Lucas 18

Parábola da viúva importuna

1 E Jesus lhes disse também uma parábola sobre o dever de sempre orar, e nunca se cansar.

Comentário Whedon

lhes disse. Para seus discípulos. Embora tenha sido sem dúvida mais tarde em sua jornada em direção ao Jordão do que o discurso da vinda do Filho do homem no último capítulo, ainda assim a impressão desse discurso está na mente, e o mesmo tópico solene tinge a presente parábola.

sempre orar. O hábito de fervorosa devoção vocal, pública, familiar e privada, no devido tempo, impregnará a alma cristã com oração. O espírito humano atinge, assim, o estado de espírito em que respira espontaneamente a oração.

e nunca se cansar. Não desmaiar pelo cansaço de tanto fazer o bem. É uma coisa triste quando a oração silencia nos lábios e desmaia no coração. Pois, uma vez que a oração é o alento vital do cristão, sem ela a vida cristã cessa e o homem está espiritualmente morto. [Whedon, aguardando revisão]

2 Dizendo: Havia um certo juiz em uma cidade, que não temia a Deus, nem respeitava pessoa alguma.

Comentário Cambridge

um certo juiz. Em vez disso, um certo juiz. A pequena história não é improvável que seja tirada da vida, e sem dúvida os juízes inferiores sob tal soberania como a de Herodes podem permitir muitos casos de descuido e venalidade.

que não temia a Deus, nem respeitava pessoa alguma. A descrição de um personagem perfeitamente abandonado. Ele está violando ambos os dois grandes mandamentos; em contradição com o espírito de ambas as Tabelas do Decálogo. Sua conduta é o oposto do nobre conselho de Josafá aos seus juízes, 2Crônicas 19:6-7; (2Coríntios 8:21). [Cambridge, aguardando revisão]

3 Havia também naquela mesma cidade uma certa viúva, e vinha até ele, dizendo: Faze-me justiça com meu adversário.

Comentário de David Brown

Havia também naquela mesma cidade uma certa viúva – fraca, desolada, indefesa. Compare com 1Timóteo 5:5, um versículo que evidentemente alude ao que é dito aqui: “Agora, a verdadeira viúva e desolada confia em Deus e persevera em súplicas e orações noite e dia”.

e vinha até ele – em vez disso, ‘continuou vindo’, como o tempo imperfeito implica. Na verdade, foi para se livrar dessa “contínua vinda” que o juiz finalmente concedeu-lhe a reparação.

dizendo: Faze-me justiça com meu adversário – isto é, por meio de uma interposição judicial. [JFB, aguardando revisão]

4 E por um certo tempo ele não quis; mas depois disto, disse para si: Ainda que eu não tema a Deus, nem respeite pessoa alguma,

Comentário Whedon

por um certo tempo. O grande intervalo entre a Primeira e a Segunda Vinda do Filho do homem. Consideramos isso verdadeiro e talvez o único significado adequado. Mas, como o mesmo princípio se aplica à oração da alma individual e à oração coletiva da Igreja, Deus freqüentemente faz um intervalo de provação entre o oferecimento de nossa oração e a concessão da resposta.

que eu não tema a Deus. A maioria dos homens acredita que eles não são tão ruins; e embora cada um possa enganar a si mesmo, eles são menos malvados até mesmo por essa pretensão. Mas aqui está um homem conscientemente sem princípios. O homem que pode assim enfrentar a si mesmo com firmeza, pode, é claro, mostrar a face mais dura para os outros. [Whedon, aguardando revisão]

5 Porém, porque esta viúva me incomoda, eu lhe farei justiça, para que ela pare de vir me chatear.

Comentário Lange

Comp. Lucas 11:8. O juiz dá ouvidos à viúva, porque suas reclamações intermináveis ​​se tornam insuportáveis ​​para ele. Quão grandemente a beleza da parábola é aumentada pelo fato de que ele comunica sua resolução na forma de um solilóquio, chama a atenção de uma vez. A sorte fortuna da viúva é relatada de forma dramática. – Εἰς τέλος, não tandem, mas incessantemente, LXX = לָנֵצִה, – ὑπωπιάζειν, propriamente para bater em um preto e azul sob os olhos, mas também proverbial para a designação de qualquer possível tormento , comp. 1Coríntios 9:27. De acordo com Meyer, deve-se entender que o juiz realmente ficou com medo, ou pelo menos apresentou o caso zombeteiramente para si mesmo, de que a mulher poderia ficar desesperada e se comprometer a atacá-lo e bater em seu rosto. Possível, sem dúvida; mas certamente essa não era uma característica que se adaptaria bem à imagem de uma viúva indefesa e suplicante, já que, dessa forma, ela teria se transformado em uma fúria. Quanto ao resto, parece de todo o monólogo que é apenas o egoísmo que determina o juiz agora a ceder, como antes o impeliu à injustiça. A Vulgata, Neemias sugeriu-me. Glosa marginal de Lutero: “Para que ela não me atormente e me torture, como dizem de pessoas impetuosas e devassas: o quanto o homem me atormenta.” Bem expresso é o caráter proverbial do estilo de falar na tradução holandesa: Que ela não venha e quebre minha cabeça por mim. [Lange, aguardando revisão]

