Atos 8

1 E também Saulo consentia na morte dele. E naquele dia foi feita uma grande perseguição contra a igreja que estava em Jerusalém; e todos foram dispersos pelas regiões da Judeia, e de Samaria, exceto os apóstolos.

Comentário Ellicott

exceto os apóstolos. A sequência da história sugere duas razões para a permanência deles. (1) Os Doze tinham aprendido a lição que seu Mestre lhes ensinou, “o contratado foge, porque é contratado” (Jo 10:13), e não abandonariam seu posto. Uma tradição é registrada por Clemente de Alexandria (150-215 d.C) e Eusébio (263-339 d.C), de que o Senhor ordenou que os apóstolos permanecessem doze anos em Jerusalém, para que ninguém dissesse “não ouvimos”, e que depois desse período saíssem ao mundo. (2) A perseguição que começara parece ter sido dirigida especialmente contra aqueles que ensinavam com Estevão, que os “costumes”, sobre os quais os fariseus tanto insistiam, deveriam passar. Os apóstolos ainda não haviam proclamado essa verdade; talvez ainda não tivessem sido conduzidos a ela. Eles eram fiéis como adoradores no Templo, mantinham-se longe de tudo o que era comum e impuro (Atos 10:14), afastados da comunhão com os gentios (Atos 10:28). Eles podem muito bem ter sido protegidos pelo favor e reverência com que a grande parte do povo ainda os olhava e, portanto, foram menos expostos do que os Sete à violência da perseguição. Era provável, dada a natureza do caso, que os discípulos helenísticos, representados por Estevão, sofressem mais do que outros. Foi a partir deles que veio o próximo grande passo na expansão da Igreja no devido tempo. [Ellicott, 1905]

2 E alguns homens devotos levaram juntos a Estêvão para enterrá-lo ,e fizeram grande pranto por causa dele.

Comentário de David Brown

alguns homens devotos – judeus piedosos, provavelmente, impressionados com admiração por Estevão e secretamente inclinados ao cristianismo, mas ainda não declarados abertamente. [JFB]

3 E Saulo tentava destruir a igreja, entrando nas casas, e puxando a homens e mulheres, entregava-os à prisão.

Comentário de David Brown

entrando nas casas – como inquisidor (Bengel).

puxando a homens e mulheres… – Veja as suas próprias confissões depois.(Atos 22:426:9-10; 1Coríntios 15:9; Gálatas 1:13; Filipenses 3:6; 1Timóteo 1:13). [JFB]

4 Os que, pois, estavam dispersos, passavam anunciando a palavra.

Comentário de David Brown

Embora solenemente mandados a fazer isso (Lucas 24:47; Atos 1:8), eles provavelmente teriam ficado em Jerusalém, mas por causa desta vassoura de perseguição que os varreu. Quantas vezes a ira dos inimigos de Cristo tem sido “mais para o avanço do Evangelho” (ver Filipenses 1:12-13). [JFB]

5 E Filipe, tendo descido à cidade de Samaria, pregava-lhes a Cristo.

Comentário Dummelow

Filipe. O diácono e evangelista, não o apóstolo (veja Atos 8:1 e Atos 8:14).

cidade de Samaria – a capital, sem dúvida, chamada Samaria (assim como a região em que estava localizada), e também (desde a época de Herodes, o Grande) Sebaste, em homenagem a Augusto (Sebasto). [Dummelow, 1909]

6 A multidão unânime estava atenta às coisas que Filipe lhe dizia, ouvindo-o e vendo os milagres que estava fazendo.

Ou então, conforme a versão NVT, “Quando as multidões ouviram sua mensagem e viram os sinais que ele realizava, deram total atenção às suas palavras”.

7 Porque os espíritos imundos, clamando em alta voz, saíam de muitos que os tinham; e muitos paralíticos e aleijados foram curados.

clamando em alta voz, saíam de muitos que os tinham – ou seja, “eram expulsos e, aos gritos, deixavam suas vítimas” (NVT).

