Bíblia

1 Coríntios 1

Aviso Quer estudar a Bíblia e não sabe por onde começar? Conheça o nosso curso: Como Estudar a Bíblia? Ele é gratuito, online e pode ser iniciado agora mesmo! Clique aqui e saiba mais.


1 Paulo, chamado apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus, e o irmão Sóstenes,

chamado apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus – e não por sua própria vontada (veja At 22:17-21).

Sóstenes. É possível que seja o chefe da sinagoga mencionado em At 18:17, convertido desde aquela época. [Dummelow, 1909]

2 À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles, e nosso;

a igreja de Deus…Ele a chama assim apesar de suas muitas manchas. Fanáticos e facciosos pensam em vão em antecipar a separação final do trigo e do joio (Mt 13:27-30). É uma tentação perigosa pensar que não há igreja onde não haja pureza perfeita aparente. Aquele que pensa assim, deve enfim separar-se de todos os outros e julgar-se o único homem santo no mundo, ou estabelecer uma seita peculiar com alguns hipócritas. Foi o suficiente para Paulo reconhecer os coríntios como uma igreja, que ele viu entre eles a doutrina evangélica, o batismo e a Ceia do Senhor” (Calvino). Foi a Igreja de Deus, não deste ou daquele líder favorito (Crisóstomo).

em Corinto…uma igreja na dissoluta Corinto – que paradoxo da graça!

santificados…consagrado, ou separado como santo a Deus em (por união com) Cristo Jesus. No grego não há palavras “para os que são”; traduzir simplesmente “homens santificados”.

chamados santos…aplicado por Paulo a todos os membros professos da Igreja. Como “santificado em Cristo” implica a fonte fontes de santidade, a santificação original do crente em Cristo (1Co 6:11; Hb 10:1014; 1Pe 1:2) nos propósitos de Deus ” Portanto, os “santos chamados” referem-se ao seu chamado atual (Rm 8:30), e no final desse chamado que eles devem ser santos (1Pe 1:15).

com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo…A Epístola é destinada a estes também, assim como aos Coríntios. A verdadeira Igreja Católica (um termo usado pela primeira vez por Inácio (Epístola aos Smyraeans, 8)): não consistindo daqueles que se chamam de Paulo, Cefas, ou qualquer outro líder eminente (1Co 1:12), mas de todos, onde quer que estejam, que clamam a Jesus como seu Salvador em sinceridade (compare 2Tm 2:22). Ainda uma unidade geral de disciplina e doutrina nas várias igrejas está implícita em 1Co 4:17; 1Co 7:17, 11-1614-33, 36. A adoração devida a Deus é aqui atribuída a Jesus (compare Jl 2:32; Mt 4:10; At 9:14).

Senhor deles, e nosso…“em todo lugar que é a casa deles… e também a nossa casa”; isto é adicionado para incluir os cristãos em toda a Acaia, não residindo em Corinto, a capital (2Co 1:1). Paulo sente que a casa de seus convertidos também é sua. Compare uma frase semelhante em Rm 16:13 (Conybeare e Howson). “Nosso” refere-se a Paulo e Sóstenes, e aos Coríntios “em casa (Alford). Beza melhor explica: “Tanto o seu Senhor e nosso Senhor.” Todos os crentes têm um e o mesmo Senhor (1Co 8:6; Ef 4:5); uma reprovação virtual das divisões dos coríntios, como se Cristo estivesse dividido (1Co 1:13).

3 Graça seja convosco, e a paz de Deus nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo.

paz…peculiarmente necessária na igreja de Corinto, devido às suas dissensões. Neste verso ver em Rm 1:7.

4 Sempre agradeço ao meu Deus por causa de vós, pela graça de Deus, que é dada a vós em Cristo Jesus.

Ele põe as causas de louvor e esperança entre eles em primeiro plano, para não desencorajá-los pela repreensão subsequente e para apelar a seus melhores eus.

Sempre – (compare Fp 1:4).

meu Deus – (Rm 1:8; Fp 1:3).

graçadada a vós – (Compare 1Co 1:7). [JFB]

5 Que em todas as coisas estais enriquecidos nele, em toda palavra, e em todo conhecimento;

palavra…Vocês são ricos em pregadores ou na pregação da palavra, e ricos em conhecimento ou apreensão dela: literalmente “a palavra (pregada).” Versão em Inglês (como em 2Co 8:7) é melhor: para Paulo, propondo agora a insistir no abuso dos dois dons nos quais os coríntios mais se orgulhavam, enunciados (fala) e conhecimento (1Co 1:20; 1Co 3:18; 1Co 4:19; 1Co 13:1-14), anteriormente ganha sua boa vontade parabenizando-os por terem esses dons.

