e disse-lhe: Levanta-te, come”. E eis que ele viu à sua cabeça עגּת רצפים, um bolo de pão assado sobre pedras em brasa, um saboroso artigo de comida que ainda é um grande favorito entre os beduínos (veja em Gênesis 18:6; Gênesis 19:3), e um cântaro de água, e comeu e bebeu, e deitou-se novamente. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

7 E voltando o anjo do SENHOR a segunda vez, tocou-lhe, dizendo: Levanta-te, come: porque grande caminho te resta.

Comentário de Keil e Delitzsch

Mas o anjo o despertou uma segunda vez, e o chamou para comer com estas palavras: “porque o caminho é muito longe para ti” (רב ממּך הדּרך, iter est majus quam pro viribus tuis – Vat.). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

8 Levantou-se, pois, e comeu e bebeu; e caminhou com a força daquela comida quarenta dias e quarenta noites, até o monte de Deus, Horebe.

Comentário de Keil e Delitzsch

“Então ele se levantou, comeu e bebeu, e foi na força daquela comida quarenta dias e quarenta noites ao monte de Deus em Horebe”. Como o anjo não lhe disse para onde ele deveria ir, e Elias vagou para Horebe por causa desse fortalecimento, parece ter sido sua intenção desde o início ir ao deserto e ver se o Senhor ainda reconheceria ele e seu trabalho; de modo que no apoio e na força do anjo ele viu uma indicação de que deveria seguir os passos da graça divina ainda mais longe no deserto e fazer uma peregrinação a Horebe, com a esperança de que talvez o Senhor revelasse a lhe deu Seu conselho sobre a orientação adicional do povo de Sua aliança, como Ele havia feito anteriormente a Seu servo Moisés, e lhe deu as instruções necessárias para a continuação de seu serviço profético. Horebe é chamado de monte de Deus aqui, como foi proleticamente em Êxodo 3:1, como o lugar onde o Senhor confirmou a aliança, já feita com os patriarcas, aos seus descendentes, e adotou as tribos de Israel como Seu povo e fez para um reino de Deus. A distância de Berseba a Horebe é de cerca de 200 milhas. Conseqüentemente, Elias não precisaria de quarenta dias para viajar até lá, se a intenção de Deus não fosse nada mais do que levá-lo a chegar à montanha, ou “ajudá-lo em sua palavra” (Tênio). Mas na força do alimento fornecido pelo anjo Elias não foi apenas para realizar a jornada para Horebe, mas para vagar no deserto por quarenta dias e quarenta noites, ou seja, quarenta dias inteiros, como Moisés havia perambulado anteriormente com todo o Israel por quarenta anos; para que ele soubesse que o Senhor ainda era o mesmo Deus que nutriu e sustentou toda a Sua nação no deserto com o maná do céu por quarenta anos. E assim como a permanência de quarenta anos no deserto tinha sido para Moisés um tempo para a prova da fé e para o exercício da humildade e mansidão (Números 12:3), assim foi a força da fé de Elias a ser provada pelos quarenta dias ‘ vagando no mesmo deserto, e para ser purificado de todo zelo carnal para o cumprimento ulterior de Seu chamado, de acordo com a vontade divina. O que se segue mostra muito claramente que este foi o objetivo da orientação divina de Elias (compare com Hengstenberg, Diss. on the Pentateuch, vol. i. 171.172). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E ali se meteu em uma cova, de onde teve a noite. E foi a ele palavra do SENHOR, o qual lhe disse: Que fazes aqui, Elias?

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-18) Aparição de Deus em Horebe. – 1 Reis 19:9. Quando Elias chegou a Horebe, ele entrou na caverna (o artigo definido em המּערה, com a conexão óbvia entre a aparição de Deus, que segue aqui, e aquela descrita em Êxodo 33:12., aponta para a fenda na rocha , נקרת הצּוּר) em que Moisés havia permanecido enquanto a glória de Jeová passava (veja em Êxodo 33:22), e lá ele passou a noite. E eis que a palavra do Senhor veio a ele (na noite): “Que fazes aqui, Elias?” Esta pergunta não envolvia uma repreensão, como se Elias não tivesse nada a fazer ali, mas simplesmente pretendia levá-lo a expressar os pensamentos e sentimentos de seu coração. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

10 E ele respondeu: Tenho sentido um zelo intenso pelo SENHOR Deus dos exércitos; porque os filhos de Israel deixaram tua aliança, derrubaram teus altares, e mataram à espada teus profetas: e eu só restei, e me buscam para tirar-me a vida.