8 E havia grande alegria naquela cidade.

Por causa da mudança operada pelo Evangelho, bem como as curas que atestavam seu caráter divino.

9 E havia um certo homem, de nome Simão, que antes naquela cidade usava de magia, e fazia o povo de Samaria ficar admirado, dizendo de si mesmo ser alguém grande;

dizendo de si mesmo ser alguém grande – uma espécie de encarnação da divindade.

10 A quem eles todos davam atenção, desde o menor até o maior, diziam: Este é o grande poder de Deus.

Comentário de David Brown

Isso, junto com a rapidez com que o abandonaram e se apegaram a Filipe, mostra o amadurecimento de Samaria para alguma mudança religiosa. [JFB]

11 E davam atenção a ele, porque com suas magias ele há muito tempo tinha lhes causado admiração.

Comentário de J. R. Lumby

E davam atenção a ele. Este é um exemplo daquele gosto pela mudança de expressão que é uma característica tão marcante da Versão Autorizada. A palavra no original é exatamente a mesma do verso anterior.

porque com suas magias ele há muito tempo tinha lhes causado admiração. Seu local de nascimento foi em Samaria, e é mais provável que tenha vivido lá grande parte de sua vida. A tradição (Clement. Hom. ii. 22) faz com que ele tenha sido educado em Alexandria, mas também é dito que ele foi aluno de Dositeus, um professor gnóstico em Samaria, de modo que provavelmente esteve pouco tempo longe de sua país nativo. [Lumby, aguardando revisão]

12 Mas quando creram em Filipe, que lhes anunciava o Evangelho do Reino de Deus, e o nome de Jesus Cristo, eles foram batizados, tanto homens como mulheres.

Comentário de David Brown

foram batizados, tanto homens como mulheres – a descoberta das fraudes de Simão ajudando a ampliar e aprofundar os efeitos da pregação de Filipe. [JFB]

13 E até mesmo Simão creu; e tendo sido batizado, ele continuou com Filipe; e vendo os sinais e maravilhas que eram feitas, ele ficou admirado.

Comentário Dummelow

creu – isto é, ele acreditou na genuinidade dos milagres de Filipe, mas não em Deus com uma fé espiritual e salvadora. [Dummelow, 1909]

14 E os apóstolos que estavam em Jerusalém, ao ouvirem que Samaria tinha recebido a palavra de Deus, enviaram-lhes a Pedro e a João;

Comentário de David Brown

os apóstolosenviaram a Pedro e a João – mostrando que eles consideravam Pedro como não mais do que seus iguais. [JFB]

15 os quais, tendo descido, oraram por eles, para que recebessem ao Espírito Santo.

Comentário Barnes

tendo descido – para Samaria. Jerusalém é geralmente referida como um lugar alto em relação ao restante da região (compare com Mateus 20:18; Jo 7:8.

para que recebessem ao Espírito Santo. A questão principal aqui é: o que significa o Espírito Santo neste contexto? Em Atos 8:20, é chamado “o dom de Deus”. As seguintes observações podem tornar isto claro:

(1) este não poderia ser o dom do Espírito Santo pelo qual “a alma é convertida”, pois eles o tinham quando creram (Atos 8:6). Em todo lugar a conversão do pecador é atribuída à sua influência. Compare com Jo 1:13.

(2) este não poderia ser a influência do Espírito pela qual “a alma é santificada”; pois a santificação é uma obra progressiva, e o que aconteceu foi repentino.

(3) isto foi algo de efeitos perceptíveis; pois Simão viu (Atos 8:18) que acontecia pela imposição de mãos.

(4) as expressões “o dom do Espírito Santo” e “a descida do Espírito Santo” não significavam apenas a influência dEle na conversão de pecadores, mas também aquelas influências “extraordinárias” que acompanharam à primeira pregação do evangelho – o poder de falar em novas línguas (Atos 2), o poder de realizar milagres etc., (Atos 19:6).