6 E disse o Senhor: Ouvi o que diz o juiz injusto.

Comentário de David Brown

o Senhor – um nome expressivo do estilo autoritativo no qual Ele interpreta Sua própria parábola. [JFB, aguardando revisão]

7 E Deus não fará justiça para seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite? Demorará com eles?

Comentário de David Brown

E Deus não fará justiça – não como aquele homem sem princípios, mas o infinitamente justo “Juiz de toda a terra,” E não Deus – não como aquele homem sem princípios, mas o infinitamente justo “Juiz de toda a terra”.

justiça – redimir de opressão, seus próprios eleitos – que não são como esta pobre viúva aos olhos daquele desgraçado egoísta, objetos de indiferença e desprezo, mas queridos por Ele como a menina dos olhos (Zacarias 2:8).

que clamam a ele de dia e de noite – cujo clamor chega aos ouvidos do Senhor de Sabaoth (Tiago 5:4); e quanto mais seus gritos incessantes e perseverantes, Embora ele os tolere por muito tempo? Essa tradução pode confundir o leitor inglês, a cujos ouvidos não consegue transmitir o sentido óbvio. A mesma expressão é usada em Tiago 5:7 – “O lavrador espera pelo precioso fruto da terra e tem longa paciência com ele”. Portanto, devemos traduzir aqui, ‘embora ele tenha saudades deles’, ou ‘por conta deles’; isto é, com seus opressores. Não é com Seus próprios eleitos que Deus tem que suportar no caso aqui suposto, mas com aqueles que os oprimem. E o significado é que embora Ele tolere essas opressões por um longo tempo, Ele interporá longamente em favor de Seus próprios eleitos. [JFU, aguardando revisão]

8 Digo-vos que depressa lhes fará justiça. Porém, quando o Filho do homem vier, por acaso ele achará fé na terra?

Comentário de David Brown

depressa – como se sofresse com o longo atraso, impaciente pelo momento destinado a se interpor. (Compare Provérbios 29:1)

por acaso… – isto é, contudo, antes que o Filho do homem venha reparar os erros de Sua Igreja, tão pouca vontade a esperança do alívio afundará, durante o tempo da demora, que será um prazer perguntar, Ele encontrará alguma fé de um vingador vindouro deixado na terra? A partir disso aprendemos: (1) Que a referência primária e histórica desta parábola é à Igreja em sua condição de viúva, desolada, oprimida e indefesa durante a atual ausência de seu Senhor nos céus; (2) Que nessas circunstâncias importunas, a oração perseverante por libertação é o melhor exercício da Igreja; (3) Que, apesar de todo encorajamento a isso, por tanto tempo a resposta será adiada, enquanto a necessidade de alívio continua a mesma, e toda a esperança de libertação terá quase morrido, e “fé” da vinda de Cristo dificilmente será encontrado. Mas a aplicação da parábola à oração em geral é tão óbvia que quase ocultou sua referência mais direta, e tão preciosa que não se pode permitir que ela desapareça em qualquer interpretação pública e histórica. [JFB, aguardando revisão]

Parábola do fariseu e do publicano

9 E disse também a uns, que tinham confiança de si mesmos que eram justos, e desprezavam aos outros, esta parábola:

Comentário Cambridge

que tinham confiança de si mesmos que eram justos. Veja Lucas 16:15; Php 3:4; 2Coríntios 1:9. As palavras judaicas ‘Jashar’, ‘o homem justo’ e ‘Tsaddik’, ‘justo’ expressam seu mais elevado ideal moral; mas eles fizeram sua retidão e justiça consistirem tanto em atenção às minúcias cerimoniais da Lei Levítica, e externismo rígido tão absorvido seus pensamentos, que eles perderam de vista aqueles ideais mais elevados e verdadeiros de caridade que os Profetas continuamente colocaram diante deles -. Essa adoração fetichista da carta, essa escrupulosidade sobre ninharias, tendia apenas à autoconfiança e ao orgulho. Há muito que foi denunciado nas Escrituras. “Há uma geração que é pura aos seus próprios olhos e ainda assim não foi lavada da sua imundície”, Provérbios 30:12; “Que dizem: Fique sozinho, não se aproxime de mim; pois sou mais santo do que tu. Isso é fumaça em meu nariz, um fogo que arde o dia todo ”, Isaías 65:5. Este é o tipo de “fé” que o Filho do Homem encontrará na terra – a fé do homem em si mesmo!

