João 12

1 Veio, pois, Jesus seis dias antes da páscoa a Betânia, onde estava Lázaro, o que havia morrido, a quem ressuscitara dos mortos.

Comentário de David Brown

seis dias antes da páscoa a Betânia – isto é, no sexto dia anterior; provavelmente após o pôr do sol na sexta-feira à noite, ou o começo do sábado judaico que antecede a Páscoa. [JFB, aguardando revisão]

2 Fizeram-lhe, pois, ali uma ceia, e Marta servia; e Lázaro era um dos que juntamente com ele estavam sentados à mesa.

Comentário de David Brown

Marta servia – Isto, com o que é dito depois da maneira de Maria honrar seu Senhor, é tão fiel ao caráter em que essas duas mulheres aparecem em Lucas 10:38-42, a ponto de constituir uma das mais fortes e mais deliciosas. confirmações da verdade de ambas as narrativas. (Veja também em Jo 11:20).

Lázaro … sentado à mesa – “Entre o levantado Lázaro e o leproso curado (Simão, Marcos 14:3), o Senhor provavelmente se senta entre dois troféus da Sua glória” (Stier). [JFB, aguardando revisão]

3 Tomando então Maria um frasco de óleo perfumado de nardo puro, de alto valor, ungiu os pés de Jesus, e enxugou os pés dele com seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do óleo perfumado.

Comentário de David Brown

ungiu os pés de Jesus. A prática comum era a de ungir a cabeça (compare com Salmo 23:5), por isso, a atitude de Maria expressa um grande amor, visto que ela não só ungiu os pés, mas também os enxugou com seus cabelos. [JFB, aguardando revisão]

4 Então disse Judas de Simão Iscariotes, um de seus discípulos, o que o trairia:

Comentário de Thomas Croskery

O orador aqui é destacado pelo nome. Mateus refere o discurso aos discípulos em geral, nos quais a sugestão de Judas despertou (sem dolo ou culpa da parte deles) uma indagação nada natural. Mark diz que “alguns” murmuraram para si mesmos: “Por que esse desperdício?” (perda, destruição). João (sem a malícia que Renan atribuiu ao escritor) menciona a fonte da sugestão, “Judas Iscariotes, filho de Simão”. A palavra Σίμωνος, contida no Textus Receptus, é omitida aqui nos melhores textos. O fato de que ele era o traidor, sendo um dos eventos bem conhecidos e terríveis da história do evangelho quando João escreveu cerca de meio século depois, pode muito bem ser introduzido pelo evangelista, com nada mais que um motivo puramente histórico. [Croskery, aguardando revisão]

5 Por que se não vendeu este óleo perfumado por trezentos dinheiros, e se deu aos pobres?

Comentário de Thomas Croskery

O motivo pecaminoso muitas vezes se esconde sob a máscara da reverência por outra virtude. No Evangelho de Marcos, o mesmo preço foi colocado sobre a libra de nardo puro como o que é mencionado aqui – sobre o nosso dinheiro. Cristo havia dado conselhos enfáticos sobre generosidade para com os pobres, e mesmo durante esta mesma semana (João 13:29) é claro que suas palavras não foram esquecidas, e em seu grande discurso, provavelmente também proferido nesta mesma semana, ele se identificou com os pobres (Mateus 25:35, etc.), e exigiu consideração sem reservas deles; para que essa linguagem não fosse antinatural. O valor desta pomada é outra indicação minuciosa de que não há conexão entre o Lázaro de João e o Lázaro da parábola. Mas João acrescenta que a total falta de percepção por parte de Judas da auto-devoção de Maria foi motivada pelo motivo mais indigno. A sugestão de Judas é rebaixada pelo evangelista à mais pura cobiça. Durante o intervalo que transcorreu, Judas revelou seu caráter, e João não hesitou em encaminhar a sugestão ao traidor. [Croskery, aguardando revisão]

6 E isto disse ele, não pelo cuidado que tivesse dos pobres; mas porque era ladrão, e tinha a bolsa, e trazia o que se lançava nela.

Comentário de David Brown

tinha a bolsa – a bolsa.

descubra o que foi colocado nele – não, descubra-o por roubo, embora ele tenha feito isso; mas simplesmente, encarregado de seu conteúdo, foi tesoureiro de Jesus e dos Doze. Quão digno de nota é esse arranjo, pelo qual uma pessoa avarenta e desonesta não foi levada apenas para o número dos Doze, mas confiada à custódia de sua pequena propriedade! Os propósitos que isso serviu são bastante óbvios; mas é mais perceptível, que a mais remota insinuação nunca foi dada aos onze de Seu verdadeiro caráter, nem os discípulos mais favorecidos com a intimidade de Jesus jamais suspeitaram dele, até que alguns minutos antes dele voluntariamente se separar de sua companhia – para sempre! [JFB, aguardando revisão]

7 Disse pois Jesus: Deixa-a; para o dia de meu sepultamento guardou isto.

Comentário de David Brown

Não que ela pensasse em Seu sepultamento, muito menos reservada em seu nardo para ungir seu Senhor morto. Mas como o tempo estava tão próximo quando aquele ofício teria que ser realizado, e ela não deveria ter esse privilégio, mesmo que as especiarias fossem trazidas para o propósito (Marcos 16:1), Ele amorosamente o considera como feito agora. [JFB, aguardando revisão]

8 Porque aos pobres sempre os tendes convosco; porém a mim não me tendes sempre.

Comentário de David Brown

com você – referindo-se a Deuteronômio 15:11.

porém a mim não me tendes sempre – uma sugestão gentil de sua partida se aproximando. Ele acrescenta (Marcos 14:8): “Ela fez o que pôde”, um nobre testemunho, incorporando um princípio de imensa importância. “Em verdade vos digo que, em todos os lugares onde este evangelho for pregado em todo o mundo, também o que esta mulher fizer seja contado para seu memorial” (Mateus 26:13; Marcos 14:9). “No ato de amor feito a Ele, ela erigiu para si um monumento eterno, tão duradouro quanto o Evangelho, a eterna palavra de Deus. De geração em geração, esta notável profecia do Senhor foi cumprida; e mesmo nós, ao explicar este dito do Redentor, necessariamente precisamos contribuir para a sua realização ”(Olshausen). “Quem, senão a Si mesmo, tinha o poder de assegurar qualquer obra do homem, mesmo que ressoasse em seu próprio tempo por toda a terra, uma lembrança imperecível na corrente da história? Eis aqui mais uma vez, a majestade de Sua supremacia judicial real no governo do mundo, nisto: Em verdade vos digo que (Stier). Belas são as lições aqui: (1) O amor a Cristo transfigura os serviços mais humildes. Todos, de fato, que têm um coração valorizam suas menores saídas além dos mais caros desempenhos mecânicos; mas como é que nos agrada o Salvador encontrá-lo endossando o princípio como Seu próprio padrão no julgamento de caráter e ações!

