Bíblia, Revisar

Atos 9

Conversão de Saulo e início de seu ministério

1 E Saulo, ainda assoprando ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, foi ao chefe dos sacerdotes.

O enfático “ainda” destina-se a notar o fato notável, que até o momento sua ira cega contra os discípulos do Senhor ardia tão ferozmente quanto sempre. (Nebrandos e Olshausen imaginam-no profundamente impressionado com a fé alegre de Estêvão, lembrando passagens do Velho Testamento confirmatórias do Messias de Jesus, e experimentando uma luta tão violenta que prepararia interiormente o caminho para os desígnios de Jesus. Deus para com ele. Não é antipatia, se não inconsciente descrença, de súbita conversão no fundo disto?) A palavra “matança” aqui aponta para crueldades ainda não registradas, mas as particularidades das quais são fornecidas por ele quase trinta anos depois: “E assim perseguei até a morte” (At 22:4); “E quando foram mortos, dei minha voz [voto] contra eles. E eu os castiguei frequentemente em todas as sinagogas e os obriguei a fazer [o melhor que podia para fazê-los] blasfemar; e sendo extremamente louco contra eles, eu os persegui até cidades estranhas [estrangeiras] ”(At 26:10-11). Tudo isso foi antes de sua jornada atual.

2 E pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, para que se achasse alguns deste caminho, tanto homens como mulheres, ele os trouxesse presos a Jerusalém.

cartas – de autorização.

para Damasco – a capital da Síria e a grande estrada entre o leste e o oeste da Ásia, cerca de cento e trinta quilômetros a nordeste de Jerusalém; a cidade mais antiga talvez no mundo, e situada no centro de um paraíso verdejante e inesgotável. Abundou (como aparece em Josefo, Guerras dos Judeus, 2.20, 2) com os judeus, e com os prosélitos gentios da fé judaica. Lá o Evangelho havia penetrado; e Saul, corado com sucessos passados, compromete-se a acabar com isso.

para que se achasse alguns deste caminho, tanto homens como mulheres – três vezes mulheres são especificadas como objetos de sua crueldade, como uma característica agravada disso (At 8:322:4; e aqui).

3 E indo, aconteceu que chegando perto de Damasco, repentinamente brilhou ao redor dele uma luz do céu.

chegando perto de Damasco – assim At 22:6. A tradição aponta para uma ponte perto da cidade como o local mencionado. Os eventos que são os pontos de virada na história de alguém, imprimem-se na memória de que as circunstâncias mais insignificantes em si mesmos adquirem, por conexão com eles, algo de sua importância, e são lembrados com inexprimível interesse.

repentinamente – a que hora do dia, não é dito; pois a simplicidade ingênua reina aqui. Mas ele próprio afirma enfaticamente, em uma de suas narrativas, que era “ao meio-dia” (At 22:6) e, no outro, “ao meio dia” (At 26:13), quando não poderia haver engano.

lá brilhou ao redor dele uma luz do céu – “uma grande luz (ele mesmo diz) acima do brilho do sol”, então brilhando em sua força total.

4 E caindo em terra, ouviu ma voz lhe dizendo: Saulo, Saulo, por que me persegues?

ele caiu na terra – e seus companheiros com ele (At 26:14), que “viram a luz” (At 22:9).

e ouviu uma voz dizendo-lhe – “na língua hebraica” (At 26:14).

Saulo, Saulo – uma reduplicação cheia de ternura (De Wette). Embora seu nome tenha sido logo transformado em “Paulo”, nós o encontramos, em suas próprias narrativas da cena, após o lapso de tantos anos, mantendo a forma original, como não ousando alterar, nos mínimos detalhes, a avassaladora influência. palavras dirigidas a ele.

por que me persegues? – Nenhuma linguagem pode expressar o caráter afetivo desta questão, endereçada da mão direita da Majestade em alta para um mortal perseguido e furioso. (Veja Mt 25:45 e toda a cena do julgamento).

5 E ele disse: Quem és, Senhor? E ele disse: Eu sou Jesus, a quem tu persegues.

Quem és, Senhor? – “Jesus conheceu Saul antes que Saul conhecesse Jesus” (Bengel). O termo “Senhor” aqui é um termo indefinido de respeito por algum falante desconhecido, mas augusto. Que Saul viu e ouviu este glorioso Orador, é expressamente dito por Ananias (At 9:1722:14), por Barnabé (At 9:27), e por si mesmo (At 26:16); e ao reivindicar o apostolado, ele declara explicitamente que havia “visto o Senhor” (1Co 9:115:8), que pode se referir apenas a essa cena.

