Bíblia, Revisar

Zacarias 2

Terceira visão. O homem com a linha de medir

1 Voltei a levantar meus olhos, e olhei, e eis um homem que tinha em sua mão uma corda de medir.

A cidade será totalmente restaurada e ampliada (Zc 2:2-5). Lembre-se dos exilados (Zc 2:6-7). Jeová protegerá o seu povo e fará dos seus inimigos um espólio para eles (Zc 2:8-9). As nações serão convertidas a Jeová, como resultado de Sua morada manifestamente no meio de Seu povo (Zc 2:10-13).

um homem que tinha em sua mão uma corda de medir – a mesma imagem para representar o mesmo fato futuro como em Ez 40:3; 47:4. O “homem” é o Messias (ver em Zc 1:8), que, medindo Jerusalém, é denotado como o Autor de sua restauração vindoura. Assim, os judeus são encorajados no tempo de Zacarias para prosseguir com o edifício. Mais ainda, eles devem ser encorajados na futura restauração.

2 E eu perguntei: Para onde vais? E ele me respondeu: Vou medir a Jerusalém, para ver quanta é sua largura e quanto é o seu comprimento.

Vou medir a Jerusalém – (compare com Ap 11:1; 21:15-16).

3 E eis que o anjo que falava comigo saiu, e outro anjo veio ao seu encontro,

 o anjo que falava comigooutro anjo – O anjo interpretativo é encontrado por outro anjo enviado pelo Anjo Divino medidor para “correr” a Zacarias (Zc 2:4). Aqueles que realizam a vontade de Deus não devem apenas se arrastar, nem andar, mas correr com entusiasmo. [JFB]

4 E disse-lhe: Corre, fala a este rapaz, dizendo: Jerusalém será habitada sem muros por causa da multidão de pessoas e de animais que estarão no meio dela.

este rapaz – Então, Zacarias é chamado ainda como um jovem quando inspirado profeticamente (Grotius). Ou, ele é assim chamado em relação ao seu ministério ou serviço (compare Nm 11:27; Js 1:1) [Vatablus]. Naturalmente, o “anjo que conversou com” Zacarias é desejado para “falar” com ele sobre as futuras comunicações a serem feitas a partir do Ser Divino.

cidades sem muros para a multidão… Gado – Tantos serão os seus habitantes que todos não poderiam estar contidos dentro das muralhas, mas estender-se-ão em campo aberto ao redor (Et 9:19); e tão seguros serão para não precisarem se abrigarem a si mesmos e ao seu gado por trás das paredes. Assim, a Judéia é para ser “a terra das aldeias não muradas” (Ez 38:11). Espiritualmente, agora a Igreja se estendeu além dos muros (Ef 2:14-15) das ordenanças mosaicas e se espalhou de cidades para aldeias campestres, cujos habitantes deram o nome latino (pagani) aos pagãos, como sendo o último na separação do paganismo.

5 E eu, diz o SENHOR, serei seu muro de fogo ao redor, e serei sua glória no meio dela.

muro de fogo ao redor – Compare com Zc 2:4. No entanto, como uma cidade precisa de algum muro, eu Jeová agirei como um de fogo que ninguém deverá se aproximar (Zc 9:8; Is 26:1).

glória no meio – não apenas uma defesa dos inimigos de fora, mas uma glória interior (Is 60:19; Ap 21:23). A mesma combinação de “glória e defesa” é encontrada em Is 4:5, aludindo à coluna de nuvem e fogo que defendia e iluminava Israel no deserto. Compare com Eliseu em Dotã (2Rs 6:17). Como Deus é a sua “glória”, ela será a sua “glória” (Is 62:3). [JFB]