(2) Obras de utilidade nunca devem ser postas em oposição aos sussurros do amor abnegado, e a sinceridade daqueles que o fazem é suspeita. Sob a máscara da preocupação pelos pobres em casa, quantos se desculpam de todo o cuidado dos pagãos que perecem no exterior. (3) Em meio a deveres conflitantes, o que nossa “mão (presentemente) acha que deve fazer” deve ser preferido, e ainda menos dever apenas ser feito agora a um maior que possa ser feito a qualquer momento. (4) “Se há uma mente voluntária, aceita-se segundo o que o homem tem, e não segundo o que não tem” (2Coríntios 8:12). – “Ela fez o que pôde” (Marcos 14:8). (5) Como Jesus contemplou em espírito a difusão universal de Seu Evangelho, enquanto Sua humilde profundidade de humilhação estava apenas se aproximando, assim Ele considera os fatos de Sua história terrena como constituindo a substância deste Evangelho, e a relação deles como apenas a “Pregação deste Evangelho.” Não que os pregadores se limitem a uma narração nua destes fatos, mas que façam com que toda a sua pregação se volte para eles como seu grande centro, e derivem deles sua própria vitalidade; tudo o que acontece antes disso na Bíblia, mas a preparação para eles, e tudo o que se segue, mas a continuação. [JFB, aguardando revisão]

9 Muita gente dos judeus soube pois, que ele estava ali; e vieram, não somente por causa de Jesus, mas também para verem a Lázaro, a quem ressuscitara dos mortos.

Comentário de David Brown

Multidões dos judeus de Jerusalém apressaram-se para Betânia, não tanto para ver Jesus, a quem eles sabiam estar lá, como para ver morto Lázaro vivo; e isto, emitindo em sua ascensão a Cristo, levou a uma conspiração contra a vida de Lázaro também, como o único meio de prender os triunfos de Jesus (veja Jo 12:19) – a tal ponto esses sumos sacerdotes vieram de forma diabólica. determinação de apagar a luz de si mesmos e apagá-la da terra! [JFB, aguardando revisão]

10 E os chefes dos sacerdotes se aconselharam de também matarem a Lázaro,

Comentário de Alfred Plummer

os chefes dos sacerdotes. Nada é dito aqui sobre os fariseus (comp. João 11:47; João 11:57), que, no entanto, não são necessariamente excluídos. Ambos gostariam de tirar Lázaro do caminho pela razão dada em João 12:11: mas os principais sacerdotes, que eram principalmente saduceus, teriam uma razão adicional, pois Lázaro era uma refutação viva de sua doutrina de que ‘há nenhuma ressurreição” (Atos 23:8). Veja em João 11:57. [Plummer, aguardando revisão]

11 Porque muitos dos judeus iam por causa dele, e criam em Jesus.

Comentário de Alfred Plummer

iam por causa dele, e criam. É melhor deixar “ir embora” indefinido: a noção de se afastar da hierarquia está no contexto, mas não na palavra. Os imperfeitos denotam um processo contínuo.

Agostinho comenta a loucura dos sacerdotes – como se Cristo não pudesse ressuscitar Lázaro pela segunda vez! Mas isso ignora o “também”: a hierarquia destinada a matar ambos. A loucura deles consistiu em não ver, não que Ele pudesse ressuscitar Lázaro novamente, mas que Ele poderia ressuscitar a Si mesmo (João 2:19). Note-se que é a hierarquia sem escrúpulos, que tenta este crime. Comp. João 18:35 , João 19:6 ; João 19:15; João 19:21. [Plummer, aguardando revisão]

12 No dia seguinte, ouvindo uma grande multidão, que viera à festa, que Jesus vinha a Jerusalém,

Comentário de David Brown

No dia seguinte – o dia do senhor, ou domingo (veja em Jo 12:1); o décimo dia do mês judaico de Nisan, no qual o cordeiro pascal foi separado para ser “mantido até o décimo quarto dia do mesmo mês, quando toda a congregação da congregação de Israel deveria matá-lo à noite” (Êxodo 12:3, 6). Mesmo assim, desde o dia desta solene entrada em Jerusalém, “Cristo, nossa Páscoa” foi virtualmente separado para ser “sacrificado por nós” (1Coríntios 5:7). [JFB, aguardando revisão]

13 Tomaram ramos de plantas e lhe saíram ao encontro, e clamavam: Hosana! Bendito aquele que vem no nome do Senhor, o Rei de Israel!

Comentário Schaff

Tomaram ramos de plantas. A palavra traduzida como “ramos” ocorre apenas aqui no Novo Testamento. É o topo de uma palmeira onde o fruto é produzido. Devemos entender pela palavra, portanto, não apenas ramos, mas ramos frutíferos, aqueles dos quais no devido tempo o fruto cairia. Portanto, não são as palmas da vitória que temos diante de nós, mas os ramos das palmeiras da festa dos Tabernáculos, a característica mais característica daquela maior festa do ano, quando os últimos frutos, “o vinho e o azeite”, bem como ‘o milho’, estavam maduros, e quando se esperava que o Messias viesse ao Seu templo. Daí também os artigos antes de ‘galhos’ e ‘palmeiras’, não para marcar as palmeiras que crescem à beira do caminho, mas os conhecidos ramos de palmeiras tão intimamente ligados à festa. Com a idéia dessa festa, os judeus estavam acostumados a associar as mais altas bênçãos dos tempos messiânicos e, no momento, portanto, quando saudam Jesus como o Messias e Rei há muito esperado, os pensamentos disso naturalmente enchem suas mentes.