(5) isto fica ainda mais claro com o fato de que Simão desejava “adquirir” esse poder, evidentemente para manter sua influência entre o povo como ilusionista e feiticeiro. Simão certamente não desejaria “comprar” as influências de conversão e santificação do Espírito Santo; o que ele queria era o poder de fazer milagres. Estas coisas deixam claro que por dom do Espírito Santo aqui se entende o poder de falar com novas línguas (compare com 1Coríntios 14) e o poder de realizar milagres. [Barnes, 1870]

16 (Porque sobre nenhum deles tinha ainda descido; mas somente tinham sido batizados no nome do Senhor Jesus).

Comentário Ellicott

Porque sobre nenhum deles tinha ainda descido. O mesmo verbo é usado para a concessão do Espírito em Atos 10:44; 11:15 e para o êxtase de Pedro em Atos 10:10. É claramente usado para expressar uma mudança inesperada no estado normal de consciência de uma pessoa, o surgimento súbito de novas capacidades e percepções. [Ellicott, 1905]

17 Então puseram as mãos sobre eles, e receberam o Espírito Santo.

receberam o Espírito Santo – Lucas não registra, mas possivelmente manifestado através do dom de línguas que receberam, e por isso Simão ficou interessado neste “poder” (Atos 8:18).

18 E Simão ao ver que pela imposição das mãos dos apóstolos se dava o Espírito Santo, ofereceu-lhes dinheiro,

ofereceu-lhes dinheiro – Daí vem o termo simonia (Simão), para denotar o comércio de coisas sagradas, principalmente a compra de serviços eclesiásticos.

19 Dizendo: Dai também a mim este poder, que sobre qualquer um em quem eu puser as mãos, receba o Espírito Santo.

A ambição espiritual aqui se mostra a chave para o caráter deste homem miserável.

20 Mas Pedro lhe disse: Teu dinheiro seja contigo para perdição, porque pensaste que o dom de Deus pudesse ser obtido por meio de dinheiro.

Comentário de David Brown

Teu dinheiro seja contigo para perdição – isto é, “Amaldiçoado seja tu e o teu dinheiro contigo”. É a linguagem do horror e indignação mesclados, não muito diferente da repreensão do próprio Pedro por parte do Senhor (Mateus 16:23). [JFB]

21 Tu não tens parte nem porção nesta palavra; porque teu coração não é correto diante de Deus.

Esta é a fidelidade de um ministro de Cristo a alguém que engana a si mesmo de uma maneira terrível.

22 Arrepende-te, pois, desta tua maldade, e ora a Deus, para que talvez este pensamento de teu coração te seja perdoado;

Comentário de David Brown

Arrependa-se… ore… se talvez o pensamento de seu coração possa ser perdoado – esta expressão de dúvida sendo projetada para impressionar-lhe a grandeza de seu pecado e a necessidade de alarme de sua parte. [JFB, aguardando revisão]

23 Porque eu vejo que tu estás em fel amargo, e atado em injustiça.

Comentário de David Brown

em fel amargo, e atado em injustiça – expressando tanto o horror de sua condição quanto o cativeiro em que ele foi mantido. [JFB, aguardando revisão]

24 Mas respondendo Simão, disse: Orai vós por mim ao Senhor, para que nada do que dissestes venha sobre mim.

Comentário de David Brown

Orai vós por mim ao Senhor – Pedro o havia pedido para orar por si mesmo: ele pede àqueles que fazem maravilhas que façam isso por ele; não tendo confiança na oração da fé, mas pensando que aqueles homens possuíam algum interesse peculiar com o céu.

para que nada do que dissestes venha sobre mim – não que o pensamento de seu coração perverso poderia ser perdoado, mas apenas que os males ameaçados poderiam ser desviados dele. Enquanto isso lança grande luz sobre a visão de Peter de seu caso melancólico, isso mostra que o cristianismo, como algo divino, ainda retinha seu domínio sobre ele. (A tradição o representa como um grande heresiarco, mesclando filosofia oriental ou grega com alguns elementos do cristianismo.) [JFB, aguardando revisão]

25 Tendo eles pois dado testemunho e falado a palavra do Senhor, voltaram a Jerusalém, e em muitas aldeias dos samaritanos anunciaram o Evangelho.