Eu sou Jesus, a quem tu persegues – O “eu” e “tu” aqui são comoventemente enfáticos no original; enquanto o termo “JESUS” é propositadamente escolhido, para transmitir-lhe a informação emocionante que o odiado nome que ele procurou para caçar – “o Nazareno”, como está em At 22:8 – estava agora falando com ele dos céus “Coroado de glória e honra” (veja At 26:9).

É difícil para você chutar contra as picadas – A metáfora de um boi, apenas empurrando o aguilhão mais fundo chutando contra ele, é um clássico, e aqui expressa à força, não apenas a vaidade de todas as suas medidas para esmagar o Evangelho, mas a ferida mais profunda que todo esforço desse tipo infligiu a si mesmo.

6 mas levanta-te, e entra na cidade; e ali te será dito o que deves fazer.

E ele, tremendo e atônito, disse: Senhor, que queres que eu faça? E o Senhor disse – (Os manuscritos e versões mais antigos do Novo Testamento carecem de todas essas palavras aqui [incluindo a última sentença de At 9:5]; mas eles ocorrem em At 26:14 e At 22:10, do qual eles parece ter sido inserido aqui). A pergunta: “O que farei, Senhor?” Ou “Senhor, que queres que eu faça?” Indica um estado de espírito singularmente interessante (ver em At 2:37). Seus elementos parecem ser estes: (1) Convicção inabalável de que “Jesus a quem ele perseguiu”, agora falando a ele, era “Cristo, o Senhor”. (Veja Gl 1:15-16). (2) Como consequência disso, que não apenas todos os seus pontos de vista religiosos, mas todo o seu caráter religioso, tinham sido um erro total; que ele estava até aquele momento fundamental e totalmente errado. (3) Embora todo o seu futuro fosse agora um espaço em branco, ele tinha absoluta confiança Nele, que o prendera tão carinhosamente em sua carreira cega, e estava pronto tanto para receber todos os Seus ensinamentos quanto para cumprir todas as Suas orientações. (Para mais, veja em At 9:9).

Levanta-te e entra na cidade, e te será dito, etc. – Veja em At 8:26-28.

7 E os homens que viajavam com ele pararam emudecidos, ouvindo, de fato, a voz, porém não vendo ninguém.

emudecidos – Isso pode significar apenas que eles permaneceram assim; mas se a postura de pé for intencional, temos apenas que supor que, embora a princípio todos “caíssem sobre a terra” (At 26:14), eles surgiram por vontade própria enquanto Saul ainda se prostrava.

ouvir um – um pouco “o”

voz – o próprio Paulo diz: “não ouviram a voz daquele que falava comigo” (At 22:9). Mas assim como “o povo que estava ao lado ouviu” a voz que saudou nosso Senhor com palavras registradas de consolo e segurança, e ainda não ouviu as palavras articuladas, mas pensou “trovejou” ou que algum “anjo lhe falou” (Jo 12:28-29) – assim estes homens ouviram a voz que falou a Saul, mas não ouviram as palavras articuladas. Discrepâncias aparentes como essas, nas diferentes narrativas da mesma cena em um mesmo livro de Atos, fornecem a mais forte confirmação tanto dos fatos em si quanto do livro que os registra.

8 E Saulo se levantou da terra e, tendo aberto seus olhos, não via ninguém; e sendo guiado pela mão, levaram-no a Damasco.

tendo aberto seus olhos, não via ninguém – depois de contemplar o Senhor, visto que ele “não podia ver pela glória daquela luz” (At 22:11), ele fechara os olhos involuntariamente para protegê-los do brilho; e ao abri-los novamente ele encontrou sua visão desaparecida. “Não é dito, no entanto, que ele era cego, pois não era punição” (Bengel).