e lhe saíram ao encontro, e clamavam: Hosana! Bendito aquele que vem no nome do Senhor, o Rei de Israel! As palavras, assim pronunciadas com altos gritos de alegria, correspondem à ação de que falamos. Aqueles na primeira cláusula da citação são tirados de Salmo 118:26, e são palavras que sem dúvida foram usadas na festa dos Tabernáculos. Quer os consideremos em conexão com seu lugar no salmo ou com o significado típico da festa, eles eram peculiarmente apropriados ao momento presente. O salmo foi reconhecido como messiânico, e tanto o salmo quanto a festa celebram a vinda triunfante do Messias à Sua casa e povo, quando as portas da justiça forem abertas e Israel entrar e louvar ao Senhor (Salmo 118:19). O Senhor também aparece no salmo precisamente no mesmo caráter daquele em que O temos aqui diante de nós, aquele que sofreu e venceu (João 12:22). A denominação dada a Jesus na segunda cláusula, e provavelmente deve ser considerada como um segundo clamor, aponta para a profecia de Zacarias (cap. João 9:9) citada em João 12:15. Hosana é uma tradução em letras gregas das palavras hebraicas, ‘Salva, oramos’ (Salmo 118:25). [Schaff, aguardando revisão]

14 E Jesus achou um jumentinho, e sentou-se sobre ele, como está escrito:

Comentário de Thomas Croskery

Todo o relato do processo pelo qual nosso Senhor garantiu este ὀνάριον é descrito extensamente pelos sinópticos (ver Mateus 21:2; Marcos 11:12; Lucas 19:30). O potro implica que o animal nunca havia carregado outro fardo. O relato de Mateus refere-se à mãe e ao potro, como se fossem inseparáveis, e juntos carregassem o fardo sagrado. O Sr. Holman Hunt, em seu quadro do ‘Triunfo dos Inocentes’, representou a besta carregando Maria e seu Filho acompanhado pelo potro. Todo o processo de garantir ambos deve ter levado tempo e aumentou a excitação. Por fim, Cristo, na vigília da Paixão que ele tão distintamente prenunciou, fez prevalecer o entusiasmo do povo e aceitou a homenagem. Os peregrinos da Galiléia retomam a manifestação, que foi iniciada, como vemos no Evangelho de João, pelos “judeus” e pelos habitantes de Jerusalém que ficaram profundamente comovidos com o significado da ressurreição de Lázaro. As circunstâncias assim elucidadas a partir das quatro narrativas revelam coincidências não planejadas. A entrada em Jerusalém não ocorreu até a tarde, e assim descobrimos que tudo o que nosso Senhor fez ao chegar foi “ir ao templo, olhar todas as coisas e, agora que chegou a tarde, revisitar Betânia com os doze” (Marcos 11:11). [Croskery, aguardando revisão]

15 Não temas, ó filha de Sião; eis que teu Rei vem sentado sobre o filhote de uma jumenta.

Comentário de Thomas Croskery

João, assim como Mateus, vê aqui um cumprimento simbólico do que havia sido declarado por um dos últimos profetas, como a peculiaridade do Messias (Zacarias 9:9): Não temas, ó filha de Sião; eis que teu Rei vem sentado sobre o filhote de uma jumenta. Este oráculo é admitido por comentaristas de escolas opostas para se referir ao Messias. Não havia necessidade, a fim de cumprir o espírito de toda a passagem, que o rei viesse a si mesmo literalmente nas costas de um animal de carga. A profecia, no entanto, sugere a modéstia, a ausência de toda pompa ou exibição de riqueza e poder mundanos; não, a humilhação por parte do verdadeiro Rei. Tanto Mateus quanto João omitem as características de “justos e salvos”, ou seja, “libertados” das mãos de seus cruéis inimigos. O sofredor Servo de Deus do grande oráculo de Isaías 53 estava na mente do profeta Zacarias, e ele acrescenta essa característica à vinda triunfante do verdadeiro Príncipe da Paz, que ele “cortaria a carruagem de Efraim e o cavalo de Jerusalém”, ou seja, aja de tal forma que até mesmo o orgulho nacional, o poder e a destreza militar cheguem ao fim; “Fala paz às nações; governa de mar a mar, desde o rio até aos confins da terra”. Como João e Mateus vêem o cumprimento simbólico da profecia, eles sem dúvida querem que tenhamos em mente toda a passagem. João transforma o “Alegrai-vos muito, exultai”, etc., do profeta em “Não temas”. Ele parece tomá-lo apenas em um estágio de realização, quando a ansiedade pode ser momentaneamente posta de lado. O “não temas” é uma forma inferior de “grande alegria”. É algo para os homens descartarem suas dúvidas e silenciarem sua inquietação, mesmo quando não podem irromper em uma canção. Hengstenberg e Godet insistem que a “mansidão e humildade” a que o profeta se referiu, e que Mateus citou dele, foi representada na humilde besta sobre a qual nenhum homem se sentou. Mas não se deve esquecer que o jumento foi usado por personagens distintos (Juízes 5:9, 10; Juízes 10:4; 2Samuel 17:23; 2Samuel 19:26). E tudo o que realmente significava era a escolha de uma criatura associada mais à vida cotidiana do que à exibição militar. Meyer e Moulton insistem que foi um símbolo escolhido de paz (καθήμενος ισ substituído pelo ἐπιβεβηκὼς ἐπὶ da Septuaginta. e Mateus 21:5). Ao contrário da animadversão de Keim, nosso Senhor e seus discípulos adotaram aqui a idéia de um Messias judeu, despojando-o de suas características mundanas. Deve-se observar que, embora a narrativa de João esteja em harmonia com os sinópticos, ele a abrevia grandemente. [Croskery, aguardando revisão]

16 Porém seus discípulos não entenderam isto ao princípio; mas sendo Jesus já glorificado, então se lembraram que isto dele estava escrito, e que isto lhe fizeram.