e desprezavam aos outros. Em vez disso, o resto. A palavra ‘desprezar’ significa ‘tratar como nada’, ‘considerar meras cifras’, Romanos 14:3; Romanos 14:10. Os rabinos inventaram as designações mais sofisticadas uns para os outros, como ‘Luz de Israel’, ‘Desgarrador das montanhas’, ‘A Glória da Lei’, ‘O Sagrado’, & c .; mas eles descreveram a vasta massa de seus conterrâneos como “amaldiçoados” por não conhecerem a lei (João 7:49), e falaram deles como ‘cisternas vazias’, ‘pessoas da terra’ etc. Veja em Lucas 5:32, Lucas 7:34, etc. Este fariseu considera com perfeita autocomplacência a suposta ruína e degradação de todo o resto da humanidade. Em certo sentido, a parábola representa as relações mútuas de judeus e gentios. [Cambridge, aguardando revisão]

10 Dois homens subiram ao Templo para orar, um fariseu, e o outro publicano.

Comentário Whedon

subiram. Assim como o publicano desceu para sua própria casa; porque o templo estava em um terreno elevado.

ao Templo para orar. O lugar de oração no templo era provavelmente o átrio das mulheres, onde também se encontravam os baús para depositar as esmolas dos fiéis. No pátio do templo, o suplicante dirigiu seu rosto para o santo dos santos; mas se em outro país, para Jerusalém.

fariseupublicano. Nosso Senhor está agora, provavelmente, ainda na região onde um grande número de convertidos publicanos se opôs e oprimiu pela altiva oligarquia dos fariseus. Veja notas em Lucas 13:32; Lucas 17:5. Sem dúvida, muitos pobres publicanos foram encorajados ao arrependimento, sendo ensinados que sua declaração de se lançar na misericórdia de Deus em absoluto aborrecimento de seus pecados, era um caminho mais seguro para a justificação do que a santimônia cruel dos santos profissionais, que se regozijavam em manter sob seus pés uma casta inferior de pecadores sobre os quais eles poderiam se gabar e tiranizar. [Whedon, aguardando revisão]

11 O fariseu, estando de pé, orava consigo desta maneira: Ó Deus, eu te agradeço, porque não sou como os outros homens, ladrões, injustos e adúlteros; nem sou como este publicano.

Comentário de David Brown

permaneceu – como os judeus em oração (Marcos 11:25).

Deus… – Ter sido impedido de iniquidades grosseiras era, sem dúvida, justa causa de gratidão a Deus; mas, em vez do quadro devotamente humilde e admirador que isso deveria inspirar, o fariseu arrogantemente se separa do resto da humanidade, bem acima deles, e, com um olhar desdenhoso para o pobre publicano, agradece a Deus por não ter de ficar de longe. fora como ele, para abaixar a cabeça como um junco e bater o peito como ele. Mas estas são apenas suas excelências morais. Seus méritos religiosos completam seus motivos para felicitações. Não se limitando ao jejum anual divinamente prescrito (Levítico 16:29), ele não estava por trás do mais rígido, que jejuava no segundo e quinto dia de cada semana (Lightfoot), e dava o décimo não apenas do que a lei colocado sob o dízimo, mas de “todos os seus ganhos”. Assim, além de fazer todo o seu dever, ele fez obras de super-rogação; enquanto pecados para confessar e espirituais querem ser supridos, ele parece não ter sentido nenhum. Que figura do caráter farisaico e da religião! [JFB, aguardando revisão]

12 Jejuo duas vezes por semana, e dou dízimo de tudo quanto possuo.

Comentário de David Brown

Não se limitando ao único jejum anual divinamente prescrito (Levítico 16:29), ele não ficou atrás do mais rígido, que, como diz Lightfoot, jejuava no segundo e no quinto dia de cada semana, e dava o décimo não só do que a lei colocada sob o dízimo, mas de “todos os seus ganhos”. Assim, além de cumprir todo o seu dever, ele fez obras de supererrogação; enquanto os pecados a confessar e os desejos espirituais de serem supridos, ele parece não ter sentido nenhum. Que imagem do caráter e da religião farisaica! [JFU, aguardando revisão]

13 E o publicano, estando em pé de longe, nem mesmo queria levantar os olhos ao céu, mas batia em seu peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador.

Comentário de David Brown

de longe – como indigno de se aproximar; mas esse era o caminho para chegar perto (Salmo 34:1857:15).

não levantaria – corando e envergonhado por fazê-lo (Esdras 9:6).

smote, etc – continuou ferindo; por angústia (Lucas 23:48) e autocensura (Jeremias 31:19).

tem misericórdia  – “seja propiciado”, uma palavra muito incomum em tal sentido, somente uma vez usada no Novo Testamento, no sentido de “fazer reconciliação” pelo sacrifício (Hebreus 2:17). Pode haver, portanto, alguma alusão a isso aqui, embora não seja provável.

um pecador – literalmente, “o pecador”; isto é, “Se alguma vez houve um, eu sou ele”. [JFB, aguardando revisão]

14 Digo-vos que este desceu mais justificado à sua casa do que aquele outro; porque qualquer que a si mesmo se exalta, será humilhado; e qualquer que a si mesmo se humilha, será exaltado.

