Atos 21

1 E quando aconteceu de termos saído deles, e navegado, percorremos diretamente, e viemos a Cós, e no dia seguinte a Rodes, e dali a Pátara.

Comentário de David Brown

nós fomos pegos – “rasgados”.

deles – expressando a dificuldade e a dor da separação.

com um curso reto – correndo diante do vento, como Atos 16:11.

a Cós – Cos, uma ilha ao sul de Mileto, que eles alcançariam em cerca de seis horas, chegando perto do continente.

no dia seguinte a Rodes – outra ilha, cerca de cinquenta milhas a sudeste, de brilhante memória e beleza clássicas.

dali a Pátara – uma cidade no magnífico continente da Lícia, quase a leste de Rodes. Foi a sede do célebre oráculo de Apolo. [JFB, aguardando revisão]

2 E tendo achado um navio que passava para a Fenícia, nós embarcamos nele, e partimos.

Comentário de David Brown

E encontrar um navio – o antigo deles não indo mais longe, provavelmente.

para Phoenica – (Veja em Atos 11:19).

foi para o exterior – Quase se pensaria que isso foi extraído de um diário da viagem, tão explícitos são seus detalhes. [JFB, aguardando revisão]

3 E tendo Chipre à vista, e deixando-a à esquerda, navegamos para a Síria, e viemos a Tiro; porque o navio tinha de deixar ali sua carga.

Comentário de David Brown

quando nós … descobrimos – “avistados”, como a frase é.

Chipre, nós o deixamos na mão esquerda – isto é, dirigimos para sudeste, deixando-o a noroeste.

navegou em “até”

Síria, e viemos a Tiro – a célebre sede do comércio marítimo para o Oriente e o Ocidente. Pode ser alcançado a partir de Patara em cerca de dois dias.

porque o navio tinha de deixar ali sua carga – o que deu ao apóstolo tempo para o que se segue. [JFB, aguardando revisão]

4 E nós ficamos ali por sete dias; e achamos aos discípulos, os quais diziam pelo Espírito a Paulo, que não subisse a Jerusalém.

Comentário de David Brown

achamos aos discípulos – descobrindo os discípulos, implicando alguma busca. Eles esperariam tal coisa, do que está registrado, Atos 11:19. Talvez eles não fossem muitos; ainda havia talentosos entre eles.

que disse a Paulo … que ele não deveria subir a Jerusalém – (Veja em Atos 20:23; veja também em Atos 21:11-14). [JFB, aguardando revisão]

5 E tendo passado ali aqueles dias, nós saímos e seguimos nosso caminho, acompanhando-nos todos com suas mulheres e filhos até fora da cidade; e postos de joelhos na praia, oramos.

Comentário de David Brown

e postos de joelhos na praia, oramos – (Veja em Atos 20:36). Observe aqui que os filhos desses discípulos de Tyria não só foram levados junto com seus pais, mas devem ter se unido neste ato de adoração solene. Veja em Efésios 6:1. [JFB, aguardando revisão]

6 E saudando-nos uns aos outros, subimos ao navio; e eles voltaram para as casas deles.

Comentário de E. H. Plumptre

subimos ao navio. O artigo provavelmente, embora não necessariamente, indica que eles foram no mesmo navio que os trouxe e que, depois de descarregar sua carga em Tiro, estava agora com destino a Cesaréia. [Plumptre, aguardando revisão]

7 E nós, acabada a navegação de Tiro, chegamos a Ptolemaida; e tendo saudado aos irmãos, ficamos com eles por um dia.

Comentário de David Brown

quando terminamos nosso curso – completando a viagem

de Tiro, nós viemos – o que eles fariam no mesmo dia.

para Ptolemais – antigamente chamado Accho (Juízes 1:31), agora St. Jean d´Acre, ou Acre.

e tendo saudado aos irmãos, ficamos… – os discípulos se reuniram provavelmente como em Tiro, na ocasião mencionada (Atos 11:19). [JFB, aguardando revisão]

8 E no dia seguinte, Paulo e nós que estávamos com ele, saindo dali, viemos a Cesareia; e entrando na casa de Filipe, o evangelista (que era um dos sete), nós ficamos com ele.

Comentário de David Brown

E no dia seguinte, Paulo e nós que estávamos com ele – (As palavras “o eram da companhia de Paulo” são omitidas nos melhores manuscritos. Elas provavelmente foram acrescentadas como as palavras de conexão à frente de algumas lições da igreja).

viemos a Cesareia – uma corrida ao longo da costa, para o sul, de uns cinquenta quilômetros.