9 E ele estava três dias sem ver; e não comeu, nem bebeu.

Isto é, de acordo com o modo de computação hebraico: ele não tomou comida durante o resto daquele dia, o dia inteiro seguinte, e muito do dia subsequente como decorrido antes da visita de Ananias. Tal período de abstinência total da comida, naquele estado de absorção mental e revolução em que ele havia sido repentinamente lançado, está em perfeita harmonia com leis conhecidas e inúmeros fatos. Mas que três dias esses devem ter sido! “Apenas um outro espaço de três dias de duração pode ser mencionado de igual importância na história do mundo” (Howson). Visto que Jesus havia sido revelado não apenas aos seus olhos, mas à sua alma (ver Gl 1:15-16), a dupla convicção deve ter imediatamente relembrado a ele, que toda a sua leitura do Antigo Testamento até então estava errada. e que o sistema de justiça legal em que ele se encontrava, até aquele momento, descansava e orgulhava-se era falso e fatal. Que materiais estes para o exercício espiritual durante esses três dias de total escuridão, jejum e solidão! De um lado, que autocondenação, que angústia, que morte de esperança legal, que dificuldade em acreditar que, em tal caso, poderia haver esperança; por outro lado, que admiração dolorosa da graça que o “tirou do fogo”, que convicção irresistível de que deve haver um propósito de amor nele e que terna expectativa de ser ainda honrada, como um vaso escolhido, declarar o que o Senhor fizera por sua alma e difundir o sabor daquele Nome que tão perversamente, embora ignorantemente, procurou destruir – deve ter lutado em seu peito durante aqueles dias memoráveis! É demais dizer que toda a profunda percepção do Antigo Testamento, a compreensão abrangente dos princípios da economia divina, a espiritualidade penetrante, a apreensão vívida do estado perdido do homem e as visões brilhantes da perfeição e da glória? do remédio divino, aquele belo ideal da altivez e humildade do caráter cristão, aquela grande filantropia e ardente zelo de gastar e ser gasto em toda a sua vida futura por Cristo, que distingue os escritos deste maior dos apóstolos e maior dos homens, todos foram acelerados para a vida durante esses três dias sucessivos?

10 E havia em Damasco um certo discípulo, de nome Ananias; e disse-lhe o Senhor em visão: Ananias!E ele respondeu: Eis-me aqui, Senhor!

chamado Ananias – Veja em At 22:12.

para ele disse o Senhor – isto é, Jesus. (Veja At 9:13-14,17).

11 E o Senhor lhe disse : Levanta-te, e vai a rua chamada Direita, e pergunta na casa de Judas por um chamado Saulo, de Tarso; porque que ele ora.

chamada Direita – Ainda há uma rua deste nome em Damasco, com cerca de meia milha de comprimento, correndo de leste a oeste através da cidade [Maundrell].

e pergunta na casa de Judas por um chamado Saulo, de Tarso – Há algo tocante na minúcia dessas direções. Tarso era a capital da província da Cilícia, situada ao longo da costa nordeste do Mediterrâneo. Ele estava situado no rio Cydnus, era uma “cidade grande e populosa” (diz Xenofonte, e veja At 21:39), e sob os romanos tinha o privilégio de se autogovernar.

porque que ele ora – “expirando” não mais “ameaças e matança”, mas lutando com desejos após luz e vida no perseguido. Linda nota de encorajamento quanto ao quadro em que Ananias encontraria o perseguidor.

12 E ele viu em visão que um homem, de nome Ananias, entrava, e sobre ele punha a mão, para que voltasse a ver.

E ele viu em visão que um homem, de nome Ananias… – Assim, como no caso de Cornélio e Pedro depois, houve uma preparação mútua de cada um para cada um. Mas nós não temos nenhum relato da visão que Saul tinha de Ananias vindo a ele e colocando suas mãos sobre ele para a restauração de sua visão, exceto esta interessante alusão a isto na visão que o próprio Ananias teve.

13 E Ananias respondeu: Senhor, eu ouvi de muitos sobre este homem, quantos males ele tem feito aos teus santos em Jerusalém;

E Ananias respondeu: Senhor, eu ouvi de muitos sobre este homem… – “As objeções de Ananias, e a remoção delas pelo Senhor, mostram de uma maneira muito comovente a relação infantil da alma crente ao seu Redentor. O Salvador fala com Ananias como um homem faz com seu amigo ”(Olshausen).

quantos males ele tem feito aos teus santo – “Teus santos”, diz Ananias a Cristo; portanto, Cristo é Deus (Bengel). Assim, em At 9:14, Ananias descreve os discípulos como “aqueles que invocam o nome de Cristo”. Veja At 7:59-60; e compare 1Co 1:2.