Comentário de David Brown

do que aquele outro – O significado é “e não o outro”; porque o fariseu não estava procurando justificação e não sentia necessidade disso. Esta grande lei do Reino de Deus é inscrita, no ensinamento de Cristo, como em letras de ouro, sobre o seu portão de entrada. E em quantas formas diferentes é repetido (Salmo 138:6147:6; Lucas 1:53). Ser auto esvaziado, ou “pobre de espírito”, é a preparação fundamental e indispensável para a recepção da “graça que traz salvação”: onde quer que exista, o “luto” por ela que precede “consolo” e o fervoroso. “Fome e sede depois da justiça”, que são recompensados ​​pela “plenitude” dela, serão, como vemos aqui, certamente encontrados. Tais, portanto, e somente assim, são os justificados (Jó 33:27-2834:18; Isaías 57:15). [JFB, aguardando revisão]

15 E traziam-lhe também crianças pequenas, para que as tocasse; e os discípulos, vendo, os repreendiam.

Comentário de David Brown

crianças pequenas – mostrando que alguns, pelo menos, daqueles chamados em Mateus (Mateus 19:13) e Marcos (Marcos 10:13) simplesmente “pequenos” ou “crianças pequenas”, eram literalmente “bebês”.

tocasse – ou, como mais plenamente em Mateus (Mateus 19:13), “ponha as mãos sobre eles e orar”, ou invocar uma “bênção” sobre eles (Marcos 10:16), de acordo com venerável costume (Gênesis 48:14-15).

os repreendiam – Repetidamente os discípulos interpuseram-se para salvar o aborrecimento e a interrupção do seu Mestre; mas, como o resultado mostrou, sempre contra a mente de Cristo (Mateus 15:23; Lucas 18:39-40). Aqui está claro, pela resposta de nosso Senhor, que eles achavam a invasão inútil, pois os bebês não eram capazes de receber nada Dele. Suas ministrações eram para pessoas adultas. [JFB, aguardando revisão]

16 Mas Jesus, chamando-lhes para si, disse: Deixai as crianças virem a mim, e não as impeçais; porque das tais é o Reino de Deus.

Comentário de David Brown

Mas Jesus – “muito descontente”, diz Marcos (Marcos 10:14); e adição inestimável.

disse: Deixai as crianças virem a mim, e não as impeçais é o importante acréscimo de Mateus (Mateus 19:14) e Marcos (Marcos 10:14). Que palavras são estas dos lábios de Cristo! O preço deles está acima dos rubis. Mas a razão atribuída, “PORQUE DE TAL É O REINO DE DEUS”, ou “do céu”, como em Mateus 19:14, completa a informação anterior aqui transmitida; especialmente como interpretado pelo que imediatamente se segue: “E ELE OS REZOU NAS SUAS ARMAS, COLOCOU AS MÃOS SOBRE E ABENÇOU-AS” (Marcos 10:16). Certamente não é concebível que tudo o que nosso Senhor quisesse fosse nos informar, que ver as pessoas crescidas deve tornar-se infantil para ser capaz do Reino de Deus, portanto eles não devem impedir que as crianças cheguem a Ele e, portanto, Ele tomou e abençoou os próprios filhos. Não foi apenas o grave erro dos discípulos que as crianças não deveriam ser trazidas a Cristo, porque somente as pessoas crescidas poderiam lucrar com Ele, o que “desagradou muito” nosso Senhor? E embora Ele tenha tomado a irresistível oportunidade de diminuir seu orgulho da razão, informando-os que, para entrar no Reino, “em vez de os filhos se tornarem como eles, eles devem se tornar como os filhos” [Richter in Stier], isso foi apenas pelo caminho; e, voltando para as próprias crianças, Ele as tomou em Seus graciosos braços, colocou Suas mãos sobre eles e os abençoou, por nenhuma razão concebível, mas para mostrar que eles eram assim capazes, como filhos, do Reino de Deus. E se assim for, então: “Pode alguém proibir a água de que estes não sejam batizados, que receberam o Espírito Santo tão bem quanto nós?” (Atos 10:47). Mas tal aplicação da água batismal não pode ter qualquer garantia aqui, exceto onde os bebês foram previamente trazidos para o próprio Cristo para Sua bênção, e somente como o sinal e selo daquela bênção. [JFB, aguardando revisão]

17 Em verdade vos digo, que qualquer que não receber o Reino de Deus como criança, não entrará nele.

Comentário Whedon

receber o Reino de Deus como criança. É claro que a criança aqui especificada deve ser uma criança literal. E quando é perguntado em que aspecto o adulto convertido deve se tornar como uma criança, devemos responder, exatamente naquele aspecto pelo qual uma criança é um membro do reino de Deus. Ele deve voltar ao estado de aceitação com Cristo que possuía antes do pecado real. [Whedon, aguardando revisão]

18 E um certo líder lhe perguntou, dizendo: Bom mestre, o que tenho que fazer para herdar a vida eterna?

Comentário de David Brown

Este caso apresenta alguns pontos notáveis.

