Josué 3

A travessia do Jordão

1 E levantou-se Josué de manhã, e partiram de Sitim, e vieram até o Jordão, ele e todos os filhos de Israel, e repousaram ali antes que passassem.

Comentário de Robert Jamieson

levantou-se Josué de manhã– No dia seguinte àquele em que os espiões retornaram com seu relatório encorajador. O acampamento foi quebrado em “Chittim” (os acácias) e removido para a margem oriental do Jordão. A duração de sua estada é indicada (Josué 3:2), sendo, de acordo com o cálculo hebraico, apenas um dia inteiro, incluindo a noite de chegada e a manhã da passagem; e tal tempo seria absolutamente necessário para um grupo tão heterogêneo de homens, mulheres e crianças, com todos os seus equipamentos e gado prontos para entrar no país de um inimigo. [JFB, aguardando revisão]

2 E passados três dias, os oficiais atravessaram por meio do acampamento,

Comentário de Robert Jamieson

– As instruções dadas neste momento e neste lugar eram diferentes daqueles descritos (Josué 1:11). [JFB, aguardando revisão]

3 E mandaram ao povo, dizendo: Quando virdes a arca do pacto do SENHOR vosso Deus, e os sacerdotes e levitas que a levam, vós partireis de vosso lugar, e marchareis atrás dela.

Comentário de Robert Jamieson

Quando virdes a arca… e os sacerdotes e levitas que a levam– A posição habitual da arca, quando em repouso, estava no centro do acampamento; e, durante uma marcha, no meio da procissão. Nesta ocasião, foi para ocupar a van, e ser suportado, não pelos levitas coatitas, mas os sacerdotes, como em todas as ocasiões solene e extraordinária (compare Números 4:15; Josué 6:6; 1Reis 8:3-6). [JFB, aguardando revisão]

4 Porém entre vós e ela haja distância como da medida de dois mil côvados: e não vos aproximareis dela, a fim de que saibais o caminho por onde haveis de ir: porquanto vós não passastes antes de agora por este caminho.

Comentário de Robert Jamieson

Porém entre vós e ela haja distância como da medida de dois mil côvados – Estas instruções referem-se exclusivamente ao avanço no rio. A distância que as pessoas deviam manter na parte de trás da arca era quase uma milha. Se tivessem se aglomerado muito perto da arca, a visão teria sido interceptada, e este espaço intermediário, portanto, foi ordenado, para que o baú contendo os símbolos sagrados pudesse ser claramente visível para todas as partes do campo e ser reconhecido como seu guia. o caminho inexplorado. [JFB, aguardando revisão]

5 E Josué disse ao povo: Santificai-vos, porque

Comentário Whedon

Santificai-vos. Por abluções e observâncias sagradas, e por uma mudança de roupa onde a lavagem da roupa era impraticável.

o SENHOR fará amanhã entre vós maravilhas. Ele abrirá uma passagem através do Jordão como o fez através do Mar Vermelho, e conduzirá o seu povo através de um lugar seco. O milagre do Mar Vermelho foi uma maravilha cujo nome tinha sido notado no estrangeiro durante quarenta anos, (Josué 2,10,) e isto no Jordão era para ser como ele. [Whedon]

6 E falou Josué aos sacerdotes, dizendo: Tomai a arca do pacto, e passai diante do povo. E eles tomaram a arca do pacto, e foram diante do povo.

Comentário de Robert Jamieson

falou Josué aos sacerdotes – Esta ordem para os sacerdotes seria dada em particular, e envolvendo como fez uma mudança importante na ordem estabelecida de marcha, deve ser considerada como anunciada em nome e pela autoridade de Deus. Além disso, assim que os sacerdotes entravam nas águas do Jordão, ficavam parados. A arca era para realizar o que havia sido feito pela vara de Moisés. [JFB, aguardando revisão]

O Senhor encoraja Josué.

7 Então o SENHOR disse a Josué: Desde este dia começarei a fazer-te grande diante dos olhos de todo Israel, para que entendam que como fui com Moisés, assim serei contigo.