Comentário de David Brown

mas sendo Jesus já glorificado, então se lembraram que isto dele estava escrito… – O Espírito, descendo sobre eles do Salvador glorificado no Pentecostes, abriu os olhos de repente para o verdadeiro sentido do Antigo Testamento, trazido vividamente à sua lembrança. essa e outras predições messiânicas, e a seu espantoso indescritível, mostraram-lhes que eles e todos os atores dessas cenas haviam inconscientemente cumprido essas previsões. [JFB, aguardando revisão]

17 A multidão pois, que estava com ele, testemunhava, que a Lázaro chamara da sepultura, e o ressuscitara dos mortos.

Comentário de E. W. Hengstenberg

O versículo seguinte mostra que seu testemunho não se baseou em sua própria testemunha ocular pessoal, mas no que ouviram de outros. O mesmo é esclarecido pelo versículo 12, segundo o qual “a multidão” consistia daqueles que vieram do exterior para a festa. Mas estes não poderiam ter sido testemunhas oculares da ressurreição de Lázaro: eles estavam na época desse evento longe de Jerusalém. Lutero, traduzindo “mas as pessoas que estavam com Ele quando chamou Lázaro da sepultura, e o ressuscitou dos mortos, publicaram o fato”, segue a leitura incorreta ὅτε (Vulgata quando), que surgiu da falsa noção de que μαρτυρεῖν devemos inferir o testemunho de uma testemunha ocular. Lucas 19:37 nos dá o fundamento geral para tudo o que é peculiar aqui. [Hengstenberg, aguardando revisão]

18 Pelo que também a multidão lhe saiu ao encontro, porque ouvira que fizera este sinal.

Comentário de Thomas Croskery

Pelo que também a multidão (ὁ ὄχλος) – que aqui parece ser o agregado das (ὄχλος πολύς) multidões formadas pelos peregrinos judaicos e galileus e “os judeus” que nele acreditaram – lhe saiu ao encontro (ver especialmente os versículos 12, 13) – saiu, e cortou os ramos das palmeiras, e veio em grande júbilo ao seu encontro – porque ouvira que fizera este sinal. A ressurreição de Lázaro é o motivo da procissão triunfal. Os sinópticos, que omitiram todo o episódio de Betânia, naturalmente silenciam sobre a impressão que ele produziu nos peregrinos da Páscoa e na multidão de Jerusalém. John, mais intimamente familiarizado com as correntes de pensamento na capital do que o resto, tirou aqui de sua experiência e memória, e preservou características históricas que eles ignoraram. [Croskery, aguardando revisão]

19 Disseram pois os fariseus entre si: Vedes que nada aproveitais? Eis que o mundo vai após ele.

Comentário de E. W. Hengstenberg

Que João estava tão bem familiarizado com os projetos dos fariseus (comp. versículo 10), sugere uma pessoa intermediária, que tinha alguma relação comum com os discípulos e os fariseus. E naturalmente pensamos em Marta como tal – a esposa de Simão – que deve ter ouvido no círculo familiar de seu marido muito que de outra forma teria sido ocultado, Θεωρεῖτε não deve ser tomado como uma pergunta: comp. Atos 21:20. O Apóstolo se alegra com o constrangimento dos fariseus: este é o único ponto de vista em que podemos considerar o versículo. Paráfrases como a de Grotius – “Devemos adotar medidas mais fortes para cumprir o decreto do concílio” – surgem de um total equívoco do projeto de João. Em toda parte vemos que ele tem prazer em registrar a oposição exercida contra Jesus e a vergonha a que os inimigos de seu Mestre sempre foram colocados. Na disputa entre o mal e o bem, o ditado: “Vedes que nada prevaleces”, deve sempre valer de geração em geração. O versículo 24 mostra que a mais profunda prostração da boa causa nunca pode tornar isso duvidoso.

Temos um paralelo do Antigo Testamento em 1Samuel 24:21, onde Saul é obrigado a dizer a Davi: “E agora, eis que bem sei que certamente serás rei, e que o reino de Israel será estabelecido em tuas mãos”. : comp. 1Samuel 23:17, onde Jônatas diz: “E tu serás rei sobre Israel, e eu serei o teu próximo, e isso também Saul, meu pai, sabe”. A relação de Saul com Davi era uma espécie de tipo da relação dos fariseus com Cristo. Os representantes de uma má causa têm a consciência secreta de que lutam contra Deus. Portanto, eles devem perder o ânimo em cada revés fresco. Que aqui também “isto ele não falou de si mesmo” é válido – que o apóstolo considera essas palavras, que foram extorquidas dos inimigos de Cristo, como uma espécie de profecia, é claro, a partir da conexão em que a narrativa seguinte está tão manifestamente. com estas palavras: Sim, em verdade, nada fazeis; todo o mundo vai atrás dele – não apenas os judeus, mas até os próprios gregos! Estes últimos já estavam enviando sua delegação; e como resultado de seu pedido, Jesus, no versículo 32, pronuncia a palavra: “E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a Mim”. Bengel aqui observa: Uma hipérbole brotando de indignação. se o mundo inteiro, dizem eles, fosse nosso, nos abandonaria para ir atrás Dele. Há em suas palavras algo profético. [Hengstenberg, aguardando revisão]

20 E havia alguns gregos dos que haviam subido para adorarem na festa.

Comentário de David Brown

gregos – Não judeus gregos, mas prosélitos gregos para a fé judaica, que estavam acostumados a participar dos festivais anuais, particularmente este primário, a Páscoa. [JFB, aguardando revisão]

21 Estes pois vieram a Filipe, que era de Betsaida de Galileia, e rogaram-lhe, dizendo: Senhor, queríamos ver a Jesus.

Comentário de David Brown

O mesmo aconteceu com Filipe … de Betsaida – possivelmente como sendo do mesmo bairro.

dizendo: Senhor, queríamos ver a Jesus – certamente em um sentido muito melhor do que Zaqueu (Lucas 19:3). Talvez Ele estivesse naquela parte da corte do templo para a qual os prosélitos gentios não tinham acesso. “Esses homens do ocidente representam, no final da vida de Cristo, o que os sábios do oriente representavam no começo; mas aqueles vêm à cruz do rei, assim como estes a sua manjedoura ”(Stier). [JFB, aguardando revisão]

22 Veio Filipe, e disse-o a André; e André então e Filipe o disseram a Jesus.

Comentário de David Brown

disse-o a André – Como os seguintes moradores de Betsaida (Jo 1:44), estes dois parecem ter atraído um ao outro.

André então e Filipe o disseram a Jesus – A minúcia desses detalhes, enquanto eles aumentam a força gráfica da narrativa, serve para nos preparar para algo importante para sair desta introdução. [JFB, aguardando revisão]

23 Porém Jesus lhes respondeu, dizendo: Chegada é a hora em que o Filho do homem será glorificado.

Comentário de David Brown

Isto é, eles verão a Jesus, pois não? Ainda um pequeno momento, e eles vão vê-lo assim como agora eles não sonham. A parede intermediária de separação que os mantém afastados da comunidade de Israel está às vésperas de desmoronar, “e eu, se for levantado da terra, todos atrairei a mim”; Eu os vejo “voando como uma nuvem, e como pombas para as suas vacas” – um evento glorioso que será para o Filho do homem, pelo qual isso será trazido. É a Sua morte que Ele sublimemente e delicadamente aludiu. Perdido nas cenas de triunfo que este desejo dos gregos de vê-lo convocar diante de sua visão, Ele não dá resposta direta ao seu pedido de uma entrevista, mas vê a cruz que foi trazê-los dourados de glória. [JFB, aguardando revisão]

24 Em verdade, em verdade vos digo, se o grão de trigo, ao cair na terra, não morrer, ele fica só; porém se morrer, dá muito fruto.