(1) O homem era de caráter moral irrepreensível; e isto em meio a todas as tentações da juventude, pois ele era um “jovem” (Mateus 19:22) e riqueza, pois “ele era muito rico” (Lucas 18:23; Marcos 10:22).

(2) Mas apesar de inquieto, seu coração anseia pela vida eterna.

(3) Ao contrário dos “governantes”, a cuja classe ele pertencia (Lucas 18:18), até então ele acreditava em Jesus como para ser persuadido Ele poderia autoritariamente dirigi-lo sobre este ponto vital.

(4) Tão sincero é ele que ele vem “correndo” e até mesmo “ajoelhando-se diante dEle”, e que quando Ele foi para a guerra (Marcos 10:17) – a estrada alta, por esta altura cheia de viajantes para A pascoa; não desanimado pela oposição virulenta da classe a que ele pertencia como “governante” e pela vergonha que ele poderia sentir ao abordar tal questão ao ouvir uma multidão e na estrada aberta. [JFB, aguardando revisão]

19 E Jesus lhe disse: Por que me chamas de bom? Ninguém é bom, a não ser um: Deus.

Comentário de David Brown

Nosso Senhor quis então ensinar que Deus só deve ser chamado de “bom”? Impossível, pois isso tinha sido contradizer todo o ensino das Escrituras, e o Seu próprio, também (Salmo 112:5; Mateus 25:21Tito 1:8). A não ser que, portanto, atribuamos astúcia a nosso Senhor, Ele poderia ter apenas um objetivo – elevar as idéias do jovem sobre Si mesmo, para não ser classificado meramente com outros “bons mestres”, e recusar receber este título separadamente do “Aquele” que é essencialmente e somente “bom”. Na verdade, isso é apenas uma sugestão distante; mas a menos que isso seja visto no fundo das palavras de nosso Senhor, nada digno Dele pode ser feito a partir delas. (Por isso, o Socinianismo, em vez de ter qualquer apoio aqui, fica apenas perplexo com ele) [JFB]

20 Tu sabes os mandamentos: não adulterarás, não matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, honra a teu pai e a tua mãe.

Comentário de David Brown

Tu sabes… – Mateus (Mateus 19:17) é mais completo aqui: “mas se queres entrar em vida, guarda os mandamentos. Disse-lhe ele: Como se tivesse dito: Mostra-me uma delas que não guardei? – “Jesus disse: Tu deverás”, etc (Mateus 19:17-18). Nosso Senhor propositadamente se confina à segunda mesa, que Ele consideraria fácil de manter, enumerando todos eles – pois em Marcos (Marcos 10:19), “Defraudar não” representa o décimo (senão o oitavo é repetido duas vezes). Em Mateus 19:19, a soma desta segunda tabela da lei é acrescentada: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”, como para ver se ele se arriscaria a dizer que havia guardado aquilo. [JFB, aguardando revisão]

21 E ele disse: Todas estas coisas tenho guardado desde minha juventude.

Comentário de David Brown

Todas estas… – “que falta eu ainda?”, Acrescenta Mateus (Mateus 19:20). Ah! isso nos dá um vislumbre de seu coração. Sem dúvida, ele era perfeitamente sincero; mas algo dentro sussurrou para ele que a manutenção dos mandamentos era uma maneira muito fácil de chegar ao céu. Ele sentiu algo além disso ser necessário; depois de guardar todos os mandamentos, não sabia o que aquilo poderia ser; e ele veio a Jesus justamente nesse ponto. “Então”, diz Marcos (Marcos 10:21), “Jesus vendo que ele o amava”, ou “olhou amorosamente para ele.” Sua sinceridade, franqueza e proximidade com o reino de Deus, em si mesmas qualidades mais vitoriosas, A consideração do Senhor, embora ele tenha virado as costas para Ele – uma lição para aqueles que não podem ver nada amável, salvo no regenerado. [JFB, aguardando revisão]

22 Porém Jesus, ouvindo isto, disse-lhe: Ainda uma coisa te falta: vende tudo quanto tens, e reparte-o entre os pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue-me.

Comentário de David Brown

falta … uma coisa – Ah! mas isso é uma falta fundamental e fatal.

vende… – Como riquezas eram o seu ídolo, nosso Senhor, que sabia desde o início, toma a sua grande autoridade sobre ele, dizendo: “Agora entregue-me isso, e tudo está certo”. a disposição das riquezas, então, é dada aqui, exceto que devemos nos sentar a elas e depositá-las aos pés dAquele que as deu. Aquele que faz isso com tudo o que tem, seja rico ou pobre, é um verdadeiro herdeiro do reino dos céus. [JFB, aguardando revisão]

23 Mas ele, ouvindo isto, ficou muito triste, porque era muito rico.

Comentário de David Brown

ficou muito triste – Mateus (Mateus 19:22) mais plenamente, “foi embora triste”; Mark ainda mais, “estava triste” ou “mal-humorado” com esse ditado, e “foi embora afligido.” Desculpe por ter se arrependido de se separar de Cristo; mas separar-se de suas riquezas teria lhe custado mais uma pontada. Quando as riquezas ou o céu, em termos de Cristo, eram a alternativa, o resultado mostrava de que lado o equilíbrio se inclinava. Assim, mostrou-se que ele não tinha o único requisito abrangente da lei – a sujeição absoluta do coração a Deus, e este desejo viciou todas as suas outras obediências. [JFB, aguardando revisão]

24 E vendo Jesus que ele tinha ficado muito triste, disse: Como é difícil os que têm muitos bens entrarem no Reino de Deus!