Comentário de Robert Jamieson

Josué já recebeu distintas honras (Êxodo 24:13; Deuteronômio 31:7). Mas um maior sinal do favor divino estava agora para ser publicamente concedido a ele, e evidência dada da mesma maneira inconfundível que sua missão e autoridade eram de Deus como era a de Moisés (Êxodo 14:31). [JFB]

8 Tu, pois, mandarás aos sacerdotes que levam a arca do pacto, dizendo: Quando houverdes entrado até a borda da água do Jordão, parareis no Jordão.

Comentário de Keil e Delitzsch

(7-8) Início da travessia. – Primeiro de tudo (em Josué 3:7 e Josué 3:8), a revelação feita por Deus a Josué, que Ele começaria este dia para torná-lo grande, ou seja para glorificá-lo diante dos israelitas, e a ordem aos sacerdotes que levavam a arca do pacto de permanecerem parados no rio, quando chegaram às águas do Jordão; depois (Josué 3:9-13), a publicação desta promessa e ordem ao povo; e por fim (Josué 3:14-17), a execução da ordem. אחל, começarei a fazer-te grande. A orientação miraculosa do povo através do Jordão foi apenas o começo de toda a série de milagres pelos quais o Senhor colocou Seu povo em posse da terra prometida, e glorifica Josué aos olhos de Israel no cumprimento de seu ofício, como Ele havia glorificado Moisés antes. Assim como Moisés foi acreditado aos olhos do povo, como servo do Senhor em quem podiam confiar, pela divisão milagrosa do Mar Vermelho (Êxodo 14:31), assim também Josué foi acreditado como líder de Israel, a quem o Deus Todo-Poderoso reconheceu como tinha Seu servo Moisés, pelo milagre semelhante, a divisão das águas da Jordânia. Somente os pontos mais importantes do comando de Deus aos sacerdotes são dados no versículo 8. A ordem em si é comunicada mais completamente depois, no discurso ao povo, no versículo 13. Quando chegaram com a arca ao fim das águas do Jordão – ou seja, não para o lado oposto, mas para a margem mais próxima; ou seja, assim que chegaram à água no leito do rio – deviam ficar parados (vid., versículo 15, e Josué 4:11), para, como vemos a seguir, formar uma represa, por assim dizer, contra a força da água, que foi miraculosamente presa em seu curso, e amontoada em uma pilha. Moisés dividiu as águas do Mar Vermelho com sua vara; Josué deveria fazer o mesmo ao Jordão com a arca do pacto, o símbolo e veículo designado da presença do Deus Todo-Poderoso desde a conclusão do pacto. Onde quer que os meios ordinários de graça estejam à mão, Deus lhes atribui as operações de Sua graça; pois Ele é um Deus de ordem, que não age de forma arbitrária na seleção de Seus meios. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

9 E Josué disse aos filhos de Israel: Achegai-vos aqui, e escutai as palavras do SENHOR vosso Deus.

Comentário de Robert Jamieson

Achegai-vos aqui, e escutai as palavras do SENHOR – Parece que os israelitas não tinham a menor ideia de como atravessariam o rio até pouco antes do evento. O discurso premonitório de Josué, tomado em conexão com o resultado milagroso exatamente como ele havia descrito, tenderia a aumentar e confirmar sua fé no Deus de seus pais como algo inanimado, insensato e sem sentido, como os ídolos das nações, mas um Ser de vida, poder e atividade para defendê-los e trabalhar para eles. [JFB, aguardando revisão]

10 E acrescentou Josué: Em isto conhecereis que o Deus vivente está em meio de vós, e que ele lançará de diante de vós aos cananeus, e aos heteus, e aos heveus, e aos perizeus, e aos gergeseus, e aos amorreus, e aos jebuseus.