14 E aqui ele tem poder dos chefes dos sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome.

E aqui ele tem poder… – de modo que o terror não apenas do nome do grande perseguidor, mas desta comissão para Damasco, tinha viajado antes dele da capital para o local condenado.

15 Mas o Senhor lhe disse: Vai, porque este me é um vaso escolhido para levar meu nome diante dos gentios, e dos reis, e dos filhos de Israel;

Siga o seu caminho – faça como você é mandado, sem contestação.

este me é um vaso escolhido – uma palavra frequentemente usada por Paulo para ilustrar a soberania de Deus na eleição (Rm 9:21-23; 2Co 4:7; 2Tm 2:220-21 (Alford). Zc 3:2).

16 Porque eu mostrarei a ele o quanto ele deve sofrer por causa do meu nome.

Eu mostrarei a ele – (Veja At 20:23-2421:11).

o quanto ele deve sofrer por causa do meu nome – isto é, quanto ele fez contra esse Nome; mas agora, quando eu lhe mostrar que grandes coisas ele deve sofrer por esse Nome, ele contará sua honra e privilégio.

17 E Ananias foi, e entrou na casa; e pondo as mãos sobre ele, disse: Irmão Saulo, o Senhor, que é Jesus, aquele que apareceu a ti no caminho, me enviou para que tu voltes a ver, e sejas cheio do Espírito Santo.

Ananias seguiu seu caminho e, colocando as mãos sobre ele, disse: “Irmão Saul – Quão maravilhosamente infantil é a obediência de Ananias à” visão celestial! “

o Senhor, que é Jesus – Isso mostra claramente em que sentido o termo “Senhor” é usado neste livro. É JESUS ​​que se entende, quase invariavelmente nas Epístolas também.

aquele que apareceu a ti no caminho – Este conhecimento por um habitante de Damasco do que tinha acontecido com Saul antes de entrar nele, mostraria a ele de uma vez que este era o homem que Jesus já o tinha preparado para esperar.

e sejas cheio do Espírito Santo – que Ananias provavelmente, sem quaisquer instruções expressas sobre esse assunto, tomou como certo que desceria sobre ele; e não necessariamente depois de seu batismo [Baumgarten, Webster e Wilkinson] – pois Cornélio e sua companhia o receberam antes deles (At 10:44-48) – mas talvez imediatamente após a recuperação de sua vista pela imposição das mãos de Ananias.

18 E logo lhe caíram como que escamas dos olhos, e imediatamente voltou a ver; e levantando-se, foi batizado.

E logo lhe caíram como que escamas dos olhos – “Isso mostra que a cegueira, assim como a cura, era sobrenatural. Substâncias como escamas não se formariam naturalmente em tão pouco tempo ”(Webster e Wilkinson). E a precisão médica da linguagem de Lucas aqui deve ser notada.

foi batizado – como dirigido por Ananias (At 22:16).

19 E ao comer, ele se fortaleceu. E Saulo ficou alguns dias com os discípulos que estavam em Damasco.

E ao comer, ele se fortaleceu – porque a bateria saltou três dias de jejum não foi real, embora não tenha sido sentida durante suas lutas. (Veja em Mt 4:2).

E Saulo ficou alguns dias com os discípulos que estavam em Damasco – tornando-os conhecidos, de um modo diferente do que ele ou eles tinham antecipado, e recuperando seu tom pela comunhão dos santos; mas certamente não para aprender com eles o que ele deveria ensinar, o que ele expressamente nega (Gl 1:12,16).

20 E logo nas sinagogas pregava a Cristo, dizendo que aquele era o Filho de Deus.

aquele era o Filho de Deus – em vez disso, “pregou a Jesus”, de acordo com todos os manuscritos e versões mais antigos do Novo Testamento (assim At 9:21, “todos os que chamam esse nome”, isto é, Jesus; At 9:22, “provando que este Jesus é muito Cristo”).

