Atos 6

A instituição dos diáconos

1 Naqueles dias, ao se multiplicar o número de discípulos, houve uma murmuração dos gregos contra os hebreus, de que suas viúvas estavam sendo desprezadas no serviço diário de entrega de comida.

Comentário de David Brown

gregos – judeus de fala grega, não nascidos na Palestina.

hebreus – aqueles judeus nascidos na Palestina que usavam sua língua nativa, e estavam acostumados a menosprezar os “gregos” como uma classe inferior.

estavam sendo desprezadas –  as viúvas estavam sendo “negligenciadas” por aqueles que os apóstolos empregaram, e que eram provavelmente da classe hebraica, pois eram os mais numerosos. A denúncia dos gregos era, com toda a probabilidade, bem fundamentada, embora não podemos suspeitar que os encarregados da distribuição fizessem intencionalmente. “Foi realmente apenas uma emulação de amor, cada parte desejando ter seus próprios pobres atendidos da melhor maneira” (Hermann Olshausen). [JFB]

2 E os doze, chamando à multidão dos discípulos, disseram: Não é bom que nós deixemos a palavra de Deus para servirmos às mesas.

Comentário de David Brown

deixemos a palavra de Deus – ou seja, retirar nosso tempo e atenção da pregação do Evangelho; que, ao que parece, eles consideravam como seu principal dever.

para servirmos às mesas – supervisionar a distribuição dos mantimentos. [JFB]

3 Portanto, irmãos, buscai sete homens dentre vós, de quem haja bom testemunho, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre esta importante tarefa.

Comentário de David Brown

bom testemunho – boa reputação (Atos 10:22; 1Timóteo 3:7).

cheios do Espírito Santo – não cheios de dons miraculosos, o que não teria sido uma qualificação para os deveres requeridos, mas espiritualmente dotados (embora em dois dos escolhidos o poder miraculoso tenha repousado).

e sabedoria – habilidade para assuntos práticos.

aos quais constituamos – porque enquanto a escolha foi entregue ao povo cristão, a designação era responsabilidade dos apóstolos, como governantes espirituais. [JFB]

4 Nós, porém, perseveraremos na oração e no serviço da palavra.

oração – oração pública, juntamente com a grande obra da pregação.

5 E esta palavra foi do agrado diante de toda a multidão, e escolheram a Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, e Filipe, Prócoro, Nicanor, Timão, Pármenas e a Nicolau, o prosélito de Antioquia.

Comentário de David Brown

Como todos os nomes dos escolhidos são gregos, é provável que fossem todos da classe “grega“, o que efetivamente restauraria a confiança entre os cristãos. [JFB]

6 Aos quais se apresentaram diante dos apóstolos; e eles, orando, puseram as mãos sobre eles.

Comentário de David Brown

orando – proclamando que todos os dons fluem do Cabeça da Igreja glorificado.

puseram as mãos sobre eles –  simbolizando a comunicação dos dons aos escolhidos para o diaconato através de canais reconhecidos. [JFB]

7 E a palavra de Deus crescia, e o número dos discípulos se multiplicava muito em Jerusalém; e grande multidão dos sacerdotes obedecia à fé.

Comentário de David Brown

grande multidão dos sacerdotes obedecia à fé – Este foi o triunfo culminante do Evangelho, cuja pacífica prosperidade estava agora no seu auge. Depois que o ensino de Estevão e o seu julgamento deixaram claro que os interesses sacerdotais não suportavam o Evangelho, tais adesões dos sacerdotes tornaram-se realmente raras. [JFB]

Estêvão é denunciado perante o Sinédrio

8 E Estêvão, cheio da graça e poder, fazia milagres e grandes sinais entre o povo.

A narrativa anterior parece ser apenas uma introdução ao que se segue.

9 E levantaram-se alguns da sinagoga, que era chamada sinagoga dos libertos, cireneus, e alexandrinos, e dos que eram da Cilícia, e da Ásia, e discutiam contra Estêvão.

Comentário de David Brown

sinagoga dos libertos – (judeus libertos) cativos romanos alforriados, ou os filhos de tais, expulsos de Roma (como aparece nos escritos de Josefo e Tácito), e agora residindo em Jerusalém.

cireneus – judeus de Cirene, na Líbia, região costeira da África.

da Cilícia – entre os quais pode ter sido Saulo de Tarso (Atos 7:58; Atos 21:39).

e da Ásia – (Veja Atos 16:6). [JFB]

10 E eles não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito com que ele falava.

O que ele disse, e o poder com o qual ele falou, eram igualmente irresistíveis.

11 Então eles subornaram a uns homens, para que dissessem: Nós o ouvimos falando palavras blasfemas contra Moisés e contra Deus.