Comentário de Keil e Delitzsch

(9-10) A convocação para os filhos de Israel, ou seja a toda a nação nas pessoas de seus representantes, para se aproximar (גּשׁוּ para גּשׁוּ, como em 1Samuel 14:38; Rute 2:14) para ouvir as palavras do Senhor seu Deus, aponta para a importância do seguinte anúncio pelo qual Israel deveria aprender que havia um Deus vivo no meio dele, que tinha o poder de cumprir Sua palavra. Jeová é chamado de “Deus vivo”, em contraste com os deuses mortos dos pagãos, como um Deus que provou ser vivo, com especial referência àquelas “operações divinas pelas quais Deus tinha mostrado que Ele estava vivendo e vigilante em favor de Seu povo; assim como Seu estar no meio do povo não denotou uma presença nua, mas um grau marcante de presença por parte de Deus em relação à realização de operações extraordinárias, ou a manifestação de cuidados peculiares” (Seb. Schmidt). O Deus de Israel manifestar-se-ia agora como um Deus vivo pelo extermínio dos cananeus, sete tribos das quais são enumeradas, como em Deuteronômio 7:1 (ver as observações sobre esta passagem). Josué menciona a destruição destas nações como o propósito que Deus tinha em vista na miraculosa orientação de Israel através do Jordão, para encher os israelitas de confiança para sua entrada na terra prometida.

(Nota: “Ele estende a força do milagre para além de sua entrada na terra, e propriamente, pois a mera abertura de um caminho para um país hostil do qual não haveria recuo, não seria nada além de exposição à morte”. Pois ou eles cairiam facilmente, por estarem enredados em dificuldades e em uma região desconhecida, ou pereceriam por falta. Josué, portanto, predisse, que quando Deus voltasse a conduzir o rio seria como se Ele tivesse estendido sua mão para atingir todos os habitantes da terra, e que a prova que Ele deu de seu poder na travessia do Jordão seria um certo presságio de vitória, a ser obtida sobre todas as tribos”). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

11 Eis que, a arca do pacto do Dominador de toda a terra passa o Jordão diante de vós.

Comentário de Keil e Delitzsch

(11-13) Depois desta promessa inspiradora, Josué informou ao povo o que o Senhor pretendia fazer primeiro: “Eis que a arca da aliança do Senhor de toda a terra irá adiante de vós para a Jordânia”. כּל-הארץ ‘adown é um genitivo dependente de הברית ארון, sendo a estrita subordinação do estado de construção afrouxada neste caso pelo artigo antes que o nomen regens. Os pontuadores o separaram deste último por sakeph-katon, sem assim explicá-lo como em oposição ou dando qualquer apoio à exposição errada de Buxtorff e Drusius, de que “a arca do pacto é chamada de governante de toda a terra”. A descrição de Jeová como “Senhor de toda a terra”, que é repetida em Josué 3:13, é muito apropriadamente escolhida com o propósito de fortalecer a confiança na onipotência do Senhor. Este epíteto “exaltou o governo de Deus sobre todos os elementos do mundo, para que os israelitas não tenham dúvidas de que como os mares e os rios estão sob Seu controle, as águas, embora líquidas por natureza, se tornariam estáveis ao Seu aceno” (Calvino). A expressão, “passa diante de ti para a Jordânia”, é mais precisamente explicada no decorrer da narrativa: a arca da aliança foi (foi levada) diante do povo para dentro do rio, e depois ficou parada, como o baluarte do povo, até que a passagem fosse concluída; de modo que a palavra “antes” indica a proteção que ela proporcionaria. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

12 Tomai, pois, agora doze homens das tribos de Israel, de cada tribo um.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-13) “E leve até você (isto é, indique) doze homens das tribos de Israel, um para cada tribo”. Para que propósito não é dito aqui, mas é aparente pelo que se segue (Josué 4:2.). A escolha ou nomeação destes homens foi necessariamente ordenada antes do início da travessia, pois eles deveriam estar ao lado de Josué, ou perto dos portadores da arca do pacto, de modo a estarem à mão para cumprir o dever que lhes foi confiado (Josué 4:3.). Josué então conclui predizendo o próprio milagre: “Acontecerá que, quando as plantas dos pés dos sacerdotes que levam a arca do Senhor se assentarem nas águas do Jordão, as águas do Jordão serão cortadas; isto é, as águas que correm do alto, e ficarão paradas como uma só pilha”. “Serão cortadas”, a fim de desaparecer; isto é, no lugar em que os sacerdotes estiverem com a arca do pacto. Isto ocorreu através das águas paradas como uma pilha, ou sendo amontoadas para cima, a alguma distância acima do lugar de descanso. אחד נד é uma acusação de definição mais precisa. A expressão é retirada da canção de Moisés (Êxodo 15:8). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