6 Ei! Ei! Fugi agora da terra do norte, diz o SENHOR, Porque eu vos espalhei pelos quatro ventos dos céu, diz o SENHOR.

Fugi agora da terra do norte – isto é, da Babilônia: um tipo de várias terras dos gentios, de onde os judeus devem ser lembrados daqui em diante; daí “os quatro ventos do céu” são especificados, implicando que eles devem retornar de todos os quadrantes (Dt 28:64; Jr 16:15; Ez 17:21). A razão pela qual eles deveriam fugir da Babilônia é: (1) por causa das bênçãos prometidas ao povo de Deus em sua própria terra; (2) por causa dos males prestes a cair em seu inimigo (Zc 2:7-9). Babilônia logo cairia diante de Dario, e seus habitantes suportariam terríveis calamidades (Is 48:20; Jr 50:8; 51:6,45). Muitos dos judeus da época de Zacarias ainda não haviam retornado à Judéia. Seu atraso foi devido a (1) incredulidade; (2) sua terra há muito tempo estava abandonada e cercada de inimigos amargos; (3) eles consideraram suspeitamente a liberdade de retorno dada por Ciro e Dario, como se esses monarcas tivessem projetado repentinamente para esmagá-los; (4) sua longa permanência na Babilônia havia obliterado a lembrança de sua própria terra; (5) a riqueza e a segurança ali contrastavam com a Judéia, onde seu templo e cidade estavam em ruínas. Tudo isso traiu ingratidão e desconsideração do favor extraordinário de Deus, que é infinitamente preferível a toda a riqueza do mundo [Calvino e Pembellus].

pois te espalhei para o estrangeiro – O raciocínio é: eu que te espalhei da tua terra para todos os quadrantes, também te posso reunir de novo.

7 Ei Sião! Escapa-te tu, que habitas com a filha da Babilônia.

filha da Babilônia – Tu cuja única morada certa é “Sião”, inseparavelmente ligada ao templo, arte totalmente fora de teu lugar em “morar com a filha de Babilônia” (isto é, Babilônia e seu povo, Sl 137:8; Is 1:8).

Depois da glória – Depois de restaurar a “glória” (Zc 2:5; Is 4:5; Rm 9:4) da presença de Jeová em Jerusalém, Ele (Deus o Pai) me comissionou (Deus Filho, Is 48:16, o Anjo Divino: Deus sendo, assim, o Remetente e o Enviado) para visitar na ira “as nações que os mimaram”. O duplo ofício do Messias do Pai é: (1) glorificar Sua Igreja; (2) para punir seus inimigos (2Ts 1:7-10). Ambos os ofícios manifestam Sua glória (Pv 16:4).

toca… a menina dos seus olhos – a saber, dos olhos de Jeová (Dt 32:10; Sl 17:8; Pv 7:2). A pupila, ou abertura, através da qual os raios passam para a retina, é a parte mais sensível do olho; o membro que mais cautelosamente protegemos da mágoa como sendo o mais querido de nossos membros; aquele que sente mais agudamente o menor dano, e cuja perda é irreparável.

8 Porque assim diz o SENHOR dos exércitos: Foi por causa da glória que ele me enviou às nações que vos despojaram; porque quem vos toca, toca a menina de seu olho.
9 Pois eis que levantarei minha mão contra eles, e serão saqueados por seus próprios servos, e sabereis que o SENHOR dos exércitos me enviou.

levantarei minha mão – Um mero movimento da mão de Deus pode prostrar todos os inimigos (compare Rt 1:13; Jó 31:21; Is 11:15; 19:16; At 13:11).

serão saqueados por seus próprios servos – pelos judeus que eles tinham uma vez como escravos (compare Is 14:2). Como o estado dos judeus entre o retorno da Babilônia e a vinda de Cristo sofreu muitas adversidades, essa profecia só pode ter seu cumprimento sob Cristo.

me enviou – (Is 48:16; 61:1; Jo 10:36). [JFB]

10 Canta e alegra-te, ó filha de Sião; porque eis que venho, e habitarei no meio de ti, diz o SENHOR.

habitarei no meio de ti – principalmente no primeiro advento do Messias (Sl 40:7; Jo 1:14; Cl 2:9; 1Tm 3:16); mais plenamente em seu segundo advento (Is 40:10). Veja a note em Zc 9:9 (Is 12:6; Ez 37:27; Sf 3:14, de quem Zacarias aqui deriva a linguagem que ele novamente imprime com a sanção de inspiração). Enquanto isso Deus habita espiritualmente em Seu povo (2Co 6:16). [JFU]

11 E naquele dia muitas nações se ajuntarão ao SENHOR, e serão meu povo, e habitarei no meio de ti; e saberás que o SENHOR dos exércitos me enviou a ti.