Filipe, o evangelista – um termo que aparentemente respondia muito ao nosso missionário (Howson), por cujo ministério essa alegria havia sido difundida sobre Samaria e o eunuco etíope havia sido batizado (Atos 8:4-40).

um dos sete diáconos, que havia “comprado para si mesmo um bom grau” (1Timóteo 3:13). Ele e Paul agora se encontram pela primeira vez, cerca de vinte e cinco anos depois disso. [JFB, aguardando revisão]

9 E este tinha quatro filhas, que profetizavam.

Comentário de David Brown

que profetizavam – cumprindo Joel 2:28 (veja Atos 2:18). Isto é mencionado, parece, meramente como uma alta distinção divinamente conferida a um servo tão dedicado do Senhor Jesus, e provavelmente indica o tom elevado da religião em sua família. [JFB, aguardando revisão]

10 E ficando nós ali por muitos dias, desceu da Judeia um profeta, de nome Ágabo;

Comentário de David Brown

demorou muitos – “um bom número”

dias – Encontrando-se a tempo para o Pentecostes em Jerusalém, ele sentiria uma coisa refrescante para o seu espírito manter a comunhão cristã por alguns dias com uma família assim.

veio da Judéia – as notícias da chegada de Paulo se espalharam.

um certo profeta … Ágabo – sem dúvida o mesmo que em Atos 11:28. [JFB, aguardando revisão]

11 E ele, tendo vindo a nós, e tomando a cinta de Paulo, e atando-se os pés e as mãos, disse: Isto diz o Espírito Santo: Assim os judeus em Jerusalém atarão ao homem a quem pertence esta cinta, e o entregarão nas mãos dos gentios.

Comentário de David Brown

Assim os judeus em Jerusalém atarão ao homem a quem pertence esta cinta… – Pois embora os romanos o fizessem, foi por instigação dos judeus (Atos 21:3328:17). Tais métodos dramáticos de anunciar eventos futuros importantes trariam os antigos profetas à lembrança. (Compare com Isaías 20:2, etc .; Jeremias 13:1 e Ezequiel 5:1, etc.). Essa previsão e a de Tiro (Atos 21:4) tinham a intenção de não proibi-lo de ir, mas para testar sua coragem e quando ele resistisse ao teste, para aprofundá-lo e amadurecê-lo. [JFB, aguardando revisão]

12 E nós, tendo ouvido isto, rogamos a ele, tanto nós como os que eram daquele lugar, que ele não subisse a Jerusalém.

Comentário de Phillip Schaff

A previsão de Ágabo, apresentada de maneira tão marcante e impressionante, e possivelmente também, porque detalhava o perigo de forma muito mais precisa do que aparece no texto da narrativa, comoveu até mesmo os destemidos companheiros de Paulo, homens como Lucas; e eles, e Filipe e suas filhas, e outros, uniram suas súplicas ao grande líder para não arriscar uma vida tão preciosa para a causa do Mestre, mas para desistir da viagem.

Comentadores chamam a atenção aqui para o paralelo entre Paulo e o Mestre de Paulo, que teve que ouvir o discípulo Pedro esforçando-se para persuadi-lo a desviar-se do caminho do sofrimento no qual Ele havia entrado. [Schaff, aguardando revisão]

13 Mas Paulo respondeu: O que vós estais fazendo, ao chorarem e afligirem o meu coração? Porque eu estou pronto, não somente para ser atado, mas até mesmo para morrer em Jerusalém, pelo nome do Senhor Jesus.

Comentário de David Brown

Mas Paulo respondeu: O que vós estais fazendo, ao chorarem e afligirem o meu coração – Uma bela união de resoluta masculinidade e ternura feminina, igualmente removida da indiferença e do estoicismo!

Eu estou pronto para não ser apenas ligado – “Se isso é tudo, deixe-o vir.”

mas morrer, etc. – Era bom que ele pudesse acrescentar isso, pois ele também tinha que fazer isso. [JFB, aguardando revisão]

14 E como ele não deixou ser persuadido, nós nos aquietamos, dizendo: Faça-se a vontade do Senhor.

Comentário de Albert Barnes

ele não deixou ser persuadido. Para permanecer. Ele estava decidido a ir.

nós nos aquietamos. Paramos de protestar com ele e instá-lo a ficar.

