Bíblia, Revisar

Êxodo 3

Moisés e a sarça ardente

1 E apascentando Moisés as ovelhas de Jetro seu sogro, sacerdote de Midiã, levou as ovelhas ao outro lado do deserto, e veio a Horebe, monte de Deus.

E apascentando Moisés as ovelhas – Este emprego ele tinha entrado em adiantamento de seus pontos de vista matrimonial (ver em Êx 2:21), mas é provável que ele estava continuando seu serviço agora em outros termos como Jacó durante os últimos anos de sua estadia com Labão (Gn 30:28).

levou as ovelhas ao outro lado do deserto – isto é, a oeste do deserto (Gesenius), assumindo que o quartel general de Jethro estivesse em Dahab. A rota pela qual Moisés conduziu seu rebanho deve ter sido a oeste através do amplo vale chamado pelos árabes, Wady-es-Zugherah [Robinson], que conduziu ao interior do deserto.

monte de Deus – assim chamada de acordo com o idioma hebraico de sua grande altura, como “grandes montanhas”, hebraico, “montanhas de Deus” (Sl 36:6); “Bons cedros”, hebreu, “cedros de Deus” (Sl 80:10); ou alguns pensam que, por ser a antiga morada da “glória”; ou, finalmente, de ser o teatro de transações mais memorável na história da verdadeira religião para Horeb – em vez disso, “Horeb-ward”.

Horebe – isto é, “seco”, “deserto”, era o nome geral para o distrito montanhoso no qual o Sinai está situado, e do qual faz parte. (Veja Êx 19:2). Foi usado para designar a região compreendendo aquela imensa faixa de montes elevados, desolados e áridos, na base da qual, no entanto, não só há muitos trechos de verdura a serem vistos, mas quase todos os vales, ou wadys, como eles são chamados, mostram uma fina camada de vegetação, que, em direção ao sul, se torna mais luxuriante. Os pastores árabes raramente levam seus rebanhos para uma distância maior do que a jornada de um dia de seu acampamento. Moisés deve ter passado pelo menos dois dias de jornada e, embora pareça estar apenas seguindo seu curso pastoral, essa região, de suas numerosas nascentes nas fendas das rochas, é o principal recurso das tribos durante as tardes de verão. Providência de Deus levou-o para um propósito importante.

2 E apareceu-lhe o anjo do SENHOR em uma chama de fogo em meio de uma sarça: e ele olhou, e viu que a sarça ardia em fogo, e a sarça não se consumia.

o anjo do SENHOR em uma chama de fogo – É comum nas Escrituras representar os elementos e operações da natureza, como ventos, incêndios, terremotos, pestilência, tudo se alistou na execução da vontade divina, como os “anjos” ou mensageiros de Deus. Mas, nesses casos, o próprio Deus é considerado realmente, embora invisível, presente. Aqui, o fogo sobrenatural pode ser principalmente expresso pela expressão “anjo do Senhor”; mas é claro que sob este símbolo, o Ser Divino estava presente, cujo nome é dado (Êx 3:4,6), e em outros lugares chamado o anjo da aliança, Jeová-Jesus.

em meio de uma sarça – a acácia selvagem ou espinho, com o qual aquele deserto abunda, e que é geralmente seco e quebradiço, tanto que, em certas estações, uma faísca pode acender um distrito longe e amplamente em um incêndio. Um incêndio, portanto, estar no meio de um arbusto tão deserto era uma “grande visão”. É geralmente suposto ter sido emblemático da condição dos israelitas no Egito – oprimido por uma servidão esmagadora e uma sangrenta perseguição, e ainda, apesar da cruel política que estava empenhada em aniquilá-los, eles continuaram tão numerosos e prósperos como sempre. A razão era “Deus estava no meio deles”. O símbolo também pode representar o estado atual dos judeus, assim como da Igreja em geral no mundo.

3 Então Moisés disse: Irei eu agora, e verei esta grande visão, por que causa a sarça não se queima.
4 E quando o SENHOR viu que ia ver, Deus o chamou do meio da sarça, e disse: Moisés, Moisés! E ele respondeu: Eis-me aqui.

E quando o SENHOR viu que ia ver – As manifestações que Deus antigamente fazia de Si mesmo eram sempre acompanhadas por sinais claros e inconfundíveis de que as comunicações eram realmente do céu. Esta certa evidência foi dada a Moisés. Ele viu um fogo, mas nenhum agente humano para acendê-lo; ele ouviu uma voz, mas nenhum dos lábios humanos de onde veio; ele não viu nenhum Ser vivo, mas Um estava no mato, no calor das chamas, que o conhecia e se dirigia a ele pelo nome. Quem poderia ser este, mas o Ser Divino?