Comentário de David Brown

A necessidade de Sua morte é aqui brilhantemente expressa, e sua operação adequada e fruto – vida brotando da morte – imaginada por uma linda e profundamente significativa lei do reino vegetal. Por uma dupla razão, sem dúvida, isso foi dito – para explicar o que ele havia dito sobre sua morte, como a hora de sua própria glorificação, e para sustentar seu próprio Espírito sob a agitação que estava misteriosamente vindo sobre ele na visão daquele morte. [JFB, aguardando revisão]

25 Quem ama sua vida a perderá; e quem neste mundo odeia sua vida, a guardará para a vida eterna.

Comentário de David Brown

(Veja Lucas 9:24). Nosso Senhor quis excluir-se da operação do grande princípio aqui expresso – a renúncia de si mesmo, a lei da autopreservação; e seu contrário, autopreservação, a lei da autodestruição? Pelo contrário, como Ele se tornou homem para exemplificar essa lei fundamental do Reino de Deus em sua forma mais sublime, a própria elocução da mesma nessa ocasião serviu para sustentar Seu próprio Espírito na dupla perspectiva à qual Ele acabara de aludir. [JFB, aguardando revisão]

26 Se alguém me serve, siga-me; e onde eu estiver, ali estará também meu servo. E se alguém me servir, o Pai o honrará.

Comentário de David Brown

Jesus aqui reivindica a mesma absoluta sujeição a Si mesmo, como a lei da exaltação dos homens a honrar, como Ele cedeu ao Pai. [JFB, aguardando revisão]

27 Agora minha alma está perturbada; e que direi? Pai, salva-me desta hora; mas por isso vim a esta hora.

Comentário de David Brown

Agora minha alma está perturbada – Ele quer dizer com a perspectiva de Sua morte, apenas aludida. Estranha vista da Cruz isso, imediatamente depois de representá-lo como a hora da Sua glória! (Jo 12:23) Mas as duas visões se encontram naturalmente e se misturam em uma. Foi os gregos, pode-se dizer, que O incomodaram. Ah! eles verão a Jesus, mas para Ele será uma visão cara.

e que direi? – Ele está em um estreito entre dois. A morte da cruz era, e não podia deixar de ser, aterradora ao seu espírito. Mas, para evitar a sujeição absoluta ao Pai, era ainda pior. Ao perguntar a si mesmo: “O que direi?” Ele parece estar pensando em voz alta, sentindo o caminho entre duas alternativas temerosas, olhando-as severamente no rosto, medindo-as, pesando-as, para que a escolha realmente feita seja vista. e mesmo por si mesmo, o mais vividamente sentido, ser uma eleição profunda, deliberada e espontânea.

Pai, salva-me desta hora – Para tomar isso como uma pergunta – “Devo dizer pai, salve-me”, etc – como alguns eminentes editores e intérpretes, não é natural e jejune. É uma petição real, como aquela no Getsêmani: “Deixe este cálice passar de mim”; somente enquanto lá Ele prefacia a oração com um “Se é possível”, aqui Ele a segue com o que é equivalente a isso – “Não obstante, por esta causa vim a esta hora”. O sentimento transmitido, então, pela oração, em ambos os casos, é duplo: (1) que apenas uma coisa poderia reconciliá-lo com a morte da cruz – sendo Ele a vontade de Seu Pai Ele deveria suportá-lo – e (2) que nessa visão dele Ele Se rendeu livremente para isso. O que Ele recua não é sujeição à vontade de Seu Pai: mas para mostrar quão tremendo um auto-sacrifício aquela obediência envolve, Ele primeiro pede ao Pai para salvá-Lo dela, e então significa quão perfeitamente Ele sabe que Ele está lá para o propósito mesmo de suportá-lo. Somente deixando que essas palavras misteriosas falem seu significado completo, elas se tornam inteligíveis e consistentes. Quanto àqueles que não vêem elementos amargos na morte de Cristo – nada além da mera morte – o que eles podem fazer de tal cena? e quando eles o colocam contra os sentimentos com os quais milhares de Seus seguidores adoradores acolheram a morte por amor a Ele, como eles podem segurá-lo para a admiração dos homens? [JFB, aguardando revisão]

28 Pai, glorifica teu Nome. Veio, pois, uma voz do céu, que dizia: E já o tenho glorificado, e outra vez o glorificarei.

Comentário de David Brown

Pai, glorifica o teu nome – por um testemunho presente.

E já o tenho glorificado – referindo-me especialmente à voz do céu no Seu batismo, e novamente à Sua transfiguração.

e outra vez o glorificarei – isto é, nas cenas ainda futuras de Sua necessidade ainda mais profunda; embora esta promessa fosse um testemunho presente e sublime, que irradiaria o espírito nebuloso do Filho do homem. [JFB, aguardando revisão]

29 A multidão pois que ali estava, e a ouviu, dizia que havia sido trovão. Outros diziam: Algum anjo falou com ele.

Comentário de H. W. Watkins

Nada poderia ser um testemunho mais forte do fato de que essa narrativa foi escrita por alguém que esteve presente nos eventos de que ele conta, do que a maneira como esses pensamentos do povo da época são preservados para nós. Sua inserção por uma mão posterior é quase impossível; e eles são, além disso, opostos ao que deve ser assumido como o objeto de um escritor posterior. Em um tratado para provar a divindade de Cristo não poderia haver lugar para eles. Em um Evangelho que assume a verdade de que Ele é divino, e não procura prová-lo, mas dar testemunho da vida que traz sua própria prova (comp. Notas sobre João 1:7; João 20:30-31), são provas de que a testemunha é verdadeira. O fato de que João claramente quer que entendamos (João 12:28) que uma voz distinta falou do céu não proíbe nossa compreensão também de que essa voz foi ouvida mais ou menos distintamente, ou era como uma voz não ouvida, na proporção como os corações dos ouvintes eram ou não receptivos à voz de Deus. Para alguns, parecia apenas um trovão natural, mas suas próprias Escrituras haviam ensinado repetidamente: “Deus troveja maravilhosamente com Sua voz; grandes coisas faz Ele, que não podemos compreender”, e a interpretação religiosa da natureza ouve em toda parte a voz de Deus. , e estes devem ter sido fariseus (comp. Atos 23:8-9), reconhecer uma voz que é mais do que a da natureza ou do homem, e pensar que um anjo falou (comp. Nota em João 5:4.) [Watkins, aguardando revisão]