Faça-se a vontade do Senhor. Eles agora estavam certos de que era a vontade de Deus que ele fosse, e agora estavam prontos para se submeter a essa vontade. Este é um exemplo e uma evidência de verdadeira piedade. Era a expressão de um desejo de que tudo o que Deus julgasse necessário para o avanço de sua causa pudesse ocorrer, mesmo que devesse ser acompanhado de muitas provações. Eles encomendaram seu amigo à proteção de Deus, confiantes de que tudo o que acontecesse seria correto. [Barnes, aguardando revisão]

15 E depois daqueles dias, nós nos arrumamos, e subimos a Jerusalém.

Comentário de David Brown

pegamos nossas carruagens – “nossa bagagem”.

e subimos a Jerusalém – pela quinta vez depois de sua conversão, concluindo assim sua terceira viagem missionária, que provou ser sua última, até o momento registrada; pois embora ele tenha cumprido a quarta e última parte do plano missionário esboçado (Atos 19:21) – “Depois de ter estado em Jerusalém, também devo ver Roma” – foi como “um prisioneiro de Jesus Cristo”. [JFB, aguardando revisão]

16 E foram também conosco alguns dos discípulos de Cesareia, trazendo consigo a um certo Mnáson, cipriota, discípulo antigo, com o qual íamos nos hospedar.

Comentário de David Brown

e trouxe com eles – em vez disso, “nos trouxe”.

um certo Mnáson, cipriota, discípulo antigo… – não um discípulo “idoso”, mas provavelmente “um discípulo de antiga posição”, talvez um dos três mil convertidos no dia de Pentecostes, ou, mais provavelmente ainda, atraído para o próprio Salvador durante a sua vida. Ele tinha vindo, provavelmente, com os outros ciprianos (Atos 11:20), para Antioquia, “pregando o Senhor Jesus aos gregos”, e agora ele aparece estabelecido em Jerusalém. [JFB, aguardando revisão]

17 E quando chegamos a Jerusalém, os irmãos nos receberam com muito boa vontade.

Comentário de David Brown

O apóstolo estava cheio de ansiedade sobre esta visita a Jerusalém, das numerosas insinuações proféticas de perigo que o aguardavam, e tendo motivos para esperar a presença nesta festa dos próprios grupos de cuja ira virulenta ele escapara uma e outra vez com sua vida. . Por isso o encontramos pedindo aos cristãos romanos que lutassem com ele em oração, “pelo amor do Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, para que ele fosse libertado dos que não criam na Judéia”, bem como “Que o seu serviço que ele tinha por Jerusalém (a grande coleção para os pobres santos ali) pudesse ser aceito pelos santos” (Romanos 15:30-31).

os irmãos nos receberam com muito boa vontade – os discípulos em geral, como distintos da recepção oficial registrada em Atos 21:18. [JFB, aguardando revisão]

18 E n o dia seguinte, Paulo entrou conosco a casa de Tiago, e todos os anciãos vieram ali.

Comentário de David Brown

Para “relatar a si mesmo” formalmente ao chefe reconhecido da igreja em Jerusalém, e seus associados no cargo. Veja em Atos 15:13. Se algum dos apóstolos estivesse em Jerusalém naquela ocasião, dificilmente deixaria de ter sido notado. [JFB, aguardando revisão]

19 E tendo os saudado, ele lhes contou em detalhes o que Deus tinha feito entre os gentios por meio do trabalho dele.

Comentário de David Brown

ele declarou particularmente – em detalhes.

o que Deus tinha feito entre os gentios por meio do trabalho dele – como em ocasiões anteriores (Atos 14:27; e veja Romanos 15:15); sem dúvida referindo-se aos esforços insidiosos e sistemáticos do partido judaizante em vários lugares para enfraquecer a Igreja de Cristo em uma seita judaica e seu próprio contra-procedimento. [JFB, aguardando revisão]

20 E eles, ao ouvirem, glorificaram ao Senhor, e lhe disseram: Tu vês, irmão, quantos milhares de judeus há que creem, e todos são zelosos da lei.

Comentário de David Brown

glorificaram ao Senhor… – constrangidos a justificar seu curso, apesar da aparência judaica do cristianismo de Jerusalém. [JFB, aguardando revisão]

21 E foram informados quanto a ti, que a todos os judeus, que estão entre os gentios, que tu ensinas a se afastarem de Moisés, dizendo que não devem circuncidar seus filhos, nem andar segundo os costumes.

Comentário de David Brown

eles são informados … que ensinas a todos os judeus que estão entre os gentios – aqueles que residem em países pagãos.

se afastarem de Moisés… – Essa calúnia dos judeus descrentes encontraria credibilidade entre os fanáticos cristãos pelo judaísmo. [JFB, aguardando revisão]

22 Então o que se fará? Em todo caso ouvirão que tu já chegaste.

Comentário de J. R. Lumby

Então o que se fará? – ou seja, como está o assunto? Uma expressão usada como introdutória à consideração do que é melhor ser feito.