21 E todos os que o ouviam ficavam admirados, e diziam: Não é este aquele que em Jerusalém tentava destruir aos que invocavam este nome? E não foi para isso que ele veio aqui, para os levar presos aos chefes dos sacerdotes?
22 Mas Saulo se esforçava muito mais, e confundia aos judeus que habitavam em Damasco, provando que aquele era o Cristo.
23 E passados vários dias, os judeus tiveram conselho entre si para o matarem.

Se não tivéssemos outro registro a não ser este, deveríamos supor que o que está aqui relacionado ocorreu enquanto Saul continuou em Damasco depois de seu batismo. Mas em Gl 1:17-18, aprendemos com o próprio Paulo que ele “foi para a Arábia e voltou novamente para Damasco” e que, desde a primeira visita até o final de sua segunda, ambos aparecem ter sido curto, um período de três anos se passou; ou três anos completos, ou um ano completo e parte de dois outros. (Veja em Gl 1:16-18). Que tal espaço em branco deve ocorrer nos Atos, e ser preenchido em Gálatas, não é mais notável do que a fuga da Sagrada Família para o Egito, sua permanência ali, e seu retorno daí, registrado somente por Mateus, deve ser tão inteiramente passado por Lucas, que se tivéssemos apenas o seu Evangelho, deveríamos supor que eles retornaram a Nazaré imediatamente após a apresentação no templo. (De fato, em uma de suas narrativas, At 22:16-17, o próprio Paulo não dá atenção a esse período). Mas por que essa jornada? Talvez (1) porque ele sentiu um período de repouso e reclusão parcial para ser necessário ao seu espírito, após a violência da mudança e a excitação de sua nova ocupação. (2) Para evitar que a tempestade que se levantava contra ele chegasse cedo demais à cabeça. (3) Exercer o seu ministério nas sinagogas judaicas, como oportunidade proporcionada. Em seu retorno, revigorado e fortalecido em espírito, ele imediatamente retomou seu ministério, mas logo para o risco iminente de sua vida.

24 Mas as ciladas deles foram conhecidas por Saulo; e eles vigiavam as portas, tanto de dia como de noite, para poderem matá-lo.

e eles vigiavam as portas, tanto de dia como de noite, para poderem matá-lo – A extensão total de seu perigo aparece apenas por conta própria (2Co 11:32): “Em Damasco, o governador sob o rei Aretas manteve a cidade de Damascenos com uma guarnição desejoso de me apreender ”; os judeus exasperados, tendo obtido do governador uma força militar, mais seguramente para compensar sua destruição.

25 Porém os discípulos, tomando-o de noite, levaram-no abaixo pelo muro em um cesto.

de noite, levaram-no abaixo – “através de uma janela” (2Co 11:33).
pelo muro – Tais janelas salientes nas paredes das cidades orientais eram comuns, e devem ser vistas em Damasco até hoje.

26 E Saulo, tendo vindo a Jerusalém, procurava se juntar aos discípulos; mas todos tinham medo dele, não crendo que fosse discípulo.

At 9: 26-31. A primeira visita de Saul a Jerusalém depois de sua conversão.

E Saulo, tendo vindo a Jerusalém – “três anos depois” de sua conversão, e particularmente “para ver Pedro” (Gl 1:18); sem dúvida, porque ele era o principal apóstolo, e para comunicar-lhe a esfera prescrita de seus trabalhos, especialmente para “os gentios”.

ele tentou juntar-se aos discípulos – simplesmente como um deles, deixando sua comissão apostólica se manifestar.

mas todos tinham medo dele… – conhecê-lo apenas como um perseguidor da fé; o boato de sua conversão, se alguma vez foi cordialmente acreditado, desapareceu durante sua longa ausência na Arábia, e as notícias de seus subsequentes trabalhos em Damasco talvez não tenham chegado a eles.

27 Mas Barnabás, tomando-o consigo, trouxe-o aos apóstolos, e contou-lhes como no caminho tinha visto ao Senhor, e tinha lhe falado, e como em Damasco tinha falado ousadamente no nome de Jesus.

trouxe-o aos apóstolos – isto é, a Pedro e Tiago; pois “outros apóstolos não viram eu”, diz ele quatorze anos depois (Gl 1:18-19). Provavelmente nenhum dos outros apóstolos estava presente na época (At 4:36). Sendo Barnabé de Chipre, que estava a algumas horas de navegação da Cilícia, e anexado a ele como uma província romana, e Saul e ele sendo judeus helenistas e eminentes em suas respectivas localidades, eles podem muito bem estar familiarizados um com o outro antes isso (Howson). O que está aqui dito de Barnabé está em perfeita consonância com a “bondade” atribuída a ele (At 11:24), e com o nome “filho da consolação”, dado a ele pelos apóstolos (At 4:36); e depois de Pedro e Tiago estarem satisfeitos, os discípulos geralmente o receberiam de imediato.

como ele tinha visto o Senhor … e ele – o Senhor.

tinha falado com ele – isto é, como ele recebeu sua comissão direta do próprio Senhor.