Comentário de David Brown

vendo Jesus que – Marcos diz (Marcos 3:34), Ele “olhou em volta” – como se primeiro seguisse o jovem que se afastava com os Seus olhos – “e disse aos seus discípulos”.

Como é difícil… – com que dificuldade. Em Marcos (Marcos 10:24) uma explicação é acrescentada: “Quão difícil é para os que confiam nas riquezas”, etc. – isto é, com que dificuldade essa conquista idólatra é conquistada, sem a qual eles não podem entrar; e isso é introduzido pela palavra “filhos” – doce diminutivo de afeição e piedade (Jo 21:5). [JFB, aguardando revisão]

25 Porque é mais fácil um camelo entrar pelo olho de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus.

Comentário de David Brown

é mais fácil um camelo… – uma expressão proverbial denotando literalmente uma coisa impossível, mas figurativamente, muito difícil. [JFB, aguardando revisão]

26 E os que ouviram isto ,disseram: Quem então pode se salvar?

Comentário do Púlpito

Esta declaração dura pareceu aos discípulos ser terrivelmente abrangente em seu escopo; o desejo de ser rico não se restringia a nenhuma classe ou ordem, era a paixão universal. […] Não estavam procurando riquezas e glória no reino messiânico do futuro imediato? E de todos os povos, os judeus de todas as épocas foram creditados com a devoção mais cega a esse ídolo, a riqueza. Em São Marcos (Marcos 10:24) encontramos certamente uma declaração explicativa: “Quão difícil é para aqueles que confiam nas riquezas entrar no reino de Deus!” Mas esta declaração explicativa e atenuada não é encontrada nas autoridades mais antigas; em vez disso, lê-se, em Marcos 10:24, simplesmente as palavras: “Quão difícil é entrar no reino de Deus! ‘ Difícil da mesma forma, o Mestre queria dizer, para ricos e pobres, embora mais difícil para os primeiros. [Pulpit, aguardando revisão]

27 E ele disse: As coisas que são impossíveis para os seres humanos são possíveis para Deus.

Comentário Whedon

A salvação de um homem rico é tão milagrosa quanto colocar um camelo no furo de uma agulha. É uma impossibilidade humana. Mas Deus pode fazer isso. Mas isso não reduz o homem rico ao mesmo nível de qualquer outro homem, e assim destrói toda a força das primeiras reflexões de nosso Senhor sobre a impossibilidade de trazer um homem rico para o reino dos céus? Respondemos que o Senhor quer dizer que a salvação de um homem rico tem para a salvação comum dos homens comuns a mesma relação que um milagre tem com um acontecimento comum. Se a salvação de um homem comum é um milagre da graça, a salvação de um homem rico é um milagre sobre um milagre. É um evento acima do caminho ordinário da graça, assim como um milagre está acima do curso normal da natureza. [Whedon]

28 E Pedro disse: Eis que deixamos tudo, e temos te seguido.

Comentário de David Brown

Lo, etc – na simplicidade de seu coração (como é evidente a partir da resposta), consciente de que a rendição exigida havia sido feita, e generosamente levando em seus irmãos com ele – “nós”; não no espírito do jovem governante. “Tudo isso eu guardei”

deixamos tudo – “O trabalhador é pouco tanto quanto o” todo “quanto o príncipe” (Bengel). Em Mateus (Mateus 19:27), ele acrescenta: “O que teremos, portanto?” Como se sairá conosco? [JFB, aguardando revisão]

29 E ele lhes disse: Em verdade vos digo, que há ninguém que, tenha deixado casa, ou pais, ou irmãos, ou mulher, ou filhos,

Comentário de David Brown

há ninguém… – graciosamente reconhecendo imediatamente a completude e a aceitabilidade da rendição como algo já feito.

casa… – A especificação é ainda mais minuto em Mateus e Marcos, (Mateus 19:27; Marcos 10:29) para tomar em cada forma de auto-sacrifício.

pelo amor do reino de Deus – em Marcos (Marcos 10:29), “por amor de mim e do evangelho”. Veja em Lucas 6:22. [JFB, aguardando revisão]