Comentário de Keil e Delitzsch

Elias respondeu: “Tenho lutado zelosamente por Jeová, o Deus dos exércitos, porque os filhos de Israel abandonaram a tua aliança, destruíram os teus altares e mataram os teus profetas à espada; e só eu fiquei, e eles buscam a minha morte”. Nessas palavras havia não apenas o maior desespero expresso quanto à condição existente das coisas, mas também um zelo carnal que de bom grado teria invocado a vingança imediata do Todo-Poderoso sobre todos os idólatras. A queixa continha, por um lado, a reprovação tácita de que Deus havia contemplado silenciosamente por tanto tempo a conduta dos ímpios, e havia permitido que as coisas chegassem a tal extremo, que ele, Seu profeta, era o único restava um de todos os verdadeiros adoradores de Deus e, por outro lado, o apelo indireto que Ele por fim interporia com Seus julgamentos penais. Porque Elias não tinha visto os frutos salutares esperados de seu zelo pelo Senhor, ele pensou que tudo estava perdido, e em seu estado de espírito sombrio negligenciou o que ele havia visto pouco tempo antes com seus próprios olhos, que mesmo nas proximidades de o próprio rei vivia ali um piedoso e fiel adorador de Jeová, ou seja, Obadias, que havia ocultado cem profetas da vingança de Jezabel, e que todo o povo reunido no Carmelo havia dado glória ao Senhor, e ao sua ordem havia apreendido os profetas de Baal e os condenado à morte, e, portanto, os verdadeiros adoradores do Senhor não poderiam ter desaparecido de Israel. קנּא קנּאתי ליהוה lembra o zelo de Finéias (Números 25:11.), que pôs fim à prostituição dos filhos de Israel com as filhas de Moabe. Mas enquanto Finéias recebeu a promessa de um sacerdócio eterno por seu zelo, Elias tinha visto tão pouco fruto de seu zelo contra os adoradores de Baal, que eles realmente buscaram sua vida. מזבּחתך são altares que os piedosos israelitas do reino das dez tribos construíram em diferentes lugares para a adoração a Jeová (ver em 1 Reis 18:30). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 E ele lhe disse: Sai fora, e põe-te no monte diante do SENHOR. E eis que o SENHOR que passava, e um grande e poderoso vento que rompia os montes, e quebrava as penhas diante do SENHOR: mas o SENHOR não estava no vento. E depois do vento um terremoto: mas o SENHOR não estava no terremoto.

Comentário de Keil e Delitzsch

O Senhor respondeu à reclamação do profeta primeiramente pela manifestação de Seu controle sobre os fenômenos da natureza (1Rs 19:11-13), e depois por uma explicação verbal de Seu desígnio (1Rs 19:15-18).