13 E quando as plantas dos pés dos sacerdotes que levam a arca do SENHOR Dominador de toda a terra, forem assentadas sobre as águas do Jordão, as águas do Jordão se partirão: porque as águas que vem de acima se deterão em um amontoado.

Comentário de Keil e Delitzsch

(12-13) “E leve até você (isto é, indique) doze homens das tribos de Israel, um para cada tribo”. Para que propósito não é dito aqui, mas é aparente pelo que se segue (Josué 4:2.). A escolha ou nomeação destes homens foi necessariamente ordenada antes do início da travessia, pois eles deveriam estar ao lado de Josué, ou perto dos portadores da arca do pacto, de modo a estarem à mão para cumprir o dever que lhes foi confiado (Josué 4:3.). Josué então conclui predizendo o próprio milagre: “Acontecerá que, quando as plantas dos pés dos sacerdotes que levam a arca do Senhor se assentarem nas águas do Jordão, as águas do Jordão serão cortadas; isto é, as águas que correm do alto, e ficarão paradas como uma só pilha”. “Serão cortadas”, a fim de desaparecer; isto é, no lugar em que os sacerdotes estiverem com a arca do pacto. Isto ocorreu através das águas paradas como uma pilha, ou sendo amontoadas para cima, a alguma distância acima do lugar de descanso. אחד נד é uma acusação de definição mais precisa. A expressão é retirada da canção de Moisés (Êxodo 15:8). [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]vvv

14 E aconteceu que, partindo o povo de suas tendas para passar o Jordão, e os sacerdotes diante do povo levando a arca do pacto,

Comentário de Robert Jamieson

– Para entender a cena descrita, devemos imaginar o bando de sacerdotes com a arca em seus ombros, em pé na beira do rio, enquanto a massa da as pessoas estavam a uma milha de distância. De repente, todo o leito do rio secou; um espetáculo o mais extraordinário que aconteceu no tempo da colheita, correspondendo ao nosso abril ou maio – quando “o Jordão transborda todas as suas margens”. As palavras originais podem ser mais corretamente traduzidas “preenche todas as suas margens”. Alimentado pela neve do Líbano, estava no seu auge – encorpado; uma tradução que dá a única descrição verdadeira do estado da Jordânia na colheita, como observado pelos viajantes modernos. O rio ao redor de Jericó tem, em aparência comum, cerca de cinquenta ou sessenta metros de largura. Mas, como visto na colheita, é duas vezes mais amplo; e nos tempos antigos, quando as colinas à direita e à esquerda estavam muito mais encharcadas de chuva e neve do que desde que as florestas desapareceram, o rio deve, a partir de uma maior ascensão de água, ter sido ainda mais amplo do que na época da colheita. dias de hoje. [JFB, aguardando revisão]

15 Quando os que levavam a arca chegaram no Jordão, assim como os pés dos sacerdotes que levavam a arca foram molhados à beira da água, (porque o Jordão costuma transbordar sobre todas as suas margens todo aquele tempo da colheita,)

