Bíblia

1 Coríntios 1

1 Paulo, chamado apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus, e o irmão Sóstenes,

chamado…Encontrado em alguns, não em outros, dos manuscritos mais antigos, possivelmente inserido de Rm 1:1; mas provavelmente será genuína. Traduza, literalmente, “um apóstolo chamado” (Conybeare e Howson).

pela vontade de Deus…não por causa do meu próprio mérito. Assim, o chamado de Paulo como “um apóstolo pela vontade de Deus”, embora constitua a base da autoridade que ele reivindica na Igreja de Corinto (compare Gl 1:1), é uma razão para a humildade de sua parte (1Co 15:8, 10) (Bengel). Ao assumir o ofício ministerial, um homem deve ver que ele não o faz por seu próprio impulso, mas pela vontade de Deus (Jr 23:21); Paulo, se deixado por sua própria vontade, nunca teria sido um apóstolo (Rm 9:16).

Sóstenes…Associado por Paulo a si mesmo na inscrição, seja em modéstia, sendo Sóstenes seu inferior (Crisóstomo), ou para que o nome de um “irmão” digno de nota em Corinto (At 18:17) pudesse dar peso à sua epístola e pudesse mostram, em oposição aos seus detratores, que ele foi apoiado por irmãos líderes. Gálio expulsara os judeus que acusavam Paulo do cargo de juiz. A multidão grega, que não gostava dos judeus, aproveitou a oportunidade de espancar Sóstenes, o governante da sinagoga judaica, enquanto Gálio observava e se recusava a interferir, secretamente satisfeito pela multidão rejeitar seu próprio desprezo pelos judeus. Paulo provavelmente nessa época mostrara simpatia por um adversário em perigo, que se manifestou na conversão do último. Então Crispo também, o antigo chefe da sinagoga havia sido convertido. Saulo, o perseguidor, transformou-se no apóstolo Paulo, e Sóstenes, o líder em perseguição contra aquele apóstolo, foram dois troféus da graça divina que, lado a lado, apelariam com duplo poder à Igreja em Corinto (Birks).

2 À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles, e nosso;

a igreja de Deus…Ele a chama assim apesar de suas muitas manchas. Fanáticos e facciosos pensam em vão em antecipar a separação final do trigo e do joio (Mt 13:27-30). É uma tentação perigosa pensar que não há igreja onde não haja pureza perfeita aparente. Aquele que pensa assim, deve enfim separar-se de todos os outros e julgar-se o único homem santo no mundo, ou estabelecer uma seita peculiar com alguns hipócritas. Foi o suficiente para Paulo reconhecer os coríntios como uma igreja, que ele viu entre eles a doutrina evangélica, o batismo e a Ceia do Senhor” (Calvino). Foi a Igreja de Deus, não deste ou daquele líder favorito (Crisóstomo).

em Corinto…uma igreja na dissoluta Corinto – que paradoxo da graça!

santificados…consagrado, ou separado como santo a Deus em (por união com) Cristo Jesus. No grego não há palavras “para os que são”; traduzir simplesmente “homens santificados”.

chamados santos…aplicado por Paulo a todos os membros professos da Igreja. Como “santificado em Cristo” implica a fonte fontes de santidade, a santificação original do crente em Cristo (1Co 6:11; Hb 10:1014; 1Pe 1:2) nos propósitos de Deus ” Portanto, os “santos chamados” referem-se ao seu chamado atual (Rm 8:30), e no final desse chamado que eles devem ser santos (1Pe 1:15).

com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo…A Epístola é destinada a estes também, assim como aos Coríntios. A verdadeira Igreja Católica (um termo usado pela primeira vez por Inácio (Epístola aos Smyraeans, 8)): não consistindo daqueles que se chamam de Paulo, Cefas, ou qualquer outro líder eminente (1Co 1:12), mas de todos, onde quer que estejam, que clamam a Jesus como seu Salvador em sinceridade (compare 2Tm 2:22). Ainda uma unidade geral de disciplina e doutrina nas várias igrejas está implícita em 1Co 4:17; 1Co 7:17, 11-1614-33, 36. A adoração devida a Deus é aqui atribuída a Jesus (compare Jl 2:32; Mt 4:10; At 9:14).