Nesta revelação divina os homens reconheceram desde os primeiros tempos uma repetição da aparição de Deus que foi concedida a Moisés no Sinai. Como Deus, em sinal de Sua graça, concedeu a oração de Moisés para que ele pudesse ver Sua glória, depois de ter se esforçado zelosamente pela honra do Senhor quando o povo se rebelou adorando o bezerro de ouro; assim também Ele mostrou Sua glória sobre Horebe a Elias como um segundo Moisés com o propósito de fortalecer sua fé, com esta simples diferença, que Ele fez toda a Sua bondade passar por Moisés, e declarou Seu nome nas palavras: “Jeová, um Deus misericordioso e misericordioso” etc. (Êxodo 34:6-7), enquanto Ele fez com que Elias, em primeiro lugar, contemplasse a operação de Sua graça em certos fenômenos da natureza, e depois lhe deu a conhecer Sua vontade em relação a Israel e à obra de Seus profetas. Essa diferença na forma da revelação, embora a substância e o desígnio fossem essencialmente os mesmos, pode ser explicada pela diferença não apenas nas circunstâncias históricas, mas também no estado de espírito dos dois servos a quem Ele manifestou Sua glória. No caso de Moisés, foi o amor ardente pelo bem-estar de seu povo que o impeliu a oferecer a oração para que o Senhor o deixasse ver Sua glória, como sinal de que Ele não abandonaria Seu povo; e essa oração foi concedida a ele, na medida em que um homem é capaz de ver a glória de Deus, para fortalecê-lo para o cumprimento adicional dos deveres de seu cargo. Escondido na fenda da rocha e protegido pela mão de Deus, ele viu o Senhor passar por ele e o ouviu pronunciar em palavras o seu íntimo. Elias, por outro lado, em seu zelo pela honra de Deus, que não estava totalmente livre da paixão humana, foi levado pela falta de qualquer fruto visível de seu próprio trabalho a negligenciar a obra do Senhor no meio de Seu povo; de modo que ele fugiu para o deserto e desejou ser libertado deste mundo pela morte, e não foi tirado de seu desespero pelo fortalecimento com comida e bebida que ele recebeu do anjo, e que lhe permitiu viajar para quarenta dias até o monte de Deus sem sofrer de carência, fato que pretendia lembrá-lo do antigo Deus dos pais, cuja onipotência e bondade não têm fim; de modo que foi em um estado de espírito muito sombrio que ele finalmente chegou a Horebe. E agora o Senhor planejou não apenas manifestar Sua glória como o amor no qual graça e justiça estão unidos, mas também mostrar a ele que seu zelo pela honra do Senhor não estava em harmonia com o amor, graça e longanimidade de Deus. “O objetivo da visão era mostrar o zelo ardente do profeta, que queria reformar tudo por meio da tempestade, o caminho suave que Deus segue, e proclamar a longanimidade e a brandura de Sua natureza, como o voz já havia feito a Moisés naquele mesmo local; daí a bela mudança na aparência divina” (Herder, Geist der hebr. Poesie, 1788, ii. p. 52). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 E depois do terremoto um fogo: mas o SENHOR não estava no fogo. E depois do fogo uma voz agradável e suave.

Comentário de Keil e Delitzsch

Depois que Deus ordenou que ele saísse da caverna e ficasse sobre a montanha (a parte da montanha que estava na frente da caverna) diante Dele, “eis que Jeová passou (o particípio עבר é usado para dar uma representação mais vívida da cena); e uma grande e forte tempestade, rasgando montanhas e quebrando rochas, diante de Jeová – não era na tempestade que Jeová estava; e depois da tempestade um terremoto – não era no terremoto que Jeová estava; e depois do fogo do terremoto – não estava no fogo que Jeová estava; e depois do fogo um sussurro calmo e suave”. דקּה דּממה קול, literalmente o tom de um sopro suave. Sobre a mudança de gênero em וחזק גּדולה רוּח, veja Ewald, 174, e. – Tempestade, terremoto e fogo, que são ainda mais terríveis na terrível solidão das montanhas de Horebe do que em uma terra habitada, são sinais da vinda do Senhor ao julgamento (compare com o Salmo 18: 8 .). Foi em meio a fenômenos tão terríveis que o Senhor uma vez desceu sobre o Sinai, para inspirar as pessoas que estavam reunidas ao pé da montanha com um pavor salutar de Sua terrível majestade, do zelo ardente de Sua ira e amor. , que consome tudo o que se opõe (veja em Êxodo 19:16.). mas agora o senhor não estava nesses fenômenos terríveis; para significar ao profeta que Ele não trabalhou em Seu reino terreno com o zelo destruidor da ira, ou com a severidade impiedosa do julgamento. Foi em um suave e suave farfalhar que Ele se revelou a ele. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 E quando o ouviu Elias, cobriu seu rosto com seu manto, e saiu, e parou-se à porta da cova. E eis que chegou uma voz a ele, dizendo: Que fazes aqui, Elias?