Comentário de David Brown

e eles – Pedro e João.

quando eles tinham… pregado – na cidade onde os trabalhos de Filipe haviam sido tão ricamente abençoados.

retornaram … e pregaram … em muitas aldeias dos samaritanos – abraçando a oportunidade de sua jornada de volta a Jerusalém para cumprir a comissão de seu Senhor a toda a região de Samaria (Atos 1:8). [JFB, aguardando revisão]

O eunuco etíope

26 E um anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te, e vai para o sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que é deserto.

Comentário de David Brown

vai para o sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza – Havia tal estrada, através do Monte Hebron, que Filipe poderia tomar sem ir a Jerusalém (como mostra a Palaestina de Von Raumer).

que é deserto – isto é, o caminho; não a própria Gaza, que era a cidade mais ao sul da Palestina, no território dos antigos filisteus. Partir de uma cidade onde suas mãos estavam cheias de obras, tão longe por um caminho desértico, não podia deixar de espantar a fé de Filipe, sobretudo porque ele era mantido na ignorância do objetivo da viagem. Mas como Paulo, ele “não foi desobediente à visão celestial”; e como Abrão, “saiu sem saber para onde ia” (Atos 26:19; Hebreus 11:8). [JFB]

27 E ele levantou-se, e foi, e eis que um homem etíope, eunuco, administrador subordinado a Candace, a rainha dos etíopes, que estava sobre o controle de todos os bens dela, tinha vindo a Jerusalém para adorar;

Comentário de David Brown

um homem da Etiópia – Alto Egito, Meroe.

um eunuco de grande autoridade – os eunucos eram geralmente empregados para escritórios confidenciais no Oriente e, até certo ponto, ainda são.

Candace – o sobrenome das rainhas do Alto Egito, como Faraó, César, etc. (como aparece nos autores clássicos).

tinha vindo a Jerusalém para adorar – isto é, para manter a recente festa de Pentecostes, como um prosélito gentio à fé judaica. (Veja Isaías 56:3-8 e Jo 12:20). [JFB, aguardando revisão]

28 E ele estava voltando, sentado em sua carruagem, e lia ao profeta Isaías.

Comentário de David Brown

E ele estava voltando – Tendo chegado tão longe, ele não só ficou fora dos dias do festival, mas prolongou sua permanência até agora. Diz muito por sua fidelidade e valor para sua amante real que ele tinha essa liberdade. Mas a fé em Jeová e o amor de Sua adoração e palavra, com as quais ele foi imbuído, explica isso suficientemente.

sentado em sua carruagem, e lia ao profeta Isaías – Não contente com os serviços estatutários nos quais ele se juntou, ele seduz o tédio da jornada para casa lendo as Escrituras. Mas isto não é tudo; porque, como Felipe “o ouviu ler o profeta Isaías”, ele deve ter lido em voz alta e não (como é costume ainda no Oriente) para meramente ser audível, mas em uma voz mais alta do que ele teria naturalmente usado apenas seu próprio benefício: evidentemente, portanto, ele estava lendo para seu cocheiro. [JFB, aguardando revisão]

29 E o Espírito disse a Filipe: Aproxima-te, e ajunta-te a esta carruagem.

Comentário de David Brown

o Espírito disse – por uma voz inconfundível interior, como em Atos 10:1916:6-7.