Senhor deles, e nosso…“em todo lugar que é a casa deles… e também a nossa casa”; isto é adicionado para incluir os cristãos em toda a Acaia, não residindo em Corinto, a capital (2Co 1:1). Paulo sente que a casa de seus convertidos também é sua. Compare uma frase semelhante em Rm 16:13 (Conybeare e Howson). “Nosso” refere-se a Paulo e Sóstenes, e aos Coríntios “em casa (Alford). Beza melhor explica: “Tanto o seu Senhor e nosso Senhor.” Todos os crentes têm um e o mesmo Senhor (1Co 8:6; Ef 4:5); uma reprovação virtual das divisões dos coríntios, como se Cristo estivesse dividido (1Co 1:13).

3 Graça seja convosco, e a paz de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.

paz…peculiarmente necessária na igreja de Corinto, devido às suas dissensões. Neste verso ver em Rm 1:7.

4 Sempre agradeço ao meu Deus por causa de vós, pela graça de Deus, que é dada a vós em Cristo Jesus.

Ele põe as causas de louvor e esperança entre eles em primeiro plano, para não desencorajá-los pela repreensão subsequente e para apelar a seus melhores eus.

Sempre – (compare Fp 1:4).

meu Deus – (Rm 1:8; Fp 1:3).

graçadada a vós – (Compare 1Co 1:7). [JFB]

5 Que em todas as coisas estais enriquecidos nele, em toda palavra, e em todo conhecimento;

palavra…Vocês são ricos em pregadores ou na pregação da palavra, e ricos em conhecimento ou apreensão dela: literalmente “a palavra (pregada).” Versão em Inglês (como em 2Co 8:7) é melhor: para Paulo, propondo agora a insistir no abuso dos dois dons nos quais os coríntios mais se orgulhavam, enunciados (fala) e conhecimento (1Co 1:20; 1Co 3:18; 1Co 4:19; 1Co 13:1-14), anteriormente ganha sua boa vontade parabenizando-os por terem esses dons.

6 Assim como o testemunho de Jesus Cristo foi confirmado entre vós.

Conforme o testemunho de (de e concernente) Cristo (que é tanto o objeto como o autor deste testemunho (Bengel); 1Co 2:1; 1Tm 2:6; 2Tm 1:8) foi confirmado entre (Alford) tu; isto é, por Deus, através da minha pregação e através dos milagres que a acompanham (1Co 12:3; Mc 16:20; 2Co 1:21-22; Gl 3:2, 5; Ef 4:7-8, Hb 2:4). Deus confirmou (compare Fp 1:7; Hb 2:3), ou deu efeito ao Evangelho entre (ou melhor como a versão inglesa, “in”) os coríntios, aceitando-os e fixando seu selo à sua verdade, através do interior poder de Seu Espírito, e os dons exteriores e milagres que o acompanham (Calvino).

7 De maneira que nenhum dom vos falta, enquanto esperais a manifestação do nosso Senhor Jesus Cristo,

nenhum dom vos falta…não que todos tivessem todos os dons, mas diferentes pessoas entre eles tinham dons diferentes (1Co 12:4, etc.).

8 o qual também vos firmará até o fim, irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo.

o qual…Deus, 1Co 1:4 (não Jesus Cristo, 1Co 1:7, caso em que seria “em seu dia”).

irrepreensíveis no dia de nosso Senhor(1Ts 5:23). Depois desse dia não há perigo (Ef 4:30; Fp 1:6). Agora é o nosso dia para trabalhar, e o dia dos nossos inimigos para nos tentar: então será o dia de Cristo, e da Sua glória nos santos (Bengel).

no dia…ou seja, “a vinda de Cristo”.