30 Que não venha a receber de volta muito mais nestes tempos, e nos tempos vindouros receba a vida eterna.

Comentário de David Brown

muito mais nestes tempos – em Mateus (Mateus 19:29) “cem vezes”, ao qual Marcos (Marcos 10:30) dá este acréscimo muito interessante: “Agora, neste tempo presente, casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e crianças, e terras, com perseguições. ”Temos aqui a bendita promessa de uma reconstrução de todos os relacionamentos e afetos humanos em uma base cristã e em um estado cristão, depois de ser sacrificado, em sua forma natural, no altar de amor a Cristo. Isto Ele chama de “mais múltiplo” – “cem vezes mais” – do que o que eles sacrificaram. Nosso Senhor foi o primeiro a exemplificar esse novo ajuste de seus próprios relacionamentos. (Veja em Mateus 12:49-50; e veja em 2Coríntios 6:14-18.) Mas isto “com perseguições”; pois como poderia tal transferência ocorrer sem as mais cruéis chaves para carne e sangue? mas a perseguição os seguiria em seu novo e mais elevado círculo, quebrando isso também! Mas o melhor de tudo, “no mundo para vir a vida eterna”.

Estas promessas são para todo aquele que abandona tudo por Cristo. Mas em Mateus (Mateus 19:28) isto é prefaciado por uma promessa especial aos Doze: “Em verdade vos digo que vós me seguirei na regeneração, quando o Filho do homem se assentar no trono da sua glória. e vós também vos assentareis sobre os doze tronos que julgam as doze tribos de Israel. ”Vocês que agora aderiram a Mim, no novo reino, governarão ou darão leis ao grande mundo cristão, aqui estabelecidos em vestimenta judaica como o doze tribos, presididas pelos doze apóstolos em tantos tronos judiciais. Nesse sentido, certamente a promessa foi cumprida com clareza [Calvino, Grotius, Lightfoot, etc.]. Mas se a promessa se refere à ainda futura glória (como pode ser pensado em Lucas 22:28-30, e como a maioria considera), ela aponta para a mais alta distinção pessoal dos primeiros fundadores da Igreja Cristã. [JFB, aguardando revisão]

31 E tomando consigo aos doze, disse-lhes: Eis que estamos subindo a Jerusalém, e se cumprirá no Filho do homem tudo o que está escrito pelos profetas.

Comentário de David Brown

se cumprirá no Filho do homem tudo o que está escrito pelos profetas – mostrando como o próprio Cristo leu, e nos quer ler, o Antigo Testamento, no qual alguns intérpretes de outra maneira não encontram profecias, ou virtualmente nenhum, dos sofrimentos do profeta. Filho do homem. [JFB, aguardando revisão]

32 Porque ele será entregue aos gentios, e escarnecido, injuriado e cuspido.

Comentário Cambridge

aos gentios. Esta foi a terceira e, de longe, a profecia mais clara e circunstancial a respeito de Sua morte. Até agora, exceto por sugestões esparsas que eles não podiam entender (Lucas 9:22; Lucas 9:45), os apóstolos poderiam ter suposto que Jesus seria morto pelas autoridades judaicas. Agora, Ele diz a eles que será entregue aos gentios, o que envolve o fato de que Ele deve ser crucificado, como de fato agora, pela primeira vez, Ele claramente lhes disse (Mateus 20:19). Era necessário, portanto, controlar todas as esperanças messiânicas materiais cegas, cuja prevalência inerradicável foi provada imediatamente depois pelo pedido ambicioso de Salomé e seus filhos (Marcos 10:35-45; Mateus 20:20-28). Mas enquanto as magníficas promessas que tinham acabado de ouvir, e o magnífico milagre que testemunhariam imediatamente, junto com as multidões gritando que logo estariam atendendo a nosso Senhor, tornaram necessário, assim, extinguir todas as esperanças mundanas em suas mentes, mas para evitar de serem esmagados pela tristeza, Ele agora adiciona, sem qualquer ambigüidade, a profecia de Sua ressurreição no terceiro dia. [Cambridge, aguardando revisão]

33 E depois de açoitá-lo, o matarão; e ao terceiro dia ressuscitará.

Comentário de Alfred Plummer

ao terceiro dia. Embora a predição de Sua morte pudesse abalar a fé dos discípulos em Sua messianidade, a predição de Sua ressurreição foi premeditada para o estabelecer. [ICC, aguardando revisão]

34 E eles nada entendiam destas coisas; e esta palavra lhes era oculta; e não entendiam o que estava sendo lhes dito.

Comentário de David Brown

E eles nada entendiam destas coisas… – O evangelista parece incapaz de dizer com força suficiente o quão completamente escondido deles naquele tempo era o sentido dessas declarações excessivamente claras: sem dúvida para adicionar peso ao seu testemunho subsequente, que a partir desta mesma circunstância era prodigioso, e com todos os irresistíveis de coração simples. [JFB, aguardando revisão]

35 E aconteceu que ele, chegando perto de Jericó, estava um cego sentado junto ao caminho, mendigando.

Comentário de David Brown

Em Mateus 20:29-34, eles são dois, como no caso do Demoniac de Gadara. Em Mateus e Marcos (Marcos 10:46-52) a ocorrência está relacionada com a partida de Cristo de Jericó; em Lucas com a sua abordagem para isso. Muitas maneiras de explicar essas pequenas divergências de detalhes foram propostas. Talvez, se soubéssemos todos os fatos, não devêssemos ver nenhuma dificuldade; mas que fomos deixados tão longe no escuro mostra que a coisa não é de modo algum. Uma coisa é clara, não poderia haver conluio entre os autores desses evangelhos, senão eles teriam tomado cuidado para remover esses “pontos no sol”. [JFB, aguardando revisão]