6 Assim como o testemunho de Jesus Cristo foi confirmado entre vós.

Conforme o testemunho de (de e concernente) Cristo (que é tanto o objeto como o autor deste testemunho (Bengel); 1Co 2:1; 1Tm 2:6; 2Tm 1:8) foi confirmado entre (Alford) tu; isto é, por Deus, através da minha pregação e através dos milagres que a acompanham (1Co 12:3; Mc 16:20; 2Co 1:21-22; Gl 3:2, 5; Ef 4:7-8, Hb 2:4). Deus confirmou (compare Fp 1:7; Hb 2:3), ou deu efeito ao Evangelho entre (ou melhor como a versão inglesa, “in”) os coríntios, aceitando-os e fixando seu selo à sua verdade, através do interior poder de Seu Espírito, e os dons exteriores e milagres que o acompanham (Calvino).

7 De maneira que nenhum dom vos falta, enquanto esperais a manifestação do nosso Senhor Jesus Cristo,

nenhum dom vos falta…não que todos tivessem todos os dons, mas diferentes pessoas entre eles tinham dons diferentes (1Co 12:4, etc.).

8 o qual também vos firmará até o fim, irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo.

o qual…Deus, 1Co 1:4 (não Jesus Cristo, 1Co 1:7, caso em que seria “em seu dia”).

irrepreensíveis no dia de nosso Senhor(1Ts 5:23). Depois desse dia não há perigo (Ef 4:30; Fp 1:6). Agora é o nosso dia para trabalhar, e o dia dos nossos inimigos para nos tentar: então será o dia de Cristo, e da Sua glória nos santos (Bengel).

no dia…ou seja, “a vinda de Cristo”.

9 Fiel é Deus, por quem fostes chamados para a comunhão do seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor.

fiel…às suas promessas (Fp 1:6; 1Ts 5:24).

chamados…de acordo com o seu propósito (Rm 8:28).

para a comunhão do seu Filho Jesuspara ser co-herdeiros com Cristo (Rm 8:17-28), como Ele, filhos de Deus e herdeiros da glória (Rm 8:30; 2Ts 2:14; 1Pe 5:10; 1Jo 1:3). Crisóstomo observa que o nome de Cristo é mencionado com mais frequência neste que em qualquer outra epístola, o apóstolo projetando assim para afastá-los de sua admiração partidária de professores particulares a Cristo somente.

10 Mas eu vos rogo, irmãos, pelo nome do nosso Senhor Jesus Cristo, que todos faleis uma mesma coisa, e não haja divisões entre vós; antes estejais juntos com o mesmo entendimento, e com o mesmo parecer.

pelo nome do nosso Senhor Jesus Cristo. O Apóstolo apela a eles pelo Santo Nome de Jesus, o qual deve lembrá-los da sua unidade como Seus seguidores, já que todos eles foram batizados nEle.

faleis uma mesma coisa – ou seja, concordem que Cristo é o único líder de vocês. [Dummelow, 1909]

11 Porque, meus irmãos, foi-me informado acerca de vós, pelos da casa de Cloé, de que há brigas entre vós.

Cloé. Não sabemos nada sobre ela, a não ser seu nome. Os “da casa” dela podem ter sido filhos, irmãos ou criados.

brigas. As “divisões” de 1Co 1:10 haviam produzido conflitos provavelmente nas reuniões de adoração. [Dummelow, 1909]

12 Com isso que quero dizer é que cada um de vós afirma: 'Eu sou de Paulo' e 'Eu sou de Apolo' e 'Eu sou de Cefas' e 'Eu sou de Cristo'.

Os cristãos de Corinto estavam divididos em grupos, cada um preferindo e seguindo o exemplo de um mestre (Paulo, Apolo, Cefas, Cristo). Esses grupos ainda não se tinham separado em seitas opostas, mas a existência deles enfraqueceu o sentimento de unidade da Igreja. [Dummelow, 1909]

13 Cristo está dividido? Paulo foi crucificado por vós? Ou fostes vós batizados no nome de Paulo?

Paulo lembra aos coríntios indireta, mas enfaticamente, a crucificação de Cristo por eles e o batismo em Seu nome. Por um tinham sido redimidos do pecado; pelo outro tinham sido dedicados ao serviço de Cristo, e tinham entrado em comunhão com Ele. Como então eles poderiam colocar outros lado a lado com o seu Senhor crucificado? [Dummelow, 1909]