Comentário de Keil e Delitzsch

(14-16) O evento correspondeu ao anúncio. – Josué 3:14-16. Quando o povo deixou suas tendas para atravessar o Jordão, e os sacerdotes, indo antes da arca do pacto, mergulharam seus pés na água (“a borda da água”, Josué 3:15, como em Josué 3:8), embora o Jordão estivesse cheio em todas as suas margens durante todo o tempo da colheita, as águas ficaram paradas: as águas que desciam de cima para baixo ficaram como uma pilha a uma grande distância, junto à cidade de Adão, ao lado de Zarthan; e as águas que desciam para o mar salgado foram totalmente cortadas, de modo que as pessoas passaram pelo leito seco do rio em frente a Jericó. Josué 3:14-16 formam um grande período, composto de três prodígios (Josué 3:14, Josué 3:15), o primeiro e o terceiro dos quais são cada um deles mais precisamente definido por uma cláusula circunstancial, e também de três apodésicos (Josué 3:16). Nas provas a construção passa do infinitivo (בּנסע e כּבוא) para o verbo finito (נטבּלוּ), – uma coisa de ocorrência freqüente (ver Ewald, 350). A cláusula circunstancial (Josué 3:15), “e o Jordão foi preenchido por todas as suas margens todos os dias da colheita”, traz à tona em toda sua plenitude o milagre da interrupção da água pela onipotência de Deus. Toda tentativa de explicar o milagre como uma ocorrência natural é assim evitada; de modo que Eichhorn pronuncia a cláusula um brilho, e se esforça desta maneira para se livrar completamente dela. על-_כּל-גּבותיו pode significar cheio contra todos os seus bancos, fluindo com seus bancos cheios, ou “cheio até a borda” (Robinson, Pal. ii. p. 262, de acordo com a lxx e Vulgata); mas se compararmos Josué 4:18, “as águas da Jordânia voltaram ao seu lugar, e passaram por todas as suas margens como antes”, com a passagem paralela em Isaías 8:7, “o rio sobe por todos os seus canais e passa por todas as suas margens”, não pode haver dúvida de que as palavras se referem a um transbordamento das margens, e não apenas ao seu enchimento até a borda, de modo que as palavras devem ser proferidas “passar por cima das margens”. Mas não devemos, portanto, entendê-las como significando que todo o Ghor foi inundado. O Jordão flui através do Ghor, que tem duas horas de viagem largas em Beisan, e ainda mais largas ao sul (veja em Deuteronômio 1:1), em um vale de cerca de um quarto de hora de largura que fica a quarenta ou cinqüenta pés mais abaixo, e, estando coberto de árvores e canas, apresenta um contraste marcante com as encostas arenosas que o limitam de ambos os lados. Em muitos lugares esta faixa de vegetação ocupa uma porção ainda mais profunda do vale inferior, que é cercada por margens rasas de não mais de dois ou três pés de altura, de modo que, estritamente falando, podemos distinguir três diferentes margens nos lugares mencionados: as margens superiores ou externas, que formam a primeira inclinação do grande vale; as margens inferiores ou médias, que abraçam aquela faixa de terra que está coberta de vegetação; e depois as verdadeiras margens do leito do rio (ver Burckhardt, Syr. pp. 593ff, e Robinson, Pal. ii. pp. 254ff., e Bibl. Researches, pp. 333ss.). A inundação nunca ultrapassa a linha inferior do Ghor, que está coberta de vegetação, mas mesmo nos tempos modernos esta linha às vezes tem sido transbordada. Por exemplo, Robinson (Pal. ii. p. 255, comparado com p. 263) encontrou o rio tão inchado quando o visitou em 1838, que ele encheu seu leito até a borda, e em alguns lugares correu e cobriu o solo onde os arbustos cresciam. Esta elevação da água ainda ocorre na época da colheita em abril e no início de maio (ver em Levítico 23:9.), e portanto realmente no fim da razão chuvosa, e depois que a neve derreteu por muito tempo sobre Hermon, pois é então que o lago de Tiberíades atinge sua maior altura, em conseqüência da estação chuvosa e do derretimento da neve, de modo que é somente então que o Jordão flui com seu riacho cheio no Mar Morto (Robinson, ii. p. 263). Nesta época do ano o rio não pode, naturalmente, ser atravessado mesmo em seus vaus mais rasos, enquanto isso é possível na estação do verão, quando a água está baixa. É somente nadando que ele pode ser atravessado, e mesmo isso não pode ser feito sem grande perigo, pois ele tem dez ou doze pés de profundidade na vizinhança de Jericó, e a corrente é muito forte (vid., Seetzen, R. ii. pp. 301, 320-1; Rob. ii. p. 256). A travessia nesta estação era considerada um feito muito extraordinário nos tempos antigos, de modo que é mencionado em 1 Crônicas 12:15 como um ato heróico por parte dos bravos gaditas. Talvez tenha sido assim que os espiões atravessaram e recrutaram o rio alguns dias antes. Mas isso foi totalmente impossível para o povo de Israel com suas esposas e filhos.