28 E ele estava junto deles, entrando e saindo em Jerusalém;

E ele estava com eles, entrando e saindo em Jerusalém – por quinze dias, alojando-se com Pedro (Gl 1:18).

29 E falando ousadamente no nome do Senhor; falava e discutia também contra os gregos; mas eles procuravam matá-lo.

discutia também contra os gregos – (Veja em At 6:1); dirigindo-se especialmente a eles, talvez, como sendo de sua própria classe, e aquele contra o qual ele tinha nos dias de sua ignorância sido o mais violento.

mas eles procuravam matá-lo – Assim ele foi feito para sentir, ao longo de todo o seu curso, o que ele mesmo havia feito os outros cruelmente sentirem, o custo do discipulado.

30 E os irmãos, ao perceberem isto , o levaram até Cesareia, e o enviaram a Tarso.

o levaram até Cesareia – na costa (veja em At 8:40); acompanhando-o até agora. Mas Paulo tinha outro motivo além de sua própria apreensão por deixar Jerusalém tão cedo. “Enquanto ele estava orando no templo, ele estava em transe”, e recebeu injunções expressas para esse efeito. (Veja em At 22:17-21).

e o enviaram a Tarso – Em Gl 1:21 ele mesmo diz desta viagem, que ele “veio para as regiões da Síria e da Cilícia”; a partir do qual é natural inferir que, em vez de navegar direto para Tarso, ele desembarcou em Selêucia, viajou para Antioquia e penetrou desde o norte até a Cilícia, terminando sua jornada em Tarso. Como esta foi sua primeira visita à sua cidade natal desde sua conversão, não é certo que ele tenha voltado para lá. (Veja em At 11:25). Provavelmente foi agora que ele se tornou o instrumento de reunir no rebanho de Cristo aqueles “parentes”, aquela “irmã”, e talvez seu “filho”, dos quais se menciona em At 23:16, etc .; Rm 16:7,11,21 (Howson).

31 Então as igrejas por toda a Judeia, e Galileia, e Samaria, tinham paz, e eram edificadas; e andando no temor do Senhor, e na consolação do Espírito Santo, se multiplicavam.

Estado florescente da Igreja na Palestina neste momento.

Então todas as igrejas descansaram – em vez disso, “a Igreja”, de acordo com os melhores manuscritos e versões. Mas este descanso foi devido não tanto à conversão de Saul, como provavelmente aos judeus estarem absortos com a tentativa do imperador Calígula de ter sua própria imagem montada no templo de Jerusalém [Josefo, Antiguidades, 18.8.1, etc. .]

por toda a Judeia, e Galileia, e Samaria – Essa notificação incidental de igrejas distintas já pontilhavam todas as regiões que eram as principais cenas do ministério de nosso Senhor, e que eram mais capazes de testar os fatos sobre os quais toda a pregação dos apóstolos foi baseado, é extremamente interessante. “O temor do Senhor” expressa sua caminhada sagrada; “O consolo do Espírito Santo”, sua “paz e alegria em crer”, sob a operação silenciosa do abençoado Consolador.

32 E aconteceu que, Pedro, passando por todos os lugares , veio também aos santos que habitavam em Lida.

At 9: 32-43. Peter cura Eneas em Lydda e ressuscita Tabitha em Joppa.

O historiador agora retorna a Pedro, a fim de introduzir a importantíssima narrativa de Cornélio (At 10:1-48). As ocorrências aqui relacionadas provavelmente ocorreram durante a permanência de Saul na Arábia.

como Pedro passou por todos os quadrantes – não agora fugindo da perseguição, mas visitando pacificamente as igrejas.

aos santos que habitavam em Lida – cerca de cinco milhas a leste de Jope.