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-17) Quando Elias ouviu isto, cobriu o rosto com seu manto (אדּרת; ver em 2Reis 1:8) e saiu para a entrada da caverna. E eis que ele ouviu a pergunta uma segunda vez: “O que você faz aqui, Elias?” e respondeu com uma repetição de sua reclamação (ver 1Reis 19:9, 1Reis 19:10). – Enquanto a aparição de Deus, não na tempestade, no terremoto e no fogo, mas em um suave sussurro, revelou-lhe o Senhor como um Deus misericordioso e gracioso, sofredor e de grande bondade e verdade (Êxodo 34:6), a resposta à sua queixa mostrou-lhe que Ele não deixou a culpa impune (Êxodo 34:7), já que o Senhor lhe deu a seguinte ordem, 1Reis 19:15. 1Reis 19:15: “Volta em teu caminho para o deserto de Damasco, e unge Hazael rei sobre Arão (ver 2Reis 8:12-13), e Jeú filho de Nimshi rei sobre Israel (ver 2Reis 9:2), e Eliseu filho do profeta Safate em teu lugar” (ver 1Reis 19: 19); e então acrescentou esta promessa, que deve ter acalmado seu zelo, que foi louvável nos sentimentos de onde surgiu, embora tivesse assumido uma forma demasiado apaixonada, e lhe deu coragem para continuar sua obra profética: “E acontecerá que, por mais que escape da espada de Hazael, ele matará Jeú, e quem escapar da espada de Jeú, ele matará Elisha”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

14 E ele respondeu: Tenho sentido um zelo intenso pelo SENHOR Deus dos exércitos; porque os filhos de Israel deixaram tua aliança, derrubaram teus altares, e mataram à espada teus profetas: e eu só restei, e me buscam para tirar-me a vida.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-17) Quando Elias ouviu isto, cobriu o rosto com seu manto (אדּרת; ver em 2Reis 1:8) e saiu para a entrada da caverna. E eis que ele ouviu a pergunta uma segunda vez: “O que você faz aqui, Elias?” e respondeu com uma repetição de sua reclamação (ver 1Reis 19:9, 1Reis 19:10). – Enquanto a aparição de Deus, não na tempestade, no terremoto e no fogo, mas em um suave sussurro, revelou-lhe o Senhor como um Deus misericordioso e gracioso, sofredor e de grande bondade e verdade (Êxodo 34:6), a resposta à sua queixa mostrou-lhe que Ele não deixou a culpa impune (Êxodo 34:7), já que o Senhor lhe deu a seguinte ordem, 1Reis 19:15. 1Reis 19:15: “Volta em teu caminho para o deserto de Damasco, e unge Hazael rei sobre Arão (ver 2Reis 8:12-13), e Jeú filho de Nimshi rei sobre Israel (ver 2Reis 9:2), e Eliseu filho do profeta Safate em teu lugar” (ver 1Reis 19: 19); e então acrescentou esta promessa, que deve ter acalmado seu zelo, que foi louvável nos sentimentos de onde surgiu, embora tivesse assumido uma forma demasiado apaixonada, e lhe deu coragem para continuar sua obra profética: “E acontecerá que, por mais que escape da espada de Hazael, ele matará Jeú, e quem escapar da espada de Jeú, ele matará Elisha”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

15 E disse-lhe o SENHOR: Vai, volta-te por teu caminho, pelo deserto de Damasco: e chegarás, e ungirás a Hazael por rei da Síria;

Na versão NVI, “Volte pelo caminho por onde veio, e vá para o deserto de Damasco. Chegando lá, unja Hazael como rei da Síria”.

ungirás a Hazael por rei da Síria. 2Reis 8:7-13.

16 E a Jeú, filho de Ninsi, ungirás por rei sobre Israel; e a Eliseu filho de Safate, de Abel-Meolá, ungirás para que seja profeta em lugar de ti.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-17) Quando Elias ouviu isto, cobriu o rosto com seu manto (אדּרת; ver em 2Reis 1:8) e saiu para a entrada da caverna. E eis que ele ouviu a pergunta uma segunda vez: “O que você faz aqui, Elias?” e respondeu com uma repetição de sua reclamação (ver 1Reis 19:9, 1Reis 19:10). – Enquanto a aparição de Deus, não na tempestade, no terremoto e no fogo, mas em um suave sussurro, revelou-lhe o Senhor como um Deus misericordioso e gracioso, sofredor e de grande bondade e verdade (Êxodo 34:6), a resposta à sua queixa mostrou-lhe que Ele não deixou a culpa impune (Êxodo 34:7), já que o Senhor lhe deu a seguinte ordem, 1Reis 19:15. 1Reis 19:15: “Volta em teu caminho para o deserto de Damasco, e unge Hazael rei sobre Arão (ver 2Reis 8:12-13), e Jeú filho de Nimshi rei sobre Israel (ver 2Reis 9:2), e Eliseu filho do profeta Safate em teu lugar” (ver 1Reis 19: 19); e então acrescentou esta promessa, que deve ter acalmado seu zelo, que foi louvável nos sentimentos de onde surgiu, embora tivesse assumido uma forma demasiado apaixonada, e lhe deu coragem para continuar sua obra profética: “E acontecerá que, por mais que escape da espada de Hazael, ele matará Jeú, e quem escapar da espada de Jeú, ele matará Elisha”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