Comentário de David Brown

palavras blasfemas contra Moisés – sem dúvida referindo-se ao desaparecimento iminente de todo o sistema Mosaico.

e contra Deus – Isto deve se referir à suprema dignidade e autoridade que ele reivindicou para Cristo, como a cabeça daquela nova economia que esta para rapidamente suplantar o antiga (compare Atos 7:56, 59, 60). [JFB]

12 E incitaram ao povo, aos anciãos e aos escribas; e vieram sobre Estêvão, e o detiveram, e o levaram ao supremo conselho.

Comentário de J. R. Lumby

E incitaram ao povo, aos anciãos e aos escribass – dos quais as duas últimas classes já haviam se exasperado contra os apóstolos. E agora que lhes foi dito que se falava contra a glória do Templo, uma pessoa comum prontamente se levantaria, pois o Templo era objeto de grande admiração e orgulho, como podemos ver nas palavras dos discípulos de Cristo (Mateus 24 :1).

e vieram sobre Estêvão. Como os escribas e fariseus sobre Jesus no Templo (Lucas 20:1).

e o detiveram, e o levaram ao supremo conselho. Um prelúdio adequado para seus procedimentos ainda mais violentos depois que a defesa de Estêvão terminou (Atos 7:57). [Lumby, aguardando revisão]

13 E apresentaram falsas testemunhas, que diziam: Este homem não para de falar palavras blasfemas contra este santo lugar, e contra a Lei.

Comentário Schaff

E apresentaram falsas testemunhas. Essas palavras criaram alguma dificuldade. Em que sentido essas testemunhas eram “falsas”? À primeira vista, Estevão parece ter usado em seus argumentos palavras não muito diferentes daquelas que ele foi acusado de proferir. Mas essas testemunhas, talvez citando diante do Sinédrio as próprias palavras usadas pelo eloquente mestre nazareno, as tiraram de seu contexto original, as distorceram e evidentemente o representaram como incessantemente (ον παύεται) atacando o Templo e os santos ritos judaicos, o ergueu, primeiro diante do povo, e depois em linguagem mais cautelosa diante do grande conselho, como um inimigo fanático de tudo o que o devoto israelita considerava santo e divino.

O procedimento desses judeus invejosos e irados que subornaram as falsas testemunhas é curioso e merece atenção especial. Em primeiro lugar, quando quiseram excitar a população contra Estêvão, não tiveram escrúpulos em acusá-lo (Atos 6:11) da mais terrível blasfêmia contra Moisés e até mesmo contra o Deus de Israel. Em segundo lugar. Quando eles chegaram até agora, e eles tinham o povo com eles, e o acusado estava prestes a ser levado perante o tribunal judaico estatal, as testemunhas que eles instruíram modificaram consideravelmente a grave e terrível acusação que eles espalharam entre o povo. A palavra blasfemo (Atos 6:13) desaparece (de acordo com a leitura dos melhores manuscritos). Nada é dito sobre Estevão  criticando o reverenciado legislador ou o Nome Horrível. Sua ofensa foi que ele havia falado contra o Templo e a lei. Em terceiro lugar. Quando cara a cara com o acusado, essas acusações são novamente diluídas em uma simples declaração, como eles se lembraram de Estêvão citando certas palavras conhecidas do Crucificado, que eles interpretaram como uma ameaça contra o Templo e a lei; mas mesmo isso foi suficiente aos olhos do Sinédrio hostil para justificar um julgamento solene de vida ou morte. [Schaff, aguardando revisão]

14 Porque nós o ouvimos dizer que este Jesus Nazareno vai destruir este lugar, e mudar os costumes que Moisés nos entregou.

Comentário de J. R. Lumby

que este Jesus Nazareno vai destruir este lugar. O que o teor da linguagem de Estêvão deve ter sido pode ser reunido em Atos 7:48, “O Altíssimo não habita em templos feitos por mãos”. A tentativa que foi feita para mostrar que a acusação contra Estêvão é meramente uma reprodução daquela feita contra Jesus é vista como fútil quando observamos que no caso de Estêvão as testemunhas nada sabem sobre “o ressurgimento do templo “, e que o próprio Estêvão, não contrariando, mas explicando sua acusação, em sua defesa aponta que sua afirmação teve uma origem muito diferente daquela que deu causa à acusação de Jesus. [Lumby, aguardando revisão]

15 Então todos os que estavam sentados no supremo conselho, observando-o com atenção, viram o rosto dele como de um anjo.

Comentário de David Brown

o rosto dele como de um anjo – um brilho sobrenatural atestando a todos os que contemplavam seu semblante a calma divina do espírito interior de Estêvão. [JFB]

<Atos 5 Atos 7>

Visão geral de Atos

No livro de Atos, “Jesus envia o Espírito Santo para capacitar os discípulos na tarefa de compartilhar as boas novas do Reino nas nações do mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.