5 E disse: Não te aproximes daqui; tira teus calçados de teus pés, porque o lugar em que estás é terra santa.

tira teus calçados de teus pés. A reverência aos lugares santos repousa sobre o próprio mandamento de Deus. O costume em si é bem conhecido entre as observâncias do templo, foi adotado quase universalmente pelos antigos, e é mantido no Oriente.

terra santa. Esta passagem é quase conclusiva contra a suposição de que o lugar era anteriormente um santuário. Moisés nada sabia da sua santidade depois de cerca de 40 anos passados na Península. O lugar tornou-se santo pela presença de Deus. [Barnes]

Leia também um estudo sobre a santidade de Deus.

6 E disse: Eu sou o Deus de teu pai, Deus de Abraão, Deus de Isaque, Deus de Jacó. Então Moisés cobriu seu rosto, porque teve medo de olhar a Deus.

O temor reverente de Moisés deve ter sido aliviado pelo Orador divino (ver Mt 22:32), anunciando a Si mesmo em Seu caráter de convênio, e pela bem-vinda inteligência comunicada. Além disso, o tempo, bem como todas as circunstâncias dessa aparição miraculosa, eram tais que lhe davam uma demonstração ilustre da fidelidade de Deus às Suas promessas. O período da jornada e aflição de Israel no Egito havia sido previsto (Gn 15:13), e foi durante o último ano do prazo que ainda tinha que acontecer que o Senhor apareceu na sarça ardente.

7 E disse o SENHOR: Vi a aflição do meu povo que está no Egito, e ouvi seu clamor por causa de seus opressores; pois conheço suas angústias.

Vi a aflição do meu povo. O verbo tem aqui o sentido de ver com o olhar atento e sentimento simpático de amor.

e ouvi seu clamor. Um grito forte por toda a região de sua dispersão; um grito de angústia oprimida contra o opressor; um grito de dor, ressentimento e desânimo indefeso. Assim, a servidão dos próprios israelitas, bem como a cruel destruição de seus filhos masculinos, que se seguiu à adesão da nova dinastia no Egito, provocou a preparação subjetiva daquele povo para o êxodo, despertando no peito de todos intensos anseios de libertação. [JFU]

8 Por isso desci para livrá-los da mão dos egípcios, e tirá-los daquela terra, fazendo-os subir para uma terra boa e larga, para uma terra que flui leite e mel, para o lugar dos cananeus, dos heteus, dos amorreus, dos perizeus, dos heveus e dos jebuseus.
9 Eis que o clamor dos filhos de Israel veio a mim, e tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem.

veio a mim (Gn 18:21).

10 Vem, pois, agora, e te enviarei a Faraó, para que tires meu povo, os filhos de Israel, do Egito.

Vem, pois, agora, e te enviarei a Faraó – Considerando as visões patrióticas que antes animavam o peito de Moisés, poderíamos ter antecipado que nenhuma missão poderia ter sido mais bem-vinda ao seu coração do que ser empregada na emancipação nacional de Israel. Mas ele demonstrou grande relutância a isso e declarou várias objeções [Êx 3:11,13; Êx 4:1,10] todos os quais foram encontrados com sucesso e removidos – e a feliz edição de seus trabalhos foi minuciosamente descrita.

11 Então Moisés respondeu a Deus: Quem sou eu, para que vá a Faraó, e tire do Egito aos filhos de Israel?

Quem sou eu. Estas palavras indicam humildade (compare com Nm 12:3), não medo. Ele temia o fracasso, devido à incompetência, especialmente no poder de expressão. [Barnes]

12 E ele lhe respondeu: Vai, porque eu serei contigo; e isto te será por sinal de que eu te enviei: logo que houveres tirado este povo do Egito, servireis a Deus sobre este monte.

isto te será por sinal. A palavra significa uma declaração ou promessa de Deus, que repousa absolutamente em Sua palavra, e exige fé. A promessa de que Deus faria com que as pessoas O servissem naquele lugar era uma certeza, se acreditassem plenamente, que todos os obstáculos que interviessem seriam removidos pelo Seu poder. [Barnes]

13 E disse Moisés a Deus: Eis que, quando eu chegar aos filhos de Israel, e lhes disser, O Deus de vossos pais me enviou a vós; se eles me perguntarem: Qual é seu nome? que lhes responderei?