17 E será, que o que escapar da espada, de Hazael, Jeú o matará; e o que escapar da espada de Jeú, Eliseu o matará.

Comentário de Keil e Delitzsch

(13-17) Quando Elias ouviu isto, cobriu o rosto com seu manto (אדּרת; ver em 2Reis 1:8) e saiu para a entrada da caverna. E eis que ele ouviu a pergunta uma segunda vez: “O que você faz aqui, Elias?” e respondeu com uma repetição de sua reclamação (ver 1Reis 19:9, 1Reis 19:10). – Enquanto a aparição de Deus, não na tempestade, no terremoto e no fogo, mas em um suave sussurro, revelou-lhe o Senhor como um Deus misericordioso e gracioso, sofredor e de grande bondade e verdade (Êxodo 34:6), a resposta à sua queixa mostrou-lhe que Ele não deixou a culpa impune (Êxodo 34:7), já que o Senhor lhe deu a seguinte ordem, 1Reis 19:15. 1Reis 19:15: “Volta em teu caminho para o deserto de Damasco, e unge Hazael rei sobre Arão (ver 2Reis 8:12-13), e Jeú filho de Nimshi rei sobre Israel (ver 2Reis 9:2), e Eliseu filho do profeta Safate em teu lugar” (ver 1Reis 19: 19); e então acrescentou esta promessa, que deve ter acalmado seu zelo, que foi louvável nos sentimentos de onde surgiu, embora tivesse assumido uma forma demasiado apaixonada, e lhe deu coragem para continuar sua obra profética: “E acontecerá que, por mais que escape da espada de Hazael, ele matará Jeú, e quem escapar da espada de Jeú, ele matará Elisha”. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

18 E eu farei que restem em Israel sete mil; todos os joelhos que não se encurvaram a Baal, e bocas todas que não o beijaram.