9 Fiel é Deus, por quem fostes chamados para a comunhão do seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor.

fiel…às suas promessas (Fp 1:6; 1Ts 5:24).

chamados…de acordo com o seu propósito (Rm 8:28).

para a comunhão do seu Filho Jesuspara ser co-herdeiros com Cristo (Rm 8:17-28), como Ele, filhos de Deus e herdeiros da glória (Rm 8:30; 2Ts 2:14; 1Pe 5:10; 1Jo 1:3). Crisóstomo observa que o nome de Cristo é mencionado com mais frequência neste que em qualquer outra epístola, o apóstolo projetando assim para afastá-los de sua admiração partidária de professores particulares a Cristo somente.

10 Mas eu vos rogo, irmãos, pelo nome do nosso Senhor Jesus Cristo, que todos faleis uma mesma coisa, e não haja divisões entre vós; antes estejais juntos com o mesmo entendimento, e com a mesma opinião.

Agora, já possuam conhecimento, expressão e esperança, mantenham também o amor.

irmãos…O próprio título é um argumento para o amor.

pelo nome do nosso Senhor Jesus Cristoa quem Paulo deseja ser tudo em tudo para os coríntios e, portanto, nomeia-o tantas vezes neste capítulo.

que todos faleis uma mesma coisanão falar coisas diferentes como você faz (1Co 1:12), num espírito de divergência.

com o mesmo entendimento…a palavra oposta às “divisões”.

e com a mesma opiniãoa visão tomada pelo entendimento, e a decisão prática chegou a (Conybeare e Howson), quanto ao que deve ser feito. A mente, dentro, refere-se a coisas em que acreditar: o julgamento é exibido externamente em coisas a serem feitas (Bengel). Disposição – opinião (Alford).

11 Porque, meus irmãos, foi-me informado acerca de vós, pelos da casa de Cloé, de que há brigas entre vós.

(1Co 11:18)

pelos da casa de CloéEles parecem ter sido iguais na confiança de Paulo e dos coríntios. Os coríntios “escreviam” ao apóstolo (1Co 7:1), consultando-o a respeito de certos pontos; casamento, o comer das coisas oferecidas aos ídolos, o decoro a ser observado pelas mulheres nas assembleias religiosas. Mas eles não disseram uma sílaba sobre as enormidades e desordens que haviam se infiltrado entre eles. Essa informação chegou a Paul por outros meios. Daí a sua linguagem sobre esses males é, “foi declarado para mim”, etc; “É relatado comumente” (1Co 5:1-2). Tudo isso ele diz antes de se referir à sua carta, o que mostra que o último não lhe deu nenhuma indicação desses males. Observe sua prudência: Ele nomeia a família, para que seja visto que ele fez sua alegação não sem autoridade: ele não nomeia os indivíduos, não para excitar o ódio contra eles. Ele tacitamente insinua que a informação deveria ter vindo diretamente a ele de seus presbíteros, já que eles o haviam consultado sobre assuntos de menor importância.

12 E digo isto, que cada um de vós diz: “Eu sou de Paulo” e “Eu sou de Apolo” e “Eu sou de Cefas” e “Eu sou de Cristo”.

E digo isto…é isso que quero dizer ao dizer “contendas” (1Co 1:11).

que cada um de vós diz…(1Co 1:31; 1Co 3:21-22), um, eu sou de Paulo; outro, eu sou de Apolo, etc. Não que eles formaram partidos definidos, mas eles individualmente traiu o espírito do partido em contendas sob o nome de professores favoritos diferentes. Paulo não se deixa lisojear nem mesmo por aqueles que gritavam seu nome, de modo a conspirar com a desonra assim feita a Cristo. Estes provavelmente foram convertidos sob o seu ministério. Os que alegavam o nome de Apolo, o sucessor de Paulo em Corinto (At 18:24, etc.), eram atraídos por seu estilo retórico (provavelmente adquirido em Alexandria, 1Co 3:6), em contraste com os “fracos corpóreos”. presença ”e“ fala desprezível ”do apóstolo. Apolo, sem dúvida, não promoveu de bom grado esse espírito de preferência indevida (1Co 4:6, 8); ou melhor, para desencorajá-lo, ele não repetiria a sua visita naquele momento (1Co 16:12).