Era necessário, portanto, que o Senhor de toda a terra fizesse um caminho por milagre de Sua onipotência, que prendeu as águas descendentes em seu curso, de modo que elas ficassem paradas como um monte “muito longe”, isto é, do lugar de passagem, “pela cidade de Adam” (בּאדם não deve ser alterado para מאדם, de Adam, segundo a Keri), “que fica ao lado de Zarthan”. A cidade de Adão, que não é mencionada em nenhum outro lugar (e que Lutero entendeu erroneamente como uma apelação, segundo o árabe, “povo da cidade”), não deve ser confundida com Adamah, na tribo de Naftali (Josué 19:36). A cidade de Zarthan, ao lado da qual Adão está situado, também desapareceu. Van de Velde e Knobel imaginam que o nome Zarthan tenha sido preservado no moderno Kurn (Horn) Sartabeh, um longo e imponente cume rochoso no sudoeste do vau de Damieh, sobre o qual dizem existir as ruínas de um castelo. Esta conjectura não é favorecida por nenhuma semelhança nos nomes, mas sim por sua situação. Pois, por um lado, a montanha se inclina a partir do final desta crista rochosa, ou da parte mais alta do chifre, em um ombro largo, a partir do qual uma crista rochosa inferior alcança o Jordão, e parece se juntar às montanhas do leste, de modo que o vale do Jordão é contraído a suas dimensões mais estreitas neste ponto, e dividido no Ghor superior e inferior pelas colinas de Kurn Sartabeh; e consequentemente este foi aparentemente o ponto mais adequado para o represamento das águas do Jordão (ver Robinson, Bibl. Pesquisas, pp. 293-4). Por outro lado, este site fala muito bem com todos os avisos na Bíblia a respeito da situação da cidade de Zarthan, ou Zeredetha (1 Reis 7:46, comparado com 2 Crônicas 4:17): em outras palavras, em 1 Reis 4: 12, onde se diz que Zarthan esteve ao lado do território de Bete-Seão; também em 1 Reis 7:46, onde Zarthan e Succoth se opõem; e em Juízes 7:22, onde a leitura deve ser צרדתה, de acordo com as versões em árabe e siríaco. Assim, Knobel supõe que Adão estava situado na vizinhança do atual ford Damieh, perto do qual ainda se encontram os restos de uma ponte pertencente à época romana (Lynch, Expedição). A distância de Kurn Sartabeh de Jericó é um pouco mais de quinze milhas, o que convive muito bem com a expressão “muito longe”. Através deste amontoamento das águas que desciam de cima, aquelas que corriam para o Mar Morto (o mar da planície, ver Deuteronômio 4): 49) foram completamente cortadas (נכרתוּ תּמּוּ devem ser tomadas em conjunto, de modo que תּמּוּ apenas expressa a idéia adverbial totalmente, completamente), e as pessoas passaram por cima, provavelmente em linha reta de uádi Hesbn a Jericó. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

16 As águas que vinham de cima pararam, e amontoaram-se bem longe, na cidade de Adã, que está ao lado de Zaretã; e as que desciam ao mar das planícies, ao mar Salgado, esgotaram-se e foram totalmente interrompidas; e o povo passou em frente de Jericó.