Comentário de Keil e Delitzsch

Mas para que ele pudesse aprender, para sua vergonha, que a causa do Senhor em Israel parecia muito mais desesperada aos seus olhos, que estava enevoada por sua própria insatisfação, do que realmente estava aos olhos do Deus que conhece os Seus pelo número e pelo nome, o Senhor acrescentou: “Restam-me sete mil em Israel, todos os joelhos que não se dobraram diante de Baal, e toda boca que não o beijou”. מדבּרה המּשׂק, no deserto de Damasco (com o loc. com o estado de construção como em Deuteronômio 4:41; Josué 12:1, etc.; compare com Ewald, 216, b.), ou seja o deserto ao sul e leste da cidade de Damasco, que está situada no rio Barady; não por deserto em Damasco (Vulgata, Luth.., etc.); pois embora Elias passasse necessariamente pelo deserto árabe para ir de Horeb para Damasco, era supérfluo dizer-lhe que deveria ir por ali, pois não havia outra estrada. As palavras “volta pelo teu caminho … e ungir Hazael”, etc., não devem ser entendidas como significando que Elias deveria ir imediatamente para Damasco e ungir Hazael lá, mas simplesmente que ele deveria fazer isso em um momento que o Espírito indicaria mais precisamente. De acordo com o que se segue, tudo que Elias realizou imediatamente foi chamar Eliseu para ser seu sucessor; enquanto as outras duas comissões foram cumpridas por Eliseu após a ascensão de Elias ao céu (2Reis 8 e 9). A opinião de que Elias também ungiu Hazael e Jehu imediatamente, mas que esta unção foi mantida em segredo, e foi repetida por Eliseu quando chegou a hora de sua aparição pública, não só tem muito pouca probabilidade em si, mas é diretamente excluída pelo relato da unção de Jehu em 2Reis 9. A unção de Hazael e Jehu é mencionada em primeiro lugar, porque Deus havia escolhido estes dois reis para serem os principais instrumentos de Seus julgamentos sobre a família real e o povo por sua idolatria. Foi somente no caso de Jehu que ocorreu uma verdadeira unção (2Reis 9:6); Hazael foi meramente informado por Eliseu que ele seria rei (2Reis 8:13), e Eliseu foi simplesmente chamado por Elias para o ofício profético por ter o manto deste último atirado sobre ele. Além disso, a passagem messiânica, Isaías 61:1, é a única em que há qualquer alusão à unção de um profeta. Conseqüentemente, משׁח deve ser tomado figurativamente aqui como nos Juízes 9:8, como denotando a consagração divina aos ofícios régio e profético. E assim, novamente, a afirmação de que Eliseu mataria aqueles que escapassem da espada de Jeú não deve ser entendida literalmente. Eliseu matou pela palavra do Senhor, que trouxe juízos sobre os ímpios, como vemos em 2Reis 2:24 (compare com Jeremias 1:10; Jeremias 18:7). Os “sete mil”, que não tinham dobrado o joelho diante de Baal, são um número redondo para o ἐκλογν́ do piedoso, que o Senhor tinha preservado para Si no reino pecaminoso, que era realmente muito grande em si mesmo, por menor que fosse em comparação com toda a nação. O número sete é o selo das obras de Deus, de modo que sete mil é o número do “remanescente segundo a eleição da graça” (Romanos 11:5), que então tinha sido preservado por Deus. Beijar Baal era a forma mais usual de adoração deste ídolo, e consistia não apenas em lançar beijos com a mão (compare com Jó 31:27, e Plin. h. n. 28, 8), mas também em beijar as imagens de Baal, provavelmente nos pés (compare com Cícero em Verr. 4, 43). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Eliseu segue Elias

19 E partindo-se ele dali, achou a Eliseu filho de Safate, que arava com doze juntas diante de si; e ele era um dos doze trabalhadores. E passando Elias por diante dele, lançou sobre ele seu manto.

Comentário de Robert Jamieson

Eliseu, filho de Safate – Muito provavelmente, ele pertencia a uma família que se distinguia pela piedade e por sua oposição à adoração predominante do bezerro.

arando com doze parelhas de bois – indicando que ele era um homem de substância.

Elias o alcançou e lançou a sua capa sobre ele – Esta foi uma investidura no ofício profético. É desse modo que os brâmanes, os sufis persas e outros personagens sacerdotais ou sagrados do oriente são designados – um manto sendo, por algum eminente sacerdote, jogado sobre os ombros. Eliseu provavelmente foi educado nas escolas dos profetas. [Jamieson, aguardando revisão]

20 Então deixando ele os bois, veio correndo após Elias, e disse: Rogo-te que me deixes beijar meu pai e minha mãe, e logo te seguirei. E ele lhe disse: Vai, volta: que te fiz eu?

Comentário de Robert Jamieson

“Vá e volte”, respondeu Elias, “pelo que lhe fiz” – isto é, vá, mas tenha em mente a cerimónia solene que acabei de realizar em ti. Não sou eu, mas Deus, que te chama. Não permita que qualquer afeição terrena o impeça de obedecer ao Seu chamado. [Jamieson, aguardando revisão]

21 E interrompeu de segui-lo, tomou um par de bois, e os matou, e com o arado dos bois cozeu a carne deles, e deu-a ao povo que comessem. Depois se levantou, e foi atrás de Elias, e o servia.

Comentário de Robert Jamieson

apanhou a sua parelha de bois – Tendo preparado apressadamente (2Samuel 24:22) um entretenimento de despedida para sua família e amigos, ele deixou sua terra natal e se ligou a Elias como seu ministro. [Jamieson, aguardando revisão]

<1 Reis 18 1 Reis 20>

Visão geral de 1 e 2Reis

Em 1 e 2Reis, “Salomão, o filho de Davi, conduz Israel à grandeza, porém no fim fracassa abrindo caminho para uma guerra civil e, finalmente, para a destruição da nação e exílio do povo”. Tenha uma visão geral destes livros através de um breve vídeo produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução aos livros dos Reis.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.