Eu sou de Cefas…provavelmente judaizantes, que se abrigaram sob o nome de Pedro, o apóstolo da circuncisão (“Cefas” é o hebraico, “Pedro” o nome grego; Jo 1:42; Gl 2:11, etc.): os assuntos tratados no sétimo ao nono capítulo foram provavelmente sugeridos como questões de dúvida por eles. A igreja de lá começou na sinagoga judaica, Crispo, o chefe do governo, e Sóstenes, seu sucessor (provavelmente), sendo convertidos. Por isso, alguns fermentos judeus, embora não tanto quanto em outros lugares, são rastreáveis ​​(2Co 11:22). O petrismo depois se espalhou muito mais em Roma. Se é errado se gabar “eu sou de Pedro”, quanto mais para gabar-me do Papa! ”(Bengel).

Eu sou de Cristo…Um pretexto justo usado para desprezar o ministério de Paulo e seus outros mestres (1Co 4:8; 2Co 10:7-11).

13 Cristo está dividido? Paulo foi crucificado por vós? Ou fostes vós batizados no nome de Paulo?

Cristo está dividido?…em várias partes (um sob um líder, outro sob outro) (Alford). A unidade de Seu corpo não deve ser cortada em pedaços, como se todos não pertencessem a Ele, a Cabeça Única.

Paulo foi crucificado por vós? No grego, o interrogatório implica que uma forte resposta negativa é esperada: “Foi Paulo (certamente você não dirá) que foi crucificado para você?” Na primeira questão, a majestade de “Cristo” (o Ungido de Deus). ) implica a impossibilidade de que Ele seja “dividido”. No segundo, a insignificância de Paulo implica a impossibilidade de ele ser o chefe da redenção, “crucificado por” eles e dar seu nome aos remidos. Isto, que é verdade sobre Paulo, o fundador da Igreja de Corinto, é igualmente bom para Cefas e Apolo, que não tinham tal afirmação como Paulo na Igreja de Corinto.

crucificadobatizados…A cruz nos reclama por Cristo, como redimida por Ele; batismo, como dedicado a ele.

no nome…em vez disso, “no nome” (Gl 3:27), implicando a incorporação envolvida na ideia de batismo.

14 Agradeço a Deus que batizei nenhum de vós, a não ser Crispo e Gaio;

Agradeço agora à providência de Deus, que ordenou que eu batizasse a todos, exceto Crispo (o antigo regente da sinagoga, At 18:8) e Caio (escrito pelos romanos Caio, o anfitrião de Paulo em Corinto, e da igreja, Rm 16:23, uma pessoa, portanto, em boas circunstâncias). Batizar era o ofício dos diáconos (At 10:48) e não dos apóstolos, cujo ofício era o de estabelecer e superintender as igrejas em geral. Os diáconos tiveram uma melhor oportunidade de dar o curso necessário de instrução preparatória para o batismo. Crispo e Caio estavam provavelmente entre os primeiros conversos e, portanto, foram batizados pelo próprio Paulo, que fundou a igreja.

15 para que ninguém diga que eu tenha batizado em meu nome.
16 Também batizei aos da casa de Estefanas; além desses, não sei se batizei algum outro.

casa de Estefanas…“As primícias da Acaia”, isto é, entre os primeiros convertidos (1Co 16:1517). É provável que tais “famílias” incluíssem bebês (At 16:33). A história da Igreja favorece essa visão, já que o batismo infantil era o uso desde as primeiras eras.

17 Porque Cristo não me enviou para batizar, mas sim, para evangelizar; não com sabedoria de palavras, para que a cruz de Cristo não se torne inútil.

Paulo diz isso não para depreciar o batismo; porque ele o exalta mais altamente (Rm 6:3). Ele batizou alguns primeiros conversos; e teria batizado mais, mas que a obra peculiar dele e dos apóstolos era pregar o evangelho, fundar por testemunho autóptico igrejas particulares e depois supervisionar as igrejas em geral.

me enviou…literalmente, “como um apóstolo”.

para batizar…mesmo em nome de Cristo, muito menos no meu.

não com sabedoria de palavras…ou fala; o raciocínio filosófico desencadeou-se com a linguagem oratória e o aprendizado secular, sobre o qual os coríntios atribuíram um valor tão indevido (1Co 1:5; 1Co 2:1, 4).

cruz de Cristo…a soma e substância do Evangelho (1Co 1:23; 1Co 2:2), Cristo crucificado.

não se torne inútilliteralmente, “ser anulado” (Rm 4:14); ou seja, pelos homens que pensam mais sobre os raciocínios e a eloquência humanos em que o Evangelho foi estabelecido, do que sobre o próprio Evangelho de Cristo crucificado, o único remédio do pecador, e a mais alta manifestação de amor de Deus.