[a multidão precisa se unir] Os textos mais antigos omitem tudo, exceto a palavra aqui traduzida como “necessidades”, dando apenas “eles certamente ouvirão que você veio”, para o resto do versículo. Alguns mantendo o grego do Textus Receptus, traduziram “Uma multidão certamente, etc”. Mas a leitura dos manuscritos mais antigos parece dar o sentido mais natural. A reunião diante da qual Paulo estava falando era composta apenas pelos membros conspícuos do corpo cristão, para ouvir um relatório no dia seguinte à chegada de Paulo. O resto do discurso dirigido ao apóstolo não dá nenhuma indicação de uma multidão a ser reunida, mas recomenda uma política pela qual os judaico-cristãos possam aprender gradualmente em sua próprias visitas ao templo que o Apóstolo contra quem tinham ouvido tais relatos estava lá ele mesmo participando da observância dos costumes mosaicos. [Lumby, aguardando revisão]
23 Portanto faça isto que te dizemos: temos quatro homens que fizeram voto.

Comentário de David Brown

nós temos quatro homens – judeus cristãos, sem dúvida.

que tem um voto – talvez mantido pronto de propósito. [JFB, aguardando revisão]

24 Toma contigo a estes, e purifica-te com eles, e paga os gastos deles, para que rapem a cabeça, e todos saibam que não há nada do que foram informados sobre ti, mas sim, que tu mesmo andas guardando a Lei.

Comentário de David Brown

estar em acusações com eles – isto é, custear os sacrifícios legalmente exigidos deles, junto com os seus próprios, o que foi considerado uma marca da generosidade judaica. [JFB, aguardando revisão]

25 E quanto aos que creem dentre os gentios, nós já escrevemos, julgando que se abstenham do que se abstenham das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e do pecado sexual.

Comentário de David Brown

nós já escrevemos, julgando que se abstenham do que se abstenham das coisas… – Isto mostra que com toda a sua conciliação ao preconceito judaico, a Igreja de Jerusalém foi ensinada a aderir à decisão do famoso concílio realizado ali (Atos 15:19-29). [JFB, aguardando revisão]

26 Então Paulo, tendo tomado consigo a aqueles homens, e purificando-se com eles no dia seguinte, entrou no Templo, anunciando que já estavam cumpridos dos dias da purificação, quando fosse oferecida por eles, cada um sua oferta.

Comentário de J. R. Lumby

Então Paulo, tendo tomado consigo a aqueles homens. Este consentimento de Paulo ao conselho de Tiago e dos anciãos tem sido tomado por alguns como uma contradição das palavras e caráter do Apóstolo como representado em seus próprios escritos. Mas ele testemunhou de si mesmo (1Coríntios 9:19-23) que por causa do Evangelho ele se fez tudo para todos, para os judeus tornando-se como judeu para ganhar os judeus, e para o mesmo fim, para eles que estão sem lei, como ele mesmo sem lei. E esses irmãos da Igreja de Jerusalém, aos quais Paulo se juntou, eram cristãos e, portanto, não se apegavam a observâncias legais como mérito para a salvação, mas como ordenanças de origem divina, e que a educação os havia tornado cuidadosos em observar. O mesmo espírito acionou o apóstolo a manifestar por um ato externo sua gratidão por alguma libertação quando, em uma ocasião anterior, ele fez esse voto para si mesmo sem a sugestão de outros (Atos 18:18). Nos serviços cristãos dos primeiros dias havia muito pouca saída para a expressão pela ação de qualquer emoção religiosa, e não podemos admirar que um povo cuja adoração por muito tempo tenha sido principalmente em observância externa se apegue ainda a tais atos externos, embora eles tivessem crescido para estimá-los como de nenhuma virtude salvadora em si mesmos. Com referência à suposta contradição nas duas imagens de Paulo, conforme dadas por Lucas e por ele mesmo, precisamos apenas comparar sua linguagem sobre os judaizantes na Epístola aos Gálatas com o que ele diz sobre a pregação do Evangelho em Roma por adversários semelhantes, quando escrevia aos filipenses, para ver se o apóstolo, no que dizia e fazia, estava sempre atento às circunstâncias. Aos gálatas, ele fala nos termos mais fortes contra os judaizantes, porque a influência deles foi afastar os cristãos da Galácia do simples Evangelho oferecido por ele em nome de Cristo aos gentios, e fazê-los substituí-lo pela observância da lei. de Moisés como uma porta necessária para o cristianismo. Ele não tem palavras fortes o suficiente para expressar seu horror a tais professores em tal lugar. Mas o mesmo Paulo em Roma, cuja condição de povo pode ser aprendida pela leitura do primeiro capítulo de sua carta àquela Igreja, diz (Filipenses 1:15-18): “Alguns pregam a Cristo até por inveja e contenda, supondo para adicionar aflição aos meus laços. Não obstante de todas as maneiras, seja em pretexto ou em verdade, Cristo é pregado, e nisso eu me alegro, sim, e me regozijarei”. sua própria descrição e o que Lucas nos deixou de sua história. Contradição não é, mas apenas a concessão que se poderia esperar de alguém forte na fé como Paulo era quando ele estava lidando, como ele foi chamado a lidar, com dois classes de homens que nunca poderiam ser levados ao mesmo ponto de vista Observar a lei cerimonial não era necessário para os gentios, portanto, o apóstolo criticou sua observância e se opôs àqueles que a teriam cumprido. A lei cerimonial foi abolida para o judeu também em Cristo, mas tinha uma garantia divina para aqueles que haviam sido treinados nele desde a juventude, portanto, tudo o que o apóstolo aqui desejava era que seu verdadeiro valor fosse estabelecido apenas no exterior. adoração para preencher o lugar que o serviço do templo por muito tempo deve ocupar entre os cristãos de Jerusalém.