14 Agradeço a Deus por não ter batizado nenhum de vós, a não ser Crispo e Gaio;

Agradeço a Deus. Se Paulo tivesse batizado muitos, alguns poderiam ter dito que ele tinha fundado um partido dentro da igreja em seu próprio nome. Crispo (veja At 18:8), “o chefe da sinagoga”, Gaio, “hospedeiro meu e toda a igreja” (Rm 16:23): a evidente importância e posição destes dois, e que eles tenham sido os primeiros convertidos, pode explicar o fato do Apóstolo incomumente ter os batizado. [Ellicott, 1905]

15 para que ninguém diga que eu tenha batizado em meu nome.

Ou então, “para que ninguém diga que foi batizado em meu nome”. “Porque agora ninguém pode pensar que eu estava procurando começar algo novo, fundando uma ‘Igreja de Paulo'” (VIVA).

16 Também batizei aos da casa de Estéfanas; além desses, não sei se batizei algum outro.

Estéfanas – que agora estava com Paulo (1Co 16:17). Ele tinha sido o primeiro coríntio convertido (1Co 16:15). [Dummelow, 1909]

17 Porque Cristo não me enviou para batizar, mas sim, para evangelizar; não com sabedoria de palavras, para que a cruz de Cristo não se torne inútil.

não me enviou para batizar. O Apóstolo se dedicou, tanto quanto possível, ao trabalho da pregação, e deixou o batismo, em grande parte, nas mãos dos seus companheiros.

não com sabedoria de palavras – ou seja, prestando atenção, não à maneira de apresentar a verdade (com retórica), mas à substância (ou conteúdo) da própria verdade. [Dummelow, 1909]

18 Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para os que se salvam é poder de Deus.

palavra…ou mensagem sobre a cruz; em contraste com a “sabedoria das palavras” (assim chamada) em 1Co 1:17.

os que perecem…isto é, preferindo a “sabedoria das palavras” humana à doutrina da “cruz de Cristo”. Não é o estado final a que se refere; mas “os que estão no caminho de perecer”. Assim também em 2Co 2:15-16.

para os que se salvamou seja, que estão no caminho da salvação, caminho o qual nós pertencemos.

poder de Deus…que inclui nele a sabedoria de Deus (1Co 1:24). O poderoso instrumento de salvação de Deus; a mais alta exposição do poder de Deus (Rm 1:16). O que parece ao mundo “fraqueza” no plano de salvação de Deus (1Co 1:25) e em seu modo de entrega por seu apóstolo (1Co 2:3) é realmente Seu poderoso “poder”, tolice ”porque querer a“ sabedoria das palavras ”do homem (1Co 1:17) é realmente a mais alta“ sabedoria de Deus ”(1Co 1:24).

19 Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, e aniquilarei a inteligência dos inteligentes.

Destruireiligeiramente alterado a partir da Septuaginta, Is 29:14. O hebraico é: “A sabedoria dos sábios perecerá e o entendimento de seus prudentes será escondido.” Paulo, por inspiração, dá o sentido do Espírito, fazendo de Deus a causa de sua sabedoria perecendo.

20 Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o questionador desta era? Por acaso Deus não tornou a sabedoria deste mundo em loucura?

Onde…em nenhum lugar; porque Deus “não lhes dá valor” (1Co 1:19).

o escriba…judeu (Alford).

questionadorgrego (Alford). Compare o judeu e grego deste mundo em contraste com o sábio piedoso, 1Co 1:22-23. Vitringa pensa que a referência é aos discursos judaicos na sinagoga, {daraschoth}, de uma raiz hebraica “a disputar”. Compare “perguntas”, At 26:3; Tt 3:9. Se assim for, “sábio” refere-se a A sabedoria grega (compare 1Co 1:22) Paulo aplica Is 33:18 aqui em um sentido superior, ali a referência primária era a libertação temporal, aqui a externa, 1Co 1:22, que está em triplicada oposição a 1Co 1:18 lá, sanciona essa aplicação superior, o Senhor no caráter tríplice sendo a única base de glória para o Seu povo.

desta eradeste munto…sim, “dispensação (ou idade) … mundo”; as palavras gregas são distintas. A primeira está aqui nesta era ou na ordem mundana das coisas do ponto de vista moral, em oposição à dispensação ou ordem cristã das coisas. Este último é o mundo visto externamente e cosmicamente.

em loucuramostrou a filosofia do mundo para ser loucura, porque falta fé em Cristo crucificado (Crisóstomo). Tratou isso como loucura e não usou sua ajuda para converter e salvar homens (1Co 1:26-27) (Estius).