18 Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para os que se salvam é poder de Deus.

palavra…ou mensagem sobre a cruz; em contraste com a “sabedoria das palavras” (assim chamada) em 1Co 1:17.

os que perecem…isto é, preferindo a “sabedoria das palavras” humana à doutrina da “cruz de Cristo”. Não é o estado final a que se refere; mas “os que estão no caminho de perecer”. Assim também em 2Co 2:15-16.

para os que se salvamou seja, que estão no caminho da salvação, caminho o qual nós pertencemos.

poder de Deus…que inclui nele a sabedoria de Deus (1Co 1:24). O poderoso instrumento de salvação de Deus; a mais alta exposição do poder de Deus (Rm 1:16). O que parece ao mundo “fraqueza” no plano de salvação de Deus (1Co 1:25) e em seu modo de entrega por seu apóstolo (1Co 2:3) é realmente Seu poderoso “poder”, tolice ”porque querer a“ sabedoria das palavras ”do homem (1Co 1:17) é realmente a mais alta“ sabedoria de Deus ”(1Co 1:24).

19 Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a inteligência dos inteligentes.

Destruireiligeiramente alterado a partir da Septuaginta, Is 29:14. O hebraico é: “A sabedoria dos sábios perecerá e o entendimento de seus prudentes será escondido.” Paulo, por inspiração, dá o sentido do Espírito, fazendo de Deus a causa de sua sabedoria perecendo.

20 Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o questionador desta era? Por acaso Deus não tornou a sabedoria deste mundo em loucura?

Onde…em nenhum lugar; porque Deus “não lhes dá valor” (1Co 1:19).

o escriba…judeu (Alford).

questionadorgrego (Alford). Compare o judeu e grego deste mundo em contraste com o sábio piedoso, 1Co 1:22-23. Vitringa pensa que a referência é aos discursos judaicos na sinagoga, {daraschoth}, de uma raiz hebraica “a disputar”. Compare “perguntas”, At 26:3; Tt 3:9. Se assim for, “sábio” refere-se a A sabedoria grega (compare 1Co 1:22) Paulo aplica Is 33:18 aqui em um sentido superior, ali a referência primária era a libertação temporal, aqui a externa, 1Co 1:22, que está em triplicada oposição a 1Co 1:18 lá, sanciona essa aplicação superior, o Senhor no caráter tríplice sendo a única base de glória para o Seu povo.

desta eradeste munto…sim, “dispensação (ou idade) … mundo”; as palavras gregas são distintas. A primeira está aqui nesta era ou na ordem mundana das coisas do ponto de vista moral, em oposição à dispensação ou ordem cristã das coisas. Este último é o mundo visto externamente e cosmicamente.

em loucuramostrou a filosofia do mundo para ser loucura, porque falta fé em Cristo crucificado (Crisóstomo). Tratou isso como loucura e não usou sua ajuda para converter e salvar homens (1Co 1:26-27) (Estius).

21 Pois já que, na sabedoria de Deus, o mundo não conheceu a Deus pela sabedoria, Deus se agradou de salvar os que creem por meio da loucura da pregação.

não conheceu a Deusqualquer outro conhecimento obtido (At 17:23, 27). A teoria deísta que o homem pode, pela luz da natureza, descobrir seu dever para com Deus, é refutada pelo fato de que o homem nunca a descobriu sem revelação. Todas as estrelas e a lua não podem fazer o dia; essa é a prerrogativa do sol. Nem os maiores dons da natureza podem fazer surgir o dia moral; esse é o ofício de Cristo. Mesmo o judeu perdeu esse conhecimento, na medida em que ele seguiu a mera sabedoria do mundo carnal.