30 Respondeu Jesus e disse: Esta voz não veio por causa de mim, mas sim por causa de vós.

Comentário de David Brown

Isto é, provavelmente, para corrigir as impressões desfavoráveis ​​que Sua agitação momentânea e a misteriosa oração pela libertação podem ter produzido sobre os espectadores. [JFB, aguardando revisão]

31 Agora é o juízo deste mundo; agora será lançado fora o príncipe deste mundo.

Comentário de David Brown

Agora é o juízo deste mundo – o mundo que “crucificou o Senhor da glória” (1Coríntios 2:8), considerado como um vasto e complicado reino de Satanás, respirando seu espírito, fazendo seu trabalho, e envolvido em seu destino, que a morte de Cristo por suas mãos foi selada irrevogavelmente.

agora será lançado fora o príncipe deste mundo – Quão diferente é aquela “hora” que se aproxima rapidamente, considerada nos reinos das trevas e da luz! “A hora do alívio; do pavor do Trovão da nossa paz – quão perto está! Ainda assim, um pequeno momento, e o dia é nosso! ”Assim, foi calculado e sentido na única região. “Agora o príncipe deste mundo será expulso”, é uma visão um pouco diferente do mesmo evento. Nós sabemos quem estava certo. Embora ainda sob um véu, Ele vê os triunfos da Cruz em luz desobstruída e transportadora. [JFB, aguardando revisão]

32 E eu, quando for levantado da terra, trarei todos a mim.

Comentário de David Brown

O “eu” aqui é enfático – eu, tomando o lugar do príncipe ejetado do mundo. “Se levantado”, significa não só depois que eu fui levantado, mas, pela virtude dessa edificação. E verdadeiramente, a morte da Cruz, em todo o seu significado, revelada na luz e carregada no coração, pelo poder do Espírito Santo, possui uma atração sobre o vasto mundo – para civilizado e selvagem, instruído e analfabeto. , semelhante – que rompe toda a oposição, assimila tudo a si mesmo, e forma dos materiais mais heterogêneos e discordantes um reino de glória suprema, cujo princípio unificador é a adoração da sujeição “àquele que os amou”. A mim ”, diz ele. Que lábios poderiam arriscar-se a proferir tal palavra senão a Sua, que “caiu como um favo de mel”, cuja maneira de falar estava cada vez mais no mesmo espírito de igualdade consciente com o Pai? [JFB, aguardando revisão]

33 (E isto dizia, indicando de que morte ele morreria.)

Comentário de David Brown

Isto ele disse, significando que morte ele deveria morrer – isto é, “sendo levantado da terra” sobre “a árvore amaldiçoada” (Jo 3:14; Jo 8:28). [JFB, aguardando revisão]

34 Respondeu-lhe a multidão: Temos ouvido da Lei que o Cristo permanece para sempre; e como tu dizes que convém que o Filho do homem seja levantado? Quem é este Filho do homem?

Comentário de David Brown

Temos ouvido da Lei – as escrituras do Antigo Testamento (referindo-se a lugares como Salmo 89:28-29; Salmo 110:4; Daniel 2:44; Daniel 7:13-14) .

que Cristo – o Cristo “permanece para sempre”

e como tu dizes que convém que o Filho do homem seja levantado?… – Como isso pode consistir com essa “elevação”? Eles viram muito bem que Ele estava se mantendo como o Cristo e um Cristo para morrer uma morte violenta; e como isso contrariava todas as ideias deles sobre as profecias messiânicas, eles ficaram contentes em obter essa aparente vantagem para justificar sua atitude inabalável. [JFB, aguardando revisão]

35 Disse-lhes pois Jesus: Ainda por um pouco de tempo a luz está convosco; andai enquanto tendes luz, para que as trevas vos não apanhem. E quem anda em trevas não sabe para onde vai.

Comentário de David Brown

Ainda por um pouco de tempo a luz está convosco; andai enquanto tendes luz… – Em vez de responder a sua pergunta, Ele os adverte, com majestade e ternura mesclados, contra a insignificância de sua última breve oportunidade, e suplica-os a deixar entrar a Luz enquanto a possuem no meio de eles, que eles mesmos poderiam ser “luz no Senhor”. Nesse caso, todas as nuvens que pairavam em torno de Sua Pessoa e Missão seriam rapidamente dissipadas, enquanto se continuassem a odiar a luz, sem botas, todas as Suas respostas aos seus meros perguntas especulativas ou capciosas. (Veja em Lucas 13:23). [JFB, aguardando revisão]

36 Enquanto tendes luz, crede na luz, para que sejais filhos da luz. Estas coisas falou Jesus, e indo-se, escondeu-se deles.

Comentário de David Brown

Estas coisas falou Jesus, e indo-se, escondeu-se deles – Aquele que falava como nunca falava, e imediatamente depois de palavras repletas de dignidade e amor indescritíveis, teve de “se esconder” dos seus auditores! Então, o que eles devem ter sido? Ele se aposentou, provavelmente para Betânia. (Os paralelos são: Mateus 21:1737). [JFB, aguardando revisão]

37 E ainda que perante eles tinha feito tantos sinais, não criam nele.

Comentário de David Brown

É apenas a maneira deste evangelista registrar suas próprias reflexões sobre as cenas que ele descreve; mas aqui, tendo chegado ao que era praticamente o fim do ministério público de nosso Senhor, ele lança um olhar afetivo sobre a inutilidade de todo Seu ministério na maior parte do povo agora condenado.

embora ele tenha feito tantos milagres – A palavra usada sugere sua natureza assim como o número. [JFB, aguardando revisão]

38 Para que se cumprisse a palavra do profeta Isaías, que disse: Senhor, quem creu em nossa pregação? E a quem o braço do Senhor foi revelado?