Qual é seu nome? O significado desta questão é evidentemente: “Por qual nome devo dizer-lhes que a promessa é confirmada?” Cada nome da Divindade representava algum aspecto ou manifestação de Seus atributos.O que Moisés precisava não era de um nome novo, mas de uma direção para usar esse nome que levaria em si um compromisso de cumprimento. Moisés estava familiarizado com o hábito egípcio de escolher entre os nomes dos deuses aquilo que carregava especialmente sobre os desejos e circunstâncias de seus adoradores, e isto pode ter sugerido a pergunta qual seria a primeira pergunta que seu próprio povo esperaria que ele respondesse. [Barnes]

14 Deus respondeu a Moisés: EU SOU O QUE SOU. E disse: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.

EU SOU O QUE SOU – Deus aqui proclama seu nome a Moisés por uma expansão do título Yahweh, ou Javé (veja a nota em Gn 27:29). Opiniões diferentes são consideradas quanto à ideia precisa que foi projetada para expressar: algumas, como Hengstenberg, considerando que denota a personalidade, a auto-existência e a imutabilidade do Ser Divino; e assim a Septuaginta a traduz como, Eu sou o Um existente. Outros interpretam, ‘Aquele que será’ – que significa o Ser que estava na plenitude do tempo para aparecer na forma de homem como o Messias prometido; enquanto uma terceira classe de escritores o toma antes como referência à manifestação de Deus de Si mesmo à Sua Igreja – seu uso nesta forma especial é projetado para despertar a atenção para seu profundo significado. [JFB]

15 E disse mais Deus a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: o SENHOR, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, Deus de Isaque e Deus de Jacó, me enviou a vós. Este é meu nome para sempre, este é meu memorial por todos os séculos.

o SENHOR Deus…Ou melhor, Jeová יהוה yehovâh, Deus de vossos pais, Deus de Abraão, Deus de Isaque e Deus de Jacó. Corresponde exatamente ao versículo anterior, sendo equivalentes as palavras “Eu sou” e “Jeová” (Yavé). Esse nome preenchia todos os requisitos de Moisés, envolvendo uma dupla promessa de cumprimento; as promessas de benefícios antigos e de uma nova manifestação.

nomememorial. O nome significa aquele pelo qual Deus se torna conhecido, o memorial pelo qual Seu povo O adora. [Barnes]

16 Vai, e junta os anciãos de Israel, e dize-lhes: O SENHOR, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, de Isaque, e de Jacó, me apareceu, dizendo: Certamente vos visitei, e vi o que se faz convosco no Egito;

os anciãos, ou seja, os homens mais velhos e líderes das diferentes famílias. Muitas vezes mencionado como os representantes do povo (Êx 3:18; 4:29; 17: 5-6; 18:12).

vos visitei, ou seja, mostrou interesse prático (Gn 21:1; Lc 1:68; 7:16): portando Ex 4:31; 18:19 (Gn 50:24)… [Cambridge]

17 E disse: Eu vos tirarei da aflição do Egito à terra dos cananeus, e dos heteus, e dos amorreus, e dos perizeus, e dos heveus, e dos jebuseus, a uma terra que flui leite e mel.
18 E ouvirão tua voz; e irás tu, e os anciãos de Israel, ao rei do Egito, e lhe direis: O SENHOR, o Deus dos hebreus, nos encontrou; portanto nós iremos agora caminho de três dias pelo deserto, para que sacrifiquemos ao SENHOR nosso Deus.

caminho de três dias pelo deserto, ou seja, uma viagem que ocuparia três dias para ir e voltar. Esta era uma demanda bastante de acordo com os costumes egípcios. A recusa do Faraó e os procedimentos subsequentes foram revelados a Moisés imediatamente; mas é importante observar que o primeiro pedido que o Faraó rejeitou poderia ter sido concedido sem qualquer dano ao Egito, ou qualquer risco de os israelitas passarem pela fronteira fortificada. [Barnes]

19 Mas eu sei que o rei do Egito não vos deixará ir a não ser por mão forte.

a não ser por mão forte. A obediência a essa simples e clara exigência feita por Moisés era possível, mas Deus sabia que o Faraó iria desobedecer, e predisse os resultados de sua livre vontade. Deus conhecia o coração orgulhoso e obstinado do Faraó. [Whedon]

20 Porém eu estenderei minha mão, e ferirei ao Egito com todas minhas maravilhas que farei nele, e então vos deixará ir.

maravilhas (Êx 34:10; Js 3:5).

21 E eu darei a este povo favor aos olhos dos egípcios, para que quando vos partirdes, não saiais vazios:
22 Em vez disso pedirá cada mulher à sua vizinha e à sua visitante vasos de prata, vasos de ouro, e roupas; os quais poreis sobre vossos filhos e vossas filhas, e despojareis ao Egito.
<Êxodo 2 Êxodo 4>

Leia também uma introdução ao livro do Êxodo.

Adaptado de: Commentary Critical and Explanatory on the Whole Bible. Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.