Deus se agradouPaulo se refere às palavras de Jesus (Lc 10:21).

salvar os que creem…(Rm 1:16).

por meio da loucura da pregaçãopela pregação que o mundo (incrédulos judeus e gentios) julgam insensatez.

22 Porque os judeus pedem um sinal miraculoso, e os gregos buscam sabedoria.

um sinal…Os manuscritos mais antigos leram “sinais”. O singular foi uma correção posterior de Mt 12:38; Mt 16:1; Jo 2:18 Os sinais pelos quais os judeus ansiavam não eram meros milagres, mas sinais diretos do céu de que Jesus era o Messias (Lc 11:16).

os gregos buscam sabedoria…isto é, uma demonstração filosófica do cristianismo. Considerando que Cristo, em vez de prova demonstrativa, exige fé com base na Sua palavra, e de uma quantidade razoável de provas de que a suposta revelação é a Sua palavra. O cristianismo não começa com a resolução de dificuldades intelectuais, mas com a satisfação do coração que anseia por perdão. Daí não os refinados gregos, mas os judeus teocráticos eram o órgão escolhido para propagar a revelação. Novamente, a Atenas intelectual (At 17:18-21, etc.) recebeu o Evangelho com menos facilidade do que o comercial de Corinto.

23 Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é motivo de ofensa para os Judeus, e loucura para os gregos.

nós…Paulo e Apolo.

Cristo crucificado…O grego não expressa o simples fato de Sua crucificação, mas o caráter permanente adquirido pela transação, pelo qual Ele é agora um Salvador (Gl 3:1) crucificado foi a pedra sobre a qual os judeus tropeçaram (Mt 21:44) . A oposição de judeus e gentios mostra que uma religião aparentemente tão desprezível em sua origem não poderia ter sido bem-sucedida se não fosse divina.

para os gregos...os manuscritos mais antigos diziam “aos gentios”.

24 Porém aos que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo é poder de Deus e sabedoria de Deus.

chamados…(compare 1Co 1:26). A mesma classe que os “nós que somos (sendo) salvos” (1Co 1:18); os eleitos, que obedeceram ao chamado; chamado eficazmente (Rm 8:28, 30).

Cristo…”Crucificado” não é acrescentado aqui, porque quando a ofensa da cruz é superada, “Cristo” é recebido em todas as Suas relações, não somente em Sua cruz, mas em Sua vida e Seu futuro reino.

poder…cumprindo assim todos os requisitos razoáveis ​​dos judeus que buscavam “um sinal”. A cruz (a morte de um escravo), que para os judeus (procurando um Messias temporal) era um “obstáculo”, é realmente “ o poder de Deus ”para a salvação de todos os que creem.

sabedoria de Deus…tão realmente exibindo, e no mais alto grau (se quiserem vê-lo), aquilo que os gregos buscavam – sabedoria (Cl 2:3).

25 Porque a loucura de Deus é mais sábia que os seres humanos; e a fraqueza de Deus é mais forte que os seres humanos.

loucura de Deus…isto é, o plano de salvação de Deus que os homens consideram “loucura”.

fraqueza de Deus…Cristo “crucificado através da fraqueza” (2Co 13:4, a grande pedra de tropeço dos judeus), ainda “vivendo pelo poder de Deus”. Assim Ele aperfeiçoa a força da fraqueza de Seus servos (1Co 2:39).

26 Vede, pois, o vosso chamado, irmãos; pois dentre vós não há muitos sábios em sabedoria humana, nem muitos poderosos, nem muitos da elite.

Vede…sim, a partir da proeminência do verbo grego, “ver” ou “considerar” (imperativo).

vosso chamado…o que Paulo está enfatizando (compare 1Co 1:27-28) é a fraqueza do instrumento que o Senhor empregou para converter o mundo.  “Toda a história da expansão da Igreja é uma vitória progressiva do ignorante sobre o erudito, o humilde sobre o sublime, até que o próprio imperador deitou sua coroa diante da cruz de Cristo” (Olshausen).

sábios em sabedoria humanaa sabedoria deste mundo adquirida pelo estudo humano sem o Espírito. (Contraste Mt 16:17).