Aproxima-te, e ajunta-te a esta carruagem – Isso revelaria a Filipe o objetivo até então desconhecido de sua jornada, e o encorajaria a esperar algo. [JFB]

30 E Filipe, correndo, ouviu que ele estava lendo ao profeta Isaías, e disse: Tu entendes o que estás lendo?

Comentário de David Brown

Tu entendes o que estás lendo? – Para alguém tão comprometido isso não seria considerado uma pergunta rude, enquanto que a aparência ansiosa do orador, e a própria pergunta, indicaria uma prontidão para fornecer qualquer necessidade de discernimento que possa ser sentida. [JFB]

31 E ele disse: Como eu poderia, se alguém não me ensinar? E pediu a Filipe que subisse e se sentasse com ele.

Comentário de David Brown

Como eu poderia, se alguém não me ensinar? – Bela expressão de humildade e docilidade; o convite a Filipe que imediatamente se seguiu, para “subir e sentar-se com ele”, sendo apenas a expressão natural disso. [JFB]

32 E o lugar da Escritura que ele estava lendo era este: Como ovelha ele foi levado ao matadouro, e como um cordeiro mudo fica diante do que o tosquia, assim também ele não abriu sua boca.

Comentário de E. H. Plumptre

E o lugar da Escritura que ele estava lendo. A palavra “lugar” é aparentemente usada como um equivalente para o Parashah hebraico, ou Haphtarah, que foram tecnicamente usados para as seções da Lei e Profetas respectivamente indicadas para uso como lições nos serviços da sinagoga. Era de uso comum entre os escritores gregos, e foi adotado por Cícero (Ep. ad Att. xiii. 25).

Como ovelha ele foi levado ao matadouro. Podemos nos aventurar, tomando como guia a afirmação em Atos 8:35 de que Filipe “lhe pregou Jesus”, a representar para nós mesmos o método de interpretação que seria dado de cada cláusula. Em 1Pedro 2:23 encontramos os contornos de tal método. A história da Paixão seria contada; a paciência silenciosa do sofredor; sua vida e obra anteriores; as provas que ambos tinham dado de que Ele não era outra coisa senão aquilo que Ele afirmava ser – o Cristo, o Filho de Deus. [Plumptre, aguardando revisão]

33 Em sua humilhação foi tirado seu julgamento; e quem anunciará sua geração? Porque da terra sua vida é tirada.

Comentário de Albert Barnes

Em sua humilhação. Isso varia do hebraico, mas é copiado exatamente da Septuaginta, mostrando que ele estava lendo a Septuaginta. O texto hebraico é: “Ele foi tirado da prisão e do julgamento”. A palavra traduzida como “prisão” denota qualquer tipo de “detenção”, ou mesmo “opressão”. Não significa, como acontece conosco, ser confinado “em” uma prisão ou cadeia, mas pode significar “custódia”, e ser aplicado à detenção ou custódia do Salvador quando suas mãos foram amarradas, e ele foi levado a ser preso. testado. Veja as notas em Mateus 27:2 . Não se sabe por que a Septuaginta traduziu assim a expressão “ele foi tirado da prisão”, etc., por “em sua humilhação”, etc. A palavra “da prisão” pode significar, como foi observado, no entanto, de “opressão “, e isso não difere materialmente de “humilhação”; e nesse sentido a Septuaginta a entendeu. O “significado” da expressão na Septuaginta e nos Atos é claro. Denota isso em seu estado de opressão e calamidade; quando foi destituído de protetores e amigos; quando no estado mais baixo de humilhação e, portanto, mais objeto de piedade, “além disso”, a justiça lhe foi negada; seu julgamento – uma sentença justa – foi retirado ou retido, e ele foi entregue para ser morto. Sua profunda humilhação e estado sem amigos foram “seguidos” por uma condenação injusta e cruel, quando ninguém se apresentaria para defender sua causa. Cada circunstância, portanto, vai aprofundar a visão de seus sofrimentos.

seu julgamento. A justiça, uma sentença justa, lhe foi negada, e ele foi cruelmente condenado.

e quem anunciará sua geração? A palavra “geração” usada aqui denota apropriadamente “posteridade”; então “uma era” da humanidade, compreendendo cerca de 30 anos, enquanto falamos desta e da próxima geração; então denota “os homens” de uma determinada época ou época. Muito várias interpretações foram dadas desta expressão. Lowth traduz: “Seu modo de vida, quem declararia?” referindo-se, como supõe, ao fato de que quando um prisioneiro era condenado e levado à execução, era costume que uma proclamação fosse feita por um pregoeiro com estas palavras: “Quem sabe alguma coisa sobre sua inocência, venha e declare-a “. Esta passagem é tirada da Gemara da Babilônia (Kennicott, conforme citado por Lowth). A mesma Gemara da Babilônia nesta passagem acrescenta: “que antes da morte de Jesus, esta proclamação foi feita 40 dias; mas nenhuma defesa pôde ser encontrada” – uma falsidade manifesta e uma história notavelmente ilustrativa do caráter dos escritos judaicos.