Comentário de David Brown

Que a afirmação de Esaías … poderia ser cumprida – Essa incredulidade não deixava de lado os propósitos de Deus, mas, pelo contrário, os cumpria. [JFB, aguardando revisão]

39 Por isso não podiam crer, porque outra vez Isaías disse:

Comentário de David Brown

Portanto, eles não podiam acreditar, porque Esaías disse novamente, Ele cegou seus olhos, que eles não deveriam ver, etc. – Que isto expressa um ato divino positivo, pelo qual aqueles que intencionalmente fecham seus olhos e endurecem seus corações contra a verdade são judicialmente calada em sua incredulidade e impenitência, é admitida por todos os críticos sinceros [como Olshausen], embora muitos deles achem necessário afirmar que isso não é de forma alguma incompatível com a liberdade da vontade humana, o que obviamente não é . [JFB, aguardando revisão]

40 Os olhos lhes cegou, e o coração lhes endureceu; para não acontecer que vejam dos olhos, e entendam do coração, e se convertam, e eu os cure.

Comentário de H. W. Watkins

Os olhos lhes cegou, e o coração lhes endureceu… Estas palavras são citadas três vezes no Novo Testamento. Nosso Senhor, como vimos, os cita como explicando Seu próprio ensino (Mateus 13:14); João os cita aqui para explicar a rejeição desse ensino; Paulo os cita em Atos 28:26, para explicar a rejeição do Evangelho pelos judeus em Roma. No entanto, devemos lembrar que o profeta e aqueles que o citam são todos testemunhas de que dentro de Israel havia olhos que não eram cegos e corações que não eram endurecidos. Isaías, João e Paulo eram todos judeus; e nosso próprio Senhor era, em Sua natureza humana, da semente de Abraão. A profecia de Isaías é acompanhada pela promessa de uma semente santa (João 12:13); João cita essas palavras e acrescenta que “até mesmo dos governantes muitos creram” (João 12:42); Paulo os cita quando “alguns creram nas coisas que foram ditas e alguns não creram” (João 12:24); Nosso Senhor os cita e imediatamente diz: “Mas bem-aventurados os vossos olhos, porque vêem, e os vossos ouvidos, porque ouvem”. venha somente aos olhos que não querem ver, e aos corações que não querem ouvir – que ninguém, portanto, se desespere. A citação neste lugar não segue exatamente o hebraico ou o grego da passagem de Isaías. No texto hebraico , como na versão Autorizada, o profeta é ordenado a “engordar o coração deste povo”. . . . O texto grego diz simplesmente: “O coração deste povo foi endurecido”… João representa a ação que Deus ordenou que fosse feita por Ele mesmo, e fala dela no tempo passado.

e eu os cure. O pronome aqui se refere a Cristo. João em sua interpretação da profecia fez de Deus (“Ele”) o autor da cegueira e dureza judicial, e representa Cristo como o médico. Esta cláusula, no entanto, não deve ser tomada separadamente, mas é governada por “isso não” que precede.

Em todo o verso comp. Observe em Mateus 13:14 e Atos 28:26. [Watkins, aguardando revisão]

41 Isto disse Isaías, quando viu sua glória, e falou dele.

Comentário de David Brown

Uma chave de imensa importância para a abertura da visão de Isaías (Isaías 6:1-13), e todas as representações similares do Antigo Testamento. “O FILHO é o Rei Jeová que governa no Antigo Testamento e aparece aos eleitos, como no Novo Testamento O ESPÍRITO, o invisível Ministro do Filho, é o Diretor da Igreja e o Revelador no santuário do coração” (Olshausen) [JFB, aguardando revisão]

42 Contudo ainda até muitos dos chefes também creram nele; mas não o confessavam por causa dos fariseus; para não serem expulsos da sinagoga.

Comentário de David Brown

entre os principais governantes também – sim, “até mesmo dos governantes”; como Nicodemos e José.

por causa dos fariseus – isto é, os líderes das seitas; porque eles eram eles mesmos.

expulso da sinagoga – Veja Jo 9:22, 34. [JFB, aguardando revisão]

43 Porque amavam mais a glória humana do que a glória de Deus.

Comentário de David Brown

“uma observação severa, considerando que pelo menos algumas dessas pessoas confessaram a Cristo. Indica o desprazer com o qual Deus considerou sua conduta neste momento e com o qual continua a considerar conduta semelhante ”(Webster e Wilkinson). [JFB, aguardando revisão]

44 E exclamou Jesus, e disse: Quem crê em mim, não crê somente em mim, mas também naquele que me enviou.

Comentário de David Brown

Jesus chorou – em um tom alto e com solenidade peculiar. (Veja Jo 7:37).

e disse: Quem crê em mim… – Isto parece ser um registro suplementar de algumas proclamações pesadas, para as quais não havia sido encontrado nenhum lugar natural antes, e introduzido aqui como uma espécie de resumo e conclusão de Seu inteiro testemunho. [JFB, aguardando revisão]

45 E quem vê a mim, vê a aquele que me enviou.

Comentário de Albert Barnes

Este versículo é uma forte confirmação de sua igualdade com Deus. De nenhuma outra forma pode ser verdade que aquele que viu Jesus viu aquele que o enviou, a menos que ele fosse o mesmo em essência. De nenhum homem se pode afirmar que aquele que o viu viu Deus. Dizer isso de Paulo ou Isaías teria sido uma blasfêmia. E, no entanto, Jesus usa essa linguagem familiar e constantemente. Mostra que ele tinha consciência de que era divino, e que era a maneira natural e adequada de falar ao falar de si mesmo. Compare João 5:17. [Barnes, aguardando revisão]

46 Eu sou a luz que vim ao mundo, para que todo aquele que crê em mim, não permaneça em trevas.

Comentário Schaff

Aqui temos a substância das últimas palavras do Salvador à multidão (João 12:35-36) e os ditos anteriores de João 8:12. João 9:5; mas em nenhum lugar foi tão claramente ensinado que todos estão “nas trevas” até que pela fé em Jesus recebam luz. Comp. João 3:19 (Atos 26:18; Colossenses 1:13), e especialmente no Prólogo. É fácil traçar uma certa conexão de pensamento nesses versículos, embora pela natureza do caso a conexão nem sempre seja muito próxima. Os dois primeiros (João 12:4; João 12:45) estão ocupados com a relação entre os discípulos de Jesus e o Pai que O enviou; os três seguintes (João 12:46-48), com a relação de Jesus com o mundo; os dois últimos, com Sua relação com o Pai. Da contemplação (João 12:45) à luz é uma transição natural; a partir deste ponto, cada versículo conduz diretamente ao caminho que o segue. O pensamento é inicialmente expresso na linguagem da figura (João 12:46), depois com clareza e simplicidade estudiosa. [Schaff, aguardando revisão]

47 E se alguém ouvir minhas palavras, e não crer, eu não o julgo; porque não vim para julgar o mundo, mas sim para salvar o mundo.