no dia seguinte, entrou no Templo. O regulamento era que o nazireu deveria evitar todas as pessoas e coisas que pudessem causar impureza cerimonial, e que isso pudesse ser mais completamente cumprido, os dias finais do voto parecem, neste momento, terem sido passados ​​dentro do recinto do Templo. Isso, é claro, deve ter sido um arranjo posterior a qualquer outro mencionado na instituição do voto (Números 6).

anunciando que já estavam cumpridos dos dias da purificação. Versão Revisada “declarando o cumprimento, etc”. O significado é que Paulo avisou ao próprio dos oficiais do Templo que o cumprimento do voto seria em um determinado momento. Seria necessário que ele fizesse isso, pois caso contrário, eles esperariam que ele guardasse o número total de dias que outros observaram. Depois de sua explicação de que ele era apenas um participante por um tempo do voto de seus companheiros, seria entendido que seus dias de purificação deveriam terminar quando os deles terminassem. .

quando fosse oferecida por eles, cada um sua ofert. Versão Revisada “Até que a oferta foi, &c”. A oferta é melhor, pois significa aquela especial que foi ordenada pela lei. As palavras não fazem parte do aviso de Paulo aos sacerdotes, mas da história de Lucas. O apóstolo fez essas coisas e continuou como nazireu até que todo o cerimonial para todos eles terminou. [Lumby, aguardando revisão]

27 E tendo os sete dias quase quase completados, os judeus da Ásia, vendo-o, tumultuaram a todo o povo, e lançaram as mãos sobre ele para o deterem ,

Comentário de David Brown

da Ásia – com toda a probabilidade aqueles de Éfeso (desde que eles reconheceram Trófimo aparentemente como um cidadão, Atos 21:29), amargurado pela sua derrota (Atos 19:9, etc.). [JFB, aguardando revisão]

28 Clamando: Homens israelitas, ajudai-nos; este é o homem que por todos os lugares ensina a todos contra o nosso povo, e contra a Lei, e contra este lugar; e além disto, ele também pôs gregos dentro do Templo, e contaminou este santo lugar!

Comentário de Phillip Schaff

Clamando: Homens israelitas, ajudai-nos; este é o homem que por todos os lugares ensina a todos contra o nosso povo, e contra a Lei, e contra este lugar. A provocação imediata, sem dúvida, foi o fato de Paulo estar em companhia de alguém conhecido como gentio. Paulo eles odiavam; eles o observaram por vários dias com alguma surpresa como um nazireu constantemente entrando e saindo do segundo pátio, onde estavam situadas as câmaras onde os nazireus realizavam seus votos (Middoth, citado por Howson, Paul, cap, 21), e em onde nenhum gentio sob pena de morte poderia entrar. Depois de alguns dias, eles o viram no pátio externo (o pátio dos gentios), com Trófimo, o efésio: imediatamente concluíram que ele estava levando esse gentio incircunciso consigo para o pátio interno, onde apenas um israelita poderia penetrar. Os homens furiosos imediatamente o agarraram e, agindo por mera suspeita, acusaram-no diretamente de sacrilégio. Mas eles o acusaram, além disso, de ter ensinado a todos os homens em todos os lugares não apenas ‘contra a Lei e o Templo’, que era a antiga acusação feita contra Estêvão e um maior que Estevão, mas de ter ensinado todos os homens ‘contra o povo’. Esta foi realmente a grande acusação que os judeus trouxeram no caso de Paulo e, é claro, foi baseada em sua obra bem conhecida e famosa entre os povos gentios, a quem Paulo ensinou em todos os lugares que eram co-herdeiros de Israel do reino.

e além disto, ele também pôs gregos dentro do Templo, e contaminou este santo lugar. Ou seja, Paulo trouxe Trófimo para aquela parte do templo interdita a estrangeiros, não sendo judeus. O primeiro pátio, chamado de “o pátio dos gentios”, podia ser acessado por todos — tanto judeus como gentios.