E naquele dia muitas nações se ajuntarão ao SENHOR – O resultado do exílio dos judeus na Babilônia foi que, em seu retorno subsequente, através da difusão do conhecimento de sua religião, muitos gentios tornaram-se prosélitos, adorando na corte dos gentios (1Rs 8:41). Ciro, Dario, Alexandre, Ptolomeu Filadelfo, Augusto e Tibério, prestaram respeito ao templo enviando oferendas (Grotius). Mas tudo isso é apenas uma sombra da futura conversão dos gentios, que resultará da morada de Jeová em Jerusalém (Sl 102:15-16; Fp 2:10-11).

me enviou a ti – Sião primeiro “saberá (geralmente) que o SENHOR dos Exércitos enviou o” Messias, pelos juízos infligidos por ele sobre seus inimigos. Posteriormente, ela deve conhecer experimentalmente o envio particular do Messias à ela. Jeová diz aqui: “habitarei”, e então o SENHOR dos Exércitos O enviou; portanto, Jeová, o Remetente, e Jeová, o Enviado, devem ser Um. [JFB]

12 E o SENHOR herdará a Judá como sua propriedade na terra santa, e novamente escolherá a Jerusalém.

Judá como sua propriedade na terra santa – para que a união das nações “gentias a Jeová” (Zc 2:11) leve os judeus a temerem sua relação peculiar com Ele (Dt 4:20; 9:29; 32:9) como “Sua herança” deve cessar, este verso é adicionado para assegurar-lhes de sua fazê-los tão a seguir “novamente”.

novamente escolherá a Jerusalém – O curso da graça de Deus foi interrompido por um tempo, mas Seu pacto não foi posto de lado (Rm 11:28-29); a eleição foi de uma vez por todas e, portanto, será válida para sempre.

13 Calem-se todos diante do SENHOR, porque ele se levantou de sua santa morada.

Calem-se todos – (Hb 2:20). “Que todos em silenciosa admiração e reverência aguardem a intercessão vindoura do Senhor em favor de Seu povo!” O endereço é tanto para os inimigos gentios, que se orgulhavam de seu poder como se fosse irresistível, e para os judeus incrédulos, que desconfiavam de Deus. promessas é incrível. Três razões pelas quais elas devem ser silenciosas estão implícitas: (1) elas são apenas “carne”, fracas e ignorantes; (2) Ele é Jeová, onisciente e todo-poderoso; (3) Ele já está “levantado do seu lugar” e quem pode estar diante dele? [Pembellus], (Sl 76:8-9).

ele se levantou de sua santa morada – isto é, do céu (Dt 26:15; 2Cr 30:27; Is 63:15), para julgar e vingar Seu povo (Is 26:21); ou, “fora de seu santo” templo, desprezível e incompleto como parecia então quando Zacarias os incitou a reconstruí-lo (Calvino). Mas o chamado a todos para “ficar em silêncio” é antes quando Deus veio do céu onde por tanto tempo Ele habitou invisível, e está prestes a infligir vingança ao inimigo, antes de tomar Sua morada em Sião e no templo. Contudo, o Salmo 50:1-2 (“de Sião”), Salmo 50:3 (compare com Hb 2:3), Salmo 50:4, favorece a visão de Calvino. Deus está agora “em silêncio” enquanto o inimigo gentio fala arrogância contra o Seu povo; mas “nosso Deus virá e não mais manterá silêncio”; então, por sua vez, toda carne deve “ficar em silêncio” diante dEle.

<Zacarias 1 Zacarias 3>

Leia também uma introdução ao Livro de Zacarias

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.