Comentário de Robert Jamieson

águas que vinham de cima  – isto é, o Mar da Galileia

amontoaram-se – “em uma pilha”, uma barreira firme e compacta (Êxodo 15:8; Salmo 78:13);

bem longe – no alto do córrego;

na cidade de Adã, que está ao lado de Zaretã – perto do monte Sartabeh, na parte norte do Ghor (1Reis 7:46); isto é, a uma distância de trinta milhas do acampamento israelita; e aqueles que desceram em direção ao mar do deserto – o Mar Morto – foram cortados (Salmo 114:2-3). O rio estava assim seco até onde a vista alcançava. Este foi um milagre estupendo; A Jordânia leva seu nome, “o Descendente”, da força de sua corrente, que, depois de passar pelo Mar da Galileia, se torna grandemente aumentada ao passar por 27 “corredeiras e cascatas horríveis”, além de um grande número menor através de queda de mil pés, com média de quatro a cinco milhas por hora [Lynch]. Quando inchado “no tempo da colheita”, flui com uma corrente muito acelerada.

o povo passou em frente de Jericó – O ponto exato é desconhecido; mas não pode ser aquele fixado pela tradição grega – os peregrinos são o “local de banho”, tanto porque é muito para o norte, como os bancos orientais estão lá em precipícios de dez ou quinze pés de altura. [JFB, aguardando revisão]

17 Mas os sacerdotes que levavam a arca do pacto do SENHOR, ficaram firmes em seco, no meio do Jordão, e todo Israel passou em seco, até que todo o povo acabou de passar o Jordão.

Comentário de Robert Jamieson

firmes em seco, no meio do Jordão – o rio ao redor de Jericó tem um fundo de cascalho firme, sobre o qual o exército pode passar, sem inconveniência quando a água é retirada. [JFB, aguardando revisão]

<Josué 2 Josué 4>

Introdução à Josué 3

Na manhã seguinte, após o retorno dos espiões ao campo, Josué prosseguiu com o povo de Sitim até a margem do Jordão, para completar os preparativos necessários lá, e depois atravessar o rio e entrar em Canaã (Josué 3:1). A travessia deste rio limite de Canaã, ou melhor, a passagem pelo leito do rio, que havia sido secado por um milagre de onipotência divina no local da travessia, é narrada nestes dois capítulos da seguinte maneira: primeiro (Josué 3:1-6), os preparativos finais para a travessia; e depois a passagem pelo leito do rio e a edificação de pedras como um memorial permanente deste milagre. Isto está organizado em três partes: em outras palavras, Josue 3:7-17, o início da travessia; seu progresso posterior; e Josue 4:15-24, seu encerramento. O relato também está organizado no seguinte plano: em cada uma destas três seções é mencionado primeiro o comando de Deus para Josué (compare com Josué 3:7-8; Josue 4:2-3, Josué 4:15-16); depois a comunicação deste comando ao povo por Josué; e finalmente sua execução (Josué 3:9-17; Josue 4:4-13, Josué 4:17-20). Este arranjo foi adotado pelo autor com o propósito de trazer à tona não apenas o milagre em si, mas também os meios com os quais Deus associou a realização do milagre, e também de imprimir profundamente na memória do povo tanto o ato divino quanto o fim garantido. Ao fazer isso, porém, algumas repetições foram inevitáveis, em conseqüência do esforço, tão peculiar ao modo hebraico de escrever a história para marcar e arredondar os vários pontos das ocorrências descritas, por afirmações tão abrangentes como a de antecipar o curso real dos acontecimentos. É a este arranjo e ao encaixe dos diferentes pontos que devemos atribuir a distribuição da revelação e dos comandos que Josué recebeu de Deus, sobre as várias porções da história; e conseqüentemente não devemos supor, que em cada ponto separado durante a passagem Deus revelou a Josué o que ele deveria fazer, mas devemos antes assumir que Ele realmente revelou e comandou tudo o que era necessário de uma só vez, no dia anterior à passagem milagrosa. [Keil e Delitzsch, aguardando revisão]

Visão geral de Josué

O livro de Josué relata como “depois da morte de Moisés, Josué lidera Israel e eles se estabelecem na terra prometida que está sendo ocupada pelos cananeus”. Tenha uma visão geral deste livro através do vídeo a seguir produzido pelo BibleProject. (8 minutos)

🔗 Abrir vídeo no Youtube.

Leia também uma introdução ao livro de Josué.

Todas as Escrituras em português citadas são da Bíblia Livre (BLIVRE), Copyright © Diego Santos, Mario Sérgio, e Marco Teles – fevereiro de 2018.