O templo de Jerusalém no primeiro século da era cristã foi erguido na antiga área outrora ocupada pela eira de Araúna, mas grandemente ampliada por meio de trabalhosas substruções após a morte do rei Davi. Os templos de Salomão e Zorobabel haviam ficado sucessivamente sobre ela, e agora a parcialmente nova ‘casa de Herodes’ ocupava o mesmo lugar.

O pátio externo era um quadrado; era conhecido nos antigos livros proféticos como o “Tribunal da Casa do Senhor”. Josefo o chama de “Templo Externo”. Nos apócrifos e no Talmud é conhecido como “a Montanha da Casa”. Neste recinto os gentios podem andar. Foi pavimentada com pedras de várias cores, e rodeada por uma colunata coberta de grande magnificência. Sobre o ângulo sudeste deste pátio estava o Pórtico de Salomão por onde Jesus andava (João 10:23). Era neste grande pátio externo que os cambistas mantinham suas mesas de câmbio e onde os animais para sacrifício eram vendidos. Foi aqui, também, que Pedro e João quase um quarto de século antes haviam curado o coxo (Atos 3). Este pátio externo estava conectado com a cidade e o bairro do Monte Sião por meio de uma ponte sobre o vale intermediário.

Perto do canto noroeste deste pátio dos gentios erguia-se aquela série de terraços fechados, comunicando-se uns com os outros por lances de escadas, no cume dos quais estava o santuário. Uma balaustrada de pedra cercava esses recintos mais sagrados. Esta era a parede do meio da partição aludida, Efésios 2:14. O primeiro lance de escada levava a uma plataforma chamada Pátio das Mulheres, assim chamada porque nenhuma mulher de Israel podia penetrar além desse recinto. As câmaras dos nazireus saíam desse terraço ou pátio, que também supostamente continha o tesouro. Foi aqui que se acreditou que Paulo introduziu Trófimo. Acima deste terraço ficavam o Pátio de Israel e o Pátio dos Sacerdotes. Aqui os sacrifícios foram oferecidos. O próprio templo, incluindo o vestíbulo, o Santo Lugar e o Santo dos Santos, erguia-se acima de todos esses terraços elevados, e era abordado por um lance de doze degraus do Pátio dos Sacerdotes. [Schaff, aguardando revisão]

29 (Porque antes eles tinham visto na cidade a Trófimo junto dele, ao qual pensavam que Paulo tinha trazido para dentro do Templo).

Comentário de Phillip Schaff

Trófimo fazia parte do pequeno grupo que acompanhou Paulo de Filipos na Macedônia até Jerusalém. Sendo um efésio, ele seria bem conhecido de vista por muitos dos judeus da Ásia. Não havia desculpa para Paulo ou Trófimo, eles consideraram; a proibição de passar a balaustrada que conduzia aos degraus pelos quais os israelitas subiam ao Pátio das Mulheres e aos aposentos dos nazireus era bem conhecida e, além disso, estava gravada em pilares diante dos olhos de todos os que andavam no pórtico externo dos gentios . Uma dessas inscrições, que deve ter feito parte da balaustrada e do muro baixo em questão, as recentes escavações da Sociedade de Exploração da Palestina trouxeram à luz. O professor Plumptre traduz assim: — ‘NENHUM HOMEM ESTRENGEIRO DEVE ENTRAR DENTRO DA BALUSTRADA E DA CERCA QUE VOLTA DO TEMPLO; SE ALGUÉM FOR LEVADO NO ATO, SAIBA QUE TEM A RESPONSABILIDADE PELA PENA DE MORTE QUE SEGUE. Assim, o templo era realmente considerado como incluindo todos os pátios e edifícios que estavam cercados pelo Pátio dos Gentios. Foi essa desgraça que Trófimo, o Efésio, deveria ter causado a si mesmo. Mas Paulo aos olhos dos judeus rígidos era a pessoa mais culpada, por ter induzido o gentio, como eles imaginavam, a passar a barreira proibida.