27 Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para envergonhar as sábias; e Deus escolheu as fracas deste mundo para envergonhar as fortes.

as coisas loucas…uma frase geral para todas as pessoas e coisas tolas. Até mesmo as coisas (e também as tolas) são escolhidas por Deus para confundir as pessoas (e também aquelas que são sábias). Isto parece-me a força da mudança do neutro para o masculino.

envergonhar…Deus confunde os sábios ao efetuar através de Seus instrumentos, sem sabedoria humana, que os sábios do mundo, com isto, não podem efetuar, a saber, trazer homens para a salvação.

escolheuescolheu…A repetição indica a graciosa deliberação do propósito de Deus (Tg 2:5).

28 E Deus escolheu as coisas desprezíveis deste mundo, e as sem valor, e as que não são, para reduzir a nada as que são;
29 para que ninguém orgulhe de si mesmo diante dele.

orgulhe…Para aqueles que tentam se gloriar (vangloria-se) por causa da grandeza e sabedoria humana, são “confundidos” ou envergonhados (1Co 1:27). A carne, como “a flor do campo”, é bela, mas frágil (Is 40:6).

diante dele…Devemos nos gloriar não diante dEle, mas nEle (Bengel).

30 Mas vós sois dele em Cristo Jesus, o qual, por parte de Deus, tornou-se para nós sabedoria, justiça, santificação, e resgate;

dele – não são de vós mesmos (Ef 2:8), mas dele (Rm 11:36). Dele você é (isto é, tem vida espiritual, uma vez que estava espiritualmente entre as “coisas que não são”. 1Co 1:28).

em Cristo – vivendo união com Ele. Não “na carne” (1Co 1:26, 29).

de Deus – emanando Dele e enviado por Ele.

sabedoria – inatingível pelo modo mundano de buscá-la (1Co 1:19-20; contraste Cl 2:3; Pv 8:1-36; Is 9:6). Por meio dela nos tornamos “sábios para a salvação”, devido à Sua sabedoria em originar e executar o plano, ao passo que outrora éramos “tolos”.

justiça – o fundamento da nossa justificação (Jr 23:5-6; Rm 4:25; 2Co 5:21); enquanto que outrora éramos “fracos” (Rm 5:6). Is 42:21; Is 45:24.

santificação – pelo seu Espírito. A seguir, nossa justiça e santificação serão igualmente perfeitas e inerentes. Ora, a justiça com que somos justificados é perfeita, mas não inerente; aquilo com que somos santificados é inerente, mas não perfeito (Hooker). Agora a santificação é perfeita em princípio, mas não em realização. Estes dois estão unidos no grego como formando essencialmente, mas uma coisa, como distinto da “sabedoria” em elaborar e executar o plano para nós (“abundou em nós em toda a sabedoria”, Ef 1:8), e “redenção” a conclusão final do esquema na libertação do corpo (a posição de “redenção” mostra por último que este sentido limitado é o pretendido aqui). Lc 21:28; Rm 8:23; Ef 1:14; Ef 4:30.

resgate – enquanto que uma vez fomos “desprezados”. [JFB]

31 para que, assim como está escrito: “Aquele que se orgulha, orgulhe-se no Senhor”.

Senhor…(Jr 9:23-24) – em oposição à “carne gloriosa em Sua presença” (1Co 1:29). Em contraste com a auto-humilhação servil e mórbida, Paulo une-se com humildade à elevação da consciência de nossa verdadeira dignidade em Cristo. Aquele que gloria é gloriar-se no Senhor, não na carne nem no mundo.

<Romanos 16 1 Coríntios 2>

Introdução à 1 Coríntios 1

1 Coríntios 1 contém a apresentação da carta, ação de Graças pelo estado espiritual da igreja de Corinto; Repreensão das divisões partidárias: seu próprio método de pregar somente a Cristo.

Leia também uma introdução à Primeira Epístola aos Coríntios.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible e John Gill’s Exposition of the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.