A Gemara foi escrita algum tempo depois de Cristo, talvez não muito longe do ano 180 (Lardner), e é uma coleção de comentários sobre as leis tradicionais dos judeus. Que esse costume existiu é muito provável; mas é certo que tal coisa não foi feita no julgamento do Salvador. A paráfrase de Chaldee traduz a passagem de Isaías: “Ele recolherá nosso cativeiro de enfermidades e vingança; e quem pode declarar que coisas maravilhosas serão feitas por nós em seus dias?” Outros referiram esta questão à sua Divindade, ou à sua “geração” divina; insinuando que ninguém poderia explicar o mistério de sua geração eterna. Mas a palavra nas Escrituras não tem tal significado; e tal sentido não se adequaria à conexão (ver Calvino in loco). Outros o referiram a “sua própria posteridade espiritual”, seus discípulos, sua família; “o número de seus amigos e seguidores que poderiam enumerar?” (Calvino, Beza, etc). Outro sentido que a palavra tem é denotar o “povo” de qualquer idade ou tempo em particular (Mateus 11:16; Mateus 23:36; Lucas 16:8, etc.); e supõe-se que a pergunta aqui significa: “Quem pode descrever o caráter e a maldade da geração em que ele viverá – o enorme crime daquela época, ao matá-lo?” Nesta passagem, veja as notas em Isaías 53:8 . Talvez, depois de tudo o que foi escrito nesta passagem, a ideia simples seja: “Quem o defenderá, declarando quem ele é? Quem aparecerá por ele? Quem o justificará?” significando que todos o abandonariam e que não haveria ninguém para “declarar realmente quem ele era”.

Porque da terra sua vida é tirada. O hebraico é: “Pois ele foi cortado da terra dos viventes”; isto é, ele foi condenado à morte. A expressão usada nos Atos foi tirada da Septuaginta e significa substancialmente o mesmo que o hebraico. [Barnes, aguardando revisão]

34 E respondendo o eunuco a Filipe, disse: Eu te rogo, de quem o profeta diz isto? De si mesmo, ou de alguém outro?

Comentário de David Brown

E respondendo o eunuco a Filipe, disse: Eu te rogo… – O respeito com que ele aqui se dirige a Filipe foi motivado pela sua reverência por alguém a quem ele percebeu ser seu superior nas coisas divinas; a sua própria posição terrena afundou diante disso. [JFB]

35 E Filipe, abrindo sua boca, e começando desta escritura, anunciou-lhe o Evangelho de Jesus.

Comentário de David Brown

E Filipe, abrindo sua boca – (Veja em Mateus 5:2).

anunciou-lhe o Evangelho – mostrando que Ele é o peso glorioso desta maravilhosa profecia, e interpretando-a à luz dos fatos de Sua história. [JFB]

36 E enquanto eles iam caminhando, chegaram a uma certa porção de água; e o eunuco disse: Eis aqui água; o que me impede de ser batizado?

Comentário de David Brown

Eis aqui água – mais simplesmente: “Eis a água!” Como se já sua mente estivesse cheia de luz e sua alma libertada, ele estava ansiosamente procurando pela primeira água em que pudesse selar sua recepção da verdade e ser inscrita entre os discípulos visíveis do Senhor Jesus.

o que me impede de ser batizado? – Filipe provavelmente lhe dissera que esse era o sinal ordenado e o selo do discipulado, mas a pergunta do eunuco era provavelmente a primeira proposta de sua aplicação neste caso. (Atos 8:37 está faltando nos principais manuscritos e nas versões mais veneráveis ​​do Novo Testamento. Parece ter sido acrescentado dos formulários para o batismo que entraram em uso corrente). [JFB, aguardando revisão]

37 E Filipe disse: Se tu crês de todo coração, então é lícito; E respondendo ele, disse: Creio que Jesus Cristo é o Filho de Deus.