33 E ali ele achou a um certo homem chamado Enéas, que havia oito anos que jazia numa cama, que era paralítico.
34 E Pedro lhe disse: Enéas, Jesus Cristo te cura; levanta-te, e faz tua cama. E logo ele se levantou.

E Pedro disse-lhe: Enéas, Jesus Cristo te faz completo – (Veja em At 3:6).

faça sua cama – (veja em Jo 5:8).

35 E todos os que habitavam em Lida e Sarona o viram, os quais se converteram ao Senhor.

tudo o que habitava em Lydda e Saron – (ou “Sharon”, um vale rico entre Jope e Cesaréia).

O viu e se voltou para o Senhor – isto é, houve uma conversão geral em consequência.

36 E havia em Jope uma certa discípula, de nome Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e doações que ela fazia aos necessitados.

em Jope – a moderna Jaffa, no Mediterrâneo, uma cidade muito antiga dos filisteus, e depois ainda o porto marítimo de Jerusalém, do qual fica distante quarenta e cinco milhas a noroeste.

TabitaDorcas – os nomes siro-caldéia e grego para um antílope ou gazela, que, por sua beleza, era frequentemente empregado como um nome próprio para mulheres [Meyer, Olshausen]. Sem dúvida, a interpretação, como aqui é dada, é apenas um eco das observações feitas pelos cristãos a respeito dela – quão bem seu personagem respondeu ao seu nome.

cheio de boas obras e de obras de caridade – eminentes para as atividades e generosidades do caráter cristão.

37 E aconteceu naqueles dias, que tendo ela ficado doente, morreu; e tendo a lavado, puseram-na no compartimento superior.

quando eles tinham lavado – de acordo com o costume das nações civilizadas em relação aos mortos.

em um – sim, “o”

câmara superior – (compare 1Rs 17:19).

38 E como Lida era perto de Jope, os discípulos, ao ouvirem que Pedro estava ali, mandaram-lhe dois homens, rogando -lhe que não demorasse a vir a eles.

os discípulos enviaram a Pedro – mostrando que os discípulos geralmente não possuíam dons miraculosos (Bengel).

39 E Pedro, tendo se levantado, foi com eles; o qual chegou, e o levaram ao compartimento superior, e todas as viúvas o rodearam, chorando, e mostrando -lhe as túnicas e roupas que Dorcas tinha feito quando estava com elas.

todas as viúvas – as quais ela havia vestido ou alimentado.

o rodearam, chorando, e mostrando -lhe as túnicas e roupas que Dorcas tinha feito – isto é, (como o tempo indica), mostrando-os apenas como espécimes do que ela tinha o hábito de fazer.

40 Mas Pedro, pondo para fora a todas; pôs-se de joelhos, e orou; e virando-se para o corpo, disse: Tabita, levanta-te;E ela abriu seus olhos, e vendo a Pedro, sentou-se.

Pedro colocou todos para fora, e se ajoelhou – o que imitava o caminho de seu Mestre (Lc 8:54; e compare 2Rs 4:33); o outro, em flagrante contraste com isso. O ajoelhado tornou-se o humilde servo, mas não o próprio Senhor, de quem nunca se registrou, que ele se ajoelhou na realização de um milagre.

abriu os olhos e, quando viu Peter, sentou-se – A minúcia gráfica dos pormenores aqui transmite à narrativa um ar de encantadora realidade.

41 E ele, dando-lhe a mão, levantou-a; e tendo chamado aos santos, e às viúvas, apresentou-a viva.

ele deu-lhe a mão ea levantou – como o seu Senhor tinha feito à sua própria sogra (Mc 1:31).

42 E isto ficou conhecido por toda Jope, e muitos creram no Senhor.
43 E aconteceu que ele ficou muitos dias em Jope, com um certo Simão curtidor.

com um certo Simão curtidor – um ofício considerado pelos judeus como meio impuro, e consequentemente desonroso, pelo contato com animais mortos e sangue que estava ligado a ele. Por essa razão, mesmo por outras nações, geralmente é realizado a alguma distância das cidades; Assim, a casa de Simão estava “à beira-mar” (At 10:6). O alojamento de Pedro ali já o mostra, em certa medida, acima do preconceito judaico.

<Atos 8 Atos 10>

Leia também uma introdução ao Livro dos Atos dos Apóstolos.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.