36 E este, ouvindo a multidão passar, perguntou: O que era aquilo?

Comentário Ellicott

ouvindo a multidão passar. Melhor, uma multidão, o grego não tendo artigo, e sua ausência expressando melhor a vaga impressão deixada no cego pelo som de muitos passos e vozes. [Ellicott, aguardando revisão]

37 E disseram-lhe que Jesus Nazareno estava passando.

Comentário do Púlpito

O nome do Senhor era nessa época uma palavra familiar na Palestina, e entre os enfermos e aflitos um som muito precioso e bem-vindo. [Pulpit, aguardando revisão]

38 Então clamou, dizendo: Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim!

Comentário Cambridge

Filho de Davi. Isto mostra que ele reconhece Jesus como o Messias (Mateus 9:27; Mateus 12:23; Mateus 15:22; Mateus 21:915). Não é com isso que a multidão se incomoda, mas com a interrupção: veja Lucas 18:15. Eles o consideraram como um mendigo comum, pedindo dinheiro. E Jesus talvez estivesse ensinando enquanto ia. Marcos nos conta como a atitude do povo mudou em relação a ele, quando viram que Jesus havia decidido escutá-lo. [Cambridge]

39 E os que estavam mais a frente o repreendiam, para que calasse; porém ele clamava ainda mais: Filho de Davi, tem misericórdia de mim!

Comentário do Púlpito

os que estavam mais a frente o repreendiam. Deve ser lembrado que nosso Senhor estava rodeado por uma grande multidão de peregrinos da Páscoa, por muitos dos quais ele era reverenciado como “algum grande”, talvez o Rei Messias. Um clamor da parte de um mendigo cego, pedindo para ser trazido à sua presença que eles tanto admiravam, e de quem tanto esperavam, parecia uma grande presunção: daí essas repreensões. [Pulpit]

40 Então Jesus, parando, mandou que o trouxessem para si; e chegando ele, perguntou-lhe,

Comentário de David Brown

Marcos – Marcos 10:49 tem esta interessante adição: “E chamam o cego, dizendo-lhe: Tende bom ânimo, levanta-te, ele te chama” – assim como alguém desejando sinceramente uma entrevista com alguns pessoa exaltada, mas contada por um funcionário após o outro que é inútil esperar, pois ele não terá sucesso (eles sabem disso), ainda persiste em esperar por alguma resposta ao seu terno, e por fim a porta se abre, e um servo aparece , dizendo: “Você será admitido – ele te chamou”. E não existem outros pretendentes a Jesus que às vezes são assim? “E ele, rejeitando sua vestimenta” – quão vivo é este toque, evidentemente de uma testemunha ocular, expressivo de sua seriedade e alegria – “veio a Jesus” (Marcos 10:49-50). [JFB, aguardando revisão]

41 Dizendo: Que queres que eu te faça? E ele disse: Senhor, que eu veja.

Comentário de David Brown

Que queres… – para experimentá-los; aprofundar sua consciência atual da necessidade; e para extrair sua fé Nele. Senhor “Rabboni” (Marcos 10:51); uma exclamação enfática e confiante. (Veja em Jo 20:16) [JFB, aguardando revisão]

42 E Jesus lhe disse: Vê, tua fé te salvou.

Comentário Ellicott

tua fé te salvou. Melhor, como em Marcos, Tua fé te curou, sendo a referência imediata obviamente para a restauração da visão do homem, e aquilo que estava no futuro imediato sendo reconhecido como já idealmente concluído. Além disso, como no uso da mesma fórmula em Lucas 7:50, existe na palavra uma referência à salvação, a saúde da visão espiritual, da qual a restauração da visão corporal era ao mesmo tempo o tipo e a promessa. [Ellicott, aguardando revisão]

43 E logo ele viu, e o seguia, glorificando a Deus. E o todo o povo, vendo isto , dava louvores a Deus.

Comentário Cambridge

o seguia, glorificando a Deus. O tempo para qualquer reticência a respeito dos milagres já havia passado. Lucas gosta especialmente de registrar doxologias. Veja Lucas 5:26, Lucas 7:16, Lucas 13:17, Lucas 17:15, Lucas 23:47. [Cambridge, aguardando revisão]

<Lucas 17 Lucas 19>

Visão geral de Lucas

No evangelho de Lucas, “Jesus completa a história da aliança entre Deus e Israel e anuncia as boas novas do reino de Deus tanto para os pobres como para os ricos”. Tenha uma visão geral deste Evangelho através deste breve vídeo (em duas partes) produzido pelo BibleProject.

Parte 1 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Parte 2 (9 minutos).

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao Evangelho de Lucas.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.