O desejo intenso dos judeus em manter todos os seus antigos privilégios e costumes, e seu ódio a toda interferência estrangeira, crescia, devemos lembrar, a cada ano. A condenada Cidade Santa estava cheia de sociedades ferozes de “zelotes” e outras uniões de judeus intolerantes e fanáticos. Quando os eventos relatados neste capítulo estavam ocorrendo, restava pouco mais de dez anos para Jerusalém. Estamos agora falando do que aconteceu em 58-59 d.C. Em 70 d.C., nenhuma pedra de toda esta soberba pilha de edifícios então brilhando com sua riqueza de ouro e mármore permaneceu em outra. [Schaff, aguardando revisão]

30 E toda a cidade se tumultuou, e houve um ajuntamento do povo; e tendo detido a Paulo, trouxeram-no para fora do Templo; e logo as portas foram fechadas.

Comentário de David Brown

a Paulo, trouxeram-no para fora do Templo; e logo as portas foram fechadas – que o assassinato que eles pretendiam perpetrar não poluía aquele lugar sagrado. [JFB, aguardando revisão]

31 E eles, procurando matá-lo, a notícia chegou ao comandante e aos soldados, de que toda Jerusalém estava em confusão.

Comentário de David Brown

a notícia chegou – literalmente, “subiu”, isto é, para a fortaleza de Antônia, onde residia o comandante. Veja em Atos 21:32. Esta parte da narrativa é particularmente gráfica. [JFB, aguardando revisão]

32 O qual, tendo tomado logo consigo soldados e centuriões, correu até eles. E eles, vendo ao comandante e aos soldados, pararam de ferir a Paulo.

Comentário de David Brown

o capitão-chefe – “o chilarch”, ou tribuno da coorte romana, cujo número total era de mil homens. [JFB, aguardando revisão]

33 Então o comandante, tendo se aproximado, prendeu-o, e mandou que ele fosse atado em duas correntes; e perguntou quem ele era, e o que ele tinha feito.

Comentário de J. R. Lumby

Então…prendeu-o. O último verbo implica em uma prisão formal, portanto, a Versão Revisada lhe dá, com razão, o “agarrar”. O comandante não veio com o objetivo de aliviar Paulo, mas para descobrir o que estava acontecendo, e vendo o Apóstolo nas mãos da multidão, ele mesmo o prendeu, para que ele não fosse morto sem uma audiência.

em duas correntes (compare com Atos 12:6). Evidentemente, como aparece a seguir em sua linguagem, considerando-o como um criminoso terrível. O comandante teria pensado pouco em qualquer questão sobre a lei judaica (ver Atos 23:29). [Lumby, aguardando revisão]

34 E na multidão clamavam uns de uma maneira, e outros de outra maneira; mas como ele não podia saber com certeza por causa do tumulto, ele mandou que o levassem para a área fortificada.

Comentário de David Brown

alguns choraram uma coisa – A dificuldade seria assim para declarar seus crimes como para justificar seus procedimentos a um oficial romano.

que o levassem para a área fortificada – talvez “o quartel” ou a parte da fortaleza de Antônia se apropriem dos soldados. O forte foi construído por Herodes em uma rocha alta no canto noroeste da grande área do templo, e ligou para Marco Antônio. [JFB, aguardando revisão]

35 E ele, tendo chegado às escadas, aconteceu que ele foi carregado pelos soldados, por causa da violência da multidão.

Comentário de J. R. Lumby

E ele, tendo chegado às escadas. Este lance de degraus que levavam da área do Templo até a Torre onde os soldados estavam estacionados. As escadas não estavam cobertas, pois Paulo é capaz de se dirigir à multidão enquanto está de pé sobre elas (Atos 21:40).

aconteceu que ele foi carregado pelos soldados, por causa da violência da multidão. A multidão pressionou Paulo com ainda mais fúria porque viram que ele estava agora para ser tirado de suas mãos. Assim, alguns soldados foram obrigados, a fim de mantê-lo seguro, a levantá-lo de seus pés e carregá-lo até ficar fora de alcance, enquanto seus camaradas mantinham o povo afastado dos pés das escadas. [Lumby, aguardando revisão]

36 Porque a multidão do povo o seguia, gritando: Tragam-no para fora!

Comentário de Daniel D. Whedon

Tragam-no para fora. O apóstolo é rejeitado nos mesmos termos ferozes que seu Mestre foi rejeitado pela mesma Jerusalém há mais de vinte anos. (Lucas 28:18; João 19:15). No entanto, no meio desta tempestade selvagem de paixões humanas, um resultado Divino está sendo elaborado. Paulo havia previsto que sua missão era ir a Jerusalém, e depois ver Roma. Ele já esteve em Jerusalém e ainda não viu Roma; mas não, como ele esperava, às suas próprias custas. O braço de ferro do poder romano o levará e, às suas próprias custas, o colocará em Roma; mas com sofrimentos e martírios que o habilitarão a ser modelo para a Igreja, em todos os tempos, de heroísmo por Cristo. [Whedon, aguardando revisão]

37 E Paulo, estando perto de entrar na área fortificada, disse ao comandante: É permitido a mim te falar alguma coisa? E ele disse: Tu sabes grego?