21 Pois já que, na sabedoria de Deus, o mundo não conheceu a Deus pela sabedoria, Deus se agradou de salvar os que creem por meio da loucura da pregação.

não conheceu a Deusqualquer outro conhecimento obtido (At 17:23, 27). A teoria deísta que o homem pode, pela luz da natureza, descobrir seu dever para com Deus, é refutada pelo fato de que o homem nunca a descobriu sem revelação. Todas as estrelas e a lua não podem fazer o dia; essa é a prerrogativa do sol. Nem os maiores dons da natureza podem fazer surgir o dia moral; esse é o ofício de Cristo. Mesmo o judeu perdeu esse conhecimento, na medida em que ele seguiu a mera sabedoria do mundo carnal.

Deus se agradouPaulo se refere às palavras de Jesus (Lc 10:21).

salvar os que creem…(Rm 1:16).

por meio da loucura da pregaçãopela pregação que o mundo (incrédulos judeus e gentios) julgam insensatez.

22 Porque os judeus pedem um sinal miraculoso, e os gregos buscam sabedoria.

um sinal…Os manuscritos mais antigos leram “sinais”. O singular foi uma correção posterior de Mt 12:38; Mt 16:1; Jo 2:18 Os sinais pelos quais os judeus ansiavam não eram meros milagres, mas sinais diretos do céu de que Jesus era o Messias (Lc 11:16).

os gregos buscam sabedoria…isto é, uma demonstração filosófica do cristianismo. Considerando que Cristo, em vez de prova demonstrativa, exige fé com base na Sua palavra, e de uma quantidade razoável de provas de que a suposta revelação é a Sua palavra. O cristianismo não começa com a resolução de dificuldades intelectuais, mas com a satisfação do coração que anseia por perdão. Daí não os refinados gregos, mas os judeus teocráticos eram o órgão escolhido para propagar a revelação. Novamente, a Atenas intelectual (At 17:18-21, etc.) recebeu o Evangelho com menos facilidade do que o comercial de Corinto.

23 Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é motivo de ofensa para os Judeus, e loucura para os gregos.

nós…Paulo e Apolo.

Cristo crucificado…O grego não expressa o simples fato de Sua crucificação, mas o caráter permanente adquirido pela transação, pelo qual Ele é agora um Salvador (Gl 3:1) crucificado foi a pedra sobre a qual os judeus tropeçaram (Mt 21:44) . A oposição de judeus e gentios mostra que uma religião aparentemente tão desprezível em sua origem não poderia ter sido bem-sucedida se não fosse divina.

para os gregos...os manuscritos mais antigos diziam “aos gentios”.

24 Porém aos que são chamados, tanto judeus como gregos, Cristo é poder de Deus e sabedoria de Deus.

chamados…(compare 1Co 1:26). A mesma classe que os “nós que somos (sendo) salvos” (1Co 1:18); os eleitos, que obedeceram ao chamado; chamado eficazmente (Rm 8:28, 30).

Cristo…”Crucificado” não é acrescentado aqui, porque quando a ofensa da cruz é superada, “Cristo” é recebido em todas as Suas relações, não somente em Sua cruz, mas em Sua vida e Seu futuro reino.

poder…cumprindo assim todos os requisitos razoáveis ​​dos judeus que buscavam “um sinal”. A cruz (a morte de um escravo), que para os judeus (procurando um Messias temporal) era um “obstáculo”, é realmente “ o poder de Deus ”para a salvação de todos os que creem.

sabedoria de Deus…tão realmente exibindo, e no mais alto grau (se quiserem vê-lo), aquilo que os gregos buscavam – sabedoria (Cl 2:3).

25 Porque a loucura de Deus é mais sábia que os seres humanos; e a fraqueza de Deus é mais forte que os seres humanos.

loucura de Deus…isto é, o plano de salvação de Deus que os homens consideram “loucura”.

fraqueza de Deus…Cristo “crucificado através da fraqueza” (2Co 13:4, a grande pedra de tropeço dos judeus), ainda “vivendo pelo poder de Deus”. Assim Ele aperfeiçoa a força da fraqueza de Seus servos (1Co 2:39).

26 Vede, pois, o vosso chamado, irmãos; pois dentre vós não há muitos sábios em sabedoria humana, nem muitos poderosos, nem muitos da elite.

Vede, pois, o vosso chamado, irmãos – ou seja, “pensem no que vocês eram quando foram chamados” (NVI).