Comentário de Thomas Croskery

E se alguém ouvir minhas palavras, e não crer. Aqui nosso Senhor passa do efeito de sua vida terrena, que é luz, para aquele das palavras (ῤημάτα) pelas quais todo o futuro da humanidade será afetado, e nos lembramos do fim do sermão do monte, onde é retratada a condição daquele homem que ouve o λόγους de Cristo e os pratica, cujo destino será determinado pelo curso natural das coisas (ver Mateus 7:26, 27). Não os guarde (veja Mateus 19:20). O “ouvir” claramente não é idêntico à aceitação espiritual, mas é restrito à terrível carga de responsabilidade que vem sobre todo homem que simplesmente ouve, sabe quais são as palavras de Cristo, e então as “guarda” não para cumprir sua intenção. Cristo diz, eu não o julgo. Não estou agora pronunciando uma sentença sobre ele; Eu sou seu Salvador; mas esta é a sua condenação, que ele não acredita, etc. (João 3:17-19). Nosso Senhor afirmou, no sermão da montanha, ser o Executor de um julgamento, e em João 5:22-29 ele declarou que seria como Filho do homem, o Juiz final da condenação dos desobedientes (compare com Mateus 25.), e em muitos lugares ele tornou esse pensamento ainda mais solene, falando de si mesmo naquela ocasião, não como o Salvador compassivo, mas o Administrador de uma lei inviolável, que não pode ser influenciada pela emoção imediata, mas se efetivará em princípios eternos e inabaláveis. A Lei acusa a antiga Lei (João 5:45) – eu não o julgo; porque não vim para julgar o mundo, mas sim para salvar o mundo, referindo-me à Encarnação em seu significado e motivo supremo. [Croskery, aguardando revisão]

48 Quem me rejeitar e não receber minhas palavras, já tem quem o julgue: a palavra que eu tenho falado, essa o julgará no último dia.

Comentário de Albert Barnes

Quem me rejeitar. Lucas 10:16. A palavra “rejeitar” significa desprezar ou recusar-se a recebê-lo.

já tem quem. Ou seja, ele não precisa da minha voz para condená-lo. Ele levará consigo sua própria condenação, mesmo que eu fique em silêncio. Sua própria consciência o condenará. As palavras que pronunciei serão lembradas e o condenarão, se não houver mais nada. Com isso aprendemos:

1. que uma consciência culpada não precisa de acusador.

2. que as palavras de Cristo e as mensagens de misericórdia que o pecador rejeitou serão lembradas por ele.

3. que esta será a fonte de sua condenação. Isso o tornará infeliz, e não haverá possibilidade de ele ser feliz.

4. que a consciência do pecador concordará com a sentença de Cristo no grande dia, e que ele irá para a eternidade autocondenado. É isso que tornará as dores do inferno tão intoleráveis ​​para o pecador.

5. A palavra que Cristo falou, as doutrinas de seu evangelho e as mensagens de misericórdia serão aquelas pelas quais o pecador será julgado no último dia. Cada pessoa será julgada por essa mensagem, e o pecador será punido de acordo com a frequência e clareza com que a mensagem rejeitada foi apresentada à sua mente, Mateus 12:41. [Barnes, aguardando revisão]

49 Porque eu não tenho falado de mim mesmo; porém o Pai que me enviou, ele me deu mandamento do que devo dizer, e do que devo falar.

Comentário de H. W. Watkins

Porque eu não tenho falado de mim mesmo. Comp. João 5:30; João 7:16-17; João 7:28-29; João 8:26; João 8:28; João 8:38. A palavra “para” conecta isso por meio da razão com o poder condenatório de Sua palavra.

porém o Pai que me enviou, ele me deu mandamento. Comp. Nota sobre João 10:18. A referência é à comissão de Sua vida messiânica.

do que devo dizer, e do que devo falar. É claro que nosso Senhor pretende uma distinção aqui entre “dizer” e “falar”. Tivemos a mesma distinção em João 8:43. O que Ele deveria dizer era o assunto da revelação que Ele fez; o que Ele deveria falar foi antes o método pelo qual Ele o fez. Ele reivindica toda a autoridade e comissão do Pai. Toda verdade proferida por Ele, e toda obra e palavra pela qual foi proferida, foi ordenada pela vontade do Pai. Ele era Ele mesmo a Palavra de Deus. Cada tom e sotaque em que essa Palavra falou era divino. [Watkins, aguardando revisão]

50 E sei que seu mandamento é vida eterna. Portanto o que eu falo, falo assim como o Pai tem me dito.

Comentário de Albert Barnes

é vida eterna. É a causa ou fonte da vida eterna. Aquele que obedece ao mandamento de Deus obterá a vida eterna; e este é o seu mandamento, que creiamos no nome de seu Filho unigênito, 1João 3:22. Vemos aqui a razão da seriedade e fidelidade do Senhor Jesus. Foi porque ele viu que a vida eterna dependia da pregação fiel da mensagem de Deus. Ele, portanto, proclamou em face de toda oposição, desprezo e perseguição. E vemos também: (1) Que todo ministro de religião deve ter uma convicção profunda e permanente de que entrega uma mensagem que deve estar ligada ao bem-estar eterno de seus ouvintes. E, (2) Sob a influência dessa crença, ele deve entregar sua mensagem sem medo diante de prisão, pobreza, desprezo, perseguição e morte.

Pode não ser impróprio observar aqui que este é o fim da pregação pública de Cristo. O resto de seu ministério foi empregado na instrução particular de seus apóstolos e em prepará-los para sua morte que se aproximava. É tão perto que todos os seus ministros deveriam desejar fazer uma exibição solene, deliberada e firme da verdade de Deus, sob a crença de que dela dependia a salvação eterna de seus ouvintes, e proferindo sem medo a solene mensagem do Altíssimo para um mundo perdido. [Barnes, aguardando revisão]

<João 11 João 13>

Visão geral de João

No evangelho de João, “Jesus torna-se humano, encarnando Deus o criador de Israel, e anunciando o Seu amor e o presente de vida eterna para o mundo inteiro”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de João.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.