Comentário de Albert Barnes

É permitido a mim te falar alguma coisa? Que eu tenha o privilégio de fazer minha defesa diante de ti; ou de expor o caso com veracidade; a causa da minha acusação; deste tumulto, etc.

Tu sabes grego? Implicando que, se pudesse, poderia ter permissão para falar com ele. A língua grega era então quase universalmente falada, e não é improvável que fosse a língua nativa do capitão-mor. É evidente que ele não era romano de nascimento, pois ele diz (Atos 22:28) que obteve o privilégio da cidadania pagando uma grande soma. A língua que os judeus falavam era o siro-caldeu; e como ele considerou Paulo como um judeu egípcio (Atos 21:38), ele supôs, por essa circunstância também, que ele não era capaz de falar a língua grega. [Barnes, aguardando revisão]

38 Por acaso não és tu aquele egípcio, que antes destes dias tinha levantando uma rebelião, e levou ao deserto quatro mil homens assassinos?

Comentário de David Brown

Por acaso não és tu aquele egípcio… – A forma da pergunta implica que a resposta é estar no negativo, e é uma questão de alguma surpresa: “Tu não és então?” Etc.

Mais um alvoroço, etc. – A narrativa é dada em Josefo [Guerras dos Judeus, 2.8.6; 13.5], embora suas duas alusões e as nossas pareçam se referir a diferentes períodos da rebelião. [JFB, aguardando revisão]

39 Mas Paulo lhe disse: Na verdade eu sou um homem judeu de Tarso, cidade não pouca importância da Cilícia; mas eu te rogo para que tu me permitas falar ao povo.

Comentário de David Brown

“A resposta do apóstolo (observa Humphry) às duas perguntas do capitão romano é tal que mostra imediatamente que ele sabia falar grego com elegância e que tinha direito a um tratamento respeitoso. A palavra traduzida como “cidadão” (ele acrescenta), implicando a posse de direitos civis, é enfática e apropriada; pois Tarso era uma cidade livre, tendo recebido sua liberdade de Marco Antônio 1. Não era “cidade média”, pois gozava do título de metrópole da Cilícia, que, juntamente com outros privilégios, lhe foi conferido por Augusto 2. Estrabão, em seu interessante relato de Tarso 3, diz que superou até mesmo Atenas e Alexandria em seu zelo pela filosofia, diferindo daquelas grandes escolas em um aspecto – que seus alunos eram todos nativos, e que não foi recorrido por estrangeiros. Os nativos, porém, não se contentavam com uma educação em casa, mas iam para o exterior para completar seus estudos, como Paulo (Atos 22:3), e muitas vezes não retornavam. Roma estava cheia deles. Tarso derivou sua civilização, e de fato sua origem, da Grécia, tendo sido cercada, como mostra sua mitologia, por uma colônia Argina”. [Brown, aguardando revisão]

40 E tendo lhe permitido, Paulo pôs-se de pé nas escadas, acenou com a mão ao povo; e tendo havido grande silêncio, falou-lhes em língua hebraica, dizendo:

Comentário de David Brown

pôs-se de pé nas escadas – “Que espetáculo mais nobre que o de Paulo neste momento! Lá estava ele, preso com duas cadeias, pronto para fazer sua defesa ao povo. O comandante romano senta-se, para impor a ordem pela sua presença. Uma população enfurecida olha para ele de baixo. No entanto, em meio a tantos perigos, quão auto-confiante é ele, quão tranquilo! ”[Crisóstomo (ou em seu nome) em Hackett].

tendo havido grande silêncio – as pessoas ficaram impressionadas com a permissão dada pelo comandante e viram-no sentado como ouvinte.

em língua hebraica – o siro-caldéia, língua vernácula dos judeus da Palestina desde o cativeiro. [JFB, aguardando revisão]

<Atos 20 Atos 22>

Visão geral de Atos

No livro de Atos, “Jesus envia o Espírito Santo para capacitar os discípulos na tarefa de compartilhar as boas novas do Reino nas nações do mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.

  1. Appian, Bell. Civ. 5:7
  2. Dio Chrys. Orat. 34:, p. 415
  3. Lib. 14:674