27 Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para envergonhar os sábios; e Deus escolheu as fracas deste mundo para envergonhar as fortes.

Os loucos cristãos de Corinto triunfaram sobre toda a aclamada sabedoria dos filósofos; aqueles fracos seguidores de Cristo espalharam a verdade pelo mundo enquanto Corinto e Atenas desmoronavam. [Coffman, 1983]

envergonhar. Deus envergonha os sábios ao realizar através dos Seus instrumentos, sem a sabedoria humana, o que os sábios mundanos, com ela, não podem realizar, ou seja, trazer salvação aos homens.

escolheuescolheu. A repetição indica a graciosa intencionalidade do propósito de Deus (Tg 2:5). [JFU, 1871]

28 E Deus escolheu as coisas desprezíveis deste mundo, e as sem valor, e as que não são, para reduzir a nada as que são;

as coisas desprezíveis deste mundo, e as sem valor. O apóstolo aqui, muito provavelmente, está se referindo aos gentios. Estes eram considerados inferiores e desprezíveis aos olhos dos judeus, não sendo melhores do que os cães (Mt 15:26), repetidamente chamados as coisas que não sãoPor estas mesmas pessoas, convertidas ao cristianismo, Deus esvaziou as pretensões judaicas; e por meio dos próprios gentios ímpios, ele aniquilou toda a nação; de modo que até a própria Jerusalém foi, logo depois disso, pisoteada pelos gentios. [Clarke, 1832]

29 para que ninguém orgulhe de si mesmo diante dele.

para ninguém orgulhe de si mesmo – visto que o chamado de Deus não se dá por causa de qualquer posição ou vantagem terrena. [Dummelow, 1909]

30 Mas vós sois dele em Cristo Jesus, o qual, por parte de Deus, se tornou para nós sabedoria, justiça, santificação, e redenção;

vós sois dele – não são de mesmos vocês (Ef 2:8), mas dEle (Rm 11:36), tendo-se tornado Seus filhos em Cristo.

em Cristo – vivendo unido com Ele. Não “na carne” (1Co 1:26,29).

sabedoria – inatingível pelo modo mundano de buscá-la (1Co 1:19-20; contraste Cl 2:3; Pv 8:1-36; Is 9:6). Por meio dela nos tornamos “sábios para a salvação”, devido à Sua sabedoria em originar e executar o plano, ao passo que outrora éramos “tolos”.

justiça – o fundamento da nossa justificação (Jr 23:5-6; Rm 4:25; 2Co 5:21); enquanto que outrora éramos “fracos” (Rm 5:6). Is 42:21; Is 45:24.

santificação – pelo seu Espírito. A seguir, nossa justiça e santificação serão igualmente perfeitas e inerentes. Ora, a justiça com que somos justificados é perfeita, mas não inerente; aquilo com que somos santificados é inerente, mas não perfeito (Hooker). Agora a santificação é perfeita em princípio, mas não em realização. Estes dois estão unidos no grego como formando essencialmente, mas uma coisa, como distinto da “sabedoria” em elaborar e executar o plano para nós (“abundou em nós em toda a sabedoria”, Ef 1:8), e “redenção” a conclusão final do esquema na libertação do corpo (a posição de “redenção” mostra por último que este sentido limitado é o pretendido aqui). Lc 21:28; Rm 8:23; Ef 1:14; Ef 4:30.

redenção – enquanto que uma vez fomos “desprezados”. [JFB]

31 para que, assim como está escrito: 'Aquele que se orgulha, orgulhe-se no Senhor'.

Aquele que se orgulha, orgulhe-se no Senhor. Toda a obra da salvação é de Deus. Os coríntios, como muitos outros depois, estavam inclinados a tomar parte do crédito para si mesmos. O Apóstolo lembra-lhes a Quem ele pertence. Estas palavras são uma paráfrase de Jr 9:23-24. [Cambridge, 1896]

<Romanos 16 1 Coríntios 2>

Introdução à 1 Coríntios 1

1 Coríntios 1 contém a apresentação da carta, ação de Graças pelo estado espiritual da igreja de Corinto; Repreensão das divisões partidárias: seu próprio método de pregar somente a Cristo.

Visão geral de 1 Coríntios

Na sua Primeira Epístola aos Coríntios, “Paulo mostra aos novos cristãos de Corinto que até os problemas mais complexos da nossa vida podem ser abordados através da lente do evangelho”. Tenha uma visão geral da carta através deste breve vídeo (8 minutos) produzido pelo BibleProject.

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução à Primeira Epístola aos Coríntios.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – junho de 2020.