Comentário de Albert Barnes

E Filipe disse.. Isto foi declarado por Filipe como a qualificação adequada para fazer uma profissão de religião. Os termos são: (1) “Fé”, isto é, uma recepção de Jesus como Salvador; cedendo a mente às influências apropriadas das verdades da redenção. Veja as notas em Marcos 16:16. (2) é necessário não apenas o assentimento do entendimento, mas uma entrega do “coração, da vontade, das afeições”, à verdade do evangelho. Como essas eram as qualificações adequadas na época, elas são agora. Nada menos é necessário; e nada além disso pode constituir uma qualificação adequada para a Ceia do Senhor.

Creio… Esta profissão é mais do que uma crença professada de que Jesus era “o Messias”. O nome “Cristo” implica isso. “Creio que Jesus, o Messias, é o Filho de Deus”. Ele professou sua crença de que era o “Filho de Deus” – mostrando que antes havia suposto que o Messias “seria” o Filho de Deus, ou que Filipe o havia instruído sobre esse ponto. Era natural que Filipe, ao discorrer sobre a humilhação e pobreza de Jesus, acrescentasse também que ele sustentava uma posição mais elevada do que um homem e era o Filho de Deus. Que ideias precisas o eunuco atribuiu a essa expressão não podem ser determinadas agora. Este versículo está faltando em um grande número de manuscritos (Mill), e foi rejeitado por muitos importantes críticos. Também é omitido nas versões siríaca e etíope. Não é fácil conceber por que foi omitido em quase todos os manuscritos gregos, a menos que seja espúrio. Se não estava na cópia original dos Atos, provavelmente foi inserido por algum transcritor antigo e foi considerado tão importante para a conexão, para mostrar que o eunuco não foi admitido às pressas ao batismo, que foi posteriormente retido. Ele contém, no entanto, uma verdade importante, abundantemente ensinada em outros lugares nas Escrituras, que a “fé” é necessária para uma profissão de religião adequada. [Barnes, aguardando revisão]

38 E ele mandou parar a carruagem; e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco; e ele o batizou.

Comentário de Albert Barnes

e desceram ambos à água. Esta passagem tem sido objeto de muita discussão sobre o assunto do batismo. Foi aduzida como prova da necessidade de imersão. Não se propõe aqui entrar nesse assunto. Pode-se observar aqui que a preposição εἰς eis, traduzida como “para”, não significa necessariamente que eles foram “para” a água. Seu significado seria também expresso por “para” ou “até”, ou como deveríamos dizer, “eles foram “para” a água”, sem significar determinar se eles “entraram” nela ou não. Dos “vinte e seis” significados que Schleusner deu à palavra, este é um, e um que ocorre com frequência: João 11:38: “Jesus, portanto, gemendo em si mesmo, vem a εἰς eis a sepultura” – certamente não ” para” a sepultura; Lucas 11:49, “eu lhes envio profetas”, grego, “eu envio a εἰς eis eles profetas” – “para” eles, não “para” eles, compare Romanos 2:4, 1Coríntios 14:36; Mateus 12:41, “Eles se arrependeram em εἰς eis a pregação de Jonas” – não em sua pregação; João 4:5 , “Então ele vem” para” εἰς eis uma cidade de Samaria”, isto é, “perto dela”, pois o contexto mostra que ele ainda não havia entrado “nela”, compare Atos 7:6 , Atos 7:8; João 21:4, “Jesus estava “em” εἰς eis a costa”, isto é, não “dentro”, mas “perto” da costa. Essas passagens mostram:

(1) Que a palavra não significa necessariamente que eles entraram “na” água. Mas,

(2) Se o fez, não se segue necessariamente que o eunuco foi imerso. Pode haver várias maneiras de batizar, mesmo depois de estarem “na” água, além de imersão. Aspersão ou derramamento podem ser realizadas lá, bem como em outros lugares. O ato de batismo mais solene que eu já vi realizado foi, quando eu era menino, no rio às margens do qual nasci, onde o ministro e o candidato entraram ambos “no” Myer, e, quando perto do meio do rio, o candidato ajoelhou-se na água, e o ministro com uma tigela “derramou” água na cabeça. No entanto, se o fato tivesse sido declarado, em referência a este caso, que “os dois desceram “na” água e saíram da água”, e daí se inferiu que o homem estava “imerso”, teria sido totalmente uma inferência falsa. Não ocorreu tal imersão, e não há, a partir da narrativa aqui, mais evidências de que tenha ocorrido no caso do eunuco. Veja βαπτίζω baptizō.

(3) cabe àqueles que sustentam que “imersão” é o único modo válido de batismo provar que esta passagem não pode significar outra coisa e que não havia outro modo praticado pelos apóstolos.

(4) ainda caberia mostrar que, se este fosse o modo comum e mesmo o único, então, em clima quente, é indispensável que esse modo seja praticado em todos os outros lugares. Nenhum comando positivo desse tipo pode ser aduzido. E segue-se, portanto, que não se pode provar que a imersão é o único modo legítimo de batismo. [Barnes, aguardando revisão]

39 E quando eles subiram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e o eunuco não mais o viu, porque ele foi em seu caminho com alegria.

Comentário de David Brown

o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe – Negar [como Meyer, Olshausen, Bloomfield] a natureza miraculosa do desaparecimento de Filipe é vã. Destaca-se na face das palavras, como apenas uma repetição do que lemos sobre os antigos profetas, em 1Reis 18:12; 2Reis 2:16. E a mesma palavra (como observa Bengel) é empregada para expressar uma ideia semelhante em 2Coríntios 12:2,4; 1Tessalonicenses 4:17.

o eunuco não o viu mais – nem, talvez, por muita alegria, se preocupou em vê-lo (Bengel).

porque ele foi em seu caminho com alegria – Ele encontrou a Cristo e a chave das Escrituras; sua alma foi libertada e seu discipulado selado; ele perdeu seu professor, mas ganhou o que era infinitamente melhor: sentia-se um homem novo e “sua alegria estava cheia”. A tradição diz que ele foi o primeiro pregador do Evangelho na Etiópia; e como, de fato, ele poderia escolher mas “dizer o que o Senhor tinha feito por sua alma?” Ainda assim, não há certeza quanto a qualquer conexão histórica entre seus esforços e a introdução do cristianismo naquele país. [JFB, aguardando revisão]

40 Mas Filipe se achou em Azoto; e passando, anunciava ao Evangelho em todas as cidades, até que veio a Cesareia

Comentário de David Brown

Mas Filipe se achou – isto é, “encontrou-se”, “fez sua aparição”: uma expressão confirmando a maneira milagrosa de seu transporte.

em Azoto – a antiga Ashdod.

pregou em todas as cidades – ao longo da costa, prosseguindo para o norte.

até que veio a Cesareia – cinquenta e cinco quilômetros a noroeste de Jerusalém, no Mediterrâneo, ao sul do monte Carmelo; e assim chamado por Herodes, que a reconstruiu, em honra de César Augusto. De agora em diante, perdemos de vista o zeloso e honrado Filipe, pois à tardinha perderemos a visão de Pedro. Conforme a carruagem do Evangelho continua, outros agentes são levantados, cada um adequado para o seu trabalho. Mas “o que semeia e o que ceia alegrar-se-ão juntos” (ver em Jo 4:31-38). [JFB, aguardando revisão]

<Atos 7 Atos 9>

Visão geral de Atos

No livro de Atos, “Jesus envia o Espírito Santo para capacitar os discípulos na tarefa de compartilhar as boas novas do Reino nas nações do mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste livro através de um breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (8 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.